Relações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e Adultos

3.126 visualizações

Publicada em

Relações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e Adultos - EJA

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.126
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
86
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e Adultos

  1. 1.   Relações étnico-raciaisRelações étnico-raciais ee Gênero no EJAGênero no EJA Ana Patricia Joyce Ludimile Juliana Amorim Roberta de Moura
  2. 2. Gênero:
  3. 3. Gênero e Sexo Sexo são as características biológicas que definem quem é homem e quem é mulher. Gênero é o que definem os papeis sociais entre homens e mulheres, sendo uma construção social.
  4. 4. Os papeis entre homens e mulheres são construídos socialmente, as mulheres ainda são tidas como as mais fracas, o Brasil se encontra em 53º Lugar em igualdade de gênero, mesmo sendo um país com uma constituição que declara a igualdade de gênero.
  5. 5. É fácil perceber que não há igualdade de gênero, pois em muitos casos os homens detém poderes sobre as suas esposas obrigando–as a se submeterem a eles, há casos extremos de violência onde o marido proíbe que a esposa estude chegando a espancá-la e queimando seu material escolar.
  6. 6. Malala Yousufzai Foi Baleada por integrantes do regime Talibã, por querer estudar.
  7. 7. Entende-se por gênero “o conjunto de normas, valores, costumes e práticas através das qual a diferença biológica entre homens e mulheres é culturalmente significada”. (Pinho, 2003, p.54). A partir dos anos 70, estabeleceu-se um significado novo para a palavra Gênero, sendo utilizada para enfatizar o caráter social das distinções estabelecidas sobre o sexo. O gênero tornou-se uma forma de indicar “construções sociais” sendo o corpo biológico e sexuado uma justificativa para as identidades subjetivas dos homens e mulheres dentro das diversas culturas. Salienta ainda que o gênero como elemento constitutivo das relações sociais com base nas diferenças percebidas entre os sexos é uma forma primária de significar relações de poder, uma vez que tais diferenças se configuram como desigualdades.
  8. 8. Desta forma, a escola deve tomar consciência, por ser um espaço de educação formal, responsável também pela transmissão, valores morais e estéticos contribuindo para a construção da identidade de gênero deve mostrar que, embora diferentes, as pessoas são portadoras de direitos e deveres iguais, vivem em comunidade e deveriam ter no respeito ao outro a melhor noção de convivência harmoniosa.
  9. 9. Observa-se que as relações de gênero nas salas de aula da EJA “são relações que discursivamente e que produzem relações de poder”. Desta forma, esta relacionado essas relações de poder à Freire ao tratar da Pedagogia do Oprimido, onde afirma que: Toda ação que possa, mesmo incipiente, proporcionar as classes oprimidas o despertar para que se unam, é imediatamente freada pelos opressores através de métodos, inclusive, fisicamente violentos[...] O que interessa ao poder opressor é enfraquecer os oprimidos mais do que já estão, ilhando-os, criando e aprofundando cisões entre eles, através de uma gama variada de métodos e processos.
  10. 10. Os Parâmetros Curriculares Nacionais reconhecem que a construção do que é pertencer a um ou a outro sexo se dá pelo tratamento diferenciado para meninos e meninas, inclusive nas expressões diretamente ligadas à sexualidade, e pelos padrões socialmente estabelecidos do feminino e do masculino. Portanto, a preocupação em estudar a temática das relações de gênero na Educação de Jovens e Adultos, reconhecendo-se a necessidade de estudar a construção educacional da iniquidade de gênero nas relações educacionais.
  11. 11. Étnico racial:
  12. 12. Um grupo étnico é um grupo de pessoas que se identificam umas com as outras, ou são identificadas como tal por terceiros, com base em semelhanças culturais ou biológicas, ou ambas, reais ou presumidas. A Educação de Jovens e Adultos - EJA é detentora de uma grande diversidade de culturas, religiões, etnias, raças, valores, comportamentos, atitudes e vivências. Para tanto, o currículo deve propiciar condições de incorporação dessa pluralidade, que muitas vezes é desvalorizada e desrespeitada, sendo tratada de forma transversal ou marginalizada.
  13. 13. Pensar a realidade da EJA hoje é pensar a realidade dos jovens e adultos excluídos. Pois os alunos que compõem essa modalidade de ensino em sua maioria são trabalhadores, pobres, negros, subempregados, oprimidos e excluídos social ou racialmente.
  14. 14. A partir da década de 90 o movimento negro passa a reivindicar a elaboração, desenvolvimento e implantação de políticas voltadas para que seja assegurado que as praticas educacionais tenham especificidade sobre o povo negro conscientizando e mostrando sua real importância, e quebra de preconceitos. O movimento negro vem cobrando uma postura explicita da escola, das políticas educacionais e dos programas sociais e culturais, para o desenvolvimento de projetos e políticas de inclusão social e racial e reformulação dos currículos e praticas pedagógica.
  15. 15. Dessa maneira, a superação da desigualdade racial na educação deve ser um dos objetivos das políticas educacionais e das praticas educativas em nossos pais, sobre tudo aquelas que lidam com jovens e adultos em processo de exclusão. O grande desafio da atualidade é a consolidação de políticas públicas para a promoção da igualdade racial, almejando o combate das desigualdades raciais no Brasil.

×