NEUROSE
NEUROSE“A pessoa com  transtorno neurótico,  existe dentro de um  equilíbrio instável  entre as suas  motivações  inconsci...
NEUROSEA palavra neurose foi criada pelomédico escocês Wiliam Cullen, nofim do século 18, para designardistúrbios das sens...
NEUROSENo início do século 20o termo popularizou-segraças à difusão dasidéias de Freud e daPsicanálise,significando conjun...
NEUROSEEste conceito prevaleceu naPsiquiatria até a década de 60,em que os transtornos mentaiseram distribuídos em dois gr...
NEUROSEÀs psicoses, consideradasdoenças mentais mais graves,atribuíam-se causas orgânicas oufuncionais; as neuroses, tidas...
As pesquisas das últimas décadasmostraram que esta distinção nãose sustenta; nas neuroses,embora os eventos vitais tenhamc...
Considera-se que, nas neuroses, aautodeterminação e capacidade dediscernimento não são afetadasseriamente.Em muitos casos,...
Diferença entre Neurose e   Psicose                              Neuros   Psicose                              eCorte com ...
A palavra "neurótico", da maneira como éusada hoje, pode ter sentido impróprio,como sinônimo de "loucura".É uma reação exa...
A pessoa neurótica nãoapresenta nenhumcomprometimento dainteligência, nem docontato com a realidade.Seus sentimentostambém...
Os neuróticos ficam maisansiosos, mais angustiados, maisdeprimidos, mais sugestionáveis,mais teatrais , maisimpressionados...
Segundo os Dicionários dePsiquiatria, neurose é um quadropsiquiátrico onde a pessoageralmente tem dificuldades deadaptação...
A pessoa neurótica vivepermanentemente em conflitospsíquicos, não conseguindo, destaforma, aproveitar prazerosamente aexis...
Kurt Schneider coloca asReações VivenciaisAnormais como MANEIRASNEURÓTICAS deresponder às vivências.Portanto, ReaçõesViven...
Henri Ey se refere às ReaçõesNeuróticas como maneiras anormais dese responder às vivências, como umadesproporção entre cau...
TIPOS DE NEUROSESDe modo geral, e didaticamente, asneuroses costumam ser classificadasatravés de seu sintoma maisproeminen...
1. TRANSTORNO FÓBICO
Um dos tipos mais comuns, hoje em dia, é aquele  cujo sintoma proeminente é a fobia (medo  patológico), juntamente com ans...
2. TRANSTORNO ANSIOSO
Os padrões individuais de Ansiedade variam  amplamente. Algumas pessoas com ansiedade  neurótica podem ter sintomas cardio...
3.TRANSTORNOS HISTRIÔNICOS
São neuroses onde o sintomaprincipal é a teatralidade,sugestionabilidade, necessidade deatenção constante e manipulaçãoemo...
4.TRANSTORNOS OBSESSIVO-COMPULSIVOS
Reúnem neuroses cujo sintomaprincipal é a incapacidade de controlarmanias e rituais, assim comodeterminados pensamentosdes...
5. Transtorno deEstresse Pós-TraumáticoNas últimas décadastem havido um aumentoda prevalência doTranstorno por EstressePós...
Ainda que, por definição, a vivência traumáticapara produzir um Transtorno de Estresse Pós-Traumático se centralize em exp...
A definição daquilo que pode serconsiderada uma vivência traumáticasuficiente para justificar grave estresse,tem sido comp...
Talvez seja o peso da somatória de umasérie de estressores não tão grandes mas,em seu conjunto, suficientemente fortespara...
O quadro do Transtorno por Estresse Pós-Traumático revive o antigo problema das relaçõesentre acontecimentos traumáticos d...
O Transtorno de EstressePós-Traumático sediagnostica quando umapessoa volta aexperimentar umaemoção traumática comevocaçõe...
Ao experimentar o traumatismo o pacientecostuma apresentar pesadelos e pensamentosinvasivos (que independem se sua vontade...
Situação de estressores .Condição a: pessoa com estrutura normal suportandoestressores normais da vida (valor 1). Menores ...
Organismo HumanoEvento Estressante                                                Evento Estressante                      ...
A Neurose tem cura?Antigamente se pensava que a neuroseera sempre incurável e que seconvertia, com o tempo, numa doençacrô...
A Neurose tem cura?A questão da curadas neuroses, queé uma doença dapersonalidade,deve sercomparada àdiabetes, pressãoalta...
Para as neuroses, recomenda-seum acompanhamento psicológicoadequado, associado aotratamento médico (commedicamentos) quand...
Com essa conduta,felizmente, a grande maioriadas neuroses podem serperfeitamente controlada,proporcionando ao pacienteuma ...
A Neurose é herdada?
Distinção entre o que é genético, o que éconstitucional e o que é hereditário:1) Se uma doença é Genética, isso quer dizer...
Uma pessoa que tenha este gene teria umapredisposição genética a desenvolver adoença, mas isso não quer dizer que estapess...
2) É Constitucional a doença que faz parteda pessoa, sem necessariamente ter sidogenética ou hereditária. Constitucional s...
3) Uma doença Hereditária é umadoença genética que se transmitirá,com certeza, de uma geração a outrae, além disso, terá u...
Esta doença crônica supõe umdegeneração corporal e mental que sepassa de uma geração a outra,desenvolvendo-se em 50% dos f...
Podemos afirmar,  portanto, que a   neurose não é      hereditária
IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃODestacamos    a    importância   daprevenção primária na saúde mental:É a intervenção biológica, s...
A prevenção primária também objetiva aerradicação de agentes estressantes eredução do estresse.Alguns exemplos:•Programas ...
• Programas de orientação  antecipatória para assistir a  pessoa na preparação para  situações estressantes esperadas.• In...
3º Tema: Que papo é esse de neurose?
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

3º Tema: Que papo é esse de neurose?

1.565 visualizações

Publicada em

Material para semana de 17/12.

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.565
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
111
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3º Tema: Que papo é esse de neurose?

  1. 1. NEUROSE
  2. 2. NEUROSE“A pessoa com transtorno neurótico, existe dentro de um equilíbrio instável entre as suas motivações inconscientes, impulsos e desejos, mecanismos de defesa do Ego e a realidade externa.”
  3. 3. NEUROSEA palavra neurose foi criada pelomédico escocês Wiliam Cullen, nofim do século 18, para designardistúrbios das sensações emovimentação corporal, sem umalesão anatômica correspondentena rede nervosa.
  4. 4. NEUROSENo início do século 20o termo popularizou-segraças à difusão dasidéias de Freud e daPsicanálise,significando conjuntosde sintomas resultantesprincipalmente deconflitos psicológicos erecalquesinconscientes.
  5. 5. NEUROSEEste conceito prevaleceu naPsiquiatria até a década de 60,em que os transtornos mentaiseram distribuídos em dois grandesgrupos: psicoses e neuroses.
  6. 6. NEUROSEÀs psicoses, consideradasdoenças mentais mais graves,atribuíam-se causas orgânicas oufuncionais; as neuroses, tidascomo menos graves, teriamorigem nos conflitos emocionais etraumas psicológicos.
  7. 7. As pesquisas das últimas décadasmostraram que esta distinção nãose sustenta; nas neuroses,embora os eventos vitais tenhamcapital importância, mecanismosquímicos de neurotransmissãoparticipam da produção emanutenção dos sintomas e osfatores genéticos são igualmentesignificativos.
  8. 8. Considera-se que, nas neuroses, aautodeterminação e capacidade dediscernimento não são afetadasseriamente.Em muitos casos, o tratamento apenaspsicológico não é suficiente, sendonecessário o suporte medicamentoso,até para possibilitar maioraproveitamento da psicoterapia econforto do paciente ao longo daresolução de seus conflitos.
  9. 9. Diferença entre Neurose e Psicose Neuros Psicose eCorte com a realidade - +Consciência do patológico + -Capacidade de discernimento + DCapacidade de argumentação + DlógicaActividade delirante - +Actividade alucinatória - +Turvação da consciência - -/+
  10. 10. A palavra "neurótico", da maneira como éusada hoje, pode ter sentido impróprio,como sinônimo de "loucura".É uma reação exagerada do sistemanervoso em relação a uma experiênciavivida (Reação Vivencial).É uma maneira da pessoa SER e de reagir àvida através de reações vivenciais nãonormais; seja no sentido dessas reaçõesserem desproporcionais , seja pelo fato deserem muito duradouras , seja pelo fatodelas existirem mesmo que não exista umacausa vivencial aparente .
  11. 11. A pessoa neurótica nãoapresenta nenhumcomprometimento dainteligência, nem docontato com a realidade.Seus sentimentostambém são normais. Adiferença reside naquantidade de emoções esentimentos, e não naqualidade deles.
  12. 12. Os neuróticos ficam maisansiosos, mais angustiados, maisdeprimidos, mais sugestionáveis,mais teatrais , maisimpressionados, maispreocupados, com mais medo,enfim, eles tem as mesmasemoções que todos nós temos,porém, exageradamente.A neurose, portanto, não é umadoença mental é, sobretudo, umadoença da personalidade.
  13. 13. Segundo os Dicionários dePsiquiatria, neurose é um quadropsiquiátrico onde a pessoageralmente tem dificuldades deadaptação, apesar de ser possíveltrabalhar, estudar, ter vida amorosa,estar bem entrosada com a realidade(ao contrário da psicose).
  14. 14. A pessoa neurótica vivepermanentemente em conflitospsíquicos, não conseguindo, destaforma, aproveitar prazerosamente aexistência. Geralmente inicia-se nainfância e acompanha o indivíduo portoda a vida, sendo indicada apsicoterapia para o seu tratamento.
  15. 15. Kurt Schneider coloca asReações VivenciaisAnormais como MANEIRASNEURÓTICAS deresponder às vivências.Portanto, ReaçõesVivenciais que aparecemsem uma causadesencadeante, quedeterminem sentimentosdesproporcionais àscausas ou que não tenhamrelação temporal com acausa, seriam ReaçõesVivenciais Anormais.
  16. 16. Henri Ey se refere às ReaçõesNeuróticas como maneiras anormais dese responder às vivências, como umadesproporção entre causas e efeitos.Kolb trata as neuroses com adenominação de REAÇÕESNEURÓTICAS, cuja descrição seencaixa bem nas Reações VivenciaisAnormais. Para ele, seriam as ReaçõesAnsiosas, Reações Histéricas.
  17. 17. TIPOS DE NEUROSESDe modo geral, e didaticamente, asneuroses costumam ser classificadasatravés de seu sintoma maisproeminente. Isso não significa quetodas elas possam ter uma série desintomas comuns (todas têm ansiedade,por exemplo).
  18. 18. 1. TRANSTORNO FÓBICO
  19. 19. Um dos tipos mais comuns, hoje em dia, é aquele cujo sintoma proeminente é a fobia (medo patológico), juntamente com ansiedade.É uma neurose que se caracteriza pelo medo anormal, desproporcional e persistente diante de um objeto ou situação específica. Dentro dos quadros fóbico-ansiosos destacam-se três tipos: 1 - Medo fóbico de lugares específicos); 2 - Medo de ser visto e avaliado por outras pessoas – fobia social 3 - Medo fóbico de determinados objetos, animais etc. – fobias específicas
  20. 20. 2. TRANSTORNO ANSIOSO
  21. 21. Os padrões individuais de Ansiedade variam amplamente. Algumas pessoas com ansiedade neurótica podem ter sintomas cardiovasculares, tais como palpitações, sudorese ou opressão no peito, outros manifestam sintomas gastrointestinais como náuseas, vômito, diarreia ou vazio no estômago, outros ainda apresentam mal-estar respiratório ou predomínio de tensão muscular exagerada, do tipo espasmo, torcicolo e lombalgia. Enfim, os sintomas físicos da ansiedade variam de pessoa para pessoa. Psicologicamente a Ansiedade pode monopolizar as atividades psíquicas e comprometer, desde a atenção e memória, até a interpretação fiel da realidade.
  22. 22. 3.TRANSTORNOS HISTRIÔNICOS
  23. 23. São neuroses onde o sintomaprincipal é a teatralidade,sugestionabilidade, necessidade deatenção constante e manipulaçãoemocional das pessoas ao seu redor.O neurótico histérico pode desmaiar,ficar paralítico, sem fala, trêmulo, edesempenhar todo tipo de papel dedoente.
  24. 24. 4.TRANSTORNOS OBSESSIVO-COMPULSIVOS
  25. 25. Reúnem neuroses cujo sintomaprincipal é a incapacidade de controlarmanias e rituais, assim comodeterminados pensamentosdesagradáveis e absurdos.
  26. 26. 5. Transtorno deEstresse Pós-TraumáticoNas últimas décadastem havido um aumentoda prevalência doTranstorno por EstressePós-Traumático para apopulação em geral,com taxas mais altasainda entreadolescentes e adultosjovens.
  27. 27. Ainda que, por definição, a vivência traumáticapara produzir um Transtorno de Estresse Pós-Traumático se centralize em experiênciashumanas consideradas "fora do normal", como porexemplo, combates militares, torturas e desastresnaturais, sequestros, terrorismo, etc, também aagressão urbana cotidiana e desmedida, bemcomo o diagnóstico de uma doençapotencialmente mortal, a ameaça de falênciaeconômica e, consequentemente existencial,atualmente também tem sido suficiente agenteestressante para produzir reações igualmentetraumáticas.
  28. 28. A definição daquilo que pode serconsiderada uma vivência traumáticasuficiente para justificar grave estresse,tem sido complexa.Seria o medo da morte, o medo da doença,do sofrimento, seria o componenteeconômico, familiar, social, ocupacional...?Enfim, como e o quê seria, exatamente, ummotivo vivencial suficientementeestressante para ocasionar odesenvolvimento do Transtorno porEstresse Pós-Traumático ou mesmo dealgum outro transtorno emocional?
  29. 29. Talvez seja o peso da somatória de umasérie de estressores não tão grandes mas,em seu conjunto, suficientemente fortespara uma grande solicitação emocionaladaptativa. Tem sido difícil identificar umdeterminado e específico estressor, dentroda constelação de vivências múltiplas queconstituem a experiência da vida moderna,definitivamente associado àsmanifestações do estresse .
  30. 30. O quadro do Transtorno por Estresse Pós-Traumático revive o antigo problema das relaçõesentre acontecimentos traumáticos da vida e aeclosão de doenças emocionais. Dependendo decada região ou país do mundo, os agentescausais do Transtorno por Estresse Pós-Traumático têm características e incidênciaspróprias. Em alguns países o terrorismo é umadas principais manifestações da violência quecontribui para a patologia pós-traumática, emoutras regiões têm sido as catástrofes naturais,as guerras, etc.Em nosso caso, parece ser a violência urbana e ainsegurança a que se submetem os cidadãos, osprincipais promotores do Transtorno de Estresse.
  31. 31. O Transtorno de EstressePós-Traumático sediagnostica quando umapessoa volta aexperimentar umaemoção traumática comevocações, lembranças,sonhos, cenasretrospectivas, ou atéalucinaçõesperturbadoras eintrusivas, tempos depoisda ocorrência de umacontecimentofortemente estressor.
  32. 32. Ao experimentar o traumatismo o pacientecostuma apresentar pesadelos e pensamentosinvasivos (que independem se sua vontade) muitonegativos, pessimistas e trágicos, ao evitarrecordações do trauma faz com que ele evitesituações relacionadas e afins (sair de casa, falarcom estranhos, caminhar no escuro, ficar sozinho,etc). Havendo aumento da excitabilidade,apresentará perturbações do sono,hipervigilância, ansiedade e irritabilidade. Outrasrespostas emocionais, comumente associadascom tais traumatismos, são o desespero, ossentimentos de culpa por medidas tomadas ouevitadas e angustia.
  33. 33. Situação de estressores .Condição a: pessoa com estrutura normal suportandoestressores normais da vida (valor 1). Menores chancesde ruptura.Condição b: pessoa com estrutura normal suportandoestressores muito mais pesados (valor 3). Maioreschances de ruptura.Condição c: pessoa com estrutura afetiva mais frágilsuportando estressores normais da vida (valor 1).Maiores chances de ruptura.
  34. 34. Organismo HumanoEvento Estressante Evento Estressante Estado de equilíbrio Estado de desequilíbrio Necessidade de recuperação do equilíbrio Fatores de equilíbrio presentes Um ou mais fatores de equilíbrio ausentes Percepção realista do evento Percepção distorcida do evento
  35. 35. A Neurose tem cura?Antigamente se pensava que a neuroseera sempre incurável e que seconvertia, com o tempo, numa doençacrônica e invalidante. Hoje em dia,felizmente, as pessoas que sofremdeste transtorno podem recuperar-sepor completo e lavar uma vida normalcomo qualquer outra pessoa.
  36. 36. A Neurose tem cura?A questão da curadas neuroses, queé uma doença dapersonalidade,deve sercomparada àdiabetes, pressãoalta, miopia,reumatismo,alergia, asma euma grande série
  37. 37. Para as neuroses, recomenda-seum acompanhamento psicológicoadequado, associado aotratamento médico (commedicamentos) quandonecessário, juntamente com acooperação apropriada do própriopaciente e da sua família.
  38. 38. Com essa conduta,felizmente, a grande maioriadas neuroses podem serperfeitamente controlada,proporcionando ao pacienteuma melhor qualidade devida e inegável  bem estar.Em casos mais graves amedicação é inevitável,normalmente quando hácomponentes depressivos eansiosos graves.
  39. 39. A Neurose é herdada?
  40. 40. Distinção entre o que é genético, o que éconstitucional e o que é hereditário:1) Se uma doença é Genética, isso quer dizer queantes de nascer uma pessoa pode ter um gene ouuma programação que a conduza em direção àdoença, mas em forma de probabilidade e não decerteza.Cada um de nós carrega genes de diferentesdoenças mas não as desenvolvemosobrigatoriamente. Um exemplo claro disso é ocâncer de pulmão, identificado em genes depessoas sadias não fumantes.
  41. 41. Uma pessoa que tenha este gene teria umapredisposição genética a desenvolver adoença, mas isso não quer dizer que estapessoa vá desenvolvê-la obrigatoriamente.De fato, se não fumar, levar uma vida nãoestressante, enfim, se não cumprir osrequisitos necessários ao desenvolvimentoda doença não terá câncer de pulmão. 
  42. 42. 2) É Constitucional a doença que faz parteda pessoa, sem necessariamente ter sidogenética ou hereditária. Constitucional significa ter nascido assim outer adquirido para sempre. Se a pessoanasceu surda, essa surdez é constitucional,sem necessidade de ser genética. As marcas de vacina que alguns têm nosbraços, podemos dizer que sãoconstitucionais (fazem parte da pessoa) masnão foram herdadas. Antes disso, foramadquiridas em tenra idade e nãodesapareceram mais. 
  43. 43. 3) Uma doença Hereditária é umadoença genética que se transmitirá,com certeza, de uma geração a outrae, além disso, terá uma porcentagemfixa e calculada de novos casos dadoença na geração seguinte.Um exemplo de uma doença hereditáriaé a Coréia de Huntington.
  44. 44. Esta doença crônica supõe umdegeneração corporal e mental que sepassa de uma geração a outra,desenvolvendo-se em 50% dos filhos.Quer dizer que um paciente deHuntingtom que decide ter um filhosabe, de antemão, que a cada doisfilhos que nascerem, no mínimo umdesenvolverá a enfermidade.
  45. 45. Podemos afirmar, portanto, que a neurose não é hereditária
  46. 46. IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃODestacamos a importância daprevenção primária na saúde mental:É a intervenção biológica, social oupsicológica que promove a saúde e obem estar e reduz a incidência dadoença em uma comunidade,alterando os fatores etiológicos antesque eles possam fazer mal.
  47. 47. A prevenção primária também objetiva aerradicação de agentes estressantes eredução do estresse.Alguns exemplos:•Programas educativos de saúdemental (álcool e drogas)•Desenvolvimento e utilização desistemas de apoio social
  48. 48. • Programas de orientação antecipatória para assistir a pessoa na preparação para situações estressantes esperadas.• Intervenção na crise (luto, separação conjugal).• Programas de pré e perinatais.

×