SlideShare uma empresa Scribd logo
MÉTODO ADC  Árvore de Causas
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
O acidente só pode ser explicado se houver ao menos um elemento da situação habitual que tenha sido modificado. Não é possível que ocorra um acidente considerando-se apenas fatos permanentes. O encadeamento da variações traduz a dinâmica do acidente. A empresa deve ser considerada um grupamento de indivíduos que cooperam para uma realização econômica comum. Constituindo um sistema, isto é, um conjunto de partes interdependentes, articuladas em função de um fim. Nessa perspectiva o acidente é uma das manifestações de disfunção do sistema, capaz de revelar o caráter patológico de seu funcionamento.
Um indivíduo é ferido ou fere outro durante a execução de uma tarefa com certo material em determinado ambiente (meio). O conjunto composto dos quatro elementos (ou componentes), indivíduo-tarefa-material e meio, define uma unidade de análise denominada Atividade. A atividade corresponde a parte do trabalho desenvolvida por um indivíduo no sistema de produção considerado (uma fábrica, uma oficina ou uma canteiro de obras) e a cada indivíduo corresponde uma atividade. Assim, um acidente pode envolver várias atividades, desde que elas estejam estreitamente ligadas – isso se dá particularmente no caso de trabalho em equipe.
[object Object],[object Object],No caso de indivíduo as variações mais comuns são: Modificações psicológicas:  preocupação, descontentamento, etc. Modificações fisiológicas:   fadiga, embriagues, sono, condição inabitual, etc. Formação:   sem treinamento, treinamento deficiente, pouca experiência, etc. Ambiente moral:  clima social no local de trabalho.
[object Object],No caso de tarefa as variações mais comuns são:  Do modo operacional:  tarefa não habitual, rara, imprevista, modificação em tarefa habitual, precipitação ou ritmo de trabalho fora do normal, neutralização ou perturbação da máquina ou produto, antecipação de uma manobra, interpretação errônea na execução da tarefa, postura não prevista para efetuar uma operação, etc. Utilização da máquina ou ferramenta:  emprego anormal de uma máquina, utilização ou não de ferramenta ou acessório previsto, emprego de instrumento adaptado, uso de ferramenta ema mau estado, etc. Equipamento de proteção:  equipamento com defeito, impróprio, inabitual, falta de uso de EPI, etc.
[object Object],No caso de material as variações mais comuns são: Matéria prima:  modificação em sua características (peso, dimensão, temperatura), mudança no ritmo de alimentação de material. Máquinas e meio de produção:  mal funcionamento, incidente técnico, pane, modificação parcial ou total de uma máquina, nova instalação, falta de manutenção, falta de dispositivo de proteção, etc. Energia:  variação, interrupção, variação brusca ou não controlada, etc.
[object Object],No caso de meio de trabalho as variações mais comuns são: Ambiente físico de trabalho:  iluminação, nível de ruído, temperatura, umidade, aerodispersóides, etc.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A elaboração tem início na lesão. A partir dela procura-se os fatos que levaram a ocorrência do acidente, voltando-se o mais atrás possível. O objetivo é descobrir o encadeamento das causas que o provocaram.
REPRESENTAÇÃO GRÁFICA: Fato permanente, rotineiro, habitual. Fato anormal, irregular, ocasional, eventual, não habitual. Ligação verificada, que efetivamente contribuiu para a ocorrência do fato seguinte. Ligação verificada que aumenta a probabilidade da ocorrência.
REPRESENTAÇÃO GRÁFICA: ou Sentido a seguir: Funcionário escorregou Funcionário caiu Sentido empregado na pesquisa para verificar o que aconteceu. Primeiro o funcionário caiu e depois de descobre o fato anterior: escorregou Sentido que representa a seqüência dos fatos. Primeiro o funcionário escorregou e depois caiu.
Sempre para um fato (Y) há um antecedente (X). Pergunta-se então: diante de um fato (Y) que acontecimento (X) antecedeu a este? Antecedente (X) fato (Y)
Seqüência:  quando um acontecimento (Y) tem uma única causa direta (X) X Y Funcionário escorregou Funcionário caiu Disjunção:  quando diversos acontecimentos (Y) decorrem de um só antecedente (X) X Y Chuva chão molhado Y piso escorregadio
Conjunção:  quando um acontecimento (Y) decorre de vários antecedentes (X). Nesse caso não basta apenas perguntar qual fato antecedeu a este. É preciso perguntar também se foi preciso acontecer mais alguma coisa. Y X Funcionário escorrega piso molhado X sola do calçado liso Existem, ainda, fatos independentes, quando não há qualquer relação entre eles.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
FATOR DE ACIDENTE COMPONENTE fratura da mão direita Indivíduo cai sobre a mão direita Tarefa tropeça no degrau Tarefa degrau em local de circulação Meio de trabalho QUADRO DE REGISTRO DE VARIAÇÕES
A Sra. B está atrasada para o almoço e caminha rapidamente em direção ao refeitório, fazendo seu trajeto habitual. Ao passar pelo corredor que dá acesso a saída do galpão uma vassoura, que estava encostada na parede, escorrega à sua frente e a Sra. B, ao tropeçar nela, cai no chão sobre a mão direita, sofrendo fratura do osso escafóide. A Sra. B está gripada e acha que por isso seu trabalho rendeu menos naquela manhã.  O intervalo de almoço é de uma hora e, tanto a Sra. B quanto a encarregada de seu setor afirmam que “o horário de almoço é muito corrido porque há fila no refeitório”. O refeitório está a cerca de 200 metros da fábrica. ACIDENTE AO DIRIGIR-SE AO REFEITÓRIO
FATOR DE ACIDENTE COMPONENTE A Sra. B. fratura o escafóide da mão direita Indivíduo A Sra. B.cai sobre a mão direita Tarefa A Sra. B.tropeça na vassoura Tarefa A vassoura está em local de circulação Meio de trabalho A vassoura escorrega na frente da Sra. B. Meio de trabalho A Sra. B.caminha rapidamente Tarefa A Sra. B. está atrasada Tarefa Há pressão de tempo no horário de almoço Meio de trabalho O intervalo de almoço é de uma hora Meio de trabalho Há sempre fila para almoçar Meio de trabalho A Sra. B. está gripada Indivíduo Vassoura encostada na parede Meio de trabalho
? ? A vassoura está encostada na parede MT MT MT MT MT MT I T T T I A vassoura está em local de circulação A vassoura escorrega na frente da Sra.B A Sra.B está com gripe ? T A Sra.B está atrasada A Sra.B caminha rapidamente Há sempre pressão de tempo horário almoço Intervalo de almoço 1 hora Fila para almoço A Sra.B tropeça vassoura A Sra.B cai sobre mão direita A Sra.B fratura o escafóide da mão direita
A Sra. A e a Sra. B trabalham, respectivamente, como secretária e auxiliar em escritório de advocacia, numa sala de pequenas proporções (2,80 X 3,30 metros). Há dois dias o escritório está sendo remodelado, inclusive a sala em que as duas senhoras trabalham. No dia do acidente a janela dessa sala está sendo trocada e o marceneiro encarregado do serviço liga uma extensão para possibilitar o funcionamento de uma furadeira e os fios ficam sobre o chão da sala. Os fios são pretos e o piso da sala é de carpete cinza escuro, quase preto.  Após o almoço a auxiliar foi dispensada do trabalho para resolver problemas pessoais e a Sra. A permanece sozinha no escritório. No meio da tarde a Sra A vai ao banheiro e, quando já está voltando, ouve a campainha do telefone tocar em sua sala. Preocupada em atender ao chamado, a Sra A corre em direção ao aparelho, não vê os fios no chão, tropeça neles, cai e bate com a cabeça no arquivo que está ao lado da mesa do telefone. A Sra A sofre trauma crânio encefálico. ACIDENTE AO ÀTENDER O TELEFONE
FATOR DE ACIDENTE COMPONENTE A Sra. A sofre trauma crânio encefálico Indivíduo O crânio da Sra. A se choca contra o arquivo Tarefa O arquivo está muito próximo a mesa fone Meio de trabalho O escritório é pequeno Meio de trabalho A Sra A sofre queda Tarefa A Sra. A enrosca os pés nos fios Tarefa A Sra.A corre para atender o fone Tarefa A Sra B está ausente Tarefa A Sra A está voltando do banheiro Tarefa O piso é escuro Meio de trabalho Os fios são pretos Material Há fios no chão Meio de trabalho O marceneiro ligou extensão na furadeira Tarefa O marceneiro troca a janela Tarefa A sala está sendo remodelada Meio de trabalho A sra A é secretária Indivíduo A auxiliar da sra A foi dispensada Meio de Trabalho A Sra.A não vê os fios no chão Meio de Trabalho Material O fone toca na sala da Sra.A
T I O crânio se choca contra o arquivo A Sra.A sofre trauma craniano MT T A Sra.A cai Arquivo  próximo a mesa MT Escritório é pequeno T A Sra A enrosca pés nos fios T A Sra.A corre atender fone T A Sra.A não vê os fios no chão MT M T MT MT M T’ T’ MT’ O fone toca na sala da Sra A A Sra.B está ausente A Sra.A está no banheiro O piso é escuro O fios são pretos Há  fios no chão Marceneiro ligou uma extensão  Marceneiro troca janela Sala está sendo remodelada
FATOR DE ACIDENTE COMPONENTE O Sr W fratura o 4 o  e o 5 o  QME Indivíduo Os dedos são prensados em zona entrante Tarefa Luva da M.E. é tracionada zona entrante Tarefa Apóia a ME na parte + larga do martelo Material Formação zona entrante martelo e faca Tarefa O Sr W está na ponta dos pés Tarefa A guilhotina é acionada Material Martelo e lâmina descem veloc. diferentes Material O Sr. W mede 1,60 m Indivíduo Guilhotina 1,5 m e bancada 0,5 m largura Material Posiciona visual chapa para corte Tarefa Lâmina mede 2,5 m comprimento Material Corta peças de 0,045X0,5 m Tarefa Guilhot. grande p/corte de peças pequenas Tarefa A distância entre o martelo e a faca 1,2 cm Material
I T T T M T I M T T M MT T M M ? ? Formação zona entrante martelo e lâmina Dedos esmagados zona entrante Fratura dedos ME Luva ME tracionada Sr.W pontas  dos pés Sr.W apóia ME no martelo Guilhotina acionada Sr.W posiciona chapa visual p/corte Distância entre martelo e faca é de 1,2 cm. O martelo e a lâmina descem com velocidades diferentes. Sr.W mede 1,60 m Guilhotina tem 1,50 e a bancada 0,50 de largura Guilhotina gde. porte para corte de peças pequenas Lâmina tem 2,5 m Sr.W corta peças 0,045 X 0,50 m

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho em altura nr 35 (treinamento)
Trabalho em altura   nr 35 (treinamento)Trabalho em altura   nr 35 (treinamento)
Trabalho em altura nr 35 (treinamento)
Bruno Monteiro
 
Treinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de ServiçoTreinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de Serviço
Tst_Thiago
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35
Gil Mendes
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
Jose Fernandes
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
Rapha_Carvalho
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de risco
Sara Jaqueline
 

Mais procurados (20)

NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia
NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia
NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
 
NR-33 espaço confinado (2017/2018)
NR-33 espaço confinado (2017/2018)NR-33 espaço confinado (2017/2018)
NR-33 espaço confinado (2017/2018)
 
Trabalho em altura nr 35 (treinamento)
Trabalho em altura   nr 35 (treinamento)Trabalho em altura   nr 35 (treinamento)
Trabalho em altura nr 35 (treinamento)
 
Modulo 1 PGR
Modulo 1 PGRModulo 1 PGR
Modulo 1 PGR
 
Procedimento de análise de acidentes e incidentes
Procedimento de análise de acidentes e incidentesProcedimento de análise de acidentes e incidentes
Procedimento de análise de acidentes e incidentes
 
NR-1
NR-1NR-1
NR-1
 
Treinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de ServiçoTreinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de Serviço
 
Dia nacional de prevencão de acidentes de trabalho
Dia nacional de prevencão de acidentes de trabalhoDia nacional de prevencão de acidentes de trabalho
Dia nacional de prevencão de acidentes de trabalho
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Apresentaçao-NR-33.pdf
Apresentaçao-NR-33.pdfApresentaçao-NR-33.pdf
Apresentaçao-NR-33.pdf
 
Treinamento de integração nr 1 upload
Treinamento de integração nr 1 uploadTreinamento de integração nr 1 upload
Treinamento de integração nr 1 upload
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
 
272517435 curso-nr20-basico-ppt
272517435 curso-nr20-basico-ppt272517435 curso-nr20-basico-ppt
272517435 curso-nr20-basico-ppt
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de risco
 

Semelhante a Cipa Arvore De Causas

a_contribuicao_da_ergonomia_para_a_analise_e_prevencao_de_acidentes_-_aula_.ppt
a_contribuicao_da_ergonomia_para_a_analise_e_prevencao_de_acidentes_-_aula_.ppta_contribuicao_da_ergonomia_para_a_analise_e_prevencao_de_acidentes_-_aula_.ppt
a_contribuicao_da_ergonomia_para_a_analise_e_prevencao_de_acidentes_-_aula_.ppt
ArielO8
 
Harmonia nos ambientes de trabalho fatores construtivos e destrutivos
Harmonia nos ambientes de trabalho   fatores construtivos e destrutivosHarmonia nos ambientes de trabalho   fatores construtivos e destrutivos
Harmonia nos ambientes de trabalho fatores construtivos e destrutivos
Universidade Federal Fluminense
 

Semelhante a Cipa Arvore De Causas (20)

Arvore de Causas.ppt
Arvore de Causas.pptArvore de Causas.ppt
Arvore de Causas.ppt
 
Cipa - Principais Fatores Arvore de Causas
Cipa - Principais Fatores Arvore de CausasCipa - Principais Fatores Arvore de Causas
Cipa - Principais Fatores Arvore de Causas
 
7+árvore+..
7+árvore+..7+árvore+..
7+árvore+..
 
Arvore de causas
Arvore de causasArvore de causas
Arvore de causas
 
Fatores eficazes para investigação de acidentes
Fatores eficazes para investigação de acidentesFatores eficazes para investigação de acidentes
Fatores eficazes para investigação de acidentes
 
P p apres..
P p apres..P p apres..
P p apres..
 
a_contribuicao_da_ergonomia_para_a_analise_e_prevencao_de_acidentes_-_aula_.ppt
a_contribuicao_da_ergonomia_para_a_analise_e_prevencao_de_acidentes_-_aula_.ppta_contribuicao_da_ergonomia_para_a_analise_e_prevencao_de_acidentes_-_aula_.ppt
a_contribuicao_da_ergonomia_para_a_analise_e_prevencao_de_acidentes_-_aula_.ppt
 
Material curso senai segurança do trabalho - com índice
Material curso senai   segurança do trabalho - com índiceMaterial curso senai   segurança do trabalho - com índice
Material curso senai segurança do trabalho - com índice
 
INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES.pptx
INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES.pptxINVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES.pptx
INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES.pptx
 
Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1Manual de treinamento da cip1
Manual de treinamento da cip1
 
Ebook gestão de riscos de sst
Ebook gestão de riscos de sstEbook gestão de riscos de sst
Ebook gestão de riscos de sst
 
AULA DE RISCOS DE RISCOS.pptx
AULA DE RISCOS DE RISCOS.pptxAULA DE RISCOS DE RISCOS.pptx
AULA DE RISCOS DE RISCOS.pptx
 
Treinamento de cipa
Treinamento de cipaTreinamento de cipa
Treinamento de cipa
 
Harmonia nos ambientes de trabalho fatores construtivos e destrutivos
Harmonia nos ambientes de trabalho   fatores construtivos e destrutivosHarmonia nos ambientes de trabalho   fatores construtivos e destrutivos
Harmonia nos ambientes de trabalho fatores construtivos e destrutivos
 
Higiene industrial
Higiene industrialHigiene industrial
Higiene industrial
 
Curso NR 5 Para CIPA
Curso NR 5 Para CIPACurso NR 5 Para CIPA
Curso NR 5 Para CIPA
 
Aula 08 Gestão de riscos
Aula 08   Gestão de riscosAula 08   Gestão de riscos
Aula 08 Gestão de riscos
 
CIPA_PARTE7_INVESTIGAÇAO_ACID.pptx
CIPA_PARTE7_INVESTIGAÇAO_ACID.pptxCIPA_PARTE7_INVESTIGAÇAO_ACID.pptx
CIPA_PARTE7_INVESTIGAÇAO_ACID.pptx
 
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptxTreinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
Treinamento INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES.pptx
 
Ficha nº 1
Ficha nº 1Ficha nº 1
Ficha nº 1
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 

Último (20)

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 

Cipa Arvore De Causas

  • 1. MÉTODO ADC Árvore de Causas
  • 2.
  • 3.
  • 4. O acidente só pode ser explicado se houver ao menos um elemento da situação habitual que tenha sido modificado. Não é possível que ocorra um acidente considerando-se apenas fatos permanentes. O encadeamento da variações traduz a dinâmica do acidente. A empresa deve ser considerada um grupamento de indivíduos que cooperam para uma realização econômica comum. Constituindo um sistema, isto é, um conjunto de partes interdependentes, articuladas em função de um fim. Nessa perspectiva o acidente é uma das manifestações de disfunção do sistema, capaz de revelar o caráter patológico de seu funcionamento.
  • 5. Um indivíduo é ferido ou fere outro durante a execução de uma tarefa com certo material em determinado ambiente (meio). O conjunto composto dos quatro elementos (ou componentes), indivíduo-tarefa-material e meio, define uma unidade de análise denominada Atividade. A atividade corresponde a parte do trabalho desenvolvida por um indivíduo no sistema de produção considerado (uma fábrica, uma oficina ou uma canteiro de obras) e a cada indivíduo corresponde uma atividade. Assim, um acidente pode envolver várias atividades, desde que elas estejam estreitamente ligadas – isso se dá particularmente no caso de trabalho em equipe.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. A elaboração tem início na lesão. A partir dela procura-se os fatos que levaram a ocorrência do acidente, voltando-se o mais atrás possível. O objetivo é descobrir o encadeamento das causas que o provocaram.
  • 12. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA: Fato permanente, rotineiro, habitual. Fato anormal, irregular, ocasional, eventual, não habitual. Ligação verificada, que efetivamente contribuiu para a ocorrência do fato seguinte. Ligação verificada que aumenta a probabilidade da ocorrência.
  • 13. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA: ou Sentido a seguir: Funcionário escorregou Funcionário caiu Sentido empregado na pesquisa para verificar o que aconteceu. Primeiro o funcionário caiu e depois de descobre o fato anterior: escorregou Sentido que representa a seqüência dos fatos. Primeiro o funcionário escorregou e depois caiu.
  • 14. Sempre para um fato (Y) há um antecedente (X). Pergunta-se então: diante de um fato (Y) que acontecimento (X) antecedeu a este? Antecedente (X) fato (Y)
  • 15. Seqüência: quando um acontecimento (Y) tem uma única causa direta (X) X Y Funcionário escorregou Funcionário caiu Disjunção: quando diversos acontecimentos (Y) decorrem de um só antecedente (X) X Y Chuva chão molhado Y piso escorregadio
  • 16. Conjunção: quando um acontecimento (Y) decorre de vários antecedentes (X). Nesse caso não basta apenas perguntar qual fato antecedeu a este. É preciso perguntar também se foi preciso acontecer mais alguma coisa. Y X Funcionário escorrega piso molhado X sola do calçado liso Existem, ainda, fatos independentes, quando não há qualquer relação entre eles.
  • 17.
  • 18. FATOR DE ACIDENTE COMPONENTE fratura da mão direita Indivíduo cai sobre a mão direita Tarefa tropeça no degrau Tarefa degrau em local de circulação Meio de trabalho QUADRO DE REGISTRO DE VARIAÇÕES
  • 19. A Sra. B está atrasada para o almoço e caminha rapidamente em direção ao refeitório, fazendo seu trajeto habitual. Ao passar pelo corredor que dá acesso a saída do galpão uma vassoura, que estava encostada na parede, escorrega à sua frente e a Sra. B, ao tropeçar nela, cai no chão sobre a mão direita, sofrendo fratura do osso escafóide. A Sra. B está gripada e acha que por isso seu trabalho rendeu menos naquela manhã. O intervalo de almoço é de uma hora e, tanto a Sra. B quanto a encarregada de seu setor afirmam que “o horário de almoço é muito corrido porque há fila no refeitório”. O refeitório está a cerca de 200 metros da fábrica. ACIDENTE AO DIRIGIR-SE AO REFEITÓRIO
  • 20. FATOR DE ACIDENTE COMPONENTE A Sra. B. fratura o escafóide da mão direita Indivíduo A Sra. B.cai sobre a mão direita Tarefa A Sra. B.tropeça na vassoura Tarefa A vassoura está em local de circulação Meio de trabalho A vassoura escorrega na frente da Sra. B. Meio de trabalho A Sra. B.caminha rapidamente Tarefa A Sra. B. está atrasada Tarefa Há pressão de tempo no horário de almoço Meio de trabalho O intervalo de almoço é de uma hora Meio de trabalho Há sempre fila para almoçar Meio de trabalho A Sra. B. está gripada Indivíduo Vassoura encostada na parede Meio de trabalho
  • 21. ? ? A vassoura está encostada na parede MT MT MT MT MT MT I T T T I A vassoura está em local de circulação A vassoura escorrega na frente da Sra.B A Sra.B está com gripe ? T A Sra.B está atrasada A Sra.B caminha rapidamente Há sempre pressão de tempo horário almoço Intervalo de almoço 1 hora Fila para almoço A Sra.B tropeça vassoura A Sra.B cai sobre mão direita A Sra.B fratura o escafóide da mão direita
  • 22. A Sra. A e a Sra. B trabalham, respectivamente, como secretária e auxiliar em escritório de advocacia, numa sala de pequenas proporções (2,80 X 3,30 metros). Há dois dias o escritório está sendo remodelado, inclusive a sala em que as duas senhoras trabalham. No dia do acidente a janela dessa sala está sendo trocada e o marceneiro encarregado do serviço liga uma extensão para possibilitar o funcionamento de uma furadeira e os fios ficam sobre o chão da sala. Os fios são pretos e o piso da sala é de carpete cinza escuro, quase preto. Após o almoço a auxiliar foi dispensada do trabalho para resolver problemas pessoais e a Sra. A permanece sozinha no escritório. No meio da tarde a Sra A vai ao banheiro e, quando já está voltando, ouve a campainha do telefone tocar em sua sala. Preocupada em atender ao chamado, a Sra A corre em direção ao aparelho, não vê os fios no chão, tropeça neles, cai e bate com a cabeça no arquivo que está ao lado da mesa do telefone. A Sra A sofre trauma crânio encefálico. ACIDENTE AO ÀTENDER O TELEFONE
  • 23. FATOR DE ACIDENTE COMPONENTE A Sra. A sofre trauma crânio encefálico Indivíduo O crânio da Sra. A se choca contra o arquivo Tarefa O arquivo está muito próximo a mesa fone Meio de trabalho O escritório é pequeno Meio de trabalho A Sra A sofre queda Tarefa A Sra. A enrosca os pés nos fios Tarefa A Sra.A corre para atender o fone Tarefa A Sra B está ausente Tarefa A Sra A está voltando do banheiro Tarefa O piso é escuro Meio de trabalho Os fios são pretos Material Há fios no chão Meio de trabalho O marceneiro ligou extensão na furadeira Tarefa O marceneiro troca a janela Tarefa A sala está sendo remodelada Meio de trabalho A sra A é secretária Indivíduo A auxiliar da sra A foi dispensada Meio de Trabalho A Sra.A não vê os fios no chão Meio de Trabalho Material O fone toca na sala da Sra.A
  • 24. T I O crânio se choca contra o arquivo A Sra.A sofre trauma craniano MT T A Sra.A cai Arquivo próximo a mesa MT Escritório é pequeno T A Sra A enrosca pés nos fios T A Sra.A corre atender fone T A Sra.A não vê os fios no chão MT M T MT MT M T’ T’ MT’ O fone toca na sala da Sra A A Sra.B está ausente A Sra.A está no banheiro O piso é escuro O fios são pretos Há fios no chão Marceneiro ligou uma extensão Marceneiro troca janela Sala está sendo remodelada
  • 25. FATOR DE ACIDENTE COMPONENTE O Sr W fratura o 4 o e o 5 o QME Indivíduo Os dedos são prensados em zona entrante Tarefa Luva da M.E. é tracionada zona entrante Tarefa Apóia a ME na parte + larga do martelo Material Formação zona entrante martelo e faca Tarefa O Sr W está na ponta dos pés Tarefa A guilhotina é acionada Material Martelo e lâmina descem veloc. diferentes Material O Sr. W mede 1,60 m Indivíduo Guilhotina 1,5 m e bancada 0,5 m largura Material Posiciona visual chapa para corte Tarefa Lâmina mede 2,5 m comprimento Material Corta peças de 0,045X0,5 m Tarefa Guilhot. grande p/corte de peças pequenas Tarefa A distância entre o martelo e a faca 1,2 cm Material
  • 26. I T T T M T I M T T M MT T M M ? ? Formação zona entrante martelo e lâmina Dedos esmagados zona entrante Fratura dedos ME Luva ME tracionada Sr.W pontas dos pés Sr.W apóia ME no martelo Guilhotina acionada Sr.W posiciona chapa visual p/corte Distância entre martelo e faca é de 1,2 cm. O martelo e a lâmina descem com velocidades diferentes. Sr.W mede 1,60 m Guilhotina tem 1,50 e a bancada 0,50 de largura Guilhotina gde. porte para corte de peças pequenas Lâmina tem 2,5 m Sr.W corta peças 0,045 X 0,50 m