MECANISMOS SISTÊMICOS QUE
ALTERAM A CAPACIDADE FUNCIONAL
NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
Universidade do Estado do Pará
Insti...
Introdução
Doenças sistema
cardiovascular
(IC/Coronariopatia)
Limitação
funcional
Incapacidade física
p/ AVD e AVP
Alteração QV
Perda...
Estágios avançados IC
Caquexia
↓Sobrevida
5ª Conferência para consenso em caquexia
Presença de doença crônica e a perda de peso corporal > 5% em
período menor do qu...
O que piora a CF
em cardiopatas?
Aspecto nutricional
Anabolismo/catabolismo
Ativação imunológica
Envelhecimento
Intolerânc...
Aspecto nutricional
↓ Ingestão Na+2 → perda do sabor do alimento → ↓ ingestão alimentar;
Depressão devido ao diagnóstico → ↓ ingestão alimenta...
Má absorção + anorexia + ↑
expressão de fatores pró-
inflamatórios
Caquexia
* ↓ Massa muscular esquelética
* ↓ massa óssea...
Anabolismo e catabolismo
Ativação imunológica
(↑citocinas pró-inflamatórias
- ILs e TNF-α) + ↑espécies
reativas O2
Estímulo ao
NF-kB
Catabolismo
mu...
Hipermetabolismo basal
* ↑Consumo O2 pelo miocárdio;
* ↑Trabalho resp.
* ↑Ativação simpática.
Maior gasto energético basal...
A diminuição da massa muscular é evidente nos doentes com caquexia
cardíaca e pode ser decorrente de atrofia, apoptose e n...
Ativação imunológica
Alterações imunológicas possui um importante papel no desenvolvimento
das limitações da capacidade funcional presentes em ...
Pacientes cardiopatas +
caquexia
↑concentrações
séricas TNF-α
↓
IL-1,2 e 6
Limitação
CF
Produção
citocinas
Ativação
imune e
neuro-
hormonal
Hipoxemi
a/hipoperf
usão
tecidual
Oxidação
LDL
Sobrecarga
hemodinâ
mica
↑citocinas
Disfunção
endotelial
e apoptose
miócitos
cardíacos
*Desnutrição
* Alt. prot.
musc
contráteis,
proteólise e
atro...
Envelhecimento
↓células
autoexcitáveis
nó sinusal
Fibrose no sistema
condução elétrica e
tecido cardíaco
Calcificação
anel mitral,
válvul...
↑RVP
↑PAS +
Hipertrofia
ventricular +
alt.
barorreceptores
* Hiper/hipotensão;
* Síncope;
* Intolerância
ortostática;
* Ou...
↑Ativação simpática
sobre o coração e
musculatura
↑ espécies reativas O2
• Hipertrofia das céls. Musc. Lisas
• Espessament...
Hiperatividade simpática associada a disfunção
endotelial prejudica a vasodilatação mediada pelo
exercício limitando a CF ...
Menor resposta β
adrenérgica às
catecolaminas
↓ aumento FC e VS
durante o exercício
↓ DC e ↓ D(a-v)O2
(agravado nas dças
c...
Prejuízo no
recuo elástico
dos pulmões
↓ Força muscular
respiratória
↑FR durante esforço
e ↓ sensibilidade à
hipoxemia/hip...
Cardiopatas com dispneia aos mínimos esforços ou
mesmo em repouso, a intolerância ao exercício pode
resultar em hipotrofia...
A diminuição lenta e progressiva de massa muscular em
idosos portadores de doenças cardiovasculares
(substituída por colág...
SARCOPENIA
↓ capacidade
aeróbia
↓
capacidade
de gerar
força
↑consumo
O2 pelo
miocárdio
↓ Densidade
óssea
Intolerância aos esforços na IC
O coração do doente com IC é incapaz de bombear o sangue de forma a
satisfazer as necessidades metabólicas do organismo o ...
Mecanismos de
controle da
circulação
alterados
Reflexo
cardiopulmonar
Quimiorreflexo
Ergorreflexo e
controle central
Baror...
As alterações descritas em indivíduos com IC estão associadas à
intolerância aos esforços refletindo em respostas
hemodinâ...
↑atividade SNS
Vasoconstrição
e ↑RVP
↑PAS e ↑FC
Predisposição à
arritimias
↑equivalente
ventilatório de
CO2
(VE/VCO2)
Metabolismo
lático
precoce
Intolerância
ao exercício
Pacientes com IC tem resposta ventilatória exagerada durante a
realização de teste cardiopulmonar de exercício.
Os fatores...
Mecanismos
envolvidos na
hiperpneia na IC
Acúmulo precoce
de lactato
sanguíneo
↓ Tampões
químicos
plasmáticos
↓ Eficiência...
Pacientes com IC e caquéticos apresentam aumento na quantidade de
catecolaminas, cortisol e aldosterona no sangue quando c...
Conclusão
Fatores como a hiperatividade simpática, a disfunção endotelial e outros
comentados nessa presente discussão podem levar i...
Mecanismos sistêmicos de alteração da capacidade funcional nas doenças cardiovasculares
Mecanismos sistêmicos de alteração da capacidade funcional nas doenças cardiovasculares
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mecanismos sistêmicos de alteração da capacidade funcional nas doenças cardiovasculares

602 visualizações

Publicada em

Fatores como a hiperatividade simpática, a disfunção endotelial e outros
comentados nessa presente discussão podem levar indivíduos cardiopatas
a não conseguir realizar exercícios físicos com consequente inatividade,
hipotrofia severa, disfunção mitocondrial e ainda maior limitação
funcional.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
602
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mecanismos sistêmicos de alteração da capacidade funcional nas doenças cardiovasculares

  1. 1. MECANISMOS SISTÊMICOS QUE ALTERAM A CAPACIDADE FUNCIONAL NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES Universidade do Estado do Pará Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Fisioterapia Msc. Fábio Falcão fabiofalcao29@yahoo.com.br
  2. 2. Introdução
  3. 3. Doenças sistema cardiovascular (IC/Coronariopatia) Limitação funcional Incapacidade física p/ AVD e AVP Alteração QV Perda m. muscular (inflamação) Insuficiência bomba cardíaca
  4. 4. Estágios avançados IC Caquexia ↓Sobrevida
  5. 5. 5ª Conferência para consenso em caquexia Presença de doença crônica e a perda de peso corporal > 5% em período menor do que 12 meses ou IMC < 20Kg/m2, associado a pelo menos 03 dos seguintes critérios 1. ↓ Força muscular; 2. Fadiga; 3. Anorexia; 4. ↓ índice de massa livre de gordura; 5. Alteração bioquímica como inflamação, anemia ou ↓ albumina.
  6. 6. O que piora a CF em cardiopatas? Aspecto nutricional Anabolismo/catabolismo Ativação imunológica Envelhecimento Intolerância aos esforços na IC
  7. 7. Aspecto nutricional
  8. 8. ↓ Ingestão Na+2 → perda do sabor do alimento → ↓ ingestão alimentar; Depressão devido ao diagnóstico → ↓ ingestão alimentar; Alterações estruturais do TGI na IC (ex: espessamento da parede intestinal, ↑colágeno) → má absorção intestinal; Fármacos p/ tto da IC (ex: digitálicos, diuréticos) → ↓ apetite; Dispneia resulta na competição do fluxo sanguíneo entre a musculatura respiratória e o TGI →↓ ingestão alimentar; Má absorção de proteínas e gorduras; Alteração na regulação da fome e saciedade no hipotálamo lateral e medial, respectivamente
  9. 9. Má absorção + anorexia + ↑ expressão de fatores pró- inflamatórios Caquexia * ↓ Massa muscular esquelética * ↓ massa óssea * ↓ Tec. adiposo Piora da capacidade funcional + exacerbação dos sintomas
  10. 10. Anabolismo e catabolismo
  11. 11. Ativação imunológica (↑citocinas pró-inflamatórias - ILs e TNF-α) + ↑espécies reativas O2 Estímulo ao NF-kB Catabolismo muscular * Alt. funcional
  12. 12. Hipermetabolismo basal * ↑Consumo O2 pelo miocárdio; * ↑Trabalho resp. * ↑Ativação simpática. Maior gasto energético basal Catabolismo muscular
  13. 13. A diminuição da massa muscular é evidente nos doentes com caquexia cardíaca e pode ser decorrente de atrofia, apoptose e necrose.
  14. 14. Ativação imunológica
  15. 15. Alterações imunológicas possui um importante papel no desenvolvimento das limitações da capacidade funcional presentes em pacientes com cardiopatias estruturais. TNF-α é produzido também pelo miocárdio e, portanto, as lesões estruturais do tecido cardíaco levam ao aumento de TNF-α circulante.
  16. 16. Pacientes cardiopatas + caquexia ↑concentrações séricas TNF-α ↓ IL-1,2 e 6 Limitação CF
  17. 17. Produção citocinas Ativação imune e neuro- hormonal Hipoxemi a/hipoperf usão tecidual Oxidação LDL Sobrecarga hemodinâ mica
  18. 18. ↑citocinas Disfunção endotelial e apoptose miócitos cardíacos *Desnutrição * Alt. prot. musc contráteis, proteólise e atrofia ↓Fluxo sanguíneo p/ m. esquel. Fenótipo IC- caquexia + alt. m. esquelética.
  19. 19. Envelhecimento
  20. 20. ↓células autoexcitáveis nó sinusal Fibrose no sistema condução elétrica e tecido cardíaco Calcificação anel mitral, válvula aórtica e septo interv.
  21. 21. ↑RVP ↑PAS + Hipertrofia ventricular + alt. barorreceptores * Hiper/hipotensão; * Síncope; * Intolerância ortostática; * Outros Enrijecimento/espessamento - perda tec. elástico, ↑Ca+2 e ↑tec. Conjuntivo. Piora complacência arterial
  22. 22. ↑Ativação simpática sobre o coração e musculatura ↑ espécies reativas O2 • Hipertrofia das céls. Musc. Lisas • Espessamento arterial • Disfunção endotelial
  23. 23. Hiperatividade simpática associada a disfunção endotelial prejudica a vasodilatação mediada pelo exercício limitando a CF em idosos pp nos que possuem uma doença cardiovascular de base como HAS, coronariopatias, IC, arritimias, etc.
  24. 24. Menor resposta β adrenérgica às catecolaminas ↓ aumento FC e VS durante o exercício ↓ DC e ↓ D(a-v)O2 (agravado nas dças cardiovasculares) ↓ VO2 ↓ CF
  25. 25. Prejuízo no recuo elástico dos pulmões ↓ Força muscular respiratória ↑FR durante esforço e ↓ sensibilidade à hipoxemia/hipercap nia ↓ diâmetro VA’s, ↓área troca gasosa e ↓ CVF ↓ Complacência caixa torácica Compromete as trocas gasosas, transporte O2 e C. Funcional
  26. 26. Cardiopatas com dispneia aos mínimos esforços ou mesmo em repouso, a intolerância ao exercício pode resultar em hipotrofia muscular adicional por desuso e comprometer as AVD’s.
  27. 27. A diminuição lenta e progressiva de massa muscular em idosos portadores de doenças cardiovasculares (substituída por colágeno e gordura) resulta em limitação funcional, pp por redução das fibras de contração rápida (tipo II) devido desnervação associada à diminuição do nº de u. motoras.
  28. 28. SARCOPENIA ↓ capacidade aeróbia ↓ capacidade de gerar força ↑consumo O2 pelo miocárdio ↓ Densidade óssea
  29. 29. Intolerância aos esforços na IC
  30. 30. O coração do doente com IC é incapaz de bombear o sangue de forma a satisfazer as necessidades metabólicas do organismo o que conduz a mecanismos de adaptação para tentar restaurar a capacidade de perfusão. Uma das principais adaptações é o aumento da atividade simpática que leva a vasoconstrição periférica e aumento da RVP com consequente diminuição do fluxo periférico. Tal redução leva a uma maior liberação de renina, angiotensina II (AT2), vasopressina e aldosterona levando a retenção hídrica e de sais minerais. A AT2 atua nos terminais simpáticos, resultando em maior liberação de catecolaminas, criando então um mecanismo de retroalimentação da hiperatividade simpática com importantes alterações nos controles reflexos da circulação e por consequência alterações cardiovasculares.
  31. 31. Mecanismos de controle da circulação alterados Reflexo cardiopulmonar Quimiorreflexo Ergorreflexo e controle central Barorreflexo arterial
  32. 32. As alterações descritas em indivíduos com IC estão associadas à intolerância aos esforços refletindo em respostas hemodinâmicas e ventilatórias exageradas durante o exercício.
  33. 33. ↑atividade SNS Vasoconstrição e ↑RVP ↑PAS e ↑FC Predisposição à arritimias
  34. 34. ↑equivalente ventilatório de CO2 (VE/VCO2) Metabolismo lático precoce Intolerância ao exercício
  35. 35. Pacientes com IC tem resposta ventilatória exagerada durante a realização de teste cardiopulmonar de exercício. Os fatores envolvidos na hiperpneia resultam em ativação de quimiorreceptores centrais e periféricos resultando em hiperpneia e limitação funcional aos esforços. Ocorre ainda maior sequestro de sangue para a musculatura respiratória em detrimento da periférica o que limita ainda amais a atividade física.
  36. 36. Mecanismos envolvidos na hiperpneia na IC Acúmulo precoce de lactato sanguíneo ↓ Tampões químicos plasmáticos ↓ Eficiência ventilatória pulmonar p/ desequilíbrio V/Q ↓ perfusão dos mm esqueléticos em exercício devido resposta inadequada do DC
  37. 37. Pacientes com IC e caquéticos apresentam aumento na quantidade de catecolaminas, cortisol e aldosterona no sangue quando comparados a indivíduos com IC e sem caquexia e/ou saudáveis o que sugere que a ativação neuro-humoral sistêmica participa do surgimento da caquexia. Maiores taxas de AT2, aldosterona e catecolaminas podem produzir a ativação de células inflamatórias e o aumento da produção de citocinas. A hiperativação simpática promove vasoconstrição e diminuição da perfusão intestinal aumentando a síntese de TNF-α o que compromete ainda mais a musculatura periférica do indivíduo com IC.
  38. 38. Conclusão
  39. 39. Fatores como a hiperatividade simpática, a disfunção endotelial e outros comentados nessa presente discussão podem levar indivíduos cardiopatas a não conseguir realizar exercícios físicos com consequente inatividade, hipotrofia severa, disfunção mitocondrial e ainda maior limitação funcional. A incapacidade da bomba cardíaca resulta em hipoperfusão dos músculos com menor oferta de O2 aos tecidos, piora da remoção de metabólitos, favorecimento do metabolismo anaeróbico, acúmulo de ácido lático e limitação funcional.

×