Sermão aos peixes cap. i

534 visualizações

Publicada em

SERMÃO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
534
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sermão aos peixes cap. i

  1. 1. CAPÍTULO I Sermão de Santo António aos Peixes , Padre António Vieira
  2. 2. O Conceito Predicável do sermão (definição) proposição a partir da qual se vai desenvolver “Vós sois o sal da terrato”do o raciocínio Quem? Porquê? Tal como o sal impede a corrupção da matéria, os pregadores devem impedir a corrupção das almas O sal cumpre a sua função? Porquê? Apesar de haver muitos pregadores, a terra está corrupta, logo, o sal, que são os pregadores, não cumpre a sua função. A sua função é impedir que a terra se corrompa.
  3. 3. A quem se atribui a responsabilidade da corrupção da terra? Pregadores e ouvintes são responsáveis pela corrupção da terra. Os pregadores por não pregarem a verdadeira doutrina, por não a viverem de acordo com aquilo que pregam ou por se pregarem a si mesmos e não a Cristo. Os ouvintes por não ouvirem a pregação, mesmo que seja verdadeira, por preferirem imitar a vida e não a pregação dos pregadores ou por cederem apenas aos seus apetites.
  4. 4. As razões da corrupção da terra são evidenciadas através de uma linguagem organizada em função de argumentos/provas e contra-provas. Que recursos de pensamento são utilizados? 1 - analogia sal = pregadores 2 - silogismos - os pregadores são o sal que impede a corrupção; - a terra está corrupta; Conclusão: os pregadores não são o verdadeiro sal
  5. 5. Começa por se apresentar o enunciado: “Ou é porque o sal não salga, ou porque a terra não se deixa salgar” Passa-se à explicitação de três hipóteses centradas simetricamente nos dois elementos, pregadores e ouvintes, resultando em três períodos bipartidos por ponto e vírgula, sendo a 1.ª parte do período correspondente Aos pregadores e a 2.ª aos ouvintes. 3 - Simetrias ou paralelismos Assim: Pregadores Ouvintes - o sal não salga - a terra não se deixa salgar - não pregam a doutrina - não querem receber a doutrina - dizem uma coisa e fazem outra - querem imitar as acções - pregam-se a si - servem os seus apetites
  6. 6. No 2.º§ há propostas para solucionar o problema Razões: Propostas: Se o sal que não salga deve ser deitado fora é inútil Se o pregador desrespeita a doutrina e dá mau deve ser desprezado exemplo
  7. 7. Partindo da proposição bíblica “Vos sois o sal da terra” como é que se chega ao exemplo de St. António e à alegoria do sermão, pregar aos peixes? O sermão começa com o conceito predicável: O sal e os pregadores devem impedir a corrupção da terra. Se a terra está corrupta, apesar de haver tantos pregadores, é porque estes não cumprem o seu dever ou porque a terra não ouve a pregação. Um exemplo de auditório que não ouve a pregação são os habitantes de Arimino que não quiseram ouvir St. António. Por isso, este deixou-os e foi para junto do mar pregar aos peixes Comemorando o dia de St. António, o Padre António Vieira quer seguir o seu exemplo, e afirma ir também pregar aos peixes
  8. 8. A identificação de António Vieira com St. António St. António quis pregar aos homens de Arimino, mas como estes não o quiseram ouvir e até quase o atacaram, foi pregar aos peixes. Não desistiu da doutrina, mas mudou de auditório, e os peixes vieram ouvi-lo. Do mesmo modo, o Padre António Vieira pregava a sua doutrina numa terra corrompida pelos vícios, a um auditório que não o ouvia e que estava contra ele e então resolve proceder como o Santo e pregar aos peixes.
  9. 9. A função das frases curtas e das interrogações retóricas no ritmo e na entoação do sermão As frases curtas, maioritariamente usadas ao longo do 1.º capítulo, imprimem um ritmo ao mesmo tempo rápido e cadenciado que, combinado com as muitas interrogações retóricas, conduz a uma entoação viva e apelativa
  10. 10. A função das frases curtas e das interrogações retóricas no ritmo e na entoação do sermão As frases curtas, maioritariamente usadas ao longo do 1.º capítulo, imprimem um ritmo ao mesmo tempo rápido e cadenciado que, combinado com as muitas interrogações retóricas, conduz a uma entoação viva e apelativa

×