Cadeira de
HISTÓRIA DO PORTO
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
Professor Doutor
Artur Filipe dos San...
A CADEIA DA RELAÇÃO
Centro Português de Fotografia
Artur Filipe dos Santos
2
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Con...
AUTOR
Artur Filipe dos Santos
artursantosdocente@gmail.com
www.artursantos.no.sapo.pt
www.politicsandflags.wordpress.com
•...
A Universidade Sénior
Contemporânea
Web: www.usc.no.sapo.pt
Email: usc@sapo.pt
Edições online: www.edicoesuscontemporanea....
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
5
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Do lado Nascente do
Jardim...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
6
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A conclusão ocorreu em
179...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
7
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Foi erigido no local
onde ...
• Na Cadeia, que demorou
cerca de 29 anos a
construir e custou 200 mil
réis, funcionou o próprio
Tribunal da Relação do
Po...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
9
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Criada em 27 de Julho de
1...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
10
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Poucos anos depois, o
Tri...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
11
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Os desembargadores
eram o...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
12
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A Relação manteve-se
em a...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
13
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Também esta, sofria do
ma...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
14
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Andou, primeiro, pela
Alb...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
15
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• depois instalou-se
(1504)...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
16
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A ordem de Filipe I (O
Pr...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
17
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Os trabalhos duraram
três...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
18
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Isto é, quem era
condenad...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
19
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O edifício, considerado
e...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
20
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• História do Tribunal da
R...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
21
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• D. João I havia criado a
...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
22
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O mais alto magistrado
de...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
23
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Estipulavam as
Ordenações...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
24
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• e sobretudo tão inteiro
q...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
25
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• E assim deve ser
abastado...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
26
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• «E assim deve temperar a
...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
27
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Desde o século XV os
reis...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
28
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• As razões postas baseavam...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
29
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O Rei não acedeu,
preferi...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
30
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Em vez disso, concedia
«a...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
31
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• NOVAS INSTALAÇÕES • Uma n...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
32
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Foi, no entanto, seguida
...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
33
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A Cadeia da Relação,
just...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
34
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Nos andares de cima, os m...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
35
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Essas celas comuns
eram c...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
36
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Havia uma oficina
denomin...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
37
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Nos seus soturnos
ergástu...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
38
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• esta mesma cela esteve
pr...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
39
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Ana Plácido, então
amante...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
40
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O médico que
envenenou fa...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
41
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Textos do Juíz Concelheir...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
42
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICI...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
43
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Começou a ser construído
...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
44
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O grandioso imóvel,
cuja ...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
45
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A área disponível da
edif...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
46
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• No espaço destinado à
Cad...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
47
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• - No primeiro piso, ao
ní...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
48
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• - No segundo piso,
situav...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
49
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• - No último piso ficavam
...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
50
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A distribuição dos presos...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
51
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Para além destas áreas, a...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
52
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• de diversos “quartos
para...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
53
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Já no séc. XX, foram
disp...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
54
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Posteriormente foram
esta...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
55
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O saguão principal,
conce...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
56
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Com esse objectivo foi
in...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
57
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Também na mesma
época foi...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
58
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• As mulheres, pelo
contrár...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
59
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Contudo, foi também
nos a...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
60
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• “Não obstante a
austerida...
Bibliografia
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_da_Rela%C3%A7%
C3%A3o
• http://www.cpf.pt/edificio.htm
• http://portoar...
Créditos Fotográficos
• porto-sentido.blogs.sapo.pt
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_da_Rela%C3%A7%C3%A3o
• https://c...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - parte i

412 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
412
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - parte i

  1. 1. Cadeira de HISTÓRIA DO PORTO Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Professor Doutor Artur Filipe dos Santos Carlos SilvaCarlos Silva -- portoporto--sentido.blogs.sapo.ptsentido.blogs.sapo.pt
  2. 2. A CADEIA DA RELAÇÃO Centro Português de Fotografia Artur Filipe dos Santos 2 Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  3. 3. AUTOR Artur Filipe dos Santos artursantosdocente@gmail.com www.artursantos.no.sapo.pt www.politicsandflags.wordpress.com • Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo. • Director Académico da Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Professor convidado das Escola Superior de Saúde do Insttuto Piaget (Portugal). Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal. 3 Artur Filipe dos Santos
  4. 4. A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.no.sapo.pt Email: usc@sapo.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com • A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessivéis a séniores, estudantes e profissionais através de livraria online. 4
  5. 5. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 5 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Do lado Nascente do Jardim da Cordoaria, deparamos com a monumentalidade granítica do pesado colosso que é o edifício da Cadeia da Relação. Foi mandado construir por João de Almeida e Melo, iniciando-se as obras em 1765, no reinado de D. José.
  6. 6. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 6 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A conclusão ocorreu em 1796, já quando havia tomado conta do governo D. João VI, como regente, por força da irremediável psicose que havia atingido sua mãe, D. Maria I, em 1791.
  7. 7. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 7 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Foi erigido no local onde se encontrava um outro edifício levantado por iniciativa dos Filipes, danificado por um incêndio em, 1630, dez anos antes da Restauração.
  8. 8. • Na Cadeia, que demorou cerca de 29 anos a construir e custou 200 mil réis, funcionou o próprio Tribunal da Relação do Porto, ali instalado, após deambular pelo palácio do conde de Miranda ainda no tempo regência de D. João VI, em 1796. A primeira sessão realizou- se no ano seguinte, em 7 de Janeiro. 8 Coleção de Manuais da Universidade Sénior ContemporâneaA Cadeia da Relação – CP Fotografia
  9. 9. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 9 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Criada em 27 de Julho de 1582, o Tribunal da Relação do Porto, por falta de instalações próprias, começou por funcionar na Antiga Casa da Câmara, instalada na Rua de São Sebastião, no edifício que, por esse motivo, passou também a ser conhecido por Paço da Rolaçon. Casa da Câmara medieval – fachada posterior antes de 1934
  10. 10. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 10 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Poucos anos depois, o Tribunal transferiu-se para o palácio dos Condes de Miranda (onde permaneceu até 1608) no desaparecido Largo do Corpo da Guarda, que ficava ao cimo da rua que ainda existe com esta denominação. portoarc.blogspot.com
  11. 11. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 11 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Os desembargadores eram obrigados a usar barba comprida e a não fazer visitas. Vista do interior da Cadeia da Relação do Porto, litografia de meados do século XIX
  12. 12. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 12 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A Relação manteve-se em actividade, sem sede própria, durante mais de vinte anos. Com efeito, foi só em 1603 que Filipe II ordenou que se construísse uma casa para receber a Relação e a Cadeia.portojofotos.blogspot.com Pátio dos Presos. Esta zona foi modificada em 1862. Era a enxovia das mulheres, com nomes de santos
  13. 13. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 13 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Também esta, sofria do mal do Tribunal - a falta de instalações. Na Cadeia da Relação do Porto existiu um Oratório em madeira que dava para o pátio interior onde aos Domingos e Dias Santos era rezada missa para os presos portoarc.blogspot.com
  14. 14. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 14 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Andou, primeiro, pela Albergaria dos Palmeiros (1461), que ficava perto da actual Rua de São João; aparece referenciada, em 1490, num casebre entre as ruas Chã das Eiras e de Santo António do Penedo (atual Saraiva de Carvalho), numa artéria que ainda há pouco se chamava Travessa da Cadeia; Google Mapas
  15. 15. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 15 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • depois instalou-se (1504) numa casa junto à sé e mais tarde nos baixos da Casa da Câmara. invictacidadeporto.blogspot.com
  16. 16. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 16 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A ordem de Filipe I (O Prudente) no entanto, só começou a ser cumprida em Julho de 1606, quando sob a direcção do corregedor Manuel Sequeira Novais, se deu início às obras no Campo do Olival. Wikipedia
  17. 17. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 17 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Os trabalhos duraram três anos e foram pagos, em grande parte, com dinheiros provenientes das remissões dos degredos para África. www.portopatrimoniomundial.com
  18. 18. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 18 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Isto é, quem era condenado a degredo para a 'costa d'África' podia pagar uma determinada quantia, resgatando a pena que cumpria cá. monumentosdesaparecidos.blogspot.com
  19. 19. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 19 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O edifício, considerado enorme, custou tanto dinheiro que durante o tempo da sua construção não foram feitas mais obras na cidade. No entanto, deve ter sido mal construído porque no dia 1 de Abril de 1752, em Sábado de Aleluia, ruiu completamente e a Relação regressou às instalações da Câmara Municipal. www.feelporto.com
  20. 20. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 20 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • História do Tribunal da Relação • “O Tribunal da Relação foi fundado por Filipe I (II de Espanha), nas cortes de Tomar de 1583, correspondendo a uma velha aspiração dos portuenses e das gentes do Norte.
  21. 21. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 21 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • D. João I havia criado a Casa da Suplicação que funcionou como o mais alto Tribunal até que, em 1834, foi substituído pelo Supremo Tribunal de Justiça. filatelica.aac.uc.pt
  22. 22. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 22 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O mais alto magistrado deste pretório era designado por Regedor das Justiças e devia ter qualidades que, ainda hoje, «mutatis mutandis», podem servir de padrão aos juízes. D. João I. Brasão de Armas e Bandeira Quadrada heraldica-real-portuguesa.blogspot.com
  23. 23. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 23 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Estipulavam as Ordenações que, relativamente ao Regedor, «deve procurar-se que seja um homem fidalgo, de limpo sangue, de sã consciência, prudente e de muita autoridade, e letrado se for possível; Pedro Álvares Cabral nasceu em Belmonte, por volta de 1467-1468, nono filho de Fernão Cabral, alcaide-mor de Belmonte e regedor da justiça real na comarca da Beira e Ribacoa, e de Isabel Gouveia.
  24. 24. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 24 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • e sobretudo tão inteiro que sem respeito de amor, ódio ou perturbação outra do ânimo possa a todos guardar justiça igualmente.framemoments.blogspot.com
  25. 25. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 25 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • E assim deve ser abastado de bens temporais, que sua particular necessidade não seja causa de em alguma cousa perverter a inteireza e constância com que deve servir». porto-sentido.blogs.sapo.pt claraboias: cadeia da relação
  26. 26. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 26 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • «E assim deve temperar a severidade que seu cargo pede, com paciência e brandura no ouvir as partes, que os homens de baixo estado e pessoas miseráveis achem nele fácil e gracioso acolhimento, com que sem pejo o vejam e lhe requeiram sua justiça, para que suas causas se não percam ao desamparo, mas hajam bom e breve despacho». queconceito.com.br
  27. 27. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 27 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Desde o século XV os reis eram pressionados no sentido de aumentarem o número de tribunais de recurso. O problema foi discutido nas cortes de 1472-73 (D. João II – o Príncipe Perfeito). www.forum-numismatica.com
  28. 28. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 28 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • As razões postas baseavam-se na insuficiência das duas casas de justiça que havia, especialmente insuficiência territorial, pois as duas que existem «ficam tão remotas dos extremos do reino que se um homem cai em cadeia ou lhe vem demanda, logo se julga perdido, porque hão-se passar dois, três, quatro anos, e mais, antes que os feitos tenham fim; e, se é preso por delito grave, e tem a justiça por parte, jaz na prisão até fugir dela ou morrer aí» (Gama Barros).D-Joao-II-Livro-dos-Copos
  29. 29. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 29 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O Rei não acedeu, preferindo determinar que a Casa da Suplicação se tornasse itinerante. www.forum-numismatica.com
  30. 30. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 30 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Em vez disso, concedia «alçada» a quem entendia para julgar «in loco», sem apelo nem agravo, facto que, manifestamente, desagradava. Filipe I, cônscio de que tornava uma medida de agrado geral para a população nortenha, acedeu às justas solicitações dos portuenses”.
  31. 31. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 31 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • NOVAS INSTALAÇÕES • Uma nova casa para a sede da Relação e da Cadeia começou a ser construída sobre os escombros da anterior, em 1765, por iniciativa do regedor das Justiças e governador das Armas do Porto, João de Almada e Melo, segundo uma planta elaborada para o efeito pelo engenheiro e arquitecto Eugénio dos Santos que foi um dos intervenientes na reconstrução da Lisboa pombalina. pt.wikipedia.org
  32. 32. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 32 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Foi, no entanto, seguida pelo oficial de engenharia Francisco Pinheiro da Cunha, por morte de Eugénio dos Santos. A obra custou 200 contos de réis, durou trinta anos, pois só ficou concluída em 1796. Albergou a sede do Tribunal da Relação e serviu de cadeia até aos nossos dias. jpn.up.pt
  33. 33. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 33 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A Cadeia da Relação, justificando o nome, serviu de cárcere até à inauguração da actual cadeia de Custóias, em 1974, após a Revolução de Abril. Os presos eram distribuídos pelos diversos pisos, conforme a sua posição social, um pouco à guisa do inferno de Dante. www.cpf.pt Escadaria Interior. Escadaria interior. Edifício da Cadeia da Relação
  34. 34. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 34 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Nos andares de cima, os mais categorizados, ali se situando os catorze "quartos de malta" (celas individuais). Nos "quintos dos infernos", no rés- do-chão, os mais pobres, a ralé, onde os detidos se amontoavam em amplos salões com piso de pedra, as enxovias, com catres imundos em redor, os quais, durante o dia, eram levantados por meio de dobradiças, ficando empinados junto às paredes. portoarc.blogspot.com Cela onde esteve Camilo Castelo Branco – foto do blog A Vida em Fotos
  35. 35. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 35 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Essas celas comuns eram conhecidas pelos nomes de Santo António e de Santa Ana, as destinadas a homens, de Santa Teresa para mulheres, de Santa Rita para menores, de S. Victor e o Segredo para castigos. portoarc.blogspot.com Cela onde esteve Camilo Castelo Branco – foto do blog A Vida em Fotos
  36. 36. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 36 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Havia uma oficina denominada Senhor de Matosinhos. A imundice das enxovias tinha o cimento dos anos e das sucessivas gerações de presos. O cheiro das latrinas era nauseabundo. O ambiente soturno e triste, o que levou D. Pedro V a exclamar, após uma visita, em 1861: "É preciso arrasar tudo isto!". http://1.bp.blogspot.com/
  37. 37. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 37 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Nos seus soturnos ergástulos (Local onde se cumpre u ma pena de detenção. = CÁRCERE, MASMORRA, PRESÍDIO, PRISÃO, ANTRO DE MISÉRIA) albergou muitos presos, alguns célebres: José do Telhado, Camilo Castelo Branco (cela n.º 12). leiturapartilhada.blogspot.com Interorior da cela de Camilo Castelo Branco
  38. 38. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 38 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • esta mesma cela esteve preso o desembargador Gravito, antes de ser enforcado, juntamente com mais nove liberais, em forca instalada na actual Praça da Liberdade, por decisão dos miguelistas. leiturapartilhada.blogspot.com Interorior da cela de Camilo Castelo Branco
  39. 39. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 39 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Ana Plácido, então amante de Camilo, esteve instalada num corredor porque não havia celas para senhoras de sociedade. O Duque de Terceira permaneceu, durante algum tempo, na cela n.º 8. centrohistorico.cm-porto.pt
  40. 40. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 40 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O médico que envenenou familiares, Urbino de Freitas, ocupou a n.º 13. João Chagas, por via do seu republicanismo, estava detido nesta cadeia quando eclodiu a abortada revolta de 31 de Janeiro.
  41. 41. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 41 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Textos do Juíz Concelheiro (jubilado) José Pereira da Graça. In site do Tribunal da Relação do Porto • Os processos relativos a Camilo, Urbino de Feitas e Zé do Telhado, encontram- se no pequeno museu judiciário instalado no Palácio da Justiça do Porto, onde também funciona, actualmente, o Tribunal da Relação, que já tinha saído da Cadeia para se albergar na Rua Formosa, onde, depois, funcionou o Arquivo de Identificação e, agora, está a sede da Liga os Combatentes”. www.trp.pt
  42. 42. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 42 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICIO • Na sala do tribunal havia uma capela porque as Ordenações do Reino determinavam que "o governador acolherá um sacerdote, que em todos os dias pela manhã, diga missa na casa da Relação, no oratório ou lugar que para isso se ordenar…" Os presos ouviam a missa das grades das prisões e corredores que davam para o saguão. Mas como não havia, mesmo assim, capacidade para tanta gente, a missa era num Domingo para os detidos de determinadas celas e no outro Domingo para os das outras prisões. aguaviv.blogspot.com
  43. 43. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 43 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Começou a ser construído em 1767, sob risco do arquitecto da Lisboa pombalina Eugénio dos Santos e Carvalho, sensivelmente no mesmo lugar onde, no início do séc. XVII, se haviam erguido as primeiras instalações para a Relação e Casa do Porto.
  44. 44. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 44 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O grandioso imóvel, cuja construção durou quase trinta anos, erguido entre o casario, paredes meias com o convento de S. Bento da Vitória e fronteiro à Porta do Olival, veio a alojar o Tribunal e a Cadeia da Relação. www.visitporto.travel
  45. 45. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 45 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A área disponível da edificação, detentora de uma curiosa planta trapezoidal, foi repartida de forma quase equitativa entre Tribunal e Cadeia, sendo que as instalações do Tribunal foram alvo de cuidados acabamentos, ainda hoje visíveis em diversos pormenores construtivos. commons.wikimedia.org
  46. 46. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 46 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • No espaço destinado à Cadeia os planos obedeceram às concepções punitivas que vigoravam ao tempo, sendo evidentes as preocupações com a segurança nas grossas paredes de granito, nas grades duplas do piso térreo, nas portas chapeadas a ferro, etc. As áreas de detenção distribuíam-se da seguinte forma: portoarc.blogspot.com
  47. 47. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 47 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • - No primeiro piso, ao nível do rés-do-chão, situavam-se as enxovias - de Stª Teresa, de Stº António, de S. Victor, de Stª Rita, do Sr. de Matosinhos e de Stª Ana - lajeadas originalmente de granito, escuras, húmidas e frigidíssimas, com acesso apenas por alçapões situados no andar superior; portoarc.blogspot.com Cela onde esteve Camilo Castelo Branco – foto do blog A Vida em Fotos
  48. 48. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 48 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • - No segundo piso, situavam-se os salões de N. Srª do Carmo e de S. José e a saleta das mulheres, também espaços colectivos mas mais salubres;
  49. 49. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 49 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • - No último piso ficavam os quartos de Malta, - concebidos como prisões individuais para “pessoas de condição” e que se encerravam apenas durante a noite, - bem como as enfermarias. joseloureirophotography.blogspot.com
  50. 50. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 50 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A distribuição dos presos por estes espaços obedecia a critérios que deviam ter em conta o tipo de crime cometido, o estatuto social do detido e a capacidade para pagar a carceragem. Se bem que a ocupação devesse reger-se pelos Regulamentos existentes, eles foram sistematicamente ignorados e a sobrelotação foi uma das características sempre presente. portoarc.blogspot.com
  51. 51. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 51 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Para além destas áreas, a cadeia dispunha ainda de uma Casa da Guarda e dos alojamentos do carcereiro, que se localizavam na ala noroeste; da sala do chaveiro, junto à porta da entrada; de um oratório dos réus condenados à morte, no 1º piso; Na Cadeia da Relação do Porto existiu um Oratório em madeira que dava para o pátio interior onde aos Domingos e Dias Santos era rezada missa para os presos portoarc.blogspot.com
  52. 52. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 52 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • de diversos “quartos para presos incomunicáveis”, e de uma “capela dos presos” de estrutura em madeira, adossada à parede do saguão principal, onde era celebrada a missa. Na Cadeia da Relação do Porto existiu um Oratório em madeira que dava para o pátio interior onde aos Domingos e Dias Santos era rezada missa para os presos portoarc.blogspot.com
  53. 53. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 53 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Já no séc. XX, foram disponibilizados novos espaços com outras valências, como o estabelecimento, em 1902, do Posto Antropométrico e a respectiva secção fotográfica, bem como duas pequenas oficinas de alfaiataria e sapataria. pt-br.facebook.com
  54. 54. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 54 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Posteriormente foram estabelecidas duas outras oficinas para o trabalho das mulheres, um Parlatório para os presos e suas famílias, etc.
  55. 55. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 55 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O saguão principal, concebido com funções de iluminação e arejamento da área prisional, viria a tornar- se, em 1862, com a criação do “pátio dos presos”, numa zona vital para o quotidiano do estabelecimento. portojofotos.blogspot.com Pátio dos Presos. Esta zona foi modificada em 1862. Era a enxovia das mulheres, com nomes de santos
  56. 56. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 56 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Com esse objectivo foi inutilizado um enorme tanque ali existente e foram transformadas as janelas das enxovias em portas de acesso.
  57. 57. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 57 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Também na mesma época foi possível destinar uma das dependências da cadeia exclusivamente para “prisão de menores”, sendo que até aí eles permaneciam, indiscriminadamente, entre detidos adultos.
  58. 58. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 58 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • As mulheres, pelo contrário, haviam ocupado, desde o início, duas zonas de alojamento, isto é, a enxovia de Stª Teresa e a saleta no segundo piso.
  59. 59. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 59 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Contudo, foi também nos anos sessenta do séc. XIX, na sequência da prisão de duas “senhoras de distinção”, uma das quais Ana Plácido, que foi criado, num pequeno corredor, escuro e gélido, do último piso, um espaço de detenção.
  60. 60. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 60 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • “Não obstante a austeridade, impressiona a sua digna solidez. O granito lavrado é sobreposto sem qualquer tipo de massas e almofadado até meio das paredes.
  61. 61. Bibliografia • http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_da_Rela%C3%A7% C3%A3o • http://www.cpf.pt/edificio.htm • http://portoarc.blogspot.pt/ • http://www.trp.pt/historia.html • http://www.trp.pt/historia/86-cadeiarelacao.html • http://www.trp.pt/historia/87- processoshistoricos.html • http://odoloeventual.blogspot.pt/2006/04/grandes- dramas-judicirios-urbino-de.html 61
  62. 62. Créditos Fotográficos • porto-sentido.blogs.sapo.pt • http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_da_Rela%C3%A7%C3%A3o • https://casadecamilo.wordpress.com/tag/cadeia-da-relacao-do-porto/ • http://2.bp.blogspot.com/_93MOhC8UNcI/S9yAAJprqpI/AAAAAAAAACo/1NubnK7 ZFvE/s1600/Porto+-+Casa+dos+24.jpg • portoarc.blogspot.com • www.redeconhecimentojustica.mj.pt 62

×