SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
TRANSMISSÃO DA VIDA BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO 
Ciências Naturais 
9º Ano
Corpo Humano 
Constituído por cerca de 100 mil milhões de células. 
A célula é a unidade básica da Vida.
Corpo humano
Sexualidade 
A espécie humana apresenta reprodução sexuada. 
Órgãos reprodutores 
Produzir gâmetas 
Permitir a fecundação 
Desenvolvimento inicial do novo indivíduo. 
Sexualidade
Sexualidade 
Segundo a OMS, a sexualidade é uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade, que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos e somos tocados; é ser-se sensual e ao mesmo tempo sexual; a sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, acções e interacções e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental.
Sexualidade 
A sexualidade é um processo que envolve diversas vertentes: 
Hormonais; 
Físicos; 
Emocionais; 
Culturais.
O que distingue o Homem da Mulher? 
Homem e Mulher diferem ao nível dos aparelhos reprodutores e ao nível de outras características. 
Por essa razão se diz que apresentam dimorfismo sexual: 
Caracteres Sexuais Primários 
Desde a nascença 
Caracteres Sexuais Secundários 
Puberdade
Adolescência 
Adolescência – fase da vida que marca a transição entre a infância e a vida adulta. 
Iniciada com a puberdade; 
Período de tempo em que os órgãos sexuais estão em maturação. 
Termina com a maturidade dos órgãos sexuais; 
Grandes alterações físicas, fisiológicas e psíquicas; 
Desenvolvimento das características sexuais secundárias; 
Aquisição de uma identidade.
Puberdade 
Ao componente biológico das transformações características da adolescência dá-se o nome de puberdade. 
A puberdade não é, portanto, sinónimo de adolescência, mas uma parte desta, compreendendo: 
 o período desde o aparecimento dos caracteres sexuais secundários; 
até o completo desenvolvimento físico e parada de crescimento.
Puberdade 
O início da puberdade não tem uma idade definida, pelo contrário, apresenta uma ampla variação. 
No sexo feminino a puberdade inicia-se frequentemente entre os 10 e os 13 anos. 
No sexo masculino a puberdade inicia-se frequentemente entre os 12 e os 14 anos.
Caracteres Sexuais Secundários 
Mulher 
Homem 
Seios desenvolvidos; 
Pêlos no púbis e nas axilas; 
Ancas arredondadas; 
Menstruação; 
(a primeira tem o nome de Menarca) 
Aparecimento de acne; 
Pénis e testículos desenvolvidos; 
Pêlos no púbis, face e axila; 
Voz grossa; 
Ombros largos; 
Primeiras ejaculações; 
Aparecimento de acne.
Diferenças de desenvolvimento durante a puberdade entre rapazes e raparigas
Funções do Sistema Reprodutor 
Função primordial – assegurar a continuidade da espécie, através da reprodução. 
Produção 
Gâmetas; 
Células sexuais especializados; 
Fluidos; 
Nutrição dos gâmetas, lubrificação; 
Hormonas; 
Regulação da produção dos gâmetas e dos ciclos sexuais.
Glândulas Sexuais 
Produzem as células sexuais ou também conhecidas por gâmetas. 
Gónadas 
Canais 
Estruturas que armazenam e transportam os gâmetas até ao exterior 
Vias Genitais 
Órgãos que permitem a cópula. 
Órgãos Genitais Externos
Sistema Reprodutor masculino 
Pénis 
Canal deferente 
Testículo 
Escroto 
Próstata 
Vesícula seminal
Sistema Reprodutor masculino 
Gónadas 
Testículos 
Produzem gâmetas masculinos: Espermatozóides; 
Produzem a hormona masculina: Testosterona. 
Vias genitais 
Epidídimos; 
Canais deferentes; 
Uretra. 
Órgãos genitais externos 
Pénis; 
Escroto. 
Glândulas anexas 
Vesículas seminais 
Produzem o líquido seminal. 
Próstata 
Produz o líquido prostático.
Como se formam os espermatozóides 
Dentro de cada testículo existem muitos tubos seminíferos. 
No seu interior existem células germinativas. 
Através da espermatogénese as células germinativas dão origem a espermatozóide.
Como se formam os espermatozóides 
Depois de formados espermatozóides passam para os epidídimos onde são armazenados. 
Pouco antes de cada ejaculação, um número que pode oscilar nos milhões, os espermatozóides passam para o canal deferente onde se misturam com o líquido prostático e seminal, formando o esperma. 
O esperma é encaminhado para a uretra e depois é expulso (ejaculação).
Espermatozóide
Sistema Reprodutor Feminino 
Trompa de Falópio 
Ovário 
Útero 
Clítoris 
Grandes Lábios 
Pequenos Lábios 
Vagina
Sistema reprodutor feminino 
Gónadas 
Ovários 
Produzem os gâmetas: Ovócitos II; 
Produzem hormonas: Estrogénio e Progesterona. 
Vias genitais 
Trompas de Falópio; 
Útero; 
Vagina. 
Órgãos genitais externos 
Vulva 
Lábios; 
Clítoris; 
Orifício genital.
Como se formam os óvulos 
Oogénese 
Inicia-se ainda na vida intra- uterina 
Folículos 
Ovócito II 
Ovulação 
Se ocorrer fecundação o ovócito II evolui para óvulo. 
Corpo amarelo 
Corpo amarelo degenerado 
Cavidade folicular 
Ovócito II 
Folículo maduro (ovócito II) 
Células foliculares 
Folículos em desenvolvimento 
Ovulação 
Folículos
Regulação hormonal masculina 
A hormona masculina é a Testosterona 
Inicia-se a sua produção às 7 semanas de gestação. 
É interrompida à nascença. 
Inicia-se novamente na adolescência.
Regulação hormonal homem 
A produção de testosterona é controlada pela: 
FSH (Hormona Folículo-Estimulina) 
LH (Hormona Luteinizante) 
Ambas produzidas na hipófise. 
Por seu lado a hipófise é controlada pelo hipotálamo. 
Complexo hipotálamo-hipófise. 
Por sua vez a testosterona vai actuar ao nível da hipófise por um processo de Mecanismos de retroacção.
Aumento de produção de testosterona 
Inibe o complexo hipotálamo- hipófise 
Baixa a produção de hormonas hipofisárias 
Inibem os testículos 
Baixa a produção de testosterona 
Estimula o complexo hipotálamo- hipófise 
Aumenta a produção das hormonas hipofisárias 
Estimulam os testículos. 
Desta forma os níveis de Testosterona mantêm-se constantes. E é responsável por: - Crescimento dos órgãos sexuais 
-Aparecimento/Desenvolvimento/Manutenção dos Caracteres Sexuais Secundários. 
- Produção de espermatozóides.
Eixo Hipotálamo-Hipófise-Testículos Retrocontrolo negativo
Ciclo sexual 
• Fase Folicular – Dura cerca de 14 dias, inicia-se com o desenvolvimento de alguns folículos. 
• Ovulação – uma vez atingido o estágio de Ovócito II, dá-se a libertação deste para as trompas de Falópio. 
• Fase luteínica – Dura também cerca de 14 dias. Inicia-se com a formação do corpo amarelo (a partir dos restos do folículo). Se ocorrer gravidez este mantem- se e produz continuamente progesterona. Caso não ocorra gravidez regride e acaba por ser totalmente absorvido pelo ovário. 
• Menstruação – marca o início do ciclo uterino e representa também o final do anterior. Ocorre o desprendimento do endométrio e consequente ruptura do vasos sanguíneos. Dura cerca de 5 dias. 
• Fase proliferativa – durante cerca de 9 dias dá-se a reconstituição dos vasos sanguíneos. 
• Fase secretora – dura cerca de 14 dias, as glândulas do endométrio produzem secreções e o endométrio adquire a sua espessura máxima.
Regulação hormonal mulher 
No ciclo sexual feminino são produzidas duas hormonas: 
Estrogénio: ao nível do ovário pelo folículo. 
O pico de estrogénio coincide com a ovulação. 
Progesterona: ao nível do ovário pelo corpo amarelo. As elevadas concentrações permitem a manutenção do endométrio. 
Se houver uma quedas nas concentrações ocorre a menstruação.
Regulação hormonal feminina 
O mecanismo de controlo estabelecido é um mecanismo de retroacção. 
Em que um acontecimento leva a que aconteça outro contrário. 
É um relacionamento estabelecido entre o complexo hipotálamo-hipófise e os ovários.
Fecundação 
Representa o momento de união entre os gâmetas masculino e feminino. 
Resulta um novo ser constituído apenas por uma célula, Ovo ou Zigoto, e que vai sofrer inúmeras divisões até ser constituído por muitos milhares de células. 
Por volta do sétimo dia o embrião implanta-se na parede uterina, através de um processo denominado de Nidação. 
Mais tarde vai-se formar a placenta e o cordão umbilical que representam as ligações entre o embrião e o organismo materno. 
A placenta é também uma glândula que produz hormonas responsáveis pelo espessamento do útero. 
 A partir das 8 semanas o embrião passa a denominar-se de feto. 
Ovário 
Corpo lúteo 
Folículo maduro 
Ovulação 
Oócito II 
Fecundação 
Espermatozóides 
Blastocisto implantado 
Blastocisto 
Mórula 
Núcleo espermático 
Núcleo do oócito II 
Ovo ou Zigoto 
Divisão mitótica 
2 células 
8 células 
4 células
Primeiras divisões do ovo 
Ovo – 1 única célula; 
Mórula – 16 a 36 células; 
Blástula – 5 a 6 dias após a fecundação; 
Embrião – quando se implanta nas paredes do útero. 
Nidação – implantação/fixação do embrião nas paredes do útero (endométrio).
Reprodução Sexuada
Métodos Contraceptivos 
Métodos para prevenir ou para interromper uma gravidez; 
Naturais 
Método dos ritmos; 
Método das temperaturas; 
Método de Billings; 
Hormonais 
Pílula; 
Mecânicos 
Preservativo; 
D.I.U. 
Vasectomia; 
Laqueação; 
Interrupção Voluntária da Gravidez
Métodos Contraceptivos Naturais 
Baseiam-se na determinação do período fértil através de técnicas de observação do momento da ovulação; 
Muito pouco fiáveis. 
Método do ritmo – prever a ovulação de acordo com a duração dos ciclos menstruais; 
Método da temperatura – baseia-se no facto de a temperatura da mulher se elevar cerca de 2 a 5 décimas durante e após a ovulação; 
Método de Billings – determinar o período fértil da mulher com base nas propriedades da mucosa, na secreção produzida no colo do útero e na saliva.
Métodos Contraceptivos Hormonais 
Hormonais 
Pílula 
Fármaco composto por hormonas sintéticas; 
Impede a ovulação – anovulatório.
Métodos Contraceptivos Mecânicos 
Preservativo 
Impede a entrada dos espermatozóides no corpo da mulher; 
Protege contra as D.S.T. 
Diafragma 
Impede a entrada dos espermatozóides no útero
Métodos Contraceptivos Mecânicos 
Vasectomia 
Corte dos canais deferentes; 
Impede a saída dos espermatozóides do corpo do homem; 
Laqueação 
Corte das trompas de Falópio; 
Impede que o óvulo chegue ao útero; 
Impede o contacto dos espermatozóides com o óvulo.
Interrupção Voluntária da Gravidez 
Método de contracepção de emergência; 
Problemas 
Morais; 
Éticos; 
Sociais; 
Religiosos; 
Políticos; 
Deve-se consultar sempre um médico.
Doenças Sexualmente Transmissíveis (Venéreas) 
Doenças transmitidas por contacto sexual; 
Provocadas 
Bactérias – Sífilis 
Vírus – SIDA, Hepatite, Herpes… 
Combate destas doenças deve ser prioritário pois: 
Esterilidade; 
Aumentam a infertilidade; 
Lesões no sistema reprodutor; 
Nascimentos prematuros; 
Malformações; 
Mortalidade neonatal. 
Deve-se: 
Conhecer melhor as doenças; 
Realizar campanhas de sensibilização; 
Uso de preservativo; 
Fidelidade ao companheiro sexual; 
Consultar o médico regularmente.
D.S.T. Virais 
Vírus 
Seres não celulares; 
Incapazes de se reproduzirem; 
Parasitas obrigatórios; 
Antibióticos ineficazes
D.S.T. Virais 
SIDA – Síndrome de Imunodeficiência Adquirida 
Vírus da imunodeficiência humano (VIH); 
Afecta as células do sistema imunitário; 
Reproduz-se no seu interior; 
Causa o enfraquecimento do Sistema Imunitário; 
Causa de morte: Doenças Oportunistas.
D.S.T. Virais 
Herpes Genital 
Vírus Simplex tipo 2; 
Incubação: 1 semana; 
Sensação de queimadura nos órgãos genitais; 
Sem tratamento eficaz;
D.S.T. Virais 
Hepatite B 
Vírus da hepatite; 
Capacidade de contágio superior à da SIDA; 
Sintomas semelhantes a gripe; 
Icterícia grave (o corpo fica amarelado); 
Com cura: vacinação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução HumanaResumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução HumanaCatir
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoCatir
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humanaElighieri
 
Biologia 12ºano - Reprodução Humana
Biologia 12ºano - Reprodução HumanaBiologia 12ºano - Reprodução Humana
Biologia 12ºano - Reprodução HumanaRenata Sofia
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANALuís Ferreira
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução HumanaIsabel Lopes
 
Fisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva femininaFisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva femininaDaniela R Silva
 
DiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO SexualDiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO Sexualguest203aa5
 
Transmissão da Vida
Transmissão da VidaTransmissão da Vida
Transmissão da Vidariscas
 
Reprodução Humana e Sexualidade
Reprodução Humana e SexualidadeReprodução Humana e Sexualidade
Reprodução Humana e Sexualidaderailuz07
 
Sexualidade..
Sexualidade..Sexualidade..
Sexualidade..daniela
 

Mais procurados (20)

Resumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução HumanaResumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução Humana
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
A sexualidade humana
A sexualidade humanaA sexualidade humana
A sexualidade humana
 
Biologia 12ºano - Reprodução Humana
Biologia 12ºano - Reprodução HumanaBiologia 12ºano - Reprodução Humana
Biologia 12ºano - Reprodução Humana
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Reprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º anoReprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º ano
 
Fisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva femininaFisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva feminina
 
DiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO SexualDiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO Sexual
 
Transmissao vida reprodutor
Transmissao vida reprodutorTransmissao vida reprodutor
Transmissao vida reprodutor
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Transmissão da Vida
Transmissão da VidaTransmissão da Vida
Transmissão da Vida
 
Biologia reproducao
Biologia reproducaoBiologia reproducao
Biologia reproducao
 
Reprodução Humana e Sexualidade
Reprodução Humana e SexualidadeReprodução Humana e Sexualidade
Reprodução Humana e Sexualidade
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Ppt reprodução
Ppt   reproduçãoPpt   reprodução
Ppt reprodução
 
ReproduçãO Humana
ReproduçãO HumanaReproduçãO Humana
ReproduçãO Humana
 
Sexualidade..
Sexualidade..Sexualidade..
Sexualidade..
 

Semelhante a Transmissão da Vida: Bases da Reprodução Humana

Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanaProfessor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanamestregil
 
Transmissão de vida
Transmissão de vidaTransmissão de vida
Transmissão de vidaleonoreis2
 
Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução  Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução Gaby Veloso
 
Fisiologia Sistema Reprodutor
Fisiologia Sistema ReprodutorFisiologia Sistema Reprodutor
Fisiologia Sistema Reprodutoranuper
 
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpoAdolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpolucols
 
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonalCarlaCruz88
 
Reprodução humana ciencias 3d
Reprodução humana ciencias 3dReprodução humana ciencias 3d
Reprodução humana ciencias 3dCarla Gomes
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
ReproduçãoZé Luís
 
Trabalho (cosmin e joao tendeiro 9ºc)
Trabalho (cosmin e joao tendeiro 9ºc)Trabalho (cosmin e joao tendeiro 9ºc)
Trabalho (cosmin e joao tendeiro 9ºc)joaotendeiro
 
Fisiologia da reprodução ciclos sexuais
Fisiologia da reprodução ciclos sexuaisFisiologia da reprodução ciclos sexuais
Fisiologia da reprodução ciclos sexuaisPatrícia Santos
 
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)joaotendeiro
 
aula sistema reprodutor
aula sistema reprodutoraula sistema reprodutor
aula sistema reprodutorcarlotabuchi
 
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeaula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeHerminioMendes3
 

Semelhante a Transmissão da Vida: Bases da Reprodução Humana (20)

Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanaProfessor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
 
Transmissão de vida
Transmissão de vidaTransmissão de vida
Transmissão de vida
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução  Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução
 
Fisiologia Sistema Reprodutor
Fisiologia Sistema ReprodutorFisiologia Sistema Reprodutor
Fisiologia Sistema Reprodutor
 
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpoAdolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
 
Reprohumana
ReprohumanaReprohumana
Reprohumana
 
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
 
Sistema reprodutor
Sistema reprodutorSistema reprodutor
Sistema reprodutor
 
Reprodução humana ciencias 3d
Reprodução humana ciencias 3dReprodução humana ciencias 3d
Reprodução humana ciencias 3d
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Trabalho (cosmin e joao tendeiro 9ºc)
Trabalho (cosmin e joao tendeiro 9ºc)Trabalho (cosmin e joao tendeiro 9ºc)
Trabalho (cosmin e joao tendeiro 9ºc)
 
Fisiologia da reprodução ciclos sexuais
Fisiologia da reprodução ciclos sexuaisFisiologia da reprodução ciclos sexuais
Fisiologia da reprodução ciclos sexuais
 
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
Trabalho (Cosmin E Joao Tendeiro 9ºC)
 
12Bio_unidade1A.pdf
12Bio_unidade1A.pdf12Bio_unidade1A.pdf
12Bio_unidade1A.pdf
 
aula sistema reprodutor
aula sistema reprodutoraula sistema reprodutor
aula sistema reprodutor
 
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeaula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
 

Mais de Leonardo Alves

Mais de Leonardo Alves (20)

Níveis de organização biológica dos ecossistemas
Níveis de organização biológica dos ecossistemasNíveis de organização biológica dos ecossistemas
Níveis de organização biológica dos ecossistemas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Gestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da águaGestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da água
 
Escala do tempo geológico
Escala do tempo geológicoEscala do tempo geológico
Escala do tempo geológico
 
A Terra conta a sua historia
A Terra conta a sua historiaA Terra conta a sua historia
A Terra conta a sua historia
 
A Terra como um sistema
A Terra como um sistemaA Terra como um sistema
A Terra como um sistema
 
Tg 7ºb gr4
Tg 7ºb gr4Tg 7ºb gr4
Tg 7ºb gr4
 
Tg 7ºb gr3
Tg 7ºb gr3Tg 7ºb gr3
Tg 7ºb gr3
 
Tg 7ºb gr2
Tg 7ºb gr2Tg 7ºb gr2
Tg 7ºb gr2
 
Tg 7ºb gr1
Tg 7ºb gr1Tg 7ºb gr1
Tg 7ºb gr1
 
Tg 7ºb gr1
Tg 7ºb gr1Tg 7ºb gr1
Tg 7ºb gr1
 
Tg 7ºb gr1 (1)
Tg 7ºb gr1 (1)Tg 7ºb gr1 (1)
Tg 7ºb gr1 (1)
 
Ordenamento e Gestão do Território
Ordenamento e Gestão do TerritórioOrdenamento e Gestão do Território
Ordenamento e Gestão do Território
 
Argentina
ArgentinaArgentina
Argentina
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
 
Riscos e catástrofes naturais
Riscos e catástrofes naturaisRiscos e catástrofes naturais
Riscos e catástrofes naturais
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Tutorial Hotpotatoes
Tutorial HotpotatoesTutorial Hotpotatoes
Tutorial Hotpotatoes
 
Eras Geológicas
Eras GeológicasEras Geológicas
Eras Geológicas
 
Tempo geológico
Tempo geológicoTempo geológico
Tempo geológico
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 

Transmissão da Vida: Bases da Reprodução Humana

  • 1. TRANSMISSÃO DA VIDA BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO Ciências Naturais 9º Ano
  • 2. Corpo Humano Constituído por cerca de 100 mil milhões de células. A célula é a unidade básica da Vida.
  • 4. Sexualidade A espécie humana apresenta reprodução sexuada. Órgãos reprodutores Produzir gâmetas Permitir a fecundação Desenvolvimento inicial do novo indivíduo. Sexualidade
  • 5. Sexualidade Segundo a OMS, a sexualidade é uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade, que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos e somos tocados; é ser-se sensual e ao mesmo tempo sexual; a sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, acções e interacções e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental.
  • 6. Sexualidade A sexualidade é um processo que envolve diversas vertentes: Hormonais; Físicos; Emocionais; Culturais.
  • 7. O que distingue o Homem da Mulher? Homem e Mulher diferem ao nível dos aparelhos reprodutores e ao nível de outras características. Por essa razão se diz que apresentam dimorfismo sexual: Caracteres Sexuais Primários Desde a nascença Caracteres Sexuais Secundários Puberdade
  • 8. Adolescência Adolescência – fase da vida que marca a transição entre a infância e a vida adulta. Iniciada com a puberdade; Período de tempo em que os órgãos sexuais estão em maturação. Termina com a maturidade dos órgãos sexuais; Grandes alterações físicas, fisiológicas e psíquicas; Desenvolvimento das características sexuais secundárias; Aquisição de uma identidade.
  • 9. Puberdade Ao componente biológico das transformações características da adolescência dá-se o nome de puberdade. A puberdade não é, portanto, sinónimo de adolescência, mas uma parte desta, compreendendo:  o período desde o aparecimento dos caracteres sexuais secundários; até o completo desenvolvimento físico e parada de crescimento.
  • 10. Puberdade O início da puberdade não tem uma idade definida, pelo contrário, apresenta uma ampla variação. No sexo feminino a puberdade inicia-se frequentemente entre os 10 e os 13 anos. No sexo masculino a puberdade inicia-se frequentemente entre os 12 e os 14 anos.
  • 11. Caracteres Sexuais Secundários Mulher Homem Seios desenvolvidos; Pêlos no púbis e nas axilas; Ancas arredondadas; Menstruação; (a primeira tem o nome de Menarca) Aparecimento de acne; Pénis e testículos desenvolvidos; Pêlos no púbis, face e axila; Voz grossa; Ombros largos; Primeiras ejaculações; Aparecimento de acne.
  • 12. Diferenças de desenvolvimento durante a puberdade entre rapazes e raparigas
  • 13. Funções do Sistema Reprodutor Função primordial – assegurar a continuidade da espécie, através da reprodução. Produção Gâmetas; Células sexuais especializados; Fluidos; Nutrição dos gâmetas, lubrificação; Hormonas; Regulação da produção dos gâmetas e dos ciclos sexuais.
  • 14. Glândulas Sexuais Produzem as células sexuais ou também conhecidas por gâmetas. Gónadas Canais Estruturas que armazenam e transportam os gâmetas até ao exterior Vias Genitais Órgãos que permitem a cópula. Órgãos Genitais Externos
  • 15. Sistema Reprodutor masculino Pénis Canal deferente Testículo Escroto Próstata Vesícula seminal
  • 16. Sistema Reprodutor masculino Gónadas Testículos Produzem gâmetas masculinos: Espermatozóides; Produzem a hormona masculina: Testosterona. Vias genitais Epidídimos; Canais deferentes; Uretra. Órgãos genitais externos Pénis; Escroto. Glândulas anexas Vesículas seminais Produzem o líquido seminal. Próstata Produz o líquido prostático.
  • 17. Como se formam os espermatozóides Dentro de cada testículo existem muitos tubos seminíferos. No seu interior existem células germinativas. Através da espermatogénese as células germinativas dão origem a espermatozóide.
  • 18. Como se formam os espermatozóides Depois de formados espermatozóides passam para os epidídimos onde são armazenados. Pouco antes de cada ejaculação, um número que pode oscilar nos milhões, os espermatozóides passam para o canal deferente onde se misturam com o líquido prostático e seminal, formando o esperma. O esperma é encaminhado para a uretra e depois é expulso (ejaculação).
  • 20. Sistema Reprodutor Feminino Trompa de Falópio Ovário Útero Clítoris Grandes Lábios Pequenos Lábios Vagina
  • 21. Sistema reprodutor feminino Gónadas Ovários Produzem os gâmetas: Ovócitos II; Produzem hormonas: Estrogénio e Progesterona. Vias genitais Trompas de Falópio; Útero; Vagina. Órgãos genitais externos Vulva Lábios; Clítoris; Orifício genital.
  • 22. Como se formam os óvulos Oogénese Inicia-se ainda na vida intra- uterina Folículos Ovócito II Ovulação Se ocorrer fecundação o ovócito II evolui para óvulo. Corpo amarelo Corpo amarelo degenerado Cavidade folicular Ovócito II Folículo maduro (ovócito II) Células foliculares Folículos em desenvolvimento Ovulação Folículos
  • 23. Regulação hormonal masculina A hormona masculina é a Testosterona Inicia-se a sua produção às 7 semanas de gestação. É interrompida à nascença. Inicia-se novamente na adolescência.
  • 24. Regulação hormonal homem A produção de testosterona é controlada pela: FSH (Hormona Folículo-Estimulina) LH (Hormona Luteinizante) Ambas produzidas na hipófise. Por seu lado a hipófise é controlada pelo hipotálamo. Complexo hipotálamo-hipófise. Por sua vez a testosterona vai actuar ao nível da hipófise por um processo de Mecanismos de retroacção.
  • 25. Aumento de produção de testosterona Inibe o complexo hipotálamo- hipófise Baixa a produção de hormonas hipofisárias Inibem os testículos Baixa a produção de testosterona Estimula o complexo hipotálamo- hipófise Aumenta a produção das hormonas hipofisárias Estimulam os testículos. Desta forma os níveis de Testosterona mantêm-se constantes. E é responsável por: - Crescimento dos órgãos sexuais -Aparecimento/Desenvolvimento/Manutenção dos Caracteres Sexuais Secundários. - Produção de espermatozóides.
  • 27. Ciclo sexual • Fase Folicular – Dura cerca de 14 dias, inicia-se com o desenvolvimento de alguns folículos. • Ovulação – uma vez atingido o estágio de Ovócito II, dá-se a libertação deste para as trompas de Falópio. • Fase luteínica – Dura também cerca de 14 dias. Inicia-se com a formação do corpo amarelo (a partir dos restos do folículo). Se ocorrer gravidez este mantem- se e produz continuamente progesterona. Caso não ocorra gravidez regride e acaba por ser totalmente absorvido pelo ovário. • Menstruação – marca o início do ciclo uterino e representa também o final do anterior. Ocorre o desprendimento do endométrio e consequente ruptura do vasos sanguíneos. Dura cerca de 5 dias. • Fase proliferativa – durante cerca de 9 dias dá-se a reconstituição dos vasos sanguíneos. • Fase secretora – dura cerca de 14 dias, as glândulas do endométrio produzem secreções e o endométrio adquire a sua espessura máxima.
  • 28. Regulação hormonal mulher No ciclo sexual feminino são produzidas duas hormonas: Estrogénio: ao nível do ovário pelo folículo. O pico de estrogénio coincide com a ovulação. Progesterona: ao nível do ovário pelo corpo amarelo. As elevadas concentrações permitem a manutenção do endométrio. Se houver uma quedas nas concentrações ocorre a menstruação.
  • 29. Regulação hormonal feminina O mecanismo de controlo estabelecido é um mecanismo de retroacção. Em que um acontecimento leva a que aconteça outro contrário. É um relacionamento estabelecido entre o complexo hipotálamo-hipófise e os ovários.
  • 30.
  • 31. Fecundação Representa o momento de união entre os gâmetas masculino e feminino. Resulta um novo ser constituído apenas por uma célula, Ovo ou Zigoto, e que vai sofrer inúmeras divisões até ser constituído por muitos milhares de células. Por volta do sétimo dia o embrião implanta-se na parede uterina, através de um processo denominado de Nidação. Mais tarde vai-se formar a placenta e o cordão umbilical que representam as ligações entre o embrião e o organismo materno. A placenta é também uma glândula que produz hormonas responsáveis pelo espessamento do útero.  A partir das 8 semanas o embrião passa a denominar-se de feto. Ovário Corpo lúteo Folículo maduro Ovulação Oócito II Fecundação Espermatozóides Blastocisto implantado Blastocisto Mórula Núcleo espermático Núcleo do oócito II Ovo ou Zigoto Divisão mitótica 2 células 8 células 4 células
  • 32. Primeiras divisões do ovo Ovo – 1 única célula; Mórula – 16 a 36 células; Blástula – 5 a 6 dias após a fecundação; Embrião – quando se implanta nas paredes do útero. Nidação – implantação/fixação do embrião nas paredes do útero (endométrio).
  • 34. Métodos Contraceptivos Métodos para prevenir ou para interromper uma gravidez; Naturais Método dos ritmos; Método das temperaturas; Método de Billings; Hormonais Pílula; Mecânicos Preservativo; D.I.U. Vasectomia; Laqueação; Interrupção Voluntária da Gravidez
  • 35. Métodos Contraceptivos Naturais Baseiam-se na determinação do período fértil através de técnicas de observação do momento da ovulação; Muito pouco fiáveis. Método do ritmo – prever a ovulação de acordo com a duração dos ciclos menstruais; Método da temperatura – baseia-se no facto de a temperatura da mulher se elevar cerca de 2 a 5 décimas durante e após a ovulação; Método de Billings – determinar o período fértil da mulher com base nas propriedades da mucosa, na secreção produzida no colo do útero e na saliva.
  • 36. Métodos Contraceptivos Hormonais Hormonais Pílula Fármaco composto por hormonas sintéticas; Impede a ovulação – anovulatório.
  • 37. Métodos Contraceptivos Mecânicos Preservativo Impede a entrada dos espermatozóides no corpo da mulher; Protege contra as D.S.T. Diafragma Impede a entrada dos espermatozóides no útero
  • 38. Métodos Contraceptivos Mecânicos Vasectomia Corte dos canais deferentes; Impede a saída dos espermatozóides do corpo do homem; Laqueação Corte das trompas de Falópio; Impede que o óvulo chegue ao útero; Impede o contacto dos espermatozóides com o óvulo.
  • 39. Interrupção Voluntária da Gravidez Método de contracepção de emergência; Problemas Morais; Éticos; Sociais; Religiosos; Políticos; Deve-se consultar sempre um médico.
  • 40. Doenças Sexualmente Transmissíveis (Venéreas) Doenças transmitidas por contacto sexual; Provocadas Bactérias – Sífilis Vírus – SIDA, Hepatite, Herpes… Combate destas doenças deve ser prioritário pois: Esterilidade; Aumentam a infertilidade; Lesões no sistema reprodutor; Nascimentos prematuros; Malformações; Mortalidade neonatal. Deve-se: Conhecer melhor as doenças; Realizar campanhas de sensibilização; Uso de preservativo; Fidelidade ao companheiro sexual; Consultar o médico regularmente.
  • 41. D.S.T. Virais Vírus Seres não celulares; Incapazes de se reproduzirem; Parasitas obrigatórios; Antibióticos ineficazes
  • 42. D.S.T. Virais SIDA – Síndrome de Imunodeficiência Adquirida Vírus da imunodeficiência humano (VIH); Afecta as células do sistema imunitário; Reproduz-se no seu interior; Causa o enfraquecimento do Sistema Imunitário; Causa de morte: Doenças Oportunistas.
  • 43. D.S.T. Virais Herpes Genital Vírus Simplex tipo 2; Incubação: 1 semana; Sensação de queimadura nos órgãos genitais; Sem tratamento eficaz;
  • 44. D.S.T. Virais Hepatite B Vírus da hepatite; Capacidade de contágio superior à da SIDA; Sintomas semelhantes a gripe; Icterícia grave (o corpo fica amarelado); Com cura: vacinação.