O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Auto estima.ppt 2014 (hj)

20.080 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Entre para ver os comentários

Auto estima.ppt 2014 (hj)

  1. 1. AUTOESTIMA
  2. 2. O que é Autoestima ? Avaliação que a pessoa faz de si mesma. Expressa uma atitude de aprovação ou repulsa e até que ponto ela se considera capaz, significativa e valiosa. É uma experiência subjetiva que pode ser acessível às pessoas através de relatos verbais e comportamentos observáveis.
  3. 3. ATRIBUTOS MAIS CONHECIDOS DE UMA PESSOA COM ALTA AUTOESTIMA  Manter uma imagem bastante constante e positiva das próprias capacidades Ser criativo  Ter facilidade para assumir papéis ativos em grupos sociais Expressar as próprias visões Tender a um bom desempenho acadêmico
  4. 4. ATRIBUTOS MAIS CONHECIDOS DE UMA PESSOA COM ALTA AUTOESTIMA  Preocupar-se pouco com medos e ambivalências  Orientar-se mais direta e realisticamente às metas pessoais  Demonstrar confiança e otimismo nos próprios atributos  Ser pouco sensível às críticas
  5. 5. ATRIBUTOS MAIS CONHECIDOS DE UMA PESSOA COM BAIXA AUTOESTIMA  Apresenta sentimentos de isolamento e ansiedade Grande sensibilidade às críticas Dificuldade de afirmar as próprias opiniões e necessidades  Desistir com facilidade evitando desafios Ter reduzida a clareza e o entendimento de si próprio Evitação de situações de risco e de exposições de si próprio
  6. 6. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A AUTOESTIMA Ela contribui de maneira essencial para a vida da pessoa e para a sua saúde. É indispensável para um desenvolvimento normal e saudável. A auto-estima é o “sistema imunológico” da consciência. Fornece resistência, força e capacidade de regeneração.
  7. 7. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A AUTOESTIMA Quando é baixa a autoestima, a resistência diante da vida e suas adversidades diminui. Uma pessoa com baixa auto-estima tende a ser mais influenciada pelo desejo de evitara dor do que de vivenciar o prazer. Uma autoestima elevada busca o estímulo de metas desafiadoras. Atingir objetivos exigentes alimenta uma boa autoestima.
  8. 8. MAS ATENÇÃO, AUTOESTIMA NÃO É ! • Narcisismo • Esnobismo • Egocentrismo • Hedonismo • Sentimento de superioridade • Outras conotações de caráter individualista
  9. 9. O DESENVOLVIMENTO DA AUTOESTIMA NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE • Fatores determinantes para o desenvolvimento da auto-estima na criança : a)O valor que a criança percebe dos outros em relação a si expresso em afetos, elogios e atenção. b) A experiência da criança com sucessos ou fracassos c) A forma de reagir às críticas
  10. 10. • A dominação de crianças, a ridicularização, a humilhação, a rejeição e a punição severa tendem a resultar em baixa auto-estima. • Crianças ignoradas, rejeitadas e humilhadas tendem a se perceber como sujeitos merecedores de desrespeito. CRIANÇAS NÃO NASCEM PREOCUPADAS EM SEREM BOAS OU MÁS, ESPERTAS OU ESTÚPIDAS, AMÁVEIS OU NÃO. ELAS DESENVOLVEM ESSAS IDÉIAS BASEADAS FORTEMENTE NA FORMA COMO SÃO TRATADAS POR PESSOAS SIGNIFICATIVAS: OS PAIS, OS PROFESSORES E AMIGOS.
  11. 11. • Adolescentes com autoestima mais alta possuem interação social positiva no ambiente familiar. • Uma interação familiar de qualidade combinando afeto, limite, reforço, diálogo,modelo contribui consideravelmente para o desenvolvimento de uma maior auto-estima nos adolescentes e crianças. • A auto-estima pode ser profundamente abalada na adolescência, principalmente quando a estrutura emocional do sujeito é mais frágil, tornando mais difícil lidar com as mudanças.
  12. 12. ALGUMAS CONDIÇÕES FAMILIARES QUE PODEM CONTRIBUIR PARA UMA BAIXA AUTOESTIMA • Perceber a família como conflituosa • Viver em a ambiente familiar empobrecido física, emocional e intelectualmente • Ter pais que tendem a depreciar os filhos, encarando-os como um fardo e lhes dando um tratamento desatento e negligente • Viver em uma família em que não há o estabelecimento de diretrizes • Viver um uma família que possui um sistema de punição baseado na força e na perda de amor.
  13. 13. COMO A AUTOESTIMA DOS PAIS AFETA A AUTOESTIMA DOS FILHOS • Os filhos sempre procuram nos pais sugestões de como se comportar. A reação emocional dos pais mesmo que não expressem, influencia os filhos. • Os pais com baixa auto-estima são frequentemente ansiosos. A ansiedade deturpa a comunicação. • Os pais com baixa auto-estima tendem a “viver” através dos filhos. • Os pais com baixa auto-estima sentem-se ameaçados pelo forte senso de auto-estima dos filhos, em especial quando os filhos buscam independência e autonomia
  14. 14. COMO A AUTOESTIMA DOS PAIS AFETA A AUTOESTIMA DOS FILHOS • Os pais com baixa auto-estima têm dificuldade para elogiar de maneira realista e precisa. Tendem a não elogiar, elogiar muito pouco ou elogiar em excesso. • Os pais com baixa autoestima tendem a transmitir aos filhos mensagens confusas sobre o sucesso. (“Continue tentando, mas não espere vencer!”) • Quando os pais têm pouca auto-estima, tendem a ver um problema ou um problema em potencial em tudo.
  15. 15. A autoestima dos meus filhos será a mesma durante toda a vida? • A autoestima tem um “estabilidade instável” • Ela é caracterizada por um processo dinâmico e contínuo, sendo estabelecida e estruturada desde a infância, mas podendo se modificar (talvez não de forma radical) ao longo da vida. • Depende da capacidade de transformação do indivíduo e das circunstâncias por ele enfrentadas.
  16. 16. PROPOSTAS PARA A PROMOÇÃO DA AUTOESTIMA • Ela é algo que se constrói no dia-a-dia, na intimidade das relações. • Respeito pelas diferenças individuais • Demonstrar ter uma forte convicção de que confia no potencial e na capacidade do seu filho • Ajudá-lo a perceber a própria capacidade e o potencial a ser explorado • Aceitação dos limites individuais • Desenvolvimento de atividades lúdicas(música, esporte, poesia, teatro etc) • Não bastam alguns elogios para obter a elevação da auto-estima
  17. 17. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS CLEMES, H. & BEAN, R. Crianças Seguras: Como Aumentar a Auto-estima das Crianças. São Paulo: Editora Gente, 1995. ASSIS,S.G. & AVANCI, J.Q. Labirinto de Espelhos: Formação da Auto-estima na Infância e na Adolescência. Rio de Janeiro: Editora Fio Cruz, 2004. SANÁBIO,R.G.,Adolescência e Auto-estima: Um Desafio para a Educação em Saúde. Dissertação de Mestrado. Universidade de Fortaleza. Fortaleza. Ceará. Brasil
  18. 18. Obrigado!

×