Cf 2011

202 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
202
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cf 2011

  1. 1. Celebração abre a CF-2011Campanha alerta para os problemas ambientas que ameaçam a vida no planeta Uma Celebração Eucarística realizada no dia 09 de março, às 18h15min, naCatedral de Florianópolis, marcará a abertura da Campanha da Fraternidade de2011 na Arquidiocese de Florianópolis. Como o tema “Fraternidade e Vida noPlaneta”, e lema “A criação geme em dores de parto” (Rm 8, 22), a CFpretende alertar para as ações do homem que tem provocado a destruição domeio ambiente e, em consequência, a destruição da vida na Terra. A celebração será presidida por Dom Murilo Krieger, AdministradorApostólico da Arquidiocese de Florianópolis e Arcebispo nomeado para aArquidiocese de Salvador, na Bahia. Ao final, será realizada a imposição dasCinzas. Antes, no mesmo dia, às 14h30, Dom Murilo concederáentrevista coletiva à imprensa no Auditório da Cúria Metropolitana,sobre a CF-2011. A Campanha tem como objetivos “contribuir para o aprofundamento dodebate e busca de caminhos de superação dos problemas ambientaisprovocados pelo aquecimento global e seus impactos sobre as condições davida no planeta” (Texto-Base da CF-2011). Usufruir sem destruir Para Dom Murilo, ao criar o ser humano, a ordem do Senhor era para que ohomem e a mulher submetessem a terra, dominando sobre os peixes do mar, asaves do céu e todos os animais que se movem pelo chão (cf. Gn 1,28), não paraque deles usufruísse egoisticamente e os destruísse. Afinal, uma geração deveentregar à outra um planeta melhor, mais saudável e agradável, e não uma terratransformada em deserto, rios sem vida e ambientes poluídos. “Individualmente, pouco poderemos fazer para reverter a situação atual denosso planeta. Mas, à medida que as comunidades cristãs e as pessoas de boavontade se conscientizarem sobre a gravidade do aquecimento global e dasmudanças climáticas, e sentirem-se motivadas a participar de debates e açõesque visem enfrentar o problema, na tentativa de preservar as condições de vidano planeta, poderemos ter esperança de que a situação de nosso mundomelhorará. O que está em causa é a própria vida humana”, refletiu DomMurilo. História Esta é a 47ª Campanha da Fraternidade desde que foi criada em 1964. Aconscientização sobre o aquecimento global e as mudanças climáticas estáentre os principais objetivos da Campanha. A busca de ações que preservem avida no planeta é outra meta da CF. Não é a primeira vez que a Campanha da Fraternidade aborda o tema meioambiente. Em 1979, a Campanha discutiu o tema “Por um mundo mais humano– Preserve o que é de todos”; em 2004, “Fraternidade e Água – Água, fonte de
  2. 2. vida”; e, em 2007, a Amazônia foi lembrada: “Fraternidade e Amazônia – vidae missão neste chão”. Sessão Especial na ALESC Uma sessão especial na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, ALESC,em Florianópolis, no dia 14 de março, às 19h, celebrará a Campanha daFraternidade de 2011. O evento é uma proposição da equipe de coordenação daCF, através do deputado Pe. Pedro Baldissera. O evento será realizado no Plenário da Assembleia. “Todas as lideranças daArquidiocese são convidadas se fazerem presentes no evento”, disse Adelir daSilva Raup, coordenadora da CF na Arquidiocese. Na oportunidade, Dom Murilo receberá uma homenagem especial daALESC, pelos seus nove anos de episcopado à frente da Arquidiocese deFlorianópolis. Efeitos da ação do homem contra a natureza em números A Organização das Nações Unidas (ONU) estima a existência de 50 milhões de “migrantes do clima”. São pessoas que estão fugindo de seus locais de origem por conta, sobretudo, da escassez de água. É o que ainda hoje acontece com os nossos irmãos nordestinos. A Organização Mundial da Saúde estima que 13% da população mundial (900 milhões) vivem sem acesso à água potável, e 39% (2,6 milhões) não dispõem de saneamento básico. Na América Latina, 85 milhões de pessoas não têm água potável e 115 milhões vivem sem saneamento básico. Isso é responsável direto pela morte de 1,5 milhão de crianças com menos de cinco anos de idade, vitimadas por diarréia. Um dos mais perceptíveis efeitos da ação do homem contra o meio ambiente é sentido na temperatura. Há cem anos a temperatura na superfície do planeta era de 14,5ºC, hoje é de 15ºC. Embora pareça pequena, 0,5ºC traz grandes e drásticas alterações no clima. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), ligado à ONU, formado por cientistas do mundo inteiro e de várias áreas do conhecimento, apontou que de 1750 (início do processo de industrialização do mundo) a 2006, a temperatura média da terra aumentou 0,74ºC. As consequências são o degelo do Ártico, da Antártida, e das montanhas, secas mais longas, chuvas mais fortes e mais enchentes, e aumento no nível do mar. Dados do IPCC de 2007 indicam que as recentes mudanças são maiores do que as ocorridas no clima no últimos 1.300 anos. Entre 1995 e 2006, o mundo teve 11 dos 12 anos mais quentes já registrados para a temperatura na superfície da Terra. A maior parte do aquecimento se deve a atividades humanas nos últimos 50 anos (fonte IPCC). O relatório afirma que continuarmos como estamos, a temperatura na superfície da Terra deve aumentar em cerca de 2,4ºC até 2050, mesmo se a humanidade mudar se padrão de produção e consumo imediatamente. Caso contrário, pode chegar a 4ºC. O resultado será elevação dos mares em até 0,60cm, em virtude do derretimento de geleiras, tempestades, furações, enchentes sempre mais intensas e secas ainda mais amplas e prolongadas.
  3. 3.  No século XX a população mundial quadruplicou . Hoje ultrapassa os 6,5 bilhões de pessoas. Estima-se que até 2050, seremos 9 bilhões. Por conta das transformações que provocamos na Terra, há quem diga que estamos entrando em uma nova era geológica, o “antropoceno”. A água é essencial para a vida e boa parte da sua poluição está relacionada ao modo de produção industrial e ao nosso consumo. Estima-se que a produção de um de quilo de café requer 20 mil litros de água, um hambúrguer de 100 gramas, 11 mil, e um jeans, 8 mil. São produtos que utilizam água na irrigação ou na produção industrial e o resíduos (agrotóxicos, solventes, colorantes...) são despejados no meio ambiente. O ser humano consome hoje 800 metros cúbicos per capita ao ano, na seguinte proporção: irrigação 70%; indústria 20%; e domicílios 10%. O chamado agronegócio é o responsável pelo consumo e desperdício de 70% da água doce do mundo. O seu meio de produção desmata impiedosamente, os fertilizantes, além de contaminarem lagos e rios, já são causadores de zonas mortas nas águas marítimas litorâneas. O efeito estufa é provocado sobretudo graças a concentração de dióxido de carbônico (CO2) na atmosfera. A maior fonte de emissão desse gás está na utilização de combustíveis fósseis, principal fonte energética no mundo. Em 2007, 80% do fornecimento de energia para as economias e os lares vinha de combustíveis fósseis, na seguinte proporção: petróleo 34,4%; carvão 26%, gás 20,5%. A biodiversidade que conhecemos foi se constituindo ao longo de mais de três bilhões de anos e estima-se que haja 10 milhões de espécies na Terra, das quais apenas um décimo é conhecido. A biodiversidade encontra-se seriamente ameaçada. Mesmo sendo difícil precisar a taxa de extinção, estima-se que esteja cem vezes mais alta que a do passado geológico. Fonte: Texto-Base da Campanha da Fraternidade 2011, CNBB Mais informações pelo fone (48) 8405-6578, com o jornalista ZulmarFaustino.

×