QUÍMICANoções de Química Geral
VISÃO GERAL E FINALIDADE• Descobrir como surgiu o conceito Atômico;• Conhecer os modelos Atômicos propostos durante a hist...
DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA1210 8 6 4 2 0      História                     Aplicação                       Atividade   ...
AVALIAÇÃO E EXERCÍCIOS                                            Valor   Trabalho   Exercícios• Trabalho – Redação sobre ...
CONTEÚDOS• História do Átomo                  Linus                                    Pauling                            ...
INTRODUÇÃOQUÍMICA
QUÍMICA―Na Natureza nada se perde, nada se cria; a matéria apenas se transforma‖.                                         ...
CONTEÚDOSHISTÓRIA DO ÁTOMO
ÁTOMO   DEMÓCRITO   O filósofo grego Demócrito (460-370 a.C.) imaginou a matéria   formada por pequenas partículas indivis...
ANTOINE LAURENT DE LAVOISIER                                                  SINTESE BIOGRAFICA                         N...
ANTOINE LAURENT DE LAVOISIERLei de Lavoisier ouLei da Conservação da Massa ouLei da Conservação da MatériaPor exemplo:veri...
ANTOINE LAURENT DE LAVOISIERLei de Lavoisier ouLei da Conservação da Massa ouLei da Conservação da MatériaA lei de Lavoisi...
JOSEPH LOUIS PROUST                                                    SINTESE BIOGRAFICA                        Nasceu em...
JOSEPH LOUIS PROUSTLei de ProustQuase na mesma época de Lavoisier, Joseph Louis Proust, efetuando tambémuma grande série d...
JOSEPH LOUIS PROUSTLei de ProustPor exemplo:Observa-se que o gás carbônico é sempre formado por carbono e oxigênio, e veri...
JOSEPH LOUIS PROUSTO que podemos Concluir da Lei de Proust?Veja que:Na 1ª experiência, a proporção entre as massas é de 3 ...
JOHN DALTON                                              SINTESE BIOGRAFICA                           Nasceu em Eaglesfiel...
JOHN DALTONModelo Atômico de DaltonTodo e qualquer tipo de matéria é formado por partículas indivisíveis, chamadas átomos....
JOHN DALTONHojeO que Sabemos?Hoje, sabemos que os átomos podem ser divididos. Mas esse fato só começou a serobservado, exp...
JOHN DALTONPor ExemploComposto que denominamos de Água, é:                                           O H        H         ...
JOSEPH JOHN THOMSON                                               SINTESE BIOGRAFICA                           Filho de um...
PUDIM DE PASSAS
JOSEPH JOHN THOMSONO modelo atômico de Thomson explicava satisfatoriamente os seguintes fenômenos: 1. Eletrização por atri...
ERNEST RUTHERFORD                                             SINTESE BIOGRAFICA                          Nasceu em Nelson...
ERNEST RUTHERFORD A EXPERIÊNCIA                      FEIXE DE PARTICULAS ALFAPOLÔNIO    CAIXA DE CHUMBO                   ...
ERNEST RUTHERFORD ENTENDENDO A EXPERIÊNCIA Rutherford viu-se obrigado a admitir que a lâmina de ouro não era constituída d...
ERNEST RUTHERFORDMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORDCom base no experimento feito Rutherford chegou a algumas conclusões:1) Os gr...
ERNEST RUTHERFORDMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORDEm resumo, o átomo seria semelhante ao sistema solar:O núcleo representaria o...
ERNEST RUTHERFORDMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORDSurge uma pergunta:Se o núcleo atômico é formado por partículas positivas, po...
ERNEST RUTHERFORDFORÇA FORTE                  ÁTOMO (~10-10 m)EXEMPLO:                                                    ...
DAVID BOHR                                              SINTESE BIOGRAFICA                          Nasceu em Copenhague, ...
DAVID BOHR                                       CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICAOs chamados postulados de Bohr: os elétrons se mov...
DESCOBERTAS POSTERIORESESTUDOS POSTERIORESEstudos posteriores mostraram que as órbitas eletrônicas de todos os átomos conh...
DESCOBERTAS POSTERIORESESTUDOS POSTERIORESDevido à dificuldade de se prever a posição exata de um elétron na eletrosfera, ...
LINUS PAULING                                             SINTESE BIOGRAFICA                      Nasceu nos Estados Unido...
LINUS PAULING                       Número máximo de                                               2    6     10    14    ...
LINUS PAULINGENTENDENDO O DIAGRAMAComo vimos no slide anterior foi percorrido as diagonais, no sentido indicado, colocando...
LINUS PAULINGDISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICAA distribuição eletrônica nos íons é semelhante à dos átomos neutros. No entanto, é im...
LINUS PAULINGDISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICAQuando o átomo de ferro perde 2 elétrons e se transforma no íon Fe2+, este terá a segu...
REDAÇÃO                                • DEVE SER MANUSCRITO;                                • ESCREVER EM LETRA DE FORMA,...
1)   ONDE TEVE INICIO A HISTÓRIA DO ÁTOMO E COMO?QUESTIONÁRIO                            2)   QUEM FOI ANTOINE LAURENT DE ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Uma breve História do Átomo

5.883 visualizações

Publicada em

Plano de aula sobre uma breve História do Átomo.

Publicada em: Educação
3 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.883
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
3
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uma breve História do Átomo

  1. 1. QUÍMICANoções de Química Geral
  2. 2. VISÃO GERAL E FINALIDADE• Descobrir como surgiu o conceito Atômico;• Conhecer os modelos Atômicos propostos durante a história;• Entender qual é a base da matéria;• Compreender o avanço cientifico ;• Entender porque a Química é uma das bases da humanidade.
  3. 3. DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA1210 8 6 4 2 0 História Aplicação Atividade Átomo Tabela Períodica Ligações Químicas
  4. 4. AVALIAÇÃO E EXERCÍCIOS Valor Trabalho Exercícios• Trabalho – Redação sobre a História do Átomo (para casa) 100% 2 2 Entrega 0,5 0,5• Questionário (em sala) Total 2,5 2,5
  5. 5. CONTEÚDOS• História do Átomo Linus Pauling Antoine • Antoine Laurent de Lavoisier Laurent de Lavoisier • Joseph Louis Proust Joseph David Louis • John Dalton; Bohr Proust • Joseph John Thomson Átomo (Demócrito) • Ernest Rutherford; Ernest John • David Bohr; Rutherford Dalton • Linus Pauling Joseph John Thomson
  6. 6. INTRODUÇÃOQUÍMICA
  7. 7. QUÍMICA―Na Natureza nada se perde, nada se cria; a matéria apenas se transforma‖. Antoine Laurent de LavoisierPOR EXEMPLO:Observando a queima de um pedaço de carvão, temos a impressão de que ele desaparece. Essa impressão, porém, está errada —estamos nos esquecendo da matéria que escapa nas chamas, durante a combustão.Quando uma esponja de aço se enferruja, sua massa aumenta. Será que houve ―criação‖ de matéria? Não. Ocorre que o oxigênio do arreage com o ferro da esponja, durante o enferrujamento, produzindo aumento na massa total da esponja de aço.Isso nos ensina que a Química faz parte do nosso cotidiano. Química é o quenos cerca, o que respiramos, comemos, bebemos, vemos e tocamos.
  8. 8. CONTEÚDOSHISTÓRIA DO ÁTOMO
  9. 9. ÁTOMO DEMÓCRITO O filósofo grego Demócrito (460-370 a.C.) imaginou a matéria formada por pequenas partículas indivisíveis denominadas átomos (do grego, a, não; tómos, pedaços). Mas, foram as idéias de outro filósofo que prevaleceram por séculos: ARISTÓTELES Para Aristóteles (384-322 a.C.) tudo o que existia no Universo era formado a partir de quatro elementos fundamentais: terra, água, fogo e ar. De acordo com essa idéia e com o esquema ao lado, estavam associadas ao fogo, por exemplo, as qualidades seco e quente, e à água, as qualidades frio e úmido.
  10. 10. ANTOINE LAURENT DE LAVOISIER SINTESE BIOGRAFICA Nasceu em Paris, em 1743. Filho de família rica, recebeu educação esmerada e exerceu vários cargos públicos. Foi membro da Academia de Ciências da França e é considerado um dos fundadores da Química Moderna. Devido às suas ligações com o regime político anterior, Lavoisier foi condenado pela Revolução Francesa e executado na guilhotina em 1794, aos 51 anos de idade. CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICANo final do século XVIII, o cientista Antoine Lavoisier realizou uma série de experiências em recipientes fechados (para que não entrassenem escapasse nada do sistema em estudo) e, efetuando pesagens com balanças mais precisas do que as dos cientistas anteriores,concluiu que:No interior de um recipiente fechado, a massa total não varia, quaisquer que sejam as transformações que venham a ocorrer. Tal afirmativaé uma lei da Natureza, descoberta por Lavoisier e que, por esse motivo, ficou conhecida como lei de Lavoisier (ou lei da conservação damassa, ou lei da conservação da matéria).
  11. 11. ANTOINE LAURENT DE LAVOISIERLei de Lavoisier ouLei da Conservação da Massa ouLei da Conservação da MatériaPor exemplo:verifica-se que 3 gramas de carbono reagem com 8 gramas de oxigênio, produzindo 11 gramas de gás carbônico. Como 3 g "8 g % 11 g, conclui-se que nada se perdeu. 3g C 4g O 4g O 4g O + 3g C + 4g O = 11 g 8g O
  12. 12. ANTOINE LAURENT DE LAVOISIERLei de Lavoisier ouLei da Conservação da Massa ouLei da Conservação da MatériaA lei de Lavoisier, portanto, pode ser enunciada também da seguinte maneira: A soma das massas antes da reação é igual à soma das massas após a reação. Ou ainda: Na natureza, nada se perde, nada se cria; a matéria apenas se transforma.
  13. 13. JOSEPH LOUIS PROUST SINTESE BIOGRAFICA Nasceu em Angers, França, em 1754. Estudou Química e Farmácia e foi chefe da farmácia do Hospital de Salpetrière, em Paris. Em 1789, fugindo da Revolução Francesa, mudou-se para a Espanha. Em 1801 formulou a lei das proporções constantes, que foi combatida por cientistas da época — só em 1808 reconheceu-se que a razão estava em Proust. Sua lei ajudou a fortalecer, na Química, a ideia do átomo. Morreu em sua cidade natal, em 1826. CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICAOs trabalhos desenvolvidos pelo químico francês Joseph Louis Proust (1754-1826) nessa área, o levaram a formular, em 1797,a lei das proporções fixas ou definidas, a qual traduz o fato de sempre se encontrar a mesma proporção numérica entre asmassas dos constituintes de determinada substância composta, independente de qualquer modo de preparação da substância.Ou seja, agora era possível medir a proporção entre as massas dos componentes da substância e essa medida resultava semprena comparação de números inteiros, nunca fracionários. Isso significou que a lei de Proust estabeleceu uma maneira experimentalpara comprovar razoavelmente a hipótese atômica, tanto para admitir a existência do átomo como para garantir a suaindivisibilidade, tal qual imaginara Democritus.
  14. 14. JOSEPH LOUIS PROUSTLei de ProustQuase na mesma época de Lavoisier, Joseph Louis Proust, efetuando tambémuma grande série de pesagens em inúmeras experiências, chegou à seguinteconclusão: Uma determinada substância composta é formada por substâncias mais simples, unidas sempre na mesma proporção em massa.
  15. 15. JOSEPH LOUIS PROUSTLei de ProustPor exemplo:Observa-se que o gás carbônico é sempre formado por carbono e oxigênio, e verifica-se também que: 11 g de CO2 Gás Carbônico 3g C 4g O 4g O 4g O + 3g C + 4g O = 11 g 8g O 22 g de CO2 Gás Carbônico 8g O 8g O 6g C 8g O + 6g C + 8g O = 22 g 16g O
  16. 16. JOSEPH LOUIS PROUSTO que podemos Concluir da Lei de Proust?Veja que:Na 1ª experiência, a proporção entre as massas é de 3 : 8 : 11.Na 2ª experiência, é de 6 : 16 : 22.No último experimento, os números mudaram, mas obedeceram à relação: 6 é o dobro de 3; 16 é o dobro de8; e 22 é o dobro de 11. Enfim, os números mudaram, mas a proporção é a mesma, como se diz em Matemática. Essa conclusão é chamada de Lei de Proust ou Lei das Proporções Constantes (Fixas ou Definidas). As duas leis enunciadas – a de Lavoisier e a de Proust – são denominadas leis ponderais, porque falam em massa das substâncias envolvidas. São Leis importantíssimas, pois marcam o nascimento da Química com ciência.
  17. 17. JOHN DALTON SINTESE BIOGRAFICA Nasceu em Eaglesfield, Inglaterra, em 1766. Filho de família pobre, dedicou toda a sua vida ao ensino e à pesquisa. Foi professor de Matemática, Física e Química em Manchester. Estudou a deficiência de visão, de que ele próprio sofria, chamada atualmente de daltonismo. Seu principal trabalho deu origem à primeira teoria atômica moderna. CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICAPara explicar os fatos experimentais observados nas Leis de Proust e Lavoisier, o cientista inglês John Dalton imaginou ahipótese de que ―Todo e qualquer tipo de matéria é formado por partículas indivisíveis, chamadas átomos‖. Podemos tambémdizer que Dalton criou um modelo para o átomo, hoje chamado de modelo atômico de Dalton, ou seja, para Dalton, cadaátomo seria uma partícula extremamente pequena, maciça, indivisível e eletricamente neutra.
  18. 18. JOHN DALTONModelo Atômico de DaltonTodo e qualquer tipo de matéria é formado por partículas indivisíveis, chamadas átomos.Por exemplo: Representação esquemática de Grão de Ferro átomos de ferro
  19. 19. JOHN DALTONHojeO que Sabemos?Hoje, sabemos que os átomos podem ser divididos. Mas esse fato só começou a serobservado, experimentado, medido e explicado praticamente um século depois deenunciada a hipótese de Dalton.Na natureza encontramos isoladamente cerca de 90 elementos químicos (átomos) diferentes.Mas, por que temos então uma variedade enorme de matéria?Porque esses átomos, além de permanecerem isolados, podem se reunir das mais variadasmaneiras, formando uma infinidade de agrupamentos diferentes, que podem ser moléculas ouaglomerados de íons.
  20. 20. JOHN DALTONPor ExemploComposto que denominamos de Água, é: O H H O H H H H O H + O + H = H2O H2
  21. 21. JOSEPH JOHN THOMSON SINTESE BIOGRAFICA Filho de um livreiro, nasceu em 1856, em Manchester (Inglaterra). Pretendia ser engenheiro, mas dificuldades financeiras devidas à morte de seu pai o levaram a estudar Matemática, Física e Química. Tornou-se professor em Cambridge, onde organizou o laboratório Cavendish de grande importância nas pesquisas sobre estrutura atômica. Em 1906, recebeu o prêmio Nobel por seus trabalhos envolvendo as propriedades dos elétrons. Faleceu em 1940. CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICAEm 1903, Thomson propôs um novo modelo de átomo, formado por uma ―pasta‖ positiva ―recheada‖ pelos elétrons de carganegativa, o que garantia a neutralidade elétrica do modelo atômico (esse modelo ficou conhecido como ―pudim de passas‖).Começava-se, então, a admitir oficialmente a divisibilidade do átomo e a reconhecer a natureza elétrica da matéria.
  22. 22. PUDIM DE PASSAS
  23. 23. JOSEPH JOHN THOMSONO modelo atômico de Thomson explicava satisfatoriamente os seguintes fenômenos: 1. Eletrização por atrito, entendendo-se que o atrito separava cargas elétricas (parte das positivas em um corpo e igual parte das negativas em outro, como no caso do bastão atritado com tecido); 2. Corrente elétrica, vista como um fluxo de elétrons; 3. Formação de íons negativos ou positivos, conforme tivessem, respectivamente, excesso ou falta de elétrons; 4. Descargas elétricas em gases, quando os elétrons são arrancados de seus átomos (como na ampola de Crookes).
  24. 24. ERNEST RUTHERFORD SINTESE BIOGRAFICA Nasceu em Nelson (Nova Zelândia),em 1871. Foi professor no Canadá e na Inglaterra — nas universidades de Manchester e Cambridge. Trabalhou com ondas eletromagnéticas, raios X,radioatividade e teoria nuclear, e realizou a primeira transmutação artificial.Recebeu o Prêmio Nobel de Química em 1908. Faleceu em 1937. Em sua homenagem,o elemento químico 104 foi chamado de rutherfórdio (Rf). CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICAEm 1911, Rutherford fez uma experiência muito importante, que veio alterar e melhorar profundamente a compreensão domodelo atômico. Ele percebeu que um pedaço do metal polônio emite um feixe de partículas α, que atravessa uma lâminafiníssima de ouro. Rutherford observou, então, que a maior parte das partículas α atravessava a lâmina de ouro como se estafosse uma peneira; apenas algumas partículas desviavam ou até mesmo retrocediam. Como explicar esse fato?
  25. 25. ERNEST RUTHERFORD A EXPERIÊNCIA FEIXE DE PARTICULAS ALFAPOLÔNIO CAIXA DE CHUMBO PAPEL FOTOGRAFICO PLACA FINISSÍMA DE OURO
  26. 26. ERNEST RUTHERFORD ENTENDENDO A EXPERIÊNCIA Rutherford viu-se obrigado a admitir que a lâmina de ouro não era constituída de átomos maciços e justapostos, como pensaram Dalton e Thomson. Ao contrário, ela seria formada por núcleos pequenos, densos e positivos, dispersos em grandes espaços vazios. Veja o esquema abaixo: Partícula DesviadaPartícula que retrocedeu FEIXE DE PARTICULAS ALFA Partícula que retrocedeu Partícula Desviada
  27. 27. ERNEST RUTHERFORDMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORDCom base no experimento feito Rutherford chegou a algumas conclusões:1) Os grandes espaços vazios explicam por que a grande maioria das partículas α não sofre desvios.2) Entretanto, lembrando que as partículas α são positivas, é fácil entender que: no caso de uma partícula α passar próximo deum núcleo (também positivo), ela será fortemente desviada; no caso extremo deu ma partícula α chocar diretamente com umnúcleo, ela será repelida para trás.Surge, porém, uma pergunta:Se o ouro apresenta núcleos positivos, como explicar o fato de a lâmina de ouro ser eletricamente neutra?Para completar seu modelo, Rutherford imaginou que ao redor do núcleo estavam girando os elétrons. Sendo negativos, oselétrons iriam contrabalançara carga positiva do núcleo e garantir a neutralidade elétrica do átomo. Sendo muito pequenos eestando muito afastados entre si, os elétrons não iriam interferir na trajetória das partículas α.
  28. 28. ERNEST RUTHERFORDMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORDEm resumo, o átomo seria semelhante ao sistema solar:O núcleo representaria o Sol; e os elétrons seriam os planetas, girando em órbitas circulares e formando a chamada eletrosfera. - - - + - + - - -
  29. 29. ERNEST RUTHERFORDMODELO ATÔMICO DE RUTHERFORDSurge uma pergunta:Se o núcleo atômico é formado por partículas positivas, por que essas partículas não se repelem e o núcleo não desmorona? Por causa dos nêutrons. - Os nêutrons ―isolam‖ os prótons, evitando suas repulsões e o conseqüente ―desmoronamento‖ do núcleo +N + + N NN NN - Foi assim até se descobrir a força forte. Uma força eletromagnética, invisível que +N N + + mantém os prótons unidos. Descobriu-se que até certo ponto (distância) os prótons se repelem, no entanto, quando bem próximos, existe uma força de atração entre eles maior que a força da própria gravidade, fazendo com que fiquem unidos no núcleo.
  30. 30. ERNEST RUTHERFORDFORÇA FORTE ÁTOMO (~10-10 m)EXEMPLO: QUARKS (<10-18 m) D U - D +N U + + N NN NN - GLÚON +N N + D + D
  31. 31. DAVID BOHR SINTESE BIOGRAFICA Nasceu em Copenhague, Dinamarca, em 1885. Estudou na Dinamarca e na Inglaterra. Foi professor da Universidade e diretor do Instituto de Física Teórica de Copenhague. Por seus trabalhos sobre estrutura atômica, recebeu o Prêmio Nobel de Física de 1922. Estudou a fissão nuclear, contribuindo assim para o desenvolvimento da energia atômica. Faleceu em 1962. Em sua homenagem, o elemento químico 107 recebeu o nome bóhrio (Bh). CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICANiels Bohr aprimorou, em 1913, o modelo atômico de Rutherford, utilizando a teoria de Max Planck. Em 1900, Planck já haviaadmitido a hipótese de que a energia não seria emitida de modo contínuo, mas em ―pacotes‖. A cada ―pacote de energia‖ foidado o nome de quantum. Assim, Bohr concluiu:
  32. 32. DAVID BOHR CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICAOs chamados postulados de Bohr: os elétrons se movem ao redor do núcleo em um número limitado de órbitas bemdefinidas, que são denominadas órbitas estacionárias; movendo-se em uma órbita estacionária, o elétron não emite nemabsorve energia; ao saltar de uma órbita estacionária para outra, o elétron emite ou absorve uma quantidade bem definida deenergia, chamada quantum de energia (em latim, o plural de quantum é quanta).Ao ―voltar‖ de uma órbita mais externa para outra mais interna, o elétron emite um quantum de energia, na forma de luz de corbem definida ou outra radiação eletromagnética, como ultravioleta ou raios X (daí o nome de fóton, que é dado para essequantum de energia).Esses saltos se repetem milhões de vezes por segundo, produzindo assim uma onda eletromagnética, que nada mais é doque uma sucessão de fótons (ou quanta) de energia.Assim, ao modelo atômico de Rutherford, corrigido pelas ponderações de Bohr, foi dado o nome de modelo atômico deRutherford-Bohr.
  33. 33. DESCOBERTAS POSTERIORESESTUDOS POSTERIORESEstudos posteriores mostraram que as órbitas eletrônicas de todos os átomos conhecidos se agrupam em sete camadaseletrônicas, denominadas K, L, M, N, O, P, Q. Em cada camada, os elétrons possuem uma quantidade fixa de energia; poresse motivo, as camadas são também denominadas estados estacionários ou níveis de energia. Além disso, cada camadacomporta um número máximo de elétrons, conforme é mostrado no esquema a seguir: CAMADA --- Nº MÁXIMO DE ELÉTRONS K ---------------------------------------- 2 L ----------------------------------------- 8 M ---------------------------------------- 18 N ----------------------------------------- 32 O ----------------------------------------- 32 P ------------------------------------------ 18 K Q ------------------------------------------ 2 L M N O P Q ORDEM CRESCENTE DE ENERGIA
  34. 34. DESCOBERTAS POSTERIORESESTUDOS POSTERIORESDevido à dificuldade de se prever a posição exata de um elétron na eletrosfera, o cientista Erwin Schrödinger (1926) foi levadoa calcular a região onde haveria maior probabilidade de se encontrar o elétron. Essa região do espaço foi denominada orbital: Orbital é a região do espaço ao redor do núcleo onde é máxima a probabilidade de encontrar um determinado elétron. O elétron fica dentro do orbital (desta nuvem eletrônica). Átomo do Hidrogênio
  35. 35. LINUS PAULING SINTESE BIOGRAFICA Nasceu nos Estados Unidos em1901. Formou-se em Engenharia Química. Doutorou-se no Instituto de Tecnologia da Califórnia e estagiou em várias universidades européias. Em 1927, tornou-se professor do Instituto de Tecnologia da Califórnia e, em 1968, da Universidade Stanford.Seus trabalhos mais importantes versam sobre a estrutura atômica, a natureza das ligações químicas e a estrutura das proteínas. Divulgou o uso da vitamina C no combate ao resfriado e a certos tipos de câncer. Foi um ardoroso pacifista. Recebeu o Prêmio Nobel de Química em 1954 e o Prêmio Nobel da Paz em 1962. Faleceu em 1994 nos Estados Unidos. CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICAO cientista Linus Pauling imaginou um diagrama para realizar a distribuição eletrônica dos elétrons. Esse diagrama ficouconhecido como: Diagrama de Pauling.
  36. 36. LINUS PAULING Número máximo de 2 6 10 14 Número total de elétrons por Subnível elétrons por camadaDIAGRAMA DE PAULING s p d f Átomo de ferro (Z = 26) K 1s² 2 L 2s² 2p6 6 M 3s² 3p6 3d6 10 N 4s² 14 O 26
  37. 37. LINUS PAULINGENTENDENDO O DIAGRAMAComo vimos no slide anterior foi percorrido as diagonais, no sentido indicado, colocando o número máximo de elétronspermitido em cada subnível, até inteirar os 26 elétrons que o ferro possui. De fato, veja que, no último orbital atingido (3d), nóscolocamos apenas seis elétrons, com os quais completamos a soma 26 elétrons, e não 10 elétrons, que é o máximo que umsubnível d pode comportar. Essa é a distribuição dos elétrons num átomo de ferro considerado em seu estado normal ou estadofundamental. Para indicar, de modo abreviado, essa distribuição eletrônica, escrevemos: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d6Reparem que escrevemos os subníveis 1s, 2s, 2p ... em ordem crescente de energia e colocamos um ―expoente‖ para indicar onúmero total de elétrons existente em cada subnível considerado. Evidentemente, a soma dos ―expoentes‖ é igual a 26, que é onúmero total de elétrons do átomo de ferro. Veja também que, somando os ―expoentes‖ em cada linha horizontal, obtemos onúmero total de elétrons existentes em cada camada ou nível eletrônico do ferro. Podemos, então, concluir que a distribuiçãoeletrônica do átomo de ferro, por camadas, é: K = 2; L = 8; M = 14; N = 2
  38. 38. LINUS PAULINGDISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICAA distribuição eletrônica nos íons é semelhante à dos átomos neutros. No entanto, é importante salientar que os elétrons que oátomo irá ganhar ou perder (para se transformar num íon) serão recebidos ou retirados da última camada eletrônica, e não dosubnível mais energético. Assim, por exemplo, o átomo de ferro (número atômico = 26) tem a seguinte distribuição eletrônica: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d6 K = 2; L = 8; M = 14; N = 2Última camada Última camadaSubnível mais energético
  39. 39. LINUS PAULINGDISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICAQuando o átomo de ferro perde 2 elétrons e se transforma no íon Fe2+, este terá a seguinte distribuição eletrônica: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d6 K = 2; L = 8; M = 14Consideremos agora o caso de formação de um íon negativo, digamos, por exemplo, S2-. O enxofre (número atômico = 16) tema seguinte distribuição eletrônica: 1s2 2s2 3p2 3s2 3p4 K = 2; L = 8; M = 6Quando o átomo de enxofre ganha 2 elétrons e se transforma no íon S2-, este terá a seguinte distribuição eletrônica: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 K = 2; L = 8; M = 8
  40. 40. REDAÇÃO • DEVE SER MANUSCRITO; • ESCREVER EM LETRA DE FORMA, Á CANETA; • TÍTULOS DE CANETA PRETA;TEMA: • TEXTO DE CANETA AZUL;POR QUE A QUÍMICA É A BASE DA • DEVE ESTAR ESTRUTURADO COMNOSSA SOCIEDADE? INTRODUÇÃO, DESENVOLVIMETO E CONCLUSÃO; • ENTREGA NO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2012.
  41. 41. 1) ONDE TEVE INICIO A HISTÓRIA DO ÁTOMO E COMO?QUESTIONÁRIO 2) QUEM FOI ANTOINE LAURENT DE LAVOISIER E QUAL FOI SUA CONTRIBUIÇÃO PARA QUÍMICA? 3) QUEM FOI JOSEPH LOUIS PROUST E QUAL FOI SUA CONTRIBUIÇÃO PARA QUÍMICA? 4) QUEM FOI JOHN DALTON E QUAL FOI SUA CONTRIBUIÇÃO PARAPERGUNTAS QUÍMICA?RESPONDA A CANETA AS NOVEQUESTÕES AO LADO: 5) QUEM FOI JOSEPH JOHN THOMSON E QUAL FOI SUA CONTRIBUIÇÃO PARA QUÍMICA? 6) QUEM FOI ERNEST RUTHERFORD E QUAL FOI SUA CONTRIBUIÇÃO PARA Q 7) QUEM FOI DAVID BOHR E QUAL FOI SUA CONTRIBUIÇÃO PARA QUÍMICA? 8) QUEM FOI LINUS PAULING E QUAL FOI SUA CONTRIBUIÇÃO PARA QUÍMICA? 9) POR QUE PODEMOS AFIRMAR QUE A QUÍMICA FAZ PARTE DO NOSSO COTIDIANO?

×