Radioterapia química

2.442 visualizações

Publicada em

Radioterapia

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.442
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Radioterapia química

  1. 1. RADIOTERAPIA RADIOATIVIDADE
  2. 2. O QUE É A RADIOTERAPIA? • A radioterapia é um tratamento no qual se utiliza radiação ionizante (processo de produção química com espécies eletricamente carregadas, através da perda ou ganho de elétrons, atuando sobre moléculas neutras ou átomos ) para destruir, eliminar ou impedir que as células de um tumor aumentem seu tamanho.
  3. 3. • A radiação não é vista pelo paciente, não causa dor e pode ser associada com a quimioterapia ou cirurgia.
  4. 4. COMO É REALIZADA A RADIOTERAPIA? • De acordo com a localização do tumor, a radioterapia é feita de duas formas: • Externa: onde as radiações são emitidas através de aparelhos que ficam afastados do paciente. É chamada Radioterapia Externa ou Teleterapia.
  5. 5. • Interna: onde o material radioativo é aplicado por meio de aparelhos que ficam em contato em contato com o organismo do paciente, paciente, chamada Radioterapia de Contato ou Contato ou Braquiterapia. Pequenas cápsulas radioativas implantadas diretamente no tumor.
  6. 6. EM QUE ETAPA DO TRATAMENTO ELA PODE SER REALIZADA? • A Radioterapia pode ocorrer em diversas etapas do tratamento contra o câncer: antes, durante ou após a cirurgia e/ou a quimioterapia.
  7. 7. EXISTEM FUNÇÕES/INTENÇÕES DIFERENTES PARA RADIOTERAPIA? • Devido ao quadro específico e ao tipo de tumor de cada paciente, existem diversas formas de utilização da Radioterapia. Entre elas, podem ser destacadas: Radical/Curativa: É conhecida por esses dois nomes e tem a finalidade de controlar o tumor com doses radicais – tentar curar o paciente. Remissiva: Usada para reduzir o tamanho das células cancerígenas.
  8. 8. Profilática: Utilizada de maneira preventiva, quando não há nenhum tipo de volume tumoral presente, mas detecta-se a existência de possíveis de possíveis células neoplásicas dispersas. Paliativa: Quando se busca a diminuição dos sintomas, tais como dor intensa, sangramento, compressão dos órgãos e da parte neurológica e neurológica e óssea. Ablativa: Quando se administra a radiação para suprimir a função de um órgão, como, por exemplo, o ovário, para se obter a castração.
  9. 9. RADIOTERAPIA: PASSO A PASSO • Consulta médica para avaliação: é o primeiro passo para iniciar o tratamento. O médico radioterapeuta irá avaliá-lo verificando o estágio da doença e se existe ou não necessidade de realizar a Radioterapia. A partir daí, poderá solicitar exames complementares para definir melhor as áreas comprometidas e que deverão ser irradiadas e orientar quanto ao tratamento (se ele estiver indicado).
  10. 10. • Simulação e planejamento: nessa etapa, com o auxílio de um equipamento chamado Simulador, a equipe médica (formada também por físicos e técnicos de radioterapia) irá estudar o melhor posicionamento (do seu corpo e do local que a para receber o tratamento. Com a ajuda de radiografias localizam-se os locais desejados marcados na pele com uma tinta vermelha e/ ou uma forma de picadas de agulha com tinta preta (uma espécie de “tatuagem” definitiva, que ficarão como pintas na pele) e, em alguns casos, pode-se utilizar moldes para mantê-lo na mesma posição. É fundamental e imprescindível que não se perca esses desenhos para que seja reproduzido diariamente com segurança o campo de tratamento.
  11. 11. • Tomografia: Em alguns casos, será necessária a realização de um exame de tomografia (exame que sejam feitas imagens “fatiadas” dos objetos analisados - seja um órgão ou uma parte do corpo). Com as imagens obtidas, o médico irá delimitar o campo de tratamento e os órgãos sadios que deverão ser protegidos da radiação. Ao sair do simulador ou da tomografia, um físico utilizará a ficha para calcular a dose correta para o seu tratamento.
  12. 12. • Início do tratamento: após a ficha ser liberada pelo físico, você será conduzido a um aparelho onde um técnico em radioterapia o atenderá e prontamente o posicionará para as aplicações radioterápicas. Você deve permanecer imóvel durante as aplicações. Neste período permanecerá sozinho na sala, sendo observado por câmeras de vídeo do lado externo.
  13. 13. CINCO INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA A RADIOTERAPIA: 1. A radiação permanece no corpo apenas durante o tempo em que se fica no aparelho. Não precisa se afastar de crianças ou gestantes durante o tratamento. Pode abraçar, beijar ou manter relações sexuais, sem risco de expor outras pessoas à radiação. 2. Não há necessidade de mudanças nos hábitos ou nos contatos pessoais, pois os pacientes em radioterapia não se tornam radioativos.
  14. 14. 3. É muito importante que o paciente esteja bem alimentado para ter melhores condições de reagir aos efeitos colaterais. 4. Durante o período de radioterapia deve-se evitar a gravidez, pois a radiação utilizada pode causar riscos na formação do bebê. 5. Procurar manter uma alimentação saudável e ingerir bastante líquido.
  15. 15. QUANTO TEMPO DURA O TRATAMENTO? • Em geral, o tratamento dura apenas alguns minutos, não causa dor nem sensação de calor. Para uma melhor qualidade de tratamento, todas as etapas de radioterapia requerem certo tempo.
  16. 16. QUAL A IMPORTÂNCIA E EFICÁCIA DA RADIOTERAPIA? • Mais da metade dos pacientes com câncer é tratado com radioterapia. É cada vez maior o número de pessoas tornam-se curadas com esse tratamento. Além disso, a radioterapia contribui também para a melhoria da qualidade de vida (diminui o tumor, reduz sangramentos, dor e outros sintomas).
  17. 17. EFEITOS COLÁTERAIS DA RADIOTERAPIA • Muitas pessoas que recebem radioterapia apresentam problemas de pele, como ressecamento, coceira, bolhas ou descamação. Esses problemas são normalmente resolvidos dentro de poucas semanas após o fim do tratamento. Se os danos na pele derivados do tratamento de radiação se tornarem muito graves, o médico pode alterar a dose ou esquema de tratamentos.
  18. 18. • Outro efeito colateral comum é a fadiga (falta de energia). Fadiga associada com o tratamento do câncer é diferente da fadiga por falta de sono, é uma sensação de exaustão que não melhora com o repouso. O nível de fadiga pode alterar caso o pacientes esteja passando por outros tratamentos, como quimioterapia.
  19. 19. Dependendo de qual parte do corpo recebe a terapia por radiação, outros efeitos colaterais podem incluir: • Diarréia • Náuseas e vômitos • Boca seca • Dificuldade em engolir • Inchaço • Perda de cabelo • Problemas sexuais • Problemas urinários e na bexiga
  20. 20. • Embora a maioria dos efeitos colaterais desapareça após o tratamento, alguns podem aparecer meses ou anos depois. Entre estes estão o surgimento de cancros secundários, no entanto, o risco de isto acontecer devido ao tratamento por radioterapia é muito baixo.
  21. 21. ALGUNS EXEMPLOS...
  22. 22. QUIMIOTERAPIA x RADIOTERAPIA • A Quimioterapia é o tratamento que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor. Os medicamentos se misturam com o sangue e são levados a todas as partes do organismo, destruindo as células doentes que estão formando o tumor e impedindo, também, que elas se espalhem pelo corpo. Uma sessão de quimioterapia pode durar de poucos minutos a infusões prolongadas de vários dias. • Já a Radioterapia é um tratamento no qual se utilizam radiações para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem. As aplicações diminuem o tamanho do tumor, o que alivia a pressão, reduz hemorragias, dores e outros sintomas. A indicação da Radioterapia e o número de aplicações necessárias podem variar de acordo com a extensão e a localização do tumor, dos resultados dos exames e do estado de saúde do paciente.
  23. 23. PRINCIPAL EQUIPAMENTO UTILZIADO NA RADIOTERIA
  24. 24. Alunos: Claudia Rosina Guilherme Moretto Laylis Amanda Pamella Natany

×