Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74

4.430 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.430
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.626
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74

  1. 1. Grupo I 100 pontos A 70 1 2 3 4 20 (12 + 8) 20 (12 + 8) 15 (9 + 6) 15 (9 + 6) B 30 (18 + 12) 60 40
  2. 2. 1. O modo verbal predominante é o imperativo («Segue», v. 1; «Rega», v. 2; «Ama», v. 3; «Deixa», v. 14; «Vê», v. 16; «Imita», v. 22), uma vez que o poeta adota um tom moralizador, através do qual pretende transmitir alguns conselhos que se coadunam com a sua filosofia moral.
  3. 3. 2. Nestes versos, o sujeito poético realça a importância de cada um se concentrar na busca da sua felicidade, valorizando a Natureza e ignorando tudo aquilo que o possa desviar da sua razão de viver e que funcione como uma «sombra» (v. 4) que o impeça de «Viver simplesmente» (v. 13).
  4. 4. 3. Ao longo do poema, é evidente a ideia de fatalismo, que perpassa nas crenças de que não se pode modificar o destino (vv. 1, 16 e 17) e de que não se lhe deve oferecer resistência (vv. 12-13 e 16-20). É essencial procurar não sofrer e aceitar a vida sem a questionar, uma vez que nunca se obterá uma resposta.
  5. 5. 4. Na última estrofe, o sujeito poético aconselha a imitar o Olimpo, nas figuras dos seus deuses e naquilo que eles revelam de aceitação. Só desse modo, evitando questionamentos que nada acrescentam à existência, será possível viver sem perturbações.
  6. 6. Segue o teu destino, Rega as tuas plantas, Ama as tuas rosas. O resto é a sombra De árvores alheias.
  7. 7. A realidade Sempre é mais ou menos Do que nós queremos. Só nós somos sempre Iguais a nós-próprios.
  8. 8. Segue o teu destino, Ama as tuas rosas. Segue o teu destino, No teu coração.
  9. 9. Suave é viver só. Grande e nobre é sempre Viver simplesmente. Deixa a dor nas aras Como ex-voto aos deuses.
  10. 10. Vê de longe a vida. Nunca a interrogues. Ela nada pode Dizer-te. A resposta Está além dos deuses.
  11. 11. Segue o teu destino, Ama as tuas rosas. Segue o teu destino, No teu coração.
  12. 12. Mas serenamente Imita o Olimpo No teu coração. Os deuses são deuses Porque não se pensam.
  13. 13. Segue o teu destino, Ama as tuas rosas. Segue o teu destino, No teu coração.
  14. 14. TPC — Lê, ou relanceia, «O reino das marionetas» (p. 291). Responde a esta pergunta (Grupo I-B do exame de 2009, 2.ª fase): Refira dois dos traços de carácter de D. João V determinantes na acção de Memorial do Convento, de José Saramago, fazendo alusões pertinentes à obra. Escreva um texto de oitenta a cento e vinte palavras.

×