O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA (1808-1822)
• O INÍCIO DO PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA ESTÁ 
ASSOCIADO COM A CHEGADA DA FAMÍLIA REAL 
PORTUGUESA NO BRASIL; 
• A VINDA DA...
O PERÍODO JOANINO 
• O PRÍNCIPE REGENTE D. JOÃO, QUANDO CHEGA 
AO BRASIL, ADOTA MEDIDAS POLÍTICA E 
ECONÔMICAS IMPORTANTES...
PELO TRATADO DE COMÉRCIO E NAVEGAÇÃO, AS 
MERCADORIAS IMPORTADAS TERIAM AS SEGUINTES 
TAXAÇÕES: 15% PARA OS PRODUTOS INGLE...
OUTRAS MEDIDA IMPORTANTES DO PRÍNCIPE 
REGENTE D. JOÃO: 
• A BIBLIOTECA REAL; 
• A GAZETA DO RIO DE JANEIRO; 
• A CASA DA ...
O PRIMEIRO REINADO (1822-1831) 
• DEPOIS DE 13 ANOS NO BRASIL, D. JOÃO VI 
VOLTA PARA PORTUGAL EM 1821, DEIXANDO 
NO SEU L...
A CONSTITUIÇÃO DE 1824 
• FOI ADOTADA ATÉ O FINAL DO IMPÉRIO (1889); 
• OS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA ERAM 
ESCOLHIDOS PELO ...
• HAVIAM OS VOTANTES (100 MIL RÉIS) E OS 
ELITORES (200 MIL RÉIS); 
• OS DEPUTADO E SENADORES DEVERIAM TER 
RENDA MÍNIMA D...
• D. PEDRO I FEZ UM GOVERNO MARCADO 
PELO AUTORITARISMO. 
• EM 1831, PRESSIONADO PELOS SETORES DA 
ELITE E PELO EXÉRCITO, ...
São Cristóvão, 8 de dezembro de 1826, às 4 horas da manhã 
Minha adorada mana! 
Reduzida ao mais deplorável estado de saúd...
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
O processo de independência (1808 1822)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O processo de independência (1808 1822)

274 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O processo de independência (1808 1822)

  1. 1. O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA (1808-1822)
  2. 2. • O INÍCIO DO PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA ESTÁ ASSOCIADO COM A CHEGADA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA NO BRASIL; • A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA PARA O BRASIL OCORREU DEVIDO À INVASÃO DE PORTUGAL PELO EXÉRCITO NAPOLEÔNICO; • A FAMÍLIA REAL PORTUGUESA VEIO PARA O BRASIL ACOMPANHADA DE SUA CORTE E FUNCIONÁRIOS DO GOVERNO (+- 10 À 15 MIL PESSOAS) E VIERAM PROTEGIDAS PELA MARINHA INGLESA.
  3. 3. O PERÍODO JOANINO • O PRÍNCIPE REGENTE D. JOÃO, QUANDO CHEGA AO BRASIL, ADOTA MEDIDAS POLÍTICA E ECONÔMICAS IMPORTANTES E QUE IRÃO MUDAR RADICALMENTE O BRASIL: • A ABERTURA DOS PORTOS (1808): NA PRÁTICA, ESTAVA ABOLIDO O PACTO COLONIAL, OU SEJA, O BRASIL PODERIA NEGOCIAR COM OUTRAS NAÇÕES • A REVOGAÇÃO DO ALVARÁ DE 1785 QUE PROIBIA A MANUFATURA NO BRASIL • OS TRATADOS DE 1810: TRATADO DE COMÉRCIO E NAVEGAÇÃO E TRATADO DE ALIANÇA E AMIZADE.
  4. 4. PELO TRATADO DE COMÉRCIO E NAVEGAÇÃO, AS MERCADORIAS IMPORTADAS TERIAM AS SEGUINTES TAXAÇÕES: 15% PARA OS PRODUTOS INGLESES, 16% PARA OS PRODUTOS PORTUGUESES E 24% PARA OS PRODUTOS DE OUTROS PAÍSES. PELO TRATADO DE ALIANÇA E AMIZADE, OS INGLESES SERIAM CONSIDERADOS CIDADÃOS PRIVILEGIADOS AQUI NA COLÔNIA: TERIAM LIBERDADE PARA EXERCER SUA RELIGIÃO (PROTESTANTISMO) E SE COMETESSEM CRIMES NO BRASIL, SERIAM JULGADOS POR LEIS INGLESAS
  5. 5. OUTRAS MEDIDA IMPORTANTES DO PRÍNCIPE REGENTE D. JOÃO: • A BIBLIOTECA REAL; • A GAZETA DO RIO DE JANEIRO; • A CASA DA MOEDA; • O BANCO DO BRASIL; • A ACADEMIA REAL MILITAR; • O JARDIM BOTÂNICO; • ELEVAÇÃO DO BRASIL À REINDO UNIDO (1815)
  6. 6. O PRIMEIRO REINADO (1822-1831) • DEPOIS DE 13 ANOS NO BRASIL, D. JOÃO VI VOLTA PARA PORTUGAL EM 1821, DEIXANDO NO SEU LUGAR O PRÍNCIPE REGENTE D. PEDRO. • APOIADO PELOS SETORES ARISTOCRÁTICOS, QUE TEMIAM A VOLTA DO BRASIL À CONDIÇÃO DE COLÔNIA, D. PEDRO DECLARA A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL EM 7 DE SETEMBRO DE 1822. • O BRASIL SE TORNA UMA MONARQUIA.
  7. 7. A CONSTITUIÇÃO DE 1824 • FOI ADOTADA ATÉ O FINAL DO IMPÉRIO (1889); • OS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA ERAM ESCOLHIDOS PELO IMPERADOR; • CRIAVA O PODER MODERADOR, EXERCIDO EXCLUSIVAMENTE PELO IMPERADOR. • O SENADO ERA VITALÍCIO E A ELEIÇÃO PARA DEPUTADO ERA ESTABELECIDA PELO VOTO CENSITÁRIO; • O CATOLICISMO ERA CONSIDERADO A RELIGIÃO OFICIAL DO PAÍS.
  8. 8. • HAVIAM OS VOTANTES (100 MIL RÉIS) E OS ELITORES (200 MIL RÉIS); • OS DEPUTADO E SENADORES DEVERIAM TER RENDA MÍNIMA DE 400 MIL RÉIS E 800 MIL RÉIS, RESPECTIVAMENTE. • ESCRAVOS, ANALFABETOS E MULHERES NÃO ERAM CIDADÃOS. • APENAS 13% DA POPULAÇÃO ERA CONSIDERADA CIDADÃ.
  9. 9. • D. PEDRO I FEZ UM GOVERNO MARCADO PELO AUTORITARISMO. • EM 1831, PRESSIONADO PELOS SETORES DA ELITE E PELO EXÉRCITO, ELE RENUNCIA AO TRONO EM FAVOR DE SEU FILHO, PEDRO DE ALCÂNTARA, DE APENAS 5 ANOS. • VAI PARA PORTUGAL, SE TONAR PEDRO IV, ONDE MORRE EM 1835.
  10. 10. São Cristóvão, 8 de dezembro de 1826, às 4 horas da manhã Minha adorada mana! Reduzida ao mais deplorável estado de saúde e tendo chegado ao último ponto de minha vida em meio dos maiores sofrimentos, terei também a desgraça de não poder eu mesma explicar-te todos aqueles sentimentos que há tanto tempo existiam impressos na minha alma. Minha mana! Não tornarei a vê-la! Não poderei outra vez repetir que te amava, que te adorava! Pois, já que não posso ter esta tão inocente satisfação igual a outras muitas que não me são permitidas, ouve o grito de uma vítima que de tu reclama - não vingança - mas piedade, e socorro do fraternal afeto para meus inocentes filhos, que orfãos vão ficar, em poder de si mesmos ou das pessoas que foram autores das minhas desgraças, reduzindo-me ao estado em que me acho, de ser obrigada a servir-me de intérprete para fazer chegar até tu os últimos rogos da minha aflita alma. A Marquesa de Aguiar, de quem bem conheceis o zelo e o amor verdadeiro que por mim tem, como repetidas vezes te escrevi, essa única amiga que tenho é quem lhe escreve em meu lugar. Há quase quatro anos, minha adorada mana, como a ti tenho escrito, por amor de um monstro sedutor me vejo reduzida ao estado da maior escravidão e totalmente esquecida pelo meu adorado Pedro. Ultimamente, acabou de dar-me a última prova de seu total esquecimento a meu respeito, maltratando-me na presença daquela mesma que é a causa de todas as minhas desgraças. Muito e muito tinha a dizer-te, mas faltam-me forças para me lembrar de tão horroroso atentado que será sem dúvida a causa da minha morte. Cadolino, que por ti me foi recomendado, e que me tem dado todas as provas da maior subordinação e fidelidade, é quem fica encarregado de entregar-te a presente, e declarar-te o que por muitos motivos não posso confiar a este papel. Tendo ele todas as informações que são precisas sobre este artigo, nada mais tenho a acrescentar, confiando inteiramente na sua probidade, honra e fidelidade. Faltaria ao meu dever se, além de ter declarado ao Marechal e a Cadolino que tenho dívidas contratadas (ou contraídas?) para sustentar os pobres, que de mim reclamarão algum socorro, e para as minhas despesas particulares, não dissesse a ti que o Flach, de quem tenho muitas vezes escrito, é digno de toda tua consideração e de meu Augusto Pai, a quem peço-te remeter a inclusa. Este virtuoso amigo, além de ter se sacrificado e comprometido a si mesmo e seus negócios para me servir, não desprezou meio algum para me procurar socorros. Peço-te por quanto tens de mais sagrado de lhe prestares todo o auxílio, de modo que ele possa satisfazer aquelas dívidas que por mim tem contraído. Recomendo este exemplo da mais virtuosa amizade. Cadolino te dirá qual foi o procedimento de Marechal para comigo. A Marquesa de Aguiar fica encarregada de dar a ti os mais miúdos detalhes sobre quanto diz respeito às minhas queridas filhas. Ah, minhas queridas filhas! Que será delas depois da minha morte? É a ela que entreguei a sua educação até que o meu Pedro, o meu querido Pedro não disponha o contrário. Adeus minha adorada mana. Permita o Ente Supremo que eu possa escrever-te ainda outra vez, pois que será o final do meu restabelecimento. L. S. B. Marquesa de Aguiar Escrevi

×