SlideShare uma empresa Scribd logo
LPT : ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO
       TEMPO PEDAGÓGICO
• Processos de aprendizagem da leitura e da
escrita, num contexto de usos e funções
sociais.
• Objetivo central do ensino da língua:
favorecer a conquista da capacidade de uso
da linguagem.
• Necessidade de usar linguagens variadas
em contextos diversos - meio de expressar e
comunicar ideias, interpretar e usufruir das
produções culturais.
• O trabalho escolar com os diferentes gêneros
textuais deve levar em conta certos critérios:
a)ao selecionar conteúdos
b)ao propor atividades linguísticas que contemplem o
escutar, o ler, o falar e o escrever.

•A organização dos conteúdos deve seguir o
movimento uso/reflexão/uso e deixar claro que a
utilização da linguagem é ponto de partida e também
de chegada do trabalho pedagógico com a língua
portuguesa.
Para pensar em organização do tempo
pedagógico, é necessário levar em conta as
diferentes modalidades didáticas para o ensino
de linguagem:
 
• projetos de leitura, escuta, e produção de
textos;

• as sequências de atividades e

• as atividades independentes.
 
Atividades independentes

• permanentes (habituais): leitura em voz alta
pelo professor, todo início de aula; roda de
leitores, com escolhas pessoais, uma vez a
cada quinze dias;

• ocasionais: quando selecionadas para dar
conta de um conteúdo eventualmente
considerado necessário: leituras esporádicas
de notícias do jornal; leitura de uma crônica
sobre um determinado tema em evidência
num momento específico.
Sequências        de     atividades     ou
sequências didáticas de atividades são
organizadas para trabalhar determinado
conteúdo, quer seja discursivo, textual ou
gramatical:
sequências planejadas para se estudar
- as características de um determinado
gênero textual;
  - os recursos linguísticos e estéticos
utilizados pelo autor, para a apresentação
do cenário em que se desenvolve um
conto;    -   certas    características de
personagens;
- desenvolvimento do conflito até o
desfecho.
Projeto

as atividades que compõem essa modalidade
didática devem ser
• organizadas de forma sequenciada e

• orientadas para a elaboração de um produto final
que se destina a interlocutores e espaços de
circulação, que podem estar fora da sala de aula e
mesmo da escola.
Projetos envolvendo leitura e escrita:
 
• Organização de um seminário sobre a
utilização  do   “internetês”   e    seus
desdobramentos   na     comunicação    do
cotidiano.

• Elaboração e gravação de um CD com
contação de lendas urbanas pesquisadas
pelos alunos.

• Elaboração e publicação de uma coletânea
de poemas de amor, no “varal poético”, num
determinado espaço na escola.
• Elaboração de uma publicação com resenhas de
diferentes obras de um autor, ou de vários autores
selecionados por determinado critério (por tema,
por momento histórico, por exemplo) uma análise
das principais características estéticas e
estilísticas, para ficar disponível na sala de leitura.

• Elaboração e publicação de uma coletânea de
contos de fadas modificados para o momento
histórico-cultural da atualidade.
• Elaboração e publicação de uma coletânea de
lendas de diferentes regiões brasileiras, ou de
São Paulo, ou de outros locais, reescritas ou
adaptadas pelos alunos.
A rotina de trabalho em sala de aula

• a organização da rotina de trabalho deve ser
equilibrada e as modalidades didáticas devem
ser     selecionadas   para     possibilitar o
desenvolvimento de atividades com os
diferentes conteúdos de leitura e de produção
de textos, passando inclusive pela análise
linguística.
Sugestão de etapas para sequências
didáticas que envolvam leitura e
escrita:

• preparando o momento;
• aquecendo para a leitura;
• saboreando o texto;
• entrelaçando leituras coletivas;
• desdobramentos para outros momentos.
O objetivo é sugerir que as atividades de leitura
propostas ao aluno, quando este se debruça sobre um
texto literário, têm sempre de ser centradas no
significado mais amplo do texto, significado que não
se confunde com o que o texto diz, mas reside no
modo como o texto diz o que diz. Nesse sentido, é
necessário que os elementos do texto selecionado
como gerador de atividades levem o aluno a observar
mais de perto procedimentos realmente relevantes
para o significado geral do texto.
                                       Marisa Lajolo
Preparando o momento: observar mais de perto
procedimentos relevantes para o significado geral do texto

Aquecendo para a leitura: estimular os alunos a fazer
antecipações sobre o texto a ser lido. Essas antecipações
serão verificadas após a leitura.

Saboreando o texto: leitura em voz alta, ou silenciosa,
do professor para os alunos, com os alunos.

Entrelaçando leituras coletivas: compartilhar as
leituras, sentimentos, opiniões.

Desdobramentos para outros momentos/produção
escrita.
A seleção de textos e a organização das
atividades

-Uma questão de bom senso?

Os critérios de seleção e utilização dos textos com
propósitos pedagógicos devem considerar sempre:
• a complexidade do gênero;
• o nível de dificuldade da atividade em relação ao
gênero;
• a familiaridade dos alunos com o gênero;
• a adequação do conteúdo do texto ao nível de
conhecimento dos alunos e às necessidades da
classe.
O lugar da leitura do texto literário

A proposta do desenvolvimento da disciplina
Leitura e Produção de Textos     (LPT), com
duas aulas semanais, na grade curricular do ciclo
II do Ensino Fundamental, foi concebida na
perspectiva de uma contribuição para o
letramento literário
Destaques:
• Necessidade de se chamar a atenção para o
valor da literatura e sua função social, bem como
para as relações possíveis entre literatura e
educação.
 
• Concentração de esforços na formação de
leitores literários e na constituição de uma
comunidade de leitores e produtores de textos
que sejam capazes de atender às demandas das
diferentes esferas comunicativas da sociedade.
• A escola deve fazer a escolarização da
literatura, com a leitura das obras e, não
apenas, das informações teóricas ou críticas
a respeito do autor, ou do texto.

• Os livros falam por si mesmos?

• Ler é um ato solitário?

•Não existem palavras para expressar o que
sentimos quando lemos um texto literário...
Compartilhar sentidos construídos a partir
da leitura é um convite a explorar a obra
sob vários aspectos e participar da
ampliação dos horizontes de interpretação e
de escolhas de leituras.
Propostas de produção textual
é necessário

• prever que os alunos sejam capazes de
coordenar procedimentos, muitas vezes,
complexos, relacionados tanto com o
planejamento do que querem expressar,
quanto da própria escrita;
• estabelecer comandos e fornecer
orientações que deixem clara a proposta.
Planejamento

Ao          planejar       a      rotina
semanal/quinzenal/mensal/bimestral, é
preciso que o professor leve em conta
certos critérios e organize as
atividades de modo a garantir o ler, o
ouvir, o falar, o escrever de memória,
o criar, o reescrever, o revisar.
Os ambientes propícios

• às práticas de leitura

• à produção textual

acervo circulante

com planejamento e organização, a própria
sala de aula pode se transformar em local
privilegiado.
Os livros e a leitura

A escola deve favorecer a relação com os livros e
com a leitura, pois é o espaço que deve garantir o
acesso à cultura letrada. Não se pode deixar de
lado, a importância de “ler para alguém” ou “contar
histórias”.
Socializar as leituras realizadas com os colegas, em
rodas de leitura, para expressar-se oralmente e
compartilhar com os outros o que se leu, o que se
sentiu, o que se descobriu, as opiniões.
A    decodificação     é    apenas     um    dos
procedimentos que se utiliza para ler. Há outras
estratégias utilizadas para que o leitor construa
o significado daquilo que lê: seleção,
antecipação, inferência, verificação.

O leitor competente utiliza todas as estratégias
quase que ao mesmo tempo.
As estratégias de seleção permitem que o leitor
mantenha-se atento apenas aos indícios que
lhe são úteis para decifrar o texto escrito.
 
As estratégias de antecipação, com base em
informações explícitas e em suposições,
permitem que o leitor tenha condições de
prever o que poderá encontrar em um texto. O
gênero, o autor, o título, por exemplo, podem
ajudar o leitor a antecipar significados.
 
As estratégias de inferência permitem ao
leitor captar o que não aparece
explicitamente no texto. O texto, em seu
contexto, apresenta pistas que articuladas
aos conhecimentos que o leitor já possui,
possibilitam que ele infira significados.
 
As estratégias de verificação permitem
confirmar ou não as hipóteses formuladas.
Produzir bons textos é resultado da leitura de
muitos textos diferentes, mas é também fruto da
possibilidade de pensar e trocar ideias sobre
outros textos lidos e sobre a própria produção
textual.
O trabalho pedagógico para a produção de
textos deve estar apoiado em certas
referências:

  • um amplo repertório de textos lidos ou
  ouvidos é condição para se escrever textos;

  • além do repertório de leitura, há
  necessidade de ensinar a organizar o texto e
  observar como é possível escrever as
  mesmas coisas de maneira diferente;
• as propostas de produção de textos devem
ser      contextualizadas,  funcionais   e
significativas;

• é necessário incentivar a elaboração de
rascunhos, bem como guardá-los para
analisar o percurso de construção do texto,
para favorecer a compreensão de que todo
texto é provisório;

• produzir textos próprios depende da
possibilidade   de    operar   com textos
produzidos por outras pessoas.
Escrever, revisar, reescrever
Para quem? Para quê? O quê? Onde vai publicar?
Isto significa que quando alguém escreve deve
considerar:
   •a quem o texto se destina;
   •a finalidade da produção;
   •o que vai ser dito;
   •o gênero: um poema, um conto, um relato, uma
   crônica, uma carta, uma notícia, um cartaz;
   •o portador: um livro, o mural, o caderno.
   •todos os aspectos relacionados à escrita:
   coerência, adequação da linguagem, gramática,
   ortografia, pontuação;
   •a necessidade de revisão e de reescrita.
Algumas sugestões de atividades que
podem compor uma sequência
• reescrever ou parafrasear textos lidos;
• escrever uma notícia policial, a partir da leitura
de um conto de mistério;
• produzir textos a partir de outros lidos: por
exemplo um bilhete ou email que um
personagem de uma crônica teria escrito a outro;
um trecho do diário de um personagem; uma
reportagem sobre o desfecho de um conto;
• planejar coletivamente a escrita de um conto, a
partir da sugestão de um enredo para que depois
cada aluno (ou grupo) escreva sua versão;
 
• transformar a trama original de um conto, a
partir de um ponto de vista diferente;
• compor novos textos com personagens e
acontecimentos de outros textos lidos;
• revisar e reescrever textos em parceria com
os colegas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oficina formação de leitores
Oficina formação de leitoresOficina formação de leitores
Oficina formação de leitores
Glauco Roberto Bertucci
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
proletramentoalfa
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
Fan Santos
 
Letramento
LetramentoLetramento
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
VidaRevista Consultoria e Treinamento
 
Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1
cfvila
 
LEITURA
LEITURALEITURA
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
Marilene Rangel Rangel
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
Andréa Cristina Soares Costa
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
Claudio Pessoa
 
Estratégias de leitura 5 ano
Estratégias de leitura 5 anoEstratégias de leitura 5 ano
Estratégias de leitura 5 ano
pedagogicosjdelrei
 
Fundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leituraFundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leitura
Aldo Socram
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
Lygia Souza
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
Jose Arnaldo Silva
 
Pauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aulaPauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aula
Gelson Rocha
 
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITAPROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
Jane Santos
 
Ler E Escrever Na Escola
Ler E Escrever Na EscolaLer E Escrever Na Escola
Ler E Escrever Na Escola
Maristela Couto
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Denise Oliveira
 
Estratégias de leitura 9 ano
Estratégias de leitura 9 anoEstratégias de leitura 9 ano
Estratégias de leitura 9 ano
pedagogicosjdelrei
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Edna Monteiro
 

Mais procurados (20)

Oficina formação de leitores
Oficina formação de leitoresOficina formação de leitores
Oficina formação de leitores
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
 
Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1
 
LEITURA
LEITURALEITURA
LEITURA
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Estratégias de leitura 5 ano
Estratégias de leitura 5 anoEstratégias de leitura 5 ano
Estratégias de leitura 5 ano
 
Fundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leituraFundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leitura
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Pauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aulaPauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aula
 
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITAPROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
 
Ler E Escrever Na Escola
Ler E Escrever Na EscolaLer E Escrever Na Escola
Ler E Escrever Na Escola
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Estratégias de leitura 9 ano
Estratégias de leitura 9 anoEstratégias de leitura 9 ano
Estratégias de leitura 9 ano
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 

Semelhante a Produção de Texto

Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana LuisaLingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE ITU
 
Plano de trabalho proeti
Plano de trabalho proetiPlano de trabalho proeti
Plano de trabalho proeti
Dag Soares
 
Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)
franiris
 
sabores da leitura
sabores da leiturasabores da leitura
sabores da leitura
Cesar Eduardo
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
noadiasilva2
 
Por que planejar o ensino
Por que planejar o ensinoPor que planejar o ensino
Por que planejar o ensino
Gisele Silva
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitora
Fatima Costa
 
Palestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo iiPalestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo ii
Lari Aveiro
 
Paletra alfabetização
Paletra alfabetizaçãoPaletra alfabetização
Paletra alfabetização
Lari Aveiro
 
Slide sala de leitura
Slide sala de leituraSlide sala de leitura
Slide sala de leitura
elienabetete
 
6 lerner, delia. ler e escrever na escola
6 lerner, delia. ler e escrever na escola6 lerner, delia. ler e escrever na escola
6 lerner, delia. ler e escrever na escola
ProfRubens1
 
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua MaternaPCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
ADRIANOSOUZAMARINHO1
 
Pauta formativa pnaic 7º encontro
Pauta formativa pnaic   7º encontroPauta formativa pnaic   7º encontro
Pauta formativa pnaic 7º encontro
taboao
 
Projeto leitura José Silvio Secco
Projeto leitura José Silvio SeccoProjeto leitura José Silvio Secco
Projeto leitura José Silvio Secco
chavesdeleitura
 
Leitura
Leitura Leitura
Cap 9 Kamila.pptx
Cap 9 Kamila.pptxCap 9 Kamila.pptx
Cap 9 Kamila.pptx
mocardoso
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Sala de leitura slide
Sala de leitura slideSala de leitura slide
Sala de leitura slide
Miquéias Lima
 
EE Jacob Salvador Zveibil
EE Jacob Salvador ZveibilEE Jacob Salvador Zveibil
EE Jacob Salvador Zveibil
biolilian
 
2 apresentação seminário pnld 2014 - língua portuguesa
2   apresentação seminário pnld 2014 - língua portuguesa2   apresentação seminário pnld 2014 - língua portuguesa
2 apresentação seminário pnld 2014 - língua portuguesa
Henrique Bohrer
 

Semelhante a Produção de Texto (20)

Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana LuisaLingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
 
Plano de trabalho proeti
Plano de trabalho proetiPlano de trabalho proeti
Plano de trabalho proeti
 
Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)
 
sabores da leitura
sabores da leiturasabores da leitura
sabores da leitura
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
 
Por que planejar o ensino
Por que planejar o ensinoPor que planejar o ensino
Por que planejar o ensino
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitora
 
Palestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo iiPalestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo ii
 
Paletra alfabetização
Paletra alfabetizaçãoPaletra alfabetização
Paletra alfabetização
 
Slide sala de leitura
Slide sala de leituraSlide sala de leitura
Slide sala de leitura
 
6 lerner, delia. ler e escrever na escola
6 lerner, delia. ler e escrever na escola6 lerner, delia. ler e escrever na escola
6 lerner, delia. ler e escrever na escola
 
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua MaternaPCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
 
Pauta formativa pnaic 7º encontro
Pauta formativa pnaic   7º encontroPauta formativa pnaic   7º encontro
Pauta formativa pnaic 7º encontro
 
Projeto leitura José Silvio Secco
Projeto leitura José Silvio SeccoProjeto leitura José Silvio Secco
Projeto leitura José Silvio Secco
 
Leitura
Leitura Leitura
Leitura
 
Cap 9 Kamila.pptx
Cap 9 Kamila.pptxCap 9 Kamila.pptx
Cap 9 Kamila.pptx
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Sala de leitura slide
Sala de leitura slideSala de leitura slide
Sala de leitura slide
 
EE Jacob Salvador Zveibil
EE Jacob Salvador ZveibilEE Jacob Salvador Zveibil
EE Jacob Salvador Zveibil
 
2 apresentação seminário pnld 2014 - língua portuguesa
2   apresentação seminário pnld 2014 - língua portuguesa2   apresentação seminário pnld 2014 - língua portuguesa
2 apresentação seminário pnld 2014 - língua portuguesa
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
MarcoAurlioResende
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 

Produção de Texto

  • 1. LPT : ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TEMPO PEDAGÓGICO • Processos de aprendizagem da leitura e da escrita, num contexto de usos e funções sociais. • Objetivo central do ensino da língua: favorecer a conquista da capacidade de uso da linguagem. • Necessidade de usar linguagens variadas em contextos diversos - meio de expressar e comunicar ideias, interpretar e usufruir das produções culturais.
  • 2. • O trabalho escolar com os diferentes gêneros textuais deve levar em conta certos critérios: a)ao selecionar conteúdos b)ao propor atividades linguísticas que contemplem o escutar, o ler, o falar e o escrever. •A organização dos conteúdos deve seguir o movimento uso/reflexão/uso e deixar claro que a utilização da linguagem é ponto de partida e também de chegada do trabalho pedagógico com a língua portuguesa.
  • 3. Para pensar em organização do tempo pedagógico, é necessário levar em conta as diferentes modalidades didáticas para o ensino de linguagem:   • projetos de leitura, escuta, e produção de textos; • as sequências de atividades e • as atividades independentes.  
  • 4. Atividades independentes • permanentes (habituais): leitura em voz alta pelo professor, todo início de aula; roda de leitores, com escolhas pessoais, uma vez a cada quinze dias; • ocasionais: quando selecionadas para dar conta de um conteúdo eventualmente considerado necessário: leituras esporádicas de notícias do jornal; leitura de uma crônica sobre um determinado tema em evidência num momento específico.
  • 5. Sequências de atividades ou sequências didáticas de atividades são organizadas para trabalhar determinado conteúdo, quer seja discursivo, textual ou gramatical: sequências planejadas para se estudar - as características de um determinado gênero textual; - os recursos linguísticos e estéticos utilizados pelo autor, para a apresentação do cenário em que se desenvolve um conto; - certas características de personagens; - desenvolvimento do conflito até o desfecho.
  • 6. Projeto as atividades que compõem essa modalidade didática devem ser • organizadas de forma sequenciada e • orientadas para a elaboração de um produto final que se destina a interlocutores e espaços de circulação, que podem estar fora da sala de aula e mesmo da escola.
  • 7. Projetos envolvendo leitura e escrita:   • Organização de um seminário sobre a utilização do “internetês” e seus desdobramentos na comunicação do cotidiano. • Elaboração e gravação de um CD com contação de lendas urbanas pesquisadas pelos alunos. • Elaboração e publicação de uma coletânea de poemas de amor, no “varal poético”, num determinado espaço na escola.
  • 8. • Elaboração de uma publicação com resenhas de diferentes obras de um autor, ou de vários autores selecionados por determinado critério (por tema, por momento histórico, por exemplo) uma análise das principais características estéticas e estilísticas, para ficar disponível na sala de leitura. • Elaboração e publicação de uma coletânea de contos de fadas modificados para o momento histórico-cultural da atualidade.
  • 9. • Elaboração e publicação de uma coletânea de lendas de diferentes regiões brasileiras, ou de São Paulo, ou de outros locais, reescritas ou adaptadas pelos alunos.
  • 10. A rotina de trabalho em sala de aula • a organização da rotina de trabalho deve ser equilibrada e as modalidades didáticas devem ser selecionadas para possibilitar o desenvolvimento de atividades com os diferentes conteúdos de leitura e de produção de textos, passando inclusive pela análise linguística.
  • 11. Sugestão de etapas para sequências didáticas que envolvam leitura e escrita: • preparando o momento; • aquecendo para a leitura; • saboreando o texto; • entrelaçando leituras coletivas; • desdobramentos para outros momentos.
  • 12. O objetivo é sugerir que as atividades de leitura propostas ao aluno, quando este se debruça sobre um texto literário, têm sempre de ser centradas no significado mais amplo do texto, significado que não se confunde com o que o texto diz, mas reside no modo como o texto diz o que diz. Nesse sentido, é necessário que os elementos do texto selecionado como gerador de atividades levem o aluno a observar mais de perto procedimentos realmente relevantes para o significado geral do texto. Marisa Lajolo
  • 13. Preparando o momento: observar mais de perto procedimentos relevantes para o significado geral do texto Aquecendo para a leitura: estimular os alunos a fazer antecipações sobre o texto a ser lido. Essas antecipações serão verificadas após a leitura. Saboreando o texto: leitura em voz alta, ou silenciosa, do professor para os alunos, com os alunos. Entrelaçando leituras coletivas: compartilhar as leituras, sentimentos, opiniões. Desdobramentos para outros momentos/produção escrita.
  • 14. A seleção de textos e a organização das atividades -Uma questão de bom senso? Os critérios de seleção e utilização dos textos com propósitos pedagógicos devem considerar sempre: • a complexidade do gênero; • o nível de dificuldade da atividade em relação ao gênero; • a familiaridade dos alunos com o gênero; • a adequação do conteúdo do texto ao nível de conhecimento dos alunos e às necessidades da classe.
  • 15. O lugar da leitura do texto literário A proposta do desenvolvimento da disciplina Leitura e Produção de Textos (LPT), com duas aulas semanais, na grade curricular do ciclo II do Ensino Fundamental, foi concebida na perspectiva de uma contribuição para o letramento literário
  • 16. Destaques: • Necessidade de se chamar a atenção para o valor da literatura e sua função social, bem como para as relações possíveis entre literatura e educação.   • Concentração de esforços na formação de leitores literários e na constituição de uma comunidade de leitores e produtores de textos que sejam capazes de atender às demandas das diferentes esferas comunicativas da sociedade.
  • 17. • A escola deve fazer a escolarização da literatura, com a leitura das obras e, não apenas, das informações teóricas ou críticas a respeito do autor, ou do texto. • Os livros falam por si mesmos? • Ler é um ato solitário? •Não existem palavras para expressar o que sentimos quando lemos um texto literário...
  • 18. Compartilhar sentidos construídos a partir da leitura é um convite a explorar a obra sob vários aspectos e participar da ampliação dos horizontes de interpretação e de escolhas de leituras.
  • 19. Propostas de produção textual é necessário • prever que os alunos sejam capazes de coordenar procedimentos, muitas vezes, complexos, relacionados tanto com o planejamento do que querem expressar, quanto da própria escrita; • estabelecer comandos e fornecer orientações que deixem clara a proposta.
  • 20. Planejamento Ao planejar a rotina semanal/quinzenal/mensal/bimestral, é preciso que o professor leve em conta certos critérios e organize as atividades de modo a garantir o ler, o ouvir, o falar, o escrever de memória, o criar, o reescrever, o revisar.
  • 21. Os ambientes propícios • às práticas de leitura • à produção textual acervo circulante com planejamento e organização, a própria sala de aula pode se transformar em local privilegiado.
  • 22. Os livros e a leitura A escola deve favorecer a relação com os livros e com a leitura, pois é o espaço que deve garantir o acesso à cultura letrada. Não se pode deixar de lado, a importância de “ler para alguém” ou “contar histórias”. Socializar as leituras realizadas com os colegas, em rodas de leitura, para expressar-se oralmente e compartilhar com os outros o que se leu, o que se sentiu, o que se descobriu, as opiniões.
  • 23. A decodificação é apenas um dos procedimentos que se utiliza para ler. Há outras estratégias utilizadas para que o leitor construa o significado daquilo que lê: seleção, antecipação, inferência, verificação. O leitor competente utiliza todas as estratégias quase que ao mesmo tempo.
  • 24. As estratégias de seleção permitem que o leitor mantenha-se atento apenas aos indícios que lhe são úteis para decifrar o texto escrito.   As estratégias de antecipação, com base em informações explícitas e em suposições, permitem que o leitor tenha condições de prever o que poderá encontrar em um texto. O gênero, o autor, o título, por exemplo, podem ajudar o leitor a antecipar significados.  
  • 25. As estratégias de inferência permitem ao leitor captar o que não aparece explicitamente no texto. O texto, em seu contexto, apresenta pistas que articuladas aos conhecimentos que o leitor já possui, possibilitam que ele infira significados.   As estratégias de verificação permitem confirmar ou não as hipóteses formuladas.
  • 26. Produzir bons textos é resultado da leitura de muitos textos diferentes, mas é também fruto da possibilidade de pensar e trocar ideias sobre outros textos lidos e sobre a própria produção textual.
  • 27. O trabalho pedagógico para a produção de textos deve estar apoiado em certas referências: • um amplo repertório de textos lidos ou ouvidos é condição para se escrever textos; • além do repertório de leitura, há necessidade de ensinar a organizar o texto e observar como é possível escrever as mesmas coisas de maneira diferente;
  • 28. • as propostas de produção de textos devem ser contextualizadas, funcionais e significativas; • é necessário incentivar a elaboração de rascunhos, bem como guardá-los para analisar o percurso de construção do texto, para favorecer a compreensão de que todo texto é provisório; • produzir textos próprios depende da possibilidade de operar com textos produzidos por outras pessoas.
  • 29. Escrever, revisar, reescrever Para quem? Para quê? O quê? Onde vai publicar? Isto significa que quando alguém escreve deve considerar: •a quem o texto se destina; •a finalidade da produção; •o que vai ser dito; •o gênero: um poema, um conto, um relato, uma crônica, uma carta, uma notícia, um cartaz; •o portador: um livro, o mural, o caderno. •todos os aspectos relacionados à escrita: coerência, adequação da linguagem, gramática, ortografia, pontuação; •a necessidade de revisão e de reescrita.
  • 30. Algumas sugestões de atividades que podem compor uma sequência • reescrever ou parafrasear textos lidos; • escrever uma notícia policial, a partir da leitura de um conto de mistério; • produzir textos a partir de outros lidos: por exemplo um bilhete ou email que um personagem de uma crônica teria escrito a outro; um trecho do diário de um personagem; uma reportagem sobre o desfecho de um conto; • planejar coletivamente a escrita de um conto, a partir da sugestão de um enredo para que depois cada aluno (ou grupo) escreva sua versão;  
  • 31. • transformar a trama original de um conto, a partir de um ponto de vista diferente; • compor novos textos com personagens e acontecimentos de outros textos lidos; • revisar e reescrever textos em parceria com os colegas.