Bombeiro formação

862 visualizações

Publicada em

Hemorragia; Queimaduras; Asfixia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
146
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bombeiro formação

  1. 3. Trabalhos <ul><li>Grupo 1 Grupo 2 </li></ul><ul><li>Afonso Capito nº1 Inês Carochinho nº5 </li></ul><ul><li>Bernardo Lemos nº3 Mariana Estrela nº16 </li></ul><ul><li>Catarina Teixeira nº4 Pedro Arco nº18 </li></ul><ul><li>Luís Pereira nº11 Ruben Capela nº20 </li></ul><ul><li>trabalho : As hemorragias trabalho :intoxicações </li></ul>
  2. 4. <ul><li>Grupo 3 </li></ul><ul><li>André Noronha nº2 </li></ul><ul><li>João Quaresma nº6 </li></ul><ul><li>Joaquim Azul nº8 </li></ul><ul><li>André Duarte nº24 </li></ul><ul><li>Trabalho : Queimaduras </li></ul>
  3. 7. <ul><li>Pagina1-capa </li></ul><ul><li>Pagina2- índice </li></ul><ul><li>Pagina3-o que é uma hemorragia </li></ul><ul><li>Pagina4-o que acontece </li></ul><ul><li>Pagina5-os sintomas </li></ul><ul><li>Pagina6-imagens </li></ul><ul><li>Pagina7-trabalho elaborado por: </li></ul>
  4. 8. <ul><li>Uma hemorragia consiste numa perca de sangue, devido à ocorrência de uma lesão num vaso sanguíneo, o que faz com que este fluido se perca para o exterior do corpo ou para o seu interior, a nível de um tecido, órgão ou cavidade. Estes tipos de hemorragias designam-se, respectivamente, de hemorragia externa e hemorragia interna. </li></ul>
  5. 9. <ul><li>As hemorragias externas ocorrem, sobretudo, por ferimentos cortantes, que interrompem a solução de continuidade da pele, tecidos adjacentes e vasos sanguíneos. A hemorragia será mais grave quanto maior for a profundidade do corte, já que os vasos de maior calibre situam-se, normalmente, a maior profundidade. </li></ul>
  6. 10. <ul><li>Como sintomas da ocorrência de uma hemorragia interna, pode-se mencionar a diminuição da tensão arterial, pulso fraco, suores, cianose, tonturas, sede e pele fria. A gravidade depende do órgão atingido, duração e extensão da lesão, sendo, normalmente, mais graves que as hemorragias externas, dado serem mais difíceis de detectar e poderem atingir órgãos vitais.   </li></ul>
  7. 12. <ul><li>Trabalho elaborado por: </li></ul><ul><li>Luís Pereira nº11 </li></ul><ul><li>Afonso Capito nº 1 </li></ul><ul><li>Bernardo Lemos nº 3 </li></ul><ul><li>Catarina Teixeira nº4 </li></ul><ul><li>Bibliografia: </li></ul><ul><li>Dicipédia </li></ul>
  8. 15. Introdução <ul><li>O que são intoxicações? </li></ul><ul><li>A intoxica ç ão consiste em uma s é rie de efeitos sintom á ticos produzidos quando uma substância t ó xica é ingerida ou entra em contacto com a pele, olhos ou membranas mucosas. </li></ul><ul><li>Este s í mbolo de risco indica que uma determinada substância é t ó xica: </li></ul><ul><li>Praticamente qualquer substância, se ingerida em grandes quantidades, pode ser t ó xica. Por é m, entre os mais de 12 milhões de produtos qu í micos conhecidos, menos de 3.000 causam a maior parte das intoxica ç ões. </li></ul><ul><li>Os idosos e as crian ç as são particularmente vulner á veis à intoxica ç ão acidental. </li></ul>
  9. 16. <ul><li>Os sintomas de intoxica ç ão dependem do produto, da quantidade ingerida e de certas caracter í sticas f í sicas da pessoa que o ingeriu. Algumas substâncias não são muito potentes e exigem uma exposi ç ão cont í nua para que ocorram problemas. Outros produtos são mais t ó xicos e basta uma gota sobre a pele para causar graves problemas. </li></ul><ul><li>O tratamento mais comum para os casos de ingestão acidental de substâncias t ó xicas consiste em ministrar grandes doses de carvão activado ao paciente, pois esse produto tem a capacidade de absorver os elementos t ó xicos que se encontram em suspensão em seu aparelho digestivo. </li></ul>
  10. 17. Substâncias tóxicas mais comuns <ul><li>Produtos de uso doméstico </li></ul><ul><ul><li>Acetona </li></ul></ul><ul><ul><li>Á gua sanit á ria </li></ul></ul><ul><ul><li>Á lcool </li></ul></ul><ul><ul><li>Am ó nia </li></ul></ul><ul><ul><li>Anticongelante (usado nos radiadores dos autom ó veis) </li></ul></ul><ul><ul><li>Anti-s é ptico bucal </li></ul></ul><ul><ul><li>Naftalina </li></ul></ul><ul><ul><li>Cloro </li></ul></ul><ul><ul><li>Colas </li></ul></ul><ul><ul><li>Desodorizantes </li></ul></ul><ul><ul><li>Detergentes </li></ul></ul><ul><ul><li>Esmalte de unha </li></ul></ul><ul><ul><li>É ter </li></ul></ul>
  11. 18. <ul><ul><li>Fl ú or na ingestão de cremes dentais </li></ul></ul><ul><ul><li>Gasolina </li></ul></ul><ul><ul><li>Herbicidas </li></ul></ul><ul><ul><li>Insecticidas </li></ul></ul><ul><ul><li>Limpadores de vasos sanit á rios </li></ul></ul><ul><ul><li>L í quidos de limpeza </li></ul></ul><ul><ul><li>Perfumes </li></ul></ul><ul><ul><li>Pesticidas </li></ul></ul><ul><ul><li>Querosene </li></ul></ul><ul><ul><li>Raticida </li></ul></ul><ul><ul><li>Soda c á ustica </li></ul></ul><ul><ul><li>Solventes de tinta </li></ul></ul><ul><ul><li>Terebintina </li></ul></ul><ul><ul><li>Tintas </li></ul></ul><ul><ul><li>Vernizes </li></ul></ul>
  12. 19. <ul><li>Produtos alimentares </li></ul><ul><ul><li>Alimentos vencidos e/ou contaminados (intoxica ç ão alimentar) </li></ul></ul><ul><ul><li>Bebidas alco ó licas </li></ul></ul><ul><ul><li>Cogumelos (Algumas esp é cies) </li></ul></ul><ul><ul><li>Noz moscada </li></ul></ul><ul><ul><li>Pimentas (em grandes quantidades) </li></ul></ul>
  13. 20. <ul><li>Plantas </li></ul><ul><ul><li>Aroeira </li></ul></ul><ul><ul><li>Beladona </li></ul></ul><ul><ul><li>Buchinha </li></ul></ul><ul><ul><li>Cannabis </li></ul></ul><ul><ul><li>Coroa de Cristo </li></ul></ul><ul><ul><li>Dedaleira </li></ul></ul><ul><ul><li>Erva-moura inglesa </li></ul></ul><ul><ul><li>Mamona (R í cino) </li></ul></ul><ul><ul><li>Mandioca Brava </li></ul></ul><ul><ul><li>Moscadeira </li></ul></ul><ul><ul><li>Palmeira cica </li></ul></ul><ul><ul><li>Poins é tia </li></ul></ul><ul><ul><li>Urtiga </li></ul></ul>
  14. 21. <ul><li>Drogas e Medicamentos </li></ul><ul><ul><li>Qualquer droga ou medicamento, se ingerido em grande quantidade, é potencialmente tóxico. </li></ul></ul><ul><li>Venenos de insectos, aracnídeos e animais peçonhentos em geral </li></ul><ul><li>Toxinas produzidas por alguns fungos, bactérias, algas e animais </li></ul>
  15. 22. TIPOS DE INTOXICAÇÃO <ul><li>Alimentar; </li></ul><ul><li>Com produtos químicos </li></ul><ul><li>Com objectos </li></ul><ul><li>Plantas </li></ul><ul><li>Com produtos de uso doméstico </li></ul><ul><li>Com venenos </li></ul>
  16. 23. INTOXICAÇÃO ALIMENTAR <ul><li>Doen ç a, em geral grave, causada por elementos que de forma natural estão envenenados ou contaminados microrganismos patog é nicos. A doen ç a intestinal mais vulgar é provocada pela salmonela, que se encontra habitualmente no tubo digestivo do gado dom é stico. A conserva ç ão dos alimentos pelo frio ou outros processos pode evitar o desenvolvimento de popula ç ões bacterianas. Pensa-se que se podem eliminar os microrganismos antes de serem ingeridos. Outros tipos de intoxica ç ão alimentar é designada botulismo e é causada por toxinas segredadas pelo C osturariam botulismo, cujas popula ç ões se podem desenvolver em conservas mal elaboradas. </li></ul>
  17. 24. CIAV <ul><li>Em caso de intoxica ç ão com venenos dever á ligar para este n ú mero, depois do outro lado do telem ó vel irão atender funcion á rios especializados em intoxica ç ões com venenos que o irão ajudar com a vitima </li></ul>
  18. 25. CIAV <ul><li>CIAV – Centro de intoxica ç ão anti-veneno </li></ul><ul><li>N ú mero do CIAV – 808 250 143 </li></ul>
  19. 26. Conclusão
  20. 27. Bibliografia <ul><li>Internet - Wikipédia </li></ul><ul><li>Diciopédia </li></ul><ul><li>Livros </li></ul>
  21. 29. FIM
  22. 31. Queimaduras
  23. 32. Bibliografia <ul><li>Manual de primeiros socorros. </li></ul>
  24. 33. Queimaduras <ul><li>As queimaduras podem ser de 1ºgrau, 2ºgrau e de 3ºgrau. </li></ul><ul><li>A queimadura de 1ºgrau : </li></ul><ul><li>São as queimaduras menos graves; apenas a </li></ul><ul><li>Queimada externa da pele </li></ul><ul><li>(epiderme) é afectada. </li></ul><ul><li>A pele fica vermelha e quente e há sensação de calor e dor (queimaduras simples). </li></ul>
  25. 34. Queimaduras 2º e 3ºgrau <ul><li>Às características da queimaduras do 1º grau junta-se a existência de bolhas com líquido ou flictenas. </li></ul><ul><li>Esta queimadura já atinge a derme e é bastante dolorosa ( queimadura mais grave) . </li></ul><ul><li>Às características das queimaduras dos graus 1e 2, junta-se a destruição de tecidos. </li></ul><ul><li>A queimadura atinge tecidos mais profundos provocando uma lesão grave e pele fica carbonizada ( queimadura muito grave). </li></ul><ul><li>A vitima pode entrarem estado de choque . </li></ul>
  26. 35. O que deve fazer em caso de queimadura <ul><li>Se a roupa estiver a arder , envolver a vítima numa toalha molhada ou, na sua falta, fazê-la rolar pelo chão ou envolvê-la num cobertor(cuidado com os tecidos sintéticos). </li></ul><ul><li>Se a vitima se queimo com água ou outro liquido a ferver , despi-la imediatamente. </li></ul><ul><li>Dar água a beber frequentemente. </li></ul>
  27. 36. Trabalho elaborado por: <ul><li>André Noronha Nº2 </li></ul><ul><li>André Duarte Nº24 </li></ul><ul><li>Joaquim Azul Nº8 </li></ul><ul><li>João Miguel Nº6 </li></ul>
  28. 37. Fim do trabalho 5ºB E.B.I de Vidigueira

×