0326 choque - Marion

362 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
362
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

0326 choque - Marion

  1. 1. 12/03/2013 1 CHOQUE Profa. Marion Vecina A. Vecina Definição O choque é uma síndrome caracterizada pela incapacidade do sistema circulatório em fornecer oxigênio e nutrientes aos tecidos de forma a atender as suas necessidades metabólicas. Se não tratado é fatal. • Falha no mecanismo que bombeia o sangue (coração); • Problemas nos vasos sangüíneos (alteração na resistência da parede vascular); • Baixo nível de fluido no corpo (sangue ou líquidos corporais). Causas ESTÁGIOS DO CHOQUE • Compensatório; o corpo tenta superar os problemas utilizando seus mecanismos de defesa habitual procurando manter as funções. • Progressivo; o sangue dos membros (MMSS e MMII) + região abdominal é desviado para órgãos vitais (coração, cérebro, pulmões). • Irreversível; desvio de sangue do fígado e rins para coração, cérebro, gerando falência de órgãos, fazendo com que o sangue se acumule afastado dos órgãos vitais, seguido de óbito. • CHOQUE HIPOVOLÊMICO: perda de sangue, plasma ou líquidos extracelulares; • CHOQUE CARDIOGÊNICO: insuficiência miocárdica ; • CHOQUE DISTRIBUTIVO: diminuição do tônus vascular. Dividido em: – CHOQUE NEUROGÊNICO; – CHOQUE ANAFILÁTICO; – CHOQUE SÉPTICO. • CHOQUE OBSTRUTIVO: obstrução mecânica do fluxo sangüíneo. Classificação • hipotensão • taquicardia • pulso fino e taquicárdico • sudorese abundante • Mucosas descoradas e palidez • Cianose • Respiração superficial, rápida e irregular Sinais e sintomas gerais
  2. 2. 12/03/2013 2 CHOQUE HIPOVOLÊMICO • Qualquer distúrbio que leva a uma redução dos fluidos pode causar o choque hipovolêmico. • tipo mais comum nos pacientestraumatizados. • Há uma diminuição no débito cardíaco em virtude da diminuição da pré-carga (caracterizado pelo baixo volume intravascular, gerando hipovolemia relativa ou absoluta). Volume sangüíneo diminuído Retorno venoso diminuído Volume sistólico diminuído Débito cardíaco diminuído Perfusão tecidual diminuído Choque Hipovolêmico Choque hipovolêmico • Tratamento: * da causa básica; * reposição hídrica e sangüínea; * redistribuição de líquidos; * medicamentos CHOQUE CARDIOGÊNICO • Decorrente de uma disfunção cardíaca primária, resultando na incapacidade do coração em manter fluxo sanguíneo adequado aos tecidos e levando à deficiência metabólica mesmo em repouso, com conseqüente hipoxia tissular. Costuma ocorrer em falência do VE, IAM, lesões valvares, miocardiopatia , hipóxia... Contratilidade cardíaca diminuída Débito cardíaco e volume sistólico diminuídos Perfusão tecidual sistêmica diminuída Perfusão diminuída da artéria coronária Congestão pulmonar Choque cardiogênico CHOQUE CADIOGÊNICO SINTOMAS E SINAIS FÍSICOS Quando após IAM os sintomas geralmente aparecem nas primeiras 24 h HIPOTENSÃO Confusão mental Palidez e sudorese Taquicardia Oligúria Predominância de baixo débito
  3. 3. 12/03/2013 3 CHOQUE CADIOGÊNICO SINTOMAS E SINAIS FÍSICOS Dispnéia em diferentes graus até franca IRpA Taquipnéia e estertores pulmonares Turgidez jugular Terceira bulha Arritmias Predominância de congestão pulmonar Predominância de Falência Ventricular CHOQUE CADIOGÊNICO RADIOGRAFIA DE TÓRAX Sinais de Congestão Pulmonar Aumento da área cardíaca CHOQUE CADIOGÊNICO DIAGNÓSTICO CATETER DE SWAN-GANZ Choque cardiogênico • Tratamento: vai depender do agente etiológico. * deficiência aguda do enchimento e esvaziamento cardíaco, por obstrução mecânica: cirúrgico; * comprometimento miocárdico: monitorização e correção hemodinâmica e uso de drogas através do uso de: dopamina, dobutamina, associação de drogas inotrópicas e vasodilatadoras, agentes fibrinolíticos,bicarbonato de sódio, heparina, Balão intra-aórtico. • Sedação; • Reposição de volume; • Suporte geral; • Oxigenação ou Ventilação Mecânica (Manutenção da Saturação de Oxigênio maior que 90%) BALÃO INTRA-AÓRTICO • Tem por objetivo insuflar durante a diástole e desinsuflar durante a sístole. É introduzido na aorta torácica pela artéria femoral • Melhora o fluxo coronariano em até 60% • Diminui a sobrecarga miocárdica em até 25% • Aumenta o débito cardíaco em até 25% RECOMENDAÇÕES A estratégiade tratamento do choque cardiogênico de ser iniciada o mais precoce possível com agentes farmacológicos e BIA, seguida de terapêutica definitiva por angioplastia ou cirurgia.
  4. 4. 12/03/2013 4 Choque distributivo • Situações de inadequação entre o que é ofertado e o que é consumido de oxigênio pelo tecido, apresentando fluxo sanguíneo excessivo ou deficitário que, independente do volume, é inadequado para demanda metabólica. • SUBDIVISÃO: neurogênico;lesão medular ou cefálica ocasionando perda do controle nervoso, efeito depressor por medicamentos. anafilático; reação alérgica intensa, geralmente por picada de inseto, alimentos ou medicamentos. séptico; as toxinas de infecções graves causam vasodilatação,acúmulo de sangue nos capilares e invasão de bactérias nos vasos sanguíneos. CHOQUE OBSTRUTIVO • Resultante de um bloqueio mecânico ao fluxo sanguíneo pulmonar ou sistêmico, decorrente de embolia pulmonar, tamponamento cardíaco, pneumotórax hipertensivo e coartação da aorta. Em todos os casos de reconhecimento dos sinais e sintomas de estado de choque, providenciar imediatamente assistênciaespecializada. A vítima vai necessitar de tratamento complexo que só pode ser feito por profissionais e recursos especiais para intervir nestes casos. CONCLUSÃO • No tratamento do choque, é imprescindível que se encontre e trate especificamente a causa base dessa síndrome • É uma entidade muito comum em atendimento de emergência e seu estudo é muito importante para que se faça o diagnóstico rápido e preciso, visto que a mortalidade atinge níveis preocupantes.

×