SlideShare uma empresa Scribd logo
Artur Filipe dos Santos
Cadeira de
PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS
http://breathtakingdestinations.tumblr.com/
O CAMINHO DE SANTIAGO
PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ
2
Aula 4
Cadeira de
PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS
www.chaves.pt
Artur Filipe dos Santos
artursantosdocente@gmail.com
artursantos.no.sapo.pt
politicsandflags.wordpress.com
• Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e
Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e
investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo.
• Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, membro da
Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em
Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo.
Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO
para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1)
da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do
Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster.
Professor convidado da Escola Superior de Saúde do Instituto Piaget.
Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior.
Artur Filipe dos Santos -
artursantos.no.sapo.pt
3
A Universidade Sénior
Contemporânea
Web: www.usc.no.sapo.pt
Email: usc@sapo.pt
Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com
• A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição
vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que
se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas
matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em
múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática,
internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade
de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da
USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo.
Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras
lecionadas(23), acessivéis a séniores, estudantes e profissionais
através de livraria online.
4
O CAMINHO PORTUGUÊS DE SANTIAGO
• "Eu, Bispo de Roma e Pastor da Igreja Universal,
daqui, de Santiago, te lanço, velha Europa, um grito
de amor - Volta a encontrar-te! Sê tu mesma,
descobre as tuas origens, aviva a tuas raízes, revive
aqueles valores autênticos que fizeram gloriosa a
tua História e abençoada a tua presença nos outros
Continentes!
Santiago de Compostela, 9 de Novembro de 1982
João Paulo II"
Associação dos Amigos do Caminho Português de Santiago
5
Património Cultural – O Caminho de Santiago
O CAMINHO PORTUGUÊS DE SANTIAGO
• “Johannes Vasaeus,
historiador e humanista
flamengo, afirma na sua
Rerum Hispaniae
memorabilium annales
(1577) que as
peregrinações ao
túmulo do apóstolo
começaram no ano 849
(Peake 1919:213).
6
www.joaomarinho.com
• Mas foi a abadia de
Cluny, fundada em 910
pelo duque Guilherme
da Aquitânia, um dos
principais centros
dinamizadores das
peregrinações
jacobeias.
7
cpsc-spa.blogspot.com
• Os seus monges
estabeleceram-se
preferencialmente ao longo
dos Caminhos de Santiago,
onde fundaram mosteiros,
ergueram igrejas,
estabeleceram refúgios,
hospícios e outras casas ou
instituições de assistência
aos peregrinos. «pode dizer-
se que a ordem de Cluny foi
a primeira agencia de
propaganda na Europa das
peregrinações a Santiago»
(Rocha 1993:103).
8
www.sampabikers.com.br
• Diego Gelmírez, um
antigo escriba do conde
D. Raimundo de
Borgonha, senhor da
Galiza, eleito em 1102
arcebispo de Santiago de
Compostela, é o
responsável pela
compilação de um
conjunto de documentos
conhecidos como a
História Compostelana.
9
• A divulgação deste
documento serviu para
difundir a um vasto
público a ideia de que
Compostela era o pólo
mais importante da
cristandade depois de
Roma, ou talvez mesmo
depois de Jerusalém
(Rocha 1993:101).
10
afifedigital.blogs.sapo.pt
• Foi a partir do ano 1000
que as peregrinações a
Santiago se
popularizaram,
tornando-se a cidade
um dos principais
centros de peregrinação
cristã (a par de Roma e
Jerusalém).
11
• A cidade de Santiago é
de facto o último
grande centro de
peregrinação na Idade
Média, e fulcral para o
processo de reconquista
cristã.
12
• Os reis que mais
apoiaram o Caminho,
construindo uma série de
infra-estruturas e locais
de assistência aos
peregrinos, foram Sancho
III, o Grande, de Navarra e
Afonso VI, o Valente (Rei
de Leão entre 1065 e
1109, Rei da Galiza entre
1071 e 1109 e Rei de
Castela entre 1072 e
1109).
13
maltez.info
• Já antes do nascimento
da nacionalidade, a
devoção a Santiago tinha
raízes no território agora
português. A localização
geográfica, bem como as
identidades histórica,
cultural e religiosa
portuguesas, geram
proximidade com a
Galiza.
14
www.vialusitana.org
• O Reino de Portugal é
fundado a partir da família
reinante em Leão, na Galiza
e em Castela, e Santiago e o
seu culto eram de
importância primordial para
esses reinos cristãos: «a
devoção santiaguista
manteve-se intacta quando
o território portucalense foi
doado ao conde D.
Henrique em atenção a sua
mulher D. Teresa» (Baquero
Moreno 2000: 42).
15
• Existe também uma grande afinidade cultural entre os habitantes
do território que veio a ser a Galiza e os do norte de Portugal, em
virtude, nomeadamente, de todos falarem a mesma língua, que
veio a ser definida como galego-português, e da qual proveio o
português dos nossos dias.
16
• A primeira referência conhecida do culto de Santiago em
território hoje português, data do ano de 862, altura em
que Portugal fazia parte integrante do reino asturiano,
com a sagração e dedicação ao Apóstolo da igreja de
Castelo de Neiva, concelho de Viana do Castelo, por
iniciativa do bispo Nausto de Coimbra.
17
• Durante o reinado de
Afonso III de Astúrias
em 889 é doado o
mosteiro de São
Frutuoso de Montelios
à igreja de Santiago e
semelhantes doações
são feitas nos anos
seguintes.
18
www.skyscrapercity.com
• O Apóstolo aparece
como o “patrono da
reconquista” e à
medida que vão sendo
conquistados territórios
aos mouros, surgem as
primeiras igrejas
dedicadas, ou
rededicadas, a Santiago.
19
• Numerosas famílias
portuguesas adoptaram
a vieira e outros
símbolos jacobeus no
brasão das suas armas.
20
• O primeiro registo de uma
peregrinação a Compostela
aparece no ano de 1064.
Antes do cerco de Coimbra,
reconquistada por Almançor
em 987, Fernando Magno
peregrina a Santiago para
pedir ajuda ao apóstolo:
«Depois da conquista de
Coimbra, Fernando Magno
e Sesnando, governador da
cidade e da região, foram a
Compostela agradecer ao
Apóstolo tão importante
vitória» (Cunha 2006:3).
21
Mendes, Ana Catarina
(2009). Peregrinos a
Santiago de
Compostela: Uma
Etnografia do
Caminho Português.
Lisboa: Tese de
Mestrado,
Universidade de
Lisboa
• Existe também um
registo da peregrinação
do Conde D. Henrique e
da sua esposa Dona
Teresa no ano de 1097 a
Santiago.
22
• O processo de reconquista,
e a paz que dele advém,
acompanha a evolução da
peregrinação. Associado ao
culto de Santiago, e às
peregrinações em Portugal
estão também os cultos de
Santo Amaro, São Roque
(peregrinos jacobeus
segundo a tradição) e de
São Cristóvão e São
Gonçalo de Amarante,
padroeiros dos caminhos,
dos caminhantes e das
travessias de rios.
23
• Depois de formado o
Reino de Portugal, os
nossos monarcas
demonstraram uma
contínua devoção pelo
Apóstolo: D. Afonso II (O
Gordo) peregrina a
Compostela em 1220, o
infante português Afonso
de Bolonha faz o trajecto
em 1243 e em 1244
segue-lhe os passos D.
Sancho II.
24
• Por esta altura surgem
também os primeiros
registos da prática da
peregrinação "por
substituição" – pagando
a alguém para ir em seu
nome ou deixando em
testamento a atribuição
de uma verba a quem
fosse a “a Santiago da
Galiza” em seu nome.
25
umpardebotas.blogs.sapo.pt
• Foi o caso de Dona
Maria, filha de D. João I.
• A mais famosa
peregrina que partiu de
Portugal é sem dúvida
Isabel de Aragão.
26
lapetitetaina.blogspot.com
• A Rainha Santa Isabel
peregrinou a Compostela duas
vezes, na primeira, em 1325,
seis meses após a morte de D.
Dinis, foi acompanhada de um
séquito real, em 1335, tentou
uma abordagem mais modesta
e um certo anonimato, e os
relatos contam que fez todo o
percurso a pé.
27
diariodigital.sapo.pt
• Muitos monarcas embora
não tenham peregrinado
a Santiago, contribuíram
para a peregrinação com
doações para mosteiros,
hospitais e albergarias
que cuidavam dos
peregrinos no Caminho,
já que a peregrinação era
muito intensa no final da
Idade Média.
28
• Foram os casos de
Penajóia (Lamego),
Canavezes, Vila Nova de
Cerveira, Ponte de Lima,
Guimarães e Chaves que
tinham como principal
obrigação o cuidado dos
peregrinos.
29
• Santiago foi protector do exército português
até à crise de 1383-1385, altura em que foi
substituído por São Jorge, por influência
inglesa. Para além da necessidade de chamar
por um Santo diferente, esta adopção de São
Jorge marca a necessidade de separação e
independência de Castela: «por influência do
tratado de Windsor Portugal toca o patrono
militar Santiago por São Jorge numa
verdadeira atitude de anticastelhanismo, nem
por isso os portugueses esmoreceram na
devoção ao Apóstolo, sendo numerosos os
documentos que comprovativos de que as
peregrinações continuaram» (Rocha
1993:104).
30
• Ainda hoje existem em
território português
paróquias dedicadas a
Santiago e inúmeras
misericórdias,
albergarias, hospitais,
igrejas e ermidas
dedicadas ao Apóstolo
espalhadas pelo nosso
país
31
www.cpisantiago.pt
• A própria toponímia
portuguesa foi muito
marcada pela sua
influência, Santiago do
Cacém, São Tiago,
Caminho, Albergaria e
Hospital estão ainda
presentes nos nomes de
muitas localidades
portuguesas.
32
• Refira-se a título de
exemplo: Santiago do
Cacém, Santiago da Guarda
(Ansião) Santiago de
Cassurrâes (Mangualde),
Santiago de Besteiros
(Tondela), São Tiago de
Custóias (Porto), São Tiago
de Lobão (Santa Maria da
Feira), S. Tiago de Silvalde
(Espinho), entre muitas
outras. Algumas destas
localidades estão associadas
à acção da própria Ordem
de Santiago.
33
• As próprias lendas
Jacobeias estão
intimamente ligadas ao
nosso país. Conta a lenda
que em Guimarães
Santiago colocou uma
imagem da Virgem Maria
num templo pagão onde
foi erigida uma capela
dedicada ao Apóstolo que
foi demolida em finais do
século XIX.
34
pt.wikipedia.org
Praça da Oliveira, no Centro histórico de
Guimarães, com o Padrão do Salado
• Em Rates (Póvoa de
Varzim) teria ordenado
São Pedro de Rates, o
primeiro bispo de Braga
entre os anos 45 e 60,
que teria sido
decapitado enquanto
celebrava uma missa. • Mosteiro de S. Pedro de
Rates
35
• As lendas mais famosas
são sem dúvida a do
Cavaleiro Caio (Vila
Nova de Gaia) e a lenda
do Galo de Barcelos
36
• Os Caminhos de Santiago
são hoje percorridos por
milhares de peregrinos
nas suas sete rotas
históricas: o Caminho
Francês, o Caminho do
Norte, a Via da Prata, a
Rota Marítimo Fluvial, o
Caminho Inglês, o
Caminho Primitivo e o
Caminho Português.
37
• Além destas rotas,
existe ainda o Caminho
de Finisterra, que faz a
ligação entre as cidades
de Santiago e Finisterra.
38
• O Caminho Português de
Santiago, Caminhos de
Santiago dos Portugueses,
Via Lusitana ou
simplesmente Caminho
Português são designações
das rotas de peregrinação
com origem em Portugal e
destino ao túmulo do
apóstolo Santiago Maior na
Catedral de Santiago de
Compostela, no centro da
Galiza.
39
• É um dos vários
Caminhos de Santiago,
o conjunto de rotas de
peregrinação milenar
mais importante da
Europa, classificados
desde 1998 como
Património Mundial
pela UNESCO.
40
• É frequente que a
designação de Caminho
Português se refira
apenas às rotas em
território galego, embora
num contexto mais
alargado, essa designação
se possa aplicar também
às rotas que percorrem
todo o território
português, do Algarve até
a Trás-os-Montes e
Minho.
41
42
O Traçado
• Os caminhos percorridos
pelos peregrinos
portugueses eram muitos
e variados. Em geral,
eram escolhidos os
caminhos mais comuns e
mais frequentados, para
evitar encontros
indesejados com
bandidos e salteadores.
43
http://caminhoportuguesdesantiago.com/PT/e
tapa_1_1.php
• Em rigor, não podemos, pois,
apontar apenas um Caminho
Português. Antes da marcação
efectiva do Caminho no terreno,
não havia nem início, nem um
percurso definido.
Historicamente, a partir de
Lisboa, podemos falar de dois
grandes caminhos que
atravessam o país de Sul a Norte,
um na costa e um no interior.
44
• O caminho da costa, o
mais conhecido, que
começa na Sé de Lisboa,
segue para Santarém,
passando pela Golegã,
Tomar, Coimbra, Porto,
Barcelos, Ponte de Lima
e atravessa a fronteira
em Valença.
45
http://caminhoportuguesdesantiago.com/
• Em Espanha, passa por
Tui, Porriño, Redondela,
Pontevedra, Caldas de
Reis, Padrón e chega
finalmente a Santiago.
46
• O caminho foi sinalizado
para Santiago (de sul
para norte) com setas
amarelas e placas de
identificação.
47
• Mas embora o percurso
esteja definido desde 2006,
muitos europeus resolvem
seguir os seus antepassados
à letra e sair da porta de
casa, como os peregrinos do
passado que peregrinavam
guiando-se pelas estrelas
até Santiago, seguem
caminhos alternativos,
historicamente
documentados como vias
de peregrinação medievais.
48
www.snpcultura.org
• Há registo histórico das
seguintes ligações: de
Lisboa a Coimbra por
Leiria; de Braga à
Portela do Homem,
Ourense, Santiago; de
Ponte de Lima a Ponte
da Barca e Vilarinho das
Furnas; de Coimbra a
Viseu, Chaves e Verin.
49
• A alternativa de
Barcelos a Viana do
Castelo, Caminha, Vila
Nova de Cerveira,
Valença está a ser
sinalizada pelo
responsável pelo
Albergue de São Pedro
de Rates.
50
• A Via da Prata passa
também por Portugal.
Entra no nosso país em
Alcanices e passa por
Bragança, Segirei,
Soutochão, atravessa a
fronteira em Feces de
abaixo para Verin,
Ourense e Santiago.
51
www.mulherviajante.com.br
• Encontrámos ainda
relatos de vários
peregrinos que viajaram
para Santiago do sul do
nosso país e, embora
saibamos que existiam
rotas de peregrinação,
ainda não foi feito o
levantamento de
nenhum percurso a Sul
de Lisboa.
52
ceg.fcsh.unl.pt
• Todos estes Caminhos
são considerados pelas
estatísticas oficiais
como fazendo parte do
Caminho Português. No
ano de 2008, 12 5141
peregrinos solicitaram o
comprovativo de
conclusão do caminho,
a Compostela, à
chegada a Santiago.
53
www.vialusitana.org
• Destes, 9770
percorreram o Caminho
Português. Com cerca
de 8% do total de
peregrinos, este traçado
é o segundo mais
percorrido (depois do
Caminho Francês),
tendência que se
mantém pelo menos
desde 2006
54
• Etapas do Caminho
• Porto > Vilarinho
• Vilarinho > Barcelos
• Barcelos > Ponte de Lima
• Ponte de Lima > Valença
• Valença > Redondela
• Redondela > Pontevedra
• Pontevedra > Caldas de Reis
• Caldas de Reis> Padrón
• Padrón > Santiago de
Compostela
55
• Caminho Português
Etapa 1
• Do Porto a Vilarinho, Vila do Conde
• Trecho 1 Saída do Porto
• Trecho 2 Passagem por Leça
• Trecho 3 Maia 2
• Trecho 4 Cruzando Mosteiró
• Trecho 5 Chagada a Vilarinho
56
Etapa 2
• De Vilarinho (Vila do Conde) a Barcelos
• Trecho 1 Saída de Vilarinho
• Trecho 2 Arcos
• Trecho 3 Pelo Alto da Mulher
Morta
• Trecho 4 Pedra Furada
• Trecho 5 Chegada a Barcelos
57
www.portugal-reiseinfo.de
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
Etapa 3
• De Barcelos a Ponte de Lima
• Trecho 1 Saída de Barcelos
• Trecho 2 S. Pedro Fins de Tamel
• Trecho 3 Cruzando o Rio Neiva
• Trecho 4 Vitorino de Piães
• Trecho 5 Facha
• Trecho 6 Chegada a Ponte de
Lima
58
www.almadeviajante.com
Peregrinos no Caminho
Português de Santiago
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
Etapa 4
• De Ponte de Lima a Valença / Tui
• Trecho 1 Saída de Ponte de
Lima
• Trecho 2 Calheiros
• Trecho 3 Romarigães
• Trecho 4 Cruzando o Rio
Coura
• Trecho 5 Fontoura
• Trecho 6 Valença ou Tui
59
ajflouro.blogspot.com
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
Etapa 5
• De Valença / Tui a Redondela
• Trecho 1 A Caminho de Redondela
• Trecho 2 Ribadelouro
• Trecho 3 Junto ao Rio
• Trecho 4 O Porriño
• Trecho 5 Vilar de Infest
• Trecho 6 Chegada a Redondela
60
Wikipedia
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
Etapa 6
• De Redondela a Pontevedra
• Trecho 1 Saída de
Redondela
• Trecho 2 Pontesampaio
• Trecho 3 Bértola
• Trecho 4 Chegada a
Pontevedra
61
“Por el Camino Portugués se entra en
Pontevedra a través de las calles de A Virxe do
Camiño”
hitosdelcamino.blogspot.com
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
Etapa 7
• De Pontevedra a Caldas de Reis
• Trecho 1 Saída de
Pontevedra
• Trecho 2 Portela
• Trecho 3 Briallos
• Trecho 4 Chegada a
Caldas de Reis
62
www.elsecretodelola.es
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
Etapa 8
• De Caldas de Reis a Padrón
• Trecho 1 Saída de Caldas de
Reis
• Trecho 2 Carracedo
• Trecho 3 Chegada a Padrón
63
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
Etapa 9
• De Padrón a Santiago de Compostela
• Trecho 1 Saída de Padrón
• Trecho 2 Cruces
• Trecho 3 A Casalonga
• Trecho 4 Agrela e Agro dos
Monteiros
• Trecho 5 Chegada a Santiago
de Compostela
64
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
• Porto Vilarinho (Vila do Conde) 25 kms,
Saída do Porto
• Se programar a Peregrinação a partir do
Porto, o local a escolher para o seu início
deverá ser, naturalmente, a Sé Catedral.
Aponta a saída pelas oito horas da manhã,
pois embora a jornada não seja longa,
farás muitos quilómetros em área urbana,
atravessando as cidades do Porto e da
Maia, com tráfego intenso e, em alguns
locais, até com algum perigo.
65
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
• Do largo da Sé, desces uma
escadaria até à Rua Escura e à Rua
da Banharia, dois estreitos
arruamentos do burgo medieval,
atravessas a movimentada Rua
Mouzinho da Silveira e a das
Flores e pela Rua dos Caldeireiros
alcanças o Campo dos Mártires da
Pátria, a antiga Cordoaria, extra-
muros da cidade.
66
A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto
• À direita, a pouca distância, a Torre
dos Clérigos, o ex-libris da cidade
invicta. Atravessamos o Campo,
paramos junto à Igreja do Carmo e
entra-se na Rua de Cedofeita, uma das
principais artérias comerciais do Porto
e que percorrerás na sua totalidade até
à Capela da Ramada Alta.
67
• Daí, pelo Carvalhido e
com a Quinta da
Prelada à mão
esquerda (Parque de
Campismo, que te pode
ser útil), passas por
baixo da Via de Cintura
Interna e vai-se até ao
Monte dos Burgos,
onde atravessamos a
Via da Circunvalação.
68
• Mantemos sempre esta
direcção até ao Padrão da
Légua e a Aráujo, já
subúrbios da cidade do
Porto e aqui deveremos
optar por uma das duas
alternativas que o
Caminho tem para
atravessar o rio Leça -
pela ponte romana de
Barreiros ou pela ponte
romana de Moreira.
69
• A primeira é mais
antiga, apresentando,
contudo, o óbice do
atravessamento da N13,
uma via rápida de
intenso tráfego, e em
local perigoso.
70
Google Maps, Via Norte, N14
• É um percurso
interessante até as
proximidades da cidade
da Maia, perdendo
depois com a passagem
pela Zona Industrial até
Vilar do Pinheiro.
71
• A segunda é já
posterior ao séc. XV
mas segue um percurso
mais fácil, pelo
Convento de Moreira
da Maia, também até
Vilar do Pinheiro, onde
reencontra aquela.
72
• A partir daqui o traçado
volta a ser um só,
ganhando com a
progressiva transição do
meio urbano para o
rural. Vais encontrar
Mosteiró, um lugar
onde poderás descansar
e improvisar um
almoço.
73
Igreja Mosteiró
• Depois vem Gião e a
seguir Vairão, onde a
envolvência é
caracterizada por uma
intensa actividade
agrícola que marca
profundamente a
paisagem. E saímos do
Distrito do Porto
74
• O Caminho tornou-se muito
popular nos últimos anos
devido a vários factores: as
autoridades espanholas e as
juntas locais trabalham para
atrair peregrinos,
publicitando o Caminho e
melhorando as infra-
estruturas para os receber,
já que são estes “turistas”
que mantêm vivas muitas
das aldeolas ao longo da
rota.
75
• Outra das razões prende-se com o surgimento de cada
vez mais associações que promovem peregrinações em
grupo.
76
• Existe também uma
mudança de mentalidade
que promove a ligação
com a natureza e
publicita este tipo de
rotas. Em Portugal, o
apoio é escasso e
contam-se apenas com a
colaboração e incentivo
de alguns autarcas e
associações.
77
Bibliografia
– Mendes, Ana Catarina (2009). Peregrinos a Santiago de
Compostela: Uma Etnografia do Caminho Português. Lisboa:
Tese de Mestrado, Universidade de Lisboa
– http://www.caminhoportosantiago.com/PT/santiago.html
– http://www.caminhoportuguesdesantiago.com/PT/caminho.ph
p
– http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminhos_de_Santiago
– http://www.spain.info/pt/que-quieres/rutas/grandes-
rutas/camino-santiago/
– http://atc.pt/files/72/7201.pdf
– http://www.santiago.org.br/caminho-de-santiago-historia.asp
– http://www.santiago.org.br/caminho-de-santiago-o-que-e.asp
– http://www.confrariaapostolosantiago.com.br/depoimentos/his
toria-do-caminho.pdf
78
Património Cultural – O Caminho de Santiago
Bibliografia
– http://whc.unesco.org/en/list/669
– http://pt.wikipedia.org/wiki/Codex_Calixtinus
– http://www.galeon.com/projetochronos/chronosmedieval/santi
ago/codex.htm
– http://pt.scribd.com/doc/54472683/O-Codex-Calixtinus#scribd
– http://camino.xacobeo.es/pt-pt/caminhos/caminho-portugues
– http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminho_Portugu%C3%AAs_de_Sa
ntiago
– http://www.caminhoportosantiago.com/PT/santiago-
historia.html
– http://ocaminhodecompostela.blogspot.pt/2006/12/historia-
de-santiago-de-compostela.html
– http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminho_Portugu%C3%AAs_de_Sa
ntiago
79
Património Cultural – O Caminho de Santiago
Bibliografia
– http://whc.unesco.org/en/list/669
– http://pt.wikipedia.org/wiki/Cruz_de_Santiago
– http://www.caminhoportuguesdesantiago.com/PT/
– http://www.caminhodesantiago.com.br/guia_portugues.h
tm
– http://www.caminhoportuguesdesantiago.com/PT/caminh
o.php
– http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/299/1/20587_uls
d_dep.17914_M_1.pdf
80
Património Cultural – O Caminho de Santiago
Bibliografia fotográfica
– http://2.bp.blogspot.com/-
6sjIwT7QqoQ/VNld6pmPkKI/AAAAAAAAsrY/0N-OhbkM-
GU/s1600/Teodomiro%2Bdescobre%2Bo%2Bt%C3%BAmul
o%2Bde%2BSantiago.jpg
– http://images.world66.com/sa/nt/ia/santiago_peregrino_g
alleryfull
81
Património Cultural – O Caminho de Santiago

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Patrimônio Cultural Artistico
Patrimônio Cultural ArtisticoPatrimônio Cultural Artistico
Patrimônio Cultural ArtisticoCarolzitaah
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújomega
 
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...Artur Filipe dos Santos
 
O iphan na preservação do patrimônio de sabará
O iphan na preservação do patrimônio de sabaráO iphan na preservação do patrimônio de sabará
O iphan na preservação do patrimônio de sabarásabara300
 
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pePreservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-peÂnderson Nunes
 
Palestra patrimonio natural
Palestra patrimonio naturalPalestra patrimonio natural
Palestra patrimonio naturalElizete Ignacio
 
Trabalho sobre a unesco
Trabalho sobre a unescoTrabalho sobre a unesco
Trabalho sobre a unescoperoola
 
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdfgisele picolli
 
O que é IPHAN
O que é IPHANO que é IPHAN
O que é IPHANozgauche
 
Mitologia Portuguesa - Património Cultural - Artur Filipe dos Santos
Mitologia Portuguesa - Património Cultural - Artur Filipe dos SantosMitologia Portuguesa - Património Cultural - Artur Filipe dos Santos
Mitologia Portuguesa - Património Cultural - Artur Filipe dos SantosArtur Filipe dos Santos
 
Patrimônio cultural - Arte IFBA Porto Seguro
Patrimônio cultural - Arte IFBA Porto SeguroPatrimônio cultural - Arte IFBA Porto Seguro
Patrimônio cultural - Arte IFBA Porto SeguroCarla Camuso
 
Turismo cultural em portugal continental
Turismo cultural em portugal continentalTurismo cultural em portugal continental
Turismo cultural em portugal continentalTina Lima
 

Mais procurados (20)

Patrimonio
PatrimonioPatrimonio
Patrimonio
 
Patrimônio Cultural Artistico
Patrimônio Cultural ArtisticoPatrimônio Cultural Artistico
Patrimônio Cultural Artistico
 
Patrimônio - Unesco.
Patrimônio - Unesco.Patrimônio - Unesco.
Patrimônio - Unesco.
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
 
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
 
Património cultural - Artesanato de Portugal - Artur Filipe dos Santos - Univ...
Património cultural - Artesanato de Portugal - Artur Filipe dos Santos - Univ...Património cultural - Artesanato de Portugal - Artur Filipe dos Santos - Univ...
Património cultural - Artesanato de Portugal - Artur Filipe dos Santos - Univ...
 
Património
PatrimónioPatrimónio
Património
 
O iphan na preservação do patrimônio de sabará
O iphan na preservação do patrimônio de sabaráO iphan na preservação do patrimônio de sabará
O iphan na preservação do patrimônio de sabará
 
Património cultural imaterial da humanidade - o Cante Alentejano - Artur Fili...
Património cultural imaterial da humanidade - o Cante Alentejano - Artur Fili...Património cultural imaterial da humanidade - o Cante Alentejano - Artur Fili...
Património cultural imaterial da humanidade - o Cante Alentejano - Artur Fili...
 
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pePreservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
 
Palestra patrimonio natural
Palestra patrimonio naturalPalestra patrimonio natural
Palestra patrimonio natural
 
Dicionário iphan
Dicionário iphanDicionário iphan
Dicionário iphan
 
Trabalho sobre a unesco
Trabalho sobre a unescoTrabalho sobre a unesco
Trabalho sobre a unesco
 
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
 
Patrimônio histórico
Patrimônio histórico Patrimônio histórico
Patrimônio histórico
 
Apostila patrimonio cultural
Apostila patrimonio culturalApostila patrimonio cultural
Apostila patrimonio cultural
 
O que é IPHAN
O que é IPHANO que é IPHAN
O que é IPHAN
 
Mitologia Portuguesa - Património Cultural - Artur Filipe dos Santos
Mitologia Portuguesa - Património Cultural - Artur Filipe dos SantosMitologia Portuguesa - Património Cultural - Artur Filipe dos Santos
Mitologia Portuguesa - Património Cultural - Artur Filipe dos Santos
 
Patrimônio cultural - Arte IFBA Porto Seguro
Patrimônio cultural - Arte IFBA Porto SeguroPatrimônio cultural - Arte IFBA Porto Seguro
Patrimônio cultural - Arte IFBA Porto Seguro
 
Turismo cultural em portugal continental
Turismo cultural em portugal continentalTurismo cultural em portugal continental
Turismo cultural em portugal continental
 

Semelhante a Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - Artur Filipe dos Santos - Universidade Sénior Contemporânea

Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...Artur Filipe dos Santos
 
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...Artur Filipe dos Santos
 
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Património cultural o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...Artur Filipe dos Santos
 
Património cultural o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...Artur Filipe dos Santos
 
Património cultural o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...Artur Filipe dos Santos
 
Património cultural o caminho de santiago aula 5 - a catedral de santiago e...
Património cultural   o caminho de santiago aula 5 - a catedral de santiago e...Património cultural   o caminho de santiago aula 5 - a catedral de santiago e...
Património cultural o caminho de santiago aula 5 - a catedral de santiago e...Artur Filipe dos Santos
 
A história de portugal
A história de portugalA história de portugal
A história de portugaltelmascapelo
 
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016escolaaquilinoribeiro
 
Património à volta da Sé do Porto- Estátua de Vímara Peres - Artur Filipe dos...
Património à volta da Sé do Porto- Estátua de Vímara Peres - Artur Filipe dos...Património à volta da Sé do Porto- Estátua de Vímara Peres - Artur Filipe dos...
Património à volta da Sé do Porto- Estátua de Vímara Peres - Artur Filipe dos...Artur Filipe dos Santos
 
turismo religioso
 turismo religioso turismo religioso
turismo religiosoIzah Menezes
 
Relendo Macahé em Viagem à Terra do Brasil 1
Relendo Macahé em  Viagem à Terra do Brasil 1Relendo Macahé em  Viagem à Terra do Brasil 1
Relendo Macahé em Viagem à Terra do Brasil 1Marcelo Abreu Gomes
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroAna Barreiros
 

Semelhante a Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - Artur Filipe dos Santos - Universidade Sénior Contemporânea (20)

Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
 
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
 
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
 
Património cultural o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
 
Património cultural O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ aula 2...
Património cultural   O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ aula 2...Património cultural   O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ aula 2...
Património cultural O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ aula 2...
 
Património cultural - O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ - aul...
Património cultural - O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ -  aul...Património cultural - O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ -  aul...
Património cultural - O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ - aul...
 
Património cultural o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 2 - artur filipe dos santos ...
 
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
 
Património cultural o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
 
Património cultural o caminho de santiago aula 5 - a catedral de santiago e...
Património cultural   o caminho de santiago aula 5 - a catedral de santiago e...Património cultural   o caminho de santiago aula 5 - a catedral de santiago e...
Património cultural o caminho de santiago aula 5 - a catedral de santiago e...
 
Património cultural o Caminho de Santiago - aula 5 - Catedral de Santiago...
Património cultural   o Caminho de Santiago -  aula 5 -  Catedral de Santiago...Património cultural   o Caminho de Santiago -  aula 5 -  Catedral de Santiago...
Património cultural o Caminho de Santiago - aula 5 - Catedral de Santiago...
 
A história de portugal
A história de portugalA história de portugal
A história de portugal
 
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
 
Património à volta da Sé do Porto- Estátua de Vímara Peres - Artur Filipe dos...
Património à volta da Sé do Porto- Estátua de Vímara Peres - Artur Filipe dos...Património à volta da Sé do Porto- Estátua de Vímara Peres - Artur Filipe dos...
Património à volta da Sé do Porto- Estátua de Vímara Peres - Artur Filipe dos...
 
Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos ...
Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos ...Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos ...
Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos ...
 
turismo religioso
 turismo religioso turismo religioso
turismo religioso
 
1706
17061706
1706
 
Relendo Macahé em Viagem à Terra do Brasil 1
Relendo Macahé em  Viagem à Terra do Brasil 1Relendo Macahé em  Viagem à Terra do Brasil 1
Relendo Macahé em Viagem à Terra do Brasil 1
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 

Mais de Universidade Sénior Contemporânea do Porto

Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Património Cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
Património Cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...Património Cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
Património Cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Património cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
Património cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...Património cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
Património cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
História do porto   a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...História do porto   a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do Porto - Jardins e Praças do Porto PRAÇA DA REPÚBLICA (Jardim Teóf...
História do Porto - Jardins e Praças do PortoPRAÇA DA REPÚBLICA(Jardim Teóf...História do Porto - Jardins e Praças do PortoPRAÇA DA REPÚBLICA(Jardim Teóf...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto PRAÇA DA REPÚBLICA (Jardim Teóf...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Folheto da visita de Estudo da Universidade Sénior Contemporânea do Porto a V...
Folheto da visita de Estudo da Universidade Sénior Contemporânea do Porto a V...Folheto da visita de Estudo da Universidade Sénior Contemporânea do Porto a V...
Folheto da visita de Estudo da Universidade Sénior Contemporânea do Porto a V...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 

Mais de Universidade Sénior Contemporânea do Porto (20)

História da Cidade do Porto - O Mercado do Bolhão - Artur Filipe dos Santos
História da Cidade do Porto - O Mercado do Bolhão - Artur Filipe dos SantosHistória da Cidade do Porto - O Mercado do Bolhão - Artur Filipe dos Santos
História da Cidade do Porto - O Mercado do Bolhão - Artur Filipe dos Santos
 
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
 
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
 
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
 
Património Cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
Património Cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...Património Cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
Património Cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
 
Património cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
Património cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...Património cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
Património cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
 
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
 
História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
História do porto   a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...História do porto   a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
 
História do porto - As pontes da cidade do porto - Ponte do Infante Dom Henri...
História do porto - As pontes da cidade do porto - Ponte do Infante Dom Henri...História do porto - As pontes da cidade do porto - Ponte do Infante Dom Henri...
História do porto - As pontes da cidade do porto - Ponte do Infante Dom Henri...
 
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
 
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
 
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
 
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
 
Património cultural Trás-os-Montes o Reino Maravilhoso de Miguel Torga- Artu...
Património cultural  Trás-os-Montes o Reino Maravilhoso de Miguel Torga- Artu...Património cultural  Trás-os-Montes o Reino Maravilhoso de Miguel Torga- Artu...
Património cultural Trás-os-Montes o Reino Maravilhoso de Miguel Torga- Artu...
 
História do porto as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria Pia
História do porto   as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria PiaHistória do porto   as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria Pia
História do porto as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria Pia
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
 
História do porto filmes antigos da cidade do porto - cinemateca portuguesa...
História do porto   filmes antigos da cidade do porto - cinemateca portuguesa...História do porto   filmes antigos da cidade do porto - cinemateca portuguesa...
História do porto filmes antigos da cidade do porto - cinemateca portuguesa...
 
História do porto jardins do porto - parque da cidade - artur filipe dos sa...
História do porto   jardins do porto - parque da cidade - artur filipe dos sa...História do porto   jardins do porto - parque da cidade - artur filipe dos sa...
História do porto jardins do porto - parque da cidade - artur filipe dos sa...
 
História do Porto - Jardins e Praças do Porto PRAÇA DA REPÚBLICA (Jardim Teóf...
História do Porto - Jardins e Praças do PortoPRAÇA DA REPÚBLICA(Jardim Teóf...História do Porto - Jardins e Praças do PortoPRAÇA DA REPÚBLICA(Jardim Teóf...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto PRAÇA DA REPÚBLICA (Jardim Teóf...
 
Folheto da visita de Estudo da Universidade Sénior Contemporânea do Porto a V...
Folheto da visita de Estudo da Universidade Sénior Contemporânea do Porto a V...Folheto da visita de Estudo da Universidade Sénior Contemporânea do Porto a V...
Folheto da visita de Estudo da Universidade Sénior Contemporânea do Porto a V...
 

Último

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 

Último (20)

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 

Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - Artur Filipe dos Santos - Universidade Sénior Contemporânea

  • 1. Artur Filipe dos Santos Cadeira de PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS http://breathtakingdestinations.tumblr.com/
  • 2. O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ 2 Aula 4 Cadeira de PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS www.chaves.pt
  • 3. Artur Filipe dos Santos artursantosdocente@gmail.com artursantos.no.sapo.pt politicsandflags.wordpress.com • Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo. • Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Professor convidado da Escola Superior de Saúde do Instituto Piaget. Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt 3
  • 4. A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.no.sapo.pt Email: usc@sapo.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com • A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessivéis a séniores, estudantes e profissionais através de livraria online. 4
  • 5. O CAMINHO PORTUGUÊS DE SANTIAGO • "Eu, Bispo de Roma e Pastor da Igreja Universal, daqui, de Santiago, te lanço, velha Europa, um grito de amor - Volta a encontrar-te! Sê tu mesma, descobre as tuas origens, aviva a tuas raízes, revive aqueles valores autênticos que fizeram gloriosa a tua História e abençoada a tua presença nos outros Continentes! Santiago de Compostela, 9 de Novembro de 1982 João Paulo II" Associação dos Amigos do Caminho Português de Santiago 5 Património Cultural – O Caminho de Santiago O CAMINHO PORTUGUÊS DE SANTIAGO
  • 6. • “Johannes Vasaeus, historiador e humanista flamengo, afirma na sua Rerum Hispaniae memorabilium annales (1577) que as peregrinações ao túmulo do apóstolo começaram no ano 849 (Peake 1919:213). 6 www.joaomarinho.com
  • 7. • Mas foi a abadia de Cluny, fundada em 910 pelo duque Guilherme da Aquitânia, um dos principais centros dinamizadores das peregrinações jacobeias. 7 cpsc-spa.blogspot.com
  • 8. • Os seus monges estabeleceram-se preferencialmente ao longo dos Caminhos de Santiago, onde fundaram mosteiros, ergueram igrejas, estabeleceram refúgios, hospícios e outras casas ou instituições de assistência aos peregrinos. «pode dizer- se que a ordem de Cluny foi a primeira agencia de propaganda na Europa das peregrinações a Santiago» (Rocha 1993:103). 8 www.sampabikers.com.br
  • 9. • Diego Gelmírez, um antigo escriba do conde D. Raimundo de Borgonha, senhor da Galiza, eleito em 1102 arcebispo de Santiago de Compostela, é o responsável pela compilação de um conjunto de documentos conhecidos como a História Compostelana. 9
  • 10. • A divulgação deste documento serviu para difundir a um vasto público a ideia de que Compostela era o pólo mais importante da cristandade depois de Roma, ou talvez mesmo depois de Jerusalém (Rocha 1993:101). 10 afifedigital.blogs.sapo.pt
  • 11. • Foi a partir do ano 1000 que as peregrinações a Santiago se popularizaram, tornando-se a cidade um dos principais centros de peregrinação cristã (a par de Roma e Jerusalém). 11
  • 12. • A cidade de Santiago é de facto o último grande centro de peregrinação na Idade Média, e fulcral para o processo de reconquista cristã. 12
  • 13. • Os reis que mais apoiaram o Caminho, construindo uma série de infra-estruturas e locais de assistência aos peregrinos, foram Sancho III, o Grande, de Navarra e Afonso VI, o Valente (Rei de Leão entre 1065 e 1109, Rei da Galiza entre 1071 e 1109 e Rei de Castela entre 1072 e 1109). 13 maltez.info
  • 14. • Já antes do nascimento da nacionalidade, a devoção a Santiago tinha raízes no território agora português. A localização geográfica, bem como as identidades histórica, cultural e religiosa portuguesas, geram proximidade com a Galiza. 14 www.vialusitana.org
  • 15. • O Reino de Portugal é fundado a partir da família reinante em Leão, na Galiza e em Castela, e Santiago e o seu culto eram de importância primordial para esses reinos cristãos: «a devoção santiaguista manteve-se intacta quando o território portucalense foi doado ao conde D. Henrique em atenção a sua mulher D. Teresa» (Baquero Moreno 2000: 42). 15
  • 16. • Existe também uma grande afinidade cultural entre os habitantes do território que veio a ser a Galiza e os do norte de Portugal, em virtude, nomeadamente, de todos falarem a mesma língua, que veio a ser definida como galego-português, e da qual proveio o português dos nossos dias. 16
  • 17. • A primeira referência conhecida do culto de Santiago em território hoje português, data do ano de 862, altura em que Portugal fazia parte integrante do reino asturiano, com a sagração e dedicação ao Apóstolo da igreja de Castelo de Neiva, concelho de Viana do Castelo, por iniciativa do bispo Nausto de Coimbra. 17
  • 18. • Durante o reinado de Afonso III de Astúrias em 889 é doado o mosteiro de São Frutuoso de Montelios à igreja de Santiago e semelhantes doações são feitas nos anos seguintes. 18 www.skyscrapercity.com
  • 19. • O Apóstolo aparece como o “patrono da reconquista” e à medida que vão sendo conquistados territórios aos mouros, surgem as primeiras igrejas dedicadas, ou rededicadas, a Santiago. 19
  • 20. • Numerosas famílias portuguesas adoptaram a vieira e outros símbolos jacobeus no brasão das suas armas. 20
  • 21. • O primeiro registo de uma peregrinação a Compostela aparece no ano de 1064. Antes do cerco de Coimbra, reconquistada por Almançor em 987, Fernando Magno peregrina a Santiago para pedir ajuda ao apóstolo: «Depois da conquista de Coimbra, Fernando Magno e Sesnando, governador da cidade e da região, foram a Compostela agradecer ao Apóstolo tão importante vitória» (Cunha 2006:3). 21 Mendes, Ana Catarina (2009). Peregrinos a Santiago de Compostela: Uma Etnografia do Caminho Português. Lisboa: Tese de Mestrado, Universidade de Lisboa
  • 22. • Existe também um registo da peregrinação do Conde D. Henrique e da sua esposa Dona Teresa no ano de 1097 a Santiago. 22
  • 23. • O processo de reconquista, e a paz que dele advém, acompanha a evolução da peregrinação. Associado ao culto de Santiago, e às peregrinações em Portugal estão também os cultos de Santo Amaro, São Roque (peregrinos jacobeus segundo a tradição) e de São Cristóvão e São Gonçalo de Amarante, padroeiros dos caminhos, dos caminhantes e das travessias de rios. 23
  • 24. • Depois de formado o Reino de Portugal, os nossos monarcas demonstraram uma contínua devoção pelo Apóstolo: D. Afonso II (O Gordo) peregrina a Compostela em 1220, o infante português Afonso de Bolonha faz o trajecto em 1243 e em 1244 segue-lhe os passos D. Sancho II. 24
  • 25. • Por esta altura surgem também os primeiros registos da prática da peregrinação "por substituição" – pagando a alguém para ir em seu nome ou deixando em testamento a atribuição de uma verba a quem fosse a “a Santiago da Galiza” em seu nome. 25 umpardebotas.blogs.sapo.pt
  • 26. • Foi o caso de Dona Maria, filha de D. João I. • A mais famosa peregrina que partiu de Portugal é sem dúvida Isabel de Aragão. 26 lapetitetaina.blogspot.com
  • 27. • A Rainha Santa Isabel peregrinou a Compostela duas vezes, na primeira, em 1325, seis meses após a morte de D. Dinis, foi acompanhada de um séquito real, em 1335, tentou uma abordagem mais modesta e um certo anonimato, e os relatos contam que fez todo o percurso a pé. 27 diariodigital.sapo.pt
  • 28. • Muitos monarcas embora não tenham peregrinado a Santiago, contribuíram para a peregrinação com doações para mosteiros, hospitais e albergarias que cuidavam dos peregrinos no Caminho, já que a peregrinação era muito intensa no final da Idade Média. 28
  • 29. • Foram os casos de Penajóia (Lamego), Canavezes, Vila Nova de Cerveira, Ponte de Lima, Guimarães e Chaves que tinham como principal obrigação o cuidado dos peregrinos. 29
  • 30. • Santiago foi protector do exército português até à crise de 1383-1385, altura em que foi substituído por São Jorge, por influência inglesa. Para além da necessidade de chamar por um Santo diferente, esta adopção de São Jorge marca a necessidade de separação e independência de Castela: «por influência do tratado de Windsor Portugal toca o patrono militar Santiago por São Jorge numa verdadeira atitude de anticastelhanismo, nem por isso os portugueses esmoreceram na devoção ao Apóstolo, sendo numerosos os documentos que comprovativos de que as peregrinações continuaram» (Rocha 1993:104). 30
  • 31. • Ainda hoje existem em território português paróquias dedicadas a Santiago e inúmeras misericórdias, albergarias, hospitais, igrejas e ermidas dedicadas ao Apóstolo espalhadas pelo nosso país 31 www.cpisantiago.pt
  • 32. • A própria toponímia portuguesa foi muito marcada pela sua influência, Santiago do Cacém, São Tiago, Caminho, Albergaria e Hospital estão ainda presentes nos nomes de muitas localidades portuguesas. 32
  • 33. • Refira-se a título de exemplo: Santiago do Cacém, Santiago da Guarda (Ansião) Santiago de Cassurrâes (Mangualde), Santiago de Besteiros (Tondela), São Tiago de Custóias (Porto), São Tiago de Lobão (Santa Maria da Feira), S. Tiago de Silvalde (Espinho), entre muitas outras. Algumas destas localidades estão associadas à acção da própria Ordem de Santiago. 33
  • 34. • As próprias lendas Jacobeias estão intimamente ligadas ao nosso país. Conta a lenda que em Guimarães Santiago colocou uma imagem da Virgem Maria num templo pagão onde foi erigida uma capela dedicada ao Apóstolo que foi demolida em finais do século XIX. 34 pt.wikipedia.org Praça da Oliveira, no Centro histórico de Guimarães, com o Padrão do Salado
  • 35. • Em Rates (Póvoa de Varzim) teria ordenado São Pedro de Rates, o primeiro bispo de Braga entre os anos 45 e 60, que teria sido decapitado enquanto celebrava uma missa. • Mosteiro de S. Pedro de Rates 35
  • 36. • As lendas mais famosas são sem dúvida a do Cavaleiro Caio (Vila Nova de Gaia) e a lenda do Galo de Barcelos 36
  • 37. • Os Caminhos de Santiago são hoje percorridos por milhares de peregrinos nas suas sete rotas históricas: o Caminho Francês, o Caminho do Norte, a Via da Prata, a Rota Marítimo Fluvial, o Caminho Inglês, o Caminho Primitivo e o Caminho Português. 37
  • 38. • Além destas rotas, existe ainda o Caminho de Finisterra, que faz a ligação entre as cidades de Santiago e Finisterra. 38
  • 39. • O Caminho Português de Santiago, Caminhos de Santiago dos Portugueses, Via Lusitana ou simplesmente Caminho Português são designações das rotas de peregrinação com origem em Portugal e destino ao túmulo do apóstolo Santiago Maior na Catedral de Santiago de Compostela, no centro da Galiza. 39
  • 40. • É um dos vários Caminhos de Santiago, o conjunto de rotas de peregrinação milenar mais importante da Europa, classificados desde 1998 como Património Mundial pela UNESCO. 40
  • 41. • É frequente que a designação de Caminho Português se refira apenas às rotas em território galego, embora num contexto mais alargado, essa designação se possa aplicar também às rotas que percorrem todo o território português, do Algarve até a Trás-os-Montes e Minho. 41
  • 42. 42
  • 43. O Traçado • Os caminhos percorridos pelos peregrinos portugueses eram muitos e variados. Em geral, eram escolhidos os caminhos mais comuns e mais frequentados, para evitar encontros indesejados com bandidos e salteadores. 43 http://caminhoportuguesdesantiago.com/PT/e tapa_1_1.php
  • 44. • Em rigor, não podemos, pois, apontar apenas um Caminho Português. Antes da marcação efectiva do Caminho no terreno, não havia nem início, nem um percurso definido. Historicamente, a partir de Lisboa, podemos falar de dois grandes caminhos que atravessam o país de Sul a Norte, um na costa e um no interior. 44
  • 45. • O caminho da costa, o mais conhecido, que começa na Sé de Lisboa, segue para Santarém, passando pela Golegã, Tomar, Coimbra, Porto, Barcelos, Ponte de Lima e atravessa a fronteira em Valença. 45 http://caminhoportuguesdesantiago.com/
  • 46. • Em Espanha, passa por Tui, Porriño, Redondela, Pontevedra, Caldas de Reis, Padrón e chega finalmente a Santiago. 46
  • 47. • O caminho foi sinalizado para Santiago (de sul para norte) com setas amarelas e placas de identificação. 47
  • 48. • Mas embora o percurso esteja definido desde 2006, muitos europeus resolvem seguir os seus antepassados à letra e sair da porta de casa, como os peregrinos do passado que peregrinavam guiando-se pelas estrelas até Santiago, seguem caminhos alternativos, historicamente documentados como vias de peregrinação medievais. 48 www.snpcultura.org
  • 49. • Há registo histórico das seguintes ligações: de Lisboa a Coimbra por Leiria; de Braga à Portela do Homem, Ourense, Santiago; de Ponte de Lima a Ponte da Barca e Vilarinho das Furnas; de Coimbra a Viseu, Chaves e Verin. 49
  • 50. • A alternativa de Barcelos a Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença está a ser sinalizada pelo responsável pelo Albergue de São Pedro de Rates. 50
  • 51. • A Via da Prata passa também por Portugal. Entra no nosso país em Alcanices e passa por Bragança, Segirei, Soutochão, atravessa a fronteira em Feces de abaixo para Verin, Ourense e Santiago. 51 www.mulherviajante.com.br
  • 52. • Encontrámos ainda relatos de vários peregrinos que viajaram para Santiago do sul do nosso país e, embora saibamos que existiam rotas de peregrinação, ainda não foi feito o levantamento de nenhum percurso a Sul de Lisboa. 52 ceg.fcsh.unl.pt
  • 53. • Todos estes Caminhos são considerados pelas estatísticas oficiais como fazendo parte do Caminho Português. No ano de 2008, 12 5141 peregrinos solicitaram o comprovativo de conclusão do caminho, a Compostela, à chegada a Santiago. 53 www.vialusitana.org
  • 54. • Destes, 9770 percorreram o Caminho Português. Com cerca de 8% do total de peregrinos, este traçado é o segundo mais percorrido (depois do Caminho Francês), tendência que se mantém pelo menos desde 2006 54
  • 55. • Etapas do Caminho • Porto > Vilarinho • Vilarinho > Barcelos • Barcelos > Ponte de Lima • Ponte de Lima > Valença • Valença > Redondela • Redondela > Pontevedra • Pontevedra > Caldas de Reis • Caldas de Reis> Padrón • Padrón > Santiago de Compostela 55
  • 56. • Caminho Português Etapa 1 • Do Porto a Vilarinho, Vila do Conde • Trecho 1 Saída do Porto • Trecho 2 Passagem por Leça • Trecho 3 Maia 2 • Trecho 4 Cruzando Mosteiró • Trecho 5 Chagada a Vilarinho 56
  • 57. Etapa 2 • De Vilarinho (Vila do Conde) a Barcelos • Trecho 1 Saída de Vilarinho • Trecho 2 Arcos • Trecho 3 Pelo Alto da Mulher Morta • Trecho 4 Pedra Furada • Trecho 5 Chegada a Barcelos 57 www.portugal-reiseinfo.de
  • 58. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto Etapa 3 • De Barcelos a Ponte de Lima • Trecho 1 Saída de Barcelos • Trecho 2 S. Pedro Fins de Tamel • Trecho 3 Cruzando o Rio Neiva • Trecho 4 Vitorino de Piães • Trecho 5 Facha • Trecho 6 Chegada a Ponte de Lima 58 www.almadeviajante.com Peregrinos no Caminho Português de Santiago
  • 59. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto Etapa 4 • De Ponte de Lima a Valença / Tui • Trecho 1 Saída de Ponte de Lima • Trecho 2 Calheiros • Trecho 3 Romarigães • Trecho 4 Cruzando o Rio Coura • Trecho 5 Fontoura • Trecho 6 Valença ou Tui 59 ajflouro.blogspot.com
  • 60. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto Etapa 5 • De Valença / Tui a Redondela • Trecho 1 A Caminho de Redondela • Trecho 2 Ribadelouro • Trecho 3 Junto ao Rio • Trecho 4 O Porriño • Trecho 5 Vilar de Infest • Trecho 6 Chegada a Redondela 60 Wikipedia
  • 61. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto Etapa 6 • De Redondela a Pontevedra • Trecho 1 Saída de Redondela • Trecho 2 Pontesampaio • Trecho 3 Bértola • Trecho 4 Chegada a Pontevedra 61 “Por el Camino Portugués se entra en Pontevedra a través de las calles de A Virxe do Camiño” hitosdelcamino.blogspot.com
  • 62. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto Etapa 7 • De Pontevedra a Caldas de Reis • Trecho 1 Saída de Pontevedra • Trecho 2 Portela • Trecho 3 Briallos • Trecho 4 Chegada a Caldas de Reis 62 www.elsecretodelola.es
  • 63. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto Etapa 8 • De Caldas de Reis a Padrón • Trecho 1 Saída de Caldas de Reis • Trecho 2 Carracedo • Trecho 3 Chegada a Padrón 63
  • 64. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto Etapa 9 • De Padrón a Santiago de Compostela • Trecho 1 Saída de Padrón • Trecho 2 Cruces • Trecho 3 A Casalonga • Trecho 4 Agrela e Agro dos Monteiros • Trecho 5 Chegada a Santiago de Compostela 64
  • 65. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto • Porto Vilarinho (Vila do Conde) 25 kms, Saída do Porto • Se programar a Peregrinação a partir do Porto, o local a escolher para o seu início deverá ser, naturalmente, a Sé Catedral. Aponta a saída pelas oito horas da manhã, pois embora a jornada não seja longa, farás muitos quilómetros em área urbana, atravessando as cidades do Porto e da Maia, com tráfego intenso e, em alguns locais, até com algum perigo. 65
  • 66. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto • Do largo da Sé, desces uma escadaria até à Rua Escura e à Rua da Banharia, dois estreitos arruamentos do burgo medieval, atravessas a movimentada Rua Mouzinho da Silveira e a das Flores e pela Rua dos Caldeireiros alcanças o Campo dos Mártires da Pátria, a antiga Cordoaria, extra- muros da cidade. 66
  • 67. A Rota do Caminho Português de Santiago desde o Porto • À direita, a pouca distância, a Torre dos Clérigos, o ex-libris da cidade invicta. Atravessamos o Campo, paramos junto à Igreja do Carmo e entra-se na Rua de Cedofeita, uma das principais artérias comerciais do Porto e que percorrerás na sua totalidade até à Capela da Ramada Alta. 67
  • 68. • Daí, pelo Carvalhido e com a Quinta da Prelada à mão esquerda (Parque de Campismo, que te pode ser útil), passas por baixo da Via de Cintura Interna e vai-se até ao Monte dos Burgos, onde atravessamos a Via da Circunvalação. 68
  • 69. • Mantemos sempre esta direcção até ao Padrão da Légua e a Aráujo, já subúrbios da cidade do Porto e aqui deveremos optar por uma das duas alternativas que o Caminho tem para atravessar o rio Leça - pela ponte romana de Barreiros ou pela ponte romana de Moreira. 69
  • 70. • A primeira é mais antiga, apresentando, contudo, o óbice do atravessamento da N13, uma via rápida de intenso tráfego, e em local perigoso. 70 Google Maps, Via Norte, N14
  • 71. • É um percurso interessante até as proximidades da cidade da Maia, perdendo depois com a passagem pela Zona Industrial até Vilar do Pinheiro. 71
  • 72. • A segunda é já posterior ao séc. XV mas segue um percurso mais fácil, pelo Convento de Moreira da Maia, também até Vilar do Pinheiro, onde reencontra aquela. 72
  • 73. • A partir daqui o traçado volta a ser um só, ganhando com a progressiva transição do meio urbano para o rural. Vais encontrar Mosteiró, um lugar onde poderás descansar e improvisar um almoço. 73 Igreja Mosteiró
  • 74. • Depois vem Gião e a seguir Vairão, onde a envolvência é caracterizada por uma intensa actividade agrícola que marca profundamente a paisagem. E saímos do Distrito do Porto 74
  • 75. • O Caminho tornou-se muito popular nos últimos anos devido a vários factores: as autoridades espanholas e as juntas locais trabalham para atrair peregrinos, publicitando o Caminho e melhorando as infra- estruturas para os receber, já que são estes “turistas” que mantêm vivas muitas das aldeolas ao longo da rota. 75
  • 76. • Outra das razões prende-se com o surgimento de cada vez mais associações que promovem peregrinações em grupo. 76
  • 77. • Existe também uma mudança de mentalidade que promove a ligação com a natureza e publicita este tipo de rotas. Em Portugal, o apoio é escasso e contam-se apenas com a colaboração e incentivo de alguns autarcas e associações. 77
  • 78. Bibliografia – Mendes, Ana Catarina (2009). Peregrinos a Santiago de Compostela: Uma Etnografia do Caminho Português. Lisboa: Tese de Mestrado, Universidade de Lisboa – http://www.caminhoportosantiago.com/PT/santiago.html – http://www.caminhoportuguesdesantiago.com/PT/caminho.ph p – http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminhos_de_Santiago – http://www.spain.info/pt/que-quieres/rutas/grandes- rutas/camino-santiago/ – http://atc.pt/files/72/7201.pdf – http://www.santiago.org.br/caminho-de-santiago-historia.asp – http://www.santiago.org.br/caminho-de-santiago-o-que-e.asp – http://www.confrariaapostolosantiago.com.br/depoimentos/his toria-do-caminho.pdf 78 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  • 79. Bibliografia – http://whc.unesco.org/en/list/669 – http://pt.wikipedia.org/wiki/Codex_Calixtinus – http://www.galeon.com/projetochronos/chronosmedieval/santi ago/codex.htm – http://pt.scribd.com/doc/54472683/O-Codex-Calixtinus#scribd – http://camino.xacobeo.es/pt-pt/caminhos/caminho-portugues – http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminho_Portugu%C3%AAs_de_Sa ntiago – http://www.caminhoportosantiago.com/PT/santiago- historia.html – http://ocaminhodecompostela.blogspot.pt/2006/12/historia- de-santiago-de-compostela.html – http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminho_Portugu%C3%AAs_de_Sa ntiago 79 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  • 80. Bibliografia – http://whc.unesco.org/en/list/669 – http://pt.wikipedia.org/wiki/Cruz_de_Santiago – http://www.caminhoportuguesdesantiago.com/PT/ – http://www.caminhodesantiago.com.br/guia_portugues.h tm – http://www.caminhoportuguesdesantiago.com/PT/caminh o.php – http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/299/1/20587_uls d_dep.17914_M_1.pdf 80 Património Cultural – O Caminho de Santiago
  • 81. Bibliografia fotográfica – http://2.bp.blogspot.com/- 6sjIwT7QqoQ/VNld6pmPkKI/AAAAAAAAsrY/0N-OhbkM- GU/s1600/Teodomiro%2Bdescobre%2Bo%2Bt%C3%BAmul o%2Bde%2BSantiago.jpg – http://images.world66.com/sa/nt/ia/santiago_peregrino_g alleryfull 81 Património Cultural – O Caminho de Santiago