SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
RADIOTERAPIA
CONCEITO HISTÓRICO
 Os raios X foram descobertos em 1895 por Wilhelm Roentgen e não
demorou para que fossem usados em medicina para tirar radiografias que
facilitavam o diagnóstico de muitas doenças. Logo se percebeu também que
eles tinham a capacidade de curar alguns tipos de tumores malignos;
 A experiência mostrou ainda que a sensibilidade das células tumorais à
exposição desses raios não era idêntica em todas elas. Algumas eram
destruídas imediata e completamente com doses baixas de radiação; outras
precisavam de doses muito altas para reagir;
 Descobrir que a radiação danifica o material genético da célula maligna foi o
passo definitivo para o surgimento da radioterapia, uma especialidade
médica reconhecida em 1922 pelo Congresso Mundial de Oncologia de
Paris, que evoluiu muito no decorrer do século XX e chega ao século XXI
contando com aparelhos de altíssima precisão para destruir o tumor sem
causar danos às células normais que lhe são próximas.
EVOLUÇÃO & RADIOTERPIA
 A primeira forma de utilizar a radiação não foi
através de um aparelho colocado distante do tumor
(tele terapia). Na verdade, eram isótopos colocados
em contato com o tumor, a braquiterapia. “Braqui”
é um prefixo grego que significa junto de, em
contato com;
 Do ponto de vista cronológico, porém, os
aceleradores lineares (os aparelhos mais utilizados
hoje) talvez tenham aparecido antes das bombas de
cobalto;
 Retomando os aspectos históricos, a radiação foi
descoberta quando Roentgen conseguiu obter uma
forma de energia capaz de sensibilizar um filme
fotográfico onde ficaram registrados os ossos da mão
e o anel da pessoa que o ajudava;
 A partir daí, os aparelhos de radiação foram usados
para diagnóstico. No entanto, de forma
absolutamente empírica, observou-se que regrediam
as lesões de pele do médico e daqueles que por
ventura estivessem lidando com as máquinas de
raios X. Diante de tal evidência, a radiação foi
utilizada especificamente para esse tipo de
tratamento sem nenhuma proteção.
 Com o passar do tempo, porém, a radiação passou a ser gerada por pastilhas, as
bombas de cobalto, colocadas num cabeçote e cercadas de enorme proteção. A título
de curiosidade, depois dos grandes acidentes com radioatividade que ocorreram em
seu território, o Brasil é o país do mundo que conta com as melhores barreiras de
proteção;
 Das pastilhas de cobalto ou de césio colocadas dentro de um cabeçote altamente
protegido emana um feixe de radiação ionizante que, por meio de processos
aritméticos e geométricos, é direcionado para incidir na região do tumor, respeitando
uma considerável margem de segurança. Entretanto, essas pastilhas vão perdendo a
força com o tempo e precisam ser substituídas e descartadas;
 Como esse tipo de radiação natural pode provocar uma série de contratempos,
surgiram os aceleradores lineares, aparelhos com a capacidade de produzir radiação
eletromagnética ionizante (fóton) para tratar de tumores. O processo consiste mais
ou menos no seguinte: retira-se da periferia do átomo um elétron que entra em super
aceleração e vai bater num alvo pré-determinado;
 Atualmente, por meio de computadores e digitalização, temos o poder de irradiar
com precisão o ponto almejado. Para tanto, dependemos muito da imagem. Esse grau
de sofisticação que permite colocar a radiação eletromagnética no alvo exige saber
exatamente onde se localiza o tumor.
FONTES DE ENERGIA E SUAS APLICAÇÕES
 São várias as fontes de energia utilizadas na radioterapia. Há
aparelhos que geram radiação a partir da energia elétrica,
liberando raios X e elétrons, ou a partir de fontes de isótopo
radioativo, como, por exemplo, pastilhas de cobalto, as quais
geram raios gama;
 Esses aparelhos são usados como fontes externas, mantendo
distâncias da pele que variam de 1 centímetro a 1 metro (tele
terapia);
 Estas técnicas constituem a radioterapia clínica e se prestam
para tratamento de lesões superficiais, semi profundas ou
profundas, dependendo da qualidade da radiação gerada pelo
equipamento.
RADIOTERAPIA E O CÂNCER
 A radioterapia é um método capaz de destruir células
tumorais, empregando feixe de radiações ionizantes.
 Uma dose pré-calculada de radiação é aplicada, em um
determinado tempo, a um volume de tecido que
engloba o tumor, buscando erradicar todas as células
tumorais, com o menor dano possível às células
normais circunvizinhas, à custa das quais se fará a
regeneração da área irradiada.
 As radiações ionizantes são eletromagnéticas ou corpusculares e carregam
energia. Ao interagirem com os tecidos, dão origem a elétrons rápidos que
ionizam o meio e criam efeitos químicos como a hidrólise da água e a
ruptura das cadeias de ADN.
 A morte celular pode ocorrer então por variados mecanismos, desde a
inativação de sistemas vitais para a célula até sua incapacidade de
reprodução.
 A resposta dos tecidos às radiações depende de diversos fatores, tais como a
sensibilidade do tumor à radiação, sua localização e oxigenação, assim como
a qualidade e a quantidade da radiação e o tempo total em que ela é
administrada.
 Para que o efeito biológico atinja maior número de células neoplásicas e a
tolerância dos tecidos normais seja respeitada, a dose total de radiação a ser
administrada é habitualmente fracionada em doses diárias iguais, quando se
usa a terapia externa.
Os isótopos radioativos
(cobalto, césio, irídio etc.) ou
sais de rádio são utilizados sob
a forma de tubos, agulhas, fios,
sementes ou placas e geram
radiações, habitualmente
gama, de diferentes energias,
dependendo do elemento
radioativo empregado.
São aplicados, na maior parte
das vezes, de forma intersticial
ou intracavitária,
constituindo-se na radioterapia
cirúrgica, também conhecida
por braquiterapia.
RADIOSSENSIBILIDADE & RADIOCURABILIDADE
 A velocidade da regressão tumoral representa o grau de sensibilidade
que o tumor apresenta às radiações. Depende fundamentalmente da
sua origem celular, do seu grau de diferenciação, da oxigenação e da
forma clínica de apresentação;
 A maioria dos tumores radio sensíveis são radio curáveis.
Entretanto, alguns se disseminam independentemente do controle
local; outros apresentam sensibilidade tão próxima à dos tecidos
normais, que esta impede a aplicação da dose de erradicação;
 A curabilidade local só é atingida quando a dose de radiação aplicada
é letal para todas as células tumorais, mas não ultrapassa a tolerância
dos tecidos normais.
 A radioterapia pode ser radical (ou curativa), quando se busca
a cura total do tumor; remissiva, quando o objetivo é apenas a
redução tumoral; profilática, quando se trata a doença em fase
subclínica, isto é, não há volume tumoral presente, mas
possíveis células neoplásicas dispersas; paliativa, quando se
busca a remissão de sintomas tais como dor intensa,
sangramento e compressão de órgãos;
 E ablativa, quando se administra a radiação para suprimir a
função de um órgão, como, por exemplo, o ovário, para se obter
a castração actínica.
EFEITOS ADVERSOS DA RADIOTERAPIA
Normalmente, os efeitos das radiações são bem tolerados, desde que sejam
respeitados os princípios de dose total de tratamento e a aplicação fracionada;
Os efeitos colaterais podem ser classificados
em imediatos e tardios
 Os efeitos imediatos são observados nos tecidos que apresentam maior capacidade
proliferativa, como as gônadas, a epiderme, as mucosas dos tratos digestivo, urinário
e genital, e a medula óssea. Eles ocorrem somente se estes tecidos estiverem incluídos
no campo de irradiação e podem ser potencializados pela administração simultânea
de quimioterápicos. Manifestam-se clinicamente por anovulação ou azoospermia,
epitelites, mucosites e mielodepressão (leucopenia e plaquetopenia) e devem ser
tratados sintomaticamente, pois geralmente são bem tolerados e reversíveis;
 Os efeitos tardios são raros e ocorrem quando as doses de tolerância dos tecidos
normais são ultrapassadas. Os efeitos tardios manifestam-se por atrofias e fibroses.
As alterações de caráter genético e o desenvolvimento de outros tumores malignos
são raramente observados;
 Todos os tecidos podem ser afetados, em graus variados, pelas radiações.
Normalmente, os efeitos se relacionam com a dose total absorvida e com o
fracionamento utilizado. A cirurgia e a quimioterapia podem contribuir para o
agravamento destes efeitos.
 As unidades internacionalmente utilizadas para medir as
quantidades de radiação são o röentgen e o gray. O
röentgen (R) é a unidade que mede o número de ionizações
desencadeadas no ar ambiental pela passagem de uma
certa quantidade de radiação;
 Já o gray expressa a dose de radiação absorvida por
qualquer material ou tecido humano. Um gray (Gy)
corresponde a 100 centigrays (cGy).
Há uma brincadeira que corre entre os especialistas em radioterapia –
“me dê uma imagem do tumor que eu coloco a radiação nele” – que reflete a
grande evolução da radioterapia. Pode-se dizer que hoje, quase se faz
uma radiação puntiforme. Existe um tipo de radioterapia chamada
radiocirurgia, como o próprio nome indica, uma radiação que tenta
substituir a cirurgia. Lesões pequeninas localizadas no cérebro são
atacadas com um tiro só, ou seja, uma carga brutal de irradiação. Isso
precisa ser feito com precisão milimétrica, à luz de cálculos
extremamente sofisticados, só possíveis na era da informática em que
vivemos. Além disso, a evolução por que está passando a genética
facilitará a utilização de marcadores tumorais por meio dos quais se
determinará com precisão onde está o tumor para eventualmente levar
um quimioterápico junto com a radiação.
http://www.inca.gov.br/conteudo_view.as
p?id=100

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livro de radioterapia
Livro de radioterapiaLivro de radioterapia
Livro de radioterapiaFLAVIO LOBATO
 
Aula de introdução à proteção radiológica
Aula de introdução à proteção radiológicaAula de introdução à proteção radiológica
Aula de introdução à proteção radiológicaGustavo Vasconcelos
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Rodrigo Ribeiro Jr.
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAWillian R. Bandeira
 
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios xIntriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios xMeiry Vieira
 
Radioatividade 15 08-13
Radioatividade 15 08-13Radioatividade 15 08-13
Radioatividade 15 08-13karinemc18
 
Aula 1 aparelhos de radiodiagnósticos
Aula 1  aparelhos de radiodiagnósticosAula 1  aparelhos de radiodiagnósticos
Aula 1 aparelhos de radiodiagnósticosMagno Cavalheiro
 

Mais procurados (20)

Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
HEMODINÂMICA
HEMODINÂMICAHEMODINÂMICA
HEMODINÂMICA
 
Radioterapia antineoplásica
Radioterapia antineoplásicaRadioterapia antineoplásica
Radioterapia antineoplásica
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
 
Livro de radioterapia
Livro de radioterapiaLivro de radioterapia
Livro de radioterapia
 
Ressonância magnética
Ressonância magnéticaRessonância magnética
Ressonância magnética
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
 
Aula de introdução à proteção radiológica
Aula de introdução à proteção radiológicaAula de introdução à proteção radiológica
Aula de introdução à proteção radiológica
 
Radioterapia 2009
Radioterapia 2009Radioterapia 2009
Radioterapia 2009
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
 
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios xIntriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
 
Radioatividade 15 08-13
Radioatividade 15 08-13Radioatividade 15 08-13
Radioatividade 15 08-13
 
Aula radioproteção
Aula radioproteçãoAula radioproteção
Aula radioproteção
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
 
Aula 1 aparelhos de radiodiagnósticos
Aula 1  aparelhos de radiodiagnósticosAula 1  aparelhos de radiodiagnósticos
Aula 1 aparelhos de radiodiagnósticos
 

Semelhante a Radioterapia

Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848rodrison
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XProfªThaiza Montine
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3marioaraujorosas1
 
Apresentação biofísica da radioatividade
Apresentação biofísica da  radioatividadeApresentação biofísica da  radioatividade
Apresentação biofísica da radioatividadeElyda Santos
 
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Lucas Senna
 
A RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na MedicinaA RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na Medicinaguest573ee4
 
Aplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividadeAplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividadeAna Clara Raft
 
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptxRADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptxMeryslandeMoreira1
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoWelisson Porto
 
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETAAyrttonAnacleto3
 

Semelhante a Radioterapia (20)

Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios X
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
 
Apresentação biofísica da radioatividade
Apresentação biofísica da  radioatividadeApresentação biofísica da  radioatividade
Apresentação biofísica da radioatividade
 
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
 
Radioterapia 2009
Radioterapia 2009Radioterapia 2009
Radioterapia 2009
 
A RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na MedicinaA RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na Medicina
 
"Somos Físicos" Medicina Nuclear
"Somos Físicos" Medicina Nuclear"Somos Físicos" Medicina Nuclear
"Somos Físicos" Medicina Nuclear
 
Aplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividadeAplicações da radioatividade
Aplicações da radioatividade
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptxRADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
 
Radiotividade
RadiotividadeRadiotividade
Radiotividade
 
Artigo bioterra v17_n2_06
Artigo bioterra v17_n2_06Artigo bioterra v17_n2_06
Artigo bioterra v17_n2_06
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
 
Radioterapia INTRODUCAO
Radioterapia INTRODUCAORadioterapia INTRODUCAO
Radioterapia INTRODUCAO
 
Aplicação da radioatividade na medicina
Aplicação da radioatividade na medicinaAplicação da radioatividade na medicina
Aplicação da radioatividade na medicina
 
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
 
Aplicações
AplicaçõesAplicações
Aplicações
 
aula 99.pptx
aula 99.pptxaula 99.pptx
aula 99.pptx
 

Radioterapia

  • 2. CONCEITO HISTÓRICO  Os raios X foram descobertos em 1895 por Wilhelm Roentgen e não demorou para que fossem usados em medicina para tirar radiografias que facilitavam o diagnóstico de muitas doenças. Logo se percebeu também que eles tinham a capacidade de curar alguns tipos de tumores malignos;  A experiência mostrou ainda que a sensibilidade das células tumorais à exposição desses raios não era idêntica em todas elas. Algumas eram destruídas imediata e completamente com doses baixas de radiação; outras precisavam de doses muito altas para reagir;  Descobrir que a radiação danifica o material genético da célula maligna foi o passo definitivo para o surgimento da radioterapia, uma especialidade médica reconhecida em 1922 pelo Congresso Mundial de Oncologia de Paris, que evoluiu muito no decorrer do século XX e chega ao século XXI contando com aparelhos de altíssima precisão para destruir o tumor sem causar danos às células normais que lhe são próximas.
  • 3.
  • 4. EVOLUÇÃO & RADIOTERPIA  A primeira forma de utilizar a radiação não foi através de um aparelho colocado distante do tumor (tele terapia). Na verdade, eram isótopos colocados em contato com o tumor, a braquiterapia. “Braqui” é um prefixo grego que significa junto de, em contato com;  Do ponto de vista cronológico, porém, os aceleradores lineares (os aparelhos mais utilizados hoje) talvez tenham aparecido antes das bombas de cobalto;  Retomando os aspectos históricos, a radiação foi descoberta quando Roentgen conseguiu obter uma forma de energia capaz de sensibilizar um filme fotográfico onde ficaram registrados os ossos da mão e o anel da pessoa que o ajudava;  A partir daí, os aparelhos de radiação foram usados para diagnóstico. No entanto, de forma absolutamente empírica, observou-se que regrediam as lesões de pele do médico e daqueles que por ventura estivessem lidando com as máquinas de raios X. Diante de tal evidência, a radiação foi utilizada especificamente para esse tipo de tratamento sem nenhuma proteção.
  • 5.  Com o passar do tempo, porém, a radiação passou a ser gerada por pastilhas, as bombas de cobalto, colocadas num cabeçote e cercadas de enorme proteção. A título de curiosidade, depois dos grandes acidentes com radioatividade que ocorreram em seu território, o Brasil é o país do mundo que conta com as melhores barreiras de proteção;  Das pastilhas de cobalto ou de césio colocadas dentro de um cabeçote altamente protegido emana um feixe de radiação ionizante que, por meio de processos aritméticos e geométricos, é direcionado para incidir na região do tumor, respeitando uma considerável margem de segurança. Entretanto, essas pastilhas vão perdendo a força com o tempo e precisam ser substituídas e descartadas;  Como esse tipo de radiação natural pode provocar uma série de contratempos, surgiram os aceleradores lineares, aparelhos com a capacidade de produzir radiação eletromagnética ionizante (fóton) para tratar de tumores. O processo consiste mais ou menos no seguinte: retira-se da periferia do átomo um elétron que entra em super aceleração e vai bater num alvo pré-determinado;  Atualmente, por meio de computadores e digitalização, temos o poder de irradiar com precisão o ponto almejado. Para tanto, dependemos muito da imagem. Esse grau de sofisticação que permite colocar a radiação eletromagnética no alvo exige saber exatamente onde se localiza o tumor.
  • 6. FONTES DE ENERGIA E SUAS APLICAÇÕES  São várias as fontes de energia utilizadas na radioterapia. Há aparelhos que geram radiação a partir da energia elétrica, liberando raios X e elétrons, ou a partir de fontes de isótopo radioativo, como, por exemplo, pastilhas de cobalto, as quais geram raios gama;  Esses aparelhos são usados como fontes externas, mantendo distâncias da pele que variam de 1 centímetro a 1 metro (tele terapia);  Estas técnicas constituem a radioterapia clínica e se prestam para tratamento de lesões superficiais, semi profundas ou profundas, dependendo da qualidade da radiação gerada pelo equipamento.
  • 7. RADIOTERAPIA E O CÂNCER  A radioterapia é um método capaz de destruir células tumorais, empregando feixe de radiações ionizantes.  Uma dose pré-calculada de radiação é aplicada, em um determinado tempo, a um volume de tecido que engloba o tumor, buscando erradicar todas as células tumorais, com o menor dano possível às células normais circunvizinhas, à custa das quais se fará a regeneração da área irradiada.
  • 8.  As radiações ionizantes são eletromagnéticas ou corpusculares e carregam energia. Ao interagirem com os tecidos, dão origem a elétrons rápidos que ionizam o meio e criam efeitos químicos como a hidrólise da água e a ruptura das cadeias de ADN.  A morte celular pode ocorrer então por variados mecanismos, desde a inativação de sistemas vitais para a célula até sua incapacidade de reprodução.  A resposta dos tecidos às radiações depende de diversos fatores, tais como a sensibilidade do tumor à radiação, sua localização e oxigenação, assim como a qualidade e a quantidade da radiação e o tempo total em que ela é administrada.  Para que o efeito biológico atinja maior número de células neoplásicas e a tolerância dos tecidos normais seja respeitada, a dose total de radiação a ser administrada é habitualmente fracionada em doses diárias iguais, quando se usa a terapia externa.
  • 9. Os isótopos radioativos (cobalto, césio, irídio etc.) ou sais de rádio são utilizados sob a forma de tubos, agulhas, fios, sementes ou placas e geram radiações, habitualmente gama, de diferentes energias, dependendo do elemento radioativo empregado. São aplicados, na maior parte das vezes, de forma intersticial ou intracavitária, constituindo-se na radioterapia cirúrgica, também conhecida por braquiterapia.
  • 10. RADIOSSENSIBILIDADE & RADIOCURABILIDADE  A velocidade da regressão tumoral representa o grau de sensibilidade que o tumor apresenta às radiações. Depende fundamentalmente da sua origem celular, do seu grau de diferenciação, da oxigenação e da forma clínica de apresentação;  A maioria dos tumores radio sensíveis são radio curáveis. Entretanto, alguns se disseminam independentemente do controle local; outros apresentam sensibilidade tão próxima à dos tecidos normais, que esta impede a aplicação da dose de erradicação;  A curabilidade local só é atingida quando a dose de radiação aplicada é letal para todas as células tumorais, mas não ultrapassa a tolerância dos tecidos normais.
  • 11.  A radioterapia pode ser radical (ou curativa), quando se busca a cura total do tumor; remissiva, quando o objetivo é apenas a redução tumoral; profilática, quando se trata a doença em fase subclínica, isto é, não há volume tumoral presente, mas possíveis células neoplásicas dispersas; paliativa, quando se busca a remissão de sintomas tais como dor intensa, sangramento e compressão de órgãos;  E ablativa, quando se administra a radiação para suprimir a função de um órgão, como, por exemplo, o ovário, para se obter a castração actínica.
  • 12. EFEITOS ADVERSOS DA RADIOTERAPIA Normalmente, os efeitos das radiações são bem tolerados, desde que sejam respeitados os princípios de dose total de tratamento e a aplicação fracionada;
  • 13. Os efeitos colaterais podem ser classificados em imediatos e tardios  Os efeitos imediatos são observados nos tecidos que apresentam maior capacidade proliferativa, como as gônadas, a epiderme, as mucosas dos tratos digestivo, urinário e genital, e a medula óssea. Eles ocorrem somente se estes tecidos estiverem incluídos no campo de irradiação e podem ser potencializados pela administração simultânea de quimioterápicos. Manifestam-se clinicamente por anovulação ou azoospermia, epitelites, mucosites e mielodepressão (leucopenia e plaquetopenia) e devem ser tratados sintomaticamente, pois geralmente são bem tolerados e reversíveis;  Os efeitos tardios são raros e ocorrem quando as doses de tolerância dos tecidos normais são ultrapassadas. Os efeitos tardios manifestam-se por atrofias e fibroses. As alterações de caráter genético e o desenvolvimento de outros tumores malignos são raramente observados;  Todos os tecidos podem ser afetados, em graus variados, pelas radiações. Normalmente, os efeitos se relacionam com a dose total absorvida e com o fracionamento utilizado. A cirurgia e a quimioterapia podem contribuir para o agravamento destes efeitos.
  • 14.  As unidades internacionalmente utilizadas para medir as quantidades de radiação são o röentgen e o gray. O röentgen (R) é a unidade que mede o número de ionizações desencadeadas no ar ambiental pela passagem de uma certa quantidade de radiação;  Já o gray expressa a dose de radiação absorvida por qualquer material ou tecido humano. Um gray (Gy) corresponde a 100 centigrays (cGy).
  • 15. Há uma brincadeira que corre entre os especialistas em radioterapia – “me dê uma imagem do tumor que eu coloco a radiação nele” – que reflete a grande evolução da radioterapia. Pode-se dizer que hoje, quase se faz uma radiação puntiforme. Existe um tipo de radioterapia chamada radiocirurgia, como o próprio nome indica, uma radiação que tenta substituir a cirurgia. Lesões pequeninas localizadas no cérebro são atacadas com um tiro só, ou seja, uma carga brutal de irradiação. Isso precisa ser feito com precisão milimétrica, à luz de cálculos extremamente sofisticados, só possíveis na era da informática em que vivemos. Além disso, a evolução por que está passando a genética facilitará a utilização de marcadores tumorais por meio dos quais se determinará com precisão onde está o tumor para eventualmente levar um quimioterápico junto com a radiação.