Outdoor - Materiais e processos

14.062 visualizações

Publicada em

Apresentação de pesquisa

  • Seja o primeiro a comentar

Outdoor - Materiais e processos

  1. 1. Outdoor (pronuncie “Autdor”)Pesquisa de Materiais e processos
  2. 2. Visão Geral• Abreviatura de Outdoor Advertising, propaganda ao ar livre.No Brasil• É uma das formas de propaganda ao ar livre.• Padroniza-se a medida 9x3m.
  3. 3. • Todo outdoor é uma propaganda ao ar livre, mas nem toda propaganda ao ar livre é um outdoor. Permanece 24 horas exposto, logo, ideal para marcar presença rapidamente.
  4. 4. Vantagens• Atinge Diretamente o Consumidor;• Grande Impacto Visual;• Maior Visibilidade à Marca;• Grande Eficácia, demonstrando um ótimo aproveitamento que supera os 70%;• Lembrança Garantida, muito superior às outras mídias;• Valoriza sua Mensagem;• Grande Poder de Cobertura;• Rápido Retorno;• A melhor relação Custo/Benefício entre todas as mídias exteriores.
  5. 5. Crítica• Analistas dizem que o meio contribui com uma grande parcela para poluição visual das cidades.
  6. 6. Origens• Modo de comunicação antiquíssimo.• Referências: Na Bíblia, “Escreve, e torne bem legível sobre tábuas, para que aquele que ler, corra com ela” Habacuque 2:2; Mesopotâmia: anúncios de vinhos talhados em pedras gigantes (axones); Roma Antiga: retângulos claros, divididos por tiras de metal, pintados com carvão.
  7. 7. No Brasil,• Agosto de 1929 é fundada a Publix, primeira exibidora de Outdoors e atuante até hoje. Eram ovais, fixados em postes. Produzidos a mão, propiciou o desenvolvimento de escolas para ilustradores e letristas. Posteriormente, colados nos bondes, usando meia folha. As gráficas se especializaram e logo foi possível impressos de até 64 folhas, mas assim não havia um consenso entre as produções. Cartazes prontos vindos do exterior eram feitos em 24 e precisavam ser refilados para uso.
  8. 8. • O formato 32 folhas padronizou-se para facilitação da criação de layout (duas tabuletas de 16 folhas).• Um marco importante foi a criação da gigantografia e causou revolução, pois ficou possível utilizar os mesmos cromos de outros trabalhos como jornais e revistas. (O primeiro cliente foi a Nestlé, anunciando o leite Ninho pela agência McCAnn-Erickson)• A Central de Outdoor foi fundada em Agosto de 1977, entidade responsável por fundamentar princípios deste setor da publicidade e é referência quase unânime contando com mais de 1000 empresas afiliadas.
  9. 9. Materiais• Geralmente chapas galvanizadas (n.o 26) em estruturas de madeira, porém podem variar a cada empresa exibidora, assim como os métodos construtivos, dependendo do espaço disponível. Quanto menor o espaço, terreno mais acidentado, mas vigas de escoras.• Com o custo da madeira excedendo o do metal, é cada vez mais comum o uso de estruturas metálicas chumbadas no terreno.• Precisam ser licenciadas, possuem seguro. Instalados em terrenos alugados, são regulamentadas pelo poder público e geram locações, taxas, impostos, enfim, valores particulares e para a municipalidade.
  10. 10. Processo – Direção• Ninguém pára e fica olhando um outdoor. Quem vê um cartaz publicitário, quase sempre está em movimento, seja de automóvel, de ônibus ou mesmo a pé. O fato é que o outdoor eficiente deve comunicar a mensagem de forma extremamente concisa. Rapidez na comunicação é fundamental.• Tipos de fácil visualização, americanos defendem até 8 palavras. Olivetto defende que não deve haver limite, porque se forem necessárias 15 para externar uma boa idéia, isso justifica. Porém ainda deve-se observar alguns outros pontos ao criar.
  11. 11. “Realmente, mata a sede!” “O banco da sua vida”(Gatorade) (Banco Real) “Tomou Doril, a dor sumiu” “Bem estar bem”(Doril) (Natura) “Potencia não é nada sem controle” “Deixe um Ford surpreender você”(Pirelli) (Ford) “Porque a vida é agora” “A onda é ser feliz agora”(Visa) (Beach Park) “Os líderes vestem” “A Arte de escrever”(Hugo Boss) (Montblanc)
  12. 12. • Informações distintas tendem a poluir: logotipo, chamada, ilustração, foto, endereço, tarja, assim, diminuem o impacto.• Nada de contar história, tanto no texto, como no layout.• Contraste deve ser levado a sério, pois compete não só com outros anúncios, mas com todo espaço urbano e natural.• A partir destas dicas essenciais e o conceito pronto, cria-se o arquivo digital que será enviado para impressão.
  13. 13. Produção Gráfica• As folhas possuem o formato de 112x76 cm (32 folhas) ou 112x152 cm (16 folhas), resultando 8,80 m x 2,90 m.• Arte-final: formato mínimo de 48x16 cm, formato ideal 90x30 cm. com boas margens para colagem.• Pode-se trabalhar com 1/10 do formato final.• Produzir em 300dpi no mínimo.
  14. 14. • Exemplo: Este 1/16 esta com 2cm de margem horizontal e 10cm verticais.
  15. 15. • Todas as cromias deverão estar em CMYK, se for utilizar Pantone, deverão estar convertidas para CMYK. As fontes, convertidas em curvas no caso de trabalhos em Corel/AI.• A diagramação deve ser projetada para que se houver mudança na mensagem, apenas algumas folhas são alteradas. Exemplo: mesma campanha, endereços diferentes.
  16. 16. • Para a impressão, o papel utilizado é o monolúcido 75 gramas, ou similar, ideal para o outdoor por ser ligeiramente brilhante de um lado (o que proporciona cores mais vivas) e áspero do outro lado (o que facilita a colagem). Além disso, é um papel que oferece a resistência suficiente para as intempéries a que se submete o cartaz. A Clear Channel, produtora que abrange Campinas e região, inovou com a tecnologia “Blue Back”. O papel denominado de “Blue Back” tem uma cor azul no verso que impede a transparência das campanhas antigas que estão sendo cobertas.• Para cada 1000 cartazes, utiliza-se até 250 quilos de tinta
  17. 17. • Os métodos comumente utilizados são Off-set, Silk Screen e Lona.• Off-set: Sem preparação especial, mesmo processo de outros trabalhos como folhetos. Fotolito, chapas.• Silk Screen: Utilizado em pequenas tiragens, tem um custo relativamente menor ao off-set, embora sejam mais limitadas em rapidez e possibilidades técnicas. Trabalha-se manualmente, como qualquer processo serigráfico: tela e papel.• Lona: Plotagem com tinta a prova d’água em lona de alta resistência. Tem o tamanho total da tabuleta e é aplicada sobre ela.• Em países com tecnologia avançada já é possível a impressão diretamente na placa. A máquina é chamada Michelangelo.
  18. 18. • Off-set: Após pré-impressão (fotolito, chapa ou ctp), o trabalho entra em máquina. Ao lado, esquema off-set. Tinta é distribuída pelos rolos, entra em contato com a chapa que, umedecida corretamente, passa o conteúdo da mancha (emulsão) para a blanqueta. Um outro rolo, o impressor, serve como transporte, pegando a folha, pressionando-a contra a blanqueta, pega outra, e assim sucessivamente.
  19. 19. Cada cor (CMYK) é preciso um fotolito,uma chapa, uma passada de máquina.No caso do outdoor, uma máquina 4cores é a melhor opção.
  20. 20. • Lona: Do arquivo digital diretamente para plotagem. Depois, é montar e colar na tabuleta.
  21. 21. • As folhas saem da gráfica numeradas no verso, para orientar o trabalho do colador. Na colagem, as folhas são fornecidas ao colador de forma que ele inicie seu trabalho afixando a primeira no canto superior esquerdo da tabuleta. Numa colagem, a escada é mudada de posição quatro vezes.• Quando da impressão do cartaz, é praxe que o anunciante autorize a impressão de uma quantidade 10% maior que o número necessário. Este excedente servirá para a manutenção das folhas que venham ocasionalmente a ser danificadas.• Uma raspagem sobre a tabuleta é realizada normalmente após três colagens, eliminando as folhas anteriormente coladas.
  22. 22. Processo de Comercialização• O outdoor é quinzenal, uma bi-semana.• A renovação se dá ao primeiro sábado de cada mês.• Os preços variam de acordo com as rotas: roteiro nobre, shopping, supermercado, perimetrais.• Apliques são conteúdos que exteriorizam a imagem do outdoor, fazem o trabalho sair da limitação espacial e inclusive ganhar volume. O preço é calculado por metro quadrado e adicionado ao valor anterior.
  23. 23. • Em Janeiro de 2007 a prefeitura da cidade de São Paulo criou uma lei proibindo qualquer tipo de outdoor. A lei começou a valer em Março de 2007, mas judicialmente várias empresas publicitárias foram autorizadas a prorrogar o prazo de retirada até Abril de 2007.• As normas de comercialização são regidas pela CONAR (Conselho Nacional de auto-regulamentação Publicitária) onde é possível saber regras quanto à ética, autorizações, etc)
  24. 24. Sorocaba• Principais exibidoras: BR Outdoor, 26 pontos. Imagem Sorocaba, 176 pontos na cidade. Valor De Veiculação Unitário: R$645,00 Clear Channel (Campinas), 22 pontos. Valor variável de acordo com a rota. Outras: J.Silva; Klimel.• Impressão de grandes formatos: Quali Gráfica, SoroMídia, Digiall.
  25. 25. Bônus
  26. 26. PENSE GRANDE, ALTO E RÁPIDO.VEICULE EM OUTDOOR.
  27. 27. Referências• http://www.clearchannel.com.br/servicos/book_do_interior_sp.htm• http://www.davinoutdoor.com.br/outdoor/gabarito.htm• http://www.pimentaprint.com.br/Download/fechamento.pdf• http://outdoorinteriorsp.org.br/centraloutdoor/• http://www.broutdoor.com.br/mapadepontos.html• http://www.designarte.pt/main.php?id=116&det=16• Farma&Farma – Banco de dados• http://www.graficalancedigital.com.br/index.html• Criatividade em Outdoor: Um estudo da campanha Feito para você – Itaú, Mestrado de Renata Degani de Souza Bastos, Marília, 2006.• OUTDOOR: uma visão do meio por inteiro/ Central de Outdoor, supervisão geral, Cláudio Pereira; atualização e texto, Celso Sabadin. Rio de Janeiro: Bloch, 1997.• Apresentação: Outdoor, Wanderlei Pare, MetroCamp. http://www.dalete.com.br

×