SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Um texto teatral é uma obra
literária específica para o teatro,
contém os diálogos e as
indicações de cena. Sozinho, o
texto é apenas literário,
transformando-se em teatro
quando encenado.
Ao lado da épica e da
lírica, o gênero
dramático (o teatro)
constituía o “tripé” dos
gêneros literários da
Antiguidade Clássica.
Uma característica central do
gênero dramático clássico é o fato
de não ter narrador explícito,
marcado no enunciado – tudo se
resume à ação e às falas das
personagens, que dialogam
sempre em discurso direto (a ação
é narrada, ocorre no agora do
palco).
O texto é composto de vários
elementos diferentes. Normalmente,
em maiúsculas encontramos os nomes
das personagens e em itálico estão as
rubricas ou didascálias (anotações
feitas pelo autor do texto que
determinam ações, intenções, a
movimentação em cena, às vezes
detalhes do cenário, iluminação,
sonoplastia etc.).
O prólogo é um termo originalmente
usado nas tragédias gregas para a
parte anterior à entrada do coro e da
orquestra, na qual se enuncia o tema
da peça. Atualmente, o prólogo serve
de prenúncio aos acontecimentos
principais, oferece preparação para o
que se segue e às vezes dá
informações essenciais ao
entendimento do restante da peça.
O epílogo é a fala final e
frequentemente destinada a
explanar as intenções do autor e/
ou o resultado final da ação
dramática. O último ato ou cena de
uma peça. Atualmente pode ser
usado de ponte para uma possível
continuação da história, ou apenas
para encerrar um assunto que ficou
incompleto ao longo da trama.
A base essencial do Teatro é o drama; sem
drama não há Teatro. Drama significa
ação, e se refere às ações causadas pelo
choque de duas forças opostas. Tanto
tragédias quanto comédias são dramas,
pois possuem os mesmos elementos
estruturais. Quando duas forças opostas se
encontram dizemos que há um conflito, e ele
é, por sua vez, a base essencial do drama.
Este conflito gera um problema, e este
problema exige uma solução.
Personagens são agentes dramáticos, isto é, por meio
delas que as ações dramáticas vão acontecer. Todo texto
tem um personagem central, a quem chamamos
protagonista. Ele é o agente mais importante da trama,
em torno do qual os principais acontecimentos vão girar e
geralmente a quem cabe a resolução do grande problema
que é proposto.
Quase sempre há também um antagonista, agente
principal do conflito, causador ou revelador do
problema que vai afetar o protagonista. É o embate
das forças que cada um representa, que a trama vai
se desenrolar e a ação dramática se fará possível.
Peça “Édipo Rei”
Peça “Édipo Rei”
Os demais personagens da peça
são chamados coadjuvantes ou
personagens de apoio, e
também são agentes dramáticos.
Todo personagem tem que
contribuir para uma das duas
forças que se opõem, mesmo que
mude de lado no decorrer da
história.
Peça “Édipo Rei”
Réplicas
discurso puro do
personagem que se exprime.
Quiproquó
diálogo confuso resultante de
um engano ou mal-entendido
entre os personagens
Cena do filme “O Auto da Compadecida”
Solilóquio
réplica em que um personagem fala para
si mesmo, simulando não ser ouvido pelos
outros personagens. É como um
pensamento em voz alta que é ouvido
apenas pelo público.
Monólogo
encadeamento de réplicas partilhando
pensamentos e sentimentos de um
personagem sozinho diante do público. Cena do filme “O Auto da Compadecida”
A narração não faz parte do diálogo, é um instrumento externo que serve para adereçar ao público
informações vitais para a compreensão da cena, dos fatos ou personagens. O narrador pode ser:
Onisciente: Sabe de todas as coisas, relata detalhes não revelados
pelo diálogo ou pela imagem, desde fatos até mesmo pensamentos e
sentimentos das personagens. Normalmente não faz parte da história;
Interno (ou Narrador-Personagem): Faz parte da história que é
contada, usa sua própria experiência e lembranças para descrever os
fatos, conta tudo do ponto de vista de quem está ou estava dentro da
situação;
Externo (ou Narrador-Observador): Não faz parte da história e narra o
ponto de vista de quem observa os acontecimentos sem se envolver.
Cena de “A vida como ela é”
Cena de “O Procurado”
De acordo com a tradição grega clássica, o gênero dramático se reparte em
dois subgêneros:
A Tragédia: buscaria representar homens de
condição e em situação elevadas, nobres,
heroicas, com o objetivo de provocar, no
espectador, a piedade e o terror.
A Comédia: representaria os vícios e as
imperfeições dos homens, com o objetivo de
satirizá-los, ridicularizá-los.
Peça “Édipo Rei”
Cena de “A farsa de Inês Pereira”
Apresentação (ou exposição):
É normalmente a cena inicial que fornece
indicações sobre o lugar, o tempo,
introduz os personagens e dá
informações importantes da situação em
que se encontram. Isso é necessário
para que o espectador entenda o
Universo em que a trama vai se
desenvolver
Intriga (ou conflito):
É o choque entre as forças
opostas, o momento em que o
problema surge e uma
necessidade é gerada, obrigando
os personagens a tomarem
atitudes a favor ou contra
determinada resolução;
Golpe teatral:
É o conceito de “dobradiça”,
um evento que muda tudo
(para pior). É o momento em
que o protagonista tem que
fazer um sacrifício derradeiro
já que tudo que tentou antes
não adiantou.
Clímax (ou nó da ação):
Ponto de maior tensão da
narrativa. Deixa claras a
natureza do conflito e a
urgência da situação;
Desenlace (Desfecho):
conclusão do texto. Cena
final, solução inesperada
do conflito, que pode ser
feliz, ou infeliz.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
 
Texto Verbal e Não-Verbal
Texto Verbal e Não-VerbalTexto Verbal e Não-Verbal
Texto Verbal e Não-Verbal
 
Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes. Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes.
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
A origem do teatro
A origem do teatroA origem do teatro
A origem do teatro
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Ppt texto literário e texto não literário
Ppt texto literário e texto não literárioPpt texto literário e texto não literário
Ppt texto literário e texto não literário
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Cordel
CordelCordel
Cordel
 

Destaque

Cinema e Literatura
Cinema e LiteraturaCinema e Literatura
Cinema e LiteraturaDAC UFS
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literáriosCida07
 
How to connect Literature with Cinema?
 How to connect Literature with Cinema? How to connect Literature with Cinema?
How to connect Literature with Cinema?Namrata Gohil
 
Trabalho de literatura
Trabalho de literaturaTrabalho de literatura
Trabalho de literaturaPatrick Sena
 
Português Básico - Concordância
Português Básico - ConcordânciaPortuguês Básico - Concordância
Português Básico - ConcordânciaNélson Bittencourt
 
O Auto da Compadecida - Uma análise do ponto de vista dos estudos culturais d...
O Auto da Compadecida - Uma análise do ponto de vista dos estudos culturais d...O Auto da Compadecida - Uma análise do ponto de vista dos estudos culturais d...
O Auto da Compadecida - Uma análise do ponto de vista dos estudos culturais d...Laura Inafuko
 
Gênero dramático 8º ano
Gênero dramático 8º anoGênero dramático 8º ano
Gênero dramático 8º anoKássia Mendes
 
Exercícios sobre verbos impessoais e vozes verbais
Exercícios sobre verbos impessoais e vozes verbaisExercícios sobre verbos impessoais e vozes verbais
Exercícios sobre verbos impessoais e vozes verbaisma.no.el.ne.ves
 
ANÁLISE_FILME O AUTO DA COMPADECIDA
ANÁLISE_FILME O AUTO DA COMPADECIDAANÁLISE_FILME O AUTO DA COMPADECIDA
ANÁLISE_FILME O AUTO DA COMPADECIDAHercolys Oliveira
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
EstruturatextoteatralCarla Souto
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramáticoJulia Lemos
 
Género dramático
Género dramáticoGénero dramático
Género dramáticoAna Catarina
 
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroSusana Sobrenome
 
A Origem Do Teatro
A Origem Do TeatroA Origem Do Teatro
A Origem Do Teatromartinsramon
 

Destaque (20)

Cinema e Literatura
Cinema e LiteraturaCinema e Literatura
Cinema e Literatura
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Informativo 22
Informativo 22Informativo 22
Informativo 22
 
How to connect Literature with Cinema?
 How to connect Literature with Cinema? How to connect Literature with Cinema?
How to connect Literature with Cinema?
 
Portugues
PortuguesPortugues
Portugues
 
Trabalho de literatura
Trabalho de literaturaTrabalho de literatura
Trabalho de literatura
 
Português Básico - Concordância
Português Básico - ConcordânciaPortuguês Básico - Concordância
Português Básico - Concordância
 
O Auto da Compadecida - Uma análise do ponto de vista dos estudos culturais d...
O Auto da Compadecida - Uma análise do ponto de vista dos estudos culturais d...O Auto da Compadecida - Uma análise do ponto de vista dos estudos culturais d...
O Auto da Compadecida - Uma análise do ponto de vista dos estudos culturais d...
 
Gênero dramático 8º ano
Gênero dramático 8º anoGênero dramático 8º ano
Gênero dramático 8º ano
 
Exercícios sobre verbos impessoais e vozes verbais
Exercícios sobre verbos impessoais e vozes verbaisExercícios sobre verbos impessoais e vozes verbais
Exercícios sobre verbos impessoais e vozes verbais
 
ANÁLISE_FILME O AUTO DA COMPADECIDA
ANÁLISE_FILME O AUTO DA COMPADECIDAANÁLISE_FILME O AUTO DA COMPADECIDA
ANÁLISE_FILME O AUTO DA COMPADECIDA
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
 
Auto da Compadecida
Auto da CompadecidaAuto da Compadecida
Auto da Compadecida
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
Género dramático
Género dramáticoGénero dramático
Género dramático
 
O Verbo
O VerboO Verbo
O Verbo
 
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do Teatro
 
A Origem Do Teatro
A Origem Do TeatroA Origem Do Teatro
A Origem Do Teatro
 
Semantica
SemanticaSemantica
Semantica
 
Os verbos
Os verbosOs verbos
Os verbos
 

Semelhante a Literatura 02-2ºb-textoteatral

Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriassin3stesia
 
Gêneros literários sociedade gregaa.pptx
Gêneros literários sociedade gregaa.pptxGêneros literários sociedade gregaa.pptx
Gêneros literários sociedade gregaa.pptxalmeidaluana280
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do infernowatilde
 
09 - O teatro
09 - O teatro09 - O teatro
09 - O teatroNAPNE
 
Generos literarios 1
Generos literarios 1Generos literarios 1
Generos literarios 1juliolimampu
 
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoFichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoCarla Souto
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioElaine Chiullo
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literaturaAndriane Cursino
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"inessalgado
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros LiteráriosIvana Mayrink
 

Semelhante a Literatura 02-2ºb-textoteatral (20)

Trilha Corpo e Emoção.pptx
Trilha Corpo e Emoção.pptxTrilha Corpo e Emoção.pptx
Trilha Corpo e Emoção.pptx
 
Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categorias
 
Texto dramatico
Texto dramaticoTexto dramatico
Texto dramatico
 
Gêneros literários sociedade gregaa.pptx
Gêneros literários sociedade gregaa.pptxGêneros literários sociedade gregaa.pptx
Gêneros literários sociedade gregaa.pptx
 
Texto dramático e as suas características
Texto dramático e as suas característicasTexto dramático e as suas características
Texto dramático e as suas características
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
09 - O teatro
09 - O teatro09 - O teatro
09 - O teatro
 
Generos literarios 1
Generos literarios 1Generos literarios 1
Generos literarios 1
 
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoFichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
 
Escoila secundaria da polana
Escoila secundaria da polanaEscoila secundaria da polana
Escoila secundaria da polana
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Roteiro ficção
Roteiro ficçãoRoteiro ficção
Roteiro ficção
 
Ativ 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustinoAtiv 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustino
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
 
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
Texto dramático: "Falar Verdade a mentir"
 
Gêneros Literários
Gêneros Literários Gêneros Literários
Gêneros Literários
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasAlpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraAlpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª LaraAlpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesAlpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminosesAlpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 

Último

Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 

Último (20)

Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 

Literatura 02-2ºb-textoteatral

  • 1.
  • 2. Um texto teatral é uma obra literária específica para o teatro, contém os diálogos e as indicações de cena. Sozinho, o texto é apenas literário, transformando-se em teatro quando encenado.
  • 3. Ao lado da épica e da lírica, o gênero dramático (o teatro) constituía o “tripé” dos gêneros literários da Antiguidade Clássica.
  • 4. Uma característica central do gênero dramático clássico é o fato de não ter narrador explícito, marcado no enunciado – tudo se resume à ação e às falas das personagens, que dialogam sempre em discurso direto (a ação é narrada, ocorre no agora do palco).
  • 5. O texto é composto de vários elementos diferentes. Normalmente, em maiúsculas encontramos os nomes das personagens e em itálico estão as rubricas ou didascálias (anotações feitas pelo autor do texto que determinam ações, intenções, a movimentação em cena, às vezes detalhes do cenário, iluminação, sonoplastia etc.).
  • 6. O prólogo é um termo originalmente usado nas tragédias gregas para a parte anterior à entrada do coro e da orquestra, na qual se enuncia o tema da peça. Atualmente, o prólogo serve de prenúncio aos acontecimentos principais, oferece preparação para o que se segue e às vezes dá informações essenciais ao entendimento do restante da peça.
  • 7. O epílogo é a fala final e frequentemente destinada a explanar as intenções do autor e/ ou o resultado final da ação dramática. O último ato ou cena de uma peça. Atualmente pode ser usado de ponte para uma possível continuação da história, ou apenas para encerrar um assunto que ficou incompleto ao longo da trama.
  • 8. A base essencial do Teatro é o drama; sem drama não há Teatro. Drama significa ação, e se refere às ações causadas pelo choque de duas forças opostas. Tanto tragédias quanto comédias são dramas, pois possuem os mesmos elementos estruturais. Quando duas forças opostas se encontram dizemos que há um conflito, e ele é, por sua vez, a base essencial do drama. Este conflito gera um problema, e este problema exige uma solução.
  • 9. Personagens são agentes dramáticos, isto é, por meio delas que as ações dramáticas vão acontecer. Todo texto tem um personagem central, a quem chamamos protagonista. Ele é o agente mais importante da trama, em torno do qual os principais acontecimentos vão girar e geralmente a quem cabe a resolução do grande problema que é proposto. Quase sempre há também um antagonista, agente principal do conflito, causador ou revelador do problema que vai afetar o protagonista. É o embate das forças que cada um representa, que a trama vai se desenrolar e a ação dramática se fará possível. Peça “Édipo Rei” Peça “Édipo Rei”
  • 10. Os demais personagens da peça são chamados coadjuvantes ou personagens de apoio, e também são agentes dramáticos. Todo personagem tem que contribuir para uma das duas forças que se opõem, mesmo que mude de lado no decorrer da história. Peça “Édipo Rei”
  • 11. Réplicas discurso puro do personagem que se exprime. Quiproquó diálogo confuso resultante de um engano ou mal-entendido entre os personagens Cena do filme “O Auto da Compadecida”
  • 12. Solilóquio réplica em que um personagem fala para si mesmo, simulando não ser ouvido pelos outros personagens. É como um pensamento em voz alta que é ouvido apenas pelo público. Monólogo encadeamento de réplicas partilhando pensamentos e sentimentos de um personagem sozinho diante do público. Cena do filme “O Auto da Compadecida”
  • 13. A narração não faz parte do diálogo, é um instrumento externo que serve para adereçar ao público informações vitais para a compreensão da cena, dos fatos ou personagens. O narrador pode ser: Onisciente: Sabe de todas as coisas, relata detalhes não revelados pelo diálogo ou pela imagem, desde fatos até mesmo pensamentos e sentimentos das personagens. Normalmente não faz parte da história; Interno (ou Narrador-Personagem): Faz parte da história que é contada, usa sua própria experiência e lembranças para descrever os fatos, conta tudo do ponto de vista de quem está ou estava dentro da situação; Externo (ou Narrador-Observador): Não faz parte da história e narra o ponto de vista de quem observa os acontecimentos sem se envolver. Cena de “A vida como ela é” Cena de “O Procurado”
  • 14. De acordo com a tradição grega clássica, o gênero dramático se reparte em dois subgêneros: A Tragédia: buscaria representar homens de condição e em situação elevadas, nobres, heroicas, com o objetivo de provocar, no espectador, a piedade e o terror. A Comédia: representaria os vícios e as imperfeições dos homens, com o objetivo de satirizá-los, ridicularizá-los. Peça “Édipo Rei” Cena de “A farsa de Inês Pereira”
  • 15. Apresentação (ou exposição): É normalmente a cena inicial que fornece indicações sobre o lugar, o tempo, introduz os personagens e dá informações importantes da situação em que se encontram. Isso é necessário para que o espectador entenda o Universo em que a trama vai se desenvolver
  • 16. Intriga (ou conflito): É o choque entre as forças opostas, o momento em que o problema surge e uma necessidade é gerada, obrigando os personagens a tomarem atitudes a favor ou contra determinada resolução;
  • 17. Golpe teatral: É o conceito de “dobradiça”, um evento que muda tudo (para pior). É o momento em que o protagonista tem que fazer um sacrifício derradeiro já que tudo que tentou antes não adiantou.
  • 18. Clímax (ou nó da ação): Ponto de maior tensão da narrativa. Deixa claras a natureza do conflito e a urgência da situação;
  • 19. Desenlace (Desfecho): conclusão do texto. Cena final, solução inesperada do conflito, que pode ser feliz, ou infeliz.