SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Olhares sobre as diferenças
nas salas de aula
Ana Paula Roos (2007)
Seminário apresentado por Raquel Salcedo Gomes
para a disciplina de Linguagem, inclusão e diferenças
PPGLA - UNISINOS - 08/11/2011
“As ‘diferenças’ são produzidas na cultura escolar,
emaranhada em uma rede de relações de poder e de
discursos que constituem o modo como olhamos,
dizemos, descrevemos, avaliamos, agimos.” (p. 65)
✴ Um significado não existe em si, mas passa a existir
quando enunciado em um discurso.
✴ Produzimos sujeitos e coisas com o discurso.
✴ Como ocorrem os processos de subjetivação e
diferenciação?
✴ Como olhamos para as diferenças relacionadas à
não-aprendizagem?
AFIRMAÇÕES E INTERROGAÇÕES:
DOIS “EXEMPLOS” DE “NÃO-
APRENDIZAGEM” (p. 66):
✴ Situação A
✴ Situação B
Estabelecer lugares, definir
posições para cada sujeito
Classificações, rotulações, normalizações
NORMALIZAR: eleger arbitrariamente uma identidade
específica como parâmetro em relação à qual as outras
identidades são avaliadas e hierarquizadas.
SILVA (2000), SKLIAR (1999), VEIGA-NETO
(2000), FABRIS E LOPES (2000):
✴ A diferença é produzida linguisticamente pelos
discursos, os processos de significação não são naturais,
esses modelos não são absolutos.
✴ Questionamento do ideal de racionalidade do
pensamento moderno, que derrubou o autoritarismo
aristocrático e o absolutismo, mas hegemonizou um
conjunto de práticas sociais, econômicas e culturais que
persistem até hoje.
✴ A visão moderna se orienta por binarismos
polarizados em positivo e negativo, certo e errado,
aprendente e não-aprendente.
A escola toma a modernidade por base,
colocando essas oposições no centro de
seus discursos e práticas.
Invenção do fracasso escolar, visto
como consequência linear de questões
de limites criados para estabelecer
diferenças visíveis.
SER = ESTAR
“A posição de outro não-aprendente é fortalecida nas
diversas relações vividas pelas crianças. Elas alcançam
um estatuto de diferente por não corresponderem ao que
é tido como normal para um eu aprendente.” (p. 70)
✴ Diferenças marcadas em sujeitos e grupos,
muitas vezes silenciados ou narrados com palavras
que não são suas.
NÓS X ELES
“Estamos enredados em relações de poder em que o
poder pode ser visto como algo que “constitui, produz,
cria identidades e subjetividades.” (p. 70)
Torna-se, então, cada vez mais relevante pensar a
escola enquanto espaço e tempo de relações de poder,
de relações entre saber e poder enquanto lócus de
governamento do sujeito, de sujeição, de
disciplinarização, de regulação e de normalização
discursiva. (p. 71)
Outros olhares,
outras perguntas
(p. 74)
✴ Legitimar outras formas de ensinar e aprender,
indicadas pelos próprios sujeitos e forjadas nas relações
com esses grupos culturais.
✴ Fugir da subjetivação pelo binarismo.
Serão os diferentes,
todos iguais? (p. 76)
INVENÇÃO
DA
ESCOLA
✴ Definição de infância.
✴ Invenção de espaços fechados ou
instituições.
✴ Formação de especialistas em
educação.
✴ Destruição de outras formas de
socialização (aprendizagem e formação
dissociadas)
✴ Institucionalização da escola
obrigatória.
“A escolarização configura-se, desde seu início, como
algo ligado à separação, a escolhas, ao disciplinamento
em prol de objetivos construídos para os sujeitos
envolvidos.” (p. 78)
O que mudou e o que permanece igual na escola desde
sua invenção? O que queremos com o que fazemos em
nossas salas de aula?
Quebra de padrões definidos e complexificação do
pensamento e da ação pedagógica
SERÁ QUE A ARBITRARIEDADE
NORMALIZADORA PRECISA
CONTINUAR EXISTINDO?
✴ As diferenças não são uma obviedade cultural nem uma
marca de “pluralidade”.
✴ As diferenças se constroem histórica, social e
politicamente.
✴ Não podem caracterizar-se como totalidades fixas,
essenciais e inalteráveis.
✴ As diferenças são sempre diferenças.
✴ Não devem ser entendidas como estado indesejável, que
deve “voltar à normalidade”.
✴ Dentro de uma cultura, devem ser definidas como
diferenças políticas.
✴ As diferenças existem independentemente da “permissão
da normalidade”.
Não há um significado predeterminado e essencial
no que diz respeito à aprendizagem, nem dos
sujeitos “normais”, nem dos ditos “fora da
norma” (p. 84)
“A educação é um território de luta diária
e contingente, um território de
experimentação comprometida com a
aprendizagem, com o ensino e, devemos
acrescentar, com as possibilidades
oferecidas pelas diferenças.” (p. 86)
CONSIDERAÇÕES:

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Olhares sobre as diferenças nas salas de aula

Formação Educadores E Diversidade Slide1
Formação Educadores E Diversidade Slide1Formação Educadores E Diversidade Slide1
Formação Educadores E Diversidade Slide1culturaafro
 
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1culturaafro
 
Reflexoes sobre curriculo e identidade
Reflexoes sobre curriculo e identidadeReflexoes sobre curriculo e identidade
Reflexoes sobre curriculo e identidadeElisa Maria Gomide
 
SOCIALIZAÇÃO DE UMA PROFESSORA INICIANTE DE CIÊNCIAS NATURAIS: EM BUSCA DA PR...
SOCIALIZAÇÃO DE UMA PROFESSORA INICIANTE DE CIÊNCIAS NATURAIS: EM BUSCA DA PR...SOCIALIZAÇÃO DE UMA PROFESSORA INICIANTE DE CIÊNCIAS NATURAIS: EM BUSCA DA PR...
SOCIALIZAÇÃO DE UMA PROFESSORA INICIANTE DE CIÊNCIAS NATURAIS: EM BUSCA DA PR...ProfessorPrincipiante
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusivaJorge Medrado
 
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1culturaafro
 
EJA e Educação Inclusiva
EJA e Educação InclusivaEJA e Educação Inclusiva
EJA e Educação InclusivaLilian Moreira
 
A importância dos conceitos.
A importância dos conceitos.A importância dos conceitos.
A importância dos conceitos.Fábio Fernandes
 
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.Fábio Fernandes
 
Haupenthal et al., 2011 um olhar sobre o diferente
Haupenthal et al., 2011 um olhar sobre o diferenteHaupenthal et al., 2011 um olhar sobre o diferente
Haupenthal et al., 2011 um olhar sobre o diferenteHilda Sovierzoski
 
Ensaios pedagógicos
Ensaios pedagógicosEnsaios pedagógicos
Ensaios pedagógicosMara Salvucci
 
IDENTIDADE_DIVERSIDADE_E_PLURALIDADE.pptx
IDENTIDADE_DIVERSIDADE_E_PLURALIDADE.pptxIDENTIDADE_DIVERSIDADE_E_PLURALIDADE.pptx
IDENTIDADE_DIVERSIDADE_E_PLURALIDADE.pptxDaniel Ribeiro
 
Gênero e diversidade na escola publicar
Gênero e diversidade na escola   publicarGênero e diversidade na escola   publicar
Gênero e diversidade na escola publicarunidadebetinho
 

Semelhante a Olhares sobre as diferenças nas salas de aula (20)

2identidadedocente
2identidadedocente2identidadedocente
2identidadedocente
 
Formação Educadores E Diversidade Slide1
Formação Educadores E Diversidade Slide1Formação Educadores E Diversidade Slide1
Formação Educadores E Diversidade Slide1
 
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
 
Reflexoes sobre curriculo e identidade
Reflexoes sobre curriculo e identidadeReflexoes sobre curriculo e identidade
Reflexoes sobre curriculo e identidade
 
SOCIALIZAÇÃO DE UMA PROFESSORA INICIANTE DE CIÊNCIAS NATURAIS: EM BUSCA DA PR...
SOCIALIZAÇÃO DE UMA PROFESSORA INICIANTE DE CIÊNCIAS NATURAIS: EM BUSCA DA PR...SOCIALIZAÇÃO DE UMA PROFESSORA INICIANTE DE CIÊNCIAS NATURAIS: EM BUSCA DA PR...
SOCIALIZAÇÃO DE UMA PROFESSORA INICIANTE DE CIÊNCIAS NATURAIS: EM BUSCA DA PR...
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
FormaçãO Educadores E Diversidade Slide1
 
Inclusao
InclusaoInclusao
Inclusao
 
Cultura afro2
Cultura afro2Cultura afro2
Cultura afro2
 
EJA e Educação Inclusiva
EJA e Educação InclusivaEJA e Educação Inclusiva
EJA e Educação Inclusiva
 
A importância dos conceitos.
A importância dos conceitos.A importância dos conceitos.
A importância dos conceitos.
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Artigo mantoan vf2
Artigo mantoan vf2Artigo mantoan vf2
Artigo mantoan vf2
 
Educação e diversidade
Educação e diversidadeEducação e diversidade
Educação e diversidade
 
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
 
Haupenthal et al., 2011 um olhar sobre o diferente
Haupenthal et al., 2011 um olhar sobre o diferenteHaupenthal et al., 2011 um olhar sobre o diferente
Haupenthal et al., 2011 um olhar sobre o diferente
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Ensaios pedagógicos
Ensaios pedagógicosEnsaios pedagógicos
Ensaios pedagógicos
 
IDENTIDADE_DIVERSIDADE_E_PLURALIDADE.pptx
IDENTIDADE_DIVERSIDADE_E_PLURALIDADE.pptxIDENTIDADE_DIVERSIDADE_E_PLURALIDADE.pptx
IDENTIDADE_DIVERSIDADE_E_PLURALIDADE.pptx
 
Gênero e diversidade na escola publicar
Gênero e diversidade na escola   publicarGênero e diversidade na escola   publicar
Gênero e diversidade na escola publicar
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 

Olhares sobre as diferenças nas salas de aula

  • 1. Olhares sobre as diferenças nas salas de aula Ana Paula Roos (2007) Seminário apresentado por Raquel Salcedo Gomes para a disciplina de Linguagem, inclusão e diferenças PPGLA - UNISINOS - 08/11/2011
  • 2. “As ‘diferenças’ são produzidas na cultura escolar, emaranhada em uma rede de relações de poder e de discursos que constituem o modo como olhamos, dizemos, descrevemos, avaliamos, agimos.” (p. 65) ✴ Um significado não existe em si, mas passa a existir quando enunciado em um discurso. ✴ Produzimos sujeitos e coisas com o discurso. ✴ Como ocorrem os processos de subjetivação e diferenciação? ✴ Como olhamos para as diferenças relacionadas à não-aprendizagem? AFIRMAÇÕES E INTERROGAÇÕES:
  • 3. DOIS “EXEMPLOS” DE “NÃO- APRENDIZAGEM” (p. 66): ✴ Situação A ✴ Situação B Estabelecer lugares, definir posições para cada sujeito Classificações, rotulações, normalizações NORMALIZAR: eleger arbitrariamente uma identidade específica como parâmetro em relação à qual as outras identidades são avaliadas e hierarquizadas.
  • 4. SILVA (2000), SKLIAR (1999), VEIGA-NETO (2000), FABRIS E LOPES (2000): ✴ A diferença é produzida linguisticamente pelos discursos, os processos de significação não são naturais, esses modelos não são absolutos. ✴ Questionamento do ideal de racionalidade do pensamento moderno, que derrubou o autoritarismo aristocrático e o absolutismo, mas hegemonizou um conjunto de práticas sociais, econômicas e culturais que persistem até hoje. ✴ A visão moderna se orienta por binarismos polarizados em positivo e negativo, certo e errado, aprendente e não-aprendente.
  • 5. A escola toma a modernidade por base, colocando essas oposições no centro de seus discursos e práticas. Invenção do fracasso escolar, visto como consequência linear de questões de limites criados para estabelecer diferenças visíveis. SER = ESTAR
  • 6. “A posição de outro não-aprendente é fortalecida nas diversas relações vividas pelas crianças. Elas alcançam um estatuto de diferente por não corresponderem ao que é tido como normal para um eu aprendente.” (p. 70) ✴ Diferenças marcadas em sujeitos e grupos, muitas vezes silenciados ou narrados com palavras que não são suas. NÓS X ELES “Estamos enredados em relações de poder em que o poder pode ser visto como algo que “constitui, produz, cria identidades e subjetividades.” (p. 70)
  • 7. Torna-se, então, cada vez mais relevante pensar a escola enquanto espaço e tempo de relações de poder, de relações entre saber e poder enquanto lócus de governamento do sujeito, de sujeição, de disciplinarização, de regulação e de normalização discursiva. (p. 71) Outros olhares, outras perguntas (p. 74) ✴ Legitimar outras formas de ensinar e aprender, indicadas pelos próprios sujeitos e forjadas nas relações com esses grupos culturais. ✴ Fugir da subjetivação pelo binarismo.
  • 8. Serão os diferentes, todos iguais? (p. 76) INVENÇÃO DA ESCOLA ✴ Definição de infância. ✴ Invenção de espaços fechados ou instituições. ✴ Formação de especialistas em educação. ✴ Destruição de outras formas de socialização (aprendizagem e formação dissociadas) ✴ Institucionalização da escola obrigatória.
  • 9. “A escolarização configura-se, desde seu início, como algo ligado à separação, a escolhas, ao disciplinamento em prol de objetivos construídos para os sujeitos envolvidos.” (p. 78) O que mudou e o que permanece igual na escola desde sua invenção? O que queremos com o que fazemos em nossas salas de aula? Quebra de padrões definidos e complexificação do pensamento e da ação pedagógica SERÁ QUE A ARBITRARIEDADE NORMALIZADORA PRECISA CONTINUAR EXISTINDO?
  • 10. ✴ As diferenças não são uma obviedade cultural nem uma marca de “pluralidade”. ✴ As diferenças se constroem histórica, social e politicamente. ✴ Não podem caracterizar-se como totalidades fixas, essenciais e inalteráveis. ✴ As diferenças são sempre diferenças. ✴ Não devem ser entendidas como estado indesejável, que deve “voltar à normalidade”. ✴ Dentro de uma cultura, devem ser definidas como diferenças políticas. ✴ As diferenças existem independentemente da “permissão da normalidade”.
  • 11. Não há um significado predeterminado e essencial no que diz respeito à aprendizagem, nem dos sujeitos “normais”, nem dos ditos “fora da norma” (p. 84) “A educação é um território de luta diária e contingente, um território de experimentação comprometida com a aprendizagem, com o ensino e, devemos acrescentar, com as possibilidades oferecidas pelas diferenças.” (p. 86) CONSIDERAÇÕES: