SlideShare uma empresa Scribd logo
UNAV DA
UNIVERSIDADE ABERTA VIDA
UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ
CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA
Métodos e técnicas de Alfabetização
Profª MS Edna Câmara Monteiro
O que é
alfabetização ?
Qualquer pessoa responderia que
alfabetizar corresponde à ação de
ensinar a ler e a escrever
O que é
LER
e
ESCREVER ?
A alfabetização considerada como o ensino
das habilidades de “codificação” e
“decodificação” foi transposta para a sala de
aula, no final do século XIX, mediante a
criação de diferentes métodos de
alfabetização
Métodos sintéticos (silábicos ou fônicos)
X
Métodos analíticos (global)
que padronizaram a aprendizagem da leitura
e da escrita
As cartilhas relacionadas a esses métodos
passaram a ser amplamente utilizadas
como livro didático para o ensino nessa
área.
Graciliano Ramos, em seu livro
Autobiográfico Infância,
lembra que se alfabetizou – ainda no
final do século XIX, início do século XX
– através da carta do ABC
Respirei, meti-me na soletração, guiado por Mocinha.
Gaguejei sílabas um mês. No fim da carta elas se
reuniam, formavam sentenças graves, arrevesadas,
que me atordoavam. Eu não lia direito, mas, arfando
penosamente, conseguia mastigar os conceitos
sisudos: “A preguiça é a chave da pobreza – Quem
não ouve conselhos raras vezes acerta – Fala pouco
e bem: ter-te-ão por alguém. Esse Terteão para mim
era um homem, e não pude saber que fazia ele na
página final da carta. – Mocinha, quem é Terteão?
Mocinha estranhou a pergunta. Não havia pensado
que Terteão fosse homem. Talvez fosse. Mocinha
confessou honestamente que não conhecia Terteão.
E eu fiquei triste, remoendo a promessa de meu pai,
aguardando novas decepções.
A partir da década de 1980, o ensino
da leitura e da escrita centrado no
desenvolvimento das referidas
habilidades, desenvolvido com o apoio
de material pedagógico que priorizava
a memorização de sílabas e/ou
palavras e/ou frases soltas, passou a
ser amplamente criticado.
 No campo da Psicologia, foram muito
importantes as contribuições dos estudos
sobre a psicogênese da língua escrita,
desenvolvidos por Emília Ferreiro e Ana
Teberosky (1984).
Rompendo com a concepção de língua escrita
como código
Nos últimos vinte anos, principalmente
a partir da década de 1990, o conceito
de
alfabetização passou a ser vinculado
a outro fenômeno: o letramento.
 Esse mesmo termo é definido no Dicionário
Houaiss (2001)
“como um conjunto de práticas que denotam a
capacidade de uso de diferentes tipos de
material escrito”.
 No Brasil, o termo letramento não substituiu
a palavra alfabetização, mas aparece
associada a ela.
“alfabetizar e letrar são duas ações distintas,
mas não inseparáveis, ao contrário: o ideal
seria alfabetizar letrando, ou seja: ensinar a
ler e escrever no contexto das práticas sociais
da leitura e da escrita, de modo que o
indivíduo se tornasse, ao mesmo tempo,
alfabetizado e letrado” (p. 47).
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica,
1998.
Para a formação de leitores e
escritores competentes, é
importante a interação com
diferentes gêneros textuais, com
base em contextos diversificados
de comunicação.
ESCOLA
 criando atividades em que os alunos sejam
solicitados a ler e produzir diferentes textos;
Que os alunos desenvolvam autonomia para ler e
escrever seus próprios textos;
Que as crianças se apropriem do sistema de
escrita alfabético, e essa apropriação não se dá,
pelo menos para a maioria das pessoas,
espontaneamente, valendo-se do contato com
textos diversos.
 Um trabalho sistemático de reflexão sobre o
sistema de escrita alfabético não pode ser
feito apenas através da leitura e da produção
de textos.
 o desenvolvimento de um ensino no nível da
palavra, que leve o aluno a perceber que o
que a escrita representa (nota no papel) é sua
pauta sonora, e não o seu significado, e que
o faz através da relação fonema/grafema.
Diariamente
 Uma reflexão sobre suas propriedades:
quantidade de letras e sílabas, ordem e
posição das letras, etc.
 A comparação entre palavras quanto à
quantidade de letras e sílabas e à presença de
letras e sílabas iguais;
A exploração de rimas e aliteração (palavras que
possuem o mesmo som em distintas posições
(inicial e final, por exemplo)
Essas atividades de reflexão sobre as palavras
podem estar inseridas na leitura e na
produção de textos, uma vez que são muitos
os gêneros que favorecem esse trabalho,
como os poemas, as parlendas, as cantigas,
etc
Gêneros?
 Podemos dizer que os gêneros são
formas culturais e cognitivas de ação
social, estabilizadas ao longo da
história, corporificadas de modo
particular na linguagem,
caracterizadas pela função
sociocomunicativa que preenchem
(BAKHTIN, 2000; MARCUSCHI, 2000,
2002).
 Assim, na escola, seria um equívoco trabalhar
com os gêneros como se fossem “moldes”
prontos, que o aluno só teria de “preencher”,
sem levar em conta a situação de interação.
 Em sociedade, são múltiplos e
diversificados os usos da leitura. Lê-se para
conhecer. Lê-se para ficar informado. Lê-se
para aprimorar a sensibilidade estética. Lê-
se para fantasiar e imaginar. Lê-se para
resolver problemas. E lê-se também para
criticar e, dessa forma, desenvolver
posicionamento diante dos fatos e das
idéias que circulam através dos textos
(SILVA, 1998, p. 27).
 Em sociedade, são múltiplos e diversificados
os gêneros que lemos, escrevemos,
falamos/dizemos e ouvimos
 A escola deve, portanto, proporcionar aos
alunos o contato com uma grande
diversidade de gêneros orais e escritos,
abrangendo várias esferas de circulação: a
familiar ou pessoal – cartas pessoais,
bilhetes, diários, e-mails pessoais, listas de
compras, etc. –; a literária – fábulas, contos,
lendas da tradição oral, peças teatrais,
poemas, romances, crônicas, contos de
fadas, poemas de cordel, etc. –; a midiática
– notícias, reportagens, anúncios
publicitários, charges, cartas do leitor,
artigos de opinião....
 Por isso, não é preciso esperar que a
criança esteja alfabetizada para deixá-
la entrar em contato com textos dos
mais diversos gêneros. Este é, a
propósito, o princípio básico da
proposta de alfabetizar letrando: a
apropriação do sistema de escrita e a
inserção nas práticas de leitura e
escrita se dariam de forma simultânea
e complementar.
 A resposta seria um “claro que sim”,
justificado pelo fato de que os gêneros nos
são inescapáveis: sempre que falamos e
escrevemos, fazemos isso por meio de
gêneros; e sempre que ouvimos ou lemos,
ouvimos gêneros orais (conversas, palestras,
entrevistas, anúncios radiofônicos, novelas de
tevê, discussões, etc.), e lemos gêneros
escritos (bulas, receitas, poemas, notícias,
avisos, entrevistas, etc.).
 A resposta seria “em todas as práticas de
leitura e de escrita”, além das práticas orais
que envolvem a escrita, de alguma maneira,
como no caso das apresentações orais que
tiveram a escrita como base ou da contação
de histórias que já foram registradas na
tradição escrita.
A ESCOLA É OBRIGATÓRIA....
PORTANTO,
TEM PAPEL RELEVANTE EM SUA FORMAÇÃO
COMO
DIREITO
• O direito à Educação Básica é garantido a
todos os brasileiros e, segundo prevê a Lei
9.394, que estabelece as diretrizes e bases
da educação nacional,
“tem por finalidades desenvolver o educando,
assegurar-lhe a formação comum
indispensável para o exercício da cidadania e
fornecer-lhe meios para progredir no
trabalho e em estudos posteriores” (Art. 22)
Dentre outros direitos, é prioritário o ensino da
leitura e escrita, tal como previsto no artigo 32:
• Art. 32. O ensino fundamental obrigatório,
com duração de 9 (nove) anos, gratuito na
escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos
de idade, terá por objetivo a formação básica
do cidadão, mediante:
I- O desenvolvimento da capacidade de
aprender, tendo como meios básicos o pleno
domínio da leitura, da escrita e do cálculo;
II- A compreensão do ambiente natural e social,
do sistema político, da tecnologia, das artes e
dos valores em que se fundamenta a
sociedade;
III- O desenvolvimento da capacidade de
aprendizagem, tendo em vista a aquisição de
conhecimentos e habilidades e a formação de
atitudes e valores;
IV- O fortalecimento dos vínculos de família, dos
laços de solidariedade humana e de tolerância
recíproca em que se assenta a vida social.
Para atender às exigências previstas
nas Diretrizes, torna-se necessário
delimitar os diferentes conhecimentos
e as capacidades básicas que estão
subjacentes aos direitos
LEITURA ANO
1
ANO
2
ANO
3
Ler textos não-verbais, em diferentes suportes. I/A A/C A/C
Ler textos (poemas, canções, tirinhas, textos de tradição
oral,dentre outros), com autonomia.
I/A A/C C
Compreender textos lidos por outras pessoas, de
diferentes gêneros e com diferentes propósitos.
I/A A/C A/C
Antecipar sentidos e ativar conhecimentos prévios
relativos aos textos a serem lidos pelo professor ou pelas
crianças.
I/A A/C A/C
Reconhecer finalidades de textos lidos pelo professor ou
pelas crianças.
I/A A/C A/C
ler em voz alta, com fluência, em diferentes situações. I A C
Localizar informações explícitas em textos de diferentes
gêneros, temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor
experiente.
I/A A/C C
Localizar informações explícitas em textos de diferentes
gêneros, temáticas, lidos com autonomia.
I A/C A/C
Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e
temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente.
I/A A/C A/C
Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e
temáticas,lidos com autonomia.
I I/A A/C
Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de
diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro
leitor experiente
I/A A/C A/C
Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de
diferentes gêneros e temáticas, lidos com autonomia.
I A A/C
Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes
gêneros, lidos pelo professor ou outro leitor experiente.
I/A A/C C
Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes
gêneros, lidos com autonomia.
I A A/C
Interpretar frases e expressões em textos de diferentes
gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor
experiente.
I/A A/C A/C
Interpretar frases e expressões em textos de diferentes
gêneros e temáticas, lidos com autonomia.
I/A A/C A/C
Estabelecer relação de intertextualidade entre textos. I I/A C
Relacionar textos verbais e não-verbais, construindo
sentidos.
I/A A/C A/C
Saber procurar no dicionário os significados das palavras e
a acepção mais adequada ao contexto de uso.
I A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
Lygia Souza
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
henriqueocarvalho
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Dirce Cristiane Camilotti
 
Emilia ferreiro
Emilia ferreiroEmilia ferreiro
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Susanne Messias
 
Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
Dayane Hofmann
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamento
familiaestagio
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
Roshelly Milanez
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Elizabet Tramontin Silveira Camargo
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
Claudio Pessoa
 
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
PEDAGOGIA-COLABORATIVA
 
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Alexsandro Menezes da Silva
 
Processo de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escritaProcesso de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escrita
equipeanosiniciais
 
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Terc Cre
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCCPlanejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
ThalesSantos36
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
Grasiela Dourado
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slides
estercotrim
 

Mais procurados (20)

O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Emilia ferreiro
Emilia ferreiroEmilia ferreiro
Emilia ferreiro
 
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
 
Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamento
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
 
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
 
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
 
Processo de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escritaProcesso de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escrita
 
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCCPlanejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slides
 

Semelhante a Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.pptSlidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
ssuser95d925
 
Alfa.letramento
Alfa.letramentoAlfa.letramento
Alfa.letramento
Norma Almeida
 
Cantinho
CantinhoCantinho
Cantinho
valpereira2011
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
dinasabino2011
 
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdfSUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
RitaMuniz9
 
Rojo
RojoRojo
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
Andrea491870
 
Alfabetização e leramento aula 27 02 (1)
Alfabetização e leramento    aula 27 02 (1)Alfabetização e leramento    aula 27 02 (1)
Alfabetização e leramento aula 27 02 (1)
Julciane De Paula Campos
 
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesaDireitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
Mirlene Marinho
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Rosemary Batista
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Jomari
 
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdfLetramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
EdinaAlgarve
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
Roberta Scheibe
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
Armazém Do Educador
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
UPE
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
UPE
 
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Valéria Maciel
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento
Marcia Garcia
 
Uso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacaoUso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacao
Isa ...
 
Patativa Cora Coragem
Patativa Cora CoragemPatativa Cora Coragem
Patativa Cora Coragem
Maria do Rocio Rodi Gonçalves
 

Semelhante a Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO (20)

Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.pptSlidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
 
Alfa.letramento
Alfa.letramentoAlfa.letramento
Alfa.letramento
 
Cantinho
CantinhoCantinho
Cantinho
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdfSUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
SUBSÍDIOS ATPC - A4 - Letramento e capacidade de leitura pra cidadania 2004.pdf
 
Rojo
RojoRojo
Rojo
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
 
Alfabetização e leramento aula 27 02 (1)
Alfabetização e leramento    aula 27 02 (1)Alfabetização e leramento    aula 27 02 (1)
Alfabetização e leramento aula 27 02 (1)
 
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesaDireitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
 
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdfLetramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
Letramento_e_capacidades_de_leitura_para.pdf
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
 
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento
 
Uso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacaoUso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacao
 
Patativa Cora Coragem
Patativa Cora CoragemPatativa Cora Coragem
Patativa Cora Coragem
 

Último

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 

Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

  • 1. UNAV DA UNIVERSIDADE ABERTA VIDA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Métodos e técnicas de Alfabetização Profª MS Edna Câmara Monteiro
  • 2.
  • 4. Qualquer pessoa responderia que alfabetizar corresponde à ação de ensinar a ler e a escrever
  • 6. A alfabetização considerada como o ensino das habilidades de “codificação” e “decodificação” foi transposta para a sala de aula, no final do século XIX, mediante a criação de diferentes métodos de alfabetização
  • 7. Métodos sintéticos (silábicos ou fônicos) X Métodos analíticos (global) que padronizaram a aprendizagem da leitura e da escrita As cartilhas relacionadas a esses métodos passaram a ser amplamente utilizadas como livro didático para o ensino nessa área.
  • 8. Graciliano Ramos, em seu livro Autobiográfico Infância, lembra que se alfabetizou – ainda no final do século XIX, início do século XX – através da carta do ABC
  • 9. Respirei, meti-me na soletração, guiado por Mocinha. Gaguejei sílabas um mês. No fim da carta elas se reuniam, formavam sentenças graves, arrevesadas, que me atordoavam. Eu não lia direito, mas, arfando penosamente, conseguia mastigar os conceitos sisudos: “A preguiça é a chave da pobreza – Quem não ouve conselhos raras vezes acerta – Fala pouco e bem: ter-te-ão por alguém. Esse Terteão para mim era um homem, e não pude saber que fazia ele na página final da carta. – Mocinha, quem é Terteão? Mocinha estranhou a pergunta. Não havia pensado que Terteão fosse homem. Talvez fosse. Mocinha confessou honestamente que não conhecia Terteão. E eu fiquei triste, remoendo a promessa de meu pai, aguardando novas decepções.
  • 10. A partir da década de 1980, o ensino da leitura e da escrita centrado no desenvolvimento das referidas habilidades, desenvolvido com o apoio de material pedagógico que priorizava a memorização de sílabas e/ou palavras e/ou frases soltas, passou a ser amplamente criticado.
  • 11.  No campo da Psicologia, foram muito importantes as contribuições dos estudos sobre a psicogênese da língua escrita, desenvolvidos por Emília Ferreiro e Ana Teberosky (1984). Rompendo com a concepção de língua escrita como código
  • 12. Nos últimos vinte anos, principalmente a partir da década de 1990, o conceito de alfabetização passou a ser vinculado a outro fenômeno: o letramento.
  • 13.  Esse mesmo termo é definido no Dicionário Houaiss (2001) “como um conjunto de práticas que denotam a capacidade de uso de diferentes tipos de material escrito”.
  • 14.
  • 15.  No Brasil, o termo letramento não substituiu a palavra alfabetização, mas aparece associada a ela.
  • 16. “alfabetizar e letrar são duas ações distintas, mas não inseparáveis, ao contrário: o ideal seria alfabetizar letrando, ou seja: ensinar a ler e escrever no contexto das práticas sociais da leitura e da escrita, de modo que o indivíduo se tornasse, ao mesmo tempo, alfabetizado e letrado” (p. 47). SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.
  • 17.
  • 18. Para a formação de leitores e escritores competentes, é importante a interação com diferentes gêneros textuais, com base em contextos diversificados de comunicação.
  • 19.
  • 21.  criando atividades em que os alunos sejam solicitados a ler e produzir diferentes textos;
  • 22. Que os alunos desenvolvam autonomia para ler e escrever seus próprios textos;
  • 23. Que as crianças se apropriem do sistema de escrita alfabético, e essa apropriação não se dá, pelo menos para a maioria das pessoas, espontaneamente, valendo-se do contato com textos diversos.
  • 24.  Um trabalho sistemático de reflexão sobre o sistema de escrita alfabético não pode ser feito apenas através da leitura e da produção de textos.
  • 25.  o desenvolvimento de um ensino no nível da palavra, que leve o aluno a perceber que o que a escrita representa (nota no papel) é sua pauta sonora, e não o seu significado, e que o faz através da relação fonema/grafema.
  • 26. Diariamente  Uma reflexão sobre suas propriedades: quantidade de letras e sílabas, ordem e posição das letras, etc.  A comparação entre palavras quanto à quantidade de letras e sílabas e à presença de letras e sílabas iguais;
  • 27. A exploração de rimas e aliteração (palavras que possuem o mesmo som em distintas posições (inicial e final, por exemplo)
  • 28. Essas atividades de reflexão sobre as palavras podem estar inseridas na leitura e na produção de textos, uma vez que são muitos os gêneros que favorecem esse trabalho, como os poemas, as parlendas, as cantigas, etc
  • 29.
  • 31.
  • 32.
  • 33.  Podemos dizer que os gêneros são formas culturais e cognitivas de ação social, estabilizadas ao longo da história, corporificadas de modo particular na linguagem, caracterizadas pela função sociocomunicativa que preenchem (BAKHTIN, 2000; MARCUSCHI, 2000, 2002).
  • 34.
  • 35.  Assim, na escola, seria um equívoco trabalhar com os gêneros como se fossem “moldes” prontos, que o aluno só teria de “preencher”, sem levar em conta a situação de interação.
  • 36.  Em sociedade, são múltiplos e diversificados os usos da leitura. Lê-se para conhecer. Lê-se para ficar informado. Lê-se para aprimorar a sensibilidade estética. Lê- se para fantasiar e imaginar. Lê-se para resolver problemas. E lê-se também para criticar e, dessa forma, desenvolver posicionamento diante dos fatos e das idéias que circulam através dos textos (SILVA, 1998, p. 27).
  • 37.  Em sociedade, são múltiplos e diversificados os gêneros que lemos, escrevemos, falamos/dizemos e ouvimos
  • 38.  A escola deve, portanto, proporcionar aos alunos o contato com uma grande diversidade de gêneros orais e escritos, abrangendo várias esferas de circulação: a familiar ou pessoal – cartas pessoais, bilhetes, diários, e-mails pessoais, listas de compras, etc. –; a literária – fábulas, contos, lendas da tradição oral, peças teatrais, poemas, romances, crônicas, contos de fadas, poemas de cordel, etc. –; a midiática – notícias, reportagens, anúncios publicitários, charges, cartas do leitor, artigos de opinião....
  • 39.  Por isso, não é preciso esperar que a criança esteja alfabetizada para deixá- la entrar em contato com textos dos mais diversos gêneros. Este é, a propósito, o princípio básico da proposta de alfabetizar letrando: a apropriação do sistema de escrita e a inserção nas práticas de leitura e escrita se dariam de forma simultânea e complementar.
  • 40.  A resposta seria um “claro que sim”, justificado pelo fato de que os gêneros nos são inescapáveis: sempre que falamos e escrevemos, fazemos isso por meio de gêneros; e sempre que ouvimos ou lemos, ouvimos gêneros orais (conversas, palestras, entrevistas, anúncios radiofônicos, novelas de tevê, discussões, etc.), e lemos gêneros escritos (bulas, receitas, poemas, notícias, avisos, entrevistas, etc.).
  • 41.  A resposta seria “em todas as práticas de leitura e de escrita”, além das práticas orais que envolvem a escrita, de alguma maneira, como no caso das apresentações orais que tiveram a escrita como base ou da contação de histórias que já foram registradas na tradição escrita.
  • 42. A ESCOLA É OBRIGATÓRIA.... PORTANTO, TEM PAPEL RELEVANTE EM SUA FORMAÇÃO COMO DIREITO
  • 43. • O direito à Educação Básica é garantido a todos os brasileiros e, segundo prevê a Lei 9.394, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, “tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores” (Art. 22)
  • 44. Dentre outros direitos, é prioritário o ensino da leitura e escrita, tal como previsto no artigo 32: • Art. 32. O ensino fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de idade, terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante:
  • 45. I- O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II- A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; III- O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores; IV- O fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social.
  • 46. Para atender às exigências previstas nas Diretrizes, torna-se necessário delimitar os diferentes conhecimentos e as capacidades básicas que estão subjacentes aos direitos
  • 47. LEITURA ANO 1 ANO 2 ANO 3 Ler textos não-verbais, em diferentes suportes. I/A A/C A/C Ler textos (poemas, canções, tirinhas, textos de tradição oral,dentre outros), com autonomia. I/A A/C C Compreender textos lidos por outras pessoas, de diferentes gêneros e com diferentes propósitos. I/A A/C A/C Antecipar sentidos e ativar conhecimentos prévios relativos aos textos a serem lidos pelo professor ou pelas crianças. I/A A/C A/C Reconhecer finalidades de textos lidos pelo professor ou pelas crianças. I/A A/C A/C ler em voz alta, com fluência, em diferentes situações. I A C Localizar informações explícitas em textos de diferentes gêneros, temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. I/A A/C C Localizar informações explícitas em textos de diferentes gêneros, temáticas, lidos com autonomia. I A/C A/C Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. I/A A/C A/C
  • 48. Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e temáticas,lidos com autonomia. I I/A A/C Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente I/A A/C A/C Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos com autonomia. I A A/C Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes gêneros, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. I/A A/C C Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes gêneros, lidos com autonomia. I A A/C Interpretar frases e expressões em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. I/A A/C A/C Interpretar frases e expressões em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos com autonomia. I/A A/C A/C Estabelecer relação de intertextualidade entre textos. I I/A C Relacionar textos verbais e não-verbais, construindo sentidos. I/A A/C A/C Saber procurar no dicionário os significados das palavras e a acepção mais adequada ao contexto de uso. I A