SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
A Romanização em Portugal A circulação no Portugal romano: vias e infra-estruturas História A 2009/2010
Um pouco de História Os romanos, já possuidores de um vasto império, cuja capital era Roma, chegaram à Península Ibérica no século III a.C. mas encontraram forte resistência por parte dos lusitanos, povo que a habitava.  Os Romanos, sentindo-se fortemente ameaçados, contrataram três lusitanos, que assassinaram o seu chefe. No entanto, o lugar de Viriato foi depois ocupado por Sertório, um antigo general romano, que continuou a luta contra Roma e assim, os Romanos só acabaram por dominar toda a Península Ibérica após dois séculos de lutas.  O chefe elegido pelos lusitanos, Viriato, um antigo pastor na Serra da Estrela,  transformou-se num grande guerreiro, conseguindo derrotar os Romanos em muitos combates.
Um pouco de História A presença dos Romanos na Península Ibérica durou cerca de seis séculos, durante os quais se deu a Romanização, ou seja, adopção, por parte dos habitantes da Península, da cultura romana (a língua, os costumes, a religião, a moeda, a arte, etc.).  Hoje em dia, ainda podemos encontrar muitos vestígios da sua presença: pontes, aquedutos, templos, estradas, etc. A permanência dos romanos foi muito importante e a Península sofreu um grande desenvolvimento devido às inovações que trouxeram.
Os Romanos Origem Descobertas arqueológicas indicam que a área de Roma já era habitada em 1400 a.C. Características do povo   Povo de diversidade de arte e ofícios tais como: flautistas, ourives, lenhadores, tintureiros, sapateiros, caldeiros e oleiros. Trabalhadores do ouro, da prata, do cobre e do ferro. Utilizavam mão-de-obra escrava. Economia Baseada na agricultura e nas actividades pastoris.  Cultura Eram frequentes os espectáculos de circo que agradavam a todos. Mandavam construir também arcos de triunfo romanos, feitos para homenagear publicamente o imperador e as suas grandezas.
Os Romanos Religião Crença em muitos deuses. Arte Romana Para os romanos, a arquitectura era uma arte pragmática. Construíram obras importantes, como pontes, viadutos, aquedutos, arcos e colunas triunfais, estradas, termas, teatros, anfiteatros e circos. Herança Cultural Língua latina. Desenvolveram as culturas do trigo, da vinha e da oliveira. Criaram indústrias de tecelagem, as minas, as pedreiras e as olarias. Trouxeram a sua língua, o latim e a religião cristã. Criaram locais de comércio e usavam a moeda.
Ponte Romana de Chaves Erguida em sólido e duro granito transmontano, a antiga Ponte de Trajano, sobre o leito do Rio Tâmega, ligava ambas as margens da importante  cidade  romana de  Aquae Flaviae , correspondente à moderna cidade de Chaves. Esta ponte romana foi uma importante obra de engenharia do eixo viário que estabelecia a ligação entre  Bracara Augusta  (Braga) e a cidade espanhola de Astorga.  Entre as pontes romanas conservadas no actual território português, a de Chaves é  uma das mais conhecidas . Foi construída pelo imperador Trajano, provavelmente num local onde anteriormente se ergueria uma outra, talvez de madeira.
Ponte Romana de Chaves - Arquitectura     A Ponte Romana de Chaves tem aproximadamente 140 metros, e é formada por 16 arcos concêntricos, dos quais 4 encontram-se ocultados por construções e sucessivas aluviões. No centro da ponte, em ambos os lados, erguem-se  marcos –   colunas  –   sólidos,  contendo importantes inscrições epigráficas comemorativas , e que terão sido deslocados devido á construção de casas sobre a margem direita da ponte. Um dos marcos informa que  a ponte foi concebida na época do imperador Trajano com o esforço económico dos habitantes de Chaves . No outro, podemos ler uma  extensa inscrição epigráfica latina, que invoca uma avultada obra pública realizada em cooperação entre os soldados romanos da 7. a  Legião, os habitantes flavienses e mais nove povos circunvizinhos.
Via Romana de Coimbrões A Via Romana de Coimbrões, foi instituída no Município de Viseu, sendo a  via romana de melhor qualidade arquitectónica a nível da Europa .  Tal como as outras vias, a Via Romana de Coimbrões, facilitava a circulação de pessoas e bens e terá tido, certamente, um papel relevante na divulgação de novos usos e costumes.   Esta via é constituída pela:  camada superficial, composta por lajes de grandes dimensões, niveladas por argamassa; camadas inferiores constituídas por terra, cerâmica, areão e pequenas pedras.
Via Romana de Coimbrões No entanto, a moderna investigação tem revelado que este tipo de piso era utilizado fundamentalmente no interior das cidades, nos acessos imediatos às mesmas e nas encostas, onde a circulação de carros se tornava menos penosa.  Nos restantes percursos, provavelmente, a estrada não apresentava este tipo de pavimento. O facto de as rochas encontrarem-se ainda bem fixadas nos percursos, 2000 anos depois deve-se, provavelmente, à técnica de preparação do terreno, em que eram colocadas várias camadas de materiais para assegurar a sua estabilidade e, só no final, o revestimento, com as rochas.
Arcos do Jardim ou Aqueduto de São Sebastião em Coimbra Este aqueduto de Coimbra foi c onstruído no reinado de D. Sebastião, no ano de 1570 , e ficou vulgarmente conhecido por  Arcos do Jardim.  Situado exactamente em frente ao Jardim Botânico da Universidade de Coimbra, o Aqueduto de São Sebastião foi outrora erigido sobre um outro aqueduto romano, que servia para abastecer a alta de Coimbra (fornecendo água de variadas nascentes da cidade, entre elas a fonte D'El Rei do Convento de Celas, na parte alta da cidade). O arco de honra é de cantaria e no topo encontram-se duas esculturas: do mártir São Sebastião, do lado de cima, e de São Roque, do lado de baixo. Foi construído pelo engenheiro italiano Filipe Terzio no reinado de D. Sebastião.
Arcos do Jardim ou Aqueduto de São Sebastião em Coimbra - Arquitectura É uma obra robusta ,  formada por vinte arcos de  pedra , que p reenchem  cerca de mil metros de comprimento. São de perfil semicircular e de alturas desiguais   de modo a acompanhar o acidentado do terreno, assentes em pilares com as faces exteriores  embelezadas  de degraus.  Podemos verificar  inscrições - as  que se encontram n a fachada voltada a sul são em latim, as voltadas a norte em português  e s ão precisamente es s as que datam o aqueduto e o referenciam como sendo obra de reedificação de um outro primitivo, do qual se aproveitaram as fundações.
[object Object],[object Object],Bibliografia Sitografia ,[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A presença romana em portugal e os seus vestigios
A presença romana em portugal e os seus vestigiosA presença romana em portugal e os seus vestigios
A presença romana em portugal e os seus vestigiosMário Tiago Viegas
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaRainha Maga
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Pptrukka
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricapaulasalvador
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaHistN
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIICátia Botelho
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império RomanoHCA_10I
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVCátia Botelho
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentosCarla Freitas
 
Origem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismoOrigem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismoCarlos Pinheiro
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANOCarina Vale
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogueVítor Santos
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaLuisMagina
 

Mais procurados (20)

A presença romana em portugal e os seus vestigios
A presença romana em portugal e os seus vestigiosA presença romana em portugal e os seus vestigios
A presença romana em portugal e os seus vestigios
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentos
 
Origem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismoOrigem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismo
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 

Semelhante a Romanização em Portugal

Os romanos e a romanização
Os romanos e a romanizaçãoOs romanos e a romanização
Os romanos e a romanizaçãoIsabel Mendinhos
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Pptrukka
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Pptrukka
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Pptrukka
 
Os Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalOs Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalDiogo Mota
 
Carta de foral
Carta de foralCarta de foral
Carta de foralLaboreiro
 
Estradas e pontes romanas em portugal
Estradas e pontes romanas em portugalEstradas e pontes romanas em portugal
Estradas e pontes romanas em portugalPessoaFreitas
 
Estradas e pontes romanas em portugal
Estradas e pontes romanas em portugalEstradas e pontes romanas em portugal
Estradas e pontes romanas em portugalPessoaFreitas
 
G arte romana em portugal
G arte romana em portugalG arte romana em portugal
G arte romana em portugalAntónio Silva
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoMariana Neves
 

Semelhante a Romanização em Portugal (20)

Os romanos e a romanização
Os romanos e a romanizaçãoOs romanos e a romanização
Os romanos e a romanização
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
 
Arte romana 2019
Arte romana 2019Arte romana 2019
Arte romana 2019
 
A Romaniz..
A Romaniz..A Romaniz..
A Romaniz..
 
Os Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalOs Romanos em Portugal
Os Romanos em Portugal
 
Carta de foral
Carta de foralCarta de foral
Carta de foral
 
4 arte romana 2020
4 arte romana 20204 arte romana 2020
4 arte romana 2020
 
Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01
 
Estradas e pontes romanas em portugal
Estradas e pontes romanas em portugalEstradas e pontes romanas em portugal
Estradas e pontes romanas em portugal
 
Estradas e pontes romanas em portugal
Estradas e pontes romanas em portugalEstradas e pontes romanas em portugal
Estradas e pontes romanas em portugal
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
 
G arte romana em portugal
G arte romana em portugalG arte romana em portugal
G arte romana em portugal
 
Cultura Romana
Cultura RomanaCultura Romana
Cultura Romana
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 

Último

Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 

Último (20)

Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 

Romanização em Portugal

  • 1. A Romanização em Portugal A circulação no Portugal romano: vias e infra-estruturas História A 2009/2010
  • 2. Um pouco de História Os romanos, já possuidores de um vasto império, cuja capital era Roma, chegaram à Península Ibérica no século III a.C. mas encontraram forte resistência por parte dos lusitanos, povo que a habitava. Os Romanos, sentindo-se fortemente ameaçados, contrataram três lusitanos, que assassinaram o seu chefe. No entanto, o lugar de Viriato foi depois ocupado por Sertório, um antigo general romano, que continuou a luta contra Roma e assim, os Romanos só acabaram por dominar toda a Península Ibérica após dois séculos de lutas. O chefe elegido pelos lusitanos, Viriato, um antigo pastor na Serra da Estrela, transformou-se num grande guerreiro, conseguindo derrotar os Romanos em muitos combates.
  • 3. Um pouco de História A presença dos Romanos na Península Ibérica durou cerca de seis séculos, durante os quais se deu a Romanização, ou seja, adopção, por parte dos habitantes da Península, da cultura romana (a língua, os costumes, a religião, a moeda, a arte, etc.). Hoje em dia, ainda podemos encontrar muitos vestígios da sua presença: pontes, aquedutos, templos, estradas, etc. A permanência dos romanos foi muito importante e a Península sofreu um grande desenvolvimento devido às inovações que trouxeram.
  • 4. Os Romanos Origem Descobertas arqueológicas indicam que a área de Roma já era habitada em 1400 a.C. Características do povo   Povo de diversidade de arte e ofícios tais como: flautistas, ourives, lenhadores, tintureiros, sapateiros, caldeiros e oleiros. Trabalhadores do ouro, da prata, do cobre e do ferro. Utilizavam mão-de-obra escrava. Economia Baseada na agricultura e nas actividades pastoris. Cultura Eram frequentes os espectáculos de circo que agradavam a todos. Mandavam construir também arcos de triunfo romanos, feitos para homenagear publicamente o imperador e as suas grandezas.
  • 5. Os Romanos Religião Crença em muitos deuses. Arte Romana Para os romanos, a arquitectura era uma arte pragmática. Construíram obras importantes, como pontes, viadutos, aquedutos, arcos e colunas triunfais, estradas, termas, teatros, anfiteatros e circos. Herança Cultural Língua latina. Desenvolveram as culturas do trigo, da vinha e da oliveira. Criaram indústrias de tecelagem, as minas, as pedreiras e as olarias. Trouxeram a sua língua, o latim e a religião cristã. Criaram locais de comércio e usavam a moeda.
  • 6. Ponte Romana de Chaves Erguida em sólido e duro granito transmontano, a antiga Ponte de Trajano, sobre o leito do Rio Tâmega, ligava ambas as margens da importante cidade romana de Aquae Flaviae , correspondente à moderna cidade de Chaves. Esta ponte romana foi uma importante obra de engenharia do eixo viário que estabelecia a ligação entre Bracara Augusta (Braga) e a cidade espanhola de Astorga. Entre as pontes romanas conservadas no actual território português, a de Chaves é uma das mais conhecidas . Foi construída pelo imperador Trajano, provavelmente num local onde anteriormente se ergueria uma outra, talvez de madeira.
  • 7. Ponte Romana de Chaves - Arquitectura A Ponte Romana de Chaves tem aproximadamente 140 metros, e é formada por 16 arcos concêntricos, dos quais 4 encontram-se ocultados por construções e sucessivas aluviões. No centro da ponte, em ambos os lados, erguem-se marcos – colunas – sólidos, contendo importantes inscrições epigráficas comemorativas , e que terão sido deslocados devido á construção de casas sobre a margem direita da ponte. Um dos marcos informa que a ponte foi concebida na época do imperador Trajano com o esforço económico dos habitantes de Chaves . No outro, podemos ler uma extensa inscrição epigráfica latina, que invoca uma avultada obra pública realizada em cooperação entre os soldados romanos da 7. a Legião, os habitantes flavienses e mais nove povos circunvizinhos.
  • 8. Via Romana de Coimbrões A Via Romana de Coimbrões, foi instituída no Município de Viseu, sendo a via romana de melhor qualidade arquitectónica a nível da Europa . Tal como as outras vias, a Via Romana de Coimbrões, facilitava a circulação de pessoas e bens e terá tido, certamente, um papel relevante na divulgação de novos usos e costumes.   Esta via é constituída pela: camada superficial, composta por lajes de grandes dimensões, niveladas por argamassa; camadas inferiores constituídas por terra, cerâmica, areão e pequenas pedras.
  • 9. Via Romana de Coimbrões No entanto, a moderna investigação tem revelado que este tipo de piso era utilizado fundamentalmente no interior das cidades, nos acessos imediatos às mesmas e nas encostas, onde a circulação de carros se tornava menos penosa. Nos restantes percursos, provavelmente, a estrada não apresentava este tipo de pavimento. O facto de as rochas encontrarem-se ainda bem fixadas nos percursos, 2000 anos depois deve-se, provavelmente, à técnica de preparação do terreno, em que eram colocadas várias camadas de materiais para assegurar a sua estabilidade e, só no final, o revestimento, com as rochas.
  • 10. Arcos do Jardim ou Aqueduto de São Sebastião em Coimbra Este aqueduto de Coimbra foi c onstruído no reinado de D. Sebastião, no ano de 1570 , e ficou vulgarmente conhecido por Arcos do Jardim. Situado exactamente em frente ao Jardim Botânico da Universidade de Coimbra, o Aqueduto de São Sebastião foi outrora erigido sobre um outro aqueduto romano, que servia para abastecer a alta de Coimbra (fornecendo água de variadas nascentes da cidade, entre elas a fonte D'El Rei do Convento de Celas, na parte alta da cidade). O arco de honra é de cantaria e no topo encontram-se duas esculturas: do mártir São Sebastião, do lado de cima, e de São Roque, do lado de baixo. Foi construído pelo engenheiro italiano Filipe Terzio no reinado de D. Sebastião.
  • 11. Arcos do Jardim ou Aqueduto de São Sebastião em Coimbra - Arquitectura É uma obra robusta , formada por vinte arcos de pedra , que p reenchem cerca de mil metros de comprimento. São de perfil semicircular e de alturas desiguais de modo a acompanhar o acidentado do terreno, assentes em pilares com as faces exteriores embelezadas de degraus. Podemos verificar inscrições - as que se encontram n a fachada voltada a sul são em latim, as voltadas a norte em português e s ão precisamente es s as que datam o aqueduto e o referenciam como sendo obra de reedificação de um outro primitivo, do qual se aproveitaram as fundações.
  • 12.