Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 83-84

4.425 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.425
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.690
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 83-84

  1. 1. a=3 subordinante subordinada substantiva completiva disseram-me que iam ponderar o teu caso conjunção subordinativa completiva
  2. 2. b=4 Inquisição[. Q]ue padre é este padre[?] determinante interrogativo
  3. 3. c=5 subordinada adverbial consecutiva de tanto estudo e memória / que, sendo moço de quinze anos, prometia conjunção subordinativa consecutiva
  4. 4. d=1 subordinante subordinada adjetiva relativa fiz um balão que ardeu pronome relativo
  5. 5. e=2 1.º termo 2.º termo da comparação tinha mais que ver com a jurisdição do Santo Ofício que com a geometria (subordinada adverbial comparativa) conjunção subordinativa comparativa
  6. 6. a=3 b=4 c=5 d=1 e=2
  7. 7. 1. Quando 2. pois 3. Mas 4. já 5. porque
  8. 8. 6. antes de 7. Mais tarde 8. em seguida 9. visto que 10. também
  9. 9. 1. Quando 2. pois 3. Mas 4. já 5. porque 6. antes de 7. Mais tarde 8. em seguida 9. visto que 10. também
  10. 10. Não consigo assumir os meus estados de espírito com coerência e verdade. No fundo, é como se não soubesse ser eu próprio, o que não creio aconteça a quem é lhano e simples. Invejo, por isso, os que, ao contrário de mim — que tendo sempre a intelectualizar as minhas emoções, a filtrálas por uma perniciosa análise racionalizadora —, são capazes de viver espontaneamente. Ocorre-me o exemplo das flores que, como é óbvio, não sofrem deste doentio escrutínio mental.
  11. 11. É decerto esse contraste comigo mesmo que faz que me pacifique, por exemplo, a visão da floração das plantas, ato natural sobre que não têm de ponderar. E, no entanto, convenhamos que é com a mesma naturalidade que as flores florescem que nós nos obrigamos a pensar. Não valerá a pena lutar-se contra cada um desses destinos.
  12. 12. a. A forma verbal «sei» (v. 1) constitui uma referência deítica pessoal (1.ª pessoa) e temporal (simultaneidade)
  13. 13. b. O segundo verso do poema corresponde a uma oração coordenada copulativa com polaridade negativa. (polaridade: afirmativa | negativa) coordenada coordenada copulativa Não sei ser triste a valer / nem ser alegre deveras Nem acabas o curso coordenada disjuntiva / nem arranjas emprego coordenada disjuntiva
  14. 14. c. O pronome pessoal presente na passagem «Com que prazer me dá calma / Ver uma flor sem razão / Florir sem ter coração!» (vv. 8-10) desempenha a função sintática de complemento direto. complemento indireto
  15. 15. d. Na oração «Sem querer a gente pensa.» (v. 13) o sujeito é composto. simples
  16. 16. e. O referente retomado por «ela» no verso 16 é «consciência» (v. 15). «flor»
  17. 17. f. A utilização da conjunção «enquanto» na última estrofe concretiza um mecanismo de coesão interfrásica.
  18. 18. TPC — Resolve este item de grupo I-B, saído numa das quatro provas do ano passado: «Fazendo apelo à sua experiência de leitura do romance Memorial do Convento, de José Saramago, explique em que medida os traços de carácter do Padre Bartolomeu de Gusmão o impelem à construção da passarola, fundamentando a sua exposição em dois exemplos significativos. Escreva um texto de oitenta a cento e trinta palavras».
  19. 19. Aproveita para, ainda antes, leres pequenos textos ensaísticos no manual acerca de Bartolomeu: «Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão: uma personagem peculiar» (p. 300); «Sonho, projeto e execução» (p. 313).

×