SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Local clandestino construído para desenvolver e produzir armas atômicas durante a Segunda
Guerra. Isto possibilitou pesquisas e descobertas em áreas médicas, incluindo Medicina
Nuclear.
REATOR PORTUGUÊS DE INVESTIGAÇÃO ( 1957)
COMANDO E ACELERADOR DE PARTÍCULAS
A Medicina Nuclear é uma especialidade que utiliza pequenas quantidades de
substâncias radioativas (radioisótopos) que atuam sobre um elemento
fisiológico para formar a imagem ou tratamento. Finalidade diagnóstica ou
terapêutica.
Radionuclídeos – isótopos artificiais
Radiofármacos – compostos químicos de radioisótopos
Estes farão trocas iônicas dentro do organismo com seus isótopos que tenham
as mesmas propriedades detectando as radiações ionizantes emitidas por estes
compostos para formar a imagem. (CINTILOGRAFIA)
Equipamento que detecta a emissão da radiação por um cristal que em contato
com a radiação Gama cintila. (desloca os elétrons dentro do cristal).
Raios Gama – Cintilação – Pulsos elétricos
• Estudo da morfologia de um órgão
•Evolução de uma função fisiológica
•Análise de um componente biológico
•Tratamento de uma patologia
•A emissão de partículas Beta e Alfa, que são de alta
energia, possibilitam tratamentos mas não formam imagens.
•Beta ( Iodo 131) para tratamento Hipertireoidismo , Câncer da Tireóide, Doença de
Plummer.
• Posítron (Glicose marcada com Fluor 18) para Tomografia por Emissão de Posítron
•Radiação Gama ( Tecnécio 99, Iodo 123, Iodo 131, Tálio 201, Gálio 67, Indio 111,
Xénon 133, Crípton 81, Flúor 18)
•Tumores
•Aneurismas
•Problemas em células sanguíneas
•Patologias pulmonares
•Patologias da tireóide
•Patologias ou deficiências funcionais em tecidos.
A radiação absorvida na Medicina Nuclear é muito menor do que na
Convencional ou TC.
O que realmente pode ocasionar reações adversas como
hipersensibilidade e choque anafilático, são os componentes químicos .
Sendo o custo do exame o maior vilão na utilidade do procedimento.
SPECT/CT - desenvolvida por HALL ANGER em 1960. Um colimador e chumbo é usado entre paciente e
o detector para eliminar raios gama que não tenham direção perpendicular a ele (O que torna a
imagem com uma melhor resolução). As imagens são produzidas com o auxílio de um computador
integrado no equipamento.
se funde entre a tomografia por emissão de pósitron e à tomografia computadorizada, podendo
detectar alterações menores, a tomografia computadorizada informa riqueza de detalhes anatômicos
e a medicina nuclear informa dados fisiológicos desta forma esta modalidade permite estudos da
anatomia e fisiologia. Podendo destacar nas especialidades de oncologia (para planejamento
radioterápico) neurologia e cardiologia.
Sonalleve
GAMMA- PROBE Neo2000
Um detector portátil de radiações utilizado
em cirurgias radioguiadas como: detecção
intraoperatória de lesões tumoriais e
linfonodo sentinela.
Gama-Câmara Ventri
A combinação para obter imagens
cardíacas de SPET mais rápidas.
CINTILOGRAFIA
A radiação que emana do paciente é registrada por detectores
especiais, chamados de câmara de cintilação ou câmara gama. A
câmera gama, seguindo protocolos de aquisição de imagens, realiza
uma varredura do paciente girando em torno dele, permitindo estudos
dinâmicos e imagens tomográficas.
Nesta área há possibilidades de estudos, exames e tratamentos.
•Angiografia de radionuclídeos de Equilíbrio (ARNE): avalia a função ventricular
•Cintigrafia de Perfusão do Miocárdio em Esforço e em Repouso avaliardoentes com enfartes do
miocárdio prévios, dispneia de esforço, ou angina.
é um estudo idêntico à Cintigrafia de Perfusão do
Miocárdio, sendo apenas realizado o estudo em Repouso
BrightView XCT
Para avaliação das estruturas e funcionamento
das funções renais.
OSTEOARTICULAR
Cintifragia Óssea de Corpo Inteiro
•Cintigrafia com Gálio-67
•Cintilografia dos Receptores da Somatostatina com 111In-
Pentatreótido
•Cintilografia com 99mTc-sestaMIBI
•Cintilografia Mamária
•Linfocintigrafia
Ingenia Philips
 integra uma equipe que reúne profissionais de diferentes
formações. Os técnicos de Medicina Nuclear trabalham
normalmente integrados numa equipe multidisciplinar que
inclui colegas de profissão, médicos, físicos, radiologistas
(Técnicos e Tecnólogos) farmacêuticos, enfermeiros e
auxiliares de ação médica, pelo que a capacidade de
trabalhar em equipe.
 Os operadores dos equipamentos devem ter curso Superior
em Tecnólogo ou Técnico em Nível Médio em Radiologia,
com cursos de Especialização ou Extensão respectivamente
em MN.
 deve ser constituído por, no mínimo, um médico qualificado em
Medicina Nuclear responsável pelo SMN,
 um supervisor de radioproteção com qualificação certificada pela
CNEN,
 e um ou mais técnicos de nível superior e/ou médio qualificados
para o exercício de suas funções específicas conforme Norma
CNEN-NE-3.02
 “Serviços de Radioproteção” - O médico qualificado em Medicina
Nuclear pode acumular as funções de supervisor de
radioproteção, desde que compatibilizadas as respectivas cargas
horárias.
 O diagnóstico e a terapia com uso de radiofármacos é de
responsabilidade do Médico especialista em MN.
 O Técnico ou Tecnólogo fará a operação das funções do
equipamento, conforme solicitação médica,posicionamento do
paciente, armazenamento, tratamento e manipulação de imagens.
 Os físicos são responsáveis pelo correto suporte clínico, cálculo de
doses e radioproteção.
 Monitor de Taxa de Exposição (partículas Gama
– unidade R);
 Monitor de Contaminação de Superfície (Dose absorvida –
unidade Gray);
 Medidor de Atividade (Curiometro – unidade Bequerel);
 Equipamentos e materiais de proteção individual (luvas,
aventais, pinças, etc...); EPRs
 Fontes padrões de referência de Co-57 e Ba-133.
 uma cintigrafia é um exame realizado em regime ambulatório,
num hospital ou em instalações apropriadas para o efeito
(Serviços de Medicina Nuclear). O radiofármaco é
habitualmente injetado numa das veias do paciente,
geralmente no braço. No entanto, em alguns tipos de
cintigrafia o radiofármaco é administrado por outras vias (oral,
inalatória, subcutânea, etc..). Habitualmente o exame inicia-se
logo após a administração do radiofármaco. Porém, em
algumas cintigrafias pode ser necessário aguardar algum
tempo até que exista uma concentração adequada do
radiofármaco no órgão a estudar. Muitos centros permitem que
os pacientes se ausentem durante esse período e que
regressem mais tarde para concluir o exame. Para a obtenção
das imagens cintigráficas o paciente deve deitar-se na própria
cama do equipamento (câmara-gama). A câmara gama
detecta a radiação emitida pelo seu corpo sem lhe tocar.
Depois deste procedimento, o paciente pode retomar as suas
atividades normais sem necessidade de qualquer cuidado
particular.
 Misteriosamente Kodak abrigou reator nuclear durante 30 anos, por
qual motivo?
O reator estava em uma câmara subterrânea, embaixo de um dos
edifícios de Kodak, e abrigava mais de um quilo de urânio altamente
enriquecido. O material, usado para elaborar armas nucleares, foi
retirado de depósitos de máxima segurança em 2007.
A existência do reator nuclear aparecia em vários documentos federais,
mas não era especificada sua localização exata. Por isso, nem as
autoridades de Rochester nem os vizinhos sabiam do reator, enterrado
em um bunker atrás de paredes de concreto de 60 centímetros.
Um porta-voz de Kodak, Christopher Veronda, afirmou que não
encontrou nenhum documento ou registro de algum anúncio público
por parte da companhia sobre a existência do reator, nem que
informasse à Polícia ou os bombeiros.

http://www.revelacaofinal.com/2012/05/misteriosamente-kodak-
abrigou-reator.html
 Surgiu nos anos 80 após a TC, melhorando
considerávelmente a qualidade da imagem em
radiodiagnósticos.
Alta definição e grande capacidade de resolução das imagens
 Maior latiude de exposição (A latitude exposição está
relacionada com a faixa de energia necessária para
produzir a imagem radiográfica.)
 Redução da dose de exposição do paciente.
 Possibilidade de pós processamento de imagem
 Armazenamento das imagens.
 Disponibilização das imagens em redes de computação.
 ambiente de rede comum nos serviços de diagnóstico por
imagem
 apresenta melhor eficiência, quando conectada ao Sistema
de Informações do Hospital – “HIS” (Hospital Information
System).
 Com o auxilio de redes de transmissão dealta velocidade ou
mesmo via INTERNET, tornou-se possível o envio de imagens
para equipamentos localizados em pontos distantes do
serviço de origem.
XGEO SAMSUNG
 Densidade
 Contraste
 Detalhe
 Distorção
 Radiografia Digital – DR
Placas de circuito sensíveis aos raios e enviam sinais
elétricos
 Radiografia Computadorizada – CR
Placas de Ecran Digital
JUNO PHILIPS
 exibição da imagem
 redução da dose de raios-X
 processamento de imagem
 aquisição, armazenamento e recuperação da
imagem
 Protocolo de imagens médicas criada para
unificar os arquivos, armazenamento,
manipulação de imagens entre todos os
setores de um Hospital.
 O ruído é o principal fator que afeta a qualidade de uma
imagem digital.
E pode ser definido como um artefato eletrônico e se
caracteriza pela presença de “granulação”na imagem.
 Detectores
 Magnificação
 Processamento altera, com técnicas simples de
computação, o realce dos contornos, a suavização das
imagens, magnificação, inversão de cores...
 Filtros digitais que influenciam a qualidade das imagens
digitais:
 Low pass(Smoothing filter ): Suavisa a imagem reduzindo o
ruído aparente.
 High pass( Enhancing filter ) : Aumenta o detalhe da imagem
através do realce dos contornos. Também aumenta o ruído
aparente.
Principais tarefas em uma Workstation :
 Formatação (Format)
 Apresentação (Display)
 Reformatação (Reformat)
 Magnificação (Zoom- Magnify)
 Lupa (Magnifyng Glass)
 Deslocar imagem (Scrolling)
 Fechar área (Shot/Matte)
 Anotação (Write)
 Remover (Erase)
 Cine (Cine)
 Girar imagem (Rotate)
 Medidas (Measure/Distance/Angle/Volume/ROI)
 Inversão de tela
Tratamento
 O mamógrafo é uma caixa retangular, onde está o
tubo de raio x e onde se posiciona a paciente para a
execução do procedimento.
 As mamas serão postas em uma plataforma especial e
o técnico fará a compressão gradualmente.
 O profissional fará os procedimentos e a operação do
equipamento atrás de um biombo.
 Um Sistema de Detecção Assistida Computadorizada
(CAD) adquire a imagem digital ou mesmo a
convencional, que ainda pode ser digitalizada
posteriormente.
 O programa de computador desse sistema, busca
áreas com anormalidades de densidade,
massa e calcificações.
Mamo Digital
 Técnica usada para estudo dos vasos.
 Utiliza recursos de computação para produzir imagens
angiográficas de alta definição com subtração do tecido que
não sofre impregnação sobre pelo meio de contraste e que
normalmente se sobrepõe na convencional
 Duas imagens : 1ª simples e 2ª com meio de contraste
administrado.
 ANÁLISE VASCULAR
 permitem que sejam listados por recursos de software, eventuais
áreas de estenoses, aneurismas, obstruções mesmo a ruptura de
vasos. As análises incluem medidas do diâmetro dos
vasos, medidas da extensão de estenoses, percentual de
obstrução, entre outras.
Allura Philips
 Automação e visão artificial (Bioponto, código de barras)
 Reconhecimento de caracteres OCR (Scanners, lombadas
eletrônicas)
 Análise de cromossomos (Bioinformática)
 Mapeamento de terrenos (Geoprocessamento)
 Inspeção industrial (Defeitos em peças, controle de
qualidade)
 Análise em imagens de Satélites.
 Além das incidências e posicionamentos do paciente
específicos para cada exame em questão, de segmentos
diferentes, que se mantém os mesmos com relação a rotina
de trabalho na convencional analógica, na Radiologia
Digital, estes profissionais devem manipular, arquivar,
abastecer o Sistema Integrado (Dicom).
 Nos procedimentos industriais como scanners, inspeção
industrial, geoprocessamentos, utilizam as técnicas de
captação de imagem por manipulação dos equipamentos.
 Todos com uso de Radioproteção conforme conveniência
ao trabalho executado.
 Em nível Superior em Tecnólogo em Radiologia ou em nível
médio em Técnico em Radiologia.
 Cursos de especialização e extensão em RD são
fundamentais para entrada no mercado de trabalho e
execução de procedimentos e operacional das funções dos
software utilizados neste sistema.
Philips Medical 3D

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira Wendesor Oliveira
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Rodrigo Ribeiro Jr.
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019FLAVIO LOBATO
 
Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclearlilitha
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranCristiane Dias
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução RadiologiaThyago Soares
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESMagno Cavalheiro
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaJaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Principios da radiologia
 
Meios de contraste: TC e RM
Meios de contraste: TC e RMMeios de contraste: TC e RM
Meios de contraste: TC e RM
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
 
Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclear
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃORESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
 
Exames Radiológicos - Aula.
Exames  Radiológicos -  Aula.Exames  Radiológicos -  Aula.
Exames Radiológicos - Aula.
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIA
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIAURGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIA
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA RADIOLOGIA
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução Radiologia
 
Aula 06 densitometria
Aula 06 densitometriaAula 06 densitometria
Aula 06 densitometria
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
HEMODINÂMICA
HEMODINÂMICAHEMODINÂMICA
HEMODINÂMICA
 
APOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIAAPOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIA
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
 
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEMGEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
 

Destaque

Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01Walmor Godoi
 
Cintilografia: Medicina Nuclear - Conteúdo vinculado ao blog http://fisi...
Cintilografia: Medicina Nuclear - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisi...Cintilografia: Medicina Nuclear - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisi...
Cintilografia: Medicina Nuclear - Conteúdo vinculado ao blog http://fisi...Rodrigo Penna
 
Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclearfcisilotto
 
Medicina Nuclear - Camara Gamma
Medicina Nuclear - Camara GammaMedicina Nuclear - Camara Gamma
Medicina Nuclear - Camara GammaManuel Lazaro
 
7252714 equipamentos-em-radioimaginologia
7252714 equipamentos-em-radioimaginologia7252714 equipamentos-em-radioimaginologia
7252714 equipamentos-em-radioimaginologiaCicero Moura
 
Medicina Nuclear Aula Inicial Graduacao
Medicina Nuclear   Aula Inicial   GraduacaoMedicina Nuclear   Aula Inicial   Graduacao
Medicina Nuclear Aula Inicial Graduacaocaduanselmi
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanogrtalves
 
Cintilografia de perfusão do miocárdio na miocardiopatia hipertrófica
Cintilografia de perfusão do miocárdio na miocardiopatia hipertróficaCintilografia de perfusão do miocárdio na miocardiopatia hipertrófica
Cintilografia de perfusão do miocárdio na miocardiopatia hipertróficaJoao Bruno Oliveira
 
Radiologia digital: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Radiologia digital: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)Radiologia digital: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Radiologia digital: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)Gisele Sena
 
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhadaAula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhadaGleibson Brasil
 
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!Dayane Almeida
 
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA Larah Oliveira
 
Cintilografia óssea trifásica para diagnóstico de fratura de stress em mmii
Cintilografia óssea trifásica para diagnóstico de fratura de stress em mmiiCintilografia óssea trifásica para diagnóstico de fratura de stress em mmii
Cintilografia óssea trifásica para diagnóstico de fratura de stress em mmiiTeacher Renato
 

Destaque (20)

Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
 
Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01
 
Cintilografia: Medicina Nuclear - Conteúdo vinculado ao blog http://fisi...
Cintilografia: Medicina Nuclear - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisi...Cintilografia: Medicina Nuclear - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisi...
Cintilografia: Medicina Nuclear - Conteúdo vinculado ao blog http://fisi...
 
Medicina Nuclear.
Medicina Nuclear.Medicina Nuclear.
Medicina Nuclear.
 
MEDICINA NUCLEAR
MEDICINA NUCLEARMEDICINA NUCLEAR
MEDICINA NUCLEAR
 
Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclear
 
Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclear
 
Medicina Nuclear - Camara Gamma
Medicina Nuclear - Camara GammaMedicina Nuclear - Camara Gamma
Medicina Nuclear - Camara Gamma
 
7252714 equipamentos-em-radioimaginologia
7252714 equipamentos-em-radioimaginologia7252714 equipamentos-em-radioimaginologia
7252714 equipamentos-em-radioimaginologia
 
Medicina Nuclear Aula Inicial Graduacao
Medicina Nuclear   Aula Inicial   GraduacaoMedicina Nuclear   Aula Inicial   Graduacao
Medicina Nuclear Aula Inicial Graduacao
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 
Radiologia digital
Radiologia digitalRadiologia digital
Radiologia digital
 
Cintilografia de perfusão do miocárdio na miocardiopatia hipertrófica
Cintilografia de perfusão do miocárdio na miocardiopatia hipertróficaCintilografia de perfusão do miocárdio na miocardiopatia hipertrófica
Cintilografia de perfusão do miocárdio na miocardiopatia hipertrófica
 
Radiologia digital: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Radiologia digital: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)Radiologia digital: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Radiologia digital: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
 
Problemas de esgoto
Problemas de esgotoProblemas de esgoto
Problemas de esgoto
 
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhadaAula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
 
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
 
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
 
Cintilografia óssea trifásica para diagnóstico de fratura de stress em mmii
Cintilografia óssea trifásica para diagnóstico de fratura de stress em mmiiCintilografia óssea trifásica para diagnóstico de fratura de stress em mmii
Cintilografia óssea trifásica para diagnóstico de fratura de stress em mmii
 

Semelhante a Medicina nuclear e Radiologia Digital

Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3marioaraujorosas1
 
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdfAULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdfJosivaldoSilva32
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfMeryslandeMoreira1
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfMeryslandeMoreira1
 
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfRessonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfPatriciaFarias81
 
Exercicio de radiologia
Exercicio de radiologiaExercicio de radiologia
Exercicio de radiologiaGrazi Pull
 
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdfOficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdfMonicaTapety
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxVanessaMalvesteIto1
 
Radiologia - Material livre Internet Equipamentos.docx
Radiologia - Material livre Internet Equipamentos.docxRadiologia - Material livre Internet Equipamentos.docx
Radiologia - Material livre Internet Equipamentos.docxMoiseCruz
 
INTRODUÇÃO - TÉCNICAS DE DIAGNÓSTICO POR MIMAGEM I E II - .pdf
INTRODUÇÃO - TÉCNICAS  DE DIAGNÓSTICO POR MIMAGEM I E II - .pdfINTRODUÇÃO - TÉCNICAS  DE DIAGNÓSTICO POR MIMAGEM I E II - .pdf
INTRODUÇÃO - TÉCNICAS DE DIAGNÓSTICO POR MIMAGEM I E II - .pdfMeryslandeMoreira1
 
radioprotecao_radioproteção_radioproteção.pdf
radioprotecao_radioproteção_radioproteção.pdfradioprotecao_radioproteção_radioproteção.pdf
radioprotecao_radioproteção_radioproteção.pdfPatriciaFarias81
 
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear MedicineAplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear MedicineLídia Pavan
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XProfªThaiza Montine
 
Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848rodrison
 
Tecnólogo em radiologia - Ludmila
Tecnólogo em radiologia - LudmilaTecnólogo em radiologia - Ludmila
Tecnólogo em radiologia - LudmilaLuiz Cesar Faria
 

Semelhante a Medicina nuclear e Radiologia Digital (20)

Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
 
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdfAULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
 
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfRessonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
Exercicio de radiologia
Exercicio de radiologiaExercicio de radiologia
Exercicio de radiologia
 
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
Apostila tomografia   prof. ricardo pereiraApostila tomografia   prof. ricardo pereira
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
 
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdfOficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
 
Radiologia - Material livre Internet Equipamentos.docx
Radiologia - Material livre Internet Equipamentos.docxRadiologia - Material livre Internet Equipamentos.docx
Radiologia - Material livre Internet Equipamentos.docx
 
Apostila1cnen
Apostila1cnenApostila1cnen
Apostila1cnen
 
INTRODUÇÃO - TÉCNICAS DE DIAGNÓSTICO POR MIMAGEM I E II - .pdf
INTRODUÇÃO - TÉCNICAS  DE DIAGNÓSTICO POR MIMAGEM I E II - .pdfINTRODUÇÃO - TÉCNICAS  DE DIAGNÓSTICO POR MIMAGEM I E II - .pdf
INTRODUÇÃO - TÉCNICAS DE DIAGNÓSTICO POR MIMAGEM I E II - .pdf
 
Aplica
AplicaAplica
Aplica
 
radioprotecao_radioproteção_radioproteção.pdf
radioprotecao_radioproteção_radioproteção.pdfradioprotecao_radioproteção_radioproteção.pdf
radioprotecao_radioproteção_radioproteção.pdf
 
Aplicações
AplicaçõesAplicações
Aplicações
 
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear MedicineAplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
Aplicação da medicina nuclear - Expansion of Nuclear Medicine
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios X
 
Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848
 
Tecnólogo em radiologia - Ludmila
Tecnólogo em radiologia - LudmilaTecnólogo em radiologia - Ludmila
Tecnólogo em radiologia - Ludmila
 

Mais de Noara Thomaz

ROI em Tomografia Computadorizada
ROI em Tomografia ComputadorizadaROI em Tomografia Computadorizada
ROI em Tomografia ComputadorizadaNoara Thomaz
 
RADIOTERAPIA - TBI E TSI
RADIOTERAPIA - TBI E TSIRADIOTERAPIA - TBI E TSI
RADIOTERAPIA - TBI E TSINoara Thomaz
 
Seminário oncologia
Seminário oncologiaSeminário oncologia
Seminário oncologiaNoara Thomaz
 
Organização do Sistema de Saúde no Brasil
Organização do Sistema de Saúde no BrasilOrganização do Sistema de Saúde no Brasil
Organização do Sistema de Saúde no BrasilNoara Thomaz
 
Seminário Epidemiologia
Seminário EpidemiologiaSeminário Epidemiologia
Seminário EpidemiologiaNoara Thomaz
 
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1Noara Thomaz
 
Seminário sobre Ossificação
Seminário sobre Ossificação Seminário sobre Ossificação
Seminário sobre Ossificação Noara Thomaz
 

Mais de Noara Thomaz (7)

ROI em Tomografia Computadorizada
ROI em Tomografia ComputadorizadaROI em Tomografia Computadorizada
ROI em Tomografia Computadorizada
 
RADIOTERAPIA - TBI E TSI
RADIOTERAPIA - TBI E TSIRADIOTERAPIA - TBI E TSI
RADIOTERAPIA - TBI E TSI
 
Seminário oncologia
Seminário oncologiaSeminário oncologia
Seminário oncologia
 
Organização do Sistema de Saúde no Brasil
Organização do Sistema de Saúde no BrasilOrganização do Sistema de Saúde no Brasil
Organização do Sistema de Saúde no Brasil
 
Seminário Epidemiologia
Seminário EpidemiologiaSeminário Epidemiologia
Seminário Epidemiologia
 
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
 
Seminário sobre Ossificação
Seminário sobre Ossificação Seminário sobre Ossificação
Seminário sobre Ossificação
 

Último

Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....TharykBatatinha
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 

Último (17)

Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 

Medicina nuclear e Radiologia Digital

  • 1.
  • 2.
  • 3. Local clandestino construído para desenvolver e produzir armas atômicas durante a Segunda Guerra. Isto possibilitou pesquisas e descobertas em áreas médicas, incluindo Medicina Nuclear.
  • 4.
  • 5. REATOR PORTUGUÊS DE INVESTIGAÇÃO ( 1957)
  • 6. COMANDO E ACELERADOR DE PARTÍCULAS
  • 7. A Medicina Nuclear é uma especialidade que utiliza pequenas quantidades de substâncias radioativas (radioisótopos) que atuam sobre um elemento fisiológico para formar a imagem ou tratamento. Finalidade diagnóstica ou terapêutica.
  • 8. Radionuclídeos – isótopos artificiais Radiofármacos – compostos químicos de radioisótopos Estes farão trocas iônicas dentro do organismo com seus isótopos que tenham as mesmas propriedades detectando as radiações ionizantes emitidas por estes compostos para formar a imagem. (CINTILOGRAFIA)
  • 9. Equipamento que detecta a emissão da radiação por um cristal que em contato com a radiação Gama cintila. (desloca os elétrons dentro do cristal). Raios Gama – Cintilação – Pulsos elétricos
  • 10.
  • 11.
  • 12. • Estudo da morfologia de um órgão •Evolução de uma função fisiológica •Análise de um componente biológico •Tratamento de uma patologia •A emissão de partículas Beta e Alfa, que são de alta energia, possibilitam tratamentos mas não formam imagens.
  • 13. •Beta ( Iodo 131) para tratamento Hipertireoidismo , Câncer da Tireóide, Doença de Plummer. • Posítron (Glicose marcada com Fluor 18) para Tomografia por Emissão de Posítron •Radiação Gama ( Tecnécio 99, Iodo 123, Iodo 131, Tálio 201, Gálio 67, Indio 111, Xénon 133, Crípton 81, Flúor 18)
  • 14. •Tumores •Aneurismas •Problemas em células sanguíneas •Patologias pulmonares •Patologias da tireóide •Patologias ou deficiências funcionais em tecidos.
  • 15. A radiação absorvida na Medicina Nuclear é muito menor do que na Convencional ou TC. O que realmente pode ocasionar reações adversas como hipersensibilidade e choque anafilático, são os componentes químicos . Sendo o custo do exame o maior vilão na utilidade do procedimento.
  • 16. SPECT/CT - desenvolvida por HALL ANGER em 1960. Um colimador e chumbo é usado entre paciente e o detector para eliminar raios gama que não tenham direção perpendicular a ele (O que torna a imagem com uma melhor resolução). As imagens são produzidas com o auxílio de um computador integrado no equipamento.
  • 17. se funde entre a tomografia por emissão de pósitron e à tomografia computadorizada, podendo detectar alterações menores, a tomografia computadorizada informa riqueza de detalhes anatômicos e a medicina nuclear informa dados fisiológicos desta forma esta modalidade permite estudos da anatomia e fisiologia. Podendo destacar nas especialidades de oncologia (para planejamento radioterápico) neurologia e cardiologia.
  • 19. GAMMA- PROBE Neo2000 Um detector portátil de radiações utilizado em cirurgias radioguiadas como: detecção intraoperatória de lesões tumoriais e linfonodo sentinela. Gama-Câmara Ventri A combinação para obter imagens cardíacas de SPET mais rápidas.
  • 20. CINTILOGRAFIA A radiação que emana do paciente é registrada por detectores especiais, chamados de câmara de cintilação ou câmara gama. A câmera gama, seguindo protocolos de aquisição de imagens, realiza uma varredura do paciente girando em torno dele, permitindo estudos dinâmicos e imagens tomográficas.
  • 21.
  • 22. Nesta área há possibilidades de estudos, exames e tratamentos.
  • 23.
  • 24. •Angiografia de radionuclídeos de Equilíbrio (ARNE): avalia a função ventricular •Cintigrafia de Perfusão do Miocárdio em Esforço e em Repouso avaliardoentes com enfartes do miocárdio prévios, dispneia de esforço, ou angina.
  • 25.
  • 26. é um estudo idêntico à Cintigrafia de Perfusão do Miocárdio, sendo apenas realizado o estudo em Repouso BrightView XCT
  • 27. Para avaliação das estruturas e funcionamento das funções renais. OSTEOARTICULAR Cintifragia Óssea de Corpo Inteiro
  • 28.
  • 29. •Cintigrafia com Gálio-67 •Cintilografia dos Receptores da Somatostatina com 111In- Pentatreótido •Cintilografia com 99mTc-sestaMIBI •Cintilografia Mamária •Linfocintigrafia Ingenia Philips
  • 30.
  • 31.  integra uma equipe que reúne profissionais de diferentes formações. Os técnicos de Medicina Nuclear trabalham normalmente integrados numa equipe multidisciplinar que inclui colegas de profissão, médicos, físicos, radiologistas (Técnicos e Tecnólogos) farmacêuticos, enfermeiros e auxiliares de ação médica, pelo que a capacidade de trabalhar em equipe.  Os operadores dos equipamentos devem ter curso Superior em Tecnólogo ou Técnico em Nível Médio em Radiologia, com cursos de Especialização ou Extensão respectivamente em MN.
  • 32.  deve ser constituído por, no mínimo, um médico qualificado em Medicina Nuclear responsável pelo SMN,  um supervisor de radioproteção com qualificação certificada pela CNEN,  e um ou mais técnicos de nível superior e/ou médio qualificados para o exercício de suas funções específicas conforme Norma CNEN-NE-3.02  “Serviços de Radioproteção” - O médico qualificado em Medicina Nuclear pode acumular as funções de supervisor de radioproteção, desde que compatibilizadas as respectivas cargas horárias.  O diagnóstico e a terapia com uso de radiofármacos é de responsabilidade do Médico especialista em MN.  O Técnico ou Tecnólogo fará a operação das funções do equipamento, conforme solicitação médica,posicionamento do paciente, armazenamento, tratamento e manipulação de imagens.  Os físicos são responsáveis pelo correto suporte clínico, cálculo de doses e radioproteção.
  • 33.  Monitor de Taxa de Exposição (partículas Gama – unidade R);  Monitor de Contaminação de Superfície (Dose absorvida – unidade Gray);  Medidor de Atividade (Curiometro – unidade Bequerel);  Equipamentos e materiais de proteção individual (luvas, aventais, pinças, etc...); EPRs  Fontes padrões de referência de Co-57 e Ba-133.
  • 34.  uma cintigrafia é um exame realizado em regime ambulatório, num hospital ou em instalações apropriadas para o efeito (Serviços de Medicina Nuclear). O radiofármaco é habitualmente injetado numa das veias do paciente, geralmente no braço. No entanto, em alguns tipos de cintigrafia o radiofármaco é administrado por outras vias (oral, inalatória, subcutânea, etc..). Habitualmente o exame inicia-se logo após a administração do radiofármaco. Porém, em algumas cintigrafias pode ser necessário aguardar algum tempo até que exista uma concentração adequada do radiofármaco no órgão a estudar. Muitos centros permitem que os pacientes se ausentem durante esse período e que regressem mais tarde para concluir o exame. Para a obtenção das imagens cintigráficas o paciente deve deitar-se na própria cama do equipamento (câmara-gama). A câmara gama detecta a radiação emitida pelo seu corpo sem lhe tocar. Depois deste procedimento, o paciente pode retomar as suas atividades normais sem necessidade de qualquer cuidado particular.
  • 35.  Misteriosamente Kodak abrigou reator nuclear durante 30 anos, por qual motivo? O reator estava em uma câmara subterrânea, embaixo de um dos edifícios de Kodak, e abrigava mais de um quilo de urânio altamente enriquecido. O material, usado para elaborar armas nucleares, foi retirado de depósitos de máxima segurança em 2007. A existência do reator nuclear aparecia em vários documentos federais, mas não era especificada sua localização exata. Por isso, nem as autoridades de Rochester nem os vizinhos sabiam do reator, enterrado em um bunker atrás de paredes de concreto de 60 centímetros. Um porta-voz de Kodak, Christopher Veronda, afirmou que não encontrou nenhum documento ou registro de algum anúncio público por parte da companhia sobre a existência do reator, nem que informasse à Polícia ou os bombeiros.  http://www.revelacaofinal.com/2012/05/misteriosamente-kodak- abrigou-reator.html
  • 36.
  • 37.  Surgiu nos anos 80 após a TC, melhorando considerávelmente a qualidade da imagem em radiodiagnósticos.
  • 38.
  • 39. Alta definição e grande capacidade de resolução das imagens
  • 40.  Maior latiude de exposição (A latitude exposição está relacionada com a faixa de energia necessária para produzir a imagem radiográfica.)  Redução da dose de exposição do paciente.  Possibilidade de pós processamento de imagem  Armazenamento das imagens.  Disponibilização das imagens em redes de computação.
  • 41.  ambiente de rede comum nos serviços de diagnóstico por imagem  apresenta melhor eficiência, quando conectada ao Sistema de Informações do Hospital – “HIS” (Hospital Information System).  Com o auxilio de redes de transmissão dealta velocidade ou mesmo via INTERNET, tornou-se possível o envio de imagens para equipamentos localizados em pontos distantes do serviço de origem.
  • 43.  Densidade  Contraste  Detalhe  Distorção
  • 44.  Radiografia Digital – DR Placas de circuito sensíveis aos raios e enviam sinais elétricos  Radiografia Computadorizada – CR Placas de Ecran Digital JUNO PHILIPS
  • 45.  exibição da imagem  redução da dose de raios-X  processamento de imagem  aquisição, armazenamento e recuperação da imagem
  • 46.  Protocolo de imagens médicas criada para unificar os arquivos, armazenamento, manipulação de imagens entre todos os setores de um Hospital.
  • 47.  O ruído é o principal fator que afeta a qualidade de uma imagem digital. E pode ser definido como um artefato eletrônico e se caracteriza pela presença de “granulação”na imagem.
  • 49.  Processamento altera, com técnicas simples de computação, o realce dos contornos, a suavização das imagens, magnificação, inversão de cores...  Filtros digitais que influenciam a qualidade das imagens digitais:  Low pass(Smoothing filter ): Suavisa a imagem reduzindo o ruído aparente.  High pass( Enhancing filter ) : Aumenta o detalhe da imagem através do realce dos contornos. Também aumenta o ruído aparente.
  • 50. Principais tarefas em uma Workstation :  Formatação (Format)  Apresentação (Display)  Reformatação (Reformat)  Magnificação (Zoom- Magnify)  Lupa (Magnifyng Glass)  Deslocar imagem (Scrolling)  Fechar área (Shot/Matte)  Anotação (Write)  Remover (Erase)  Cine (Cine)  Girar imagem (Rotate)  Medidas (Measure/Distance/Angle/Volume/ROI)  Inversão de tela Tratamento
  • 51.  O mamógrafo é uma caixa retangular, onde está o tubo de raio x e onde se posiciona a paciente para a execução do procedimento.  As mamas serão postas em uma plataforma especial e o técnico fará a compressão gradualmente.  O profissional fará os procedimentos e a operação do equipamento atrás de um biombo.  Um Sistema de Detecção Assistida Computadorizada (CAD) adquire a imagem digital ou mesmo a convencional, que ainda pode ser digitalizada posteriormente.  O programa de computador desse sistema, busca áreas com anormalidades de densidade, massa e calcificações. Mamo Digital
  • 52.  Técnica usada para estudo dos vasos.  Utiliza recursos de computação para produzir imagens angiográficas de alta definição com subtração do tecido que não sofre impregnação sobre pelo meio de contraste e que normalmente se sobrepõe na convencional  Duas imagens : 1ª simples e 2ª com meio de contraste administrado.  ANÁLISE VASCULAR  permitem que sejam listados por recursos de software, eventuais áreas de estenoses, aneurismas, obstruções mesmo a ruptura de vasos. As análises incluem medidas do diâmetro dos vasos, medidas da extensão de estenoses, percentual de obstrução, entre outras. Allura Philips
  • 53.
  • 54.  Automação e visão artificial (Bioponto, código de barras)  Reconhecimento de caracteres OCR (Scanners, lombadas eletrônicas)  Análise de cromossomos (Bioinformática)  Mapeamento de terrenos (Geoprocessamento)  Inspeção industrial (Defeitos em peças, controle de qualidade)  Análise em imagens de Satélites.
  • 55.  Além das incidências e posicionamentos do paciente específicos para cada exame em questão, de segmentos diferentes, que se mantém os mesmos com relação a rotina de trabalho na convencional analógica, na Radiologia Digital, estes profissionais devem manipular, arquivar, abastecer o Sistema Integrado (Dicom).  Nos procedimentos industriais como scanners, inspeção industrial, geoprocessamentos, utilizam as técnicas de captação de imagem por manipulação dos equipamentos.  Todos com uso de Radioproteção conforme conveniência ao trabalho executado.
  • 56.  Em nível Superior em Tecnólogo em Radiologia ou em nível médio em Técnico em Radiologia.  Cursos de especialização e extensão em RD são fundamentais para entrada no mercado de trabalho e execução de procedimentos e operacional das funções dos software utilizados neste sistema.