Singridy Dantas Pimenta 
AS CONCEPÇÕES CONTEMPORÂNEAS DE ALFABETIZAÇÃO E 
LETRAMENTO 
IRECÊ - BA 
2014
Singridy Dantas Pimenta 
AS CONCEPÇÕES CONTEMPORÂNEAS DE ALFABETIZAÇÃO E 
LETRAMENTO 
Trabalho solicitado pelo curso 
Conf...
AS CONCEPÇÕES CONTEMPORÂNEAS DE ALFABETIZAÇÃO E 
LETRAMENTO 
Após ter realizado a leitura do texto de Carlos Aurélio Marqu...
utilizada como formal que apresenta uma necessidade do uso correto da gramática, das 
convenções ortográficas, sintáticas,...
REFERÊNCIAS 
AGUIAR, Márcia Ângela. A formação do profissional da educação no contexto da 
reforma educacional brasileira....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

RESPOSTA AOS TEXTOS DA ALUNA SINGRYD PIMENTA SEMESTRE 4 DE PEDAGOGIA

247 visualizações

Publicada em

TEXTO DE SINGRYD PIMENTA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
247
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

RESPOSTA AOS TEXTOS DA ALUNA SINGRYD PIMENTA SEMESTRE 4 DE PEDAGOGIA

  1. 1. Singridy Dantas Pimenta AS CONCEPÇÕES CONTEMPORÂNEAS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO IRECÊ - BA 2014
  2. 2. Singridy Dantas Pimenta AS CONCEPÇÕES CONTEMPORÂNEAS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Trabalho solicitado pelo curso Conform, sobre orientação da docente Ieda marques Rocha. IRECÊ - BA 2014
  3. 3. AS CONCEPÇÕES CONTEMPORÂNEAS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Após ter realizado a leitura do texto de Carlos Aurélio Marques dos Santos, compreendi as diversas características do processo de alfabetização no pensamento de vários autores. O processo de descoberta do código escrito pela criança letrada é mediado pelas significações que os diversos tipos de discursos têm para ela, ampliando seu campo de leitura através da alfabetização. Antigamente, acreditava-se que a criança era iniciada no mundo da leitura somente ao ser alfabetizada, pensamento este ultrapassado pela concepção de letramento, que leva em conta toda a experiência que a criança tem com leitura, antes mesmo de ser capaz de ler os signos escritos. Atualmente, não se considera mais como alfabetizado quem apenas consegue ler e escrever seu nome, mas quem sabe escrever um bilhete simples. Para Leda (2000, p14) afirma que existem duas formas de compreensão da palavra alfabetização, que seriam: a alfabetização como um processo de aquisição individual de habilidades requeridas para a leitura e escrita, ou Alfabetização como um processo de representação de objetos diversos e de natureza diferentes. Quando falamos em alfabetização relacionamos sempre ao processo de escolarização que está intrinsecamente ligado à instrução formal e as práticas escolares do sistema regular de ensino, já o letramento é definido como um sistema de representação da leitura e escrita que está intimamente ligado aos aspectos sócio-histórico-cultural de uma determinada sociedade, para Magda Soares a escrita é definida também como um conjunto de habilidades, comportamentos e conhecimentos e Paulo Freire trabalhava no uso social dos conhecimentos adquiridos no universo vocabular de uma determinada comunidade que está no processo de alfabetização como forma de organizar os conteúdos a serem trabalhados. A criança passa por fases na produção, todas igualmente importantes para ela, e o professor deve requerer essas produções de maneira gradativa no que se refere à dificuldade de execução, ou seja, para chegar a elaborar um texto individualmente, com forma e conteúdo próprios, a criança precisa, antes, trabalhar textos coletivamente ou em pequenos grupos, sob a orientação do professor, e assim a linguagem escrita é
  4. 4. utilizada como formal que apresenta uma necessidade do uso correto da gramática, das convenções ortográficas, sintáticas, semânticas e pragmáticas. Do mesmo modo, é preciso conversar muito com as crianças: sobre as intenções de quem escreve, para que e para quem se escreve, sobre os conhecimentos construídos e em construção. É preciso, enfim, reafirmar incessantemente a condição das crianças como produtoras de sentido e, logo, como autoras e leitoras.
  5. 5. REFERÊNCIAS AGUIAR, Márcia Ângela. A formação do profissional da educação no contexto da reforma educacional brasileira. In: FERREIRA, Naura Syria Carapeto (Org.). Supervisão educacional para uma escola de qualidade. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

×