consumo-de-oxigenio-no-exercicio

526 visualizações

Publicada em

consumo-de-oxigenio-no-exercicio

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
526
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

consumo-de-oxigenio-no-exercicio

  1. 1. Consumo de Oxigênio no Exercício Déficit e débito de oxigênio
  2. 2. Débito de Oxigênio ou EPOC (Exercise Post Oxygen Consume) • Após o exercício, demoramos a atingir o nível de consumo de oxigênio que estávamos quando em repouso. O tempo que levamos até o retorno a tais níveis é o débito de oxigênio, ou seja, a quantidade de oxigênio consumida durante a recuperação, acima daquela que teria sido consumida em repouso.
  3. 3. Demanda de oxigênio durante o exercício e a recuperação
  4. 4. Variação no Débito de O2 • A variação resulta do nível de esforço: – Exercício leve: • Déficit de O2 pequeno • Estado estável atingido rapidamente • 30 s – 50% – Exercício moderado a intenso: • Maior participação anaeróbia • Maior acúmulo de ácido lático • Recuperação completa leva mais tempo.
  5. 5. Fases da recuperação • Fase de O2 de recuperação rápida (FRR) – Débito alático de O2 • Fase de O2 de recuperação lenta (FRL) – Débito lático de O2
  6. 6. Principais funções do EPOC • Reposição de reservas energéticas • Remoção do ácido lático • Reposição das reservas de oxigênio • Efeitos termogênicos da temperatura central elevada e dos hormônios • Efeitos da FC elevada, ventilação e outros níveis elevados da função fisiológica.
  7. 7. Consumo Máximo de Oxigênio (VO2max) • O consumo de oxigênio durante uma atividade ou exercício físico é considerado hoje como o principal determinante da capacidade de trabalho aeróbio. • Diversos fatores influenciam diretamente na capacidade de trabalho aeróbio, mas nenhum tem tanto comprometimento fisiológico como o VO2max.
  8. 8. • Outros fatores que influenciam na capacidade aeróbia são: – Número de capilares – Enzimas – Tipo de fibras – Sistema nervoso
  9. 9. Atividades ou testes • A determinação do VO2max exige que grandes massas musculares estejam envolvidas em uma atividade por tempo logo o suficiente para que o metabolismo aeróbio torne-se o principal fornecedor de energia para a manutenção da atividade.
  10. 10. Unidade de medida • VO2 absoluto : l/min ou l.min-1 • VO2 relativo: ml/kg/min ou ml.kg.min-1 • Temos uma equação que transforma VO² absoluto em relativo: • VO² abs = MCT x VO²rel 1000 • assim como transformar VO² relativo em absoluto: • VO² rel = VO² abs x 1000 MCT
  11. 11. Medida do Consumo Energético Humano • A quantidade de energia gerada pelo corpo durante o repouso e o esforço muscular pode ser determinado com exatidão por métodos que são classificados como calorimetria direta e calorimetria indireta.
  12. 12. Calorimetria • Calorimetria direta – Calorímetro • Calorimetria indireta – Espirometria de circuito fechado – Espirometria de circuito aberto
  13. 13. • ESPIROMETRIA DE CIRCUITO FECHADO • O método da espirometria de circuito fechado é utilizado rotineiramente nos hospitais e laboratórios onde são feitas as estimativas, em repouso, do gasto energético. O indivíduo respira a partir de um recipiente previamente cheio ou espirômetro de oxigênio. Este sistema é considerado fechado, pois a pessoa reinala apenas o gás presente no espirômetro. O dióxido de carbono presente no ar exalado é absorvido por um recipiente contendo cal sodada (hidróxido de potássio) colocada no circuito respiratório: um tambor que gira a uma velocidade conhecida é conectado ao espirômetro para registrar as alterações de volume do sistema à medida que o oxigênio é consumido.
  14. 14. • ESPIROMETRIA DE CIRCUITO ABERTO • Com esse método o indivíduo inala ar ambiente. Como o oxigênio é utilizado durante as reações com produção de energia e formação de dióxido de carbono, o ar exalado contém menos oxigênio e mais dióxido de carbono que o ar inalado. Assim sendo, uma análise da diferença na composição entre o ar inalado e o ar exalado dos pulmões reflete a liberação constante de energia pelo corpo. O método com circuito aberto proporciona maior mobilidade ao examinando. As duas técnicas mais comuns para a espirometria com circuito aberto no exercício utilizam:
  15. 15. Um espirômetro portátil e leve, ou; O "Saco de Douglas", que é usado rotineiramente para recolher ar expirado em condições laboratoriais. Isso inclui também os métodos computadorizados para a amostragem e análise de pequenas alíquotas de ar expirado.
  16. 16. M E T • O gasto energético humano apresenta cinco diferentes momentos no nosso consumo calórico diário. Como 5 Kcal correspondem aproximadamente a 1 litro de oxigênio consumido, é igualmente possível representar essa classificação em 5 estágios, em termos de litros de oxigênio consumido por minuto, ou mililitros de oxigênio consumidos por quilograma de massa corporal por minuto (ml.kg-1.min-1), ou METS, com um MET sendo definido como um múltiplo da taxa metabólica de repouso.
  17. 17. Repouso!!!
  18. 18. Exercício...?
  19. 19. • Assim sendo, um MET equivale ao consumo de oxigênio em repouso e, para homens e mulheres comuns, é de aproximadamente 250 a 200 ml/min, respectivamente. Um trabalho com dois METS requer duas vezes o metabolismo de repouso, ou aproximadamente 500 ml de oxigênio por minuto para um homem, sendo que três METS correspondem a três vezes o gasto de energia em repouso e assim por diante.
  20. 20. • Para classificações ligeiramente mais precisas, o MET pode ser enunciado em termos de consumo de oxigênio por unidade de massa corporal, com um MET sendo igual a aproximadamente 3,5 ml.kg.min-1 .
  21. 21. • A média das taxas diárias de dispêndio de energia para homens e mulheres que vivem nos EUA. Entre os 23 e 50 anos de idade, o homem "médio" despende entre 2700 e 3000 kcal/dia e a mulher aproximadamente 2000 a 2100 kcal. • Tempo médio despendido durante o dia por homens e mulheres (ver tabela) • Dados de Food and Nutrition Board, National Research Council, Quantidades Dietéticas Recomendadas, 8ª ed. rev.l; National Academy of Sciences, Washington, D.C.,1980. 24Total 2Recreacional 2Andando 6Em pé 6Sentado 8Dormindo e deitado Tempo (h) Atividade
  22. 22. • Dispêndio de energia, kcal/dia • Ocupação Médio Mínimo Máximo • Homens Idosos aposentados 2330 1750 2810 Funcionários de escritório 2520 1820 3270 Técnicos de laboratório 2840 2240 3820 Estudantes universitários 2930 2270 4410 Operários de construção 3000 2440 3730 • Mulheres Domésticas idosas 1990 1490 2410 Assistentes de laboratório 2130 1340 2540 Assist. de lojas de depto 2250 1820 2850 Estudantes universitárias 2290 2090 2500 Operárias de fábricas 2320 1970 2980 • Dados de Durnin, J.V.G.A., e Passmore, R.: Energy, Work and Leisure, London, Heinemann Educational Books, 1967.
  23. 23. Valores importantes para o cálculo do gasto energético na atividade física • VO² abs = MCT x VO² rel 1000 • VO² rel = VO² abs x 1000 MCT • 1 MET = 3,5 ml.kg-1min-1 • 1 MET = 1,25 Kcal ou seja • 3,5 ml.kg-1min-1 = 1,25 Kcal

×