Proposta curricular para o 3º ano do ensino fundamental

5.817 visualizações

Publicada em

Secretaria Municipal de Educação de Marília - SP

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.817
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
719
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
89
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Proposta curricular para o 3º ano do ensino fundamental

  1. 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 1 Proposta Curricular para o 3º ano do Ensino Fundamental Apresentação: O 3º ano do Ensino Fundamental de Nove Anos representa a culminância de um dos ciclos da infância (6 a 8 anos), portanto, há a necessidade da escola consolidar o processo de alfabetização e oferecer as condições adequadas para que os alunos possam avançar na construção do conhecimento. Nesse sentido, é fundamental que os conceitos básicos das áreas do conhecimento estejam incorporados, através de um trabalho pedagógico sistematizado, respeitando a criança como um sujeito histórico, com suas formas próprias de expressão, socialização e interpretação do mundo. Considerando essa visão pedagógica, a Proposta Curricular do 3º ano oferece a garantia de um trabalho voltado para a socialização dos saberes construídos historicamente pela humanidade, e vislumbra avanços significativos quanto ao fazer pedagógico do professor. Esperamos que esse documento possa favorecer a promoção de um ensino de qualidade e caminhar para uma sintonia pedagógica na rede municipal de Marília, tendo como parâmetro o respeito à autonomia da escola e à pluralidade de ideias. Marília, fevereiro de 2011. Prof. Mário Bulgareli Prefeito Municipal Prof. Joaquim Bento Feijão Profª. Rosani Puia de Souza Pereira Diretor de Gestão Escolar Secretária Municipal da Educação
  2. 2. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 2 Sumário Áreas do Conhecimento I – Língua Portuguesa A – Expectativas de Aprendizagem _______________________________________ 03 e 04 B – Conteúdos________________________________________________________ 05 e 06 C – Orientações Didáticas_________________________________07, 08, 09, 10, 11, 12 e 13 II – Matemática A – Expectativas de Aprendizagem____________________________________________ 13 B – Conteúdos ____________________________________________________________ 14 C – Orientações Didáticas___________________________________________________ 15 III – Ciências Naturais A – Expectativas de Aprendizagem ____________________________________________16 B – Conteúdos ____________________________________________________________ 17 C – Orientações Didáticas____________________________________________________18 IV– História A – Expectativas de Aprendizagem ____________________________________________19 B – Conteúdos ____________________________________________________________ 20 C – Orientações Didáticas________________________________________________21 e 22 V – Geografia A – Expectativas de Aprendizagem ____________________________________________23 B – Conteúdos_____________________________________________________________24 C – Orientações Didáticas________________________________________________25 e 26 VI – Arte A – Expectativas de Aprendizagem _____________________________________26, 27 e 28 B – Conteúdos_____________________________________________________________29 C – Orientações Didáticas_____________________________________________30, 31 e 32 VII – Educação Física A – Expectativas de Aprendizagem ____________________________________________33 B – Conteúdos ____________________________________________________________ 34 C – Orientações Didáticas____________________________________________________35 VIII – Organização Pedagógica _____________________________________________ 36 A – Rotina ___________________________________________________________ 37 e 38 B – Atividades Permanentes _________________________________________ 39, 40 e 41 C_ Sequência Didática _______________________________________________41, 42 e 43 D_ Projetos de Trabalho _________________________________________________43 e 44 IX– Avaliação _______________________________________________44, 45, 46, 47 e 48 Referências Bibliográficas ______________________________________________49 e 50
  3. 3. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 3 I – Língua Portuguesa A – Expectativas de Aprendizagem Os alunos, ao final do3º ano do Ensino Fundamental, deverão ser capazes de:  Utilizar as diferentes linguagens (corporal, musical, plástica e cênica) como forma de expressão e valorização da cultura popular e erudita;  Reconhecer e utilizar o nível da linguagem (formal/informal) relacionando a finalidade, o interlocutor e o contexto inserido;  Participar de situações de intercambio oral, ouvindo com atenção, formulando perguntas, relatando, comentando e estabelecendo conexões entre o texto, os conhecimentos prévios, vivencias, crenças e valores;  Interagir e compreender diferentes gêneros (textos literários, instrucionais, informativos, diários, propagandístico, etc.) relacionando-o à situação comunicativa e ao suporte em que circular originalmente, tanto em situações de escrita, reescrita e de leitura;  Apreciar e ler textos literários;  Utilizar as diferentes estratégias de leitura (antecipar, inferir, confirmar, selecionar, sumariar, sintetizar) no contato com os diversos gêneros textuais, a fim de construir a compreensão global do texto;  Buscar pistas textuais, intertextuais e contextuais para ler e compreender textos diversos;  Ler, por si mesmos diferentes gêneros (textos literários, textos instrucionais, textos de divulgação científica e notícias) apoiando-se em conhecimentos sobre o tema do texto e as características de seu portador, do gênero e do sistema de escrita.  Compreender a natureza do sistema de escrita e produzir alfabeticamente escrita de memória ou a partir de um texto de referência, levando em conta o gênero, o contexto e a finalidade;  Produzir textos de autoria alfabeticamente utilizando procedimentos de escritor: planejar o que vai escrever considerando a intencionalidade, o interlocutor, o portador e as características do gênero;
  4. 4. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 4  Conhecer e utilizar em seus escritos as convenções gráficas (orientação e alinhamento da escrita, tipos de letras, segmentação, pontuação, regularidades/irregularidade ortográficas), considerando a finalidade, o interlocutor e o gênero textual.  Revisar textos coletivamente com a ajuda do professor, observando os aspectos de estrutura textual, coerência, coesão e ortografia;  Revisar e editar o texto focalizando os aspectos de análise e reflexão da Língua e da linguagem;
  5. 5. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 5 B - CONTEÚDOS LÍNGUA PORTUGUESA – 3 º ANO Práticas de Linguagem Oral. Práticas de Leitura. Práticas de Escrita. Análise e Reflexão sobre a Escrita  Participação em situação de intercâmbio oral que requeiram: ouvir com atenção, intervir sem sair do assunto tratado, formular perguntas, explicar, manifestar e acolher opiniões;  Relato de experiências vividas e acontecimentos, respeitando a sequência temporal e causal;  Instruções orais e esclarecimentos de possíveis dúvidas pelo interlocutor;  Reconto de histórias conhecidas com aproximação às características da história original;  Exposição de assuntos pesquisados apoiando-se em ilustração ou esquema;  Comentários de notícias veiculadas em diferentes mídias;  Apreciação de poemas lidos ou recitados, cantigas de roda e outros textos;  Descrição (itinerários, dentro  Participação e apreciação de situações de leitura, assumindo um papel interativo e participativo, intervindo e apontando as relações do conteúdo;  Nível de linguagem em uso: formal/ informal, observando finalidade e interlocutor;  Relação do gênero à situação comunicativa, finalidade e ao suporte original;  Gêneros discursivos: características externas e marcas lingüísticas:  Narrar (ficção e criação): contos, fábulas, lendas;  Relatar (relato de algo que realmente aconteceu): diários, depoimentos, relatos históricos, reportagens;  Expor (divulgação de conhecimentos científicos): artigos científicos, seminários, verbetes de enciclopédia;  Argumentar (defesa de um posicionamento): Cartas do leitor, debates, artigos de opinião;  Instruir (informação de procedimento): manuais de instrução, receitas, bulas de  Produção textual com apoio (professor, duplas, coletivamente), com foco predeterminado (proposta, estrutura textual, coerência / coesão ou ortografia);  Reescrita de memória e novo texto a partir de referência, considerando a função do texto, forma física do texto (silhueta) e as características do gênero.  Produção de textos escritos de gêneros diversos, adequados à finalidade, ao interlocutor e ao contexto de circulação:  Literários: Contos, lendas, folhetos de cordel, fábulas, histórias em quadrinhos, adivinhações, trava-língua, parlendas, músicas e poemas;  Enumerativos: listas, agendas, índices, cartazes;  Informativos: convites cartões, cartas, bilhetes, gráficos e notícias;  Diferenciação entre o sistema de escrita e outras formas gráficas de representação;  Compreensão da natureza alfabética e uso do sistema de escrita;  Orientação e o alinhamento da escrita da língua portuguesa;  Segmentação das palavras, frases, períodos e parágrafos;  Formas e tipos de letras (forma, cursiva, maiúscula e minúscula);  Exploração das possibilidades e recursos de linguagem que se usa para escrever a partir da observação e análise de textos impressos, utilizando como referência;  Reflexão sobre convenções sobre o sistema de escrita, observando palavras compostas por sílabas não canônicas (sílabas complexas);  Reflexão sobre regularidades ortográficas:  Regulares diretas (trocas P/B, T/D e F/V)  Regulares contextuais (R/RR, G/GU, M/N, etc.);  Regulares morfológico-gramaticais (L/U, AM/ÃO, etc.).
  6. 6. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 6 de uma narração ou de uma exposição) de personagens, cenários e objetos; ajustando-se ao propósito destinatário e contexto;  Canto e diversos gêneros musicais com valor cultural.  Dramatização de contos, músicas e diversos textos. remédio, regras de jogo.  Participação em situação de leitura (questionamento de texto), considerando:  Contexto situacional e cultural;  Tipo de texto e superestrutura;  Coerência do discurso e coesão;  Marcas significativas de sintaxe e de léxico;  Leitura de textos ajustando-se o falado ao escrito;  Estratégias de leitura:  Antecipação;  Inferência;  Confirmação;  Seleção;  Sumarização;  Sintetização  Relação entre título e corpo do texto ou imagens, fotos e ilustrações;  Informações implícitas, explícitas,  Significado de palavras ou expressões a partir do texto, selecionando a acepção mais adequada em verbete de dicionário ou enciclopédia;  Inerência, localização e relação entre a idéia/assunto principal de cada texto;  Observação do funcionamento do ritmo e da rima nos poemas para compreender alguns de seus usos;  Expositivos: biografias, relatórios e definições;  Prescritivos: receitas, regras, bulas e instruções;  Elementos da narrativa (enredo: situação inicial, conflito gerador, desenvolvimento, clímax e desfecho); personagens, tempo; espaço, foco narrativo e ponto de vista do autor;  Distinção e uso entre a fala do personagem e enunciado do narrador;  Expressões e palavras que marcam a progressão do tempo e as relações de causalidade;  Produção de texto de autoria, adequando ao gênero, tema, contexto e convenções gráficas;  Procedimentos de produção de textos (planejar, redigir, reler, confrontar, revisar e cuidar da apresentação);  Reflexão sobre irregularidades ortográficas, observando modelos (dicionários), palavras de uso frequente (cotidiano), radical das palavras (família semântica).  Exploração de aspectos gramaticais que podem funcionar na organização textual, constituindo discursos em que os interlocutores possam interagir com eficiência;  Elementos constitutivos da organização interna em um gênero:  Pontuação: final, medial e construção do diálogo.  Paragrafação;  Marcas lingüísticas;  Tempos verbais;  Conectivos;  Revisão e edição (versões) do texto focalizando os aspectos estudados na análise e reflexão sobre a Língua e Linguagem; Observação: A organização dos conteúdos de Língua Portuguesa em função do eixo USO – REFLEXÃO - USO pressupõe um tratamento cíclico, cabendo aos professores trabalhá-los de uma forma integrada em todos os bimestres.
  7. 7. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 7 C – Orientações Didáticas 1- Práticas de Linguagem oral  Organizar rodas de conversa em que os alunos possam escutar e narrar fatos conhecidos ou relatar experiências e acontecimentos do cotidiano. Nessas situações é necessário garantir que os alunos possam expressar sensações, sentimentos, opiniões e necessidades;  Propor apresentações em que os alunos possam expor oralmente um tema/assunto, declamar poesias e participar em campanhas educativas;  Promover situações de conversas em torno de textos que ajudem os alunos a compreender e distinguir características da linguagem oral e da linguagem escrita;  Organizar situações em que as crianças estabelecem uma relação entre o que é falado e o que está escrito. Mediante a reflexão e intervenção do professor, perceber as diferenças linguísticas de cada situação;  Reconstrução oral de histórias conhecidas – trata-se de mais um passo do processo de aprendizagem. A reconstrução não é somente um resumo do argumento, do conteúdo da história. Na reconstrução interessa, além da fidelidade ao argumento, a utilização dos elementos linguísticos próprios do gênero  Criação de textos orais diversos, reconstruindo o enredo, conteúdo e a mensagem, a fim de organizar ideias principais dos mesmos; 2- Práticas de leitura  O espaço da sala de aula deve ser um espaço de formação de leitores. Um ambiente que favoreça a prática constante de leitura de textos em situação real de comunicação, a partir de um trabalho que deve se organizar em torno da diversidade de textos que circulam na sociedade. Esse trabalho deve envolver todos os alunos, inclusive aqueles que não leem convencionalmente;  Organizar um acervo de classe com livros de boa qualidade literária para uso dos alunos. Viabilizando também, o uso da biblioteca tanto para exploração em sala de aula como para empréstimos;  Atividades de leitura para os alunos que não sabem ler convencionalmente, oferecendo textos conhecidos de memória - parlendas e canções - em que a
  8. 8. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 8 tarefa é descobrir o que está escrito em cada parte, ajustando o falado ao que está escrito;  Promover leituras diárias pelas crianças e leituras dos professores, utilizando livros, jornais, panfletos, músicas, poesias, histórias em capítulos; de forma a repertoriá-los ao mesmo tempo em que se familiarizam com a linguagem escrita;  Proporcionar situações de leitura pelos alunos de diferentes gêneros textuais para dotá-los de conhecimento sobre as características do gênero, contexto, tema e finalidade.  Oportunizar momentos em que as crianças sintam a necessidade de descobrir o sentido do texto apoiando-se nos mais diversos elementos, como nas figuras, na diagramação, em seus conhecimentos prévios sobre o assunto etc.;  Ler é uma atividade reflexiva que exige intervenção do professor, portanto é necessário, ensinar os alunos a utilizar as estratégias de leitura, a fim de torná-los leitores capazes de construir o sentido global de diferentes textos com quais se defrontam no seu cotidiano:  Antes da realização leitura (antecipação, levantamento de hipóteses, conhecimentos prévios, etc.),  Durante a realização da leitura (representações parciais do texto, tecer relações entre os diferentes elementos do texto, buscar pistas textuais e contextuais, confirmar hipótese, confrontar textos, selecionar marcas linguísticas, etc.)  Após a realização da leitura (fazer inferências, confirmar hipóteses, pontos de vista, estabelecer relações com outros textos e explorar o sentido do texto para outras vivências);  A leitura é uma atividade de resolução de problemas, desta forma, torna-se essencial que os alunos participem de situações de questionamento de texto, considerando:  Contexto situacional e cultural (quem escreveu, o que escreveu, para que ou para quem foi escrito, onde, quando, edição, autor, etc.)  Tipo de texto e superestrutura (organização espacial- silhueta do texto e dinâmica interna);  Coerência do discurso e coesão (enunciação: pessoa, referência de tempo, lugar, modalidades de expressões, substitutos e dispositivos de conexão);
  9. 9. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 9  Marcas significativas de sintaxe e de léxico (marcas nominais, verbais, denotação e conotação, palavras em contexto - campo semântico).  Organizar atividades de leitura com diferentes propósitos (resolver um problema prático, divertir-se, informar-se, localizar uma informação específica, revisar o próprio texto), propiciando que os alunos aprendam os procedimentos adequados aos propósitos e gêneros;  Selecionar textos adequados para o trabalho de reflexão sobre a escrita, no qual possibilitem a realização de sequências didáticas. 3- Práticas de Escrita  Criar um ambiente alfabetizador e organizar situações de aprendizagem que possibilitem a discussão e reflexão sobre a escrita alfabética. Essas situações de aprendizagem devem acontecer de modo a possibilitar que o professor conheça as concepções de escrita que os alunos possuem e saibam as melhores estratégias de intervenção;  As atividades de escrita devem ser diárias e significativas para as crianças, revestindo a escrita de seu caráter social;  Propor atividades lúdicas (jogos e brincadeiras), envolvendo a leitura e escrita;  Planejar atividades de escrita contextualizadas e adequadas para o trabalho de reflexão sobre a Língua, desenvolvendo sequências didáticas significativas aos alunos;  Propor aos alunos que escrevam os diferentes gêneros textuais, ainda que não o façam convencionalmente. Mas o fato das escritas não convencionais serem aceitas não significa ausência de intervenção pedagógica para a construção da escrita convencional, visto que sem esta intervenção os avanços não ocorrem;  Os saberes sobre o sistema de escrita e sobre a linguagem escrita devem ser ensinados e sistematizados. Não é suficiente a exposição dos estudantes aos textos para que aprendam como o sistema de escrita funciona ou para que aprendam a escrever textos expressivos ajustados às expectativas do contexto de produção;  Organizar e combinar as atividades do dia, fazendo uso da escrita na sala de aula, com diferentes finalidades, envolvendo os alunos (registro da
  10. 10. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 10 rotina do dia, anotações de combinados coletivos, listas de organização de trabalhos, jogos e festas, etc.);  Produzir coletivamente os textos: estratégia semanal que proporciona a evolução dos níveis de escrita e permite explorar a organização e riqueza das ideias, características próprias de cada gênero e aspectos de coerência e coesão;  Promover atividades de produção de textual a partir de texto de referência, reescrita de textos diversos, modificar o final de uma história, continuar um texto, transformar um gênero em outro;  Atividades que o professor assuma a posição de apoio, produzindo coletivamente pré-texto ou roteiros para a produção textual; auxiliando os alunos na organização textual;  Atividades em que os diferentes gêneros sejam apresentados aos alunos, tornando - os familiares, de modo a reconhecer as suas diferentes funções e organizações discursivas;  Propor atividades em que os alunos são convidados a analisar textos bem escritos de autores consagrados, destacando aspectos no que se refere à escolha de palavras, recursos de substituição, de concordância, pontuação e marcas que identifiquem estilos, reconhecendo as qualidades estéticas do texto;  A atividade de produção textual constitui-se em procedimento de construção de competências, desta forma é necessário garantir:  Contextualização: planejar atividades visando criar condições para o aluno produzir o texto, ou seja, enriquecer os conhecimentos do aluno sobre a situação de comunicação (emissor, destinatário, etc.), finalidade, gênero e conteúdo/tema que vai ser escrito.  Proposta: tem que ser clara e sedutora para o aluno; de preferência, com um objetivo de comunicação real.  1ª versão: escrita individual do aluno; o professor deve percorrer a sala durante a produção, orientando quando for solicitado na macro estrutura , coerência/coesão e convenções próprias à linguagem escrita.  Reflexão sobre o texto: nesse momento, o professor devolve os textos aos alunos (1ª versão) oferece condições para o aluno refletir e autocorrigir o seu texto: confrontação e socialização com os colegas, confrontação com textos de autores (apresentação de modelo-referência), critérios para autocorreção, correção coletiva de um texto de algum aluno, etc.
  11. 11. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 11  2ª versão: o aluno reescreve o seu texto, após ter tido oportunidade de refletir sobre seu escrito. Neste texto o professor vai orientar na micro estrutura e na macro, se necessário. As correções podem ser feitas: através de legendas, escrevendo da maneira correta no alto ou embaixo da palavra grafada de forma não convencional, nunca por cima da mesma, rabiscando-a,  Versão final: tem que atingir o “melhor possível” para o momento, garantir a legibilidade, partilhar (exposição nos painéis, montagem de livros, portfólio), tem que ser lida pelo professor, a fim de checar se foram atingidos os propósitos predeterminados.  Avaliação - Cada criança realiza a autoavaliação relativa à sua produção final e as demais. O professor deve realizar a avaliação global ou dos progressos e ainda do que resta aprender.  Planejar propostas de produção de texto pertinentes às necessidades da turma e reflexibilizadas aos alunos com defasagem ou dificuldades de aprendizagem. Nesta situação as propostas devem ser diversificadas e significativas aos alunos, favorecendo a expressão através da linguagem escrita.  Atividades em que o professor assuma a posição de escriba para que os alunos revisem coletivamente textos já escritos, levando-os a verificar a adequação do escrito do ponto discursivo, priorizando um aspecto de cada vez: proposta, estruturação, coerência/coesão, ortografia e vocabulário;  Atividades de produção de textos de autoria definindo o leitor, o propósito e o gênero de acordo com a situação comunicativa.  Atividades para ensinar procedimentos de produção de texto (planejar, redigir, reler, revisar e cuidar da apresentação; 4- Análise e Reflexão sobre a escrita  Propor atividades de escrita em que os alunos, com hipótese não alfabética, sejam colocados para escrever textos de memória (o texto falado, não sua forma escrita), como parlendas, quadrinhas e canções. O objetivo é que os alunos reflitam sobre o sistema de escrita;  Planejar atividades diversas com escrita do próprio nome;  Propor atividades em que os alunos possam observar e refletir sobre o alinhamento, direcionamento e distribuição espacial (marcadores de espaço: segmentação, pontuação e parágrafos) do texto no seu suporte;  Organizar atividades em que os alunos tenham a necessidade de utilizar a ordem alfabética em algumas de suas aplicações sociais, como no uso de
  12. 12. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 12 agenda telefônica, dicionário, guias e na organização de listas dos nomes dos alunos e outras que se fizer necessário;  Atividades de escrita em que os alunos, com hipótese ainda não alfabética, façam uso de letras móveis (alfabeto móvel). A mobilidade deste material potencializa a reflexão sobre a escolha de cada letra;  Promover atividades em que os alunos possam refletir sobre convenções sobre o sistema de escrita, observando palavras compostas por sílabas não canônicas (sílabas complexas);  A compreensão do sistema de escrita passa pelo reconhecimento de suas diferentes formas e usos, portanto o trabalho com a letra cursiva deve acontecer somente após o aluno dominar alfabeticamente a estrutura deste e inserido em um contexto prazeroso e funcional;  Atividades de reflexão ortográfica para os alunos que escrevem alfabeticamente. Para isso é necessário eleger quais correspondências irregulares e regulares será objeto de reflexão, partindo sempre dos textos dos alunos, analisando o tipo de erro, estruturando o trabalho em atividades de geração (investigação-descoberta), sistematização e manutenção, utilizando estratégias diversas:  Para as regulares: banco de palavras (levantamento dos erros mais comuns da turma), observação da regularidade (observar o que é regular, acontece reiteradamente na mesma situação na notação das palavras), construção de regras ortográficas (atividades que gerem reflexão sobre as regularidades e formulação de regras), quadros de regras ortográficas (registro das descobertas-cartazes), aplicação (uso das regras ortográficas nas situações de escrita).  Para as irregulares: promover a discussão entre os alunos sobre a forma de grafar determinada palavra, priorizando as palavras de uso frequente, construindo listas com determinada dificuldade de grafia( ligada a um tema/ contexto), observação de palavras que pertencem a uma mesma família semântica, cartazes, jogos e uso do dicionário, etc.  Promover atividades de reflexão sobre o sistema de pontuação a partir da análise de como os bons autores utilizam a pontuação para organizar seus textos.  Planejar atividades em que os alunos revisem textos (próprios ou de outros), coletivamente, pequenos grupos ou individualmente, buscando identificar problemas discursivos (coerência/coesão, estruturação, pontuação, ortografia, etc);  Promover sequências didáticas em que os alunos produzam textos com propósitos sociais e tenham que revisar distintas versões até considerarem o texto bem escrito, compondo um processo de reflexão sobre os aspectos estudados da língua e da linguagem.
  13. 13. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 13 II – Matemática A – Expectativas de Aprendizagem Os alunos, ao final do 3° ano do Ensino Fundamental, deverão ser capazes de: 1 – Números e Operações  Compor e decompor números menores que 1000, comparando-os e ordenando-os;  Resolver situações-problema envolvendo as ideias das operações fundamentais;  Registrar adequadamente, através de algoritmos as operações com as ideias da adição, multiplicação, subtração e divisão;  Compreender e utilizar a numeração ordinal, registrando-a;  Sistematizar técnicas operatórias sem e com reagrupamentos. 2 – Espaço e Forma  Identificar e comparar sólidos geométricos mais comuns;  Perceber semelhantes e diferenças entre sólidos geométricos e relacioná-los com objetos do cotidiano;  Construir objetos com formas geométricas diversos e utilizá-los em situações- problema;  Classificar figuras geométricas;  Reconhecer as faces, vértices e arestas de um poliedro. 3 – Grandezas e Medidas  Utilizar medidas de tempo, explorando o calendário;  Reconhecer medidas de tempo: mês, bimestre, trimestre, semestre, ano, década e século;  Reconhecer medidas de uso social: centímetro, metro, quilômetro, litro, quilo, dúzia, dobro, triplo, metade;  Utilizar instrumentos padronizados de medidas. 4 – Tratamento da Informação  Criar registros próprios para consolidar informações pessoais;  Coletar informações e registrá-las em tabelas;  Elaborar e interpretar gráficos e tabelas;  Produzir escritos a partir da interpretação de gráficos e tabelas.
  14. 14. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 14 B - CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA – 3º ANO 1 – Números e Operações 2 – Espaço e Forma 3 – Grandezas e Medidas 4 – Tratamento da Informação  Composição e decomposição de números menores que 1000;  Leitura e escrita de números menores que 1000;  Utilização de números ordinais em atividades do cotidiano;  Cálculo mental (estimativas) relacionado à situações-problema;  Idéias das operações fundamentais através de situações-problema, com registro de algoritmos: - Adição: juntar e acrescentar; - Multiplicação: adição de parcelas iguais e análise combinatória; - Subtração: tirar, comparar e completar; - Divisão: repartir e medir.  Técnicas Operatórias de adição, multiplicação e subtração: sem e com reagrupamento, divisão: exata e não exata, dividir por decomposição.  Percepção e distinção de formas geométricas;  Identificação de semelhanças e diferenças entre objetos;  Classificações segundo a forma;  Classificação das figuras não planas em: poliedros e corpos redondos;  Construção de modelos;  Simetria em figuras planas e não planas;  Reconhecimento de faces, vértices e arestas de um poliedro.  Unidades de medidas de tempo: mês, bimestre, trimestre, semestre, ano, década e século;  Medidas de uso social: centímetro, metro, quilômetro, litro, quilo, dúzia, dobro, triplo, metade;  Uso de instrumentos padronizados de medidas.  Registros pessoais;  Elaboração e interpretação de gráficos e tabelas;  Produção de textos escritos a partir da interpretação de gráficos e tabelas Observação: Os conteúdos de Matemática estão elencados por temas, cabendo ao professor trabalhá-los de uma forma integrada em todos os bimestres.
  15. 15. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 15 C – Orientações Didáticas  Para que o aluno compreenda as ideias matemáticas e sistematize-as, é necessário que o professor estabeleça uma sequência didática (etapas) para a resolução das situações-problemas propostas;  As aulas de Matemática devem ser iniciadas com um “desafio” (situação- problema) que estimule o cálculo mental e favoreça a elaboração de estimativas;  Um dos principais objetivos do ensino de Matemática é fazer ao aluno pensar produtivamente, portanto, todo fazer pedagógico do professor deve ser planejado a partir de situações-problema;  As situações-problema propostas não podem estar muito além ou aquém das possibilidades dos alunos. Isto poderia gerar medo, ansiedade e pouco envolvimento com a situação;  O ensino da matemática deve ser interdisciplinar, com o envolvimento das outras áreas do conhecimento, mas a especificidade dos conteúdos deve ser garantida;  Os jogos matemáticos são essenciais para a formação dos conceitos;  É importante que os alunos representem a situação-problema: dramatizando, utilizando-se de desenhos, materiais de sucata, listas etc;  Valorize o processo, a maneira como o aluno resolveu o problema, e não apenas o resultado;  As soluções incorretas apresentadas pelos alunos devem ser pontos para a reflexão e não para censuras;  Utilizar adequadamente materiais elaborados como: ábacos, blocos lógicos, material dourado, material Cuisenaire;  É fundamental que o aluno construa materiais específicos como: sólidos geométricos, tabelas, gráficos, dobraduras etc;  As atividades realizadas pelos alunos devem ser socializadas em exposições, murais (sala de aula e pátio) e portfólios;  A socialização favorece a comunicação das ideias e a sistematização dos conceitos compreendidos;  O uso da informática no ensino da matemática deve ser aprimorado e torna-se essencial quando as atividades propostas são desafiadoras.
  16. 16. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 16 III – Ciências Naturais A – Expectativas de Aprendizagem Os alunos, ao final de 3º ano do Ensino Fundamental, deverão ser capazes de:  Apresentar atitude investigativa, levantando e testando hipóteses a partir de experimentos sobre materiais e objetos do meio ambiente, elaborando conceitos e reconhecendo características em relação ao meio natural e construído;  Identificar características do próprio corpo, compreendendo a função dos diversos órgãos e seu funcionamento;  Distinguir características sexuais primárias e as diversas etapas de desenvolvimento que o ser humano passa ao longo da vida, valorizando e respeitando as diferenças;  Aplicar os conhecimentos relativos à manutenção do bem estar físico e mental em seu dia-a-dia (noções de higiene, cuidados com o corpo, alimentação saudável);  Analisar situações que podem acarretar acidentes, evitando contato com substâncias tóxicas e/ou materiais que comprometem a saúde;  Desenvolver a consciência ecológica, valorizando a inter-relação do homem com o meio ambiente de forma equilibrada, com ações de preservação da fauna e flora;  Promover mudanças no ambiente em que vive, através de práticas como reciclagem e economia de recursos naturais;  Conhecer diversas espécies da fauna e da flora, classificando as mesmas a partir de suas características e propriedades distintas;  Entender que algumas situações estudadas dentro da ótica das “Ciências Naturais” têm relação direta com problemas sociais, como a questão da poluição, programas de saneamento e ocupação inadequada de ambientes;  Perceber a relação direta que o homem possui com a natureza, possibilitando qualidade de vida através da utilização de recursos naturais como a água, as árvores e cultivo do solo;  Valorizar o desenvolvimento tecnológico, observando a variedade de inovações que são alcançadas através da transformação da matéria-prima, possibilitando conforto e também melhorias em áreas fundamentais como a saúde.
  17. 17. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 17 CONTEÚDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS – 3º ANO Corpo Humano e Saúde Os seres vivos e o Ambiente As relações do homem com a natureza  Características externas do corpo (membros superiores e inferiores)  Características sexuais primárias (meninos e meninas)  Transformação do corpo nas diversas fases da vida (nascimento/ infância/juventude/ adulto/ velhice)  Cuidados com o corpo: - noções de higiene corporal e coletiva - vacinas obrigatórias - doenças contagiosas - prevenção de acidentes (plantas e substâncias tóxica/ animais/ materiais/ objetos/ circunstâncias)  Água: - locais onde existe na natureza - ciclo - relação do seres vivos com água - poluição e preservação  Ar: - importância, poluição e preservação  Solo - tipos de solos de acordo como o meio ambiente - poluição, erosão e preservação  Seres vivos (animais e plantas): - comportamento dos seres vivos: - classificação - cadeia alimentar - reprodução  Intervenção do homem no meio ambiente (ambiente natural e construído)  As diferentes formas de energia aproveitáveis  Origens e propriedades de determinados materiais e formas de energia para relacioná-las aos seus usos  Recursos tecnológicos: objetos fabricados por diferentes processos (matéria prima/ etapas/ características do processo)  Espécies da fauna e da flora ameaçados de extinção em função de desequilíbrios da natureza provocados pela atividade humana.
  18. 18. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 18 C – Orientações Didáticas  O questionamento dentro do ensino de Ciências deve ser mecanismo presente. Sua utilização não deve ser pautada no sentido de avaliar aprendizado de conteúdos conceituais, mas no desenvolvimento de posturas críticas;  Os conteúdos não devem ser encarados de forma neutra. É fundamental que os conceitos apresentados sejam abordados em seu aspecto social, promovendo a percepção da “Ciência” no dia-a-dia, dando significado e funcionalidade no que se estuda em sala de aula;  Valorize as hipóteses de seus alunos, oriente para que as elaborem dentro do raciocínio lógico, apresentando argumentos claros que sustentem seu pensamento. Permita que exponham o que sabem a respeito de animais, plantas, flores e fenômenos naturais; conduza a turma a elaborar suas próprias conclusões e compará-las com as informações retiradas de livros e outras fontes de pesquisa;  Ciências Naturais é a área do conhecimento movida pelas perguntas, desse modo instigar a curiosidade das crianças é o grande caminho pra o trabalho. Auxilie na criação de respostas através do desenvolvimento de experimentos;  Privilegie atividades de observação, transformação, interação e descoberta, atentando para o aspecto de elaboração de registros;  Crie espaços alternativos para realização de experimentos. Na ausência de uma área externa cultive plantas em vasos ou em garrafas pet (exercitando a consciência ecológica);  O conhecimento do corpo humano favorecerá na reflexão sobre cuidados necessários com o mesmo. Estimule para que as crianças apontem formas de cuidado que devem praticar rotineiramente;  É fundamental que o “erro” seja encarado como uma etapa natural da construção do conhecimento científico, mostrando que historicamente teorias são superadas, porém sem perder seu valor dentro da escala evolutiva da ciência;  “É importante que as perguntas ou problematizações formuladas pelo professor permitam às crianças relacionar o que já sabem ou dominam com o novo conhecimento. Esse tipo de questionamento pode estar baseado em aspectos práticos do dia-a-dia da criança, relacionados no modo de vida de seu grupo social” (Teixeira, 2008, p.81)
  19. 19. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 19 IV – História A – Expectativas de Aprendizagem Os alunos, ao final de 3º ano do Ensino Fundamental, deverão ser capazes de:  Comparar acontecimentos no tempo, tendo como referência anterioridade, posteridade e simultaneidade;  Compreender a identidade pessoal e coletiva, desenvolvendo a percepção e o respeito às diferenças, de variada natureza, que caracterizam os indivíduos e os grupos sociais;  Reconhecer-se como parte da história da comunidade, identificando os grupos sociais que a compõem e suas regras de funcionamento e convivência;  Reconhecer a importância de valorizar as diferenças étnicoculturais que caracterizam a sociedade brasileira;  Identificar as diferentes linguagens das fontes históricas, para iniciar a compreensão de fenômenos histórico-sociais;  Reconhecer, a partir da relações cotidianas, as diferenças entre o tempo do indivíduo e o tempo histórico e social;  Identificar as características dos sistemas de notação do tempo em diferentes instituições sociais;  Compreender as permanências e mudanças no tempo escolar, no tempo da família e no tempo da comunidade;  Identificar mudanças que ocorreram em profissões, produtos e serviços em sua comunidade ao longo do tempo;  Estabelecer relações em presente e passado.
  20. 20. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 20 CONTEÚDOS DE HISTÓRIA – 3º ANO 1º BIMESTRE 2º BIMESTRE 3º BIMESTRE 4º BIMESTRE 1. TEMPO  Tempo histórico: presente, passado e futuro;  Noção de contemporaneidade;  Noção de anterioridade;  Noção de posterioridade;  Noção de simultaneidade. 2. ESPAÇO  Casa;  Escola e moradia;  Localização casa/escola – rua/ bairro. 3. GRUPOS SOCIAIS  História da família;  Comunidade escolar. 4. TRABALHO  Enfocar o trabalho em cada grupo social que as crianças participam;  Trabalho e profissões: mudanças e permanências. 5. NATUREZA  Meio ambiente – conservação e permanência;  Cuidados em relação ao meio ambiente. 6. CULTURA  Modos de viver, trabalhar e pensar no tempo e no espaço;  Manifestações culturais: festas folclóricas, músicas, artesanato, danças. 1. TEMPO  Tempo histórico: presente, passado e futuro;  Noção de contemporaneidade;  Noção de anterioridade;  Noção de posterioridade;  Noção de simultaneidade. 2. ESPAÇO  Bairro;  O bairro: mudanças e permanências;  Mudanças do bairro. 3. TRABALHO  Trabalho remunerado e não remunerado;  Diferentes formas de remuneração; 4. GRUPOS SOCIAIS  Moradores antigos do bairro;  Relatos históricos do bairro;  Associação de bairro; 5. NATUREZA  Meio ambiente – conservação e permanência;  Cuidados em relação ao meio ambiente. 6. CULTURA  Pluralidade cultural;  Manifestações culturais: festas folclóricas, músicas, artesanato, danças. 1. TEMPO  Tempo histórico: presente, passado e futuro;  Noção de contemporaneidade;  Noção de anterioridade;  Noção de posterioridade;  Noção de simultaneidade. 2. ESPAÇO  Serviços públicos e lazer no bairro;  Meios de transporte e comunicação nos diferentes espaços e tempos. 3. TRABALHO  Trabalho infantil (livre e escravo/ exploratório e colaborativo); 4. GRUPOS SOCIAIS  Grupos religiosos; 5. NATUREZA  Meio ambiente – conservação e permanência;  Cuidados em relação ao meio ambiente. 6. CULTURA  Pluralidade cultural;  Manifestações culturais: festas folclóricas, músicas, artesanato, danças. 1. TEMPO  Tempo histórico: presente, passado e futuro;  Noção de contemporaneidade;  Noção de anterioridade;  Noção de posterioridade;  Noção de simultaneidade. 2. ESPAÇO  O município de Marília;  Contextualização do local geográfico: antes e depois do desbravamento da região. 3. TRABALHO  Diferença entre trabalho, emprego e profissão. 4. GRUPOS SOCIAIS  Outros grupos sociais existentes na comunidade; 5. NATUREZA  Meio ambiente – conservação e permanência;  Cuidados em relação ao meio ambiente. 6. CULTURA  Pluralidade cultural;  Manifestações culturais: festas folclóricas, músicas, artesanato, danças.
  21. 21. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 21 C – Orientações Didáticas  As aulas devem ser organizadas através de atividades de comparação, realizadas a partir da análise dos grupos sociais estudados (Família; Escola; Comunidade), possibilitando desenvolver habilidades que permitam ampliar experiências no campo da leitura histórica.  O ensino de História deve ter por base a concepção de que a vida é alteração. Nesse sentido, História é uma Área do Conhecimento que permite a compreensão das transformações que produziram a realidade atual e de outras a serem operadas pelo homem em seu tempo e em seu grupo;  O trabalho com a história local é importante, pois propicia pesquisas com depoimentos e relatos de pessoas da escola, da família e de outros grupos de convívio, fotografias e gravuras, observações e análises de comportamentos sociais e de obras humanas: habitações, utensílios caseiros, ferramentas de trabalho, vestimentas, produção de alimentos, brincadeiras, músicas, jogos, entre outros.  Propiciar estudos comparativos, distinguindo semelhanças e diferenças, permanências e mudanças de costumes, modalidades de trabalho, divisão de tarefas e formas de relacionamento com a natureza;  É importante que a noção de tempo seja trabalhada permeando todas as atividades e conteúdos desenvolvidos, de modo que se dê continuidade ao processo de formação do pensamento cronológico, processo este que ocorre ao mesmo tempo em que se desenvolve o pensamento histórico, que irá se reelaborando ao longo de toda a vida escolar do aluno;  O exercício de trabalhar as diferenças / semelhanças, permanência / transformações e simultaneidade/contemporaneidade permite que a criança comece a perceber que a realidade não se extingue nela mesma, evidenciando seus múltiplos aspectos. Enfim, permite que a criança crie o hábito de observar e perceber as coisas e as pessoas que a rodeiam de forma mais crítica;  As noções de diferenças/semelhanças, permanência/transformações e de simultaneidade/contemporaneidade serão trabalhadas intimamente relacionadas com a noção de tempo, sendo trabalhadas de forma articulada no interior dos conteúdos propostos, desenvolvendo-se simultaneamente;  Para favorecer a aprendizagem e a construção de noções históricas é necessário que o professor oriente e acompanhe a realização de alguns procedimentos pelos alunos (BRASIL, 1997):
  22. 22. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 22  Busca de informações em diferentes tipos de fontes (entrevistas, pesquisa bibliográfica, imagens, etc.);  Análise de documentos de diferentes naturezas;  Troca de informações sobre os objetos de estudo;  Comparação de informações e perspectivas diferentes sobre um mesmo acontecimento, fato ou tema histórico;  Formulação de hipóteses e questões a respeito dos temas estudados;  Registro em diferentes formas: textos, livros, fotos, vídeos, exposições, mapas, etc.  Conhecimento e uso de diferentes medidas de tempo.  História como área do conhecimento deve integrar-se entre si e com as outras áreas do conhecimento. No entanto, é importante destacar a relevância e especificidade de cada uma no que diz respeito à análise da realidade social segundo a ação e as relações que o homem estabelece no espaço natural e no espaço por ele construído;  A utilização de fotografias do lugar (documentos que o aluno vai ler e interpretar), antigas e recentes, permitirá a observação das modificações que ocorreram ao longo do tempo indicando o que permanece e o que mudou. Plantas e mapas do lugar também poderão ser utilizados com a mesma finalidade;  O trabalho com a História deve funcionar como uma analise construtiva de cada tempo histórico e acontecimento histórico no qual o aluno fará as suas hipóteses e comparações, concepções e conceitos construídos no coletivo e direcionado pelo professor , desenvolvendo diversas habilidades através da troca de informações, socialização de ideias, das contradições de atitudes e conceitos contribuindo significativamente para uma aprendizagem permanente;  A história oral, por assim dizer, as memórias, também filmes e documentários, são fontes importantes, apesar do cuidado que se deve ter com a origem de seus discursos e com suas intencionalidades;
  23. 23. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 23 V – Geografia A – Expectativas de Aprendizagem Os alunos, ao final de 3º ano do Ensino Fundamental, deverão ser capazes de:  Reconhecer no lugar em que se encontram inseridos (ambiente familiar, ambiente escolar, comunitário) os referenciais de localização, orientação e distância;  Utilizar a linguagem gráfica, em especial a cartográfica, para a leitura da representação do espaço;  Perceber que o espaço geográfico está em constante transformação;  Reconhecer na paisagem local e no espaço próximo, as diferentes manifestações naturais e culturais sobre a paisagem;  Perceber as semelhanças e diferenças na forma em que os grupos humanos se apropriam dos recursos naturais, transformando-os;  Identificar a importância de atitudes responsáveis de cuidado com o meio em que vive;  Identificar no tempo físico as condições climáticas, as variações de tempo, estações do ano e movimento aparente do Sol;  Reconhecer a importância de uma atividade responsável de cuidado com o meio em que vivem, evitando o desperdício e percebendo os cuidados que se deve ter na preservação e na manutenção da natureza.
  24. 24. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 24 B - CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA – 3º ANO 1º BIMESTRE 2º BIMESTRE 3º BIMESTRE 4º BIMESTRE 1. TEMPO  Tempo físico;  Movimento aparente do sol;  Leitura da sombra. 2. ESPAÇO  Escola. 2.1. Representação  Estudo e construção de planta baixa e legenda dos espaços estudados: casa/ escola. 2.2. Localização  Estudo e registro do trajeto casa/ escola. 2.3. Orientação  Pontos cardeais tomando como referência a casa e a escola. 3. NATUREZA  Natureza nas paisagens naturais e construídas no espaço escolar;  Observação das mudanças ocorridas na natureza do espaço escolar;  Mudanças no tempo linear e no tempo cíclico. 1. TEMPO  Tempo físico;  Movimento de rotação e translação;  Representação das quatro estações do ano (temperatura, vegetação, chuva, estiagem); 2. ESPAÇO  Rua e bairro;  Tipos de bairros (residencial, comercial, industrial, centrais, periféricos, favelas); 2.1. Representação  Estudo e construção de planta baixa e legenda dos espaços estudados: bairro (destaque para a casa dos alunos e escola); 2.2. Localização  Principais pontos de referência do bairro (escolas, UBS, igrejas, praças);  Conhecimento e compreensão e dos pontos cardeais, a partir de uma referência, nos diferentes espaços estudados: bairro. 2.3. Orientação  Relação entre a lateralidade da criança com os pontos cardeais. 3. NATUREZA  Natureza nas paisagens naturais e construídas dos espaços estudados: bairro;  Observação das mudanças ocorridas na natureza dos espaços estudados;  Observação nesses espaços: vegetação, relevo, água, e clima.  Mudanças no tempo linear e no tempo cíclico;  Utilização responsável dos recursos naturais;  Preservação/ conservação. 1. TEMPO  Tempo físico;  Representação das quatro estações do ano (temperatura, vegetação, chuva, estiagem) 2. ESPAÇO  Bairro e bairros vizinhos;  Inserção do bairro na cidade; 2.1. Representação  Construção da maquete do bairro; 2.2. Localização  Conhecimento e compreensão dos pontos cardeais.  Introdução dos pontos colaterais. 2.3. Orientação  Pontos cardeais e introdução dos pontos colaterais. 3. NATUREZA  Natureza nas paisagens naturais e construídas dos espaços estudados: bairro e arredores;  Observação das mudanças ocorridas na natureza dos espaços estudados: bairro e arredores;  Observação nesses espaços: vegetação, relevo, água, e clima.  Mudanças no tempo linear e no tempo cíclico;  Utilização responsável dos recursos naturais;  Preservação/ conservação. 1. TEMPO  Tempo físico;  Horário de verão; 2. ESPAÇO  Zona urbana e zona rural;  Introdução a município;  Identificação e caracterização da Geografia do lugar;  Limites de município (fronteiras e vizinhos); 2.1. Representação  Diferentes maneiras de representar os diferentes espaços: mapa, planta, croqui; 2.2. Localização  Conhecimento e compreensão dos pontos cardeais e colaterais nos diferentes espaços estudados; 2.3. Orientação  Pontos cardeais e colaterais. 3. NATUREZA  Natureza nas paisagens naturais e construídas dos espaços estudados;  Observação das mudanças ocorridas na natureza dos espaços estudados;  Observação nesses espaços: vegetação, relevo, água, e clima.  Mudanças no tempo linear e no tempo cíclico;  Utilização responsável dos recursos naturais;  Preservação/ conservação.
  25. 25. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 25 C – Orientações Didáticas  Observando que a organização do espaço geográfico ocorre num processo dinâmico, de transformação, onde a sociedade produz e reproduz a existência social através do trabalho, torna-se fundamental situar o aluno nesse movimento para que ele compreenda seu lugar no grupo com o qual se relaciona e na sociedade como um todo;  Quanto mais oportunidades as crianças tiverem para falar e ouvir opiniões de adultos e de outras crianças sobre fatos da natureza e da sociedade, mais poderão aprofundar o pensar crítico, autônomo e também solidário (embora não necessariamente igual) ao pensar de outras pessoas;  Atividades envolvendo esquema corporal, brincadeiras e jogos que levem a criança a explorar o espaço e tudo o que ele contém devem ser o ponto de partida para o desenvolvimento do trabalho de representação espacial;  No trabalho com os conteúdos de Geografia, é fundamental promover na criança a curiosidade, entender a relação do homem com a natureza, a compreensão de que há uma relação entre fenômenos da natureza e a vida humana;  A construção das relações espaciais é gradativa, por isso o trabalho com mapas deve ser retomado nos anos seguintes, num ir e vir que a cada passo acrescenta um pouco mais em termos de abstrações;  O contato com representações como plantas de rua, os mapas, globos terrestres e outros tipos de representação, como desenhos feitos pelos adultos para indicar percursos poderá ocorrer com a mediação do professor. Esse contato permitirá às crianças reconhecerem a função social atribuída a essas representações nos contextos cotidianos e de trabalho, e se aproximarem das características da linguagem gráfica utilizada pela cartografia. Algumas brincadeiras, como caça ao tesouro, por exemplo, apresentam desafios relacionados à representação gráfica do espaço e podem ser desenvolvidas com as crianças dessa faixa etária;  Para a elaboração de situações sugestivas de aprendizagem a partir das relações entre o processo histórico que regula a formação das sociedades humanas e o funcionamento da natureza, por meio da leitura do espaço geográfico e da paisagem, deve-se ter alguns cuidados:  Lidar com conceitos referentes a fenômenos concretos;
  26. 26. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 26  Ter o aluno como elemento ativo do próprio processo de aprendizagem;  Lidar com conceitos científicos na linguagem do aluno.  Atividades como observação, estudo do meio, investigações, exposições e debates devem fazer parte do cotidiano escolar, aliadas não só ä utilização de recursos tradicionalmente disponibilizados mas também a fontes alternativas, consideradas não formais;  Os conceitos deverão ser construídos a partir das experiências já vividas pelo aluno, das vivências que possam ser organizadas na escola e das observações feitas por ele.  Para auxiliar e encaminhar o aluno do conhecimento do senso comum, obtido através da observação de situações empíricas, para o conhecimento organizado e sistematizado é necessário, que os conceitos trabalhados pelo aluno com orientação do professor sejam conceitos científicos;  Propiciar situações lúdicas na educação geográfica favorece a articulação das informações, a análise, e o estabelecimento de relações para a compreensão do que acontece no mundo. Assim a utilização de mapas, documentos, fotografias e também jogos e brincadeiras têm grande relevância no processo de aprendizagem.  A Geografia deve ser trabalhada de forma integrada as outras áreas do conhecimento e ao mesmo tempo, respeitando as especificidades das fontes, abordagens e enfoques de cada uma; - Artes Visuais (pintura, escultura, desenho, colagem, fotografia, gravura) - Teatro - Música - Dança A – Expectativas de Aprendizagem Os alunos, ao final do 3º ano do Ensino Fundamental, deverão ser capazes de:  Compreender a Arte como resultado da leitura do mundo, sendo ferramenta capaz de emitir determinada opinião através do desenho, interpretação,
  27. 27. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 27 música ou movimento, podendo ser apresentada como atitude pessoal ou coletiva;  Compreender que a manifestação artística retrata, muitas vezes, questões sociais e políticas, sendo uma forma de registrar a trajetória da sociedade;  Perceber que a manifestação artística está presente no dia-a-dia, até mesmo nos objetos que utilizamos, visto que são frutos da imaginação humana e passaram por processo de produção, exigindo planejamento visual;  Entender que os padrões estéticos são elementos subjetivos e variáveis, não podendo sobrepor o valor da arte enquanto resultado de sensibilidade, criatividade e emoção, valorizando assim a diversidade de estilos e técnicas;  Valorizar e respeitar suas produções artísticas e as produzidas pelos colegas;  Utilizar técnicas variadas de desenho e pintura, aliada a observação, para retratar pessoas, objetos, animais, plantas e paisagens;  Fortalecer a autoconfiança artística, compreendendo a complexidade do percurso de criação e estabelecendo estratégias para facilitar o mesmo;  Conhecer vida e obras de artistas plásticos locais e também consagrados no cenário nacional e mundial;  Realizar releituras a partir de obras de arte diversas;  Utilizar materiais alternativos para produzir desenhos e pinturas (como a confecção de tintas utilizando folhas e flores);  Fazer representações tridimensionais utilizando argila, barro, massa de modelar e sucata;  Recontar histórias através da representação cênica;  Utilizar criativamente objetos diversos nos jogos dramáticos ( brincadeiras de faz de conta), dando asas a imaginação;  Participar de peças teatrais utilizando técnicas variadas de apresentação (fantoches, dedoches, máscaras, sombras, bonecos);
  28. 28. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 28  Assistir atentamente filmes e peças teatrais diversas, emitindo opiniões sobre os temas apresentados e respeitando a dos colegas;  Confeccionar cenários para peças de teatro e preparar caracterização (figurino, maquiagem, adereços) para interpretar os personagens;  Aprimorar a sensibilidade e capacidade de percepção dos sentimentos do “outro” através da vivência interpretativa;  Perceber a música como forma de comunicação, possibilitando, através da organização de sons, a manifestação de opiniões, sentimentos e criatividade;  Participar de atividades que explorem a percussão corporal, percebendo o aspecto orgânico da música e aprimorando a percepção rítmica;  Reconhecer, classificar e reproduzir sons de objetos diversos e do meio ambiente;  Conhecer ritmos e estilos musicais variados, valorizando e respeitando a diversidade existente;  Apreciar músicas que geralmente não são executadas na mídia, conhecendo e respeitando grandes cantores e músicos;  Produzir sons ordenados utilizando instrumentos musicais industrializados e confeccionados pelo próprio aluno;  Reconhecer nos movimentos sequenciados e intencionais do corpo potencialidade para expressão artística rítmica;  Executar individualmente e/ou coletivamente movimentos a partir de ritmos diversos;  Brincar de rodas cantadas;  Assistir e participar de eventos de dança, omitindo e respeitando opiniões.
  29. 29. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 29 B - CONTEÚDOS DE ARTE – 3 º ANO Importante: Os conteúdos de Arte não podem ser explorados de maneira estanque. Eles devem estar estritamente relacionados com as diversas áreas de conhecimento, numa proposta interdisciplinar. Artes Visuais Dança Música Teatro  Desenho, pintura, colagem, dobradura, gravura e escultura;  Representação bidimensional e tridimensional;  Contato e reconhecimento de materiais, instrumentos e técnicas de produção de artes visuais;  Experimentação, confecção, utilização e pesquisa de materiais e técnicas artísticas;  Contato e reconhecimento, observação e experimentação de leitura das formas visuais em diversos meios de comunicação da imagem;  Interpretação de artes visuais: oralidade;  Reconhecimento da importância das artes visuais na sociedade e na vida dos indivíduos;  Elementos básicos da linguagem visual: ponto, forma, cor, textura, tamanho;  Identificação de produtores em artes visuais como agentes sociais de diferentes épocas e culturas: aspectos da vida de alguns artistas (biografia);  Convivência com produções visuais e sua concepções nas diferentes culturas;  Identificação dos significados expressivos e comunicativos das formas visuais.  Experimentação e pesquisa das diversas formas de movimento, locomoção, deslocamento e orientação no espaço;  Reconhecimento e desenvolvimento  da expressão em dança;  Seleção de gestos e movimentos observados em danças, imitando, recriando e criando pequenas coreografias;  A dança como manifestação coletiva (integração e comunicação);  Reconhecimento e distinção de diversas modalidades de movimento e suas combinações.  Utilização e criação de letras de canções, parlendas etc, como elemento musical;  Brincadeiras, jogos e danças, articulados com elementos musicais;  A música e a importância na sociedade e na vida dos indivíduos;  Apreciação e reflexão sobre música, discutindo intencionalidade dos compositores;  Tradução de realidades interiores e emocionais por meio da música;  Interpretação de músicas existentes;  Percepção e identificação de elementos da linguagem musical (gênero e estilo).  Reconhecimento e utilização de elementos da linguagem dramática;  Exploração das competências corporais e de criação dramática;  Reconhecimento e utilização da expressão e comunicação da criação teatral;  Criação de textos dramáticos, poéticos etc;  Pesquisa, elaboração e utilização de cenários, figurinos, adereços e objetos;  Encenação em grupo;  Reconhecimento e compreensão das propriedades comunicativas e expressivas nas diferentes formas dramatizadas;  Experimentação e articulação entre expressões corporais, plásticas e sonoras.
  30. 30. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 30 C – Orientações Didáticas  Com a finalidade e desenvolver uma prática consistente, coerente e fundamental em relação à arte, não podemos perder de vista os três eixos sobre os quais devemos estruturar nosso trabalho: o fazer artístico, a apreciação estética e a reflexão através do conhecimento;  A observação é uma habilidade que deve ser bastante explorada para o desenvolvimento da percepção artística. O interesse dirigido, aliando o pensamento aos sentidos pode ser ensinado aos alunos. Proponha situações diversas onde as crianças são levadas a observar detalhes nos ambientes, formatos de prédios e casas, sintam com as mãos e pés texturas, experimentem sabores diferentes, ouçam sons e apreciem o silêncio.  Tome cuidado com propostas de atividades descontextualizadas, como os “desenhos livres”. Ninguém cria a partir do nada, portanto é fundamental que exista intencionalidade e delimitação do que deverá ser feito, afinal há para cada proposta uma expectativa que o professor pretende atingir. A liberdade não está no “o que fazer”, mas sim no “como fazer” (técnicas, formatos, cores, materiais);  As atividades de “Arte” podem e devem ser realizadas em sintonia com as outras áreas de conhecimento. Nesse aspecto reconhecemos o papel catalisador dessa disciplina, propiciando através da criatividade e ludicidade a compreensão dos mais diversos conteúdos e conceitos;  Valorize a cultura local. Procure apresentar não só manifestações artísticas consagradas pela crítica, mas também as que são mais próximas dos alunos. Apresente artistas plásticos da cidade, músicos, bailarinos e outros mais que houver;  Tenha clareza de que as manifestações artísticas são carregadas de sensibilidade e expressam opiniões, ampliando as possibilidades de sentir e refletir sobre novas ações. Em função disso os padrões estéticos não podem sobrepor ao aspecto da criatividade e sensibilidade. Respeitar e valorizar as diferenças favorece a autoconfiança e permite que talentos sejam revelados e aprimorados;  Assim como um texto precisa de um leitor a manifestação artística precisa de público. Valorize os trabalhos de seus alunos promovendo exposições, apresentações e organização de portfólios para apresentar em reuniões de pais. Uma boa estratégia é organizar um espaço permanente na sala de aula onde amostras de diversos trabalhos podem ser apreciados;
  31. 31. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 31  Proponha oficinas em que os alunos possam construir instrumentos para apresentações musicais, adereços para uma peça teatral e até confeccionar massa de modelar ou papel machê. Através desse trabalho atingimos algumas expectativas implícitas, como desenvolver senso de organização, responsabilidade e também a seleção e classificação de materiais e objetos;  Diversifique os materiais utilizados para atividades de desenho, colagem e pintura. Além dos industrializados apresente elementos alternativos como corantes naturais (carvão, urucum), folhas e sementes;  Para que as crianças possam criar suas produções, é preciso que o professor ofereça oportunidades diversas para que elas se familiarizem com alguns procedimentos ligados aos materiais utilizados, aos diversos tipos de suporte e para que possam refletir sobre os resultados obtidos;  O trabalho com música abrange a apreciação bem como a participação em corais, rodas cantadas e a elaboração de paródias e outras composições a partir de sons naturais (seleção rítmica);  De acordo com Meyer e Goulart (2007, p. 49) “a produção artística oral, escrita e plástica que historicamente os grupos populares vêm produzindo faz parte do acervo cultural da humanidade e nos representa de modo legítimo”. Porém é necessário que exista uma seleção criteriosa do que será apresentado pela escola, visto que uma de suas funções é ampliar o repertório cultural dos alunos, portanto evite reproduzir apenas o que é apresentado pela mídia. Permita que os alunos tenham contato com músicas clássicas, canções folclóricas e o rico repertório da Música Popular Brasileira;  Trazer o teatro para a educação consiste em utilizar suas técnicas para favorecer a comunicação dos conhecimentos. Seja na condição de espectador ou ator, o teatro proporciona a reflexão e memorização sobre diversos temas, além do impacto emocional que propicia o debate de questões morais;  A linguagem teatral, assim como as demais linguagens, deve ser apresentada. São processos gramaticais que legitimam tal linguagem. Não estamos com isso afirmando que o processo de aprendizagem do teatro se dê de maneira idêntica aos processos de outras linguagens, apenas reforçando que antes de decorar um texto ou apresentar uma peça, a criança deverá passar por vivências, sobretudo corpóreas, que capacitem a estar organicamente em cena;  A linguagem teatral é marcada pela expressão corporal, sendo seu exercício uma forma de autoconhecimento, estimulação de potencialidades e superação de limites;
  32. 32. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 32  Tenha claro que a infância é um rico espaço para invenção de novas realidades, dessa forma, explorar os “jogos de faz de conta” estimula a imaginação e permite que as crianças expressem sentimentos que teriam dificuldade em apresentar numa abordagem direta;  Quando dizemos que historicamente teatro é “o lugar de onde se vê”, estarmos apontando que a linguagem teatral necessita de uma platéia de observadores para contribuir-se como tal, porém isso não significa que haverá a necessidade em decorar textos e, de maneira robotizada, apresentar peças públicas ou festas no final do ano;  Dançar não é um ato mecânico, estão envolvidas habilidades complexas, como a noção de espaço, ritmo, atenção e autoconhecimento corporal. Através do planejamento de atividades envolvendo dança você pode aprimorar essas habilidades em sua turma;  Lembre-se de respeitar as diferenças e o tempo de seus alunos. Se propomos um trabalho alicerçado na ludicidade as atividades envolvendo movimentos corporais não podem se tornar “traumatizantes”, obrigando a criança a uma exposição que lhe é desconfortável. Paciência e apoio para ultrapassar os limites são fundamentais;  A dança é caracterizada pela execução de movimentos previamente estabelecidos (coreografia) e também improvisados (dança livre). É interessante que o aluno vivencie os dois tipos de situação, e escolha qual mais lhe agrada;  É importante que as dança seja um momento propício para a socialização e superação de preconceitos, tomando cuidado para não propor apenas atividades estanques como a separação de meninos e meninas.  “A experiência estética que a arte proporciona é uma forma de felicidade muito especial porque é transformadora. Ela nos modifica pela emoção que proporciona. Para interagir e apreciar a arte usamos: experiências anteriores; percepção; habilidades comunicativas, visuais e espaciais; informações; sensibilidade; imaginação. Assim quanto mais desenvolvermos essas competências e habilidades, mais nos aproximaremos do mundo da arte.” (OLIVEIRA; GARCEZ, 2006, p.20).
  33. 33. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 33 VII – Educação Física A – Expectativas de Aprendizagem Os alunos, ao final de 3º ano do Ensino Fundamental, deverão ser capazes de:  Participar de diferentes atividades corporais individuais e coletivas, apresentando domínio sobre seus movimentos rudimentares e fundamentais;  Apresentar postura cooperativa e solidária nas diferentes atividades e brincadeiras executadas, respeitando os limites de seus colegas;  Conhecer e praticar jogos e brincadeiras variadas que foram passadas de geração para geração;  Participar de atividades respeitando regras existentes e elaborando novas;  Dominar objetos como bolas e bastões;  Explorar diferentes qualidades e dinâmicas do movimento, conhecendo gradativamente os limites e as possibilidades do seu corpo.
  34. 34. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 34 CONTEÚDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA – 3º ANO Esquema Corporal Habilidades Motoras Recreação: jogos e brincadeiras  Orientação espacial: lateralidade, direção, trajetória, localização;  Orientação temporal: velocidade;  Movimentos globais para conhecimento e controle do corpo;  Movimentos segmentares, utilizando a cabeça, tronco, membros superiores e inferiores;  Movimentos interdependentes, utilizando duas ou mais partes do corpo;  Desenvolvimento da imaginação e criatividade associada ao movimento.  Atividades rítmicas: rodas cantadas, danças, coreografias simples;  Capacidades físicas: força, resistência, flexibilidade, coordenação, agilidade e equilíbrio;  Atividades motoras imitando animais e situações do cotidiano;  Coordenação motriz (global e seletiva) em situação contextualizada (jogo do faz- de-conta).  Brincadeiras folclóricas;  Jogos: populares e cooperativos;  Jogos simbólicos;  Elaboração de regras para os jogos (combinados);  Recreação livre e dirigida, utilizando músicas;  Gincanas.  Obs: Os conteúdos de Educação Física estão elencados por temas, cabendo ao professor trabalhá-los de uma forma integrada em todos os bimestres.
  35. 35. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 35 C – Orientações Didáticas  É muito importante que o professor perceba os diversos significados que pode ter uma atividade motora para as crianças. Isso poderá contribuir para que ele possa ajudá-las a ter uma percepção adequada de seus recursos corporais, possibilidades e limitações sempre em transformação, dando-lhes condições de se expressarem com liberdade e de aperfeiçoarem suas competências motoras;  Permita com que as crianças opinem sobre as atividades a serem realizadas. Antes de começar discuta as regras, valorize as sugestões. Ao final promova avaliação do que foi realizado, permitindo com que cada criança reflita sobre sua participação para que possa aprimorá-la nas próximas vezes;  Valorizar o “brincar de antigamente” é uma estratégia bastante eficaz para envolver as crianças e trazer a família mais perto da escola. Peça que conversem com os familiares e tragam sugestões de atividades e/ou convide algum parente para ensinar uma brincadeira. Esse resgate contribui para a formação integral dos alunos;  Brincar favorece a socialização, permitindo o fortalecimento das relações interpessoais através da resolução saudável de conflitos;  Promova oficinas de construção de petecas, bolas de pano, jogos com sucata e os utilize durante a realização das atividades;  Lembre-se de que dentro da escola intermediamos sessões de aprendizagens intencionais, em função disso sua aula deve ser planejada e executada a partir de expectativas a serem alcançadas. Cuidado com as situações de “brincar livremente”, onde fatalmente os garotos permanecem em um canto da quadra com uma bola enquanto as meninas penteiam suas bonecas;  Aproveite a Educação Física para realizar trabalhos interdisciplinares. A tabela de pontos durante um jogo pode gerar ótimas situações-problemas nas aulas de Matemática, assim como a geometria presente nas bolas, cones, bastões e linhas da quadra podem auxiliar nas atividades de classificação;  O brincar da criança conjuga-se em três tempos: passado, presente e futuro. Quando se utiliza o imaginário no real, pode estar antecipando o futuro, pode estar trazendo o passado para o presente ou até mesmo modificando o presente. A criação na representatividade da criança enquanto brinca transforma o tempo, daí a infância ter urgência;  É fundamental ter claro que a educação física não é uma área de conhecimento estanque, isolada. As habilidades desenvolvidas através da estimulação dos movimentos refletirão no processo global de aprendizagem. Segundo Jordano (2008, p.38) “as expressões oral e gráfica (escrita) serão reforçadas e mais significativas quanto mais se trabalharem as expressões corporais.”
  36. 36. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 36 O papel da escola é assegurar o acesso de todos à totalidade dos recursos culturais relevantes para a intervenção e a participação na vida social. O domínio da língua falada e escrita, a resolução de situações-problema, as coordenadas espaciais e temporais que organizam a percepção do mundo, os princípios da explicação científica, as condições de fruição da arte e das mensagens estéticas, são exigências que se impõem no mundo contemporâneo. Trata-se, portanto, de ter em vista à capacitação dos estudantes para a aquisição e o desenvolvimento de novas competências, em função de novos saberes, favorecendo ao aluno construir instrumentos que permitam aprender a aprender. Para tanto, é necessário que, no processo de ensino-aprendizagem, sejam exploradas: a elaboração de estratégias de formulação e comprovação de hipóteses na construção do conhecimento, o processo da argumentação, o desenvolvimento do espírito crítico capaz de favorecer a criatividade. Além disso, é necessário ter em conta uma dinâmica de ensino que favoreça não só o desenvolvimento das potencialidades do trabalho individual, mas também do trabalho coletivo, a socialização de saberes, favorecendo que os alunos aprendam os conteúdos necessários para a compreensão da realidade. Nesta perspectiva, a aprendizagem não é um processo linear e ocorre com sucessivas reorganizações do conhecimento. Por isso, se o ensino estiver baseado em fragmentos de conhecimento correspondendo a intervalos de tempo iguais e a conteúdos compartimentados estará fadado ao fracasso. Portanto, para criar condições a fim de flexibilizar o tempo, respeitando o ritmo do aluno, a retomada dos conteúdos e uma aprendizagem significativa, a autora Delia Lerner sugere que se coloque em ação diferentes modalidades organizativas do ensino, que são: os projetos de trabalho, as atividades permanentes, as sequências didáticas e as atividades independentes. Essas modalidades organizativas devem coexistir e articular-se ao longo do trabalho pedagógico, com o propósito de contribuir para que os alunos apropriem dos conteúdos das diversas das áreas do conhecimento de maneira crítica e construtiva, Neste sentido, o planejamento torna-se flexível, interdisciplinar, isto é, contextualizado. Combinando as diferentes modalidades organizativas, o professor tem condições de organizar com intencionalidade seu planejamento de modo a proporcionar aos alunos processos de aprendizagem significativos, articulando os diversos conteúdos com as diferentes modalidades, evita-se a fragmentação do conhecimento, respondendo melhor ao desafio de ensinar. VIII-ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA
  37. 37. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 37 As rotinas atuam como as organizadoras estruturais das experiências cotidianas, pois esclarecem a estrutura e possibilitam o domínio do processo a ser seguido e ainda, substituem a incerteza do futuro (principalmente em relação às crianças com dificuldade para construir um esquema temporal de médio prazo) por um esquema fácil de assumir. O cotidiano passa, então, a ser algo previsível, o que tem importantes efeitos sobre a segurança e a autonomia. A sequência dos momentos, assim, como o tempo aconselhado para cada um, pode ser alterada de acordo com as circunstâncias. Dessa forma o educador (a) deverá fazer as alterações que considerar convenientes, adaptando os tempos da rotina diária, seja ao horário de funcionamento da sua escola, seja ao grupo de crianças com o qual trabalha. Ao estabelecer uma rotina diária com uma estrutura coerente, cujos tempos se repetem sistematicamente, o educador (a) oferece à criança a oportunidade de:  expor intenções, tomar decisões, concretizá-las e, mais adiante, realizar as suas experiências com outras crianças e adultos;  compreender o que é tempo, através da sequência de tempos que se repetem sistematicamente, e controlá-lo sem necessidade de que o adulto lhe diga o que deve fazer ao acabar uma atividade;  controlar sua ansiedade, pois poderá prever a sequência dos acontecimentos e atividades do dia;  trabalhar em diversos ambientes, realizando atividades individuais, em duplas, em pequeno e grande grupo; Para Piaget, os indivíduos tendem a buscar uma organização interna, criando um modo próprio de agir em seu meio, pois é inerente à natureza humana a ritualização de determinados procedimentos, a fim de internalizá-las e aperfeiçoá-las. Portanto, nem tudo que realizamos habitualmente constitui-se em uma atividade passiva e alienante. Ao contrário, alguns hábitos, como aqueles relativos ao estudo e à aprendizagem, exigem ações, conceituação e reflexão constante. Uma proposta educacional voltada para a formação de um cidadão autônomo e transformador precisa considerar a criança como agente. O primeiro passo a dar nessa direção é estruturar junto com os alunos a rotina de trabalho e realizar o planejamento cooperativo. A rotina organizará os diversos momentos do dia-a-dia e o planejamento possibilitará a escolha das atividades que farão parte de cada momento. A definição da ordem das atividades e do tempo necessário para realizá-las deve fazer parte de uma combinação entre o professor e seus alunos e revista sempre que necessário. A) ROTINA
  38. 38. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 38 Portanto, em uma classe de educação básica, a rotina não deve ser uma simples repetição de atividades dirigidas pelo professor, mas a estruturação de uma sequência de atividades previamente combinadas com as crianças. Esta deve ser planejada com intencionalidade educativa, deve prever momentos de atividades individuais e coletivas, atividades coordenadas pelo professor e outras em que as crianças tenham autonomia para realizarem sozinhas. A rotina rígida, então, estabelecida unicamente pelo professor, desconsidera a criança, que precisa adaptar-se a essa estrutura artificial, e tende a tornar o trabalho monótono, repetitivo e pouco participativo. - Rotina Semanal / 3ºano 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Planejar com as crianças as atividades que serão realizadas no dia. ☺ Língua Portuguesa Leitura realizada pelo professor e pelo aluno ☺ (gêneros textuais, estratégias de leitura) - escrita individual, - reflexão sobre a escrita, - texto coletivo. -revisão textual (versões). Matemática Atividades a partir de situações-problema, envolvendo os temas: -números/operações; -espaço e forma; -grandezas e medidas; -tratamento da informação INTERVALO 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Atividade de Arte (Visual) Atividade de História Atividade de Geografia Atividade de Ciências Informática Roda Semanal de leitura Atividade de Arte (Teatro) Atividade de Arte (Dança) Educação Física (Recreação) Atividade de Arte (Música) Avaliação: Avaliar com as crianças as ações implementadas☺
  39. 39. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 39 As atividades permanentes são situações propostas de forma sistemática e com regularidade, mas não são necessariamente diárias. Para isso, o professor deverá ter o cuidado de contextualizar tais práticas para as crianças, transformando-as em atividades significativas e organizando-as de maneira que representem um crescente desafio . A escolha dos conteúdos que definem o tipo de atividades permanentes a serem realizadas com frequência regular, diária, semanal ou quinzenal, depende das prioridades elencadas a partir da proposta curricular. Consideram-se atividades permanentes, entre outras: - Leitura diária feita pelo professor – enquanto leitor referência, o professor poderá escolher dentro da diversidade de gêneros textuais, um portador que será explorado utilizando as diferentes estratégias de leitura; Escreva na lousa ou em um cartaz o título lido, os nomes dos personagens, palavras relevantes etc.; Roda semanal da leitura – semanalmente as crianças levam um livro para ler em casa. No dia previamente combinado, as crianças podem relatar suas impressões, comentar o que gostaram ou não, o que pensaram etc.; Jornal mural – notícias, receitas, jogos, poemas, eventos, cartas recebidas, curiosidades científicas, desenhos, colagens etc.; Jogos pedagógicos – organizar o ambiente para os jogos de mesa, oferecendo jogos gráficos, jogos ortográficos, jogos envolvendo conteúdos das diversas áreas de conhecimento (Matemática, Ciências, História, Geografia, etc.). Nesses casos, convêm deixar à disposição das crianças jogos que possibilitem brincar com o outro; B ) ATIVIDADES PERMANENTES
  40. 40. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 40 Mural- Socialização de saberes – espaço reservado para divulgação de atividades significativas realizadas pela a turma, envolvendo as diversas áreas do conhecimento (Matemática, Leitura/Escrita, Arte, Ciências, etc.) e fixação de cartazes diversos: aniversariantes do mês, calendário, ajudantes do dia, livros lidos/trabalhados, frequência dos alunos às aulas, projetos realizados etc.; Você sabia? – momento em que se discutem assuntos/temas de interesse das crianças, tais como: curiosidades científicas, fenômenos da natureza, situações do cotidiano. O professor também pode trazer para esse momento, conteúdos das outras áreas curriculares; Cantinho da arte – momento reservado para ampliação de repertório cultural, artístico e estético, através de vivências e experiências diversas: - Música: momento para as crianças conhecerem artistas específicos (músicos/compositores), ouvindo, cantando e tocando com instrumentos diversos, músicas de estilos e compositores variados, como forma de ampliação de repertório musical. - Arte visual: oficina de desenho, pintura, modelagem – preparo de tintas, construção de instrumentos musicais com sucata, trabalho com argila, dobraduras. Também poderão conhecer artistas plásticos (pintor e escultor), realizando releituras de artistas e obras. - Teatro: as crianças representarão cenas do cotidiano, personagens de livros e de cinema. Esse espaço pode conter materiais diversos (roupas, adornos, tipos de papéis diversos etc.); Cantinho da matemática – sólidos geométricos, cartazes com situações-problema, tabelas de números, jogos matemáticos, numéricos, de construção e de regras, materiais didáticos, etc. Esse cantinho deve ser enriquecido sempre, com atividades realizadas pelas crianças;
  41. 41. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 41 A Família também ensina... momento em que se convidam mãe, pai, avô, avó, tio, tia, para contar histórias, fazer uma receita culinária, cantar, ler, livros, construir objetos. É a família socializando saberes; O nosso Museu – espaço reservado para divulgar fatos, histórias, objetos antigos, fatos de nossos antepassados, da nossa cidade, brinquedos antigos, animais pré- históricos (figuras / representações); Caixa da correspondência – os alunos poderão colocar na caixa: bilhetes, recados, cartas, convites elaboradas coletivamente para serem enviados para colegas da escola, professores, direção, coordenação, educadores e políticos do município etc.; Recreação/Brincar – momento de recreação, no qual o professor deve resgatar brincadeiras folclóricas e jogos diversos (socialização, regras e competitivos), a fim de garantir o lúdico aos alunos; Preservando a natureza – momento ecológico: limpeza e organização do ambiente de trabalho, a destinação do lixo, os cuidados em relação aos animais e plantas, adoção de uma plantinha, jardinagem, os cuidados com o uso da água etc. A sequência didática é um conjunto de atividades ligadas entre si, planejadas para ensinar um conteúdo, etapa por etapa. Organizadas de acordo com os objetivos que o professor quer alcançar para a aprendizagem de seus alunos, elas envolvem atividades de aprendizagem e de avaliação. Sua duração pode variar de dias a semanas e várias sequências podem ser trabalhadas durante o ano, de acordo com o planejado ou com as necessidades da classe... Primeiro, é necessário efetuar um levantamento prévio dos conhecimentos dos alunos e a partir desse planejar uma série de aulas com desafios e/ou problemas, atividades diferenciadas, jogos, uso de diferentes linguagens e gêneros de textos e C) SEQUÊNCIA DIDÁTICA
  42. 42. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 42 análise e reflexão. Gradativamente, deve-se aumentar a complexidade dos desafios e dos textos permitindo um aprofundamento do tema proposto. A sequência organizada e planejada deliberadamente permite ainda construir com o aluno as ferramentas (habilidades/competências). Permite vivências, visando aspectos conceituais, procedimentais e atitudinais, fundamentais para a aprendizagem do aluno e desenvolver sua autonomia. Os conteúdos trabalhados em sala de aula devem contribuir para a formação de cidadãos conscientes, informados e capazes de transformar a sociedade. Elaborar aulas em que o objetivo central é somente o interesse dos alunos, nem sempre garante bons resultados, em geral ao se valorizar apenas o conhecimento que os alunos trazem, fica- se na superficialidade e presos ao imediatismo. Nesta perspectiva, o currículo aparece como ditado pelas circunstâncias, tratando de acontecimentos pontuais e não como um roteiro de trabalho construído a partir da relação entre a proposta pedagógica e a realidade. É necessário que a equipe escolar defina o seu Projeto Político Pedagógico de acordo com a realidade da comunidade onde está inserida, a prática e com as necessidades de seus alunos. A sequência didática permite a interdisciplinaridade quando, ao tratar de um tema dentro de um eixo, o professor recorre a conhecimentos de outro. Interdisciplinaridade é a articulação entre os eixos que permite trabalhar o conhecimento globalmente e superando a fragmentação. Só um tema gerador trabalhado pela ótica de diferentes eixos não garante a interdisciplinaridade. O tema gerador é um ponto de partida, não o centro do estudo e nem deve ser longo, para não cansar. Durante o planejamento coletivo por eixos, permite determinar as possibilidades de trabalho interdisciplinar durante o ano, a partir das pesquisas dos alunos, do professor ou em parceria. A definição de três pontos são essenciais: o que quero ensinar, como cada aluno aprende, como será feito o acompanhamento e avaliação dos alunos. Ou seja, primeiro estabelecemos habilidades e competências, as noções e conceitos, as expectativas e os conteúdos que alicerçarão essa construção. Depois, pensar nas atividades a serem desenvolvidas baseadas em como o aluno aprende, além das linguagens e gêneros de textos para efetuar essa aprendizagem. Nesse processo, tanto a avaliação das produções dos alunos, quanto às intervenções necessárias, devem ser constantes. É primordial reportar-se as expectativas iniciais, objetivando o que foi consolidado e o que ainda necessita de maiores explorações. Só assim o decente terá subsídios reais para continuidade de seu trabalho. De acordo com essa fundamentação podemos destacar a sequência didática em três itens fundamentais:
  43. 43. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 43 1-PLANEJAR *Clareza nas expectativas *Selecionar e organizar as atividades adequadas; *Sequência de ações (Contextualização). 2-EXECUTAR *Problematizar; *Envolver os alunos, motivar; *Observar, acompanhar, interferir. 3-AVALIAR *Processo de reflexão; * Voltar-se para as expectativas; * Redimensionar o trabalho. Os projetos são conjuntos de atividades que trabalham com conhecimentos específicos constituídos a partir de um dos eixos de trabalho que se organizam ao redor de um problema para resolver ou um produto final que se quer obter. Possui uma duração que pode variar conforme o objetivo, o desenrolar das várias etapas, o desejo e o interesse das crianças pelo assunto tratado. É importante que os desafios apresentados sejam possíveis de serem enfrentados pelo grupo de crianças. Um dos ganhos de se trabalhar com projetos é possibilitar às crianças que a partir de um assunto relacionado com um dos eixos de trabalho, possam estabelecer múltiplas relações, ampliando suas ideias sobre um assunto específico. A realização de um projeto depende de várias etapas de trabalho que devem ser planejadas e negociadas com as crianças para que elas possam se engajar e acompanhar o percurso até o produto final. D) PROJETOS DE TRABALHO
  44. 44. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 44 A característica principal dos projetos é a visibilidade final do produto e a solução do problema compartilhado com as crianças. Ao final do projeto, pode-se dizer que a criança aprendeu porque teve uma intensa participação que envolveu a resolução de problemas de naturezas diversas. Na implementação dos projetos, precisamos tomar os seguintes cuidados:  O professor deve estar preparado para assumir essa postura pedagógica;  Selecionar situações-problema, de acordo com a faixa etária das crianças;  O planejamento das ações é fundamental para o sucesso do trabalho;  Acompanhamento e avaliação de todo o processo;  Registro de todas as ações realizadas;  Participação efetiva dos alunos em todas as ações implementadas;  Sistematizar os conteúdos curriculares das áreas do conhecimento relativos aos projetos;  Divulgação dos projetos junto às comunidades interna e externa da escola;  Estabelecer parcerias com outras instituições, quando necessárias. A avaliação tem por objetivo acompanhar a aprendizagem e o desenvolvimento dos educandos, suas inteligências, habilidades e competências, tem caráter diagnóstico, processual e investigativo. Contribui para a função básica da escola que é promover o acesso a todo o conhecimento constituído e acumulado pela sociedade. A avaliação subsidia o professor com elementos para uma reflexão contínua sobre a sua prática, sobre a criação de novos instrumentos de trabalho e a retomada de aspectos que devem ser revistos, ajustados ou reconhecidos como adequados para o processo de aprendizagem individual ou de todo grupo. Para o aluno, é o instrumento de tomada de consciência de suas conquistas, dificuldades e possibilidade para IX - AVALIAÇÃO
  45. 45. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 45 reorganização de seu investimento na tarefa de aprender. Para a escola, possibilita definir prioridades e localizar quais aspectos das ações educacionais demandam maior apoio. Como já foi dito, a função básica da escola é promover o acesso ao conhecimento, portanto, a avaliação fortalece a natureza da aprendizagem; elucida a aprendizagem e o desenvolvimento dos alunos, leva em conta não só os resultados das tarefas (produtos), mas o processo. É um instrumento para ajudar o aluno a aprender e contribuir para orientar os procedimentos do ensino, sendo assim, o educador precisa:  Acompanhar e mediar às atividades que os alunos realizam, analisando com eles seus avanços e ainda dificuldades, criando mecanismos diferenciados para gerar aprendizagem;  Adequar a avaliação à natureza da aprendizagem, levando em conta o processo de construção de cada aluno, isto é, raciocínio, atitudes, enfim, o caminho que guia a diferentes percursos;  Criar hábitos de registro sobre os encaminhamentos vivenciados no cotidiano escolar. Ao final de cada dia exercitar diferentes avaliações, registrando os avanços e as dificuldades dos alunos;  Ser um pesquisador que investiga qual problema o aluno enfrenta e qual competência ainda falta adquirir, com atenção e cuidado às produções já realizadas e conquistadas;  Detectar os “nós” que estão emperrando o processo de apropriação de construção do conhecimento, utilizar as informações conseguidas para planejar suas intervenções;  Clarificar a concepção de “aproveitamento escolar”, entendendo que o mesmo se dá em parceria: professor e aluno;
  46. 46. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 46  Criar situações para que os educandos questionem ao intervir em suas zonas de desenvolvimento proximal e apresentar desafios que sejam pertinentes;  Fazer a correção e dar retorno para os alunos, problematizar e discutir as respostas, critérios e valores;  Entender o erro como parâmetro para tomada de decisão em relação à continuidade do trabalho. Todos esses passos didaticamente formulados só fazem sentido se planejarmos a partir das características sociais e cognitivas dos nossos alunos. O critério mais precioso das avaliações é o que nos liberta da terrível arma da comparação. Como não temos, muitas vezes, elementos concretos que só a convivência nos autoriza a descobrir, devemos comparar cada criança apenas com ela mesma. Destacamos nessa proposta os seguintes instrumentos avaliativos: * Portfólio, dossiê, relatórios de avaliação, todas essas nomenclaturas se referem, no sentido básico, à organização de registros sobre aprendizagem do aluno que auxilia a escola, o professor, os próprios alunos e as famílias uma visão evolutiva do processo. É importante que a cada dia, seja feito pelo menos um registro, pois isso possibilita ao professor e ao aluno um retrato dos passos percorridos na construção das aprendizagens. Essa forma de registrar diariamente a caminhada do aluno tem o objetivo de mostrar a importância de cada aula, de cada passo, como uma situação de aprendizagem. A organização de um dossiê ou Portfólio torna-se significativo pelas intenções de quem o organiza. Não há sentido em coletar trabalhos dos alunos para mostrá-los aos pais/mães somente como instrumento burocrático. Ele precisa constituir-se em um conjunto de dados que expresse avanços, mudanças conceituais, novos jeitos de pensar e de fazer, alusivos à progressão do estudante.
  47. 47. PREFEITURA MUNICIPAL DE MARÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 47 As ideias e estratégias de portfólio encorajam um enfoque de currículo e instituição centrada nas crianças através de observações regulares das mesmas, sendo que mediante esta proposta a criança estará sendo envolvida cada vez mais a participarem do seu próprio processo de aprendizagem. A construção, a reflexão e a criatividade acabam desenvolvendo na criança um senso de autoavaliação, levando-os a questionamentos dos conteúdos que serão desenvolvidos durante sua vida escolar. Quanto mais o educador observa o desenvolvimento do seu aluno, mais irá entendê-lo e para isso é necessário que o educador tenha um desenvolvimento profissional contínuo, utilizando dessas observações para o aperfeiçoamento e à experimentação de diferentes estilos de ensino para que o educador supra as necessidades do seu aluno. Neste sentido propomos que seja elaborado um portfólio coletivo da turma com as atividades mais significativas desenvolvidas ao longo do período escolar. Este instrumento complementa o processo avaliativo e poderá ser exposto em reuniões de pais e outras atividades culturais. * Portfólio (Pasta de produção de texto): tem a especificidade de acompanhar a evolução do processo de produção textual que deverá se desenvolver em um contexto significativo e funcional de cada gênero explorado. Deve constar neste portfólio, as versões dos textos produzidos pelos alunos com as intervenções realizadas pelo professor. * Ficha de Acompanhamento e Avaliação do Aluno: é um instrumento de avaliação pontual que visa ampliar o desenvolvimento do processo qualitativo e subsidiar análises, discussões, procedimentos e principalmente socialização das experiências pedagógicas como forma de certificar a importância da participação de todos no desenvolvimento das aprendizagens das crianças de cinco anos. Percebendo a avaliação como um instrumento para a reavaliação e reestruturação do processo ensino/aprendizagem, considera-se fundamental o registro. Portanto, exige-se um olhar mais reflexivo sobre a criança, seu contexto sócio – cultural e suas manifestações decorrentes de seu desenvolvimento. Para a avaliação ser

×