SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
ACIDENTES QUÍMICOS
    AMPLIADOS

        Marcelo Firpo Porto
 Pesquisador Titular do Centro de Estudos da
 Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana da
      Escola Nacional de Saúde Pública
           CESTEH/ENSP/FIOCRUZ
     Mail: marcelo.firpo@ensp.fiocruz.br
Apresentação
 Definição de Acidentes Ampliados: eventos tais como
 explosões, incêndios e emissões envolvendo substâncias químicas
 perigosas, e que podem estar relacionadas a alguma fase do ciclo
 produtivo (extração, produção, transporte, armazenamento, uso ou
 descarte), gerando danos à saúde dos grupos expostos e ao meio
 ambiente.

 Por que ampliado ? Questão de escala espacial (além dos muros
 das fábricas: bairros, cidades, países) e temporal (efeitos
 toxicológicos e ecotoxicológicos de curto, médio e longo prazos)

 Quem está exposto ? trabalhadores de indústrias químicas e
 petroquímicas, moradores em áreas de risco como proximidades de
 fábricas e outras instalações de risco, população em geral.
Complexidade do problema: multiplicidade de situações e
eventos (instalações fixas e não fixas); multiplicidade de setores e
instituições envolvidos (meio ambiente, trabalho, saúde, defesa civil,
transportes etc.) exigindo ações intersetoriais para a prevenção e
controle; amplitude de áreas e populações afetadas, o que é
agravado em contextos vulneráveis.

Exemplos internacionais de grandes acidentes industriais:
Seveso (Itália, 1976); Bhopal (Índia, 1984) 2500 mortes imediatas;
Piper-Alpha (Mar Norte, 1988) com 167 mortos

Exemplos brasileiros: REDUC/RJ (1972 com 39 mortos);
Ipojuca/BA (1983); Vila Socó/Cubatão (1984); Plataformas da Bacia
de Campos (Enchova em 1984 com 37 mortos; Baía de Guanabara
em 2000 com vazamento de 1,3 milhões litros; P-36 em 2001 com
11 mortos)
Agravamento Periférico Sócio-Político: Índia, Brasil, México,
       China, Indonésia possuem piores indicadores de gravidade (total de
       mortes; mortes por acidente)

       Por que o agravamento sócio-político ?
i.     Vulnerabilidade institucional: falta de legislação; baixos recursos
       humanos, técnicos e financeiros; elevada fragmentação entre
       setores e instituições;
ii.    Vulnerabilidade social: grupos afetados, como trabalhadores e
       moradores em áreas de risco (favelas ao redor de instalações de
       alto risco, como fábricas e dutos); problemas no gerenciamento de
       riscos nos locais de trabalho, relações autoritárias de trabalho,
       baixo treinamento, terceirização.
iii.   Exportação de riscos e duplo padrão.

       Consequências: maior número de eventos, maior gravidade,
       confluência entre áreas de risco e zonas de sacrifício.

       Relação entre acidentes ampliados e (in)justiça ambiental.
Fases de prevenção
I. Fase do projeto e do planejamento (prevenção preditiva):
    Objetivo: eliminar ou reduzir riscos de acidentes durante o desenvolvimento
    do projeto de tecnologias, instalações e organizações.
    Inclui o licenciamento ambiental para novas instalações e tecnologias:
    localização, análise de riscos, processos decisórios.

II. Fase do gerenciamento de riscos em situações reais de trabalho
    (prevenção operacional):
    Objetivo: Evitar acidentes durante a operação de instalações, funcionamento
    de fábricas etc.
    Inclui a organização do trabalho adequada (política de seleção e
    qualificação, procedimentos operacionais formais de segurança e de
    emergência, produtividade compatível com segurança etc.); confiabilidade de
    máquinas, processos e instalações (manutenção versus degradação);
    sistemas de registro e análise de falhas, incidentes e acidentes; espaços
    coletivos de discussão e decisão sobre saúde e segurança (CIPA’s, comitês
    diversos, atuação sindical...).

III.Fase de remediação ou atenuação dos riscos (prevenção mitigadora)
    Objetivo: Reduzir ao máximo as conseqüências negativas de
    eventos/acidentes ocorridos. acidentes durante a operação de instalações,
    funcionamento de fábricas etc.
    Inclui a existência de plano de emergência interno (in site) e externo (off-
    site), treinamento com simulados, atenção às vítimas, primeiros socorros,
    indenizações e punições aos responsáveis (criadores de riscos).
Alguns Desafios
Realizar inventário das instalações de risco em todo o estado, com
análise de risco e de vulnerabilidade nesses locais: qual o número
de vítimas possíveis em caso de acidentes ?

Como desenvolver e implementar planejamento de emergências
envolvendo também a população, principalmente em áreas e grupos
vulneráveis?

Como melhorar a prevenção nas três fases (projeto, gerenciamento
de riscos e mitigação das conseqüências)

Análise de acidentes: é necessário acelerar a transição do
paradigma no Brasil, passando da análise das causas imediatas e
individuais para as causas latentes ou subjacentes de natureza
gerencial. Organização e modelos de gerenciamento são as causas
subjacentes ou latentes mais importantes dos acidentes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra ppra
Palestra ppraPalestra ppra
Palestra ppraGefherson
 
Aula 4 riscos ocupacionais
Aula 4   riscos ocupacionaisAula 4   riscos ocupacionais
Aula 4 riscos ocupacionaisDaniel Moura
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceepsJose Maciel Dos Anjos
 
Aula 3 doenças ocupacionais
Aula 3   doenças ocupacionaisAula 3   doenças ocupacionais
Aula 3 doenças ocupacionaisDaniel Moura
 
Protocolo Acidente de Trabalho Grave
Protocolo Acidente de Trabalho GraveProtocolo Acidente de Trabalho Grave
Protocolo Acidente de Trabalho Gravenutecs
 
Controlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionaisControlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionaisFilipa Andrade
 
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVAEPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVALuiz Antonio Funabashi
 
Projeto "Seguranca Total"
Projeto "Seguranca Total"Projeto "Seguranca Total"
Projeto "Seguranca Total"Érica Rigo
 
Política de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalhoPolítica de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalhoGislayne Lemos Fraga
 
Toxicologia Ocupacional
Toxicologia OcupacionalToxicologia Ocupacional
Toxicologia OcupacionalTiago Sampaio
 
7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorialWilliam Dutra
 
Trabalho história da segurança do trabalho 02
Trabalho história da segurança do trabalho 02Trabalho história da segurança do trabalho 02
Trabalho história da segurança do trabalho 02Rafael Ted
 

Mais procurados (20)

Palestra ppra
Palestra ppraPalestra ppra
Palestra ppra
 
Riscos Ambientais
Riscos AmbientaisRiscos Ambientais
Riscos Ambientais
 
Modulo 1 PGR
Modulo 1 PGRModulo 1 PGR
Modulo 1 PGR
 
Aula 4 riscos ocupacionais
Aula 4   riscos ocupacionaisAula 4   riscos ocupacionais
Aula 4 riscos ocupacionais
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
 
Aula 3 doenças ocupacionais
Aula 3   doenças ocupacionaisAula 3   doenças ocupacionais
Aula 3 doenças ocupacionais
 
Nr32 resumo
Nr32 resumoNr32 resumo
Nr32 resumo
 
Protocolo Acidente de Trabalho Grave
Protocolo Acidente de Trabalho GraveProtocolo Acidente de Trabalho Grave
Protocolo Acidente de Trabalho Grave
 
Resumo nr 4
Resumo nr 4Resumo nr 4
Resumo nr 4
 
Controlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionaisControlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionais
 
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVAEPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
 
Projeto "Seguranca Total"
Projeto "Seguranca Total"Projeto "Seguranca Total"
Projeto "Seguranca Total"
 
Epi's
Epi'sEpi's
Epi's
 
Política de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalhoPolítica de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalho
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
 
05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca05. niveis de biosseguranca
05. niveis de biosseguranca
 
Toxicologia Ocupacional
Toxicologia OcupacionalToxicologia Ocupacional
Toxicologia Ocupacional
 
7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial7 biossegurança laboratorial
7 biossegurança laboratorial
 
Trabalho história da segurança do trabalho 02
Trabalho história da segurança do trabalho 02Trabalho história da segurança do trabalho 02
Trabalho história da segurança do trabalho 02
 
Saude noeli
Saude noeliSaude noeli
Saude noeli
 

Destaque

Acidentes químicos
Acidentes químicosAcidentes químicos
Acidentes químicosNeena Gomes
 
Bruno Labanca, Gean Chagas, Luis Guilherme Laino e Yakini Tavares - MAM 261 ...
Bruno Labanca, Gean Chagas, Luis Guilherme Laino e Yakini Tavares  - MAM 261 ...Bruno Labanca, Gean Chagas, Luis Guilherme Laino e Yakini Tavares  - MAM 261 ...
Bruno Labanca, Gean Chagas, Luis Guilherme Laino e Yakini Tavares - MAM 261 ...Bruno Labanca Lopes
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de BhopalVictor Said
 
Desastre de Bhopal, India 1984
Desastre de Bhopal, India 1984Desastre de Bhopal, India 1984
Desastre de Bhopal, India 1984m_itzel_20
 
Manual cetesb outro
Manual cetesb outroManual cetesb outro
Manual cetesb outrocaslemos24
 
Meio ambienteee
Meio ambienteeeMeio ambienteee
Meio ambienteeewillianoli
 
El Desastre De Bhopal!
El Desastre De Bhopal!El Desastre De Bhopal!
El Desastre De Bhopal!adriancitto
 
Bhonapal la peor catástrofe industrial del mundo
Bhonapal la peor catástrofe industrial del mundoBhonapal la peor catástrofe industrial del mundo
Bhonapal la peor catástrofe industrial del mundoJuan Sanmartin
 
Arvore de falhas
Arvore de falhasArvore de falhas
Arvore de falhasmannulo
 
Aac analise arvore de causas
Aac analise arvore de causasAac analise arvore de causas
Aac analise arvore de causasvanderli cunha
 
Investigação e analise de acidentes
Investigação e analise de acidentesInvestigação e analise de acidentes
Investigação e analise de acidentesWillian Bronguel
 

Destaque (20)

Acidentes químicos
Acidentes químicosAcidentes químicos
Acidentes químicos
 
Bruno Labanca, Gean Chagas, Luis Guilherme Laino e Yakini Tavares - MAM 261 ...
Bruno Labanca, Gean Chagas, Luis Guilherme Laino e Yakini Tavares  - MAM 261 ...Bruno Labanca, Gean Chagas, Luis Guilherme Laino e Yakini Tavares  - MAM 261 ...
Bruno Labanca, Gean Chagas, Luis Guilherme Laino e Yakini Tavares - MAM 261 ...
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de Bhopal
 
Desastre de Bhopal, India 1984
Desastre de Bhopal, India 1984Desastre de Bhopal, India 1984
Desastre de Bhopal, India 1984
 
Manual cetesb outro
Manual cetesb outroManual cetesb outro
Manual cetesb outro
 
Meio ambienteee
Meio ambienteeeMeio ambienteee
Meio ambienteee
 
Bhopal desastre continua
Bhopal desastre continuaBhopal desastre continua
Bhopal desastre continua
 
P p apres..
P p apres..P p apres..
P p apres..
 
Ppt bhopal
Ppt bhopalPpt bhopal
Ppt bhopal
 
2014 12 3_desastres industriales_bhopal
2014 12 3_desastres industriales_bhopal2014 12 3_desastres industriales_bhopal
2014 12 3_desastres industriales_bhopal
 
El Desastre De Bhopal!
El Desastre De Bhopal!El Desastre De Bhopal!
El Desastre De Bhopal!
 
Bhonapal la peor catástrofe industrial del mundo
Bhonapal la peor catástrofe industrial del mundoBhonapal la peor catástrofe industrial del mundo
Bhonapal la peor catástrofe industrial del mundo
 
Arvore de falhas
Arvore de falhasArvore de falhas
Arvore de falhas
 
Aac analise arvore de causas
Aac analise arvore de causasAac analise arvore de causas
Aac analise arvore de causas
 
Bhopal
BhopalBhopal
Bhopal
 
Arvore de causas
Arvore de causasArvore de causas
Arvore de causas
 
Cipa Arvore De Causas
Cipa   Arvore De CausasCipa   Arvore De Causas
Cipa Arvore De Causas
 
Investigação e analise de acidentes
Investigação e analise de acidentesInvestigação e analise de acidentes
Investigação e analise de acidentes
 
Diagrama de ishikawa
Diagrama de ishikawaDiagrama de ishikawa
Diagrama de ishikawa
 
Slides diagrama-de-causa-e-efeito
Slides diagrama-de-causa-e-efeitoSlides diagrama-de-causa-e-efeito
Slides diagrama-de-causa-e-efeito
 

Semelhante a Acidentes químicos ampliados

09h10 st4 renato lima 21 08 leblon
09h10 st4 renato lima 21 08 leblon09h10 st4 renato lima 21 08 leblon
09h10 st4 renato lima 21 08 leblonslides-mci
 
Os Resíduos dos Serviços de Saúde
Os Resíduos dos Serviços de SaúdeOs Resíduos dos Serviços de Saúde
Os Resíduos dos Serviços de SaúdeWagner Rodrigues
 
Aula 1 -_gerncia_de_riscos_unulins_t11-_apresentao_e_introduo
Aula 1 -_gerncia_de_riscos_unulins_t11-_apresentao_e_introduoAula 1 -_gerncia_de_riscos_unulins_t11-_apresentao_e_introduo
Aula 1 -_gerncia_de_riscos_unulins_t11-_apresentao_e_introduoIsaías Enoque Bastos
 
Apostila curso emergencias_quim
Apostila curso  emergencias_quimApostila curso  emergencias_quim
Apostila curso emergencias_quimwaltermoreira
 
Impacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscosImpacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscosUERGS
 
Manual Básico de Operações com Produtos Perigosos
Manual Básico de Operações com Produtos PerigososManual Básico de Operações com Produtos Perigosos
Manual Básico de Operações com Produtos Perigososautonomo
 
Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pra...
Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pra...Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pra...
Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pra...Oxya Agro e Biociências
 
Informação e comunicação bhopal
Informação e comunicação bhopalInformação e comunicação bhopal
Informação e comunicação bhopalbia139
 
Avaliacao riscos-carlos h-melo
Avaliacao riscos-carlos h-meloAvaliacao riscos-carlos h-melo
Avaliacao riscos-carlos h-meloTiago Alves
 
Impacto Ambiental - EIA/RIMA
Impacto Ambiental - EIA/RIMAImpacto Ambiental - EIA/RIMA
Impacto Ambiental - EIA/RIMARodrigo Travitzki
 
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalargelcine Angela
 

Semelhante a Acidentes químicos ampliados (20)

Mapa de Riscos.pptx
Mapa de Riscos.pptxMapa de Riscos.pptx
Mapa de Riscos.pptx
 
09h10 st4 renato lima 21 08 leblon
09h10 st4 renato lima 21 08 leblon09h10 st4 renato lima 21 08 leblon
09h10 st4 renato lima 21 08 leblon
 
Pgr
PgrPgr
Pgr
 
Pgr
PgrPgr
Pgr
 
P34
P34P34
P34
 
Os Resíduos dos Serviços de Saúde
Os Resíduos dos Serviços de SaúdeOs Resíduos dos Serviços de Saúde
Os Resíduos dos Serviços de Saúde
 
Aula 1 -_gerncia_de_riscos_unulins_t11-_apresentao_e_introduo
Aula 1 -_gerncia_de_riscos_unulins_t11-_apresentao_e_introduoAula 1 -_gerncia_de_riscos_unulins_t11-_apresentao_e_introduo
Aula 1 -_gerncia_de_riscos_unulins_t11-_apresentao_e_introduo
 
Apostila curso emergencias_quim
Apostila curso  emergencias_quimApostila curso  emergencias_quim
Apostila curso emergencias_quim
 
Impacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscosImpacto ambiental, analise de riscos
Impacto ambiental, analise de riscos
 
Manual Básico de Operações com Produtos Perigosos
Manual Básico de Operações com Produtos PerigososManual Básico de Operações com Produtos Perigosos
Manual Básico de Operações com Produtos Perigosos
 
Mapa de risco
Mapa de riscoMapa de risco
Mapa de risco
 
Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pra...
Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pra...Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pra...
Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pra...
 
2881 10166-1-pb
2881 10166-1-pb2881 10166-1-pb
2881 10166-1-pb
 
Analise de risco
Analise de riscoAnalise de risco
Analise de risco
 
Informação e comunicação bhopal
Informação e comunicação bhopalInformação e comunicação bhopal
Informação e comunicação bhopal
 
Avaliacao riscos-carlos h-melo
Avaliacao riscos-carlos h-meloAvaliacao riscos-carlos h-melo
Avaliacao riscos-carlos h-melo
 
Impacto Ambiental - EIA/RIMA
Impacto Ambiental - EIA/RIMAImpacto Ambiental - EIA/RIMA
Impacto Ambiental - EIA/RIMA
 
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
 
Mapa De Risco
Mapa De RiscoMapa De Risco
Mapa De Risco
 
08a13 abr-2012
08a13 abr-201208a13 abr-2012
08a13 abr-2012
 

Mais de Universidade Federal Fluminense

Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personalPunto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personalUniversidade Federal Fluminense
 
Tipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipmentTipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipmentUniversidade Federal Fluminense
 
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuroPegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuroUniversidade Federal Fluminense
 
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de segurosRc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de segurosUniversidade Federal Fluminense
 
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...Universidade Federal Fluminense
 
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...
Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...Universidade Federal Fluminense
 
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notícias
Editora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notíciasEditora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notícias
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notíciasUniversidade Federal Fluminense
 
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015Universidade Federal Fluminense
 
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...
Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...Universidade Federal Fluminense
 
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscosUma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscosUniversidade Federal Fluminense
 

Mais de Universidade Federal Fluminense (20)

Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personalPunto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
 
Tipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipmentTipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipment
 
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuroPegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuro
 
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de segurosRc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de seguros
 
Liderança da gestão
Liderança da gestãoLiderança da gestão
Liderança da gestão
 
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...
 
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...
Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...
 
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notícias
Editora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notíciasEditora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notícias
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notícias
 
Cenários críticos que ampliam riscos
Cenários críticos que ampliam riscosCenários críticos que ampliam riscos
Cenários críticos que ampliam riscos
 
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
 
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
 
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...
Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...
 
Utilidade social e eficiência do mutualismo
Utilidade social e eficiência do mutualismoUtilidade social e eficiência do mutualismo
Utilidade social e eficiência do mutualismo
 
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscosUma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
 
Teste de adequação de passivos susep
Teste de adequação de passivos   susepTeste de adequação de passivos   susep
Teste de adequação de passivos susep
 
Teoria do risco
Teoria do riscoTeoria do risco
Teoria do risco
 
Teoria do risco tese de doutoramento
Teoria do risco   tese de doutoramentoTeoria do risco   tese de doutoramento
Teoria do risco tese de doutoramento
 
Teoria de utilidade e seguro
Teoria de utilidade e seguroTeoria de utilidade e seguro
Teoria de utilidade e seguro
 
Tecnicas atuariais dos seguros
Tecnicas atuariais dos segurosTecnicas atuariais dos seguros
Tecnicas atuariais dos seguros
 
Tábuas de mortalidade
Tábuas de mortalidadeTábuas de mortalidade
Tábuas de mortalidade
 

Acidentes químicos ampliados

  • 1. ACIDENTES QUÍMICOS AMPLIADOS Marcelo Firpo Porto Pesquisador Titular do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana da Escola Nacional de Saúde Pública CESTEH/ENSP/FIOCRUZ Mail: marcelo.firpo@ensp.fiocruz.br
  • 2. Apresentação Definição de Acidentes Ampliados: eventos tais como explosões, incêndios e emissões envolvendo substâncias químicas perigosas, e que podem estar relacionadas a alguma fase do ciclo produtivo (extração, produção, transporte, armazenamento, uso ou descarte), gerando danos à saúde dos grupos expostos e ao meio ambiente. Por que ampliado ? Questão de escala espacial (além dos muros das fábricas: bairros, cidades, países) e temporal (efeitos toxicológicos e ecotoxicológicos de curto, médio e longo prazos) Quem está exposto ? trabalhadores de indústrias químicas e petroquímicas, moradores em áreas de risco como proximidades de fábricas e outras instalações de risco, população em geral.
  • 3. Complexidade do problema: multiplicidade de situações e eventos (instalações fixas e não fixas); multiplicidade de setores e instituições envolvidos (meio ambiente, trabalho, saúde, defesa civil, transportes etc.) exigindo ações intersetoriais para a prevenção e controle; amplitude de áreas e populações afetadas, o que é agravado em contextos vulneráveis. Exemplos internacionais de grandes acidentes industriais: Seveso (Itália, 1976); Bhopal (Índia, 1984) 2500 mortes imediatas; Piper-Alpha (Mar Norte, 1988) com 167 mortos Exemplos brasileiros: REDUC/RJ (1972 com 39 mortos); Ipojuca/BA (1983); Vila Socó/Cubatão (1984); Plataformas da Bacia de Campos (Enchova em 1984 com 37 mortos; Baía de Guanabara em 2000 com vazamento de 1,3 milhões litros; P-36 em 2001 com 11 mortos)
  • 4. Agravamento Periférico Sócio-Político: Índia, Brasil, México, China, Indonésia possuem piores indicadores de gravidade (total de mortes; mortes por acidente) Por que o agravamento sócio-político ? i. Vulnerabilidade institucional: falta de legislação; baixos recursos humanos, técnicos e financeiros; elevada fragmentação entre setores e instituições; ii. Vulnerabilidade social: grupos afetados, como trabalhadores e moradores em áreas de risco (favelas ao redor de instalações de alto risco, como fábricas e dutos); problemas no gerenciamento de riscos nos locais de trabalho, relações autoritárias de trabalho, baixo treinamento, terceirização. iii. Exportação de riscos e duplo padrão. Consequências: maior número de eventos, maior gravidade, confluência entre áreas de risco e zonas de sacrifício. Relação entre acidentes ampliados e (in)justiça ambiental.
  • 5. Fases de prevenção I. Fase do projeto e do planejamento (prevenção preditiva): Objetivo: eliminar ou reduzir riscos de acidentes durante o desenvolvimento do projeto de tecnologias, instalações e organizações. Inclui o licenciamento ambiental para novas instalações e tecnologias: localização, análise de riscos, processos decisórios. II. Fase do gerenciamento de riscos em situações reais de trabalho (prevenção operacional): Objetivo: Evitar acidentes durante a operação de instalações, funcionamento de fábricas etc. Inclui a organização do trabalho adequada (política de seleção e qualificação, procedimentos operacionais formais de segurança e de emergência, produtividade compatível com segurança etc.); confiabilidade de máquinas, processos e instalações (manutenção versus degradação); sistemas de registro e análise de falhas, incidentes e acidentes; espaços coletivos de discussão e decisão sobre saúde e segurança (CIPA’s, comitês diversos, atuação sindical...). III.Fase de remediação ou atenuação dos riscos (prevenção mitigadora) Objetivo: Reduzir ao máximo as conseqüências negativas de eventos/acidentes ocorridos. acidentes durante a operação de instalações, funcionamento de fábricas etc. Inclui a existência de plano de emergência interno (in site) e externo (off- site), treinamento com simulados, atenção às vítimas, primeiros socorros, indenizações e punições aos responsáveis (criadores de riscos).
  • 6. Alguns Desafios Realizar inventário das instalações de risco em todo o estado, com análise de risco e de vulnerabilidade nesses locais: qual o número de vítimas possíveis em caso de acidentes ? Como desenvolver e implementar planejamento de emergências envolvendo também a população, principalmente em áreas e grupos vulneráveis? Como melhorar a prevenção nas três fases (projeto, gerenciamento de riscos e mitigação das conseqüências) Análise de acidentes: é necessário acelerar a transição do paradigma no Brasil, passando da análise das causas imediatas e individuais para as causas latentes ou subjacentes de natureza gerencial. Organização e modelos de gerenciamento são as causas subjacentes ou latentes mais importantes dos acidentes.