Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 66-67

3.426 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.426
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.624
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 66-67

  1. 1. Na poesia de Alberto Caeiro, as sensações assumem um estatuto de absoluta primazia enquanto meio de perceção do real, em detrimento do plano intelectual. A única forma de ser feliz é absorver a realidade através dos cinco sentidos — dando prioridade, entretanto, às sensações visuais —, de maneira simples e espontânea, sem querer questionar ou dissecar, através da razão, o que apenas se deve se ver e sentir, porque o mundo e a
  2. 2. natureza (aliás, a Natureza, com a maiúscula que usa Caeiro) não foram feitos para ser pensados, mas apenas sentidos. A Natureza é simples e não põe dúvidas: porque não havemos de proceder do mesmo modo? [107 palavras]
  3. 3. — poeta da objetividade das sensações; — interessa-lhe ver e ouvir, de forma objetiva e instintiva, a realidade; — capta a realidade exterior e imediata das coisas; — passeando e observando o mundo, personifica o sonho da reconciliação com o universo, com a harmonia pagã e primitiva da Natureza.
  4. 4. Este passo de um dos poemas inconjuntos de Alberto Caeiro aborda a oposição sentir/pensar, numa perspetiva de recusa do pensamento, por, segundo o sujeito poético, constituir um acrescentamento artificial da realidade — a citada explicação racional da realidade que conferiria sentidos não constatáveis na simples existência empírica do «guardador de rebanhos». Se «A Realidade é apenas real e não
  5. 5. pensada" (v. 11), se tem apenas existência física, tudo o que nela acontece deve ser apenas percecionado pelos sentidos. Nada do que pensemos sobre ela altera o seu curso (vv. 6-7), pelo que se justifica a atitude antimetafísica do «eu» lírico, que pretende ser também natural e espontâneo. [106 palavras]
  6. 6. Matem os fantasmas amarelos. Matem-nos.
  7. 7. Comerás os rebuçados de peixe. Comê-los-ás.
  8. 8. Olhemos este panorama esplendoroso. Olhemo-lo.
  9. 9. Diz-lhe que ilumine o palácio. Diz-lhe que o ilumine. subordinação obriga a anteposição do pronome
  10. 10. Depois, se estivesse bom tempo, dava um salto à praia. subordinante «depois» é modificador, não faz da oração temporal
  11. 11. A Lucinda estava tão concentrada na prova intermédia, que não viu os mutantes. Subordinante subordinada adverbial consecutiva
  12. 12. O homem do talho dissera-lhe nesse momento que a carne de cavalo era mais nutritiva e mais barata. subordinada substantiva completiva
  13. 13. O Leonardo, cuja sogra não gosta da Princesa Letícia, parece bom rapaz e revela constantemente a sua humildade. subordinada adjetiva relativa explicativa coordenada copulativa
  14. 14. Se a prova de Matemática coincidir com o Portugal-Gana, podem levar rádios para a sala de exame. subordinada adverbial condicional
  15. 15. Emborquei uma garrafa de tinto, dei conta de um arroz-doce quentíssimo, portanto vomitei tudo. coordenada assindética [copulativa?] coordenada conclusiva
  16. 16. Lídia, enlacemos os pés. vocativo
  17. 17. Andar ao sol é agradável. sujeito
  18. 18. Não me convidem para sonhos desses. complemento oblíquo
  19. 19. Imagino-o ministro dentro de cinco anos. predicativo do complemento direto
  20. 20. Contra o Gana, jogaremos com ganas. modificador do grupo verbal
  21. 21. A brasuca, a bola do mundial, é amiga dos seus amigos. modificador apositivo
  22. 22. Só agora reparo que não usei «cocó» neste trabalho de gramática. complemento direto
  23. 23. Auxiliem as viúvas daquele homem. Auxiliem-nas.
  24. 24. Quero que comprem a cabrinha. Quero que a comprem.
  25. 25. Proporíamos a moção. Propô-la-íamos.
  26. 26. Comamos estas elegantes enguias. Comamo-las.
  27. 27. Comi a tarte, bebi a sangria, pois confio inteiramente no cozinheiro da prestigiada casa de pasto. coordenada assindética coordenada explicativa
  28. 28. O meu coração amava tanto, que parou para sempre. subordinante subordinada adverbial consecutiva
  29. 29. E, chegando a casa, punha logo as pantufas. subordinante coordenada copulativa?
  30. 30. Repito-te mais uma vez que os tepecês são a verdadeira felicidade. subordinada substantiva completiva
  31. 31. Para que os alunos não pressionem os professores no portão da ESJGF, as reuniões de notas serão na Pedro. subordinada adverbial final vs. causal
  32. 32. A casa onde vive a Amanda não cheira bem, mas esta bonita rapariga é bastante asseada. subordinada adjetiva relativa restritiva coordenada adversativa
  33. 33. Pobre ceifeira, dás-me um pouco da tua felicidade? vocativo
  34. 34. Quem desdenha quer comprar. sujeito oração substantiva relativa (sem antecedente)
  35. 35. Cumpriu as ordens do professor com imensa reverência. modificador do grupo verbal
  36. 36. Põe ali o livro. complemento oblíquo
  37. 37. Achei o Arouca superior ao Benfica. predicativo do complemento direto
  38. 38. A Bimby, a maior invenção de todos os tempos, merecia uma epopeia. modificador apositivo
  39. 39. Este é um dos poucos testes de gramática que não têm a palavra «cocó». modificador restritivo
  40. 40. Ao longo das férias porei comentários acerca de cada tarefa de gravação com poema de Pessoa
  41. 41. O que nos trabalhos de Pessoa por vezes não foi cumprido: Não se usar textos do manual «Ficam proibidos os do manual»
  42. 42. Evitar, se possível, poemas usados há quatro anos. «Os ibisfimes feitos por colegas vossos em 2009-2010 são visíveis aqui: 12.º 1.ª, 2.ª, 4.ª, 5.ª, 6.ª. Por acaso, o ideal era que não escolhessem textos então usados, mas admito que seja difícil fazer sempre esse escrutínio.»
  43. 43. Objetivo era expressão oral, mas também, eventualmente, escrita, criatividade, etc. «Esta tarefa visa avaliar expressão oral (leitura em voz alta, expressiva, dramatizada), criatividade (na realização e, em geral, em todas as soluções encontradas, que supõem também compreensão dos textos, mesmo se para depois os «transformar») e, eventualmente, a redação»
  44. 44. Deveria haver suficiente oral, texto razoável «conviria não se escolher poema demasiado curto, a não ser que o resto do filme inclua suficiente exibição da vossa expressão oral.»
  45. 45. Não usar textos em prosa ou dramáticos «Neste índice, também há zonas que não nos interessam — as dos textos de prosa; as de textos franceses ou ingleses; as de poemas dramáticos).»
  46. 46. Ilustração por imagens equivalentes (slide a slide) «Desaconselho a clássica interpretação literal, slide a slide, com o texto a referir ‘nau’ e a aparecer a imagem de uma nau.»
  47. 47. Dar a referência exata do texto «Deve ser-me entregue a exata referência do poema.»
  48. 48. Cerca de três minutos «máximo de três minutos.» Perguntar antes as parcerias «convém, porém, perguntarem-me se autorizo a parceria» Prazo «até 10 de dezembro»
  49. 49. TPC de férias No início do 2.º período, iremos já fazendo questionários que implicam terem lido (ou já estarem a ler e bastante avançados) Memorial do Convento de José Saramago.
  50. 50. Poema autobiográfico segundo molde de Caeiro (aula 43-44) Trecho de crónica gastronómica / apreciação crítica (aula 58-59)
  51. 51. Criação de «Alfabeto Pessoano» (tepecê da aula 41-42)

×