SLIDE- 1º ENCONTRO - INF IV

1.335 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.335
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SLIDE- 1º ENCONTRO - INF IV

  1. 1. Atividades permanentes que devem permear as práticasdocentes na educação infantil
  2. 2. • O domínio da linguagem surge do seu uso em múltiplas circunstâncias, nas quais as crianças podem perceber a função social que ela exerce e assim desenvolver diferentes capacidades.
  3. 3. A organização dos conteúdos de Linguagem Oral eEscrita deve se subordinar a critérios quepossibilitem, ao mesmo tempo, continuidade emrelação às propostas didáticas e ao trabalhodesenvolvido nas diferentes faixas etárias, e adiversidade de situações didáticas em um nívelcrescente de desafios.
  4. 4. • A oralidade, a leitura e a escrita devem ser trabalhadas de forma integrada e complementar, potencializando-se os diferentes aspectos que cada uma dessas linguagens solicita das crianças.
  5. 5. FALAR E ESCUTAR• organizar situações de participação nas quais as crianças possam buscar materiais, pedir informações ou fazer solicitações a outros professores ou crianças, elaborar avisos, pedidos ou recados a outras classes ou setores da instituição etc., o professor possibilita às crianças o uso contextualizado dos pedidos, perguntas, expressões de cortesia e formas de iniciar conversação.
  6. 6. • planejar situações de comunicação que exijam diferentes graus de formalidade, como conversas, exposições orais, entrevistas;• propiciar que conversem bastante, em situações organizadas para tal fim, como na roda de conversa ou em brincadeiras de faz de conta.
  7. 7. • A roda de conversa é o momento privilegiado de diálogo e intercâmbio de ideias;• Apresentações orais ao vivo.
  8. 8. Nas Matrizes...• Fazendo o uso da linguagem oral nas diversas situações de comunicação.• Envolvendo-se em situações argumentativas, elaborando perguntas e respostas e relatando experiências.
  9. 9. PRÁTICAS DE LEITURAAs práticas de leitura para as crianças têm umgrande valor em si mesmas, não sendosempre necessárias atividades subsequentes,como o desenho dos personagens, a respostade perguntas sobre a leitura, dramatização dashistórias etc.
  10. 10. • Participação em situações em que os adultos leem textos de diferentes gêneros;• Participação em situações que as crianças leiam, ainda que não o façam convencionalmente.
  11. 11. Nas Matrizes...• Escutando e recontando histórias conhecidas com a aproximação às características da história original.• Apreciando a leitura pelo professor.• Manuseando e explorando livros e outros materiais impressos.
  12. 12. Ter acesso à boa literatura é dispor de umainformação cultural que alimenta aimaginação e desperta o prazer pela leitura.
  13. 13. PRÁTICAS DE ESCRITA• Participação em situações cotidianas nas quais se faz necessário o uso da escrita.• Escrita do próprio nome em situações em que isso é necessário.• Produção de textos individuais e/ou coletivos ditados oralmente ao professor para diversos fins.
  14. 14. • Prática de escrita de próprio punho, utilizando o conhecimento de que dispõe, no momento, sobre o sistema de escrita em língua materna.• Respeito pela produção própria e alheia.
  15. 15. Do ponto de vista didático:• Na instituição de educação infantil, as crianças podem aprender a escrever produzindo oralmente textos com destino escrito. Nessas situações o professor é o escriba.
  16. 16. • Deve-se buscar a maior similaridade possível com as práticas de uso social, como escrever para não esquecer alguma informação, escrever para enviar uma mensagem a um destinatário ausente, escrever para que a mensagem atinja um grande número de pessoas, escrever para identificar um objeto ou uma produção etc.
  17. 17. • Chamar a atenção sobre a estrutura do texto, negociar significados e propor a substituição do uso excessivo de “e”, “aí”, “daí” por conectivos mais adequados à linguagem escrita e de expressões que marcam temporalidade, causalidade etc., como “de repente”, “um dia”, “muitos anos depois” etc.
  18. 18. • No caso das crianças maiores, o ditado entre pares favorece muito a aprendizagem, pois elas se ajudam mutuamente.• Escrever o próprio nome é um valioso conhecimento que fornece às crianças um repertório básico de letras que lhes servirá de fonte de informação para produzir outras escritas.
  19. 19. • Dica: marcar os pertences, os objetos pessoais e as produções das crianças com seus nomes e realizar um trabalho intencional que leve ao reconhecimento e reprodução do próprio nome para que elas se apropriem progressivamente da sua escrita convencional.
  20. 20. • Atividades de reescrita de textos diversos (recriar algo a partir do que já existe) devem se constituir em situações favoráveis à apropriação das características da linguagem escrita, dos gêneros, convenções e formas.• As crianças que não sabem escrever de forma convencional, ao receberem um convite para fazê-lo, estão diante de uma verdadeira situação- problema, na qual se pode observar o desenvolvimento do seu processo de aprendizagem.
  21. 21. • Nas Matrizes...• Trabalhando com seu nome escrito em diferentes momentos.• Fazendo uso da leitura e da escrita em situações cotidianas.• Explorando a escrita de próprio punho, respeitando a produção própria e alheia.• Aprimorando a hipótese de escrita em que se encontra.
  22. 22. BIBLIOGRAFIA:• MOGI DAS CRUZES, Secretaria Municipal de Educação. Matrizes curriculares municipais para a educação básica: 9 anos- Língua Portuguesa. Secretaria Municipal de Educação. Mogi das Cruzes: SME, 2009.• Brasil. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998.

×