SlideShare uma empresa Scribd logo
UNAV DA
UNIVERSIDADE ABERTA VIDA
UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ
CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA
Métodos e técnicas de Alfabetização
Profª MS Edna Câmara Monteiro
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
O que é
alfabetização ?
Qualquer pessoa responderia que
alfabetizar corresponde à ação de
ensinar a ler e a escrever
O que é
LER
e
ESCREVER ?
A alfabetização considerada como o ensino
das habilidades de “codificação” e
“decodificação” foi transposta para a sala de
aula, no final do século XIX, mediante a
criação de diferentes métodos de
alfabetização
Métodos sintéticos (silábicos ou fônicos)
X
Métodos analíticos (global)
que padronizaram a aprendizagem da leitura
e da escrita
As cartilhas relacionadas a esses métodos
passaram a ser amplamente utilizadas
como livro didático para o ensino nessa
área.
Graciliano Ramos, em seu livro
Autobiográfico Infância,
lembra que se alfabetizou – ainda no
final do século XIX, início do século XX
– através da carta do ABC
Respirei, meti-me na soletração, guiado por Mocinha.
Gaguejei sílabas um mês. No fim da carta elas se
reuniam, formavam sentenças graves, arrevesadas,
que me atordoavam. Eu não lia direito, mas, arfando
penosamente, conseguia mastigar os conceitos
sisudos: “A preguiça é a chave da pobreza – Quem
não ouve conselhos raras vezes acerta – Fala pouco
e bem: ter-te-ão por alguém. Esse Terteão para mim
era um homem, e não pude saber que fazia ele na
página final da carta. – Mocinha, quem é Terteão?
Mocinha estranhou a pergunta. Não havia pensado
que Terteão fosse homem. Talvez fosse. Mocinha
confessou honestamente que não conhecia Terteão.
E eu fiquei triste, remoendo a promessa de meu pai,
aguardando novas decepções.
A partir da década de 1980, o ensino
da leitura e da escrita centrado no
desenvolvimento das referidas
habilidades, desenvolvido com o apoio
de material pedagógico que priorizava
a memorização de sílabas e/ou
palavras e/ou frases soltas, passou a
ser amplamente criticado.
 No campo da Psicologia, foram muito
importantes as contribuições dos estudos
sobre a psicogênese da língua escrita,
desenvolvidos por Emília Ferreiro e Ana
Teberosky (1984).
Rompendo com a concepção de língua escrita
como código
Nos últimos vinte anos, principalmente
a partir da década de 1990, o conceito
de
alfabetização passou a ser vinculado
a outro fenômeno: o letramento.
 Esse mesmo termo é definido no Dicionário
Houaiss (2001)
“como um conjunto de práticas que denotam a
capacidade de uso de diferentes tipos de
material escrito”.
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 No Brasil, o termo letramento não substituiu
a palavra alfabetização, mas aparece
associada a ela.
“alfabetizar e letrar são duas ações distintas,
mas não inseparáveis, ao contrário: o ideal
seria alfabetizar letrando, ou seja: ensinar a
ler e escrever no contexto das práticas sociais
da leitura e da escrita, de modo que o
indivíduo se tornasse, ao mesmo tempo,
alfabetizado e letrado” (p. 47).
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica,
1998.
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Para a formação de leitores e
escritores competentes, é
importante a interação com
diferentes gêneros textuais, com
base em contextos diversificados
de comunicação.
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
ESCOLA
 criando atividades em que os alunos sejam
solicitados a ler e produzir diferentes textos;
Que os alunos desenvolvam autonomia para ler e
escrever seus próprios textos;
Que as crianças se apropriem do sistema de
escrita alfabético, e essa apropriação não se dá,
pelo menos para a maioria das pessoas,
espontaneamente, valendo-se do contato com
textos diversos.
 Um trabalho sistemático de reflexão sobre o
sistema de escrita alfabético não pode ser
feito apenas através da leitura e da produção
de textos.
 o desenvolvimento de um ensino no nível da
palavra, que leve o aluno a perceber que o
que a escrita representa (nota no papel) é sua
pauta sonora, e não o seu significado, e que
o faz através da relação fonema/grafema.
Diariamente
 Uma reflexão sobre suas propriedades:
quantidade de letras e sílabas, ordem e
posição das letras, etc.
 A comparação entre palavras quanto à
quantidade de letras e sílabas e à presença de
letras e sílabas iguais;
A exploração de rimas e aliteração (palavras que
possuem o mesmo som em distintas posições
(inicial e final, por exemplo)
Essas atividades de reflexão sobre as palavras
podem estar inseridas na leitura e na
produção de textos, uma vez que são muitos
os gêneros que favorecem esse trabalho,
como os poemas, as parlendas, as cantigas,
etc
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Gêneros?
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 Podemos dizer que os gêneros são
formas culturais e cognitivas de ação
social, estabilizadas ao longo da
história, corporificadas de modo
particular na linguagem,
caracterizadas pela função
sociocomunicativa que preenchem
(BAKHTIN, 2000; MARCUSCHI, 2000,
2002).
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 Assim, na escola, seria um equívoco trabalhar
com os gêneros como se fossem “moldes”
prontos, que o aluno só teria de “preencher”,
sem levar em conta a situação de interação.
 Em sociedade, são múltiplos e
diversificados os usos da leitura. Lê-se para
conhecer. Lê-se para ficar informado. Lê-se
para aprimorar a sensibilidade estética. Lê-
se para fantasiar e imaginar. Lê-se para
resolver problemas. E lê-se também para
criticar e, dessa forma, desenvolver
posicionamento diante dos fatos e das
idéias que circulam através dos textos
(SILVA, 1998, p. 27).
 Em sociedade, são múltiplos e diversificados
os gêneros que lemos, escrevemos,
falamos/dizemos e ouvimos
 A escola deve, portanto, proporcionar aos
alunos o contato com uma grande
diversidade de gêneros orais e escritos,
abrangendo várias esferas de circulação: a
familiar ou pessoal – cartas pessoais,
bilhetes, diários, e-mails pessoais, listas de
compras, etc. –; a literária – fábulas, contos,
lendas da tradição oral, peças teatrais,
poemas, romances, crônicas, contos de
fadas, poemas de cordel, etc. –; a midiática
– notícias, reportagens, anúncios
publicitários, charges, cartas do leitor,
artigos de opinião....
 Por isso, não é preciso esperar que a
criança esteja alfabetizada para deixá-
la entrar em contato com textos dos
mais diversos gêneros. Este é, a
propósito, o princípio básico da
proposta de alfabetizar letrando: a
apropriação do sistema de escrita e a
inserção nas práticas de leitura e
escrita se dariam de forma simultânea
e complementar.
 A resposta seria um “claro que sim”,
justificado pelo fato de que os gêneros nos
são inescapáveis: sempre que falamos e
escrevemos, fazemos isso por meio de
gêneros; e sempre que ouvimos ou lemos,
ouvimos gêneros orais (conversas, palestras,
entrevistas, anúncios radiofônicos, novelas de
tevê, discussões, etc.), e lemos gêneros
escritos (bulas, receitas, poemas, notícias,
avisos, entrevistas, etc.).
 A resposta seria “em todas as práticas de
leitura e de escrita”, além das práticas orais
que envolvem a escrita, de alguma maneira,
como no caso das apresentações orais que
tiveram a escrita como base ou da contação
de histórias que já foram registradas na
tradição escrita.
A ESCOLA É OBRIGATÓRIA....
PORTANTO,
TEM PAPEL RELEVANTE EM SUA FORMAÇÃO
COMO
DIREITO
• O direito à Educação Básica é garantido a
todos os brasileiros e, segundo prevê a Lei
9.394, que estabelece as diretrizes e bases
da educação nacional,
“tem por finalidades desenvolver o educando,
assegurar-lhe a formação comum
indispensável para o exercício da cidadania e
fornecer-lhe meios para progredir no
trabalho e em estudos posteriores” (Art. 22)
Dentre outros direitos, é prioritário o ensino da
leitura e escrita, tal como previsto no artigo 32:
• Art. 32. O ensino fundamental obrigatório,
com duração de 9 (nove) anos, gratuito na
escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos
de idade, terá por objetivo a formação básica
do cidadão, mediante:
I- O desenvolvimento da capacidade de
aprender, tendo como meios básicos o pleno
domínio da leitura, da escrita e do cálculo;
II- A compreensão do ambiente natural e social,
do sistema político, da tecnologia, das artes e
dos valores em que se fundamenta a
sociedade;
III- O desenvolvimento da capacidade de
aprendizagem, tendo em vista a aquisição de
conhecimentos e habilidades e a formação de
atitudes e valores;
IV- O fortalecimento dos vínculos de família, dos
laços de solidariedade humana e de tolerância
recíproca em que se assenta a vida social.
Para atender às exigências previstas
nas Diretrizes, torna-se necessário
delimitar os diferentes conhecimentos
e as capacidades básicas que estão
subjacentes aos direitos
LEITURA ANO
1
ANO
2
ANO
3
Ler textos não-verbais, em diferentes suportes. I/A A/C A/C
Ler textos (poemas, canções, tirinhas, textos de tradição
oral,dentre outros), com autonomia.
I/A A/C C
Compreender textos lidos por outras pessoas, de
diferentes gêneros e com diferentes propósitos.
I/A A/C A/C
Antecipar sentidos e ativar conhecimentos prévios
relativos aos textos a serem lidos pelo professor ou pelas
crianças.
I/A A/C A/C
Reconhecer finalidades de textos lidos pelo professor ou
pelas crianças.
I/A A/C A/C
ler em voz alta, com fluência, em diferentes situações. I A C
Localizar informações explícitas em textos de diferentes
gêneros, temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor
experiente.
I/A A/C C
Localizar informações explícitas em textos de diferentes
gêneros, temáticas, lidos com autonomia.
I A/C A/C
Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e
temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente.
I/A A/C A/C
Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e
temáticas,lidos com autonomia.
I I/A A/C
Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de
diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro
leitor experiente
I/A A/C A/C
Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de
diferentes gêneros e temáticas, lidos com autonomia.
I A A/C
Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes
gêneros, lidos pelo professor ou outro leitor experiente.
I/A A/C C
Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes
gêneros, lidos com autonomia.
I A A/C
Interpretar frases e expressões em textos de diferentes
gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor
experiente.
I/A A/C A/C
Interpretar frases e expressões em textos de diferentes
gêneros e temáticas, lidos com autonomia.
I/A A/C A/C
Estabelecer relação de intertextualidade entre textos. I I/A C
Relacionar textos verbais e não-verbais, construindo
sentidos.
I/A A/C A/C
Saber procurar no dicionário os significados das palavras e
a acepção mais adequada ao contexto de uso.
I A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
Jessica Nuvens
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Vera Marlize Schröer
 
1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita
PNAIC UFSCar
 
O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetização
Rosemary Batista
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
Magda Marques
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
Joao Balbi
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
Joao Balbi
 
Planejamento Escolar
Planejamento EscolarPlanejamento Escolar
Planejamento Escolar
folilim
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
PNAIC UFSCar
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Naysa Taboada
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Práticas de alfabetização
Práticas de alfabetizaçãoPráticas de alfabetização
Práticas de alfabetização
Maria Cecilia Silva
 
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃOHISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
Edlauva Santos
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
Marilene Rangel Rangel
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
Julhinha Camara
 
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Susanne Messias
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
MARILENE RANGEL
 
Gestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola públicaGestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola pública
Ulisses Vakirtzis
 
Ppt avaliação
Ppt avaliaçãoPpt avaliação
Ppt avaliação
Editora Moderna
 
BNCC
BNCCBNCC

Mais procurados (20)

Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
 
1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita
 
O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetização
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
Planejamento Escolar
Planejamento EscolarPlanejamento Escolar
Planejamento Escolar
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Práticas de alfabetização
Práticas de alfabetizaçãoPráticas de alfabetização
Práticas de alfabetização
 
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃOHISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
Gestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola públicaGestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola pública
 
Ppt avaliação
Ppt avaliaçãoPpt avaliação
Ppt avaliação
 
BNCC
BNCCBNCC
BNCC
 

Semelhante a Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.pptSlidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
ssuser95d925
 
Alfa.letramento
Alfa.letramentoAlfa.letramento
Alfa.letramento
Norma Almeida
 
Cantinho
CantinhoCantinho
Cantinho
valpereira2011
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
dinasabino2011
 
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdfSUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
RitaMuniz9
 
Rojo
RojoRojo
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
Andrea491870
 
Alfabetização e leramento aula 27 02 (1)
Alfabetização e leramento    aula 27 02 (1)Alfabetização e leramento    aula 27 02 (1)
Alfabetização e leramento aula 27 02 (1)
Julciane De Paula Campos
 
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesaDireitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
Mirlene Marinho
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Rosemary Batista
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Jomari
 
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdfLetramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
EdinaAlgarve
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
Roberta Scheibe
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
Armazém Do Educador
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
UPE
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
UPE
 
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Valéria Maciel
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento
Marcia Garcia
 
Uso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacaoUso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacao
Isa ...
 
Patativa Cora Coragem
Patativa Cora CoragemPatativa Cora Coragem
Patativa Cora Coragem
Maria do Rocio Rodi Gonçalves
 

Semelhante a Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO (20)

Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.pptSlidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
 
Alfa.letramento
Alfa.letramentoAlfa.letramento
Alfa.letramento
 
Cantinho
CantinhoCantinho
Cantinho
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdfSUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
 
Rojo
RojoRojo
Rojo
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
 
Alfabetização e leramento aula 27 02 (1)
Alfabetização e leramento    aula 27 02 (1)Alfabetização e leramento    aula 27 02 (1)
Alfabetização e leramento aula 27 02 (1)
 
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesaDireitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
 
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdfLetramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
 
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento
 
Uso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacaoUso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacao
 
Patativa Cora Coragem
Patativa Cora CoragemPatativa Cora Coragem
Patativa Cora Coragem
 

Último

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

  • 1. UNAV DA UNIVERSIDADE ABERTA VIDA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Métodos e técnicas de Alfabetização Profª MS Edna Câmara Monteiro
  • 4. Qualquer pessoa responderia que alfabetizar corresponde à ação de ensinar a ler e a escrever
  • 6. A alfabetização considerada como o ensino das habilidades de “codificação” e “decodificação” foi transposta para a sala de aula, no final do século XIX, mediante a criação de diferentes métodos de alfabetização
  • 7. Métodos sintéticos (silábicos ou fônicos) X Métodos analíticos (global) que padronizaram a aprendizagem da leitura e da escrita As cartilhas relacionadas a esses métodos passaram a ser amplamente utilizadas como livro didático para o ensino nessa área.
  • 8. Graciliano Ramos, em seu livro Autobiográfico Infância, lembra que se alfabetizou – ainda no final do século XIX, início do século XX – através da carta do ABC
  • 9. Respirei, meti-me na soletração, guiado por Mocinha. Gaguejei sílabas um mês. No fim da carta elas se reuniam, formavam sentenças graves, arrevesadas, que me atordoavam. Eu não lia direito, mas, arfando penosamente, conseguia mastigar os conceitos sisudos: “A preguiça é a chave da pobreza – Quem não ouve conselhos raras vezes acerta – Fala pouco e bem: ter-te-ão por alguém. Esse Terteão para mim era um homem, e não pude saber que fazia ele na página final da carta. – Mocinha, quem é Terteão? Mocinha estranhou a pergunta. Não havia pensado que Terteão fosse homem. Talvez fosse. Mocinha confessou honestamente que não conhecia Terteão. E eu fiquei triste, remoendo a promessa de meu pai, aguardando novas decepções.
  • 10. A partir da década de 1980, o ensino da leitura e da escrita centrado no desenvolvimento das referidas habilidades, desenvolvido com o apoio de material pedagógico que priorizava a memorização de sílabas e/ou palavras e/ou frases soltas, passou a ser amplamente criticado.
  • 11.  No campo da Psicologia, foram muito importantes as contribuições dos estudos sobre a psicogênese da língua escrita, desenvolvidos por Emília Ferreiro e Ana Teberosky (1984). Rompendo com a concepção de língua escrita como código
  • 12. Nos últimos vinte anos, principalmente a partir da década de 1990, o conceito de alfabetização passou a ser vinculado a outro fenômeno: o letramento.
  • 13.  Esse mesmo termo é definido no Dicionário Houaiss (2001) “como um conjunto de práticas que denotam a capacidade de uso de diferentes tipos de material escrito”.
  • 15.  No Brasil, o termo letramento não substituiu a palavra alfabetização, mas aparece associada a ela.
  • 16. “alfabetizar e letrar são duas ações distintas, mas não inseparáveis, ao contrário: o ideal seria alfabetizar letrando, ou seja: ensinar a ler e escrever no contexto das práticas sociais da leitura e da escrita, de modo que o indivíduo se tornasse, ao mesmo tempo, alfabetizado e letrado” (p. 47). SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.
  • 18. Para a formação de leitores e escritores competentes, é importante a interação com diferentes gêneros textuais, com base em contextos diversificados de comunicação.
  • 21.  criando atividades em que os alunos sejam solicitados a ler e produzir diferentes textos;
  • 22. Que os alunos desenvolvam autonomia para ler e escrever seus próprios textos;
  • 23. Que as crianças se apropriem do sistema de escrita alfabético, e essa apropriação não se dá, pelo menos para a maioria das pessoas, espontaneamente, valendo-se do contato com textos diversos.
  • 24.  Um trabalho sistemático de reflexão sobre o sistema de escrita alfabético não pode ser feito apenas através da leitura e da produção de textos.
  • 25.  o desenvolvimento de um ensino no nível da palavra, que leve o aluno a perceber que o que a escrita representa (nota no papel) é sua pauta sonora, e não o seu significado, e que o faz através da relação fonema/grafema.
  • 26. Diariamente  Uma reflexão sobre suas propriedades: quantidade de letras e sílabas, ordem e posição das letras, etc.  A comparação entre palavras quanto à quantidade de letras e sílabas e à presença de letras e sílabas iguais;
  • 27. A exploração de rimas e aliteração (palavras que possuem o mesmo som em distintas posições (inicial e final, por exemplo)
  • 28. Essas atividades de reflexão sobre as palavras podem estar inseridas na leitura e na produção de textos, uma vez que são muitos os gêneros que favorecem esse trabalho, como os poemas, as parlendas, as cantigas, etc
  • 33.  Podemos dizer que os gêneros são formas culturais e cognitivas de ação social, estabilizadas ao longo da história, corporificadas de modo particular na linguagem, caracterizadas pela função sociocomunicativa que preenchem (BAKHTIN, 2000; MARCUSCHI, 2000, 2002).
  • 35.  Assim, na escola, seria um equívoco trabalhar com os gêneros como se fossem “moldes” prontos, que o aluno só teria de “preencher”, sem levar em conta a situação de interação.
  • 36.  Em sociedade, são múltiplos e diversificados os usos da leitura. Lê-se para conhecer. Lê-se para ficar informado. Lê-se para aprimorar a sensibilidade estética. Lê- se para fantasiar e imaginar. Lê-se para resolver problemas. E lê-se também para criticar e, dessa forma, desenvolver posicionamento diante dos fatos e das idéias que circulam através dos textos (SILVA, 1998, p. 27).
  • 37.  Em sociedade, são múltiplos e diversificados os gêneros que lemos, escrevemos, falamos/dizemos e ouvimos
  • 38.  A escola deve, portanto, proporcionar aos alunos o contato com uma grande diversidade de gêneros orais e escritos, abrangendo várias esferas de circulação: a familiar ou pessoal – cartas pessoais, bilhetes, diários, e-mails pessoais, listas de compras, etc. –; a literária – fábulas, contos, lendas da tradição oral, peças teatrais, poemas, romances, crônicas, contos de fadas, poemas de cordel, etc. –; a midiática – notícias, reportagens, anúncios publicitários, charges, cartas do leitor, artigos de opinião....
  • 39.  Por isso, não é preciso esperar que a criança esteja alfabetizada para deixá- la entrar em contato com textos dos mais diversos gêneros. Este é, a propósito, o princípio básico da proposta de alfabetizar letrando: a apropriação do sistema de escrita e a inserção nas práticas de leitura e escrita se dariam de forma simultânea e complementar.
  • 40.  A resposta seria um “claro que sim”, justificado pelo fato de que os gêneros nos são inescapáveis: sempre que falamos e escrevemos, fazemos isso por meio de gêneros; e sempre que ouvimos ou lemos, ouvimos gêneros orais (conversas, palestras, entrevistas, anúncios radiofônicos, novelas de tevê, discussões, etc.), e lemos gêneros escritos (bulas, receitas, poemas, notícias, avisos, entrevistas, etc.).
  • 41.  A resposta seria “em todas as práticas de leitura e de escrita”, além das práticas orais que envolvem a escrita, de alguma maneira, como no caso das apresentações orais que tiveram a escrita como base ou da contação de histórias que já foram registradas na tradição escrita.
  • 42. A ESCOLA É OBRIGATÓRIA.... PORTANTO, TEM PAPEL RELEVANTE EM SUA FORMAÇÃO COMO DIREITO
  • 43. • O direito à Educação Básica é garantido a todos os brasileiros e, segundo prevê a Lei 9.394, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, “tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores” (Art. 22)
  • 44. Dentre outros direitos, é prioritário o ensino da leitura e escrita, tal como previsto no artigo 32: • Art. 32. O ensino fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de idade, terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante:
  • 45. I- O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II- A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; III- O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores; IV- O fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social.
  • 46. Para atender às exigências previstas nas Diretrizes, torna-se necessário delimitar os diferentes conhecimentos e as capacidades básicas que estão subjacentes aos direitos
  • 47. LEITURA ANO 1 ANO 2 ANO 3 Ler textos não-verbais, em diferentes suportes. I/A A/C A/C Ler textos (poemas, canções, tirinhas, textos de tradição oral,dentre outros), com autonomia. I/A A/C C Compreender textos lidos por outras pessoas, de diferentes gêneros e com diferentes propósitos. I/A A/C A/C Antecipar sentidos e ativar conhecimentos prévios relativos aos textos a serem lidos pelo professor ou pelas crianças. I/A A/C A/C Reconhecer finalidades de textos lidos pelo professor ou pelas crianças. I/A A/C A/C ler em voz alta, com fluência, em diferentes situações. I A C Localizar informações explícitas em textos de diferentes gêneros, temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. I/A A/C C Localizar informações explícitas em textos de diferentes gêneros, temáticas, lidos com autonomia. I A/C A/C Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. I/A A/C A/C
  • 48. Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e temáticas,lidos com autonomia. I I/A A/C Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente I/A A/C A/C Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos com autonomia. I A A/C Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes gêneros, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. I/A A/C C Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes gêneros, lidos com autonomia. I A A/C Interpretar frases e expressões em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. I/A A/C A/C Interpretar frases e expressões em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos com autonomia. I/A A/C A/C Estabelecer relação de intertextualidade entre textos. I I/A C Relacionar textos verbais e não-verbais, construindo sentidos. I/A A/C A/C Saber procurar no dicionário os significados das palavras e a acepção mais adequada ao contexto de uso. I A