Bases morfofisiológicas da reprodução

2.448 visualizações

Publicada em

Reprodução sexual

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.448
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bases morfofisiológicas da reprodução

  1. 1. TRANSMISSÃO DA VIDA - Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução
  2. 2. Reprodução: processo em que os seres vivos originam outros seres semelhantes, assegurando assim a continuidade da espécie. Como conseguimos garantir a continuidade da vida?
  3. 3. Na espécie humana: Reprodução sexuada Estão envolvidos dois indivíduos de sexos distintos Ocorre a união de duas células sexuais (gâmetas) Dimorfismo sexual Existem dois sexos distintos, o masculino e o feminino, cada um deles portador de um sistema reprodutor (onde são produzidos os gâmetas) com uma morfologia e fisiologia diferentes.
  4. 4. “A transmissão da vida acontece na reprodução, que é uma dimensão da sexualidade.”
  5. 5. O que é a sexualidade? “A OMS define sexualidade como um aspecto central do ser humano, que o acompanha toda a vida e que envolve sexo, identidade, papéis de género, orientação sexual, erotismo, prazer, intimidade e reprodução. A sexualidade é vivida e expressa em pensamentos, fantasias, desejos, crenças, atitudes, valores, comportamentos, práticas, papéis e relações humanas.”
  6. 6. O que é a sexualidade? A sexualidade humana engloba várias dimensões:  Dimensão biológica;  Dimensão psicológica;  Dimensão sociocultural.
  7. 7. Durante a infância… Só é possível distinguir facilmente um rapaz de uma rapariga através dos órgãos sexuais externos (à nascença). Caracteres sexuais primários  Pénis e escroto (meninos)  Vulva (meninas)
  8. 8. Na puberdade… A partir de certa idade (9-13 anos), inicia-se um conjunto de transformações profundas que constituem a fase da puberdade, que marca o início da adolescência. Caracterizada por transformações físicas, psicológicas e sociais. …
  9. 9. Na puberdade… A puberdade é caracterizada por um conjunto de transformações profundas na morfologia, na fisiologia e mesmo no comportamento. Caracteres sexuais secundários
  10. 10. Na puberdade… Caracteres sexuais secundários na rapariga
  11. 11. Transformações físicas • A forma do corpo começa a mudar: - a cintura fica mais fina; - os ossos da bacia alargam-se; - os seios (mamas) crescem. • Crescem os pêlos das axilas e da região púbica • Os órgãos genitais também mudam: - a vagina fica com a parede mais espessa; - o útero aumenta de tamanho. • Dá-se a primeira menstruação ("menarca")
  12. 12. Na puberdade… Caracteres sexuais secundários no rapaz
  13. 13. Transformações físicas - Crescem os pêlos do rosto, das axilas e da região púbica; - A laringe desenvolve-se e a voz muda; - Os ombros alargam e aumenta a massa muscular; - Dá-se o crescimento dos testículos e do pénis; - Surgem as primeiras ejaculações.
  14. 14. Na puberdade… Caracteres sexuais secundários
  15. 15. Na puberdade… • Início das transformações físicas  Desenvolvimento sexual  Início da capacidade reprodutiva
  16. 16. Ciclo de Vida Humano [...] Afinal, continuas a crescer e, como tudo na vida, a adolescência também passa, é uma fase. Uma fase entre ser criança e ser adulto, onde por vezes parece que vos tratam como crianças mas exigem de vós comportamentos de adulto... vais ver que passa... conversa sobre ela, é fácil e ajuda... crescer também tem destas coisas! http://www.juventude.gov.pt (adaptado)
  17. 17. Analisa a seguinte informação. Responde, depois, às questões que se seguem. O aparecimento da puberdade antes dos 9 anos nos rapazes e antes dos 8 anos nas raparigas designa- se “precoce” ou “prematuro”. Este fenómeno deve-se à produção antecipada de hormonas sexuais e é 4 vezes mais frequente nas raparigas, relativamente aos rapazes. O aparecimento de sinais prematuros de puberdade deve ser sempre acompanhado por um médico. 1. Define puberdade. 2. Indica o tempo de duração médio da puberdade. 3. Identifica dois dos caracteres sexuais secundários: 3.1. das raparigas; 3.2. dos rapazes. 4. Refere quando se considera que a puberdade é precoce. 5. Menciona a razão da ocorrência da puberdade precoce. 6.Durante a puberdade surgem, por vezes, conflitos entre os jovens e as pessoas que os rodeiam. Enumera algumas causas desses conflitos.
  18. 18. SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO
  19. 19. Próstata Ânus Bexiga Testículo Canal deferente Uretra Epidídimo Vesícula seminal Glândula de Cowper Pénis Morfologia do Sistema Reprodutor Masculino
  20. 20. Morfologia interna do Pénis Uretra Corpo esponjoso Corpos cavernosos (tecido eréctil) Glande (prolongamento do corpo esponjoso) Glande Corpos cavernosos Corpo esponjoso
  21. 21. Importância da higiene Esmegma - acumulação de secreções entre o prepúcio e a glande. Prepúcio Pénis não circuncidado Pénis circuncidado Morfologia externa do Pénis
  22. 22. Próstata Ânus Bexiga Testículo Escroto Canal deferente Uretra Epidídimo Vesícula seminal Glândula de Cowper Pénis Glande Prepúcio •Gónada •Vias genitais •Glândulas anexas •Órgãos genitais externos Morfologia do Sistema Reprodutor Masculino
  23. 23. 1- Testículos 2- Epidídimo 3- Canal deferente 4- Uretra 5- Vesículas seminais 6- Próstata 7- Pénis Faz a legenda do sistema reprodutor masculino:
  24. 24. Cabeça (contém o núcleo com a informação genética ) Segmento intermédio (responsável pela produção de energia que permite a mobilidade) Cauda (permite a mobilidade) Gâmetas masculinos - Espermatozoides-
  25. 25. Testículos e produção de espermatozoides Canal Deferente Epidídimo Tubo seminífero Células produtoras de testosterona Escroto Células germinativas Testículo Epidídimo Espermatozoides
  26. 26. As células germinativas vão passando por várias fases de desenvolvimento até se formarem os espermatozoides ESPERMATOGÉNESE Célula germinativa Espermatozoide Corte de um tubo seminífero Testículos e produção de espermatozóides Os espermatozoides são produzidos nos tubos seminíferos
  27. 27. Testículos e produção de espermatozóides O funcionamento do sistema reprodutor masculino é contínuo, isto é, o homem produz milhões de espermatozóides por dia, desde a puberdade até, praticamente à sua morte.
  28. 28. Os espermatozoides são produzidos nos tubos seminíferos (testículos). Passam para o epidídimo onde ficam armazenados e sofrem um processo de maturação. Seguem para o canal deferente onde se misturam com as secreções produzidas pela glândula anexa (vesícula seminal) . Vesículas seminais – segregam o líquido seminal, que é rico em nutrientes (nutrição dos espermatozóides). Próstata – segrega líquido prostático que facilita o movimento dos espermatozóides, e neutraliza a acidez da vagina (durante a relação sexual). Glândulas de Cowper – segregam um líquido que neutraliza a acidez da uretra, facilita a passagem do esperma pela uretra e lubrifica a extremidade do pénis. Seguem para a uretra onde se misturam com as secreções produzidas pela próstata. Formação do esperma
  29. 29. Formação do esperma O esperma é um líquido esbranquiçado formado pelos espermatozoides, juntamente com as secreções produzidas pelas vesículas seminais, próstata e glândula de Cowper. A expulsão do esperma designa-se ejaculação.
  30. 30. Curiosidades: A espermatogénese dura cerca de 64 dias; Por dia, os testículos podem produzir cerca de 120 milhões de espermatozóides; Para que um homem seja fértil, deve ter uma concentração mínima de 20 milhões de espermatozóides viáveis por mililitro de esperma; Em cada ejaculação é emitido entre 2 a 5 mL de esperma;  Em cada ejaculação há uma média de 350 a 400 milhões de espermatozóides;  O espermatozóide desloca-se em meio líquido, a uma velocidade de 1 a 4 mm/min;  Os espermatozóides deixados na vagina sobrevivem entre 2 a 4 dias;  Os espermatozóides que não são expulsos pela ejaculação acabam por degenerar e por ser absorvidos pelo organismo.
  31. 31. Regulação hormonal As gónadas, além de produzirem os gâmetas também produzem certas substâncias químicas – hormonas sexuais – que são lançadas no sangue e vão atuar nas células de órgãos que têm receptores para essas hormonas. Gónadas produzem Hormonas sexuais lançadas Sangue Actuam Diversos órgãos
  32. 32. O encéfalo é constituído por: Cérebro Cerebelo Bolbo raquidiano Regulação hormonal A produção de hormonas sexuais pelas gónadas (testículos) é controlada por outras hormonas segregadas por uma glândula situada na zona inferior do encéfalo – a hipófise. Hipotálamo Corpo Caloso Cérebro Hipófise Bolbo raquidiano Cerebelo
  33. 33.  A hormona sexual masculina é a testosterona;  A testosterona é produzida nos testículos. Regulação hormonal no homem Células responsáveis pela produção de testosterona
  34. 34. Funções da testosterona:  Responsável pelo desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários;  Estimula a produção de espermatozoides (espermatogénese). Produção de testosterona ao longo da vida do homem Regulação hormonal no homem
  35. 35. Testículos (gónadas) Tubo seminífero (produção de espermatozoides) Células produtoras Testosterona
  36. 36. SISTEMA REPRODUTOR FEMININO
  37. 37. Ânus Bexiga Ovário Trompa de Falópio Útero Vagina Orifício urinário Uretra Morfologia do Sistema Reprodutor Feminino Colo do Útero
  38. 38. Ânus Bexiga Ovário Trompa de Falópio Útero Vagina Orifício urinário Uretra Clítoris Lábio Orifício genital Vulva Morfologia do Sistema Reprodutor Feminino Colo do Útero
  39. 39. Monte-de-vénus Clítoris Grandes lábios Pequenos lábios Ânus Orifício urinário Orifício genital Vulva Clítoris Orifício urinário Orifício genital Morfologia do Sistema Reprodutor Feminino
  40. 40. Ânus Bexiga Ovário Trompa de Falópio Útero Vagina Orifício urinário Uretra Clítoris Lábio Orifício genital Vulva •Gónada •Vias genitais •Órgãos genitais externos Morfologia do Sistema Reprodutor Feminino Colo do Útero
  41. 41. EXAME DA MAMA
  42. 42. Ovário Trompa de Falópio Útero Vagina Morfologia do Sistema Reprodutor Feminino Faz a legenda do sistema reprodutor feminino:
  43. 43. Gâmetas femininos - Oócitos II ou Ovócitos II- 1º glóbulo polar Citoplasma (abundante e rico em substâncias de reserva) Membrana Zona pelúcida O conjunto de fenómenos que levam à formação dos ovócitos II designa-se oógenese ou ovogénese. A oógenese inicia-se na vida intra-uterina e é interrompida do nascimento até à puberdade. Ovários e produção de ovócitos II
  44. 44. Zona cortical Zona medular Ovários e produção de ovócitos II Folículo primordial Folículo maduroOvócito II Ovários e produção de ovócitos II
  45. 45. Folículo maduro Folículo primordial OVULAÇÃO Ovócito II Ovários e produção de ovócitos II Ovócito II Corpo lúteo Corpo lúteo Ovários e produção de ovócitos II
  46. 46.  Quando a rapariga nasce, os seus ovários já possuem cerca de 2 milhões de folículos primordiais.  Com o nascimento, estes folículos primordiais cessam o seu desenvolvimento e entram numa longa fase de repouso até à puberdade.  Na puberdade, os ovários possuem cerca de 300 a 400 mil folículos primordiais e o seu desenvolvimento é retomado.  Dos 400 mil folículos primordiais existentes no início da puberdade, apenas 400 completam a sua evolução ao longo da vida fértil da mulher. (os restantes degeneram).  Todos os meses é libertado um ovócito II, indo alternando o ovário onde ocorre a ovulação.  A partir da menopausa, deixa de haver desenvolvimento folicular e termina a idade fértil da mulher (50 anos). Ovários e produção de ovócitos II Ovários e produção de ovócitos II
  47. 47. Ciclo sexual ou menstrual Ciclo ovárico (28 dias) dia fase 0 14 28 Fase folicular Ovulação Fase luteínica ou do corpo amarelo Desenvolvimento de alguns folículos, sendo que só um atinge a maturação O folículo maduro rompe a cavidade folicular e a parede do ovário e é libertado o ovócito II (minutos) O folículo de onde saiu o ovócito II inicia o desenvolvimento do corpo lúteo (ou amarelo) 7 21
  48. 48. Ciclo ovárico (28 dias) dia fase 0 14 28 Fase folicular Ovulação Fase luteínica ou do corpo amarelo 217 Ciclo sexual ou menstrual
  49. 49. Ciclo uterino (28 dias) Estrutura do útero Ciclo sexual ou menstrual
  50. 50. Ciclo uterino (28 dias) dia fase 0 14 2821 Fase menstrual 5 Fase proliferativa Fase secretora Hemorragia originada pela degradação do endométrio Ocorre a reconstituição do endométrio (multiplicação celular, reconstituição dos vasos sanguíneos e começam a desenvolver-se glândulas) Ocorre o progressivo desenvolvimento dos vasos sanguíneos e das glândulas do endométrio. Estas tornam-se mais ramificadas e produzem um muco (prepara o útero para receber o embrião) 7 Ciclo sexual ou menstrual
  51. 51. Ciclo uterino (28 dias) Ciclo sexual ou menstrual
  52. 52. dia0 14 28217 Fase menstrual Fase proliferativa Fase secretora Fase folicular Ovulação Fase luteínica Ovário Útero Ciclo ovárico vs ciclo uterino
  53. 53. 0 14 28 Ovário Útero Fase menstrual Fase proliferativa Fase secretora Fase folicular Fase luteínica ou do corpo amarelo 5 Ciclo ovárico vs ciclo uterino
  54. 54. Regulação hormonal O ciclo uterino é controlado pelo ciclo ovárico através da produção de hormonas sexuais femininas – Estrogénios e Progesterona. dia fase 0 14 28 Fase folicular Ovulação Fase luteínica ou do corpo amarelo 217 Os folículos produzem Estrogénios. O corpo amarelo (ou lúteo) produz elevadas quantidades de Progesterona e quantidades mais baixas de Estrogénios.
  55. 55. O ciclo uterino é controlado pelo ciclo ovárico através da produção de hormonas sexuais femininas – Estrogénios e Progesterona dia fase 0 14 28 Fase folicular Ovulação Fase luteínica ou do corpo amarelo 217 Estrogénio Progesterona Regulação hormonal
  56. 56. Ciclo ovárico Fase folicular Fase luteínica Ciclo hormonal Fase menstrual Fase secretora Fase proliferativa Ciclo uterino Estrogénios Progesterona Regulação hormonal
  57. 57. Regulação hormonal Estrogénios Progesterona  Desencadeiam o desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários.  Acentua o espessamento da mucosa uterina, com desenvolvimento dos vasos sanguíneos e das glândulas.  Actuam no endométrio onde: • Estimulam a multiplicação das células da mucosa; • Estimulam o aumento do número de glândulas; • Favorecem o aumento da irrigação sanguínea.  Estimula a secreção de um líquido nutritivo pelas glândulas da mucosa.
  58. 58. Hipotálamo Corpo Caloso Cérebro Hipófise Bolbo raquidiano Cerebelo Regulação hormonal pela hipófise A produção de hormonas sexuais pelas gónadas (ovários) é controlada por outras hormonas segregadas por uma glândula situada na zona inferior do encéfalo – a hipófise. Regulação hormonal
  59. 59. Funcionamento do Sistema Reprodutor Feminino O funcionamento do sistema reprodutor feminino é descontínuo e cíclico. Inicia-se na vida intra-uterina, fica suspenso desde o nascimento até à puberdade onde se retoma, terminando na menopausa.
  60. 60. Sistema reprodutor masculino vs feminino

×