Oficina matemática

11.165 visualizações

Publicada em

Diversas situações no dia a dia exigem cálculos para se determinar um valor desconhecido.
Provavelmente você já utilizou álgebra para a resolução de alguns problemas, mesmo sem perceber. A
matemática pode nos ajudar a identificar e encontrar a resposta para esses problemas.
Expressões algébricas
O uso de letras em matemática é muito utilizado para descrever uma situação na qual não
conhecemos valores de um determinado problema. No ensino fundamental e no ensino médio você
provavelmente resolveu listas de exercícios, contendo expressões algébricas.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.165
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
288
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oficina matemática

  1. 1. 2 oficina Oficina Matemática Autor Prof. Adriano Thomaz
  2. 2. 3 oficina Oficina de Matemática Sumário Cálculo Algébrico Equações do 1˚ grau Inequações do 1˚ grau Sistemas de Equações do 2˚ grau Equações do 2˚ grau Porcentagem Áreas de Superfícies Planas Teorema de Pitágoras Semelhanças de Triângulos Geometria Espacial
  3. 3. 4 oficina CálculoAlgébrico Diversas situações no dia a dia exigem cálculos para se determinar um valor desconhecido. Provavelmente você já utilizou álgebra para a resolução de alguns problemas, mesmo sem perceber. A matemática pode nos ajudar a identificar e encontrar a resposta para esses problemas. Expressões algébricas O uso de letras em matemática é muito utilizado para descrever uma situação na qual não conhecemos valores de um determinado problema. No ensino fundamental e no ensino médio você provavelmente resolveu listas de exercícios, contendo expressões algébricas. As variáveis são os valores que não estão definidos, ou seja, as letras, como no exemplo a seguir: Exemplo: 2xy 4x3 -3z2 xyz2 Para saber o valor numérico de uma expressão algébrica é preciso substituir o valor numérico atribuído às variáveis. Exemplo: Vamos determinar o valor da expressão 2xy2 + 3x, para os seguintes valores das variáveis x = 2 e y = 3. → 2 . x . y2 + 3 . x → 2 . 2 . 32 + 3 . 2 → 2 . 2 . 3 . 3 + 3 . 2 → 36 + 6 → 42
  4. 4. 5 oficina Exemplo: Vamos utilizar uma expressão algébrica bastante conhecida na área da saúde, o Índice de Massa Corporal, mais conhecido pela sigla IMC. A aplicação dessa fórmula é um método eficaz e prático para se avaliar o grau de risco associado à obesidade. Esse índice pode ser obtido dividindo-se o peso corporal em quilogramas (M) pelo quadrado da altura em metros (h): IMC → Então, para se descobrir o IMC de uma pessoa que pesa 69kg e mede 1,75m, basta substituir os valores de M e h. IMC → → 22, 53 Praticando: Descubra o seu Índice de Massa Corporal, substitua seu peso e altura nas variáveis na expressão do IMC. Curiosidades René Descartes.Aálgebra na forma como temos hoje, com o uso de letras, foi sistematizada pelo matemático e filósofo René Descarte. Pesquise sobre essas e outras contribuições de René Descartes. Monômios e Polinômios Umaexpressãoalgébrica,queutilizanúmeroseletrasligadosapenasporprodutos(multiplicação), é conhecida como Monômio. O coeficiente de um monômio é a parte numérica, sendo chamada de literal a parte que contém as letras e seus respectivos expoentes. Exemplo:
  5. 5. 6 oficina No monômio 4xy2 temos as partes: Coeficiente: 4 Literal: xy2 Observações: O expoente de um monômio também é considerado parte literal, pois representa o produto de um literal. No caso xy2 → x . y . y. Monômios semelhantes são aqueles que possuem a mesma parte literal. A soma ou a subtração de monômios é conhecida como um Polinômio. Operações com Expressões Algébricas Nas operações com expressões algébricas é preciso observar as partes dos polinômios, quais são os coeficientes e os literais. Adição e subtração Para realizar uma adição ou uma subtração de expressões algébricas, identifique os monômios semelhantes e em seguida some ou subtraia seus coeficientes. Exemplo: Dados os polinômios: A → 2x3 + 7x2 - 5x + 1 B → 6x3 + 3x - 2 Vamos determinar as operações dessas expressões: A + B → (2x3 + 7x2 - 5x + 1) + (6x3 + 3x - 2) → 2x3 + 6x3 + 7x2 - 5x + 3x + 1 - 2 → 8x3 + 7x2 - 2x - 1 Para facilitar organize os monômios semelhantes, ordenando os literais de maior expoente para
  6. 6. 7 oficina o menor, da esquerda para a direita. Multiplicação e Divisão As operações de multiplicação e divisão são realizadas da mesma forma, porém com o uso de propriedades de potenciação podemos determinar as expressões de forma mais simples e rápida. Vamos rever algumas dessas propriedades: Exemplo: Para multiplicar bases iguais (dois monômios com o mesmo literal), some seus expoentes. Exemplo: Para dividir bases iguais (dois monômios com o mesmo literal), subtraia seus expoentes.
  7. 7. 8 oficina Exemplo: Para multiplicar diferentes bases com o mesmo expoente. Exemplo: Para dividir diferentes bases com o mesmo expoente. Exemplo: Para elevar a potência de uma base com seu expoente, multiplique os expoentes. P6: Propriedade distributiva. Fator comum:
  8. 8. 9 oficina Exemplo: Multiplicação. Exemplo: Divisão. Curiosidades Produtos Notáveis. Produtos notáveis são produtos de expressões algébricas que possuem uma forma geral para sua resolução, que podem facilitar a identificação e resolução de um problema. Veja mais informações no link: http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica/medio/polinom/prodnot.htm
  9. 9. 10 oficina Atividades 1) Escreva na forma reduzida: 2) Efetue as multiplicações indicadas e simplifique: 3) Efetue as operações: Curiosidades Links • http://www.matematicamuitofacil.com/produtosnotaveis.html
  10. 10. 11 oficina Equaçõesdo1o grau Ao se deparar com uma expressão x + 2 = 6, é possível fazer a leitura do problema sem a necessidade de enunciado. Essa interpretação algébrica já existe em seu conhecimento e a resposta x = 4 se apresenta com um simples cálculo. No cotidiano encontramos desde problemas simples, que podem ser resolvidos rapidamente e sem o uso de muitos recursos, até aqueles mais elaborados, que desafiam a nossa interpretação e são necessários cálculos mais elaborados. Podemos ver um exemplo nessa propaganda de refrigerador, na qual o anunciante destaca as condições de pagamento: “Refrigerador com redução de IPI, por apenas R$950,00. Compre agora, pague uma entrada de R$318,00 e o restante em 8x sem juros.” O anúncio não informa o valor da prestação, no entanto conseguimos calcular esse valor mensal relacionando as informações. Subtraindo a entrada do valor total obtemos a quantia que será dividida em prestações: 950 - 318 = 632. Dividindo o restante por 8, obtemos o valor de cada prestação: 632∕8 = 79. Podemos determinar o valor desconhecido x com a utilização da seguinte sentença: 318 + 8x = 950. Essa sentença é chamada de Equação do 1o grau, na incógnita x. O valor de 79, que atribuído a x torna a equação verdadeira. Equação é uma relação de igualdade entre expressões algébricas, com incógnitas (letras) e números. A resolução de uma equação também é conhecida como raiz. Representação As equações do 1o grau são aquelas que podem ser representadas na forma: ax + b = 0 onde a e b possuem valores reais, com a≠0, e x é a incógnita. Exemplo: 8x - 5 = 0
  11. 11. 12 oficina Resolução • Aresolução de uma equação do 1o grau é fundamentada pelas seguintes propriedades da igualdade: • A igualdade se mantém quando adicionamos ou subtraímos um mesmo número nos dois lados da equação. Multiplicando ou dividindo os dois lados da equação por um mesmo número, diferente de zero, a igualdade se mantém. Essas propriedades nos permitem isolar a incógnita da equação, para podermos encontrar a sua solução, a raiz. Nesse processo deixamos o monômio que contém a incógnita da equação do lado esquerdo e o restante do lado direito. Conjunto Universo Quando um Conjunto Universo U é estabelecido para uma equação significa que a solução só é aceita se pertencer a esse conjunto. Ou seja, a raiz da equação só pode ser considerada solução se ela pertencer a U. Nesse caso, temos um conjunto solução S da equação não vazio. Exemplo: Isolando a incógnita Curiosidades História. Você sabia que foram os babilônios que no II. milênio a.C. (talvez até antes) descobriram
  12. 12. 13 oficina os métodos de resolução de equação do 1o grau? Origem dos sinais de relação (=, < e >). Roberto Record, matemático inglês, terá sempre o seu nome apontado na história da Matemática por ter sido o primeiro a empregar o sinal = (igual) para indicar igualdade. No seu primeiro livro, publicado em 1540, Record colocava o símbolo entre duas expressões iguais; o sinal =, constituído por dois pequenos traços paralelos, só apareceu em 1557. Comentam alguns autores que, nos manuscritos da Idade Média, o sinal = aparece como uma abreviatura da palavra est. Guilherme Xulander, matemático alemão, indicava a igualdade, em fins do século XVI, por dois pequenos traços paralelos verticais; até então a palavra aequalis aparecia, por extenso, ligando os dois membros da igualdade. Os sinais > (maior que) e < (menor que) são devidos a Thomaz Harriot, que muito contribuiu com seus trabalhos para o desenvolvimento da análise algébrica. Fonte: http://www. somatematica.com.br Atividades 1) Determine o valor da incógnita nas equações: 2) (UEMG) Em uma cidade, o preço pago por uma corrida de táxi inclui uma parcela fixa, denominada bandeirada, e uma parcela que depende da distância percorrida. A bandeirada custa R$4,18 e cada quilômetro rodado custa R$0,83. A distância percorrida por um passageiro que pagou R$14,14 foi: a) 7 km b) 9 km c) 12 km d) 14 km Inequaçõesdo1o grau As inequações também são necessárias em situações de nosso cotidiano. Nem sempre temos a igualdade quando se trata de um problema real, lidamos também com o fato que algo pode ser maior, menor, a partir de tal valor, no máximo isso, no mínimo aquilo e outras diversas expressões. Para formular essas condições utilizamos as inequações. Para facilitar o entendimento, vamos retomar o exemplo do IMC, o Índice de Massa Corporal. Lembrando que o IMC pode ser obtido dividindo-se o peso corporal em quilogramas (M) pelo quadrado da altura em metros (h):
  13. 13. 14 oficina A Tabela 1 mostra a classificação de uma pessoa em função do IMC. Tabela 1: Classificação do IMC para homens e mulheres. Então, de acordo com a Tabela 1, uma mulher com 1,64 m de altura e 68 kg, precisaria perder quantos quilogramas para ser classificada como normal ou magra? O limite do IMC é 24, sendo x em kg, o equivalente a massa que a mulher precisa perder para satisfazer a condição de desigualdade: Representação As inequações do 1o grau são aquelas que podem ser representadas na forma: (ou com as relações ≤, >, ≥ ou ≠), onde a e b são constantes com valores reais, com a≠0, e x é
  14. 14. 15 oficina a incógnita. Resolução A resolução de uma inequação do 1o grau é fundamentada pelas seguintes propriedades das desigualdades: A desigualdade se mantém quando adicionamos ou subtraímos um mesmo número nos dois lados. Multiplicando ou dividindo os dois lados da desigualdade por um mesmo número positivo, a desigualdade se mantém. Multiplicando ou dividindo por um mesmo número negativo uma desigualdade do tipo <, ≤, > ou ≥, a desigualdade inverte o sentido. Utilizamos essas propriedades para isolar a incógnita e encontrar a solução da desigualdade. Conjunto Solução Diferentemente de uma equação, o Conjunto Solução S de uma inequação pode conter mais de uma raiz, que satisfaça a desigualdade. No caso do exemplo do IMC, entende-se que qualquer x ≥ 3, 45 satisfaz a condição. Exemplo: Considerando o universo dos números inteiros (ℤ) como solução.
  15. 15. 16 oficina Curiosidades Conjunto dos Números Reais. Para saber mais sobre os números reais, indicamos esses links: • http://www.youtube.com/watch?v=5tFrK2OFx8A • http://www.youtube.com/watch?v=SSf3Chzbabw&feature=related • http://www.brasilescola.com/matematica/numeros-reais.htm Atividades 1) Considerando o universo dos números inteiros (ℤ) como solução, determine o conjunto solução das inequações: 2) Resolva as seguintes inequações, considerando o conjunto dos números reais (ℝ) o universo de solução: 3) Para realizar a cópia de uma apostila, uma gráfica cobra uma taxa fixa de R$1,20 para encadernação e R$0,54 por página. No entanto, ela não realiza a cópia se o valor não ultrapassar R$10,00. Qual é o número mínimo de páginas que deve ter uma apostila para que a gráfica execute o serviço? (Dica: não existe cópia de metade de uma página).
  16. 16. 17 oficina SistemasdeEquaçõesdo1o grau Um sistema de equações é formado quando temos mais de uma equação e mais de uma incógnita em questão. Denominamos sistemas de equações do 1o grau, ou sistemas de equações lineares, quando todas as equações desse sistema são de 1o grau. Os sistemas de equações são muito utilizados na prática, muito comuns em problemas de otimização quando é preciso determinar a melhor solução dentre um conjunto solução para incógnitas e restrições relacionadas à limitação do problema. Essas restrições podem ser de igualdade ou de desigualdade. Curiosidades Pesquisa Operacional. A pesquisa operacional ou investigação operacional é um ramo da matemática aplicada, que envolve diversas outras disciplinas como física, estatística, engenharia e computação. Foi desenvolvida na Segunda Guerra Mundial, para resolver problemas logísticos e de estratégias militares. A formulação desses problemas normalmente resulta em sistemas de equações e as técnicas e algoritmos utilizados para a resolução, aliados ao avanço da tecnologia, possibilitaram que a pesquisa operacional fosse utilizada em muitos outros setores. Resolução: Método da substituição Podemos utilizar o modelo da substituição, isolando uma das incógnitas e fazendo a substituição para encontrar seus valores. Vamos resolver o sistema de equações a seguir, utilizando o método da substituição para encontrar os valores de x e y:
  17. 17. 18 oficina A seguir, substituímos a incógnita x da equação (II) pelo valor de x na equação (I). Encontrado o y, substituímos seu valor em alguma das equações. Recomenda-se substituir na equação (I), pois o x já está isolado e facilita o cálculo. Obtemos o conjunto solução S do sistema, que nesse caso é formado pelo par ordenado (x, y): S = {(5, -2)} Resolução: Método da adição Uma alternativa para a resolução de sistemas de equações do 1o grau é o método da adição. Utilizaremos para isso as propriedades de igualdade, operando com valores iguais nos dois lados da equação, de forma que a igualdade se mantenha. Vamos resolver o sistema de equações a seguir, utilizando o método da adição para encontrar os valores de x e y:
  18. 18. 19 oficina É preciso encontrar um sistema equivalente a esse, onde os coeficientes de x ou de y sejam opostos. Podemos então anular uma das incógnitas no momento da adição dessas equações. Por exemplo, na primeira equação (I), se multiplicarmos ambos os lados por 2, para que os coeficientes de y nas equações (I) e (II) sejam opostos teremos: Somando os lados esquerdos das equações (I) e (II) e igualando com a soma dos lados direitos dessas equações: Encontramos uma das incógnitas e repetimos o procedimento de substituir em uma das equações para se descobrir a outra incógnita. A opção do método a ser utilizado é sua, e deve ser feita por aquele que lhe trouxer maior facilidade na resolução do sistema de equações. Atividades 1) Resolva por qualquer método os seguintes sistemas:
  19. 19. 20 oficina 2) Uma casa com 260 m2 de área construída possui 3 quartos de mesmo tamanho. Qual é a área de cada quarto, se as outras dependências da casa ocupam 140 m2? 3) (Unifor-CE) Uma pessoa possui apenas moedas de 25 centavos e de 50 centavos, num total de 31 moedas. Sabe-se ainda que o número de moedas de 25 centavos excede o de 50 centavos em 5 unidades. Essas moedas totalizam a quantia de: a) R$ 10,00 b) R$ 10,50 c) R$ 11,00 d) R$ 11,50 e) R$ 12,00 Equaçõesdo2o grau Podemos encontrar problemas reais que ao serem formulados, resultam em equações onde não conseguimos isolar a incógnita da mesma forma que nas equações de 1o grau. Vamos estudar o caso de um problema em que uma pessoa utilizou 26m lineares de tela para cercar um galinheiro numa área retangular de 36m2 . Queremos descobrir as dimensões desse galinheiro. Vamos adotar a incógnita x para o comprimento e y para a largura do terreno, conforme a Figura 1.
  20. 20. 21 oficina Figura 1: Dimensões do terreno. Precisamos utilizar todas as informações que temos sobre uma área retangular. Sabemos que a soma dos lados desse terreno é de 26m, pois esse é o comprimento da tela utilizada para cercar o perímetro do terreno. Além disso, sabemos que a área do terreno é 36m2 . Podemos representar esse problema com duas equações, uma para perímetro e outra para área, num sistema de equações com duas incógnitas. Isolamos o y na equação do perímetro e obtemos: Substituímos o valor de y na equação da área:
  21. 21. 22 oficina Chegamos a uma equação de 2o grau, pois o grau das equações é determinado pelo maior expoente de uma incógnita. Resolvendo essa equação, concluímos que o terreno do galinheiro tem 9m de comprimento por 4m de largura. Curiosidades Problema de otimização. No problema do galinheiro foram utilizados 26m lineares de tela para cercar uma área de 36m2 . Com os mesmos 26m de tela, qual seria a maior área que poderíamos cercar? A resposta desse desafio pode ser encontrada de algumas maneiras, inclusive por tentativas de atribuir valores a x e y, mas esse é um típico problema de otimização. Procure mais informações sobre a resolução desses problemas. A seguir apresentamos alguns exemplos de equações de 2o grau na incógnita x. Exemplo: Equações do 2o grau Representação Uma equação de 2o grau, na incógnita x, é toda equação que pode ser escrita na forma: onde a, b e c são os coeficientes da equação, com a≠0. Resolução: Equações incompletas Nos casos em que b = 0 ou c = 0, a equação é chamada de incompleta. As equações de 2o grau incompletas podem ser resolvidas facilmente, apenas utilizando fatoração e raiz quadrada. Exemplo: Equação do 2o grau com c = 0.
  22. 22. 23 oficina Exemplo: Equação do 2o grau com b = 0. Resolução: Equações completas Apesar de também ser possível a utilização das propriedades de igualdade para equações de 2o grau, isolar totalmente a incógnita pode não ser possível em alguns casos. Uma equação do 2° grau pode ter até duas raízes reais, que podem ser determinadas de algumas maneiras. Para determinar as raízes de qualquer equação do 2o grau, utiliza-se a fórmula quadrática (atribuída a Bhaskara). Essa expressão Δ (delta) é chamada de discriminante da equação e seu valor é fundamental para identificar se a equação possui raízes, se elas pertencem aos conjuntos dos reais, se elas são distintas ou iguais.
  23. 23. 24 oficina • Se Δ > 0, a equação possui duas raízes reais distintas. • Se Δ = 0, a equação possui duas raízes reais iguais. • Se Δ < 0, a equação não possui raízes reais. Exemplo: Equação do 2o grau completa com raízes reais distintas. Exemplo: Equação do 2o grau completa com raízes reais iguais. Exemplo: Equação do 2o grau completa sem raízes reais. Resolução: Soma e produto Quando x1 e x2 são raízes da equação do 2o grau ax2 + bx + c = 0, a soma S e o produto P dessas raízes são:
  24. 24. 25 oficina Praticando: Verifique a soma e o produto das raízes das equações de 2o grau apresentadas nos exemplos. Atividades 1) Identifique os coeficientes de cada equação e responda se ela é completa ou incompleta: 2) Determine o conjunto solução de cada uma das seguintes equações: 3) A equação do 2o grau x2 + 2x + m = 0 admite duas raízes reais e distintas. Determine os valores de m. 4) A equação kx2 - 5x - 8 = 0, na variável x, possui raízes reais para quais valores reais de k? 5) Resolva o sistema:
  25. 25. 26 oficina Porcentagem A porcentagem é um dos temas mais utilizados no nosso cotidiano. Veja o caso dessa manchete em um portal de notícias: “Governo vai aumentar a mistura de álcool na gasolina para aliviar o preço. A mistura de álcool combustível na gasolina vai aumentar de 20% para 25%.” Precisamos entender o que significam esses valores para melhor compreender a notícia. Representação Porcentagem é uma relação entre números, representada por uma fração de denominador 100 ou qualquer representação equivalente a ela. A expressão x% é a taxa percentual e representa a razão: Então, o que significa 25% (vinte e cinco por cento) anunciado na manchete? Quer dizer que com a nova mudança, em cada 100 litros da mistura, 25 litros serão de álcool e o restante, 75 litros, serão de gasolina. Ou seja, houve um acréscimo de álcool na mistura de combustível, que era de 20%, ou seja, 20 litros a cada 100. Exemplo: Representação de taxa percentual sob a forma de fração. Quarenta e cinco por cento é igual a quarenta e cinco décimos.
  26. 26. 27 oficina Exemplo: Representação de taxa percentual sob a forma de número decimal. Resolução: Cálculo de uma porcentagem Para descobrir x% de um determinado valor V , podemos utilizar um procedimento simples, utilizando o fato que 100% corresponde ao valor total e x% a Quantia procurada. Então temos a seguinte proporção: Os exemplos a seguir utilizam essa ideia para encontrar os valores desejados. Exemplo: i) Vamos calcular a Quantia equivalente a 30% de R$2100,00.
  27. 27. 28 oficina ii) 60% de que valor V é igual a R$30,00? Sabendo que a taxa percentual pode ser representada sob a forma decimal e também de fração, podemos multiplicar diretamente esse percentual no valor total para obtermos a Quantia procurada. Praticando: Se uma pessoa economiza 1∕5 (um quinto) do seu salário, percentualmente o que isso significa? (Dica: procure obter uma fração equivalente, lembrando que o denominador da taxa percentual é 100: x∕100). Atividades 1) Represente as seguintes taxas percentuais sob a forma de fração: a. 56% b. 240% c. 0, 6% 2) Represente as seguintes taxas percentuais sob a forma de números decimais: a.12% b. 310% c. 1, 22% 3) (Univali-SC) Uma pessoa gasta 3/8 de seu salário com aluguel, ou seja, o percentual do salário gasto com aluguel é de: a) 40% b) 42% c) 42,5% d) 37,5% e) 36%
  28. 28. 29 oficina ÁreasdeSuperfíciesPlanas A área de uma superfície plana é um número real que representa a extensão que esta superfície ocupa do plano. O cálculo da área de uma superfície é exigido em algumas atividades, no ramo imobiliário, na agricultura, na indústria entre outras. Quando medimos a área de uma superfície na verdade estamos fazendo uma comparação com uma superfície adotada como unidade. A unidade fundamental de área é o metro quadrado (m2). Essa superfície é um quadrado com 1m de lado. Figura 2: Superfície quadrada: A = 1m2 . Portanto, para sabermos a área de qualquer superfície plana, precisamos calcular quantos quadrados de lado 1 cabem em tal superfície. Resolução: Retângulo Vamos calcular a área de um terreno, que possui 6m de base e 3m de largura. Para isso utilizaremos a ideia de dividir essa área em quadradinhos de lado 1m. Figura 3: Retângulo 6m x 3m.
  29. 29. 30 oficina Analisando a divisão mostrada na Figura 3, obtivemos 6 colunas com 3 quadrados em cada uma, totalizando 18 quadrados. Então, temos a área A do retângulo é: A = 18m2 De forma geral, para calcular a área de qualquer retângulo é preciso fazer o produto de suas dimensões a (comprimento) e b (largura): A = a . b Figura 4: Retângulo a x b. Exemplo: Vamos calcular as medidas dos lados de um retângulo que possui uma área de 32m2 , sabendo que um dos lados é o dobro da medida do outro. Obtemos as medidas do retângulo, a = 8m e b = 4m. Resolução: Quadrado O quadrado é um retângulo, por isso utilizamos o mesmo raciocínio para calcularmos sua área. A área de um quadrado de lado a é dada pelo produto: A = a2
  30. 30. 31 oficina Figura 5: Quadrado a x a. Resolução: Paralelogramo A área do paralelogramo de base b e altura h é igual à área do retângulo de mesma base e altura: A = b . h O paralelogramo parece ser um retângulo que teve sua base superior deslocada em relação à base inferior, mas sua área permanece a mesma. Figura 6: Paralelogramo. Resolução: Triângulo Para calcularmos a área de um triângulo é preciso multiplicar a base b pela altura h e dividir o resultado por dois:
  31. 31. 32 oficina Figura 7: Triângulo. Observando o formato de um paralelogramo na Figura 6, notamos o motivo dessa divisão por 2 no cálculo da área. Essa verificação pode ser melhor compreendida na Figura 8. Veja que a área do triângulo é justamente a metade da área de um paralelogramo de mesma base e altura. Figura 8: Comparação da área do triângulo em relação à area do paralelogramo. Resolução: Trapézio A área de um trapézio de bases b e a e altura h pode ser calculada da seguinte forma: Figura 9: Trapézio. Para melhor compreender o cálculo da área do trapézio, vamos traçar uma diagonal no trapézio da Figura 9, cortando da ponta de uma base até a ponta da outra base. Essa diagonal irá dividir o trapézio em dois triângulos, de altura também h, em relação às bases de medida a e b. A área desse
  32. 32. 33 oficina trapézio é a soma das áreas desses dois triângulos: Resolução: Losango O losango também é um paralelogramo, por isso podemos calcular sua área da mesma forma se soubermos as dimensões de base e altura. Porém, vamos apresentar também como podemos calcular sua área utilizando as informações de suas diagonais. As diagonais de um losango cruzam-se perpendicularmente no ponto médio de cada uma delas. Assim, sendo D e d as medidas dessas diagonais, a área A do losango é o dobro da área de um triângulo de base d e altura D∕2: Figura 10: Losango. Observando a Figura 10, podemos observar que a diagonal d divide o losango em dois triângulos com a mesma área, facilitando assim o cálculo.
  33. 33. 34 oficina Resolução: Círculo Utilizamos o conceito da área de um quadrado de lado 1 para o cálculo de figuras planas. Para formular a área do círculo vamos utilizar um polígono regular de n lados, inscrito em um círculo de raio r. Figura 11: Polígono regular de n lados. A área desse polígono é calculada multiplicando todos os n triângulos pela área de cada um deles, de base a e altura h. A área do polígono é menor que a do círculo, porém, fazendo o número n de lados aumentar até que o perímetro desse polígono se aproxime do perímetro da circunferência (2πr) e a altura h de cada triângulo se aproxime do raio da circunferência, então podemos utilizar essas informações para definir a área do círculo: Figura 12: Círculo.
  34. 34. 35 oficina A expressão acima é obtida quando a área do polígono com n lados infinitos, pois: Atividades 1) Uma tela retangular tem 2m de comprimento por 1,5m de largura. Para desenhar uma figura nessa tela com boa precisão, o artista quer traçar segmentos de retas paralelas de forma que ela fique quadriculada com 5cm de lado. Quantos quadradinhos terá essa tela? 2) Cada 1 litro de tinta cobre uma área de 9m2 de parede. Sabendo que cada lata contém 2 litros, qual é a menor quantidade de latas necessárias para se pintar uma parede com o formato e as dimensões de acordo com a figura abaixo? a) 2 b) 3 c) 5 d) 6 e) 7 3) (UFPB) De um quadrado ABCD de lado 8cm foram retirados quatro triângulos retângulos isósceles com catetos de 2cm, conforme figura.
  35. 35. 36 oficina A área do octógono remanescente é: a) 42cm2 b) 48cm2 c) 56cm2 d) 58cm2 e) 60cm2 4) O círculo demarcado num campo de futebol, com as dimensões oficiais, possui 18m de diâmetro. Calcule a área desse círculo. TeoremadePitágoras Pitágoras foi um grande estudioso de matemática, filosofia, música e outras ciências. Viveu na Grécia, acredita-se que ela tenha nascido na ilha de Samos. Muitas e notáveis descobertas nessas áreas foram atribuídas a Pitágoras, tais como o sistema de numeração decimal, tabelas de multiplicação e a demonstração do célebre teorema que leva o seu nome. Na história, muitas foram as demonstrações do Teorema de Pitágoras, criado a partir de um triângulo retângulo. Triângulo retângulo Um triângulo retângulo é aquele que possui um dos ângulos igual a 90°, conhecido como ângulo reto. Além do ângulo reto, um triângulo retângulo possui dois ângulos agudos complementares. O maior lado, que se opõe a esse ângulo, é chamado de hipotenusa, e os outros dois lados são chamados de catetos. Figura 13: Triângulo retângulo.
  36. 36. 37 oficina Teorema O Teorema de Pitágoras é uma relação entre as medidas dos lados do triângulo retângulo, seu enunciado é: “A área do quadrado cujo lado maior é a hipotenusa de um triângulo retângulo é igual à soma das áreas dos quadrados que têm como lados cada um dos catetos”. Podemos simplificar o elegante enunciado dizendo que o quadrado da hipotenusa é a soma dos quadrados dos catetos. Ou, tomando como referência a Figura 13 e colocando numa expressão algébrica: Curiosidades Demonstração do Teorema de Pitágoras. Existem diferentes maneiras de se provar o Teorema de Pitágoras. Procure uma dessas demonstrações e entenda o brilhantismo da ideia, da genialidade de alguém que viveu no século VI a.C. Exemplo: Utilizando o Teorema de Pitágoras, encontraremos os valores dos lados desconhecidos nos triângulos a seguir. i) ii)
  37. 37. 38 oficina Atividades 1) Num triangulo retângulo, um cateto é o dobro do outro e a hipotenusa mede 10 cm. Qual o valor da soma dos catetos? 2) James Garfield, o 20o presidente dos Estados Unidos da América, apresentou em 1876 uma prova inédita do Teorema de Pitágoras, quando ele ainda era membro do congresso norte-americano. Essa prova foi publicada no New England Journal of Education. Ele utilizou a construção abaixo para sua demonstração. Calcule o valor do lado a, sabendo que a área do triângulo verde (isósceles em c) é 10cm2 e o lado b = 2cm. SemelhançadeTriângulos Aideia matemática de semelhança está diretamente relacionada à proporção, e onde há proporção há beleza aos olhos do homem. Dessa forma, é de extrema importância desenvolver a sensibilidade para a beleza que existe ao nosso redor, pensando tanto nas formas geométricas, quanto na origem e evolução do conhecimento sobre geometria. Duas figuras são semelhantes se possuírem a mesma forma, ou seja, se seus ângulos internos correspondentes forem congruentes e seus lados forem proporcionais. Assim dois triangulos são semelhantes quando satisfazem ao mesmo tempo às duas condições: • os lados correspondentes têm medidas proporcionais (“mesma posição”). • os ângulos correspondentes são congruentes (mesma medida).
  38. 38. 39 oficina Figura 14: Triângulos semelhantes. Além dos ângulos correspondentes serem congruentes, seus lados são proporcionais: Figura 15: Ângulos congruentes. Na Figura 15 podemos notar que os ângulos com as mesmas marcas são congruentes, ou seja, A ≡ D, B ≡ E e C ≡ F. A razão entre os lados é sempre uma constante: Para identificar um par de lados homólogos, ou seja, que estão na mesma posição e são proporcionais, basta verificar se eles estão opostos a ângulos congruentes. Exemplo: Na Figura 15, o lado AC é homólogo ao lado DF, pois ambos estão opostos aos ângulos congruentes ß e E.
  39. 39. 40 oficina Vamos detalhar os 4 casos de semelhanças de triângulos. 1o Caso: lado-lado-lado É o caso mais simples de semelhança e ocorre quando os três lados correspondentes são proporcionais: A razão entre os lados é sempre uma constante: 2o Caso: lado-ângulo-lado Nesse caso, há semelhança quando existirem dois lados correspondentes e proporcionais e o ângulo interno α entre eles é congruente. Os lados AB e BC do triângulo ABC são, respectivamente, proporcionais aos lados DE e EF do triângulo DEF, estão na proporção de dois para cinco, e o ângulo formado por esses lados congruentes:
  40. 40. 41 oficina Consequentemente, o terceiro lado é proporcional e os demais ângulos são congruentes; para verificar isso utilizamos as propriedades gerais do triângulo. 3o Caso: ângulo-ângulo Ocorre quando existem dois ângulos internos correspondentes congruentes. Consequentemente, o terceiro ângulo também é congruente e seus lados correspondentes são proporcionais. 4o Caso: lado-ângulo-ângulo oposto A semelhança de triângulos também ocorre quando existem um lado proporcional, um ângulo adjacente e um ângulo oposto a esse lado, congruente.
  41. 41. 42 oficina Os lados AB e DE são proporcionais, ou seja, estão na proporção de três para dois. Os ângulos AC e DÊ F são adjacentes aos seus respectivos lados e são congruentes. Os ângulos AĈB e DE, também congruentes, são opostos aos lados AB e DE. Curiosidades A Matemática aplicada à imagem. Dois dos aparelhos inventados pelo ser humano e que revolucionaram suas respectivas épocas são a máquina fotográfica, no século XIX e a televisão, no século passado. Um dos recursos que apresentam, o zoom, tornou-os muito práticos e também ajudou o desenvolvimento da ciência. Com um simples jogo de lentes, é possível aproximar uma imagem tanto quanto for desejado, como a imagem de uma bactéria microscópica ou de uma célula do corpo humano. Quando se aplica o recurso do zoom à imagem, constrói-se, no equipamento uma imagem semelhante à original. Maior ou menor, a quantidade de zoom não deixa e ser a constante proporção, aplicada, teoricamente, a figuras semelhantes. Atividades 1) Dentre os notáveis feitos do matemático grego Tales de Mileto, ele mediu a altura de uma pirâmide egípcia utilizando semelhança de triângulos. Ele se posicionou ao lado da pirâmide e fincou seu cajado ao solo. A seguir, mediu o comprimento h do cajado e comprimento s da sombra projetada por ele. Calculou tambem a distância S entre o centro da pirâmide e o ponto mais distante da sombra projetada pelo monumento. A partir desses dados, Tales calculou a medida a da altura da pirâmide. Supondo que os dados medidos por Tales tenham sido: h=1,6m; s=2m e S=160m, calcule a medida a da altura da pirâmide. 2) Na figura, tem-se AB II DE. Determine as medidas x e y.
  42. 42. 43 oficina GeometriaEspacial Prisma Prismas é um poliedro convexo tal que duas faces são polígonos congruentes situados em planos paralelos e as demais faces são paralelogramos. 1º) Os hexágonos ABCDEF e A’B’C’D’E’F’ – polígonos congruentes situados em planos paralelos – são as bases do prisma. 2º) ABB’A’, BCC’B’, ..., FAA’F’ – paralelogramos – são as faces laterais do prisma. 3º) Os lados dos polígonos que determinam as bases são as arestas da base do prisma. 4º) os lados dos paralelogramos que têm uma extremidade em cada base são as arestas laterais do prisma. 5º) A distância entre os planos das bases é a altura do prisma.
  43. 43. 44 oficina Os prismas recebem os nomes de acordo com os polígonos que constituem as suas bases. Assim, se a base é um triângulo, o prisma é dito triangular; se a base for um pentágono, o prisma será denominado pentagonal e, assim por diante. Prisma reto é aquele que apresenta as faces laterais perpendiculares aos planos das bases. Prisma regular é o prisma reto cujas bases são polígonos regulares. A) Paralelepípedo reto retângulo: Paralelepípedo reto retângulo é o prisma cujas bases são retângulos B) Cubo: Cubo é o prisma em que todas as faces são quadrados.
  44. 44. 45 oficina Pirâmide Dado um polígono convexo pertencente a um plano e um ponto fora desse plano, chama-se de pirâmide convexa a reunião de todos os segmentos com uma extremidade nesse ponto fora do plano e a outra extremidade em cada um dos vértices do polígono contido no plano. Vértice da pirâmide: o vértice da pirâmide é o ponto V. Base: a base da pirâmide é o polígono ABCDE. Nesse caso, um pentágono. Altura: a altura da pirâmide é à distância do vértice V ao plano da base. Arestas da base: as arestas da base são os lados do polígono da base. Arestas laterais: as arestas laterais são os segmentos que unem o vértice a cada um dos vértices do polígono da base. Faces laterais: as faces laterais são triângulos formados pelo vértice da pirâmide e cada uma das arestas da base.
  45. 45. 46 oficina As pirâmides recebem os nomes de acordo com os polígonos que constituem a sua base. Assim, se a base é um triângulo, a pirâmide é dita triangular; se a base for um pentágono, a pirâmide será denominada pentagonal e, assim por diante. Pirâmide reta é aquela que apresenta a projeção ortogonal do vértice sobre o plano da base coincidindo com o circuncentro da mesma. Prisma regular é o prisma reto cuja base é um polígono regular. Cilindro Sejam um círculo de centro O e raio r contido num plano α e um segmento não paralelo e não contido nesse plano. Denomina-se cilindro circular a reunião de todos os segmentos congruentes e paralelos a com uma extremidade no círculo e situados num mesmo semi-espaço determinado pelo plano α. Bases: as bases de um cilindro circular são os dois círculos determinados pelas extremidades de todos os segmentos paralelos a AB que, reunidos, forma o cilindro. Eixo: eixo é a reta determinada pelos centros das bases do cilindro. Geratriz: geratriz de um cilindro circular é qualquer um dos segmentos com extremidades nas extremidades das bases e paralelos ao eixo do cilindro.
  46. 46. 47 oficina Secção meridiana: a secção meridiana é o quadrilátero obtido pela intersecção do cilindro com um plano que contém o eixo. Cilindro circular reto é aquele que apresenta as geratrizes perpendiculares aos planos das bases. Ele também pode ser chamado de cilindro de revolução pois pode ser gerado pela rotação de um retângulo em torno de um eixo que contém um dos lados. Cone Dado um círculo pertencente a um plano e um ponto fora desse plano, chama-se de cone circular reunião de todos os segmentos com uma extremidade nesse ponto fora do plano e a outra extremidade em cada um dos pontos do círculo.
  47. 47. 48 oficina Base: a base do cone é o círculo considerado na definição. Vértice: vértice do cone é o ponto V, ponto fora do plano da base. Eixo: geratriz do cone é a reta que passa pelo vértice V e o centro da base. Geratriz: geratriz (g) do cone é qualquer segmento que tenha uma extremidade no vértice do cone e a outra extremidade na circunferência da base. Secção meridiana: a secção meridiana é o triângulo obtido pela intersecção do cone com um plano que contém o eixo. Cone circular reto é o cone que apresenta o eixo perpendicular ao plano da base. Num cone circular reto, a projeção do vértice coincide com o centro da base. Ele também pode ser chamado de cone de revolução pois pode ser gerado pela rotação de um triângulo retângulo em torno de um dos seus catetos.
  48. 48. 49 oficina A superfície lateral planificada determina um setor circular que tem como raio a geratriz (g) do cone, como comprimento o perímetro da circunferência da base (2. Quando a secção meridiana for um triângulo equilátero, g = 2r, o cone é dito cone equilátero. Para esse cone tem-se: Esfera Dados um ponto O e uma distância r, chama-se esfera ao conjunto de todos os pontos do espaço cujas distâncias ao ponto O são menores ou iguais a R. O ponto O é o centro da esfera e r o seu raio. Partes da esfera:
  49. 49. 50 oficina Fuso esférico é a parte da superfície esférica limitada por dois planos que contém um diâmetro. O ângulo α, medido na secção equatorial, é o caracteriza o fuso esférico. A área do fuso esférico é dada por Cunha esférica é a parte da esfera limitada por dois planos que contém um diâmetro. O ângulo α, medido na secção transversal equatorial, é o que caracteriza a cunha esférica. O volume da cunha esférica é dado por GabaritodasAtividades Cálculo Algébrico Geometria Espacial - Vídeo 1 Geometria Espacial - Vídeo 2 Geometria Espacial - Vídeo 3 Geometria Espacial - Vídeo 4
  50. 50. 51 oficina Equações do 1o grau Inequações do 1o grau Sistemas de Equações do 1o grau
  51. 51. 52 oficina Equações do 2o grau Porcentagem Áreas de Superfícies Planas
  52. 52. 53 oficina Teorema de Pitágoras Semelhança de Triângulos Referências IEZZI, Gelson; DOLCE, Osvaldo; DEGENSZAJN, David Mauro; PÉRIGO, Roberto. Matemática. Volume Único. São Paulo: Atual, 1997. PAIVA, Manoel. Matemática. Volume Único. 1.ed. São Paulo: Moderna, 2005.

×