1
Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014
PSICOSE AMBIENTAL E COMUNISMO NO BRASIL
Calor e seca no Brasil: pânicos verdes...
2
Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014
“Estudiosos como sir Nicholas Stern dizem que o aumento da temperatura no mund...
3
Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014
“Anda em busca de explicações o inusitado fenômeno climático. Prato cheio para...
4
Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014
“Sim. O mais importante é abandonar o paradigma de que, se tivermos uma seca, ...
5
Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014
As subvenções estatais às “energias renováveis” distorceram os preços da eletr...
6
Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014
Malgrado a intensidade do fenômeno, ele nada tem a ver com a tendência ao esfr...
7
Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014
1974 e 2014: duas maneiras opostas de noticiar fenômenos idênticos
Um ápice de...
8
Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014
Cliff Mass
O climatologista Cliff Mass pediu seriedade à imprensa: “As alegaçõ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Psicose ambiental e comunismo no brasil

400 visualizações

Publicada em

Refletir a temática ambiental sob foco político.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
400
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
179
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicose ambiental e comunismo no brasil

  1. 1. 1 Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014 PSICOSE AMBIENTAL E COMUNISMO NO BRASIL Calor e seca no Brasil: pânicos verdes e socialismo “vermelho” não abafam a ciência e o bom senso Calor e seca no Brasil nada têm a ver com aquecimento global e outros mitos ecologistas O intenso calor e a estiagem dos últimos meses levou o Brasil a quase igualar os recordes de 70 anos atrás quando não havia “aquecimento global antropogênico”, nem preocupação com o CO2, nem ecologistas agitando o ambiente com suas teorias. O fenômeno serviu também para avaliar a facilidade com que os exageros “verdes” são acolhidos pela mídia simpatizante. Mas, felizmente, também serviu para ouvir mais uma vez o bom senso de cientistas objetivos. Pânico e socialismo Do lado catastrofista, por exemplo, o jornalista Washington Novaes reproduziu velhos chavões: “Há muitas décadas numerosos estudos científicos vêm alertando para a gravidade e o agravamento progressivo das mudanças, para a necessidade de implantar sem perda de tempo políticas e programas de “mitigação” e “adaptação” a essas transformações. “Mas têm encontrado pela frente o ceticismo — quando não o descaso. Ou a crença nas avaliações dos chamados “céticos do clima” (O Estado de S.Paulo, 14.02.2014) Testemunhos em seu favor não faltam e o distinto jornalista não hesitou em apelar aos mais mirabolantes: Militante ambientalista na Rio+20
  2. 2. 2 Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014 “Estudiosos como sir Nicholas Stern dizem que o aumento da temperatura no mundo será de 4 a 5 graus até o fim do século. “James Lovelock, autor da “teoria Gaia”, chega a prever (Rolling Stone, novembro de 2013) que “a raça humana está condenada” a perder mais de 5 bilhões da população até 2100, com o Saara invadindo a Europa, Berlim tornando-se mais quente do que Bagdá. “A temperatura subirá 8 graus na América do Norte e na Europa. “Segundo a Organização Mundial de Meteorologia, “não haverá pausa no aumento da temperatura”; cada década será mais quente. “Michael Bloomberg, o bilionário ex-prefeito de Nova York, sugere o fechamento imediato de todas as minas de carvão mineral, a maior fonte de poluição — mas por aqui já pusemos em atividade as nossas termoelétricas a carvão, as mais poluidoras e mais caras. “Não adianta mais exorcizar os que os “céticos” chamavam de “profetas do Apocalipse”. Nem fechar os olhos à realidade”. O autor propôs, como é de praxe no alarmismo, metas inatingíveis, como se o homem fosse capaz de domesticar a atmosfera, o sol, os oceanos, os ventos e tudo quanto o supera de modo incalculável. Após a utopia, ele voltou à proposta “verde”: socialismo, dirigismo estatal, combate à propriedade privada e denúncia do consumo no campo e na cidade. “Temos de conceber e adotar com muita urgência um plano nacional para o clima. Que incluaregras rigorosas para a ocupação do solo, impeça o desmatamento, promova a recuperação de áreas, proteja os recursos hídricos. “Obrigue os administradores públicos a tratar com urgência também do solo urbano e que nos imponha repensar nossa matriz energética. “É preciso conferir prioridade absoluta às fontes de energia “limpas” e renováveis. Avançar com a energia eólica, já competitiva e ainda desprezada. Estimular os formatos de energia solar, que avançam a toda a velocidade no mundo”. Qual é a esperança que essa proposta nos traz? As energias alternativas estão apresentando prestações pífias, como temos noticiado largamente em nosso blog. “Voltar a conferir preferência às energias de biomassas, inclusive ao álcool, em que o Brasil foi pioneiro e agora importa dos Estados Unidos. “Este é o caminho do futuro: o desenvolvimento local, com microgeração de energia. “Sem concentrar a propriedade, sem concentrar a renda”. Em suma, a marcha certa para a frustração, o socialismo e a miséria. Seca e calor: Velhos conhecidos no Brasil Xico Graziano (O Estado de S.Paulo, 18.02.2014) nos falou de algo bem conhecido e sensato: no Brasil faz calor, acontecem secas, e em certas ocasiões são recorde. Tecnologias imaturas não trouxeram a solução prometida
  3. 3. 3 Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014 “Anda em busca de explicações o inusitado fenômeno climático. Prato cheio para o catastrofismo ecológico. “Estrilam sua voz os que apregoam o fim do mundo pela nefasta ação do homem sobre o meio ambiente. “Na teoria das mudanças climáticas, o efeito antrópico sobrepõe-se às causas naturais. “No caso brasileiro, por exemplo, supõe-se que até o final deste século a floresta amazônica se transforme numa savana, um bioma áridosemelhante ao cerrado do Centro-Oeste. Nesta região, inversamente, passaria a chover mais. Vai saber. “Pode ser que as mudanças climáticas e a ocupação humana estejam afetando o regime de chuvas. Seca, porém, não é privilégio contemporâneo. “Na História da humanidade verificam-se terríveis períodos com pronunciada falta d’água. Sua repetida ocorrência é arrolada por Jared Diamond entre as explicações do colapso da civilização maia. “Falar em seca aqui, no Brasil, lembra o Nordeste. Vem de longe o recorrente problema. O primeiro relato da falta de chuvas na região é de 1583, descrito pelo padre Fernão Cardim, então apiedado pelo sofrimento dos índios do sertão. “Quase dois séculos depois, entre 1877 e 1879, parte importante dos moradores de Fortaleza pereceu em devastadora seca que afetou especialmente o Ceará. “De tempos em tempos o nordestino padece no tórrido chão. Há dois anos, metade do gado bovino morreu no semi-árido, durante a maior seca dos últimos 50 anos. “Os eventos históricos mostram, à farta, que muito antes de os cientistas se preocuparem com o meio ambiente as secas já danificavam economias e arrasavam populações.” Um meteorologista fala: Ponderada e séria explicação do calor e da seca de 2014 devemos a Paulo Etchichury, diretor da Somar, empresa de análise do clima (O Estado de S.Paulo, 02.04.2014). Em entrevista ao jornal explicou por que o calor e a seca destes meses não tem relação com as mudanças climáticas, mas faz parte de ciclos naturais de altas e de baixas na temperatura do Oceano Pacífico. “O calor que vimos neste início de ano é um fenômeno eventual ou pode se repetir? “Estamos no que se chama de Oscilação Decadal do Pacífico — decadal porque envolve décadas, em ciclos de aproximadamente 30 anos. “De 1975 a 2005, o Pacífico esteve mais tempo quente do que frio. Isso provocou mais chuva no Centro-Sul do Brasil e invernos mais amenos. “Agora há um consenso na comunidade científica de que voltamos ao padrão registrado entre 1945 e 1975, quando o Pacífico ficou mais tempo frio. “Não há, então, relação com as mudanças climáticas? “A Oscilação Decadal do Pacífico é um ciclo natural, que não tem nenhuma relação com o fenômeno conhecido como mudanças climáticas. “Então teremos de nos preparar para uma nova realidade pelos próximos 25 anos?
  4. 4. 4 Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014 “Sim. O mais importante é abandonar o paradigma de que, se tivermos uma seca, a estação chuvosa vai repor os reservatórios de água, os lençóis freáticos e a umidade do solo. “Não temos mais essa garantia e precisamos nos preparar para isso.” As afirmações do meteorologista não tem a estridência midiática dos exageros apocalípticos “verdes” nem das drásticas “soluções” socialistas e estatistas “vermelhas”. Suas palavras transmitem a honestidade da ciência não manipulada com viés ideológico e trazem a tranquilidade e o equilíbrio que o Brasil precisa tanto no momento. Energias “verdes” fizeram sistema elétrico europeu fracassar, diz a França Revista satírica “A aberração” ironiza no artigo “Saiamos da era nuclear” o retrocesso que trazem as “energias alternativas” e o abandono das energias eficazes, limpas e desenvolvidas como a nuclear. O Comissariado Geral para Estratégia e Prospectiva, órgão dependente do Primeiro Ministro francês, concluiu que a “Europa da Energia” está em crise, fato aliás bem conhecido, mas não reconhecido oficialmente até agora. A novidade está em que um relatório oficial teve a coragem de sinalizar a causa do fracasso: as “energias alternativas”: o “pacote clima-energia” criado pela União Europeia em 2008 com o objetivo de impressionar o público. Segundo o referido pacote, em 2020 a emissão de gazes estufa seria reduzida em 20 %, a eficácia energética aumentaria 20% e as “energias renováveis” verdes atenderiam a 20% do consumo. Porém, observou o relatório do Comissariado francês, esses objetivos se apoiavam em previsões errôneas. A UE sonhava com a liderança mundial em energias verdes sem perda de lucros e com a renovação dos estilos de vida de centenas de milhões de seus cidadãos que, se tivessem sabido o que estava sendo planejado, nunca teriam aprovado. Por isso, aliás, também nunca foram consultados. Agora, foi-se o sonho. Chegou a hora de confessar a realidade constatada. As promessas não tinham fundamento e nenhuma delas se efetivou. Pior, a revolução do xisto, tão odiada pelos verdes nos EUA, já está afetando o mercado mundial de energia. Aumentou o uso do carvão, sempre mais barato pela competência do gás de xisto. Por outro lado, a opinião pública mundial não marchou como um exército de escravos da propaganda ambientalista na enganosa estrada de “preservar o clima do planeta”. A UE não foi capaz de produzir os equipamentos e as instalações que tornariam viáveis as “energias renováveis” e os investidores fugiram delas. Pior ainda, para os lares europeus o custo da eletricidade cresceu por volta de 27 % entre 2008 e 2013. Ele duplicou numa década na Alemanha, um país que de início foi entusiasta das “energias verdes”.
  5. 5. 5 Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014 As subvenções estatais às “energias renováveis” distorceram os preços da eletricidade, degradando a rentabilidade das geradoras convencionais e impedindo sua necessária renovação. Passeata verde contra usina nuclear suíça em 2010. Agora o futuro energético da Europa corre perigo Em poucas palavras, ficaram velhas, endividadas, precisando investir maciçamente para atender às necessidades previsíveis daqui a poucos anos. Mas a crise bloqueia as fontes de financiamento. O Comissariado apelou para três economistas de primeira linha a fim de proporem uma solução: o prof. Marc Oliver Bettzüge, diretor geral do Instituto de Economia de Energia da Universidade de Colônia; o prof. Dieter Helm, da Universidade de Oxford; e o prof. Fabien Roques, da Universidade Paris-Dauphine e vice-presidente de Compass Lexecon. Com base em suas contribuições, o Comissariado elaborou um relatório para o futuro da UE. Porém, as conclusões são decepcionantes. Em poucas palavras: mais do mesmo e, se possível, pior ainda. Entre as ideias “originais” para resolver o problema gravíssimo que se avolumou sobre a Europa, o relatório fixa como objetivo primeiro – leia-se único escreve, o jornal pró-socialista “Le Monde” – a redução da emissão de CO2. A proposta é de que a racionalidade energética e o desenvolvimento das “energias alternativas” fiquem submetidas às exigências do combate ao CO2. O plano também propõe uma infinidade de medidas dirigistas e amplos desenvolvimentos burocráticos, além de tentar melhorar as tecnologias “não maduras” – leia-se, sem gracejo, verdes. “Você está congelando? Culpa do aquecimento global, óbvio!” – verdes aquecem demais Vórtice polar atinge Plattsmouth, Nebraska Um “vórtice polar” avançou sobre grande parte do território dos EUA fazendo descer as temperaturas até -50º. As cataratas do Niágara gelaram parcialmente e as perdas estão sendo calculadas em bilhões de dólares.
  6. 6. 6 Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014 Malgrado a intensidade do fenômeno, ele nada tem a ver com a tendência ao esfriamento global que os cientistas objetivos vêm registrando há anos. Trata-se de um fenômeno extraordinário já verificado em outras oportunidades, com maior intensidade até. Entretanto, grande parte da opinião pública americana considera o fenômeno como um cruel desmentido da natureza à furada teoria do “aquecimento global”. Este posicionamento, na realidade, não tem base científica, mas sim um poderoso fundamento psicológico que funciona assim: “como pode ser que o planeta esteja aquecendo quando mais da metade dos EUA está paralisado por um espantoso ‘vórtice polar’”? Os militantes ambientalistas sentiram na pele a força desta reação puramente psicológica. Vórtice polar congela parcialmente a queda de Niágara Afinal de contas eles não se interessam tanto pela ciência, mas apenas tencionam manipulá-la para jogar a opinião pública contra o “capitalismo”, a “civilização industrial”, o “progresso” e outras realidades que contradizem seus sonhos anarco-socialistas. Sentiram eles, então, a necessidade de manipularem mais uma vez argumentos científicos para tentar desfazer essa reação psicológica. Mas, o que dizer para ludibriar a opinião pública americana nesse ponto? Difícil responder. O certo que para surpresa de todos, ativistas “verdes” de ONGs, mídia e centros científicos, não acharam nada melhor que pôr a causa no ‘aquecimento global’, nas ‘mudanças climáticas’ e outros slogans cada vez mais gastos. Para a opinião pública isso soou como o auge do desatino: “congelamos porque o mundo aquece? Estão doidos?” Não estão doidos, eles têm uma “religião” que lhes exige professar absurdos, se isso serve para abalar a civilização ocidental. QUESTIONAMENTOS: 1. Você incentiva o uso de “energias limpas”? Por que? 2. O que você espera para seu futuro dos seus governantes? 3. Por que a submissão dos povos, da humanidade a certas ideologias é tão buscada de tempos em tempos na nossa história?
  7. 7. 7 Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014 1974 e 2014: duas maneiras opostas de noticiar fenômenos idênticos Um ápice de contradição foi atingido pela revista “Time” de nomeada mundial. Um de seus principais redatores, Bryan Walsh, chegou a profetizar que não só este mais outros auges de frio acontecerão por culpa do aquecimento global gerado pela civilização. O viés desinformador da “Time” ficou evidente pelo fato que em 1974 quando um fenômeno semelhante atingiu os EUA, a revista noticiou-o como anunciador do “esfriamento global”. O título do artigo da revista já o diz tudo “Another Ice Age?” (“Outra era glaciar?”, segunda-feira, 24 de junho de 1974). Mas, os ridículos não pararam por ai. O meteorologista Eric Holthaus que havia anunciado que iria se esterilizar em 2013, para ajudar a salvar o planeta, proclamou no Twitter: “Sim você pode agradecer o ‘aquecimento global’ por ter nos oferecido este ‘vórtice polar’”. O Weather Channel, reconhecendo que publicava uma afirmação “contra intuitiva” citou cientistas que defendem a mesma inacreditável montagem do espantoso esfriamento causado pelo aquecimento. A ousadia do absurdo por vezes confunde as inteligências honestas que não concebem que possa se chegar a tais estouvamentos. Felizmente cientistas categorizados refutaram essas interpretações distorcidas por um viés ideológico e puseram as coisas em seu lugar. O Dr. Will Happer, premiado professor de Física da Universidade de Harvard declarou: “Os ‘vórtices polares’ tem estado por ai desde sempre. Eles não têm quase nada a ver com algum aumento do CO2 na atmosfera”. Também o meteorologista Dr. Ryan Maue repeliu a suposição absurda: “Esta história do ‘vórtice polar é a mais recente mensagem de ‘Snapchat’ (aplicativo para rede social): após alguns segundos a explicação se desfaz”. O blog Real Science sublinhou o disparate de atribuir o frio ao calor e o sem-sentido de dizer que o aquecimento do Ártico é que gerou o ‘vórtice polar?’: “Como é que alguém pode dizer que o Ártico está se aquecendo rapidamente e ao mesmo tempo produzindo frios recordes? Como é que um frente de ar com uma temperatura de -65ºF pode resultar de um gelo que está derretendo? Essas afirmações são ridículas para além da compreensão humana. A extensão da superfície do Ártico está normal. A neve no Hemisfério Norte está atingindo recordes”. A climatóloga Judith Curry, professora catedrática na School of Earth & Atmospheric Sciences do Instituto de Tecnologia da Universidade de Geórgia, respondeu categoricamente ao disparate: “O aquecimento global, causando o ‘Vórtice Polar’? Numa só palavra: NO”.
  8. 8. 8 Prof.: Vanildo Tonetto Edição: 30/05/2014 Cliff Mass O climatologista Cliff Mass pediu seriedade à imprensa: “As alegações que nós ouvimos esta semana, no sentido de que o ‘efeito estufa’ gera mais ondas de frio, realmente, aparecem como desprovidas de qualquer fundamento na observação e na teoria. A mídia precisa parar com esse argumento insustentável”. Cliff Mass acrescentou ainda: “Todos esses relatos falsos estão produzindo danos substanciais, fazendo com que muitos americanos acreditem que o aquecimento global está tornando cada vez mais extremo nosso clima invernal, quando a evidência observacional sugere que não há nada disso. Um dia, alguns sociólogos vão ter que estudar esta ocorrência e os elementos psicológicos que nos jogaram nisso”. Nós, não acreditamos que se trate de alguma patologia a ser tratada pela medicina ou pela psiquiatria. QUESTIONAMENTOS: Comunismo: É uma ideologia política e socioeconômica, que pretende promover o estabelecimento de uma sociedade igualitária, sem classes sociais e apátrida, baseada na propriedade comum e no controle dos meios de produção. Socialismo: Refere-se a qualquer uma das várias teorias de organização econômica, advogando a administração, e a propriedade pública ou coletiva dos meios de produção, e distribuição de bens e de uma sociedade caracterizada pela igualdade de oportunidades/meios para todos os indivíduos, com um método igualitário de compensação. Atualmente, teorias socialistas são partes de posições da esquerda política, relacionadas com as atuações de Estado de bem-estar social. Capitalismo: Sistema econômico em que os meios de produção e distribuição são de propriedade privada e com fins lucrativos; decisões sobre oferta, demanda, preço, distribuição e investimentos não são feitos pelo governo, os lucros são distribuídos para os proprietários que investem em empresas e os salários são pagos aos trabalhadores pelas empresas. É dominante no mundo ocidental desde o final do feudalismo. 1. Quais as três principais condutas aparentemente aberrantes do ambientalismo radical, que acabam por obedecerem a uma religião ecológica e igualitária. 2. O que são mudanças climáticas? Como elas interferem na vida das pessoas? 3. O Brasil está isento do comunismo verde? O que isto pode implicar na sua vida diária? 4. Descreva e represente o ciclo da chuva. O que faz com que chova em determinada região e outra ocorra seca? 5. Defina uma situação corriqueira considerada castigo divino. Como isto impacta no comportamento das pessoas afetadas por tal castigo divino (tragédias ocasionadas por intempéries climáticas)? 6. Sabe-se que no Brasil, está tramitando ocultamente aos olhos da população, no congresso a discussão que restringe o direito à propriedade a todos os cidadãos brasileiros (PEC). Caso aprovado, efetiva-se em sua totalidade no Brasil o Comunismo. Quais as cinco principais consequências na sua vida e da sociedade? Como você acha que a população irá responder a estas maquinações políticas? 7. Você acha o Comunismo um bom sistema político econômico de governo? Quais as vantagens e as desvantagens? Caso ache o sistema impróprio a existência da dignidade e liberdade humana o que pode-se fazer para evitar que se efetive o comunismo no Brasil?

×