SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
OSTEOPOROSE IN FOCO; OSTEOPOROSE SIGNIFICA "OSSO POROSO". VISTA
SOB UM MICROSCÓPIO, O OSSO SAUDÁVEL PARECE UM FAVO DE MEL.
QUANDO A OSTEOPOROSE OCORRE, OS BURACOS E ESPAÇOS NO FAVO DE
MEL SÃO MUITO MAIORES DO QUE EM OSSOS SAUDÁVEIS. OSSOS
OSTEOPORÓTICOS PERDERAM DENSIDADE OU MASSA E CONTÊM
ESTRUTURA TECIDUAL ANORMAL. OS OSSOS SÃO A ESTRUTURA QUE
SUPORTAM OS DIVERSOS SEGMENTOS DO NOSSO CORPO. ESTE TÓPICO Nº
5 = HISTÓRIA FAMILIAR DE OSTEOPOROSE, É MAIS FREQUENTE EM
MULHERES.
SER MULHER COLOCA VOCÊ EM RISCO DE DESENVOLVER OSTEOPOROSE E
OSSOS QUEBRADOS. APROXIMADAMENTE UMA EM CADA DUAS MULHERES
COM MAIS DE 50 ANOS IRÁ QUEBRAR UM OSSO POR CAUSA DA
OSTEOPOROSE. O RISCO DE UMA MULHER QUEBRAR UM QUADRIL É IGUAL
AO RISCO COMBINADO DE CÂNCER DE MAMA, DE ÚTERO E DE OVÁRIO
JUNTOS, O QUE SIGNIFICA ESTATISTICAMENTE UM RISCO MAIOR DESSAS
DOENÇAS LIGADO A OSTEOPORÓSE TER UMA MAIOR COMORBIDADE OU
MORBIDADE. PORTANTO A PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE ESTÁ EM
PRIORIDADE PREVENTIVA, É CLARO QUE TODOS OS FATORES DE RISCOS
DEVEM SER OBSERVADOS. A OSTEOPOROSE OCORRE EM FAMÍLIAS. TER UM
MEMBRO DA FAMÍLIA COM OSTEOPOROSE AUMENTA O RISCO DE TER
OSTEOPOROSE. NO ENTANTO, TER UM MEMBRO DA FAMÍLIA COM
OSTEOPOROSE NÃO GARANTE QUE VOCÊ O TERÁ TAMBÉM. CADA TÓPICO
NÃO SE TRATA DE REPETIÇÃO DE MATÉRIAS ANTERIORES NA SEQUÊNCIA.
MAS É IMPORTANTE AO PACIENTE OU LEITOR INTERESSADO LER OS
TOPICOS DE Nº1 A Nº 10 CONFORME LINKS ABAIXO SEQUÊNCIAIS COM OS
DEVIDOS ASSUNTOS NO FIM DE CADA TÓPICO. ENVOLVE UM
METABOLISMO E HORMÔNIOS E OUTRAS SUBSTÂNCIAS QUE
NORMALMENTE ATUAM NO CORPO PARA REGULAR A NORMALIDADE DE
NOSSA ESTRUTURA, O DESENVOLVIMENTO INFANTIL E A EVOLUÇÃO
ADULTA. ESTE TÓPICO Nº 5 = HISTÓRIA FAMILIAR DE OSTEOPOROSE, É
MAIS FREQUENTE EM MULHERES. NO ENTANTO SEU ENDOCRINOLOGISTA
OU NEUROENDOCRINOLOGISTA DE CONFIANÇA E EXPERIÊNTE, PODERÁ
COMPLEMENTAR EM CASO DE ALGUNS DETALHES QUE NÃO FOREM
CONTEMPLADO COM ESTE RESUMO, DEVIDO A COMPLEXIDADE E EXTENSÃO
DO ASSUNTO. FISIOLOGIA–ENDOCRINOLOGIA–NEUROCIÊNCIA
ENDÓCRINA (NEUROENDOCRINOLOGIA) – GENÉTICA–ENDÓCRINO
PEDIATRIA E AUXOLOGIA = CRESCER (SUBDIVISÕES DA
ENDOCRINOLOGIA): DR. CAIO JR., JOÃO SANTOS ET DRA. CAIO,
HENRIQUETA VERLANGIERI.
BONE HEALTH IN WOMEN
Se um dos seus pais teve um osso quebrado, especialmente um quadril
quebrado, você pode precisar de ser rastreado antes para prevenção da
osteoporose. Esta é uma condição médica onde os ossos se tornam fracos e
são mais propensos a quebrar. Compartilhe seu histórico de saúde da família
com seu médico. Seu médico endocrinologista pode ajudá-lo a tomar
medidas para fortalecer os ossos fracos e evitar ossos quebrados. As
pessoas com osteoporose são mais propensas a quebrar os ossos, mais
frequentemente no quadril, antebraço, punho e coluna. Embora a maioria
dos ossos quebrados seja causada por quedas, a osteoporose pode
enfraquecer os ossos ao ponto de uma ruptura ocorrer com mais facilidade,
por exemplo, ao tossir ou bater em alguma coisa, ou até mesmo descendo
uma escada ocorrer uma quebra ossea expontânea.
Conforme você evolui na idade, é mais provável que você tenha osteoporose
e a recuperação de um osso quebrado se torne mais difícil. Ossos quebrados
podem ter efeitos duradouros, incluindo dor que não desaparece. A
osteoporose pode fazer com que os ossos da coluna quebrem e comecem a
desmoronar, de modo que algumas pessoas ficam mais curtas (baixas),
incluindo cifose, escoliose ou ambas e não conseguem ficar em pé. Os
quadris quebrados são especialmente sérios - depois, muitas pessoas não
conseguem viver sozinhas e são mais propensas a morrer mais cedo. A
osteoporose é mais comum em mulheres. Afeta cerca de 25% (1 em cada 4)
das mulheres com 65 anos ou mais e cerca de 5% (1 em 20) dos homens
com 65 anos ou mais. Muitas pessoas com osteoporose não sabem que têm
até que quebrem um osso. A triagem é importante para encontrar essas
pessoas antes que isso aconteça, para que possam tomar medidas para
diminuir os efeitos da osteoporose.
Atualmente, a triagem para osteoporose é recomendada para mulheres com
65 anos ou mais e para mulheres entre 50 e 64 anos e que apresentem
certos fatores de risco, ou histórico familiar, como ter um pai que tenha
rompido o quadril. Mas não é menos importante que problemas familiares
incluindo principalmente a mãe tenha osteporose e mesmo osteopenia.
Rastreamento para osteoporose é comumente feito usando um tipo de raios-
x de baixo nível chamado de dupla / energia radiotranspirometria (DXA). A
triagem também pode mostrar se você tem baixa massa óssea, o que
significa que seus ossos estão mais fracos do que o normal e provavelmente
desenvolverão osteoporose. Existem passos que você pode tomar para
melhorar sua saúde óssea e fortalecer os ossos fracos:
❖ Tome medicamentos para fortalecer os ossos e evitar medicamentos
que possam enfraquecer seus ossos.
❖ Coma uma dieta saudável que inclua quantidades adequadas de cálcio
e vitamina D.
❖ Realize exercícios de sustentação de peso regularmente.
❖ Não fume. Voce necessita de efetuar a hematose a nivel pulmonar,
qual é a lógica de inalar CO2 com mais de 4.000 substâncias tóxicas.
Com certeza muitas interferirão na osteoporose. A arterialização
(oxigenação) do sangue nos pulmões.
❖ Limite o uso de álcool.
Não espere até que você tenha um osso quebrado para tomar medidas para
melhorar sua saúde óssea - você pode começar em qualquer idade! Você
também pode tomar medidas para evitar quedas, inclusive fazendo
exercícios para melhorar a força e o equilíbrio de suas pernas, verificar seus
olhos e tornar sua casa mais segura.
Até pouco tempo atrás:
➢ Relativamente pouco se sabia ou poderia ser feito em relação à
osteoporose; tanto a doença quanto as fraturas que a acompanham
foram consideradas parte inevitável da velhice. Poucos fatores de
risco além da menopausa foram identificados.
➢ Um número limitado de ferramentas de diagnóstico efetivas estava
disponível para ajudar os profissionais de saúde a identificar e tratar
indivíduos com risco de osteoporose.
➢ A osteoporose era vista apenas como uma “doença da mulher”. Os
homens não reconheciam a doença como uma ameaça significativa à
sua mobilidade e independência.
Atualmente com a evolução da ciencia:
As consequências devastadoras da baixa massa óssea - ou seja, ossos
quebrados - podem muitas vezes ser evitadas. Por exemplo,
alterações simples na casa de uma pessoa (por exemplo, adicionar
mais luzes, remover a desordem) podem impedir quedas. Uma dieta
equilibrada e um exercício modesto aumentam a força dos ossos. E os
medicamentos podem retardar a progressão da doença.
Melhorar a saúde óssea é importante em qualquer idade. O NIH -
Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA., em parceria
com outras agências federais e organizações não-governamentais,
está implementando programas para ajudar os jovens a adotar
comportamentos saudáveis para os ossos que durarão por toda a vida.
Além disso, estudos clínicos apoiados pelo NIH - Departamento de
Saúde e Serviços Humanos dos EUA., em intervenções de nutrição e
atividade física fornecem fortes evidências de que as fraturas podem
ser prevenidas e a perda óssea reduzida mesmo em indivíduos mais
velhos, fornecendo evidências de que a osteoporose não precisa ser
uma consequência natural do envelhecimento.
A identificação de fatores de risco para osteoporose está fornecendo
aos médicos principalmente endocrinologistas, informações
importantes sobre quem está em maior risco para essa doença
debilitante e quem se beneficiaria com o tratamento. As principais
contribuições do Estudo das Fraturas Osteoporóticas (SOF), que
começaram há mais de 20 anos, e sua contraparte para os homens,
revelaram que a densidade mineral óssea do quadril é um dos
melhores preditores de fratura. Esses estudos, e outros, também
mostraram que o peso corporal, dieta, atividade física, história
familiar e uso de medicamentos são importantes fatores de risco.
Pesquisadores dissiparam o mito de que algumas fraturas em pessoas
mais velhas são “ganhas” e, portanto, não necessariamente sinalizam
osteoporose. SOF, Mr. OS e outros estudos mostraram que pessoas
mais velhas com fratura devem ser testadas para osteoporose -
mesmo que a fratura tenha ocorrido devido a uma queda.
A absortometria radiológica de dupla energia (DEXA) tornou-se um
dos métodos mais utilizados para avaliar a densidade mineral óssea.
O sistema operacional está gerando dados que a Força-Tarefa de
Serviços Preventivos dos EUA pode incorporar na orientação sobre o
uso da densidade mineral óssea para avaliar o risco de fraturas. Os
dados do sistema operacional também serão úteis no
desenvolvimento de diretrizes para o diagnóstico de osteoporose em
homens.
Novas classes de drogas foram desenvolvidas para reduzir
significativamente o risco de fraturas em indivíduos com doença
óssea. O apoio federal para estudos de intervenção clínica exclusivos
de terapias combinadas para osteoporose desempenhou um papel
importante na determinação das melhores práticas terapêuticas
associadas a essas drogas, potencialmente minimizando o uso e o
custo das drogas.
Esses avanços - juntamente com outros esforços para melhorar a
prevenção, o diagnóstico e o tratamento da osteoporose - estão tendo
um efeito positivo na saúde dos ossos. Entre 1995 e 2005, a taxa de
hospitalização ajustada por idade para fraturas de quadril entre os
americanos mais velhos diminuiu. Para as mulheres com 65 anos ou
mais, a taxa diminuiu 24,5 por cento. Para os homens na mesma faixa
etária, a taxa diminuiu 19,2 por cento.
O que devemos esperar para o amanhã a curto prazo:
➢ Avanços no conhecimento científico deram início a uma nova era na
saúde óssea, na qual as fraturas ósseas podem ser prevenidas na
grande maioria dos indivíduos e identificadas precocemente e tratadas
efetivamente naqueles que as recebem.
➢ Embora a densidade mineral óssea seja uma das melhores medidas
para avaliar o risco de osteoporose e fraturas, existem algumas
limitações no uso da densidade mineral óssea como medida de
predição única do risco de fratura. Imagens de ponta, identificação de
fatores de risco clínicos, bem como pesquisas com biomarcadores,
continuarão a fornecer informações sobre outras características do
osso que podem informar os estudos sobre a saúde do esqueleto.
➢ Os resultados de estudos adicionais de longo prazo em idosos,
populações minoritárias e mulheres e homens ajudarão pesquisadores
e clínicos a projetar e prescrever terapias direcionadas e estratégias
de prevenção baseadas nas características individuais dos pacientes.
➢ A genética pode representar até 75% da densidade mineral óssea de
uma pessoa. Agora, os pesquisadores estão determinando quais genes
e vias de formação óssea estão envolvidos na remodelação óssea, na
esperança de que suas descobertas levem ao desenvolvimento de
melhores estratégias para tratar ou prevenir a osteoporose.
FIGURA MERAMENTE ILUSTRATIVA.
Como é importante viver muito, mas com saúde e esta é a tendência,
devemos nos previnir de todas as maneiras ao nosso alcance, para que não
venhamos ter um problema tão sério de comprometimento, tendo uma
prevensão durante praticamente toda a nossa vida. Sendo este o Nº 5 de
uma série de tópicos; o tópico Nºs 1, 2º, 3º, 4º, 5º, 6º, Nº 7º, Nº 8, Nº 9 e Nº
10. MAS SEU ENDOCRINOLOGISTA DE CONFIANÇA E EXPERIENTE, PODERÁ
COMPLEMENTAR EM CASO DE ALGUNS DETALHES QUE NÃO FOREM
CONTEMPLADOS COM ESTE RESUMO INDIVIDUAL inicial, entretanto (VIDE
ASSUNTOS COM LINKS ABAIXO-DE Nº 1 A 10), VISTO QUE ESTES SÃO UMA
SEQUÊNCIA DESTE TRABALHO PROSPECTIVO. O próximo tópico será Nº 6 =
OSTEOPOROSE; SEDENTARISMO, TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA
ESTATURA, IDADE AVANÇADA, BAIXA ESCOLARIDADE, MENARCA TARDIA,
MENOPAUSA PRECOCE E MENOR ÍNDICE DE MASSA CORPORAL.
Nº 1 = SINTETIZAMOS DE FORMA RESUMIDA A INTRODUÇÃO DO QUE É A
OSTEOPOROSE E SUA FRAGILIDADE, UM DOS PROBLEMAS MAIS SÉRIOS DA
ENDOCRINOLOGIA POR ENVOLVER UMA SÉRIE DE HORMÔNIOS,
SUBSTÂNCIAS COM FUNÇÃO METABÓLICA.
Nº 2 = OSTEOPENIA – UMA ALERTA IMPORTANTE PARA QUE SE TOME
AÇÕES PREVENTIVAS PARA NÃO EVOLUIR PARA A OSTEOPORÓSE.
Nº 3 = OSTEOPOROSE PODE COMEÇAR NA FASE INFANTO JUVENIL, CASO
NÃO SEJA ACOMPANHADA DE CUIDADOS ADEQUADOS PRECOCEMENTE. O
SEGREDO É TOMAR ATITUDE PREVENTIVA, POIS SE TRATA DE DOENÇA
MUITO FREQUENTE E GRAVE.
Nº 4 = OSTEOPOROSE; DIVERSOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À
BAIXA MASSA ÓSSEA COMO AUSÊNCIA DE TERAPIA HORMONAL APÓS A
MENOPAUSA, BAIXA EXPOSIÇÃO SOLAR, CONSUMO DE BEBIDAS
ALCOÓLICAS, INGESTÃO INADEQUADA DE CÁLCIO, SEDENTARISMO,
TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA ESTATURA, IDADE AVANÇADA, BAIXA
ESCOLARIDADE, MENARCA TARDIA, MENOPAUSA PRECOCE E MENOR
ÍNDICE DE MASSA CORPORAL.
Nº 5 = HISTÓRIA FAMILIAR DE OSTEOPOROSE, É MAIS FREQUENTE EM
MULHERES.
Nº 6 = OSTEOPOROSE; SEDENTARISMO, TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA
ESTATURA, IDADE AVANÇADA, BAIXA ESCOLARIDADE, MENARCA TARDIA,
MENOPAUSA PRECOCE E MENOR ÍNDICE DE MASSA CORPORAL.
Nº 7 = OSTEOPOROSE, ALIMENTAÇÃO INADEQUADA. A DIETA DE GRANDE
PARTE DA SOCIEDADE NÃO É ADEQUADAMENTE EQUILIBRADA, O QUE PODE
CAUSAR ANORMALIDADES NA OBTENÇÃO DA MINERALIZAÇÃO ÓSSEA
ADEQUADA. DEFICIÊNCIAS A LONGO PRAZO EM CÁLCIO E VITAMINA D (D3)
NA DIETA DIÁRIA SÃO A CAUSA DE TOMAR SUPLEMENTOS DIETÉTICOS.
Nº 8 = OSTEOPOROSE; OS ESTERÓIDES SEXUAIS SÃO OS PRINCIPAIS
REGULADORES DO CRESCIMENTO ESQUELÉTICO, MATURAÇÃO E
DENSIDADE MINERAL ÓSSEA EM AMBOS OS SEXOS.
Nº 9 = OSTEOPOROSE, FRATURAS E DIABETES; ESTÁ BEM ESTABELECIDO
QUE A OSTEOPOROSE E O DIABETES SÃO DOENÇAS PREVALENTES COM
MORBIDADE E MORTALIDADE ASSOCIADAS SIGNIFICATIVAS. PACIENTES
COM DIABETES MELLITUS APRESENTAM RISCO AUMENTADO DE FRATURAS
ÓSSEAS.
Nº 10 = COMO A GENÉTICA INTERFERE NA OSTEOPOROSE; POLIMORFISMO
COMUM NO GENE LRP5 (ALTERAÇÃO EM INDIVIDUOS COM MESMAS
CARACTERISTICAS) PODE AUMENTAR O RISCO DE FRATURA ÓSSEA E
OSTEOPOROSE. ATUALMENTE, OS GENETICISTAS USAM O TERMO
POLIMORFISMO GENÉTICO PARA DESCREVER AS DIFERENÇAS
INTERINDIVIDUAIS, FUNCIONALMENTE SILENCIOSAS NA SEQUÊNCIA DO
DNA, QUE TORNAM CADA GENOMA HUMANO ÚNICO (EM BIOLOGIA
MOLECULAR E DA GENÉTICA, UM GENOMA É O MATERIAL GENÉTICO DE UM
ORGANISMO.).
Autores
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologista – Neuroendocrinologista
CRM 20611
Dra. Henriqueta Verlangieri Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS
AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:
Caio Jr, João Santos. Caio, Henriqueta verlangieri. Osteoporose, Endocrinologia –
neuroendocrinologia – nutrição: dieta saudável pode promover a saúde óssea em
mulheres no período de envelhecimento, vanderhaagenbrazil – Academy.edu – abril
2011
Painel de Desenvolvimento do Consenso do NIH sobre Prevenção, Diagnóstico e
Terapia da Osteoporose. Prevenção da osteoporose, diagnóstico e terapia. JAMA 2001;
285 : 785-95.
Cosman F, Beur SJ, LeBoff MS, Lewiecki EM, Tanner B, Randall S, et al. Guia do clínico
para prevenção e tratamento da osteoporose. Osteoporos Int. 2014; 25 : 2359-81.
https://doi.org/10.1007/s00198-014-2794-2 .
Cooper C, Campion G, Melton LJ., Ó fraturas de quadril em idosos: uma projeção
mundial. Osteoporos Int. 1992; 2 : 285-9.
Reginster JY, Burlet N. Osteoporose: prevalência ainda crescente. Osso. 2006; 38 (Supl
1): S4-9.
Wright NC, Looker AC, Saag KG, Curtis Jr., Delzell ES, Randall S, et al. A recente
prevalência de osteoporose e baixa massa óssea nos Estados Unidos com base na
densidade mineral óssea no colo do fêmur ou coluna lombar. J Mineiro de Ossos Res.
2014; 29: 2520-6.
Watts NB, Bilezikian JP, Camacho PM, Greenspan SL, Harris ST, Hodgson SF, et al.
Associação Americana de Endocrinologistas Clínicos Orientações Médicas para a Prática
Clínica para o diagnóstico e tratamento da osteoporose pós-menopáusica. Endocr
Pract. 2010; 16 (Suppl 3): 1-37.
Tuzun S, Eskiyurt N. Akarirmak U, Saridogan M. Senocak M, Johansson H, et al.
Incidência de fratura de quadril e prevalência de osteoporose na Turquia: o estudo
FRACTURK. Osteoporos Int. 2012; 23: 949-55.
Riggs BL, Wahner HW, Seeman E., Offord KP, Dunn WL, Mazess RB, et al. Alterações
na densidade mineral óssea do fêmur proximal e coluna vertebral com o
envelhecimento. Diferenças entre as síndromes de osteoporose pós-menopausa e
senil. J Clin Invest. 1982; 70: 716-23.
Hannan MT, DT Felson, Dawson-Hughes B, Tucker KL, Cupples LA, Wilson PW, et al.
Fatores de risco para perda óssea longitudinal em homens e mulheres idosos: o Estudo
de Osteoporose de Framingham. J Mineiro de Ossos Res. 2000; 15 : 710–20.
Compston J, Bowring C, Cooper A, Cooper C, Davies C, Francis R, et al. Diagnóstico e
tratamento da osteoporose em mulheres na pós-menopausa e homens idosos no Reino
Unido: Atualização do Grupo de Orientação Nacional para Osteoporose (NOGG) 2013.
Maturitas. 2013; 75 : 392-6.
Cooper C, Melton LJ., 3ª Epidemiologia da osteoporose. Tendências Endocrinol Metab.
1992; 3 : 224-9.
Melton LJ, 3ª, Achenbach SJ, Atkinson EJ, TherneauTM, Amin S. Mortalidade a longo
prazo após fraturas em diferentes locais do esqueleto: um estudo de coorte de base
populacional. Osteoporos Int. 2013; 24 : 1689-96.
Papaioannou A, Morin S, Cheung AM, Atkinson S, Brown JP, Feldman S, et al. Diretrizes
da prática clínica de 2010 para o diagnóstico e tratamento da osteoporose no Canadá:
resumo. CMAJ. 2010; 182: 1864–73.
Ensrud KE, Ewing SK, Taylor BC, Fink HA, Stone KL, Cauley JA, et al. Fragilidade e risco
de quedas, fratura e mortalidade em mulheres idosas: o estudo de fraturas
osteoporóticas. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2007; 62 : 744–51.
Kanis JA, Johnell O, De Laet C, Johansson H, Oden A, Delmas P, e outros. Uma meta-
análise de fratura prévia e subseqüente risco de fratura. Osso. 2004; 35 : 375-82.
Siminoski K, Warshawski RS, Jen H, Lee K. A precisão da perda histórica de altura para
a detecção de fraturas vertebrais em mulheres na pós-menopausa. Osteoporos Int.
2006; 17: 290-6.
Kanis JA, Oden A, Johnell O, Johansson H, De Laet C, Brown J, et al. O uso de fatores
clínicos de risco aumenta o desempenho da DMO na predição de fraturas de quadril e
osteoporose em homens e mulheres. Osteoporos Int. 2007; 18: 1033-46.
D'Amelio P, Isaia GC. Osteoporose Masculina no Idoso. Int J Endocrinol. 2015; 2015 :
907689.
De Laet C, Kanis JA, Oden A, Johanson H., Johnell O, Delmas P, et al. Índice de massa
corporal como preditor de risco de fratura: uma meta-análise. Osteoporos Int. 2005;
16: 1330-8.
Fox KM, Cummings SR, Powell-Threets K, Stone K. História familiar e risco de fratura
osteoporótica. Estudo do Grupo de Pesquisa em Fraturas Osteoporóticas. Osteoporos
Int. 1998; 8 : 557-62.
Kanis JA, Johnell O, Oden A, Johansson H, De Laet C, Eisman JA, et al. Tabagismo e
risco de fratura: uma meta-análise. Osteoporos Int. 2005; 16 : 155–62.
Kanis JA, Stevenson M. McCloskey EV, Davis S, Lloyd-Jones M. Osteoporose induzida
por glicocorticóides: uma revisão sistemática e análise custo-utilidade. Health Technol
Assess. 2007; 11: 1–231.
Kanis JA, Johansson H., Johnell O, Oden A, De Laet C, Eisman JA, et al. Consumo de
álcool como fator de risco para fratura. Osteoporos Int. 2005; 16 : 737-42.
Sarkis KS, Salvador MB, Pinheiro MM, Silva RG, Zerbini CA, Martini LA. Associação entre
osteoporose e artrite reumatoide em mulheres: um estudo transversal. São Paulo Med
J. 2009; 127: 216–22.
Painel de Prevenção de Quedas em Pessoas Idosas, Sociedade Americana de Geriatria
e Sociedade Geriátrica Britânica. Resumo da diretriz de prática clínica atualizada da
American Geriatrics Society / Sociedade Geriátrica Britânica para prevenção de quedas
em pessoas idosas. J Am Geriatr Soc. 2011; 59: 148–57.
Kanis JA, em nome do Grupo Científico da Organização Mundial de Saúde. Relatório
técnico. Centro Colaborador da Organização Mundial de Saúde para Doenças Ósseas
Metabólicas, Universidade de Sheffield; Reino Unido: 2007. 2007. Avaliação da
osteoporose no nível primário de atenção à saúde.
Seeman E, Delmas PD. Qualidade óssea - o material e a base estrutural da resistência
e fragilidade óssea. N Engl J Med. 2006; 354: 2250-61.
Schousboe JTSJ, Bilezikian JP, Baim S. Sumário Executivo da Conferência de
Desenvolvimento de Posicionamento do ISCD de 2013 sobre Densitometria Óssea. J
Clin Densitom. 2013; 16: 455-66.
Nelson HD, Haney EM, Chou R, Dana T, Fu R, Bougatsos C. Síntese de Evidência No
77. Rockville, Maryland: Agência de Pesquisa e Qualidade em Assistência Médica; Jul,
2010. Rastreio da osteoporose: revisão sistemática para atualizar o 2002.
Recomendação da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA. Publicação AHRQ 10-
05145-EF-1.
Kanis JA, McCloskey EV, Johansson H., Strom O, Borgstrom F, Oden A. Descoberta de
casos para a gestão da osteoporose com FRAX - avaliação e limiares de intervenção
para o Reino Unido. Osteoporos Int. 2008; 19 : 1395-408.
Vasikaran S, Eastell R, Bruyere O, Foldes AJ, Garnero P, Griesmacher A, et al.
Marcadores de renovação óssea para a previsão do risco de fratura e monitoramento
do tratamento da osteoporose: uma necessidade de padrões internacionais de
referência. Osteoporos Int. 2011; 22 : 391-420.
Tannenbaum C, Clark J, K Schwartzman, Wallenstein S, Lipinski R, Meier D, et al.
Produção de testes laboratoriais para identificar contribuintes secundários da
osteoporose em mulheres saudáveis. J Clin Endocrinol Metab. 2002; 87: 4431–7.
Ross AC, Taylor CL, Yaktine AL, et al., Editores. Comitê do Instituto de Medicina (EUA)
Revisar as Ingestões Dietéticas de Referência para Vitamina D e Cálcio. Ingestão de
Referência Dietética para Cálcio e Vitamina D. Washington (DC): National Academies
Press (EUA); 2011.
Moyer VA. Suplementação de vitamina D e cálcio para prevenir fraturas em adultos:
Declaração de recomendação da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA. Ann
Intern Med. 2013; 158 : 691-6.
Bischoff-Ferrari HA, WC Willett, Wong JB, Giovannucci E, Dietrich T, Dawson-Hughes B.
Prevenção de fratura com suplementação de vitamina D: uma meta-análise de ensaios
clínicos randomizados. JAMA 2005; 293: 2257-64.
https://doi.org/10.1001/jama.293.18.2257.
Bischoff-Ferrari HA, Dawson-Hughes B, Willett WC, Staehelin HB, Bazemore MG, Zee
RY, et al. Efeito da vitamina D nas quedas: uma meta-análise. JAMA 2004; 291 : 1999-
2006. https://doi.org/10.1001/jama.291.16.1999.
Hallström H, Wolk A, Glynn A, Michaëlsson K. Café, chá e consumo de cafeína em
relação ao risco de fratura osteoporótica em uma coorte de mulheres suecas.
Osteoporos Int. 2006; 17 : 1055-64.
Rizzoli R., Bianchi ML, Garabédian M, McKay HA, Moreno LA. Maximizar o ganho de
massa mineral óssea durante o crescimento para a prevenção de fraturas em
adolescentes e idosos. Osso. 2010; 46 : 294–305.
Kelley GA, Kelley KS, Tran ZV. Densidade mineral do exercício e da coluna lombar em
mulheres na pós-menopausa: uma meta-análise de dados individuais de pacientes. J
Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2002; 57: M599-604.
Robertson MC, AJ Campbell, Gardner MM, Devlin N. Prevenção de lesões em pessoas
mais velhas, evitando quedas: uma meta-análise de dados em nível individual. J Am
Geriatr Soc. 2002; 50: 905-11.
Bone HG, Hosking D, Devogelaer JP, Tucci Jr, Emkey RD, Tonino RP, et al. Dez anos
de experiência com alendronato para osteoporose em mulheres na pós-menopausa. N
Engl J Med. 2004; 350: 1189-99.
Eastell R, Devogelaer JP, Peel NF, Chines AA, Bax DE, Sacco-Gibson N, et al. Prevenção
da perda óssea com risedronato em pacientes com artrite reumatóide tratados com
glicocorticoide. Osteoporos Int. 2000; 11: 331–7.
Chesnut CH, 3�, Skag A, Christiansen C, Recker R, Stakkestad JA, Hoiseth A, et al.
Efeitos do ibandronato oral administrado diariamente ou intermitentemente no risco de
fratura na osteoporose pós-menopáusica. J Mineiro de Ossos Res. 2004; 19 : 1241-9.
https://doi.org/10.1359/JBMR.040325.
Reid DM, Devogelaer JP, Saag K. Roux C, Lau CS, Reginster JY, et al. Ácido zoledrônico
e risedronato na prevenção e tratamento da osteoporose induzida por glicocorticóides
(Horizon): um estudo multicêntrico, duplo-cego, duplo-placebo, randomizado e
controlado. Lancet. 2009; 373: 1253-63. https://doi.org/10.1016/S0140-
6736(09)60250-6.
Shane E, Burr D, Ebeling PR, Abrahamsen B, Adler RA, Brown TD, et al. Fraturas
femorais subtrocantéricas e diafisárias atípicas: relato de uma força-tarefa da
Sociedade Americana de Pesquisa Óssea e Mineral. J Mineiro de Ossos Res. 2010; 25 :
2267-94. https://doi.org/10.1002/jbmr.253.
Siris ES, Harris ST, Eastell R. Zanchetta JR, Goemaere S, Diez-Pérez A, et al. Efeitos
esqueléticos do raloxifeno após 8 anos: resultados dos resultados contínuos relevantes
para o estudo Evista (Core). J Mineiro de Ossos Res. 2005; 20 : 15-24.
https://doi.org/10.1359/JBMR.050509.
Ranelato de Seeman E. estrôncio: redução do risco de fraturas vertebrais e não
vertebrais. Curr Opin Rheumatol. 2006; 18 (Supl 1): S17-20.
https://doi.org/10.1097/01.bor.0000229523.89546.32.
Comité dos Medicamentos para Uso Humano. Resumo da opinião (pós-autorização):
tratamento da osteoporose em homens com risco aumentado de fratura. Website da
Agência Europeia de Medicamentos. [Acessado em 12 de junho de 2012].
http://www.ema.europa.eu/docs/en_GB/document_library/Summary_of_opinion/huma
n/000560/WC500127765.pdf Publicado a 24 de maio de 2012. - Veja mais em:
http://press.endocrine.org/doi/ completo / 10.1210 / jc.2012-3048 #
sthash.M7MrgBEV.dpuf .
Osso HG, Chapurlat R, Brandi ML, JP Brown, Czerwinski E, Krieg MA, et al. O efeito de
três ou seis anos de exposição a denosumab em mulheres com osteoporose pós-
menopáusica: resulta da extensão da liberdade. J Clin Endocrinol Metab. 2013; 98 :
4483-92. https://doi.org/10.1210/jc.2013-1597 .
Neer RM, CD Arnaud, Zanchetta JR, Príncipe R, Gaich GA, Reginster JY, et al. Efeito do
hormônio paratireoideo (1-34) nas fraturas e densidade mineral óssea em mulheres na
pós-menopausa com osteoporose. N Engl J Med. 2001; 344: 1434-41.
https://doi.org/10.1056/NEJM200105103441904.
CONTATO:
Fones: 55(11) 2371-3337 / (11) 5572-4848
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj. 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com
Site Van Der Häägen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Joao Santos Caio Jr
http://google.com/+JoaoSantosCaioJr
google.com/+JoãoSantosCaioJrvdh
google.com/+VANDERHAAGENBRAZILvdh
Redes Sociais
https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr
https://br.pinterest.com/joaocaiojr/
https://www.slideshare.net/CLINICACAIO
https://independent.academia.edu/JoaoSantosCaioJr
https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/
https://instagram.com/clinicascaio/
https://visitsite.pro/clinicascaio
Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos
Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=V
an+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-
23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-
23.575591,-46.650481&spn=0,0&t = h&z=17
387497

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Osteoporose reumatoguia
Osteoporose reumatoguiaOsteoporose reumatoguia
Osteoporose reumatoguia
Reumatoguia
 
Doença óssea Metabólica
Doença óssea MetabólicaDoença óssea Metabólica
Doença óssea Metabólica
pauloalambert
 
Apresentação em power point densitometria ossea
Apresentação em power point densitometria osseaApresentação em power point densitometria ossea
Apresentação em power point densitometria ossea
Patriciaminc
 
Osteoporose em mulheres pós menopausa
Osteoporose em mulheres pós menopausaOsteoporose em mulheres pós menopausa
Osteoporose em mulheres pós menopausa
Marina Vicent' Inácio
 
Imobilidade
ImobilidadeImobilidade
Imobilidade
geuelder
 

Mais procurados (20)

Osteoporose reumatoguia
Osteoporose reumatoguiaOsteoporose reumatoguia
Osteoporose reumatoguia
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Cartilha osteoporose
Cartilha osteoporoseCartilha osteoporose
Cartilha osteoporose
 
5 densitometria-ossea
5 densitometria-ossea5 densitometria-ossea
5 densitometria-ossea
 
Osteoporose
Osteoporose Osteoporose
Osteoporose
 
Imobilismo
ImobilismoImobilismo
Imobilismo
 
61700575 caso-clinico
61700575 caso-clinico61700575 caso-clinico
61700575 caso-clinico
 
Aula osteoporose para não ortopedistas
Aula osteoporose para não ortopedistasAula osteoporose para não ortopedistas
Aula osteoporose para não ortopedistas
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idosos
 
Doença óssea Metabólica
Doença óssea MetabólicaDoença óssea Metabólica
Doença óssea Metabólica
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Exercício Físico na Prevenção de Quedas em Idosos
Exercício Físico na Prevenção de Quedas em Idosos Exercício Físico na Prevenção de Quedas em Idosos
Exercício Físico na Prevenção de Quedas em Idosos
 
Apresentação em power point densitometria ossea
Apresentação em power point densitometria osseaApresentação em power point densitometria ossea
Apresentação em power point densitometria ossea
 
Osteoporose em mulheres pós menopausa
Osteoporose em mulheres pós menopausaOsteoporose em mulheres pós menopausa
Osteoporose em mulheres pós menopausa
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Saúde do Idoso - Osteoporose
Saúde do Idoso - OsteoporoseSaúde do Idoso - Osteoporose
Saúde do Idoso - Osteoporose
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Doenças Osteoarticulares
Doenças OsteoarticularesDoenças Osteoarticulares
Doenças Osteoarticulares
 
Queda do idoso
Queda do idosoQueda do idoso
Queda do idoso
 
Imobilidade
ImobilidadeImobilidade
Imobilidade
 

Semelhante a OSTEOPOROSE, É MAIS FREQUENTE EM MULHERES.

Cenario da Osteoporose Brasil _Ben Hur Albergaria.pdf
Cenario da Osteoporose Brasil _Ben Hur Albergaria.pdfCenario da Osteoporose Brasil _Ben Hur Albergaria.pdf
Cenario da Osteoporose Brasil _Ben Hur Albergaria.pdf
SaraSilvaPires
 
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia prontoBlog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
samuelalves
 
PCDT M.S - Osteoporose
PCDT M.S - OsteoporosePCDT M.S - Osteoporose
PCDT M.S - Osteoporose
ANAPAR
 
Estudo dirigido gabarito
Estudo dirigido gabaritoEstudo dirigido gabarito
Estudo dirigido gabarito
Elter Alves
 

Semelhante a OSTEOPOROSE, É MAIS FREQUENTE EM MULHERES. (20)

Osteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdf
Osteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdfOsteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdf
Osteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdf
 
5-densitometria-ossea-150619105522-lva1-app6891.pdf
5-densitometria-ossea-150619105522-lva1-app6891.pdf5-densitometria-ossea-150619105522-lva1-app6891.pdf
5-densitometria-ossea-150619105522-lva1-app6891.pdf
 
Receitas defenda seus ossos
Receitas defenda seus ossosReceitas defenda seus ossos
Receitas defenda seus ossos
 
Prevenção da osteoporose
Prevenção da osteoporosePrevenção da osteoporose
Prevenção da osteoporose
 
Cenario da Osteoporose Brasil _Ben Hur Albergaria.pdf
Cenario da Osteoporose Brasil _Ben Hur Albergaria.pdfCenario da Osteoporose Brasil _Ben Hur Albergaria.pdf
Cenario da Osteoporose Brasil _Ben Hur Albergaria.pdf
 
Exercicio de Saude do Idoso .pptx
Exercicio de Saude do Idoso .pptxExercicio de Saude do Idoso .pptx
Exercicio de Saude do Idoso .pptx
 
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
 
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia prontoBlog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
 
RISCO ASSOCIADOS À BAIXA MASSA ÓSSEA
RISCO ASSOCIADOS À BAIXA MASSA ÓSSEARISCO ASSOCIADOS À BAIXA MASSA ÓSSEA
RISCO ASSOCIADOS À BAIXA MASSA ÓSSEA
 
PCDT M.S - Osteoporose
PCDT M.S - OsteoporosePCDT M.S - Osteoporose
PCDT M.S - Osteoporose
 
aula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiático
aula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiáticoaula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiático
aula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiático
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
Osteopenia
OsteopeniaOsteopenia
Osteopenia
 
Osteo
OsteoOsteo
Osteo
 
Introdução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geralIntrodução a urologia clínica para o médico geral
Introdução a urologia clínica para o médico geral
 
Cartilha saúde do homem
Cartilha saúde do homem Cartilha saúde do homem
Cartilha saúde do homem
 
Estudo dirigido gabarito
Estudo dirigido gabaritoEstudo dirigido gabarito
Estudo dirigido gabarito
 
Sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal
Sobrepeso, obesidade, obesidade abdominalSobrepeso, obesidade, obesidade abdominal
Sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal
 
OSTEOPOROSE; SEDENTARISMO, TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA ESTATURA, IDADE AVAN...
OSTEOPOROSE; SEDENTARISMO, TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA ESTATURA, IDADE AVAN...OSTEOPOROSE; SEDENTARISMO, TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA ESTATURA, IDADE AVAN...
OSTEOPOROSE; SEDENTARISMO, TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA ESTATURA, IDADE AVAN...
 

Mais de Van Der Häägen Brazil

Mais de Van Der Häägen Brazil (20)

OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDEOBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
 
A IMPORTÂNCIA CLÍNICA DA ADIPOSIDADE VISCERAL: UMA PESQUISA PROSPECTIVA CRÍTI...
A IMPORTÂNCIA CLÍNICA DA ADIPOSIDADE VISCERAL: UMA PESQUISA PROSPECTIVA CRÍTI...A IMPORTÂNCIA CLÍNICA DA ADIPOSIDADE VISCERAL: UMA PESQUISA PROSPECTIVA CRÍTI...
A IMPORTÂNCIA CLÍNICA DA ADIPOSIDADE VISCERAL: UMA PESQUISA PROSPECTIVA CRÍTI...
 
A DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL É MAIS PREDITIVA (INFORMATIVA) DE MORTALID...
A DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL É MAIS PREDITIVA (INFORMATIVA) DE MORTALID...A DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL É MAIS PREDITIVA (INFORMATIVA) DE MORTALID...
A DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL É MAIS PREDITIVA (INFORMATIVA) DE MORTALID...
 
GORDURA VISCERAL
GORDURA VISCERALGORDURA VISCERAL
GORDURA VISCERAL
 
VOCÊ PENSA QUE APENAS OBESO OU GORDO QUE NÃO FAZ EXERCICIO, É QUE MORRE? BEM ...
VOCÊ PENSA QUE APENAS OBESO OU GORDO QUE NÃO FAZ EXERCICIO, É QUE MORRE? BEM ...VOCÊ PENSA QUE APENAS OBESO OU GORDO QUE NÃO FAZ EXERCICIO, É QUE MORRE? BEM ...
VOCÊ PENSA QUE APENAS OBESO OU GORDO QUE NÃO FAZ EXERCICIO, É QUE MORRE? BEM ...
 
PODE ACREDITAR, QUE O SOBREPESO E A OBESIDADE ESTA LIGADA AO HIPOTIREOIDISMO
PODE ACREDITAR, QUE O SOBREPESO E A OBESIDADE ESTA LIGADA AO HIPOTIREOIDISMOPODE ACREDITAR, QUE O SOBREPESO E A OBESIDADE ESTA LIGADA AO HIPOTIREOIDISMO
PODE ACREDITAR, QUE O SOBREPESO E A OBESIDADE ESTA LIGADA AO HIPOTIREOIDISMO
 
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDEOBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
 
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE; LARGUE DESSA VIDA IRRESPONSÁV...
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE; LARGUE DESSA VIDA IRRESPONSÁV...OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE; LARGUE DESSA VIDA IRRESPONSÁV...
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE; LARGUE DESSA VIDA IRRESPONSÁV...
 
NOVIDADES E CONCEITOS NOVOS ATRAVÉS DO SOBREPESO
NOVIDADES E CONCEITOS NOVOS ATRAVÉS DO SOBREPESONOVIDADES E CONCEITOS NOVOS ATRAVÉS DO SOBREPESO
NOVIDADES E CONCEITOS NOVOS ATRAVÉS DO SOBREPESO
 
OBESIDADE EM PACIENTES INFANTIL
OBESIDADE EM PACIENTES INFANTILOBESIDADE EM PACIENTES INFANTIL
OBESIDADE EM PACIENTES INFANTIL
 
OBESIDADE E SUAS CAUSAS
OBESIDADE E SUAS CAUSASOBESIDADE E SUAS CAUSAS
OBESIDADE E SUAS CAUSAS
 
OBESITY AND GENETICS
OBESITY AND GENETICSOBESITY AND GENETICS
OBESITY AND GENETICS
 
INTERFERÊNCIAS DA OBESIDADE NA FUNÇÃO IMUNOLÓGICA
INTERFERÊNCIAS DA OBESIDADE NA FUNÇÃO IMUNOLÓGICAINTERFERÊNCIAS DA OBESIDADE NA FUNÇÃO IMUNOLÓGICA
INTERFERÊNCIAS DA OBESIDADE NA FUNÇÃO IMUNOLÓGICA
 
GORDURA (ADIPÓCITO)
GORDURA (ADIPÓCITO)GORDURA (ADIPÓCITO)
GORDURA (ADIPÓCITO)
 
GENEALOGIA
GENEALOGIAGENEALOGIA
GENEALOGIA
 
DIABETES MELLITUS TIPO 2, DOENÇAS CARDIO RESPIRATÓRIAS, RENAIS, ENTRE OUTRAS.
DIABETES MELLITUS TIPO 2, DOENÇAS CARDIO RESPIRATÓRIAS, RENAIS, ENTRE OUTRAS.DIABETES MELLITUS TIPO 2, DOENÇAS CARDIO RESPIRATÓRIAS, RENAIS, ENTRE OUTRAS.
DIABETES MELLITUS TIPO 2, DOENÇAS CARDIO RESPIRATÓRIAS, RENAIS, ENTRE OUTRAS.
 
OBESIDADE ABDOMINAL
OBESIDADE ABDOMINAL OBESIDADE ABDOMINAL
OBESIDADE ABDOMINAL
 
SOBREPESO, OBESIDADE (OBESOS)
SOBREPESO, OBESIDADE (OBESOS)SOBREPESO, OBESIDADE (OBESOS)
SOBREPESO, OBESIDADE (OBESOS)
 
GORDURA EM EXCESSO
GORDURA EM EXCESSOGORDURA EM EXCESSO
GORDURA EM EXCESSO
 
VOCÊ TERIA DÚVIDA DE QUE MESMO VACINADA, VOCÊ NÃO CONTRAIRIA POR EXEMPLO A CO...
VOCÊ TERIA DÚVIDA DE QUE MESMO VACINADA, VOCÊ NÃO CONTRAIRIA POR EXEMPLO A CO...VOCÊ TERIA DÚVIDA DE QUE MESMO VACINADA, VOCÊ NÃO CONTRAIRIA POR EXEMPLO A CO...
VOCÊ TERIA DÚVIDA DE QUE MESMO VACINADA, VOCÊ NÃO CONTRAIRIA POR EXEMPLO A CO...
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (7)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

OSTEOPOROSE, É MAIS FREQUENTE EM MULHERES.

  • 1. OSTEOPOROSE IN FOCO; OSTEOPOROSE SIGNIFICA "OSSO POROSO". VISTA SOB UM MICROSCÓPIO, O OSSO SAUDÁVEL PARECE UM FAVO DE MEL. QUANDO A OSTEOPOROSE OCORRE, OS BURACOS E ESPAÇOS NO FAVO DE MEL SÃO MUITO MAIORES DO QUE EM OSSOS SAUDÁVEIS. OSSOS OSTEOPORÓTICOS PERDERAM DENSIDADE OU MASSA E CONTÊM ESTRUTURA TECIDUAL ANORMAL. OS OSSOS SÃO A ESTRUTURA QUE SUPORTAM OS DIVERSOS SEGMENTOS DO NOSSO CORPO. ESTE TÓPICO Nº 5 = HISTÓRIA FAMILIAR DE OSTEOPOROSE, É MAIS FREQUENTE EM MULHERES. SER MULHER COLOCA VOCÊ EM RISCO DE DESENVOLVER OSTEOPOROSE E OSSOS QUEBRADOS. APROXIMADAMENTE UMA EM CADA DUAS MULHERES COM MAIS DE 50 ANOS IRÁ QUEBRAR UM OSSO POR CAUSA DA OSTEOPOROSE. O RISCO DE UMA MULHER QUEBRAR UM QUADRIL É IGUAL AO RISCO COMBINADO DE CÂNCER DE MAMA, DE ÚTERO E DE OVÁRIO JUNTOS, O QUE SIGNIFICA ESTATISTICAMENTE UM RISCO MAIOR DESSAS DOENÇAS LIGADO A OSTEOPORÓSE TER UMA MAIOR COMORBIDADE OU MORBIDADE. PORTANTO A PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE ESTÁ EM PRIORIDADE PREVENTIVA, É CLARO QUE TODOS OS FATORES DE RISCOS DEVEM SER OBSERVADOS. A OSTEOPOROSE OCORRE EM FAMÍLIAS. TER UM MEMBRO DA FAMÍLIA COM OSTEOPOROSE AUMENTA O RISCO DE TER OSTEOPOROSE. NO ENTANTO, TER UM MEMBRO DA FAMÍLIA COM OSTEOPOROSE NÃO GARANTE QUE VOCÊ O TERÁ TAMBÉM. CADA TÓPICO NÃO SE TRATA DE REPETIÇÃO DE MATÉRIAS ANTERIORES NA SEQUÊNCIA.
  • 2. MAS É IMPORTANTE AO PACIENTE OU LEITOR INTERESSADO LER OS TOPICOS DE Nº1 A Nº 10 CONFORME LINKS ABAIXO SEQUÊNCIAIS COM OS DEVIDOS ASSUNTOS NO FIM DE CADA TÓPICO. ENVOLVE UM METABOLISMO E HORMÔNIOS E OUTRAS SUBSTÂNCIAS QUE NORMALMENTE ATUAM NO CORPO PARA REGULAR A NORMALIDADE DE NOSSA ESTRUTURA, O DESENVOLVIMENTO INFANTIL E A EVOLUÇÃO ADULTA. ESTE TÓPICO Nº 5 = HISTÓRIA FAMILIAR DE OSTEOPOROSE, É MAIS FREQUENTE EM MULHERES. NO ENTANTO SEU ENDOCRINOLOGISTA OU NEUROENDOCRINOLOGISTA DE CONFIANÇA E EXPERIÊNTE, PODERÁ COMPLEMENTAR EM CASO DE ALGUNS DETALHES QUE NÃO FOREM CONTEMPLADO COM ESTE RESUMO, DEVIDO A COMPLEXIDADE E EXTENSÃO DO ASSUNTO. FISIOLOGIA–ENDOCRINOLOGIA–NEUROCIÊNCIA ENDÓCRINA (NEUROENDOCRINOLOGIA) – GENÉTICA–ENDÓCRINO PEDIATRIA E AUXOLOGIA = CRESCER (SUBDIVISÕES DA ENDOCRINOLOGIA): DR. CAIO JR., JOÃO SANTOS ET DRA. CAIO, HENRIQUETA VERLANGIERI.
  • 3. BONE HEALTH IN WOMEN Se um dos seus pais teve um osso quebrado, especialmente um quadril quebrado, você pode precisar de ser rastreado antes para prevenção da osteoporose. Esta é uma condição médica onde os ossos se tornam fracos e são mais propensos a quebrar. Compartilhe seu histórico de saúde da família com seu médico. Seu médico endocrinologista pode ajudá-lo a tomar medidas para fortalecer os ossos fracos e evitar ossos quebrados. As pessoas com osteoporose são mais propensas a quebrar os ossos, mais frequentemente no quadril, antebraço, punho e coluna. Embora a maioria dos ossos quebrados seja causada por quedas, a osteoporose pode enfraquecer os ossos ao ponto de uma ruptura ocorrer com mais facilidade, por exemplo, ao tossir ou bater em alguma coisa, ou até mesmo descendo uma escada ocorrer uma quebra ossea expontânea.
  • 4. Conforme você evolui na idade, é mais provável que você tenha osteoporose e a recuperação de um osso quebrado se torne mais difícil. Ossos quebrados podem ter efeitos duradouros, incluindo dor que não desaparece. A osteoporose pode fazer com que os ossos da coluna quebrem e comecem a desmoronar, de modo que algumas pessoas ficam mais curtas (baixas), incluindo cifose, escoliose ou ambas e não conseguem ficar em pé. Os quadris quebrados são especialmente sérios - depois, muitas pessoas não conseguem viver sozinhas e são mais propensas a morrer mais cedo. A osteoporose é mais comum em mulheres. Afeta cerca de 25% (1 em cada 4) das mulheres com 65 anos ou mais e cerca de 5% (1 em 20) dos homens com 65 anos ou mais. Muitas pessoas com osteoporose não sabem que têm até que quebrem um osso. A triagem é importante para encontrar essas pessoas antes que isso aconteça, para que possam tomar medidas para diminuir os efeitos da osteoporose.
  • 5. Atualmente, a triagem para osteoporose é recomendada para mulheres com 65 anos ou mais e para mulheres entre 50 e 64 anos e que apresentem certos fatores de risco, ou histórico familiar, como ter um pai que tenha rompido o quadril. Mas não é menos importante que problemas familiares incluindo principalmente a mãe tenha osteporose e mesmo osteopenia. Rastreamento para osteoporose é comumente feito usando um tipo de raios- x de baixo nível chamado de dupla / energia radiotranspirometria (DXA). A triagem também pode mostrar se você tem baixa massa óssea, o que significa que seus ossos estão mais fracos do que o normal e provavelmente desenvolverão osteoporose. Existem passos que você pode tomar para melhorar sua saúde óssea e fortalecer os ossos fracos:
  • 6. ❖ Tome medicamentos para fortalecer os ossos e evitar medicamentos que possam enfraquecer seus ossos. ❖ Coma uma dieta saudável que inclua quantidades adequadas de cálcio e vitamina D. ❖ Realize exercícios de sustentação de peso regularmente. ❖ Não fume. Voce necessita de efetuar a hematose a nivel pulmonar, qual é a lógica de inalar CO2 com mais de 4.000 substâncias tóxicas. Com certeza muitas interferirão na osteoporose. A arterialização (oxigenação) do sangue nos pulmões. ❖ Limite o uso de álcool. Não espere até que você tenha um osso quebrado para tomar medidas para melhorar sua saúde óssea - você pode começar em qualquer idade! Você também pode tomar medidas para evitar quedas, inclusive fazendo exercícios para melhorar a força e o equilíbrio de suas pernas, verificar seus olhos e tornar sua casa mais segura. Até pouco tempo atrás: ➢ Relativamente pouco se sabia ou poderia ser feito em relação à osteoporose; tanto a doença quanto as fraturas que a acompanham foram consideradas parte inevitável da velhice. Poucos fatores de risco além da menopausa foram identificados.
  • 7. ➢ Um número limitado de ferramentas de diagnóstico efetivas estava disponível para ajudar os profissionais de saúde a identificar e tratar indivíduos com risco de osteoporose. ➢ A osteoporose era vista apenas como uma “doença da mulher”. Os homens não reconheciam a doença como uma ameaça significativa à sua mobilidade e independência. Atualmente com a evolução da ciencia: As consequências devastadoras da baixa massa óssea - ou seja, ossos quebrados - podem muitas vezes ser evitadas. Por exemplo, alterações simples na casa de uma pessoa (por exemplo, adicionar mais luzes, remover a desordem) podem impedir quedas. Uma dieta equilibrada e um exercício modesto aumentam a força dos ossos. E os medicamentos podem retardar a progressão da doença. Melhorar a saúde óssea é importante em qualquer idade. O NIH - Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA., em parceria com outras agências federais e organizações não-governamentais, está implementando programas para ajudar os jovens a adotar comportamentos saudáveis para os ossos que durarão por toda a vida. Além disso, estudos clínicos apoiados pelo NIH - Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA., em intervenções de nutrição e atividade física fornecem fortes evidências de que as fraturas podem ser prevenidas e a perda óssea reduzida mesmo em indivíduos mais velhos, fornecendo evidências de que a osteoporose não precisa ser uma consequência natural do envelhecimento.
  • 8. A identificação de fatores de risco para osteoporose está fornecendo aos médicos principalmente endocrinologistas, informações importantes sobre quem está em maior risco para essa doença debilitante e quem se beneficiaria com o tratamento. As principais contribuições do Estudo das Fraturas Osteoporóticas (SOF), que começaram há mais de 20 anos, e sua contraparte para os homens, revelaram que a densidade mineral óssea do quadril é um dos melhores preditores de fratura. Esses estudos, e outros, também mostraram que o peso corporal, dieta, atividade física, história familiar e uso de medicamentos são importantes fatores de risco. Pesquisadores dissiparam o mito de que algumas fraturas em pessoas mais velhas são “ganhas” e, portanto, não necessariamente sinalizam osteoporose. SOF, Mr. OS e outros estudos mostraram que pessoas mais velhas com fratura devem ser testadas para osteoporose - mesmo que a fratura tenha ocorrido devido a uma queda. A absortometria radiológica de dupla energia (DEXA) tornou-se um dos métodos mais utilizados para avaliar a densidade mineral óssea. O sistema operacional está gerando dados que a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA pode incorporar na orientação sobre o uso da densidade mineral óssea para avaliar o risco de fraturas. Os dados do sistema operacional também serão úteis no desenvolvimento de diretrizes para o diagnóstico de osteoporose em homens. Novas classes de drogas foram desenvolvidas para reduzir significativamente o risco de fraturas em indivíduos com doença óssea. O apoio federal para estudos de intervenção clínica exclusivos de terapias combinadas para osteoporose desempenhou um papel importante na determinação das melhores práticas terapêuticas associadas a essas drogas, potencialmente minimizando o uso e o custo das drogas.
  • 9. Esses avanços - juntamente com outros esforços para melhorar a prevenção, o diagnóstico e o tratamento da osteoporose - estão tendo um efeito positivo na saúde dos ossos. Entre 1995 e 2005, a taxa de hospitalização ajustada por idade para fraturas de quadril entre os americanos mais velhos diminuiu. Para as mulheres com 65 anos ou mais, a taxa diminuiu 24,5 por cento. Para os homens na mesma faixa etária, a taxa diminuiu 19,2 por cento. O que devemos esperar para o amanhã a curto prazo: ➢ Avanços no conhecimento científico deram início a uma nova era na saúde óssea, na qual as fraturas ósseas podem ser prevenidas na grande maioria dos indivíduos e identificadas precocemente e tratadas efetivamente naqueles que as recebem. ➢ Embora a densidade mineral óssea seja uma das melhores medidas para avaliar o risco de osteoporose e fraturas, existem algumas limitações no uso da densidade mineral óssea como medida de predição única do risco de fratura. Imagens de ponta, identificação de fatores de risco clínicos, bem como pesquisas com biomarcadores, continuarão a fornecer informações sobre outras características do osso que podem informar os estudos sobre a saúde do esqueleto. ➢ Os resultados de estudos adicionais de longo prazo em idosos, populações minoritárias e mulheres e homens ajudarão pesquisadores e clínicos a projetar e prescrever terapias direcionadas e estratégias de prevenção baseadas nas características individuais dos pacientes. ➢ A genética pode representar até 75% da densidade mineral óssea de uma pessoa. Agora, os pesquisadores estão determinando quais genes e vias de formação óssea estão envolvidos na remodelação óssea, na esperança de que suas descobertas levem ao desenvolvimento de melhores estratégias para tratar ou prevenir a osteoporose.
  • 10. FIGURA MERAMENTE ILUSTRATIVA. Como é importante viver muito, mas com saúde e esta é a tendência, devemos nos previnir de todas as maneiras ao nosso alcance, para que não venhamos ter um problema tão sério de comprometimento, tendo uma prevensão durante praticamente toda a nossa vida. Sendo este o Nº 5 de uma série de tópicos; o tópico Nºs 1, 2º, 3º, 4º, 5º, 6º, Nº 7º, Nº 8, Nº 9 e Nº 10. MAS SEU ENDOCRINOLOGISTA DE CONFIANÇA E EXPERIENTE, PODERÁ COMPLEMENTAR EM CASO DE ALGUNS DETALHES QUE NÃO FOREM CONTEMPLADOS COM ESTE RESUMO INDIVIDUAL inicial, entretanto (VIDE ASSUNTOS COM LINKS ABAIXO-DE Nº 1 A 10), VISTO QUE ESTES SÃO UMA SEQUÊNCIA DESTE TRABALHO PROSPECTIVO. O próximo tópico será Nº 6 = OSTEOPOROSE; SEDENTARISMO, TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA ESTATURA, IDADE AVANÇADA, BAIXA ESCOLARIDADE, MENARCA TARDIA, MENOPAUSA PRECOCE E MENOR ÍNDICE DE MASSA CORPORAL. Nº 1 = SINTETIZAMOS DE FORMA RESUMIDA A INTRODUÇÃO DO QUE É A OSTEOPOROSE E SUA FRAGILIDADE, UM DOS PROBLEMAS MAIS SÉRIOS DA ENDOCRINOLOGIA POR ENVOLVER UMA SÉRIE DE HORMÔNIOS, SUBSTÂNCIAS COM FUNÇÃO METABÓLICA. Nº 2 = OSTEOPENIA – UMA ALERTA IMPORTANTE PARA QUE SE TOME AÇÕES PREVENTIVAS PARA NÃO EVOLUIR PARA A OSTEOPORÓSE. Nº 3 = OSTEOPOROSE PODE COMEÇAR NA FASE INFANTO JUVENIL, CASO NÃO SEJA ACOMPANHADA DE CUIDADOS ADEQUADOS PRECOCEMENTE. O
  • 11. SEGREDO É TOMAR ATITUDE PREVENTIVA, POIS SE TRATA DE DOENÇA MUITO FREQUENTE E GRAVE. Nº 4 = OSTEOPOROSE; DIVERSOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À BAIXA MASSA ÓSSEA COMO AUSÊNCIA DE TERAPIA HORMONAL APÓS A MENOPAUSA, BAIXA EXPOSIÇÃO SOLAR, CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, INGESTÃO INADEQUADA DE CÁLCIO, SEDENTARISMO, TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA ESTATURA, IDADE AVANÇADA, BAIXA ESCOLARIDADE, MENARCA TARDIA, MENOPAUSA PRECOCE E MENOR ÍNDICE DE MASSA CORPORAL. Nº 5 = HISTÓRIA FAMILIAR DE OSTEOPOROSE, É MAIS FREQUENTE EM MULHERES. Nº 6 = OSTEOPOROSE; SEDENTARISMO, TABAGISMO, BAIXO PESO E BAIXA ESTATURA, IDADE AVANÇADA, BAIXA ESCOLARIDADE, MENARCA TARDIA, MENOPAUSA PRECOCE E MENOR ÍNDICE DE MASSA CORPORAL. Nº 7 = OSTEOPOROSE, ALIMENTAÇÃO INADEQUADA. A DIETA DE GRANDE PARTE DA SOCIEDADE NÃO É ADEQUADAMENTE EQUILIBRADA, O QUE PODE CAUSAR ANORMALIDADES NA OBTENÇÃO DA MINERALIZAÇÃO ÓSSEA ADEQUADA. DEFICIÊNCIAS A LONGO PRAZO EM CÁLCIO E VITAMINA D (D3) NA DIETA DIÁRIA SÃO A CAUSA DE TOMAR SUPLEMENTOS DIETÉTICOS. Nº 8 = OSTEOPOROSE; OS ESTERÓIDES SEXUAIS SÃO OS PRINCIPAIS REGULADORES DO CRESCIMENTO ESQUELÉTICO, MATURAÇÃO E DENSIDADE MINERAL ÓSSEA EM AMBOS OS SEXOS. Nº 9 = OSTEOPOROSE, FRATURAS E DIABETES; ESTÁ BEM ESTABELECIDO QUE A OSTEOPOROSE E O DIABETES SÃO DOENÇAS PREVALENTES COM MORBIDADE E MORTALIDADE ASSOCIADAS SIGNIFICATIVAS. PACIENTES COM DIABETES MELLITUS APRESENTAM RISCO AUMENTADO DE FRATURAS ÓSSEAS. Nº 10 = COMO A GENÉTICA INTERFERE NA OSTEOPOROSE; POLIMORFISMO COMUM NO GENE LRP5 (ALTERAÇÃO EM INDIVIDUOS COM MESMAS CARACTERISTICAS) PODE AUMENTAR O RISCO DE FRATURA ÓSSEA E OSTEOPOROSE. ATUALMENTE, OS GENETICISTAS USAM O TERMO POLIMORFISMO GENÉTICO PARA DESCREVER AS DIFERENÇAS INTERINDIVIDUAIS, FUNCIONALMENTE SILENCIOSAS NA SEQUÊNCIA DO DNA, QUE TORNAM CADA GENOMA HUMANO ÚNICO (EM BIOLOGIA MOLECULAR E DA GENÉTICA, UM GENOMA É O MATERIAL GENÉTICO DE UM ORGANISMO.). Autores Dr. João Santos Caio Jr. Endocrinologista – Neuroendocrinologista CRM 20611 Dra. Henriqueta Verlangieri Caio Endocrinologista – Medicina Interna
  • 12. CRM 28930 AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA: Caio Jr, João Santos. Caio, Henriqueta verlangieri. Osteoporose, Endocrinologia – neuroendocrinologia – nutrição: dieta saudável pode promover a saúde óssea em mulheres no período de envelhecimento, vanderhaagenbrazil – Academy.edu – abril 2011 Painel de Desenvolvimento do Consenso do NIH sobre Prevenção, Diagnóstico e Terapia da Osteoporose. Prevenção da osteoporose, diagnóstico e terapia. JAMA 2001; 285 : 785-95. Cosman F, Beur SJ, LeBoff MS, Lewiecki EM, Tanner B, Randall S, et al. Guia do clínico para prevenção e tratamento da osteoporose. Osteoporos Int. 2014; 25 : 2359-81. https://doi.org/10.1007/s00198-014-2794-2 . Cooper C, Campion G, Melton LJ., Ó fraturas de quadril em idosos: uma projeção mundial. Osteoporos Int. 1992; 2 : 285-9. Reginster JY, Burlet N. Osteoporose: prevalência ainda crescente. Osso. 2006; 38 (Supl 1): S4-9. Wright NC, Looker AC, Saag KG, Curtis Jr., Delzell ES, Randall S, et al. A recente prevalência de osteoporose e baixa massa óssea nos Estados Unidos com base na densidade mineral óssea no colo do fêmur ou coluna lombar. J Mineiro de Ossos Res. 2014; 29: 2520-6. Watts NB, Bilezikian JP, Camacho PM, Greenspan SL, Harris ST, Hodgson SF, et al. Associação Americana de Endocrinologistas Clínicos Orientações Médicas para a Prática Clínica para o diagnóstico e tratamento da osteoporose pós-menopáusica. Endocr Pract. 2010; 16 (Suppl 3): 1-37. Tuzun S, Eskiyurt N. Akarirmak U, Saridogan M. Senocak M, Johansson H, et al. Incidência de fratura de quadril e prevalência de osteoporose na Turquia: o estudo FRACTURK. Osteoporos Int. 2012; 23: 949-55. Riggs BL, Wahner HW, Seeman E., Offord KP, Dunn WL, Mazess RB, et al. Alterações na densidade mineral óssea do fêmur proximal e coluna vertebral com o envelhecimento. Diferenças entre as síndromes de osteoporose pós-menopausa e senil. J Clin Invest. 1982; 70: 716-23. Hannan MT, DT Felson, Dawson-Hughes B, Tucker KL, Cupples LA, Wilson PW, et al. Fatores de risco para perda óssea longitudinal em homens e mulheres idosos: o Estudo de Osteoporose de Framingham. J Mineiro de Ossos Res. 2000; 15 : 710–20. Compston J, Bowring C, Cooper A, Cooper C, Davies C, Francis R, et al. Diagnóstico e tratamento da osteoporose em mulheres na pós-menopausa e homens idosos no Reino Unido: Atualização do Grupo de Orientação Nacional para Osteoporose (NOGG) 2013. Maturitas. 2013; 75 : 392-6. Cooper C, Melton LJ., 3ª Epidemiologia da osteoporose. Tendências Endocrinol Metab. 1992; 3 : 224-9. Melton LJ, 3ª, Achenbach SJ, Atkinson EJ, TherneauTM, Amin S. Mortalidade a longo prazo após fraturas em diferentes locais do esqueleto: um estudo de coorte de base populacional. Osteoporos Int. 2013; 24 : 1689-96. Papaioannou A, Morin S, Cheung AM, Atkinson S, Brown JP, Feldman S, et al. Diretrizes da prática clínica de 2010 para o diagnóstico e tratamento da osteoporose no Canadá: resumo. CMAJ. 2010; 182: 1864–73.
  • 13. Ensrud KE, Ewing SK, Taylor BC, Fink HA, Stone KL, Cauley JA, et al. Fragilidade e risco de quedas, fratura e mortalidade em mulheres idosas: o estudo de fraturas osteoporóticas. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2007; 62 : 744–51. Kanis JA, Johnell O, De Laet C, Johansson H, Oden A, Delmas P, e outros. Uma meta- análise de fratura prévia e subseqüente risco de fratura. Osso. 2004; 35 : 375-82. Siminoski K, Warshawski RS, Jen H, Lee K. A precisão da perda histórica de altura para a detecção de fraturas vertebrais em mulheres na pós-menopausa. Osteoporos Int. 2006; 17: 290-6. Kanis JA, Oden A, Johnell O, Johansson H, De Laet C, Brown J, et al. O uso de fatores clínicos de risco aumenta o desempenho da DMO na predição de fraturas de quadril e osteoporose em homens e mulheres. Osteoporos Int. 2007; 18: 1033-46. D'Amelio P, Isaia GC. Osteoporose Masculina no Idoso. Int J Endocrinol. 2015; 2015 : 907689. De Laet C, Kanis JA, Oden A, Johanson H., Johnell O, Delmas P, et al. Índice de massa corporal como preditor de risco de fratura: uma meta-análise. Osteoporos Int. 2005; 16: 1330-8. Fox KM, Cummings SR, Powell-Threets K, Stone K. História familiar e risco de fratura osteoporótica. Estudo do Grupo de Pesquisa em Fraturas Osteoporóticas. Osteoporos Int. 1998; 8 : 557-62. Kanis JA, Johnell O, Oden A, Johansson H, De Laet C, Eisman JA, et al. Tabagismo e risco de fratura: uma meta-análise. Osteoporos Int. 2005; 16 : 155–62. Kanis JA, Stevenson M. McCloskey EV, Davis S, Lloyd-Jones M. Osteoporose induzida por glicocorticóides: uma revisão sistemática e análise custo-utilidade. Health Technol Assess. 2007; 11: 1–231. Kanis JA, Johansson H., Johnell O, Oden A, De Laet C, Eisman JA, et al. Consumo de álcool como fator de risco para fratura. Osteoporos Int. 2005; 16 : 737-42. Sarkis KS, Salvador MB, Pinheiro MM, Silva RG, Zerbini CA, Martini LA. Associação entre osteoporose e artrite reumatoide em mulheres: um estudo transversal. São Paulo Med J. 2009; 127: 216–22. Painel de Prevenção de Quedas em Pessoas Idosas, Sociedade Americana de Geriatria e Sociedade Geriátrica Britânica. Resumo da diretriz de prática clínica atualizada da American Geriatrics Society / Sociedade Geriátrica Britânica para prevenção de quedas em pessoas idosas. J Am Geriatr Soc. 2011; 59: 148–57. Kanis JA, em nome do Grupo Científico da Organização Mundial de Saúde. Relatório técnico. Centro Colaborador da Organização Mundial de Saúde para Doenças Ósseas Metabólicas, Universidade de Sheffield; Reino Unido: 2007. 2007. Avaliação da osteoporose no nível primário de atenção à saúde. Seeman E, Delmas PD. Qualidade óssea - o material e a base estrutural da resistência e fragilidade óssea. N Engl J Med. 2006; 354: 2250-61. Schousboe JTSJ, Bilezikian JP, Baim S. Sumário Executivo da Conferência de Desenvolvimento de Posicionamento do ISCD de 2013 sobre Densitometria Óssea. J Clin Densitom. 2013; 16: 455-66. Nelson HD, Haney EM, Chou R, Dana T, Fu R, Bougatsos C. Síntese de Evidência No 77. Rockville, Maryland: Agência de Pesquisa e Qualidade em Assistência Médica; Jul, 2010. Rastreio da osteoporose: revisão sistemática para atualizar o 2002. Recomendação da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA. Publicação AHRQ 10- 05145-EF-1. Kanis JA, McCloskey EV, Johansson H., Strom O, Borgstrom F, Oden A. Descoberta de casos para a gestão da osteoporose com FRAX - avaliação e limiares de intervenção para o Reino Unido. Osteoporos Int. 2008; 19 : 1395-408. Vasikaran S, Eastell R, Bruyere O, Foldes AJ, Garnero P, Griesmacher A, et al. Marcadores de renovação óssea para a previsão do risco de fratura e monitoramento
  • 14. do tratamento da osteoporose: uma necessidade de padrões internacionais de referência. Osteoporos Int. 2011; 22 : 391-420. Tannenbaum C, Clark J, K Schwartzman, Wallenstein S, Lipinski R, Meier D, et al. Produção de testes laboratoriais para identificar contribuintes secundários da osteoporose em mulheres saudáveis. J Clin Endocrinol Metab. 2002; 87: 4431–7. Ross AC, Taylor CL, Yaktine AL, et al., Editores. Comitê do Instituto de Medicina (EUA) Revisar as Ingestões Dietéticas de Referência para Vitamina D e Cálcio. Ingestão de Referência Dietética para Cálcio e Vitamina D. Washington (DC): National Academies Press (EUA); 2011. Moyer VA. Suplementação de vitamina D e cálcio para prevenir fraturas em adultos: Declaração de recomendação da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA. Ann Intern Med. 2013; 158 : 691-6. Bischoff-Ferrari HA, WC Willett, Wong JB, Giovannucci E, Dietrich T, Dawson-Hughes B. Prevenção de fratura com suplementação de vitamina D: uma meta-análise de ensaios clínicos randomizados. JAMA 2005; 293: 2257-64. https://doi.org/10.1001/jama.293.18.2257. Bischoff-Ferrari HA, Dawson-Hughes B, Willett WC, Staehelin HB, Bazemore MG, Zee RY, et al. Efeito da vitamina D nas quedas: uma meta-análise. JAMA 2004; 291 : 1999- 2006. https://doi.org/10.1001/jama.291.16.1999. Hallström H, Wolk A, Glynn A, Michaëlsson K. Café, chá e consumo de cafeína em relação ao risco de fratura osteoporótica em uma coorte de mulheres suecas. Osteoporos Int. 2006; 17 : 1055-64. Rizzoli R., Bianchi ML, Garabédian M, McKay HA, Moreno LA. Maximizar o ganho de massa mineral óssea durante o crescimento para a prevenção de fraturas em adolescentes e idosos. Osso. 2010; 46 : 294–305. Kelley GA, Kelley KS, Tran ZV. Densidade mineral do exercício e da coluna lombar em mulheres na pós-menopausa: uma meta-análise de dados individuais de pacientes. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2002; 57: M599-604. Robertson MC, AJ Campbell, Gardner MM, Devlin N. Prevenção de lesões em pessoas mais velhas, evitando quedas: uma meta-análise de dados em nível individual. J Am Geriatr Soc. 2002; 50: 905-11. Bone HG, Hosking D, Devogelaer JP, Tucci Jr, Emkey RD, Tonino RP, et al. Dez anos de experiência com alendronato para osteoporose em mulheres na pós-menopausa. N Engl J Med. 2004; 350: 1189-99. Eastell R, Devogelaer JP, Peel NF, Chines AA, Bax DE, Sacco-Gibson N, et al. Prevenção da perda óssea com risedronato em pacientes com artrite reumatóide tratados com glicocorticoide. Osteoporos Int. 2000; 11: 331–7. Chesnut CH, 3�, Skag A, Christiansen C, Recker R, Stakkestad JA, Hoiseth A, et al. Efeitos do ibandronato oral administrado diariamente ou intermitentemente no risco de fratura na osteoporose pós-menopáusica. J Mineiro de Ossos Res. 2004; 19 : 1241-9. https://doi.org/10.1359/JBMR.040325. Reid DM, Devogelaer JP, Saag K. Roux C, Lau CS, Reginster JY, et al. Ácido zoledrônico e risedronato na prevenção e tratamento da osteoporose induzida por glicocorticóides (Horizon): um estudo multicêntrico, duplo-cego, duplo-placebo, randomizado e controlado. Lancet. 2009; 373: 1253-63. https://doi.org/10.1016/S0140- 6736(09)60250-6. Shane E, Burr D, Ebeling PR, Abrahamsen B, Adler RA, Brown TD, et al. Fraturas femorais subtrocantéricas e diafisárias atípicas: relato de uma força-tarefa da Sociedade Americana de Pesquisa Óssea e Mineral. J Mineiro de Ossos Res. 2010; 25 : 2267-94. https://doi.org/10.1002/jbmr.253. Siris ES, Harris ST, Eastell R. Zanchetta JR, Goemaere S, Diez-Pérez A, et al. Efeitos esqueléticos do raloxifeno após 8 anos: resultados dos resultados contínuos relevantes
  • 15. para o estudo Evista (Core). J Mineiro de Ossos Res. 2005; 20 : 15-24. https://doi.org/10.1359/JBMR.050509. Ranelato de Seeman E. estrôncio: redução do risco de fraturas vertebrais e não vertebrais. Curr Opin Rheumatol. 2006; 18 (Supl 1): S17-20. https://doi.org/10.1097/01.bor.0000229523.89546.32. Comité dos Medicamentos para Uso Humano. Resumo da opinião (pós-autorização): tratamento da osteoporose em homens com risco aumentado de fratura. Website da Agência Europeia de Medicamentos. [Acessado em 12 de junho de 2012]. http://www.ema.europa.eu/docs/en_GB/document_library/Summary_of_opinion/huma n/000560/WC500127765.pdf Publicado a 24 de maio de 2012. - Veja mais em: http://press.endocrine.org/doi/ completo / 10.1210 / jc.2012-3048 # sthash.M7MrgBEV.dpuf . Osso HG, Chapurlat R, Brandi ML, JP Brown, Czerwinski E, Krieg MA, et al. O efeito de três ou seis anos de exposição a denosumab em mulheres com osteoporose pós- menopáusica: resulta da extensão da liberdade. J Clin Endocrinol Metab. 2013; 98 : 4483-92. https://doi.org/10.1210/jc.2013-1597 . Neer RM, CD Arnaud, Zanchetta JR, Príncipe R, Gaich GA, Reginster JY, et al. Efeito do hormônio paratireoideo (1-34) nas fraturas e densidade mineral óssea em mulheres na pós-menopausa com osteoporose. N Engl J Med. 2001; 344: 1434-41. https://doi.org/10.1056/NEJM200105103441904. CONTATO: Fones: 55(11) 2371-3337 / (11) 5572-4848 Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj. 121 Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002 e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com Site Van Der Häägen Brazil www.vanderhaagenbrazil.com.br http://drcaiojr.site.med.br http://dracaio.site.med.br Joao Santos Caio Jr http://google.com/+JoaoSantosCaioJr google.com/+JoãoSantosCaioJrvdh google.com/+VANDERHAAGENBRAZILvdh Redes Sociais https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr https://br.pinterest.com/joaocaiojr/ https://www.slideshare.net/CLINICACAIO https://independent.academia.edu/JoaoSantosCaioJr
  • 16. https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/ https://instagram.com/clinicascaio/ https://visitsite.pro/clinicascaio Acesse nosso canal deixe seu like! https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos Google Maps: http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=V an+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=- 23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=- 23.575591,-46.650481&spn=0,0&t = h&z=17 387497