SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
1
ACORDO DA COP 21 NÃO É SUFICIENTE PARA SALVAR O PLANETA
TERRA DA MUDANÇA CLIMÁTICA CATASTRÓFICA
Fernando Alcoforado*
Depois de vários anos de negociações, impasses, avanços tímidos e fracassos, 195
países e a União Europeia produziram na COP 21 em Paris um acordo global que define
como a humanidade combaterá o aquecimento global nas próximas décadas. Pela
primeira vez, cada país do mundo se compromete a reduzir as emissões de gases do
efeito estufa, fortalecer a resiliência (capacidade de voltar ao seu estado natural,
principalmente após uma situação crítica e fora do comum) e se unir em uma causa
comum para combater a mudança climática. O acordo não tem caráter legal para todas
as metas, como queria a maioria.
O acordo da COP 21 é composto por um documento de 31 páginas. Ele contém um
texto de 12 páginas, o Acordo de Paris, e uma decisão que detalha como o acordo será
executado. Juntos, os dois documentos formam uma espécie de manual de reorientação
da economia mundial. Eles sinalizam, ainda que de forma muito preliminar, que a farra
desbragada das emissões de gases de efeito estufa precisa chegar ao fim em algum
momento do século XXI. Para os otimistas, o acordo representa o fim da era dos
combustíveis fósseis.
O objetivo declarado do Acordo de Paris é o de conter o aumento da temperatura média
global em bem menos do que 2 o
C acima dos níveis pré-industriais e envidar esforços
para limitar o aumento de temperatura a 1,5 o
C acima dos níveis pré-industriais,
reconhecendo que isso reduziria de maneira significativa os riscos e os impactos da
mudança climática. A menção à meta de 1,5 o
C surgiu graças à ação conjunta dos países
insulares, que serão condenados à extinção no longo prazo pelo aumento do nível do
mar resultante de um aquecimento de 2 o
C.
Como as metas de redução de emissões de gases do efeito estufa apresentadas são
incapazes de segurar a temperatura no patamar necessário, foi decidido que será preciso
fazer ajustes nelas a cada cinco anos, a partir de 2023. Esses ajustes precisariam de um
referencial, que não foi considerado no texto do Acordo de Paris. O Acordo de Paris
prevê também que os países ricos se comprometam com o desembolso de pelo menos
US$ 100 bilhões por ano a partir de 2020 para projetos de redução de emissões nos
países emergentes e confirma que os países em desenvolvimento poderão ampliar a base
dos doadores no futuro, ainda que de maneira voluntária.
Dois aspectos fundamentais não foram considerados no Acordo de Paris: 1) o objetivo
de longo prazo de descarbonizar a economia em 2050 ou de cortar no mínimo 70% das
emissões mundiais de gases-estufa até a metade do século XXI; e, 2) a meta de
temperatura não vem acompanhada de um roteiro dizendo como o mundo pretende
chegar a menos de 2 o
C ou a 1,5 o
C, o que enfraquece a perseguição desse alvo. Em
outras palavras, a COP 21 produziu um acordo que é, na prática, uma mera carta de
intenção.
Percebe-se, portanto, que o Acordo de Paris não resolve as questões fundamentais, além
de as metas voluntárias indicadas por cada uma das nações somadas não serem
2
suficientes para garantir que o aquecimento global fique bem abaixo de 2 graus Celsius,
rumo ao 1,5 grau Celsius até o ano 2100. Além disso, o documento é omisso ao não
apresentar propostas que contribuam para a construção de um modelo de
desenvolvimento sustentável em nosso planeta em substituição ao insustentável modelo
de desenvolvimento capitalista existente e para a construção de um mundo de paz que se
contraponha às guerras que proliferam pelo mundo. O modelo de desenvolvimento
capitalista em vigor e as guerras são os maiores responsáveis pelo comprometimento do
meio ambiente do planeta.
Há 140 anos, Karl Marx já tinha alertado em O Capital para as consequências
destruidoras para o meio ambiente do então recente modo de produção capitalista. Marx
afirmou que “cada progresso da agricultura capitalista é não só um progresso na arte de
espoliar o trabalhador, mas também na arte de espoliar o solo; cada progresso no
aumento de sua fertilidade dentro de um dado prazo é também um progresso na ruína
das fontes duradouras desta fertilidade. Quanto mais um país, como, por exemplo, os
Estados Unidos, tem como base de seu desenvolvimento a grande indústria, tanto mais
rápido será tal processo de destruição. A produção capitalista, portanto, apenas
desenvolve a técnica e a combinação do processo social de produção, minando,
simultaneamente, as fontes de todas as riquezas: a terra e o operário” (K. Marx. O
Capital, Vol. I. São Paulo: Boi tempo Editora, 2013).
O capitalismo é um sistema econômico que se baseia na propriedade privada dos meios
de produção. Para movimentar recursos, produzir e lucrar mais, acumulando mais e
mais capital, as empresas capitalistas consomem e destroem recursos naturais em busca
do crescimento e do lucro como pré-requisito fundamental para que o sistema capitalista
continue em expansão. O capitalismo destrói para voltar a se impulsionar. É indiscutível
que houve um enorme avanço no nível de bem-estar médio dos habitantes do planeta
Terra a partir da Revolução Industrial na Inglaterra em 1760. No entanto, muito disso
foi conquistado à custa do uso desordenado dos recursos naturais, principalmente para
gerar a energia necessária baseada em combustíveis fósseis que sustentou o crescimento
econômico capitalista. Hoje, a natureza já está cobrando o seu preço, bastando observar
os impactos resultantes das mudanças climáticas que tendem a se tornar catastróficas.
Para mudar essa situação e colocar um fim às constantes mudanças climáticas que
ameaçam de destruição nosso planeta e a humanidade, é necessário promover uma
profunda transformação da atual sociedade. A insustentabilidade do modelo de
desenvolvimento capitalista em vigor é evidente haja vista que tem sido extremamente
destrutivo das condições de vida no planeta. Diante deste fato, é um imperativo a
substituição do atual modo capitalista de produção dominante em todo o planeta por
outro modo de produção que leve em conta o homem integrado com o meio ambiente,
com a natureza, isto é, o modelo de desenvolvimento sustentável. Isto não foi
considerado na COP 21.
Outra questão não abordada na COP 21 diz respeito às guerras, também grande
responsável pelo comprometimento do meio ambiente do planeta, as quais se proliferam
pelo mundo e servem para alavancar o capitalismo. Entre as inúmeras consequências
funestas das guerras, estão os efeitos devastadores sobre o meio ambiente. Os
bombardeios de alvos militares e de populações civis, o intenso movimento de veículos
militares e tropas, a grande concentração de voos de combates, os mísseis jogados sobre
3
cidades e a destruição de estruturas militares e industriais durante todos esses conflitos
também provocam a emissão de metais pesados e outras substâncias que contaminam o
solo, a água e o ar. Além da contaminação ambiental é necessário considerar ainda a
modificação das paisagens naturais e a perda da biodiversidade, a longo prazo, seja pela
presença de minas terrestres ou agentes químicos dispersados no ambiente. Isto não foi
considerado, também, na COP 21.
Finalmente, é importante ressaltar que o Acordo de Paris é omisso, também, no que
concerne à construção de um sistema de governabilidade no planeta que seja capaz de
assegurar o reordenamento da economia mundial que está levando o mundo à
depressão, do meio ambiente do planeta ameaçado pelas mudanças climáticas
catastróficas e das relações internacionais que se agravam a cada dia alimentando a
proliferação de guerras. Diante dessas graves omissões da COP 21, pode-se afirmar que
muito dificilmente teremos sucesso na tentativa de evitar as mudanças catastróficas no
clima do planeta Terra no século XXI. James Lovelock, renomado cientista, diz que o
aquecimento global é irreversível e que será uma época sombria em que mais de 6
bilhões de pessoas vão morrer neste século. Em outras palavras, Lovelock afirma que a
raça humana está condenada devendo conviver com os quatro Cavaleiros do Apocalipse
- guerra, fome, pestilência e morte (Ver o artigo Aquecimento global é inevitável e 6 bi
morrerão, diz cientista disponível no website
http://rollingstone.uol.com.br/edicao/14/aquecimento-global-e-inevitavel-e-6-bi-
morrerao-diz-cientista#imagem0). Infelizmente, o Acordo de Paris não possibilita evitar
este cenário traçado por James Lovelock.
* Fernando Alcoforado, 76, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em
Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor
universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento
regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São
Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo,
1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do
desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,
http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel,
São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era
Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social
Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG,
Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora,
Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global
(Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do
Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012) e Energia no Mundo e no Brasil-
Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questões ambientais e desenvolvimento sustentável
Questões ambientais e desenvolvimento sustentávelQuestões ambientais e desenvolvimento sustentável
Questões ambientais e desenvolvimento sustentável
José Nascimento
 
Comece nota de imprensa junho de 2012
Comece nota de imprensa   junho de 2012Comece nota de imprensa   junho de 2012
Comece nota de imprensa junho de 2012
Cdjp Aveiro
 
Sustentabilidade, Ecologia e O Petróleo no Brasil
Sustentabilidade, Ecologia e  O Petróleo no BrasilSustentabilidade, Ecologia e  O Petróleo no Brasil
Sustentabilidade, Ecologia e O Petróleo no Brasil
Alfredo Moreira
 
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
Laercio Bruno
 
As grandes conferências internacionais
As grandes conferências internacionaisAs grandes conferências internacionais
As grandes conferências internacionais
Almir
 

Mais procurados (18)

Meio ambiente questoes
Meio ambiente questoesMeio ambiente questoes
Meio ambiente questoes
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Questões ambientais e desenvolvimento sustentável
Questões ambientais e desenvolvimento sustentávelQuestões ambientais e desenvolvimento sustentável
Questões ambientais e desenvolvimento sustentável
 
Texto final traduzido conferencia mundial de los pueblos sobre el cambio cl...
Texto final traduzido   conferencia mundial de los pueblos sobre el cambio cl...Texto final traduzido   conferencia mundial de los pueblos sobre el cambio cl...
Texto final traduzido conferencia mundial de los pueblos sobre el cambio cl...
 
Questões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneasQuestões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneas
 
NOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTAL NOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTAL
 
Comece nota de imprensa junho de 2012
Comece nota de imprensa   junho de 2012Comece nota de imprensa   junho de 2012
Comece nota de imprensa junho de 2012
 
O ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energiaO ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energia
 
Sustentabilidade, Ecologia e O Petróleo no Brasil
Sustentabilidade, Ecologia e  O Petróleo no BrasilSustentabilidade, Ecologia e  O Petróleo no Brasil
Sustentabilidade, Ecologia e O Petróleo no Brasil
 
Meio ambiente - Resumo
Meio ambiente - ResumoMeio ambiente - Resumo
Meio ambiente - Resumo
 
Questão ambiental
Questão ambientalQuestão ambiental
Questão ambiental
 
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
 
Histórico das COPs
Histórico das COPs Histórico das COPs
Histórico das COPs
 
Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.
 
Rio+20, economia verde
Rio+20, economia verdeRio+20, economia verde
Rio+20, economia verde
 
Ambiental - Limites da sustentabilidade
Ambiental - Limites da sustentabilidadeAmbiental - Limites da sustentabilidade
Ambiental - Limites da sustentabilidade
 
As grandes conferências internacionais
As grandes conferências internacionaisAs grandes conferências internacionais
As grandes conferências internacionais
 
Questão ambiental.
Questão ambiental.Questão ambiental.
Questão ambiental.
 

Destaque

Destaque (16)

The melancholic end of disastrous workers party era
The melancholic end of disastrous workers party eraThe melancholic end of disastrous workers party era
The melancholic end of disastrous workers party era
 
How china promoted its economic development
How china promoted its economic developmentHow china promoted its economic development
How china promoted its economic development
 
Public debt may lead brazil to economic collapse
Public debt may lead brazil to economic collapsePublic debt may lead brazil to economic collapse
Public debt may lead brazil to economic collapse
 
Os impasses econômicos e políticos do brasil
Os impasses econômicos e políticos do brasilOs impasses econômicos e políticos do brasil
Os impasses econômicos e políticos do brasil
 
How to combat and defeat the modern totalitarianism
How to combat and defeat the modern totalitarianismHow to combat and defeat the modern totalitarianism
How to combat and defeat the modern totalitarianism
 
The totalitarianism throughout of the history of humanity
The totalitarianism throughout of the history of humanityThe totalitarianism throughout of the history of humanity
The totalitarianism throughout of the history of humanity
 
Science and advances in education systems
Science and advances in education systemsScience and advances in education systems
Science and advances in education systems
 
Como a china promoveu seu desenvolvimento econômico
Como a china promoveu seu desenvolvimento econômicoComo a china promoveu seu desenvolvimento econômico
Como a china promoveu seu desenvolvimento econômico
 
A ciência e os avanços da medicina
A ciência e os avanços da medicinaA ciência e os avanços da medicina
A ciência e os avanços da medicina
 
New york and neoliberalism
New york and neoliberalismNew york and neoliberalism
New york and neoliberalism
 
Is it possible accomplishing the national development independent
Is it possible accomplishing the national development independentIs it possible accomplishing the national development independent
Is it possible accomplishing the national development independent
 
Geração de energia com fontes renováveis
Geração de energia com fontes renováveisGeração de energia com fontes renováveis
Geração de energia com fontes renováveis
 
Pec 241 threatening the development of brazil
Pec 241 threatening the development of brazilPec 241 threatening the development of brazil
Pec 241 threatening the development of brazil
 
As eleições presidenciais nos estados unidos e o futuro das relações internac...
As eleições presidenciais nos estados unidos e o futuro das relações internac...As eleições presidenciais nos estados unidos e o futuro das relações internac...
As eleições presidenciais nos estados unidos e o futuro das relações internac...
 
Science and advances of the knowledge in economics
Science and advances of the knowledge in economicsScience and advances of the knowledge in economics
Science and advances of the knowledge in economics
 
China education system
China education systemChina education system
China education system
 

Semelhante a Acordo da cop 21 não é suficiente para salvar o planeta terra da mudança climática catastrófica

COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
Faga1939
 
a-geopolitica-da-energia-de-baixo-carbono
a-geopolitica-da-energia-de-baixo-carbonoa-geopolitica-da-energia-de-baixo-carbono
a-geopolitica-da-energia-de-baixo-carbono
Leonam Guimarães
 
Apresentação cf 2011
Apresentação cf 2011Apresentação cf 2011
Apresentação cf 2011
mlfmlopes
 
Questões ambientais globais
Questões ambientais globaisQuestões ambientais globais
Questões ambientais globais
Edenilson Morais
 

Semelhante a Acordo da cop 21 não é suficiente para salvar o planeta terra da mudança climática catastrófica (20)

Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
 
Questão Ambiental
Questão AmbientalQuestão Ambiental
Questão Ambiental
 
A crise ambiental - Seminário Integrado - CCTA
A crise ambiental - Seminário Integrado - CCTAA crise ambiental - Seminário Integrado - CCTA
A crise ambiental - Seminário Integrado - CCTA
 
Apostila aquecimento global1
Apostila  aquecimento global1Apostila  aquecimento global1
Apostila aquecimento global1
 
Aula Geografia QuestäEs Ambientais
Aula Geografia QuestäEs AmbientaisAula Geografia QuestäEs Ambientais
Aula Geografia QuestäEs Ambientais
 
O Acordo de Paris por Jorge Moreira - Revista O Instalador jan fev 2016
O Acordo de Paris por Jorge Moreira - Revista O Instalador jan fev 2016O Acordo de Paris por Jorge Moreira - Revista O Instalador jan fev 2016
O Acordo de Paris por Jorge Moreira - Revista O Instalador jan fev 2016
 
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
 
Texto final traduzido conferencia mundial de los pueblos sobre el cambio cl...
Texto final traduzido   conferencia mundial de los pueblos sobre el cambio cl...Texto final traduzido   conferencia mundial de los pueblos sobre el cambio cl...
Texto final traduzido conferencia mundial de los pueblos sobre el cambio cl...
 
Meio ambiente e sustentabilidade aula
Meio ambiente e sustentabilidade aulaMeio ambiente e sustentabilidade aula
Meio ambiente e sustentabilidade aula
 
Alterações climáticas e a grande aceleração de Jorge Moreira, Revista O Insta...
Alterações climáticas e a grande aceleração de Jorge Moreira, Revista O Insta...Alterações climáticas e a grande aceleração de Jorge Moreira, Revista O Insta...
Alterações climáticas e a grande aceleração de Jorge Moreira, Revista O Insta...
 
a-geopolitica-da-energia-de-baixo-carbono
a-geopolitica-da-energia-de-baixo-carbonoa-geopolitica-da-energia-de-baixo-carbono
a-geopolitica-da-energia-de-baixo-carbono
 
EM DEFESA DE UMA NOVA SOCIEDADE NO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE
EM DEFESA DE UMA NOVA SOCIEDADE NO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTEEM DEFESA DE UMA NOVA SOCIEDADE NO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE
EM DEFESA DE UMA NOVA SOCIEDADE NO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE
 
Meio Ambiete e Susentabilidade Digital Didático.pdf
Meio Ambiete e Susentabilidade Digital Didático.pdfMeio Ambiete e Susentabilidade Digital Didático.pdf
Meio Ambiete e Susentabilidade Digital Didático.pdf
 
Meio Ambiente E PolíTica Internacional
Meio Ambiente E PolíTica InternacionalMeio Ambiente E PolíTica Internacional
Meio Ambiente E PolíTica Internacional
 
Climate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do Clima
Climate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do ClimaClimate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do Clima
Climate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do Clima
 
Nada a comemorar no dia mundial do meio ambiente
Nada a comemorar no dia mundial do meio ambienteNada a comemorar no dia mundial do meio ambiente
Nada a comemorar no dia mundial do meio ambiente
 
Apresentação cf 2011
Apresentação cf 2011Apresentação cf 2011
Apresentação cf 2011
 
RI
RIRI
RI
 
Questões ambientais globais
Questões ambientais globaisQuestões ambientais globais
Questões ambientais globais
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 

Mais de Fernando Alcoforado

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
Fernando Alcoforado
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
Fernando Alcoforado
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
Fernando Alcoforado
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
Fernando Alcoforado
 

Mais de Fernando Alcoforado (20)

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
 
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
 

Acordo da cop 21 não é suficiente para salvar o planeta terra da mudança climática catastrófica

  • 1. 1 ACORDO DA COP 21 NÃO É SUFICIENTE PARA SALVAR O PLANETA TERRA DA MUDANÇA CLIMÁTICA CATASTRÓFICA Fernando Alcoforado* Depois de vários anos de negociações, impasses, avanços tímidos e fracassos, 195 países e a União Europeia produziram na COP 21 em Paris um acordo global que define como a humanidade combaterá o aquecimento global nas próximas décadas. Pela primeira vez, cada país do mundo se compromete a reduzir as emissões de gases do efeito estufa, fortalecer a resiliência (capacidade de voltar ao seu estado natural, principalmente após uma situação crítica e fora do comum) e se unir em uma causa comum para combater a mudança climática. O acordo não tem caráter legal para todas as metas, como queria a maioria. O acordo da COP 21 é composto por um documento de 31 páginas. Ele contém um texto de 12 páginas, o Acordo de Paris, e uma decisão que detalha como o acordo será executado. Juntos, os dois documentos formam uma espécie de manual de reorientação da economia mundial. Eles sinalizam, ainda que de forma muito preliminar, que a farra desbragada das emissões de gases de efeito estufa precisa chegar ao fim em algum momento do século XXI. Para os otimistas, o acordo representa o fim da era dos combustíveis fósseis. O objetivo declarado do Acordo de Paris é o de conter o aumento da temperatura média global em bem menos do que 2 o C acima dos níveis pré-industriais e envidar esforços para limitar o aumento de temperatura a 1,5 o C acima dos níveis pré-industriais, reconhecendo que isso reduziria de maneira significativa os riscos e os impactos da mudança climática. A menção à meta de 1,5 o C surgiu graças à ação conjunta dos países insulares, que serão condenados à extinção no longo prazo pelo aumento do nível do mar resultante de um aquecimento de 2 o C. Como as metas de redução de emissões de gases do efeito estufa apresentadas são incapazes de segurar a temperatura no patamar necessário, foi decidido que será preciso fazer ajustes nelas a cada cinco anos, a partir de 2023. Esses ajustes precisariam de um referencial, que não foi considerado no texto do Acordo de Paris. O Acordo de Paris prevê também que os países ricos se comprometam com o desembolso de pelo menos US$ 100 bilhões por ano a partir de 2020 para projetos de redução de emissões nos países emergentes e confirma que os países em desenvolvimento poderão ampliar a base dos doadores no futuro, ainda que de maneira voluntária. Dois aspectos fundamentais não foram considerados no Acordo de Paris: 1) o objetivo de longo prazo de descarbonizar a economia em 2050 ou de cortar no mínimo 70% das emissões mundiais de gases-estufa até a metade do século XXI; e, 2) a meta de temperatura não vem acompanhada de um roteiro dizendo como o mundo pretende chegar a menos de 2 o C ou a 1,5 o C, o que enfraquece a perseguição desse alvo. Em outras palavras, a COP 21 produziu um acordo que é, na prática, uma mera carta de intenção. Percebe-se, portanto, que o Acordo de Paris não resolve as questões fundamentais, além de as metas voluntárias indicadas por cada uma das nações somadas não serem
  • 2. 2 suficientes para garantir que o aquecimento global fique bem abaixo de 2 graus Celsius, rumo ao 1,5 grau Celsius até o ano 2100. Além disso, o documento é omisso ao não apresentar propostas que contribuam para a construção de um modelo de desenvolvimento sustentável em nosso planeta em substituição ao insustentável modelo de desenvolvimento capitalista existente e para a construção de um mundo de paz que se contraponha às guerras que proliferam pelo mundo. O modelo de desenvolvimento capitalista em vigor e as guerras são os maiores responsáveis pelo comprometimento do meio ambiente do planeta. Há 140 anos, Karl Marx já tinha alertado em O Capital para as consequências destruidoras para o meio ambiente do então recente modo de produção capitalista. Marx afirmou que “cada progresso da agricultura capitalista é não só um progresso na arte de espoliar o trabalhador, mas também na arte de espoliar o solo; cada progresso no aumento de sua fertilidade dentro de um dado prazo é também um progresso na ruína das fontes duradouras desta fertilidade. Quanto mais um país, como, por exemplo, os Estados Unidos, tem como base de seu desenvolvimento a grande indústria, tanto mais rápido será tal processo de destruição. A produção capitalista, portanto, apenas desenvolve a técnica e a combinação do processo social de produção, minando, simultaneamente, as fontes de todas as riquezas: a terra e o operário” (K. Marx. O Capital, Vol. I. São Paulo: Boi tempo Editora, 2013). O capitalismo é um sistema econômico que se baseia na propriedade privada dos meios de produção. Para movimentar recursos, produzir e lucrar mais, acumulando mais e mais capital, as empresas capitalistas consomem e destroem recursos naturais em busca do crescimento e do lucro como pré-requisito fundamental para que o sistema capitalista continue em expansão. O capitalismo destrói para voltar a se impulsionar. É indiscutível que houve um enorme avanço no nível de bem-estar médio dos habitantes do planeta Terra a partir da Revolução Industrial na Inglaterra em 1760. No entanto, muito disso foi conquistado à custa do uso desordenado dos recursos naturais, principalmente para gerar a energia necessária baseada em combustíveis fósseis que sustentou o crescimento econômico capitalista. Hoje, a natureza já está cobrando o seu preço, bastando observar os impactos resultantes das mudanças climáticas que tendem a se tornar catastróficas. Para mudar essa situação e colocar um fim às constantes mudanças climáticas que ameaçam de destruição nosso planeta e a humanidade, é necessário promover uma profunda transformação da atual sociedade. A insustentabilidade do modelo de desenvolvimento capitalista em vigor é evidente haja vista que tem sido extremamente destrutivo das condições de vida no planeta. Diante deste fato, é um imperativo a substituição do atual modo capitalista de produção dominante em todo o planeta por outro modo de produção que leve em conta o homem integrado com o meio ambiente, com a natureza, isto é, o modelo de desenvolvimento sustentável. Isto não foi considerado na COP 21. Outra questão não abordada na COP 21 diz respeito às guerras, também grande responsável pelo comprometimento do meio ambiente do planeta, as quais se proliferam pelo mundo e servem para alavancar o capitalismo. Entre as inúmeras consequências funestas das guerras, estão os efeitos devastadores sobre o meio ambiente. Os bombardeios de alvos militares e de populações civis, o intenso movimento de veículos militares e tropas, a grande concentração de voos de combates, os mísseis jogados sobre
  • 3. 3 cidades e a destruição de estruturas militares e industriais durante todos esses conflitos também provocam a emissão de metais pesados e outras substâncias que contaminam o solo, a água e o ar. Além da contaminação ambiental é necessário considerar ainda a modificação das paisagens naturais e a perda da biodiversidade, a longo prazo, seja pela presença de minas terrestres ou agentes químicos dispersados no ambiente. Isto não foi considerado, também, na COP 21. Finalmente, é importante ressaltar que o Acordo de Paris é omisso, também, no que concerne à construção de um sistema de governabilidade no planeta que seja capaz de assegurar o reordenamento da economia mundial que está levando o mundo à depressão, do meio ambiente do planeta ameaçado pelas mudanças climáticas catastróficas e das relações internacionais que se agravam a cada dia alimentando a proliferação de guerras. Diante dessas graves omissões da COP 21, pode-se afirmar que muito dificilmente teremos sucesso na tentativa de evitar as mudanças catastróficas no clima do planeta Terra no século XXI. James Lovelock, renomado cientista, diz que o aquecimento global é irreversível e que será uma época sombria em que mais de 6 bilhões de pessoas vão morrer neste século. Em outras palavras, Lovelock afirma que a raça humana está condenada devendo conviver com os quatro Cavaleiros do Apocalipse - guerra, fome, pestilência e morte (Ver o artigo Aquecimento global é inevitável e 6 bi morrerão, diz cientista disponível no website http://rollingstone.uol.com.br/edicao/14/aquecimento-global-e-inevitavel-e-6-bi- morrerao-diz-cientista#imagem0). Infelizmente, o Acordo de Paris não possibilita evitar este cenário traçado por James Lovelock. * Fernando Alcoforado, 76, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012) e Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015).