SlideShare uma empresa Scribd logo

Aspectos biológicos da sexualidade

1 de 25
“Aspectos Biológicos do
  desenvolvimento da
     sexualidade”
A sexualidade de um indivíduo
define-se como sendo as suas
preferências, predisposições ou
experiências sexuais, na
experimentação e descoberta da
sua identidade e atividade sexual,
num determinado período da sua
existência.
Sexualidade é essa necessidade de receber e expressar
afeto e contato, que todas as pessoas têm e que traz
sensações prazerosas e gostosas para cada um. Assim,
sexualidade não é apenas sexo, é o toque, o abraço, o
gesto, a palavra que transmite prazer entre pessoas e
que temos desde antes de nascer, na barriga da mãe,
quando bebês e durante toda a vida. Conforme vamos
crescendo, descobrimos também o prazer provocado pelo
contato sexual, através do estímulo que fazemos em nós
mesmos ou com outras pessoas. Essa forma de exprimir a
sexualidade vai se juntar às outras maneiras de contato
que já vinhamos vivendo desde bebês, gerando a
sexualidade adulta.
Sexualidade – é quando falamos e pensamos
sobre nossas sensações, sentimentos e
emoções envolvendo a energia sexual. Para falar
de energia sexual podemos nos referir à libido,
que tem origem no latim e quer dizer “desejo
violento ou luxúria”
Quando falamos ou tratamos de sexualidade estamos
pensando nas energias que são canalizadas no nosso
corpo dessa maneira, isto é, na forma de sexualidade.
Nossos desejos, nossas sensações prazerosas, nossa
compreensão sobre a maneira como sentimos e
lidamos com as questões que envolvem essas
energias. Estamos falando, por exemplo, de como nos
relacionamos sexualmente, de como controlamos os
nossos impulsos relativos ao sexo, de como podemos
expressar a nossa sexualidade publicamente ou
intimamente, de como estas manifestações alteram e
interferem nas nossas vidas, de como sentimos tais
energias nos nossos corpos e de como essa energia
pode ser usada bem ou mau, construtiva ou de maneira
desastrosa.
EVOLUÇÃO DA SEXUALIDADE



Fase evolutiva que abrange a faixa etária
de 10 a 19 anos, onde acontecem
importantes mudanças biopsicossociais
que determinam especificidades
emocionais e comportamentais que
repercutem na saúde sexual e reprodutiva
do ser humano.
Anúncio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAna Filadelfi
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaLeonardo Kaplan
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Bio
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptGiseleTavares18
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaRebeca Vale
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresGabriela de Lima
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida Isabel Lopes
 
Biotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células troncoBiotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células troncoSilvana Sanches
 
2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendelbianca
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Bio
 

Mais procurados (20)

Aula respiração celular
Aula respiração celularAula respiração celular
Aula respiração celular
 
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humana
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.ppt
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
8 ano cap 8
8 ano cap 88 ano cap 8
8 ano cap 8
 
Terra Lua Sol
Terra   Lua  SolTerra   Lua  Sol
Terra Lua Sol
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
 
Misturas 6º ano
Misturas 6º anoMisturas 6º ano
Misturas 6º ano
 
Biotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células troncoBiotecnologia clonagem e células tronco
Biotecnologia clonagem e células tronco
 
Ppt reprodução
Ppt   reproduçãoPpt   reprodução
Ppt reprodução
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
 
Dst 8º ano
Dst   8º anoDst   8º ano
Dst 8º ano
 
Propriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - QuímicaPropriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - Química
 

Semelhante a Aspectos biológicos da sexualidade

Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução  Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução Gaby Veloso
 
fazendo trabalho (Recuperação Automática).docx
fazendo trabalho (Recuperação Automática).docxfazendo trabalho (Recuperação Automática).docx
fazendo trabalho (Recuperação Automática).docxRoseGomes73
 
SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO
SISTEMA REPRODUTOR MASCULINOSISTEMA REPRODUTOR MASCULINO
SISTEMA REPRODUTOR MASCULINOJefferson Gomes
 
Sistemas reprodutores
Sistemas reprodutoresSistemas reprodutores
Sistemas reprodutoresJamaranubia
 
Sistema reprodutor feminino e masculino
Sistema reprodutor feminino e masculinoSistema reprodutor feminino e masculino
Sistema reprodutor feminino e masculinojehssicas
 
aula sistema reprodutor
aula sistema reprodutoraula sistema reprodutor
aula sistema reprodutorcarlotabuchi
 
Fisio mascfem 08/11/12
Fisio mascfem 08/11/12Fisio mascfem 08/11/12
Fisio mascfem 08/11/12valdetepiazera
 
1.Morfofisiologia do sistema reprodutor
1.Morfofisiologia do sistema reprodutor1.Morfofisiologia do sistema reprodutor
1.Morfofisiologia do sistema reprodutorMaria Rocha R
 
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoMarcia Regina
 
Endocrino reproducao feminina
Endocrino reproducao femininaEndocrino reproducao feminina
Endocrino reproducao femininaUnis
 
Endocrino reproducao feminina
Endocrino reproducao femininaEndocrino reproducao feminina
Endocrino reproducao femininaUnis
 
Resumo de ciencias
Resumo de cienciasResumo de ciencias
Resumo de cienciasMarcos Cruz
 
16 ¬ aula slides sistema genital
16 ¬ aula slides sistema genital16 ¬ aula slides sistema genital
16 ¬ aula slides sistema genitalSimone Alvarenga
 
Transmissão da Vida
Transmissão da VidaTransmissão da Vida
Transmissão da Vidacnaturais9
 

Semelhante a Aspectos biológicos da sexualidade (20)

Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução  Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução
 
Reprodução humana 1o ano lara gonçalves
Reprodução humana 1o ano lara gonçalvesReprodução humana 1o ano lara gonçalves
Reprodução humana 1o ano lara gonçalves
 
fazendo trabalho (Recuperação Automática).docx
fazendo trabalho (Recuperação Automática).docxfazendo trabalho (Recuperação Automática).docx
fazendo trabalho (Recuperação Automática).docx
 
SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO
SISTEMA REPRODUTOR MASCULINOSISTEMA REPRODUTOR MASCULINO
SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO
 
Sistemas reprodutores
Sistemas reprodutoresSistemas reprodutores
Sistemas reprodutores
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Sistema reprodutor feminino e masculino
Sistema reprodutor feminino e masculinoSistema reprodutor feminino e masculino
Sistema reprodutor feminino e masculino
 
aula sistema reprodutor
aula sistema reprodutoraula sistema reprodutor
aula sistema reprodutor
 
Aparelho Reprodutor Masculino
Aparelho Reprodutor MasculinoAparelho Reprodutor Masculino
Aparelho Reprodutor Masculino
 
Fisio mascfem
Fisio mascfemFisio mascfem
Fisio mascfem
 
Fisio mascfem 08/11/12
Fisio mascfem 08/11/12Fisio mascfem 08/11/12
Fisio mascfem 08/11/12
 
1.Morfofisiologia do sistema reprodutor
1.Morfofisiologia do sistema reprodutor1.Morfofisiologia do sistema reprodutor
1.Morfofisiologia do sistema reprodutor
 
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
 
Endocrino reproducao feminina
Endocrino reproducao femininaEndocrino reproducao feminina
Endocrino reproducao feminina
 
Endocrino reproducao feminina
Endocrino reproducao femininaEndocrino reproducao feminina
Endocrino reproducao feminina
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
 
Resumo de ciencias
Resumo de cienciasResumo de ciencias
Resumo de ciencias
 
16 ¬ aula slides sistema genital
16 ¬ aula slides sistema genital16 ¬ aula slides sistema genital
16 ¬ aula slides sistema genital
 
Transmissão da Vida
Transmissão da VidaTransmissão da Vida
Transmissão da Vida
 

Mais de Luciano Souza

Eye witness perception
Eye witness perceptionEye witness perception
Eye witness perceptionLuciano Souza
 
Temperament and child's development
Temperament and child's developmentTemperament and child's development
Temperament and child's developmentLuciano Souza
 
Teoria da personalidade de Allport & Cattell
Teoria da personalidade de Allport & CattellTeoria da personalidade de Allport & Cattell
Teoria da personalidade de Allport & CattellLuciano Souza
 
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atualContribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atualLuciano Souza
 
Safeguarding children "managing abuse"
Safeguarding children "managing abuse"Safeguarding children "managing abuse"
Safeguarding children "managing abuse"Luciano Souza
 
Psicologia e arte nos processos de criação
Psicologia e arte nos processos de criaçãoPsicologia e arte nos processos de criação
Psicologia e arte nos processos de criaçãoLuciano Souza
 
Educação século xxi
Educação século xxiEducação século xxi
Educação século xxiLuciano Souza
 
Tecido epitelial glanular
Tecido epitelial glanularTecido epitelial glanular
Tecido epitelial glanularLuciano Souza
 
Filosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaFilosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaLuciano Souza
 
Motivação e comportamento sexual
Motivação e comportamento sexualMotivação e comportamento sexual
Motivação e comportamento sexualLuciano Souza
 

Mais de Luciano Souza (20)

Eye witness perception
Eye witness perceptionEye witness perception
Eye witness perception
 
Temperament and child's development
Temperament and child's developmentTemperament and child's development
Temperament and child's development
 
Theory of mind
Theory of mindTheory of mind
Theory of mind
 
Gender identity
Gender identityGender identity
Gender identity
 
Cerebral palsy
Cerebral palsyCerebral palsy
Cerebral palsy
 
Teoria da personalidade de Allport & Cattell
Teoria da personalidade de Allport & CattellTeoria da personalidade de Allport & Cattell
Teoria da personalidade de Allport & Cattell
 
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atualContribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Safeguarding children "managing abuse"
Safeguarding children "managing abuse"Safeguarding children "managing abuse"
Safeguarding children "managing abuse"
 
Tireoide
TireoideTireoide
Tireoide
 
Psicologia e arte nos processos de criação
Psicologia e arte nos processos de criaçãoPsicologia e arte nos processos de criação
Psicologia e arte nos processos de criação
 
Determinismo
DeterminismoDeterminismo
Determinismo
 
Educação século xxi
Educação século xxiEducação século xxi
Educação século xxi
 
Viagra
ViagraViagra
Viagra
 
Mitocondria
MitocondriaMitocondria
Mitocondria
 
Arte e psicologia[
Arte e psicologia[Arte e psicologia[
Arte e psicologia[
 
Tecido epitelial glanular
Tecido epitelial glanularTecido epitelial glanular
Tecido epitelial glanular
 
Filosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaFilosofia & psicologia
Filosofia & psicologia
 
Motivação e comportamento sexual
Motivação e comportamento sexualMotivação e comportamento sexual
Motivação e comportamento sexual
 
Brain cerebro 3D
Brain   cerebro  3DBrain   cerebro  3D
Brain cerebro 3D
 

Último

NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfMariadeFtimaUchoas
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptRodineiGoncalves
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1MarciaFigueiredodeSo
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 

Último (6)

NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 

Aspectos biológicos da sexualidade

  • 1. “Aspectos Biológicos do desenvolvimento da sexualidade”
  • 2. A sexualidade de um indivíduo define-se como sendo as suas preferências, predisposições ou experiências sexuais, na experimentação e descoberta da sua identidade e atividade sexual, num determinado período da sua existência.
  • 3. Sexualidade é essa necessidade de receber e expressar afeto e contato, que todas as pessoas têm e que traz sensações prazerosas e gostosas para cada um. Assim, sexualidade não é apenas sexo, é o toque, o abraço, o gesto, a palavra que transmite prazer entre pessoas e que temos desde antes de nascer, na barriga da mãe, quando bebês e durante toda a vida. Conforme vamos crescendo, descobrimos também o prazer provocado pelo contato sexual, através do estímulo que fazemos em nós mesmos ou com outras pessoas. Essa forma de exprimir a sexualidade vai se juntar às outras maneiras de contato que já vinhamos vivendo desde bebês, gerando a sexualidade adulta.
  • 4. Sexualidade – é quando falamos e pensamos sobre nossas sensações, sentimentos e emoções envolvendo a energia sexual. Para falar de energia sexual podemos nos referir à libido, que tem origem no latim e quer dizer “desejo violento ou luxúria”
  • 5. Quando falamos ou tratamos de sexualidade estamos pensando nas energias que são canalizadas no nosso corpo dessa maneira, isto é, na forma de sexualidade. Nossos desejos, nossas sensações prazerosas, nossa compreensão sobre a maneira como sentimos e lidamos com as questões que envolvem essas energias. Estamos falando, por exemplo, de como nos relacionamos sexualmente, de como controlamos os nossos impulsos relativos ao sexo, de como podemos expressar a nossa sexualidade publicamente ou intimamente, de como estas manifestações alteram e interferem nas nossas vidas, de como sentimos tais energias nos nossos corpos e de como essa energia pode ser usada bem ou mau, construtiva ou de maneira desastrosa.
  • 6. EVOLUÇÃO DA SEXUALIDADE Fase evolutiva que abrange a faixa etária de 10 a 19 anos, onde acontecem importantes mudanças biopsicossociais que determinam especificidades emocionais e comportamentais que repercutem na saúde sexual e reprodutiva do ser humano.
  • 7. BIOPSICOSOCIAIS Aspecto central da vida das pessoas e envolve sexo, papéis sexuais, orientação sexual, erotismo, prazer, envolvimento emocional, amor e reprodução. A sexualidade envolve, além do nosso corpo, nossa história, costumes, relações afetivas, nossa cultura.
  • 8. Biologia - sexualidade é um conceito operacional, uma especificação de uma função. Na evolução apareceu como uma espécie de auxiliar na reprodução, um supérfluo não se constituindo, no início, uma necessidade. Uma bactéria não necessita recorrer a sexualidade para se multiplicar e não existe "sex appel" entre elas. Entretanto, na medida que o organismo ia ganhando uma certa autonomia, a sexualidade tornou-se o único meio de reprodução e os indivíduos de um sexo tiveram que desenvolver uma maneira de reconhecer os do outro sexo. Apareceram assim os diversos sistemas de comunicação a distância para permitir a seleção dos indivíduos de sexos opostos. - Nada implica que uma tal especialização deva ser necessariamente binária embora a maioria o seja no "mundo natural".
  • 9. Sistema Endócrino É formado por glândulas que não possuem ductos excretores e secretam hormônio, nome oriundo do grego que significa excitar. Os hormônios são mensageiros químicos que estabelecem comunicações entre as várias partes do corpo. Algumas das comunicações estão relacionadas com a regulação homeostática, o perpétuo ajuste do meio interno fisiológico.
  • 10. Hormônios Um Femininos mensal das Masculinos   ciclo menstrual A produção de mulheres ocorre em três espermatozóides é fases:   primariamente regulada por Fase folicular: Dias 1 a 13. dois hormônios:  Fase ovulatória: ~dia 14. FSH: responsável pela Fase lútea: Dias 15 a 28. estimulação da produção de O ciclo é controlado pelos espermatozóides nos seguintes hormônios:  testículos  Hormônio folículo-estimulante LH: estimula a produção de (FSH)  testosterona, o hormônio que Hormônio luteinizante (LH)  ajuda a manter as •Estrógeno  características sexuais •Progesterona  masculinas 
  • 13. Estruturas do sistema reprodutivo feminino  Estrutura  Descrição  Função  Útero Cavidade em forma de pêra composta de Local de implantação e desenvolvimento fundo, contendo tecido endometrial, e do embrião. É responsável pelas uma porção inferior chamada colo. contrações musculares para expulsão do feto durante o parto.  Ovários  Duas estruturas em forma de amêndoas Produzem e armazenam gametas (ovos). localizadas em lados opostos da Sintetizam e liberam estrógenos e cavidade pélvica. Considerados órgãos progesterona.  sexuais essenciais. Tubas Ductos que terminam em projeções em Os ovos passam através das tubas indo forma de dedos (fímbrias) que pairam dos ovários para o útero. Local de uterinas  acima, mas que não estão ligados aos fertilização. ovários. Vagina  Canal que leva de fora do corpo até o Constitui a parte inferior do canal de colo. nascimento. Recebe os espermatozóides do homem.  Vulva  Termo coletivo para a genitália externa Circunda e lubrifica a abertura da vagina. (por ex.: clitóris e lábios). 
  • 16. Estruturas do sistema reprodutivo masculino Estrutura Descrição Função  Testículos  Duas glândulas ovais localizadas do lado de fora do abdômen. Produzem as células que correspondem aos Considerados órgãos sexuais masculinos essenciais. espermatozóides e testosterona. Escroto Bolsa de pele frouxa contendo os testículos. Segura os testículos. Mantém temperatura apropriada para os testículos. Cordões Dois cordões ligados aos testículos. Auxiliam na ligação entre testículos e escroto. Funcionam como ductos espermáticos. espermáticos Epidídimo Tubo fortemente enrolado sobre a extremidade Os espermatozóides são armazenados aqui para superior dos testículos. amadurecer.  Vasos deferentes  Tubos curvos e longos que saem do epidídimo para o Armazenamento e transporte de espermatozóides.  interior da região abdominal. Vesículas Duas bolsas localizadas na região pélvica atrás da Produzem elementos do fluido seminal, que transporta bexiga. e nutre os espermatozóides. seminais  Glândula Glândulas em forma de castanhas localizadas abaixo Produz elementos do fluido seminal, que transporta e da uretra. nutre os espermatozóides. prostática  Ductos Dois tubos curtos que descem pela próstata para o Formam o ponto de fusão entre os vasos deferentes e interior da uretra. as vesículas seminais. ejaculatórios Uretra  Tubo que vai da bexiga através da próstata até a Porção final do sistema de transporte dos extremidade do pênis. espermatozóides. Também leva a urina para fora do corpo. Glândulas Também chamadas glândulas de Cowper. Duas glândulas em Secretam pequenas quantidades de fluido forma de ervilhas localizadas abaixo da glândula prostática. seminal. bulbouretrais Pênis  Órgão sexual masculino que se projeta para fora do Libera espermatozóides no interior do corpo do abdômen e é formado de um tecido erétil, vasos indivíduo do sexo feminino. Elimina urina do corpo. sangüíneos e cavidades sinusais. 
  • 19. Resposta sexual humana A resposta sexual humana representa a tradução a nível psico-fisiológico de todo um mundo muito amplo e rico, feito de imaginação, criatividade e comunicação. A estimulação pode dar-se através de qualquer dos sentidos e também através da imaginação. O sentido do tato é muito importante. Todo o nosso corpo é susceptível de ser estimulado, mas há lugares onde existe maior sensibilidade. São as zonas erógenas que são várias: os lábios, a nuca, as orelhas, os seios, os mamilos, as zonas genitais, as coxas, etc.
  • 20. Reações e Fases Vasocongestão, ou seja, a afluência de sangue dos vasos sanguíneos; Miotonia, ou seja, o aumento da tensão muscular. Fase de excitação As manifestações mais importantes nesta fase são: a erecção do pénis no homem e a lubrificação vaginal na mulher. •Na mulher produz-se um aumento das dimensões dos pequenos lábios e os grandes lábios ficam menos visíveis. A parte externa da vagina separa-se, o útero encolhe e a vagina torna-se maior. O clitóris aumenta de volume ficando erecto. •No homem a pele do escroto torna-se mais grossa e firme fazendo com que os testículos subam.
  • 21. Fase de planalto – Continua o processo de excitação e intensificam-se as mudanças fisiológicas já iniciadas. Fase de orgasmo – Há uma libertação da tensão sexual acumulada e sentimos intensas sensações de prazer. CONTRAÇÕES Fase de resolução – É o retorno ao estado de repouso que produz uma sensação de relaxamento em todo o corpo. Nesta fase existe uma diferença importante entre o homem e a mulher. O homem passa por um período de tempo variável chamado diminui a possibilidade de responder sexualmente a qualquer estímulo. A mulher pode ter outros orgasmos.
  • 22. A fisiologia e a endocrinologia os limites da sexualidade. Como que por encanto, tudo se sexualiza, enxerga-se sexualidade em tudo, embora ainda apoiando-se na dimensão anatômica. A forma biológica é o determinante básico de qualquer consideração sobre sexualidade.
  • 23. “O sentimento de atração direcionado à pessoa com quem desejamos nos relacionar amorosa e sexualmente. A orientação do desejo é a moradia dos nossos amores e desejos eróticos, nossas fantasias e paixões. É a orientação do desejo que indica não só a pessoa sexual (homem e ou mulher) que nos atrai, como também o seu tipo. Existem várias teorias sobre a formação da orientação sexual, porém, o que se acredita, é na junção de vários fatores psicológicos, genéticos e sociais que determina a orientação de nossos desejos”. (Picazio, 1998)
  • 24. SEXUALIDADE AMAR COM O CORPO
  • 25. Psychology Student Luciano Souza lucianosouza77@hotmail.co.uk June 2012