 A questão da transdisciplinaridade 
A transdisciplinaridade é uma abordagem 
científica que visa a unidade do conhecimen...
"(...) A Transdisciplinaridade não procura a 
dominação de várias disciplinas, mas a 
abertura de todas as disciplinas ao ...
 Dos ganhos: 
 Visão horizontal sobre os temas. 
 Pensamento inter-relacional. 
 Conexão entre presente e passado faze...
 Sobre o Nuth: 
 Breve histórico e vínculo à Pro-reitoria de Pós-graduação, 
Pesquisa, Extensão e Cultura do Colégio Ped...
 Jornada da Diversidade 
Dias 13 e 14 de outubro de 
20014.
 A inserção a afrobrasilidade nas escolas 
 A cultura africana foi incorporada oficialmente ao 
currículo do ensino bras...
 É dever da escola promover a pluralidade. Nesse 
sentido, festejar o respeito as diferenças é, antes 
de tudo, compreend...
 No repensar de uma historicidade híbrida, a escola é 
espaço privilegiado. 
 Nas escolas, a diversidade se exprime de f...
 Programação da Jornada 
 Fotos e vídeos das atividades pedagógicas 
Desfile “uma flor para Zuzu” projeto da professora ...
 Palestra do 
grupo 
“Além do arco 
íris” do 
Afroreggae 
sobre a 
questão dos 
transgêneros
 Apresentação 
de ciranda no 
“recreio 
cultural”. Grupo 
formado por 
alunos e 
organizados 
pela Professra 
Márcia Schi...
 Palestra sobre 
preconceito 
para o 6º ano, 
elaborada 
pela 
Professora 
Márcia 
Maretti, 
parceira do 
NUTH no 
evento...
 Cine debate 
sobre 
diversidade 
sexual, 
elaborado 
por 
professores 
do NUTH.
 Oficina de Coco 
e dança de roda 
com a bailarina 
convidada 
Viviane Brito.
 Desfile da 
Beleza Negra 
– elaborado 
por 
professores do 
NUTH, com 
colaboração 
da professora 
Máxima, 
parceira do ...
 Oficina de alunos de cinema da UFF sobre 
diversidade sexual e racial.
 Oficina de boneca 
Nanaori, realizada 
pela artesã Ana 
Alzira, convidada 
pelo NUTH.
 Oficina de Jongo, Coco e Maculele com o grupo 
convidado “Quilombismo”.
 Recreio Cultural com o grupo convidado 
“Quilombismo”.
 Oficina sobre a questão de gênero elborada pela 
Casa da Mulher Trabalhadora, grupo convidado 
pelo NUTH.
 Vídeo debate sobre diversidade, elaborado 
pelo LIDIS, laboratório da Diversidade da Uerj.
 Mesa redonda sobre Religiosidade onde alunos 
e professores expuseram suas opiniões e 
experiências.
 Cine-debate com o Neab do CPII
 Palestra do Mc Leo sobre o Funk carioca.
 Palestra sobre Pagu, 
homenageada pela Jornada, 
com a Professora convidada 
Antônia Ceva. 
 Palestra com Prof. Adrelin...
 Intervenção com Rafuko, 
sobre diversidade sexual.
 Recreio Cultural com o grupo de samba e pagode 
formado por alunos do campus: “Sambaleô”
Seminário jd
Seminário jd
Seminário jd
Seminário jd
Seminário jd
Seminário jd
Seminário jd
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminário jd

207 visualizações

Publicada em

seminário

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
207
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário jd

  1. 1.  A questão da transdisciplinaridade A transdisciplinaridade é uma abordagem científica que visa a unidade do conhecimento. Desta forma, procura estimular uma nova compreensão da realidade articulando elementos que passam entre, além e através das disciplinas, numa busca de compreensão da complexidade. Além disso, do ponto de vista humano a transdisciplinaridade é uma atitude empática de abertura ao outro e seu conhecimento. (Rocha Filho, João Bernardes da. Transdisciplinaridade: a natureza íntima da educação científica. Porto Alegre, EDIPCURS. 2007.)
  2. 2. "(...) A Transdisciplinaridade não procura a dominação de várias disciplinas, mas a abertura de todas as disciplinas ao que as atravessa e as ultrapassa.“ ( Carta da Transdisciplinalidade – Portugal, Convento da Arrábia, 06 de novembro de 1994)  Conceitos norteadores da transdisciplinaridade: • Complexidade, níveis de realidade e a teoria do 3º incluído. • Indivíduo transnacional e a proposta transcultural. • Contextualizar, concretizar e globalizar. • Inserção da intuição, imaginação, da sensibilidade e do corpo na transmissão do conhecimento.
  3. 3.  Dos ganhos:  Visão horizontal sobre os temas.  Pensamento inter-relacional.  Conexão entre presente e passado fazendo maior sentido à uma geração presenteísta.  Formação cidadã.  Pensamento crítico e consciência política (no sentido amplo do conceito de política).  Conceituação pedagógica dinâmica com o foco na produção do aluno.  Maior possibilidade do uso de mídias, tecnologias e as novas ferramentas da web.  Associações e interrelações diretas dos conceitos e conteúdos estudados nas diferentes disciplinas.
  4. 4.  Sobre o Nuth:  Breve histórico e vínculo à Pro-reitoria de Pós-graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura do Colégio Pedro II.  Das linhas temáticas: Ciências Humanas: ensino e perspectivas , Linguagens: tecnologias e saberes , Ciências Humanas: extensão e saberes transdiscplinares (release) Primeiras atividades:  O carnaval Carioca – blog dos eventos.  A jornada sobre os 50 anos do golpe militar e o Seminário sobre Igreja, resistências e ditadura – blog dos eventos.
  5. 5.  Jornada da Diversidade Dias 13 e 14 de outubro de 20014.
  6. 6.  A inserção a afrobrasilidade nas escolas  A cultura africana foi incorporada oficialmente ao currículo do ensino brasileiro desde que a Lei nº 10.639 de 09 de janeiro de 2003 foi sancionada: “altera a Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” e da outras providências e da assinatura da RESOLUÇÂO Nº 1 de 17 de junho de 2004 que institui Diretrizes Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Entendemos que os estudos sobre a África não representam somente de outro continente, mas um repensar de nossa própria historicidade.
  7. 7.  É dever da escola promover a pluralidade. Nesse sentido, festejar o respeito as diferenças é, antes de tudo, compreender que, no encontro das variantes, a soma é mais do que bem-vinda. Variantes estas que não são somente étnico raciais, mas incluem importantes questões e dilemas da sociedade brasileira como as questões de sexualidade e gênero. Trabalhar simultaneamente a problemática de gênero, da diversidade sexual e das relações étnico-raciais, ou seja, abordar em conjunto a misoginia, a homofobia e o racismo não é apenas uma proposta absolutamente ousada, mas oportuna e necessária.
  8. 8.  No repensar de uma historicidade híbrida, a escola é espaço privilegiado.  Nas escolas, a diversidade se exprime de forma bastante latente, uma vez que nesse espaço convivem pessoas de diferentes origens étnicas, religiosas, econômicas, de gênero e sexualidade. Nesse contexto, a escola vem revelando dificuldades em lidar com tal diversidade e tem, muitas vezes, contribuído para a perpetuação de desigualdades, principalmente, de ordem racial e de gênero, fomentando assim o racismo e o sexismo presentes na sociedade brasileira.  Como educadores, acreditamos ser nosso ofício contribuirmos na luta contra esta realidade ainda tão desigual, alimentada por estereótipos construídos por diferentes atores sociais que atingem diretamente aos jovens.
  9. 9.  Programação da Jornada  Fotos e vídeos das atividades pedagógicas Desfile “uma flor para Zuzu” projeto da professora Gisela Viana, parceira do NUTH no evento em homenagem à Zuzu Angel.
  10. 10.  Palestra do grupo “Além do arco íris” do Afroreggae sobre a questão dos transgêneros
  11. 11.  Apresentação de ciranda no “recreio cultural”. Grupo formado por alunos e organizados pela Professra Márcia Schiavo, parceira do NUTH neste no evento.
  12. 12.  Palestra sobre preconceito para o 6º ano, elaborada pela Professora Márcia Maretti, parceira do NUTH no evento.
  13. 13.  Cine debate sobre diversidade sexual, elaborado por professores do NUTH.
  14. 14.  Oficina de Coco e dança de roda com a bailarina convidada Viviane Brito.
  15. 15.  Desfile da Beleza Negra – elaborado por professores do NUTH, com colaboração da professora Máxima, parceira do NUTH no evento.
  16. 16.  Oficina de alunos de cinema da UFF sobre diversidade sexual e racial.
  17. 17.  Oficina de boneca Nanaori, realizada pela artesã Ana Alzira, convidada pelo NUTH.
  18. 18.  Oficina de Jongo, Coco e Maculele com o grupo convidado “Quilombismo”.
  19. 19.  Recreio Cultural com o grupo convidado “Quilombismo”.
  20. 20.  Oficina sobre a questão de gênero elborada pela Casa da Mulher Trabalhadora, grupo convidado pelo NUTH.
  21. 21.  Vídeo debate sobre diversidade, elaborado pelo LIDIS, laboratório da Diversidade da Uerj.
  22. 22.  Mesa redonda sobre Religiosidade onde alunos e professores expuseram suas opiniões e experiências.
  23. 23.  Cine-debate com o Neab do CPII
  24. 24.  Palestra do Mc Leo sobre o Funk carioca.
  25. 25.  Palestra sobre Pagu, homenageada pela Jornada, com a Professora convidada Antônia Ceva.  Palestra com Prof. Adrelino, da Uerj, sobre Movimento Negro.
  26. 26.  Intervenção com Rafuko, sobre diversidade sexual.
  27. 27.  Recreio Cultural com o grupo de samba e pagode formado por alunos do campus: “Sambaleô”

×