SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
O que é o medo?
O medo é uma reação em cadeia no cérebro que
tem início com um estímulo* de estresse e termina
com a liberação de compostos químicos que
causam
aumento da freqüência cardíaca, aceleração na
respiração e energização dos músculos.
Tálamo - decide para onde enviar
os dados sensoriais recebidos (dos
olhos, dos ouvidos, da boca e da
pele).
Córtex sensorial - interpreta os
dados sensoriais.
Hipocampo - armazena e busca
memórias conscientes, além de
processar conjuntos de estímulos
para estabelecer um contexto.
Amígdala (Tonsila cerebelar)
decodifica emoções, determina
possíveis ameaças e armazena
memórias do medo.
Hipotálamo - ativa a reação de
"luta ou fuga“.
 aumento da pressão arterial e freqüência cardíaca;
 as pupilas dilatam para receber a maior quantidade possível de luz;
 as artérias da pele se contraem para enviar uma quantidade de sangue mais
significativa aos grupos musculares maiores (reação responsável pelo "calafrio"
muitas vezes associado com o medo - há menos sangue na pele para mantê-lo
aquecido);
 o nível de glicose sangüínea diminui;
 os músculos enrijecem, energizados por adrenalina e glicose (reação responsável
pelos arrepios - quando pequenos músculos conectados a cada pêlo da
superfície da pele tensionam, os fios são forçados para cima, puxando a pele com
eles);
 a musculatura lisa relaxa para permitir que entre uma maior quantidade de
oxigênio nos pulmões;
 sistemas não essenciais (como o digestivo e o imunológico) são desligados para
guardar a energia para as funções de emergência;
 há dificuldade para se concentrar em tarefas pequenas (o cérebro deve se
concentrar em somente uma coisa para determinar de onde vem a ameaça).
 Todas essas reações físicas têm a intenção de lhe ajudar a sobreviver a uma
situação perigosa. O medo (e a reação de luta ou fuga em particular) é um
instinto que todo animal possui.
 Se não tivéssemos medo, não teríamos nenhum
receio de carros em alta velocidade, de animais
venenosos e de doenças contagiosas. Tanto nos
seres humanos como nos animais, o medo tem
por objetivo promover a sobrevivência. Com o
decorrer do tempo, as pessoas que sentiram
medo, tiveram mais pressão evolutiva favorável.
Por que somos atraídos a situações perigosas?
 Existem evidências científicas que apóiam a
conexão entre o medo e a excitação. O psicólogo
Arthur Aron conduziu um estudo usando o tão
comum medo de altura. Ele fez que um grupo de
homens andasse por uma ponte instável de 140
m suspensa a uma altura de 70 m, ao passo que
outro grupo teve de andar sobre uma ponte
idêntica, mas perfeitamente estável.
 No final de cada ponte, os homens encontravam a
estonteante assistente de Aron, que fazia a cada
participante um conjunto de perguntas relacionadas a
um estudo imaginário e lhes dava o número de
telefone dela caso quisessem obter mais informações.
Dos 33 homens que cruzaram a ponte estável, dois
ligaram para a assistente. Agora, dos 33 homens que
andaram sobre a ponte instável, nove ligaram. A
conclusão de Aron foi que o estado de medo estimula
a atração sexual.
 Para Freud, os seres humanos possuem dois
impulsos principais, os quais guiam nossas vidas
e são importantes para nossa sobrevivência. A
um, chamou-o de Eros, nome do antigo deus do
amor grego, este seria o impulso da vida. Eros é a
força da criação, da alegria, da motivação, tudo o
que tornaria um ser humano apto a produzir.
 Já o segundo impulso, chamou-o de Thânatos,
homônimo ao antigo deus da morte grego. Tal
impulso representaria qualquer atitude ou
sentimento que levaria qualquer ser humano a
destruição. Depressão, tristeza, ódio, rancor etc.
 Para o psicólogo, os dois impulsos estariam muito
interligados em nossa mente, sendo o fascínio
pela morte e pelo perigo uma intersecção destes
dois geradores psicológicos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Emoções básicas
Emoções básicasEmoções básicas
Emoções básicas
Dalila Melo
 
Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educação
Anaí Peña
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
guested634f
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
Inteligência emocional e o perfil do empreendedor
Inteligência emocional e o perfil do empreendedorInteligência emocional e o perfil do empreendedor
Inteligência emocional e o perfil do empreendedor
Yonara Mateus
 

Mais procurados (20)

Auto Estima
Auto EstimaAuto Estima
Auto Estima
 
Palestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e AnsiedadePalestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e Ansiedade
 
Autoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoalAutoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoal
 
Respeito
RespeitoRespeito
Respeito
 
PALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -fai
PALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -faiPALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -fai
PALESTRA : A energia transformadora do autoconhecimento e da auto estima -fai
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocional
 
Emoções básicas
Emoções básicasEmoções básicas
Emoções básicas
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
 
Aula M1 (07/07/2011) - Auto Estima
Aula M1 (07/07/2011) - Auto EstimaAula M1 (07/07/2011) - Auto Estima
Aula M1 (07/07/2011) - Auto Estima
 
A autoestima
A autoestimaA autoestima
A autoestima
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
Violencia psicologica
Violencia psicologicaViolencia psicologica
Violencia psicologica
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
A importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalhoA importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalho
 
Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educação
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Inteligência emocional e o perfil do empreendedor
Inteligência emocional e o perfil do empreendedorInteligência emocional e o perfil do empreendedor
Inteligência emocional e o perfil do empreendedor
 

Destaque

Trabalho power point filosofia medo.
Trabalho power point filosofia medo.Trabalho power point filosofia medo.
Trabalho power point filosofia medo.
Isabel Cabral
 
Vencendo os nossos medos
Vencendo os nossos medosVencendo os nossos medos
Vencendo os nossos medos
Dalila Melo
 
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da AlmaLição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Escol Dominical
 
Texto o medo e a visão filosófica
Texto o medo e a visão filosóficaTexto o medo e a visão filosófica
Texto o medo e a visão filosófica
andre barbosa
 

Destaque (20)

Medo
MedoMedo
Medo
 
Trabalho power point filosofia medo.
Trabalho power point filosofia medo.Trabalho power point filosofia medo.
Trabalho power point filosofia medo.
 
Medo e Culpa - Instituto Espírita de Educação
Medo e Culpa - Instituto Espírita de EducaçãoMedo e Culpa - Instituto Espírita de Educação
Medo e Culpa - Instituto Espírita de Educação
 
Medo
Medo  Medo
Medo
 
Angustia E Medo
Angustia E MedoAngustia E Medo
Angustia E Medo
 
Vencendo os nossos medos
Vencendo os nossos medosVencendo os nossos medos
Vencendo os nossos medos
 
Palestra Sobre Ansiedade, Medo E Panico
Palestra Sobre Ansiedade, Medo E PanicoPalestra Sobre Ansiedade, Medo E Panico
Palestra Sobre Ansiedade, Medo E Panico
 
Palestra mágoa
Palestra mágoaPalestra mágoa
Palestra mágoa
 
Entendendo a raiz do medo
Entendendo a raiz do medoEntendendo a raiz do medo
Entendendo a raiz do medo
 
Palestra sobre medo
Palestra sobre medo Palestra sobre medo
Palestra sobre medo
 
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da AlmaLição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
 
COMO VENCER o MEDO - FAÇA de SUA APRESENTAÇÃO UM SUCESSO
COMO VENCER o MEDO - FAÇA de SUA APRESENTAÇÃO UM SUCESSOCOMO VENCER o MEDO - FAÇA de SUA APRESENTAÇÃO UM SUCESSO
COMO VENCER o MEDO - FAÇA de SUA APRESENTAÇÃO UM SUCESSO
 
Palestra 15 conduta espírita
Palestra 15 conduta  espíritaPalestra 15 conduta  espírita
Palestra 15 conduta espírita
 
Seminário de neuroanatomia: Emoções
Seminário de neuroanatomia: EmoçõesSeminário de neuroanatomia: Emoções
Seminário de neuroanatomia: Emoções
 
Quem tem medo do ridículo? de Ruth rocha
Quem tem medo do ridículo? de Ruth rochaQuem tem medo do ridículo? de Ruth rocha
Quem tem medo do ridículo? de Ruth rocha
 
fase do terror
fase do terrorfase do terror
fase do terror
 
Texto o medo e a visão filosófica
Texto o medo e a visão filosóficaTexto o medo e a visão filosófica
Texto o medo e a visão filosófica
 
Casa do terror
Casa do terrorCasa do terror
Casa do terror
 
Tese de adrianne ogêda guedes na uff em 2008
Tese de adrianne ogêda guedes na uff em 2008Tese de adrianne ogêda guedes na uff em 2008
Tese de adrianne ogêda guedes na uff em 2008
 
Como queremos ser tratados por nossos pais separados
Como queremos ser tratados por nossos pais separadosComo queremos ser tratados por nossos pais separados
Como queremos ser tratados por nossos pais separados
 

Semelhante a Medo

Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foa
Silvyo Giffoni
 
Emoções cognição
Emoções cogniçãoEmoções cognição
Emoções cognição
Aulas Abel
 

Semelhante a Medo (20)

Reencarnação sob a ótica da evolução
Reencarnação sob a ótica da evoluçãoReencarnação sob a ótica da evolução
Reencarnação sob a ótica da evolução
 
Aula 03 - Bases Interdisciplinares dos Processos Psicológicos
Aula 03 -  Bases Interdisciplinares dos Processos PsicológicosAula 03 -  Bases Interdisciplinares dos Processos Psicológicos
Aula 03 - Bases Interdisciplinares dos Processos Psicológicos
 
Cientistas ferem o antropocentrismo mortalmente
Cientistas ferem o antropocentrismo mortalmenteCientistas ferem o antropocentrismo mortalmente
Cientistas ferem o antropocentrismo mortalmente
 
CRIAÇÕES FLUÍDICAS- IDEOPLASTIA
CRIAÇÕES FLUÍDICAS- IDEOPLASTIACRIAÇÕES FLUÍDICAS- IDEOPLASTIA
CRIAÇÕES FLUÍDICAS- IDEOPLASTIA
 
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
 
aula 1 (histórico de neuropsicologia).ppt
aula 1 (histórico  de neuropsicologia).pptaula 1 (histórico  de neuropsicologia).ppt
aula 1 (histórico de neuropsicologia).ppt
 
Os animais têm alma
Os animais têm almaOs animais têm alma
Os animais têm alma
 
Sistema nervoso katya (2)
Sistema nervoso katya (2)Sistema nervoso katya (2)
Sistema nervoso katya (2)
 
Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foa
 
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
 
Emoções cognição
Emoções cogniçãoEmoções cognição
Emoções cognição
 
Qu mica do-corpo1-2
Qu mica do-corpo1-2Qu mica do-corpo1-2
Qu mica do-corpo1-2
 
Fundamentos de Neurociências
Fundamentos de Neurociências Fundamentos de Neurociências
Fundamentos de Neurociências
 
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA.pptx
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA.pptxHISTÓRIA DA PSICOLOGIA.pptx
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA.pptx
 
As emoções
As emoçõesAs emoções
As emoções
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB  ) PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB  )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB )
 
Estudo Anatómico
Estudo AnatómicoEstudo Anatómico
Estudo Anatómico
 
Experiências de Quase Morte – EQM
Experiências de Quase Morte – EQMExperiências de Quase Morte – EQM
Experiências de Quase Morte – EQM
 
Stress no trabalho
Stress no trabalhoStress no trabalho
Stress no trabalho
 

Mais de Diego Prezia (20)

Prova setimos ii ii resp
Prova setimos ii ii resp Prova setimos ii ii resp
Prova setimos ii ii resp
 
Fling
FlingFling
Fling
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
 
Pronomes incompleto (4)
Pronomes   incompleto (4)Pronomes   incompleto (4)
Pronomes incompleto (4)
 
Vozes do verbo
Vozes do verboVozes do verbo
Vozes do verbo
 
Adjetivadetalhada 101019051533-phpapp02
Adjetivadetalhada 101019051533-phpapp02Adjetivadetalhada 101019051533-phpapp02
Adjetivadetalhada 101019051533-phpapp02
 
Etapa v e orações
Etapa v e oraçõesEtapa v e orações
Etapa v e orações
 
Oração adjetiva
Oração adjetivaOração adjetiva
Oração adjetiva
 
Prova setimos ii i resp
Prova setimos ii i resp Prova setimos ii i resp
Prova setimos ii i resp
 
Prova oitavos ii i -respostas
Prova oitavos ii i -respostas Prova oitavos ii i -respostas
Prova oitavos ii i -respostas
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
 
Capítulos 1 e 2
Capítulos 1 e 2Capítulos 1 e 2
Capítulos 1 e 2
 
Etapa ii correção
Etapa ii  correçãoEtapa ii  correção
Etapa ii correção
 
Numerais
NumeraisNumerais
Numerais
 
Correção etapa i
Correção etapa iCorreção etapa i
Correção etapa i
 
Prova nonos correção
Prova nonos correção Prova nonos correção
Prova nonos correção
 
Prova oitavo
Prova oitavoProva oitavo
Prova oitavo
 
Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2
 
Interpretação básico
Interpretação   básicoInterpretação   básico
Interpretação básico
 
Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2
 

Medo

  • 1. O que é o medo?
  • 2. O medo é uma reação em cadeia no cérebro que tem início com um estímulo* de estresse e termina com a liberação de compostos químicos que causam aumento da freqüência cardíaca, aceleração na respiração e energização dos músculos.
  • 3. Tálamo - decide para onde enviar os dados sensoriais recebidos (dos olhos, dos ouvidos, da boca e da pele). Córtex sensorial - interpreta os dados sensoriais. Hipocampo - armazena e busca memórias conscientes, além de processar conjuntos de estímulos para estabelecer um contexto. Amígdala (Tonsila cerebelar) decodifica emoções, determina possíveis ameaças e armazena memórias do medo. Hipotálamo - ativa a reação de "luta ou fuga“.
  • 4.  aumento da pressão arterial e freqüência cardíaca;  as pupilas dilatam para receber a maior quantidade possível de luz;  as artérias da pele se contraem para enviar uma quantidade de sangue mais significativa aos grupos musculares maiores (reação responsável pelo "calafrio" muitas vezes associado com o medo - há menos sangue na pele para mantê-lo aquecido);  o nível de glicose sangüínea diminui;  os músculos enrijecem, energizados por adrenalina e glicose (reação responsável pelos arrepios - quando pequenos músculos conectados a cada pêlo da superfície da pele tensionam, os fios são forçados para cima, puxando a pele com eles);  a musculatura lisa relaxa para permitir que entre uma maior quantidade de oxigênio nos pulmões;  sistemas não essenciais (como o digestivo e o imunológico) são desligados para guardar a energia para as funções de emergência;  há dificuldade para se concentrar em tarefas pequenas (o cérebro deve se concentrar em somente uma coisa para determinar de onde vem a ameaça).  Todas essas reações físicas têm a intenção de lhe ajudar a sobreviver a uma situação perigosa. O medo (e a reação de luta ou fuga em particular) é um instinto que todo animal possui.
  • 5.
  • 6.  Se não tivéssemos medo, não teríamos nenhum receio de carros em alta velocidade, de animais venenosos e de doenças contagiosas. Tanto nos seres humanos como nos animais, o medo tem por objetivo promover a sobrevivência. Com o decorrer do tempo, as pessoas que sentiram medo, tiveram mais pressão evolutiva favorável.
  • 7. Por que somos atraídos a situações perigosas?
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.  Existem evidências científicas que apóiam a conexão entre o medo e a excitação. O psicólogo Arthur Aron conduziu um estudo usando o tão comum medo de altura. Ele fez que um grupo de homens andasse por uma ponte instável de 140 m suspensa a uma altura de 70 m, ao passo que outro grupo teve de andar sobre uma ponte idêntica, mas perfeitamente estável.
  • 12.  No final de cada ponte, os homens encontravam a estonteante assistente de Aron, que fazia a cada participante um conjunto de perguntas relacionadas a um estudo imaginário e lhes dava o número de telefone dela caso quisessem obter mais informações. Dos 33 homens que cruzaram a ponte estável, dois ligaram para a assistente. Agora, dos 33 homens que andaram sobre a ponte instável, nove ligaram. A conclusão de Aron foi que o estado de medo estimula a atração sexual.
  • 13.  Para Freud, os seres humanos possuem dois impulsos principais, os quais guiam nossas vidas e são importantes para nossa sobrevivência. A um, chamou-o de Eros, nome do antigo deus do amor grego, este seria o impulso da vida. Eros é a força da criação, da alegria, da motivação, tudo o que tornaria um ser humano apto a produzir.
  • 14.  Já o segundo impulso, chamou-o de Thânatos, homônimo ao antigo deus da morte grego. Tal impulso representaria qualquer atitude ou sentimento que levaria qualquer ser humano a destruição. Depressão, tristeza, ódio, rancor etc.
  • 15.  Para o psicólogo, os dois impulsos estariam muito interligados em nossa mente, sendo o fascínio pela morte e pelo perigo uma intersecção destes dois geradores psicológicos.