SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
O ESTIRÃO DURANTE O CRESCIMENTO INFANTO-JUVENIL PODERÁ SER
UMA ROLETA RUSSA PERCEPTÍVEL, COMPREENDA QUE DEVEMOS
TOMAR CUIDADO COM O DESENVOLVIMENTO DE OLHAR FIXO NA BAIXA
ESTATURA, POIS A OSCILAÇÃO DO CRESCIMENTO SE ENVOLVE NO
DESENCADEAMENTO DA PUBERDADE
NÃO É REGULAR EM TODAS AS CRIANÇAS, INFANTO-JUVENIS,
ADOLESCENTES, MUITO MENOS A UNIFORMIDADE DESTE
DESENCADEAMENTO, POIS SE OCORRER A ACELERAÇÃO NO
CRESCIMENTO A ESTATURA (ALTURA) PODERÁ CHEGAR À ESPERADA,
ASSIM COMO O CRESCIMENTO INFANTO-JUVENIL LENTO PODE
REDUNDAR EM BAIXA ESTATURA; DR. JOÃO SANTOS CAIO JR. ET DRA.
HENRIQUETA V. CAIO; ENDOCRINOLOGIA-NEUROENDOCRINOLOGIA-
FISIOLOGIA.
Mudanças com a puberdade (maturação sexual) podem ocorrer
gradualmente ou vários sinais podem tornar-se visíveis ao mesmo
tempo. Há uma grande quantidade de variação na taxa de mudanças que
podem ocorrer. Alguns adolescentes podem experimentar estes sinais
de maturidade mais cedo ou mais tarde do que outros. A maturação
física sexual e outras que ocorrem durante a puberdade são resultado de
alterações hormonais. Quando uma criança se aproxima da puberdade, a
glândula do cérebro, chamada hipófise, aumenta a secreção de um
hormônio denominado hormônio folículo-estimulante (FSH). Este
hormônio, em seguida, provoca efeitos adicionais. Nas meninas, o
hormônio folículo-estimulante (FSH) ativa os ovários que começam a
produzir estrogênio. Nos meninos, o hormônio folículo-estimulante
(FSH), provoca a produção de esperma na região gonadal. Nos meninos,
é questionável exatamente quando a puberdade está chegando. Não há
alterações com evidências indiscutíveis que ocorrem, sabemos que a
liberação do hormônio de crescimento-GH é através de mecanismos
associativos através de pulsos e principia por volta dos 11 anos com
quantidades até 50% inferiores aos das meninas que iniciam com o
dobro aproximadamente na mesma época, produzindo 10 mg/24 horas
de forma linear. Novamente, nos meninos ocorre uma variante, mas
neles ocorre de forma gradual e ao longo de um período de tempo, em
vez de como um único evento. Cada adolescente masculino é diferente,
nas idades médias, quando podem ocorrer as alterações da puberdade.
A adolescência é uma fase dinâmica e complexa merecedora de atenção
especial no sistema de saúde humano, uma vez que esta etapa do
desenvolvimento define padrões biológicos e de comportamentos que
irão se manifestar durante o resto da vida do indivíduo. A adolescência
diz respeito à passagem da infância para a idade adulta, enquanto a
puberdade refere-se às alterações biológicas que possibilitam o
completo crescimento, desenvolvimento e maturação do indivíduo,
assegurando a capacidade de reprodução e preservação da espécie. A
puberdade se inicia após a reativação dos neurônios hipotalâmicos baso-
mediais, que secretam o hormônio liberador de gonadotrofinas. A
secreção destas resulta na liberação pulsátil dos hormônios luteinizante
(LH) e folículo-estimulante (FSH) pela glândula hipófise. Isto ocorre
inicialmente durante o sono com mais intensidade depois de
estabelecido o sono REM, na fase 3 e 4 do sono profundo com liberação
pulsátil no adolescente do sexo masculino e linear na adolescente do
sexo feminino (gênero) e, mais tarde, se estabelece em ciclo circadiano
(Behrman & Vaughan, 1990). O crescimento e desenvolvimento em
crianças, infanto-juvenis, adolescentes são eventos geneticamente
programados, da concepção ao amadurecimento completo, porém
fatores inerentes ao próprio indivíduo e outros representados por
circunstâncias ambientais podem induzir modificações nesse processo.
Fatores climáticos, socioeconômicos, hormonais, psicossociais e,
sobretudo, nutricionais são algumas das possíveis causas de modificação
do crescimento e desenvolvimento (Saito, 1989). Devido à grande
variabilidade quanto ao início, duração e progressão das mudanças
puberais, a idade cronológica nem sempre está de acordo com a idade
biológica. Essa última reflete melhor o progresso do organismo em
direção à maturidade. Por isso, diversos parâmetros do crescimento e
desenvolvimento são analisados através de medidas de peso, altura,
idade óssea, entre outras (Damante et al., 1983).
Esta separação entre idade cronológica e biológica depende de fatores
que levarão a um desenvolvimento nem sempre harmônico, a bem da
verdade não existem dois indivíduos que se comportam de forma
idêntica. É o que chamamos de assincronia de maturação (Eisenstein &
Souza, 1993). Esses fatores poderão comprometer o estirão devido suas
variantes e complexidade, e não ocorrer o esperado estirão alvo
genético, que deveria existir, levando os indivíduos de qualquer gênero a
apresentar uma estatura baixa e muito aquém do esperado com
ansiedade familiar e individual, pois será a altura ou estatura definitiva
mesmo na fase adulta.
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611
Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930
Como Saber Mais:
1. Se o crescimento não é o mesmo para todas as crianças, infanto-
juvenis, pré-adolescentes e adolescentes como os médicos sabem o que
é normal...
http://baixaestaturaecrescimento.blogspot.com
2. Vamos tentar elucidar a tecnologia usada pelos médicos
endocrinologista, neuroendocrinologistas e fisiologistas, de quais
padrões mais frequentemente usados para tomarmos decisões
terapêuticas seguras e que não sejam desnecessárias...
http://especialistacrescimento.blogspot.com
3. O crescimento e o desenvolvimento são eventos geneticamente
programados, da concepção ao amadurecimento completo, porém
fatores inerentes ao próprio indivíduo e outros representados por
circunstâncias ambientais podem induzir modificações nesse processo...
http://baixaestaturaecrescer.blogspot.com
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.
Referências Bibliográficas:
Dr. João Santos Caio Jr, Endocrinologista, Neuroendocrinologista, Dra Henriqueta Verlangieri Caio,
Endocrinologista, Medicina Interna – Van Der Häägen Brazil, São Paulo, Brasil; Making Sense of Sex: A
Forthright Guide to Puberty, Sex and Relationships ... - Sarah Attwood - Google Books ; Erections in
Babies ; What's Happening to My Body? Book for Boys: Revised Edition - Lynda Madaras - Google
Books ; What's Happening to My Body? Book for Girls: Revised Edition - Lynda Madaras - Google
Books ; "Normal development of the prepuce: Birth through age 18". Retrieved November 14, 2011;
Øster, Jakob (April 1968). "Further Fate of the Foreskin Incidence of Preputial Adhesions, Phimosis,
and Smegma among Danish Schoolboys". Archives of Disease in Childhood (Department of
Paediatrics, Central Hospital, Randers, Denmark) 43: 200–202. doi:10.1136/ adc.43.228.200. PMC
2019851. PMID 5689532. Retrieved November 14, 2011; Kayaba, Hiroyuki (November 1996). "Analysis
of Shape and Retractability of the Prepuce in 603 Japanese Boys". Hiromi Tamura, Seiichi Kitajima,
Yoshiyuki Fujiwara, Tetsuo Kato and Tetsuro Kato. Journal of Urology (American Urological
Association, Inc.) 156 (5): 1813–1815. doi:10.1016/S0022-5347(01)65544-7. PMID 8863623; Ishikawa,
E.; Kawakita, M. (2004). "Preputial development in Japanese boys". Hinyokika Kiyo 50 (5): 305–8;
"Circumcision Policy Statement". Pediatrics 103 (3): 686–93. 1999. doi:10.1542/peds.103.3.686. PMID
10049981.
Contato: Fones: 55 11 5087-4404 ou 96197-0305
Nextel: ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj. 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com
Site Van Der Häägen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br
www.crescimentoinfoco.com
www.obesidadeinfoco.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Joao Santos Caio Jr
http://google.com/+JoaoSantosCaioJr
google.com/+JoãoSantosCaioJrvdh
google.com/+VANDERHAAGENBRAZILvdh
Video
http://youtu.be/woonaiFJQwY
VAN DER HAAGEN BRAZI
Instagram
https://instagram.com/clinicascaio/
Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=
pt&sll=-23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie =UTF8&ll=-23.575591,-
46.650481&spn=0,0&t = h&z=17

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológicoBaixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
 
Diferenças étnicas no crescimento de crianças e infanto juvenis
Diferenças étnicas no crescimento de crianças e infanto juvenisDiferenças étnicas no crescimento de crianças e infanto juvenis
Diferenças étnicas no crescimento de crianças e infanto juvenis
 
Crescer envolvendo baixa estatura maturação do esqueleto “idade óssea” infant...
Crescer envolvendo baixa estatura maturação do esqueleto “idade óssea” infant...Crescer envolvendo baixa estatura maturação do esqueleto “idade óssea” infant...
Crescer envolvendo baixa estatura maturação do esqueleto “idade óssea” infant...
 
Infância período de crescimento complexo que envolve interação múltiplos fato...
Infância período de crescimento complexo que envolve interação múltiplos fato...Infância período de crescimento complexo que envolve interação múltiplos fato...
Infância período de crescimento complexo que envolve interação múltiplos fato...
 
GH E HORMÔNIOS GONADAIS SÃO IMPORTANTES NO ESTIRÃO DE CRESCIMENTO PUBERAL, TR...
GH E HORMÔNIOS GONADAIS SÃO IMPORTANTES NO ESTIRÃO DE CRESCIMENTO PUBERAL, TR...GH E HORMÔNIOS GONADAIS SÃO IMPORTANTES NO ESTIRÃO DE CRESCIMENTO PUBERAL, TR...
GH E HORMÔNIOS GONADAIS SÃO IMPORTANTES NO ESTIRÃO DE CRESCIMENTO PUBERAL, TR...
 
Desenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa Óssea
Desenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa ÓsseaDesenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa Óssea
Desenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa Óssea
 
Crescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-Juvenil
Crescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-JuvenilCrescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-Juvenil
Crescimento Pré-Puberal, Puberal Infanto-Juvenil
 
Baixo crescimento infanto juvenil não significa só problemas genéticos
Baixo crescimento infanto juvenil não significa só problemas genéticosBaixo crescimento infanto juvenil não significa só problemas genéticos
Baixo crescimento infanto juvenil não significa só problemas genéticos
 
DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...
DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...
DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...
 
CRESCER COMPROMETIDO: CRIANÇA, INFANTIL E JUVENIL- AXIOMA EM FATORES GENÉTICO...
CRESCER COMPROMETIDO: CRIANÇA, INFANTIL E JUVENIL- AXIOMA EM FATORES GENÉTICO...CRESCER COMPROMETIDO: CRIANÇA, INFANTIL E JUVENIL- AXIOMA EM FATORES GENÉTICO...
CRESCER COMPROMETIDO: CRIANÇA, INFANTIL E JUVENIL- AXIOMA EM FATORES GENÉTICO...
 
Fator de crescimento epidermal (egf) no crescimento fetal; tabagismo uma das ...
Fator de crescimento epidermal (egf) no crescimento fetal; tabagismo uma das ...Fator de crescimento epidermal (egf) no crescimento fetal; tabagismo uma das ...
Fator de crescimento epidermal (egf) no crescimento fetal; tabagismo uma das ...
 
A puberdade é o processo de mudanças físicas
A puberdade é o processo de mudanças físicasA puberdade é o processo de mudanças físicas
A puberdade é o processo de mudanças físicas
 
BAIXO CRESCIMENTO INFANTO-JUVENIL NÃO SIGNIFICA SÓ PROBLEMAS GENÉTICOS
BAIXO CRESCIMENTO INFANTO-JUVENIL NÃO SIGNIFICA SÓ PROBLEMAS GENÉTICOSBAIXO CRESCIMENTO INFANTO-JUVENIL NÃO SIGNIFICA SÓ PROBLEMAS GENÉTICOS
BAIXO CRESCIMENTO INFANTO-JUVENIL NÃO SIGNIFICA SÓ PROBLEMAS GENÉTICOS
 
Crescimento em baixa estatura criança juvenil adolescente pré púbere falta d...
Crescimento em baixa estatura criança juvenil adolescente pré púbere  falta d...Crescimento em baixa estatura criança juvenil adolescente pré púbere  falta d...
Crescimento em baixa estatura criança juvenil adolescente pré púbere falta d...
 
CRESCER E FECHAR EPÍFISES; FATORES ENDÓGENOS-EXÓGENOS PODEM ALTERAR IDADE PUB...
CRESCER E FECHAR EPÍFISES; FATORES ENDÓGENOS-EXÓGENOS PODEM ALTERAR IDADE PUB...CRESCER E FECHAR EPÍFISES; FATORES ENDÓGENOS-EXÓGENOS PODEM ALTERAR IDADE PUB...
CRESCER E FECHAR EPÍFISES; FATORES ENDÓGENOS-EXÓGENOS PODEM ALTERAR IDADE PUB...
 
Crescimento Começa com um Ato de Amor
Crescimento Começa com um Ato de AmorCrescimento Começa com um Ato de Amor
Crescimento Começa com um Ato de Amor
 
CRESCER CRIANÇA, INFANTIL E JUVENIL; CONSTÂNCIA E COMPROMETIMENTOS LONGITUDIN...
CRESCER CRIANÇA, INFANTIL E JUVENIL; CONSTÂNCIA E COMPROMETIMENTOS LONGITUDIN...CRESCER CRIANÇA, INFANTIL E JUVENIL; CONSTÂNCIA E COMPROMETIMENTOS LONGITUDIN...
CRESCER CRIANÇA, INFANTIL E JUVENIL; CONSTÂNCIA E COMPROMETIMENTOS LONGITUDIN...
 
BAIXA ESTATURA E CRESCIMENTO LINEAR: UM LADO POSITIVO PARA O GH HUMANO
BAIXA ESTATURA E CRESCIMENTO LINEAR: UM LADO POSITIVO PARA O GH HUMANOBAIXA ESTATURA E CRESCIMENTO LINEAR: UM LADO POSITIVO PARA O GH HUMANO
BAIXA ESTATURA E CRESCIMENTO LINEAR: UM LADO POSITIVO PARA O GH HUMANO
 
PARADOXO; PRECOCIDADE SEXUAL UM COMPROMETIMENTO CERTO NA BAIXA ESTATURA CRIAN...
PARADOXO; PRECOCIDADE SEXUAL UM COMPROMETIMENTO CERTO NA BAIXA ESTATURA CRIAN...PARADOXO; PRECOCIDADE SEXUAL UM COMPROMETIMENTO CERTO NA BAIXA ESTATURA CRIAN...
PARADOXO; PRECOCIDADE SEXUAL UM COMPROMETIMENTO CERTO NA BAIXA ESTATURA CRIAN...
 
Variação genética do crescimento de infantil juvenil-adolescentes em estatura
Variação genética do crescimento de infantil juvenil-adolescentes em estaturaVariação genética do crescimento de infantil juvenil-adolescentes em estatura
Variação genética do crescimento de infantil juvenil-adolescentes em estatura
 

Destaque

Destaque (9)

CRESCER DESENVOLVER INFANTO-JUVENIL DM1 SOFRE INFLUÊNCIA DEFICIÊNCIA INSULINA...
CRESCER DESENVOLVER INFANTO-JUVENIL DM1 SOFRE INFLUÊNCIA DEFICIÊNCIA INSULINA...CRESCER DESENVOLVER INFANTO-JUVENIL DM1 SOFRE INFLUÊNCIA DEFICIÊNCIA INSULINA...
CRESCER DESENVOLVER INFANTO-JUVENIL DM1 SOFRE INFLUÊNCIA DEFICIÊNCIA INSULINA...
 
SAIBA COMO SISTEMA IGF ESTÁ BEM DEFINIDO,TENDO EFEITOS PROFUNDOS NO CRESCER E...
SAIBA COMO SISTEMA IGF ESTÁ BEM DEFINIDO,TENDO EFEITOS PROFUNDOS NO CRESCER E...SAIBA COMO SISTEMA IGF ESTÁ BEM DEFINIDO,TENDO EFEITOS PROFUNDOS NO CRESCER E...
SAIBA COMO SISTEMA IGF ESTÁ BEM DEFINIDO,TENDO EFEITOS PROFUNDOS NO CRESCER E...
 
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃOO GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
 
UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...
UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...
UM CRESCIMENTO ESTATURAL, NO ENTANTO, NÃO SIGNIFICA QUE UMA CRIANÇA TENHA UM ...
 
SOFRENDO INFLUÊNCIA DE MUITOS FATORES DIFERENTES, COMO GENÉTICOS, HORMONAIS, ...
SOFRENDO INFLUÊNCIA DE MUITOS FATORES DIFERENTES, COMO GENÉTICOS, HORMONAIS, ...SOFRENDO INFLUÊNCIA DE MUITOS FATORES DIFERENTES, COMO GENÉTICOS, HORMONAIS, ...
SOFRENDO INFLUÊNCIA DE MUITOS FATORES DIFERENTES, COMO GENÉTICOS, HORMONAIS, ...
 
SAIBA A IMPORTÂNCIA CONHECENDO AS AFINIDADES DOS FATORES DE CRESCIMENTO LIGAD...
SAIBA A IMPORTÂNCIA CONHECENDO AS AFINIDADES DOS FATORES DE CRESCIMENTO LIGAD...SAIBA A IMPORTÂNCIA CONHECENDO AS AFINIDADES DOS FATORES DE CRESCIMENTO LIGAD...
SAIBA A IMPORTÂNCIA CONHECENDO AS AFINIDADES DOS FATORES DE CRESCIMENTO LIGAD...
 
AVALIE E ANALISE A SECREÇÃO DE GH24: HS - INFANTO -JUVENIL
AVALIE E ANALISE A SECREÇÃO DE GH24: HS -  INFANTO -JUVENILAVALIE E ANALISE A SECREÇÃO DE GH24: HS -  INFANTO -JUVENIL
AVALIE E ANALISE A SECREÇÃO DE GH24: HS - INFANTO -JUVENIL
 
DEFICIÊNCIA DO CRESCER POR COMPROMETIMENTO DE HORMÔNIOS HIPOFISÁRIOS ASSOCIADOS
DEFICIÊNCIA DO CRESCER POR COMPROMETIMENTO DE HORMÔNIOS HIPOFISÁRIOS ASSOCIADOSDEFICIÊNCIA DO CRESCER POR COMPROMETIMENTO DE HORMÔNIOS HIPOFISÁRIOS ASSOCIADOS
DEFICIÊNCIA DO CRESCER POR COMPROMETIMENTO DE HORMÔNIOS HIPOFISÁRIOS ASSOCIADOS
 
CRESCER INFANTO-JUVENIL; O INSULIN-like GROWTH FACTOR 1 (IGF-1) É UMA PROTEÍN...
CRESCER INFANTO-JUVENIL; O INSULIN-like GROWTH FACTOR 1 (IGF-1) É UMA PROTEÍN...CRESCER INFANTO-JUVENIL; O INSULIN-like GROWTH FACTOR 1 (IGF-1) É UMA PROTEÍN...
CRESCER INFANTO-JUVENIL; O INSULIN-like GROWTH FACTOR 1 (IGF-1) É UMA PROTEÍN...
 

Semelhante a O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa perceptível, compreenda que devemos tomar cuidado com o desenvolvimento

Semelhante a O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa perceptível, compreenda que devemos tomar cuidado com o desenvolvimento (20)

Criança mudanças morfológicas no tamanho,forma,composição
Criança mudanças morfológicas no tamanho,forma,composiçãoCriança mudanças morfológicas no tamanho,forma,composição
Criança mudanças morfológicas no tamanho,forma,composição
 
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
 
O estirão do crescer ou pulsos pré puberes ou púberes são iguais em todas as ...
O estirão do crescer ou pulsos pré puberes ou púberes são iguais em todas as ...O estirão do crescer ou pulsos pré puberes ou púberes são iguais em todas as ...
O estirão do crescer ou pulsos pré puberes ou púberes são iguais em todas as ...
 
Crescer perspectiva evolucionária que eventualmente pode ocorrer a cada gera...
Crescer  perspectiva evolucionária que eventualmente pode ocorrer a cada gera...Crescer  perspectiva evolucionária que eventualmente pode ocorrer a cada gera...
Crescer perspectiva evolucionária que eventualmente pode ocorrer a cada gera...
 
Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...
Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...
Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...
 
Estatura Baixa Fatores Maternos; do Feto,Neonatal, Criança,Infantil e Juvenil
Estatura Baixa Fatores Maternos; do Feto,Neonatal, Criança,Infantil e JuvenilEstatura Baixa Fatores Maternos; do Feto,Neonatal, Criança,Infantil e Juvenil
Estatura Baixa Fatores Maternos; do Feto,Neonatal, Criança,Infantil e Juvenil
 
Porque eu devo me preocupar com a baixa estatura dos meus filhos se eles terã...
Porque eu devo me preocupar com a baixa estatura dos meus filhos se eles terã...Porque eu devo me preocupar com a baixa estatura dos meus filhos se eles terã...
Porque eu devo me preocupar com a baixa estatura dos meus filhos se eles terã...
 
Crescer estatura em foco infantil mudanças nos seres humanos entre o nascer a...
Crescer estatura em foco infantil mudanças nos seres humanos entre o nascer a...Crescer estatura em foco infantil mudanças nos seres humanos entre o nascer a...
Crescer estatura em foco infantil mudanças nos seres humanos entre o nascer a...
 
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
Estatura crescimento infantil juvenil adolescente não depende apenas gh igf-1...
 
Fatores que Influenciam o Crescimento Infantil Somático até os 2 anos de Idade
Fatores que Influenciam o Crescimento Infantil Somático até os 2 anos de IdadeFatores que Influenciam o Crescimento Infantil Somático até os 2 anos de Idade
Fatores que Influenciam o Crescimento Infantil Somático até os 2 anos de Idade
 
CRESCIMENTO E BAIXA ESTATURA E IMPLICAÇÕES NO CLIMATÉRIO E MENOPAUSA.
CRESCIMENTO E BAIXA ESTATURA E IMPLICAÇÕES NO CLIMATÉRIO E MENOPAUSA.CRESCIMENTO E BAIXA ESTATURA E IMPLICAÇÕES NO CLIMATÉRIO E MENOPAUSA.
CRESCIMENTO E BAIXA ESTATURA E IMPLICAÇÕES NO CLIMATÉRIO E MENOPAUSA.
 
Estatura baixa; reverter crescendo estatural, fatores genéticos de cresciment...
Estatura baixa; reverter crescendo estatural, fatores genéticos de cresciment...Estatura baixa; reverter crescendo estatural, fatores genéticos de cresciment...
Estatura baixa; reverter crescendo estatural, fatores genéticos de cresciment...
 
Importância Esteróides Sexuais no Crescer Fase (Puberal Juvenil Pré Adolescen...
Importância Esteróides Sexuais no Crescer Fase (Puberal Juvenil Pré Adolescen...Importância Esteróides Sexuais no Crescer Fase (Puberal Juvenil Pré Adolescen...
Importância Esteróides Sexuais no Crescer Fase (Puberal Juvenil Pré Adolescen...
 
Crescer estatural adequado tem um mote de saúde com implicações durante toda ...
Crescer estatural adequado tem um mote de saúde com implicações durante toda ...Crescer estatural adequado tem um mote de saúde com implicações durante toda ...
Crescer estatural adequado tem um mote de saúde com implicações durante toda ...
 
Múltiplos caminhos para o crescimento da altura normal de criança, infantil, ...
Múltiplos caminhos para o crescimento da altura normal de criança, infantil, ...Múltiplos caminhos para o crescimento da altura normal de criança, infantil, ...
Múltiplos caminhos para o crescimento da altura normal de criança, infantil, ...
 
Estatura Baixa: Fatores Maternos; do Feto, Neonatal, Criança, Infantil e Juvenil
Estatura Baixa: Fatores Maternos; do Feto, Neonatal, Criança, Infantil e JuvenilEstatura Baixa: Fatores Maternos; do Feto, Neonatal, Criança, Infantil e Juvenil
Estatura Baixa: Fatores Maternos; do Feto, Neonatal, Criança, Infantil e Juvenil
 
Estatura Crescimento
Estatura CrescimentoEstatura Crescimento
Estatura Crescimento
 
Crescimento acelerado em pacientes com baixa estatura
Crescimento acelerado em pacientes com baixa estaturaCrescimento acelerado em pacientes com baixa estatura
Crescimento acelerado em pacientes com baixa estatura
 
Baixa Estatura Constitucional Retardo Crescer não Consiste em Doença e sim Va...
Baixa Estatura Constitucional Retardo Crescer não Consiste em Doença e sim Va...Baixa Estatura Constitucional Retardo Crescer não Consiste em Doença e sim Va...
Baixa Estatura Constitucional Retardo Crescer não Consiste em Doença e sim Va...
 
Crescer em estatura saudável um grande prazer para os pais
Crescer em estatura saudável um grande prazer para os paisCrescer em estatura saudável um grande prazer para os pais
Crescer em estatura saudável um grande prazer para os pais
 

Mais de Van Der Häägen Brazil

Mais de Van Der Häägen Brazil (20)

OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDEOBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
 
A IMPORTÂNCIA CLÍNICA DA ADIPOSIDADE VISCERAL: UMA PESQUISA PROSPECTIVA CRÍTI...
A IMPORTÂNCIA CLÍNICA DA ADIPOSIDADE VISCERAL: UMA PESQUISA PROSPECTIVA CRÍTI...A IMPORTÂNCIA CLÍNICA DA ADIPOSIDADE VISCERAL: UMA PESQUISA PROSPECTIVA CRÍTI...
A IMPORTÂNCIA CLÍNICA DA ADIPOSIDADE VISCERAL: UMA PESQUISA PROSPECTIVA CRÍTI...
 
A DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL É MAIS PREDITIVA (INFORMATIVA) DE MORTALID...
A DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL É MAIS PREDITIVA (INFORMATIVA) DE MORTALID...A DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL É MAIS PREDITIVA (INFORMATIVA) DE MORTALID...
A DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL É MAIS PREDITIVA (INFORMATIVA) DE MORTALID...
 
GORDURA VISCERAL
GORDURA VISCERALGORDURA VISCERAL
GORDURA VISCERAL
 
VOCÊ PENSA QUE APENAS OBESO OU GORDO QUE NÃO FAZ EXERCICIO, É QUE MORRE? BEM ...
VOCÊ PENSA QUE APENAS OBESO OU GORDO QUE NÃO FAZ EXERCICIO, É QUE MORRE? BEM ...VOCÊ PENSA QUE APENAS OBESO OU GORDO QUE NÃO FAZ EXERCICIO, É QUE MORRE? BEM ...
VOCÊ PENSA QUE APENAS OBESO OU GORDO QUE NÃO FAZ EXERCICIO, É QUE MORRE? BEM ...
 
PODE ACREDITAR, QUE O SOBREPESO E A OBESIDADE ESTA LIGADA AO HIPOTIREOIDISMO
PODE ACREDITAR, QUE O SOBREPESO E A OBESIDADE ESTA LIGADA AO HIPOTIREOIDISMOPODE ACREDITAR, QUE O SOBREPESO E A OBESIDADE ESTA LIGADA AO HIPOTIREOIDISMO
PODE ACREDITAR, QUE O SOBREPESO E A OBESIDADE ESTA LIGADA AO HIPOTIREOIDISMO
 
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDEOBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE
 
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE; LARGUE DESSA VIDA IRRESPONSÁV...
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE; LARGUE DESSA VIDA IRRESPONSÁV...OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE; LARGUE DESSA VIDA IRRESPONSÁV...
OBESIDADE, EMAGRECER, EU QUERO CUIDAR DA SAÚDE; LARGUE DESSA VIDA IRRESPONSÁV...
 
NOVIDADES E CONCEITOS NOVOS ATRAVÉS DO SOBREPESO
NOVIDADES E CONCEITOS NOVOS ATRAVÉS DO SOBREPESONOVIDADES E CONCEITOS NOVOS ATRAVÉS DO SOBREPESO
NOVIDADES E CONCEITOS NOVOS ATRAVÉS DO SOBREPESO
 
OBESIDADE EM PACIENTES INFANTIL
OBESIDADE EM PACIENTES INFANTILOBESIDADE EM PACIENTES INFANTIL
OBESIDADE EM PACIENTES INFANTIL
 
OBESIDADE E SUAS CAUSAS
OBESIDADE E SUAS CAUSASOBESIDADE E SUAS CAUSAS
OBESIDADE E SUAS CAUSAS
 
OBESITY AND GENETICS
OBESITY AND GENETICSOBESITY AND GENETICS
OBESITY AND GENETICS
 
INTERFERÊNCIAS DA OBESIDADE NA FUNÇÃO IMUNOLÓGICA
INTERFERÊNCIAS DA OBESIDADE NA FUNÇÃO IMUNOLÓGICAINTERFERÊNCIAS DA OBESIDADE NA FUNÇÃO IMUNOLÓGICA
INTERFERÊNCIAS DA OBESIDADE NA FUNÇÃO IMUNOLÓGICA
 
GORDURA (ADIPÓCITO)
GORDURA (ADIPÓCITO)GORDURA (ADIPÓCITO)
GORDURA (ADIPÓCITO)
 
GENEALOGIA
GENEALOGIAGENEALOGIA
GENEALOGIA
 
DIABETES MELLITUS TIPO 2, DOENÇAS CARDIO RESPIRATÓRIAS, RENAIS, ENTRE OUTRAS.
DIABETES MELLITUS TIPO 2, DOENÇAS CARDIO RESPIRATÓRIAS, RENAIS, ENTRE OUTRAS.DIABETES MELLITUS TIPO 2, DOENÇAS CARDIO RESPIRATÓRIAS, RENAIS, ENTRE OUTRAS.
DIABETES MELLITUS TIPO 2, DOENÇAS CARDIO RESPIRATÓRIAS, RENAIS, ENTRE OUTRAS.
 
OBESIDADE ABDOMINAL
OBESIDADE ABDOMINAL OBESIDADE ABDOMINAL
OBESIDADE ABDOMINAL
 
SOBREPESO, OBESIDADE (OBESOS)
SOBREPESO, OBESIDADE (OBESOS)SOBREPESO, OBESIDADE (OBESOS)
SOBREPESO, OBESIDADE (OBESOS)
 
GORDURA EM EXCESSO
GORDURA EM EXCESSOGORDURA EM EXCESSO
GORDURA EM EXCESSO
 
VOCÊ TERIA DÚVIDA DE QUE MESMO VACINADA, VOCÊ NÃO CONTRAIRIA POR EXEMPLO A CO...
VOCÊ TERIA DÚVIDA DE QUE MESMO VACINADA, VOCÊ NÃO CONTRAIRIA POR EXEMPLO A CO...VOCÊ TERIA DÚVIDA DE QUE MESMO VACINADA, VOCÊ NÃO CONTRAIRIA POR EXEMPLO A CO...
VOCÊ TERIA DÚVIDA DE QUE MESMO VACINADA, VOCÊ NÃO CONTRAIRIA POR EXEMPLO A CO...
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (9)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

O estirão durante o crescimento infanto juvenil poderá ser uma roleta russa perceptível, compreenda que devemos tomar cuidado com o desenvolvimento

  • 1. O ESTIRÃO DURANTE O CRESCIMENTO INFANTO-JUVENIL PODERÁ SER UMA ROLETA RUSSA PERCEPTÍVEL, COMPREENDA QUE DEVEMOS TOMAR CUIDADO COM O DESENVOLVIMENTO DE OLHAR FIXO NA BAIXA ESTATURA, POIS A OSCILAÇÃO DO CRESCIMENTO SE ENVOLVE NO DESENCADEAMENTO DA PUBERDADE NÃO É REGULAR EM TODAS AS CRIANÇAS, INFANTO-JUVENIS, ADOLESCENTES, MUITO MENOS A UNIFORMIDADE DESTE DESENCADEAMENTO, POIS SE OCORRER A ACELERAÇÃO NO CRESCIMENTO A ESTATURA (ALTURA) PODERÁ CHEGAR À ESPERADA, ASSIM COMO O CRESCIMENTO INFANTO-JUVENIL LENTO PODE REDUNDAR EM BAIXA ESTATURA; DR. JOÃO SANTOS CAIO JR. ET DRA. HENRIQUETA V. CAIO; ENDOCRINOLOGIA-NEUROENDOCRINOLOGIA- FISIOLOGIA. Mudanças com a puberdade (maturação sexual) podem ocorrer gradualmente ou vários sinais podem tornar-se visíveis ao mesmo tempo. Há uma grande quantidade de variação na taxa de mudanças que podem ocorrer. Alguns adolescentes podem experimentar estes sinais de maturidade mais cedo ou mais tarde do que outros. A maturação física sexual e outras que ocorrem durante a puberdade são resultado de alterações hormonais. Quando uma criança se aproxima da puberdade, a glândula do cérebro, chamada hipófise, aumenta a secreção de um
  • 2. hormônio denominado hormônio folículo-estimulante (FSH). Este hormônio, em seguida, provoca efeitos adicionais. Nas meninas, o hormônio folículo-estimulante (FSH) ativa os ovários que começam a produzir estrogênio. Nos meninos, o hormônio folículo-estimulante (FSH), provoca a produção de esperma na região gonadal. Nos meninos, é questionável exatamente quando a puberdade está chegando. Não há alterações com evidências indiscutíveis que ocorrem, sabemos que a liberação do hormônio de crescimento-GH é através de mecanismos associativos através de pulsos e principia por volta dos 11 anos com quantidades até 50% inferiores aos das meninas que iniciam com o dobro aproximadamente na mesma época, produzindo 10 mg/24 horas de forma linear. Novamente, nos meninos ocorre uma variante, mas neles ocorre de forma gradual e ao longo de um período de tempo, em vez de como um único evento. Cada adolescente masculino é diferente, nas idades médias, quando podem ocorrer as alterações da puberdade. A adolescência é uma fase dinâmica e complexa merecedora de atenção especial no sistema de saúde humano, uma vez que esta etapa do
  • 3. desenvolvimento define padrões biológicos e de comportamentos que irão se manifestar durante o resto da vida do indivíduo. A adolescência diz respeito à passagem da infância para a idade adulta, enquanto a puberdade refere-se às alterações biológicas que possibilitam o completo crescimento, desenvolvimento e maturação do indivíduo, assegurando a capacidade de reprodução e preservação da espécie. A puberdade se inicia após a reativação dos neurônios hipotalâmicos baso- mediais, que secretam o hormônio liberador de gonadotrofinas. A secreção destas resulta na liberação pulsátil dos hormônios luteinizante (LH) e folículo-estimulante (FSH) pela glândula hipófise. Isto ocorre inicialmente durante o sono com mais intensidade depois de estabelecido o sono REM, na fase 3 e 4 do sono profundo com liberação pulsátil no adolescente do sexo masculino e linear na adolescente do sexo feminino (gênero) e, mais tarde, se estabelece em ciclo circadiano (Behrman & Vaughan, 1990). O crescimento e desenvolvimento em crianças, infanto-juvenis, adolescentes são eventos geneticamente programados, da concepção ao amadurecimento completo, porém fatores inerentes ao próprio indivíduo e outros representados por circunstâncias ambientais podem induzir modificações nesse processo. Fatores climáticos, socioeconômicos, hormonais, psicossociais e, sobretudo, nutricionais são algumas das possíveis causas de modificação do crescimento e desenvolvimento (Saito, 1989). Devido à grande variabilidade quanto ao início, duração e progressão das mudanças puberais, a idade cronológica nem sempre está de acordo com a idade biológica. Essa última reflete melhor o progresso do organismo em direção à maturidade. Por isso, diversos parâmetros do crescimento e desenvolvimento são analisados através de medidas de peso, altura, idade óssea, entre outras (Damante et al., 1983).
  • 4. Esta separação entre idade cronológica e biológica depende de fatores que levarão a um desenvolvimento nem sempre harmônico, a bem da verdade não existem dois indivíduos que se comportam de forma idêntica. É o que chamamos de assincronia de maturação (Eisenstein & Souza, 1993). Esses fatores poderão comprometer o estirão devido suas variantes e complexidade, e não ocorrer o esperado estirão alvo genético, que deveria existir, levando os indivíduos de qualquer gênero a apresentar uma estatura baixa e muito aquém do esperado com ansiedade familiar e individual, pois será a altura ou estatura definitiva mesmo na fase adulta. Dr. João Santos Caio Jr. Endocrinologia – Neuroendocrinologista CRM 20611 Dra. Henriqueta V. Caio Endocrinologista – Medicina Interna CRM 28930 Como Saber Mais: 1. Se o crescimento não é o mesmo para todas as crianças, infanto- juvenis, pré-adolescentes e adolescentes como os médicos sabem o que é normal... http://baixaestaturaecrescimento.blogspot.com
  • 5. 2. Vamos tentar elucidar a tecnologia usada pelos médicos endocrinologista, neuroendocrinologistas e fisiologistas, de quais padrões mais frequentemente usados para tomarmos decisões terapêuticas seguras e que não sejam desnecessárias... http://especialistacrescimento.blogspot.com 3. O crescimento e o desenvolvimento são eventos geneticamente programados, da concepção ao amadurecimento completo, porém fatores inerentes ao próprio indivíduo e outros representados por circunstâncias ambientais podem induzir modificações nesse processo... http://baixaestaturaecrescer.blogspot.com AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. Referências Bibliográficas: Dr. João Santos Caio Jr, Endocrinologista, Neuroendocrinologista, Dra Henriqueta Verlangieri Caio, Endocrinologista, Medicina Interna – Van Der Häägen Brazil, São Paulo, Brasil; Making Sense of Sex: A Forthright Guide to Puberty, Sex and Relationships ... - Sarah Attwood - Google Books ; Erections in Babies ; What's Happening to My Body? Book for Boys: Revised Edition - Lynda Madaras - Google Books ; What's Happening to My Body? Book for Girls: Revised Edition - Lynda Madaras - Google Books ; "Normal development of the prepuce: Birth through age 18". Retrieved November 14, 2011; Øster, Jakob (April 1968). "Further Fate of the Foreskin Incidence of Preputial Adhesions, Phimosis, and Smegma among Danish Schoolboys". Archives of Disease in Childhood (Department of Paediatrics, Central Hospital, Randers, Denmark) 43: 200–202. doi:10.1136/ adc.43.228.200. PMC 2019851. PMID 5689532. Retrieved November 14, 2011; Kayaba, Hiroyuki (November 1996). "Analysis of Shape and Retractability of the Prepuce in 603 Japanese Boys". Hiromi Tamura, Seiichi Kitajima, Yoshiyuki Fujiwara, Tetsuo Kato and Tetsuro Kato. Journal of Urology (American Urological Association, Inc.) 156 (5): 1813–1815. doi:10.1016/S0022-5347(01)65544-7. PMID 8863623; Ishikawa, E.; Kawakita, M. (2004). "Preputial development in Japanese boys". Hinyokika Kiyo 50 (5): 305–8; "Circumcision Policy Statement". Pediatrics 103 (3): 686–93. 1999. doi:10.1542/peds.103.3.686. PMID 10049981. Contato: Fones: 55 11 5087-4404 ou 96197-0305 Nextel: ID:111*101625 Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj. 121/122
  • 6. Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002 e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com Site Van Der Häägen Brazil www.vanderhaagenbrazil.com.br www.clinicavanderhaagen.com.br www.crescimentoinfoco.com www.obesidadeinfoco.com.br http://drcaiojr.site.med.br http://dracaio.site.med.br Joao Santos Caio Jr http://google.com/+JoaoSantosCaioJr google.com/+JoãoSantosCaioJrvdh google.com/+VANDERHAAGENBRAZILvdh Video http://youtu.be/woonaiFJQwY VAN DER HAAGEN BRAZI Instagram https://instagram.com/clinicascaio/ Google Maps: http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl= pt&sll=-23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie =UTF8&ll=-23.575591,- 46.650481&spn=0,0&t = h&z=17