SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
Baixar para ler offline
BASES MORFOLÓGICAS E
                        FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO
Prof. Sérgio Carvalho




                                  Prof. Sérgio Carvalho
Classifica as seguintes afirmações como verdadeiras ou falsas.




                        1. A reprodução é a junção de duas                      5. A fecundação ocorre na vagina.
                        células, uma masculina e uma
                        feminina.
                                                                                6. A menstruação ocorre devido a
                        2. Os espermatozóides são                               uma gravidez interrompida.
                        produzidos nas gónadas masculinas,
                        os epidídimos.
                                                                                7. O DIU é um método contracetivo
                        3. A próstata e as vesículas seminais                   hormonal.
Prof. Sérgio Carvalho




                        são glândulas anexas do aparelho
                        reprodutor masculino.                                   8. A fertilização in vitro é uma
                                                                                técnica de procriação medicamente
                                                                                assistida.
                        4. O útero está revestido por um
                        tecido esponjoso, o endométrio.
 O QUE É A REPRODUÇÃO?


                        A reprodução é o processo que possibilita a continuidade das espécies.
Prof. Sérgio Carvalho




                         Assexuada: tipo de reprodução em     Sexuada: tipo de reprodução em que
                         que um só indivíduo origina uma ou   dois indivíduos de sexos distintos
                         mais cópias de si próprio.           produzem células sexuais que se
                                                              unem.
 COMO SE ORGANIZA A HIERARQUIA BIOLÓGICA?


                        A célula é a unidade básica da vida.
Prof. Sérgio Carvalho
 COMO SE ORGANIZA A HIERARQUIA BIOLÓGICA?


                        A vida humana depende do equilíbrio do conjunto de sistemas de órgãos:
Prof. Sérgio Carvalho
 SEXUALIDADE


                        A sexualidade é uma energia que nos motiva a procurar amor, ternura,
                        contato, intimidade e que se integra no modo como nos sentimos,
                        emocionamos, tocamos e somos tocados. Influencia a nossa saúde
                        física e emocional.
Prof. Sérgio Carvalho
 SEXUALIDADE = TABU


                        Apesar de ser algo tão natural nas nossas vidas, a sexualidade e muito
                        do que com ela se relaciona ainda é encarado com alguma vergonha ou
                        como tabu.
Prof. Sérgio Carvalho
 PUBERDADE


                        A puberdade é o período da vida em que ocorre a maturação dos
                        órgãos sexuais e se desenvolvem os caracteres sexuais. Durante esta
                        fase o corpo prepara-se para a reprodução.
Prof. Sérgio Carvalho
 DESENVOLVIMENTO DOS CARACTERES PRIMÁRIOS


                        Corresponde ao desenvolvimento dos órgãos sexuais.
Prof. Sérgio Carvalho
 DESENVOLVIMENTO DOS CARACTERES SECUNDÁRIOS


                        Corresponde ao desenvolvimento de outras características corporais,
                        para além dos órgãos reprodutores.
Prof. Sérgio Carvalho
 QUANDO SURGE A PUBERDADE?


                        O início da puberdade é variável. Cada pessoa tem um ritmo biológico
                        diferente. Mas, em geral, inicia-se entre os 11 e os 14 anos (raparigas)
                        ou os 12 e os 13 anos (rapazes).



                        Em ambos os casos, a
                        puberdade é o bilhete de
Prof. Sérgio Carvalho




                        entrada na adolescência, um
                        período conturbado onde não
                        são apenas as alterações físicas
                        que ocorrem.
Prof. Sérgio Carvalho




                         ADOLESCÊNCIA
 CONSTITUIÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR


                        O sistema reprodutor humano é
                        constituído por:




                           Gónadas
                           Vias genitais
Prof. Sérgio Carvalho




                           Órgãos genitais externos
                           Glândulas anexas
 MORFOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO




                                                                       Vesícula
                                                                        seminal
                                Canal                                     Próstata
                               deferente
Prof. Sérgio Carvalho




                            Uretra                                        Glândula
                                                                         de Cowper

                               Pénis
                                                        Epidídimo
                         Prepúcio                       Testículo

                             Glande                      Escroto
 FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

                                 Órgão                                 Função
                                                 •São as gónadas masculinas.
                                Testículos       •Produzem os espermatozóides.
                                                 •Produzem testosterona.
                                 Escroto         •Bolsa protetora que aloja os testículos.

                                                 •Tubos enrolados que contribuem para a maturação
                               Epidídimos        dos espermatozóides.

                            Canais deferentes    •Tubos que ligam os epidídimos à uretra.
Prof. Sérgio Carvalho




                                                 •Glândulas que segregam o líquido seminal
                            Vesículas seminais
                                 Próstata        •Glândula que produz o líquido prostático

                                                 •Órgão responsável pela introdução do esperma (ou
                                  Pénis          sémen) no interior da vagina.
                                                 •Glândulas que produzem uma secreção que limpa a
                           Glândulas de Cowper   uretra para a passagem dos espermatozóides.
 FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO


                        Após a ereção, se houver estimulação do pénis, o homem ejacula. A
                        ejaculação corresponde à emissão do esperma para o exterior do pénis.


                        O esperma ou sémen é um fluído
                        esbranquiçado que contém os
                        espermatozóides e as secreções
                        produzidas pelas vesículas
Prof. Sérgio Carvalho




                        seminais, a próstata e as glândulas
                        de Cowper.

                        Cada ejaculação contém cerca de
                        500 milhões de espermatozóides.
 FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO


                        Os espermatozóides são os gâmetas (células sexuais) masculinos. A
                        espermatogénese ocorre nos testículos, dentro dos tubos seminíferos.


                                              Levamos cerca
                                                de 70 dias
                                               a formar-nos!
Prof. Sérgio Carvalho
 FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

                                            Testículo             Células de
                             Epidídimo                             Leydig


                             Septo                                          Células
                                                                          germinativas
                         Lóbulo
                        testicular                                          Células de
                                                                             Sertoli
Prof. Sérgio Carvalho




                           Tubo
                         seminífero
                                                                      Espermatozóides
                                                                        em formação
                               Corte transversal de
                               um tubo seminífero
 FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO


                        Os espermatozóides são células especializadas que perderam grande
                        parte do citoplasma.
                                                                   Acrossoma

                                                                  Núcleo
                                                                                 Cabeça

                                  Flagelo
Prof. Sérgio Carvalho




                                  (cauda)
                                                   Mitocôndrias
                                                                           Segmento
                                                                           intermédio
 FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO


                        O sistema reprodutor masculino é
                        regulado pela hipófise.
                        Estimulada pelo hipotálamo (que
                        sintetiza a hormona GnRH – hormona
                        libertadora de gónadotrofinas), a
                        hipófise produz as hormonas FSH
                        (fuliculoestimulina) e a LH
Prof. Sérgio Carvalho




                        (luteoestimulina).
                        Estas hormonas controlam a
                        espermatogénese e a produção de
                        testosterona. O aumento da
                        testosterona conduz à diminuição de
                        GnRH, regulando o processo.
 MORFOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO


                                                         Ovário

                                                            Trompa de
                                                               Falópio


                        Útero
Prof. Sérgio Carvalho




                        Colo do
                         Útero


                          Vagina                                    Clitóris
                                                                   Vulva
                         Pequeno lábio                              Grande
                                                                     lábio
 MORFOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO (externo)


                                     Vulva


                                 Clitóris



                          Orifício                              Pequeno
                          urinário                               lábio
Prof. Sérgio Carvalho




                        Grande
                         lábio                                    Orifício
                                                                 da vagina
                           Ânus
 FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

                                 Órgão                                 Função
                                                 •São as gónadas femininas.
                                 Ovários         •Produzem os ovócitos.
                                                 •Produzem estrogénios e progesterona.
                                                 •Canais que conduzem o ovócito (ou ovo, se tiver
                            Trompas de Falópio   ocorrido fecundação) até ao útero.
                                                 •Local onde ocorre a fecundação.
                                                 •Órgão onde se implanta e desenvolve o embrião.
                                  Útero
Prof. Sérgio Carvalho




                                                 •Canal que liga o colo do útero ao exterior.
                                 Vagina          •Local onde o pénis deposita os espermatozóides e
                                                 por onde sai o bebé durante o parto.
                                                 •Orgão genital externo, constituído por várias
                                                 estruturas:
                                  Vulva              - clitóris – órgão de grande sensibilidade
                                                     - pequenos lábios
                                                     - grandes lábios
O ovócito
                                                                                         é uma das
                                                                                          maiores
                                                                                         células do
                                                                                           corpo
                                                                                          humano.

                         FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

                          Os ovários (gónadas femininas) são responsáveis pela produção das
                          células reprodutoras femininas.
                          Essas células são chamadas de ovócitos.
Prof. Sérgio Carvalho
Na
                                                                      puberdade,
                                                                      milhares de
                                                                       folículos
                                                                      degeneram.


                         FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

                          Quando nasce, a mulher tem
                          já nos seus ovários cerca de
                          2 milhões de células
                          percursoras dos ovócitos.


                          Estas células estão
                          localizadas no interior dos
                          folículos ováricos.
Prof. Sérgio Carvalho




                          O desenvolvimento dos
                          folículos é interrompido
                          após o nascimento e só
                          recomeça na puberdade.
 FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO


                          A partir da puberdade,
                          todos os meses, um dos
                          folículos de um dos ovários
                          completa o seu
                          desenvolvimento e origina
                          um ovócito.
                                                        Folículo
                                                        ovárico    Ovócito
                                                        maduro
Prof. Sérgio Carvalho




                          Este processo ocorre até à
                          menopausa (altura em que
                          os ovários deixam de
                          realizar a sua função).
 CICLO SEXUAL FEMININO


                          O ciclo sexual feminino (ou ciclo menstrual) decorre a nível dos ovários
                          e do útero e comporta diversos fenómenos.

                          Inicia-se com a menstruação e termina com o início da menstruação
                          seguinte.

                          Inclui:
Prof. Sérgio Carvalho




                                     Ciclo Ovárico                 Ciclo Uterino
 CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Ovárico


                          O ciclo ovárico corresponde à
                          sequência de fenómenos que
                          ocorrem no ovário durante o
                          ciclo menstrual. Nele ocorre a
                          oogénese (formação dos
                          ovócitos). Tem a duração
                          média de 28 dias.
Prof. Sérgio Carvalho




                          Engloba as seguintes fases:

                                  Fase folicular
                                    Ovulação
                                  Fase luteínica
 CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Ovárico



                        Corpo amarelo
                            (ou lúteo)



                                                                            Folículos
                                                                          primordiais
Prof. Sérgio Carvalho




                                                                    Folículo
                                                                    maduro


                              Ovócito
A partir do
                                                                                            momento em
                                                                                            que ocorre a
                                                                                            ovulação, a
                                                                                            mulher pode
                                                                                             engravidar.

                         CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Ovárico

                             Fase folicular          Ovulação              Fase luteínica

                          Caracteriza-se pelo   Ocorre ao 14º dia do       Inicia-se após a
                         desenvolvimento de     ciclo e corresponde à    ovulação e dura 14
                            alguns folículos       expulsão de um       dias. Caracteriza-se
                          ováricos, dos quais       ovócito para a        pela formação do
                         apenas um conclui a     trompa de Falópio,         corpo amarelo.
                              maturação.            após rutura do        O corpo amarelo
                         Tem a duração de 14            folículo.       produz estrogénios e
Prof. Sérgio Carvalho




                                 dias.                                       progesterona.
                                                                            Se não ocorrer
                                                                        fecundação, o corpo
                                                                          amarelo regride e
                                                                               degenera.
 CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Uterino


                          O ciclo uterino corresponde à sequência de fenómenos que ocorrem
                          no útero, paralelamente ao ciclo ovárico.

                          A mucosa interna que reveste o
                          útero é o endométrio e este
                          tecido é muito vascularizado.
Prof. Sérgio Carvalho




                          Engloba as seguintes fases:

                                   Menstrual
                                  Proliferativa
                                   Secretora
 CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Uterino
Prof. Sérgio Carvalho
A primeira
                                                                                          menstruação
                                                                                          da rapariga
                                                                                           chama-se
                                                                                           menarca.


                         CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Uterino

                            Fase Menstrual        Fase Proliferativa     Fase Secretora

                          Dura cerca de 5 dias    Tem a duração de        Dura cerca de 14
                            e corresponde à        cerca de 9 dias e    dias. As glândulas e
                          escamação da parte         corresponde à     os vasos sanguíneos
                             superficial do        reconstrução dos    desenvolvem-se e o
                          endométrio. Ocorre     vasos sanguíneos do    endométrio atinge a
                             hemorragia –             endométrio.          sua espessura
                             menstruação.                               máxima. Se ocorrer
Prof. Sérgio Carvalho




                                                                         fecundação, o ovo
                                                                        implanta-se; se não
                                                                       ocorrer, o endométrio
                                                                       escama e recomeça
                                                                               o ciclo.
 RELAÇÃO ENTRE O CICLO OVÁRICO E O CICO UTERINO


                          O ciclo uterino não ocorre se não existirem ovários. Isto acontece pois
                          os ovários atuam sobre o útero através de hormonas.

                          Os estrogénios e a progesterona, produzidos nos ovários, comandam
                          as transformações do endométrio.
Prof. Sérgio Carvalho
 REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO


                         Estrogénios:
                           - Provocam espessamento do
                           endométrio;
                           - estimulam a multiplicação das
                           glândulas do endométrio;
                           - aumenta a irrigação sanguínea.
Prof. Sérgio Carvalho




                         Progesterona:
                           - Acentua o espessamento do
                           endométrio;
                           - estimula as glândulas do endométrio;
                           - Inibe as contrações uterinas, facilitando
                           a nidação.
 REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO


                         O hipotálamo segrega a
                         GnRH que atua sobre a
                         hipófise. Esta glândula
                         produz FSH e LH.

                         A FSH estimula o
                         desenvolvimento dos
                         folículos.
Prof. Sérgio Carvalho




                         A LH promove a ovulação
                         e, posteriormente, a
                         formação do corpo
                         amarelo.
 REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO


                         Os folículos produzem
                         estrogénios. À medida que
                         se desenvolvem, aumenta
                         a concentração desta
                         hormona até ao valor
                         máximo (próximo da
                         ovulação). Depois, diminui.
                         O corpo amarelo produz
Prof. Sérgio Carvalho




                         estrogénios e muita
                         progesterona, os quais vão
                         provocar o espessamento
                         do endométrio.
 REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO


                         Se não ocorrer fecundação
                         o corpo amarelo degenera
                         e pára de produzir
                         hormonas, o que conduz à
                         escamação do endométrio
                         (menstruação).
Prof. Sérgio Carvalho




                         Se ocorrer a fecundação, o
                         corpo amarelo não
                         degenera e continua a
                         produzir hormonas
                         ováricas. Não ocorre
                         menstruação.
 REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO


                         Entre os 45 e os 55 anos,
                         os ovários deixam de
                         responder à FSH e à LH e
                         termina a produção de
                         ovócitos e de hormonas.
                         Cessa o ciclo menstrual e
                         o período fértil da mulher.
Prof. Sérgio Carvalho




                         Este fenómeno é
                         conhecido como
                         menopausa.
Na fecundação,
                                                                                            o ovócito
                                                                                            termina o
                                                                                           desenvolvi-
                                                                                         mento e passa
                                                                                         a ser um óvulo.

                         O INÍCIO DA VIDA


                          Quando um espermatozóide se funde com um ovócito, ocorre a
                          formação de uma nova célula – o ovo ou zigoto.
                          A este processo, que ocorre nas trompas de Falópio, dá-se o
                          nome de fecundação.
Prof. Sérgio Carvalho




                                                Fecundação                      Zigoto
 O INÍCIO DA VIDA


                          Algumas horas depois da fecundação ter ocorrido, o zigoto divide-
                          se em duas células. Estas dividem-se e formam quatro células,
                          depois oito e assim sucessivamente. Quando possui 16 ou mais
                          células, chamamos-lhe mórula.
Prof. Sérgio Carvalho




                           Zigoto                                                    Mórula
 O INÍCIO DA VIDA


                          A mórula migra pela
                          trompa de Falópio,
                          demorando cerca de 5
                          dias a chegar ao útero.
                          Entre o 7º e 10º dia, o
                          embrião implanta-se no
                          endométrio do útero.
                          A este fenómeno dá-se o
Prof. Sérgio Carvalho




                          nome de nidação.
A placenta
                                                                                               não é
                                                                                            totalmente
                                                                                             seletiva.


                         O INÍCIO DA VIDA

                          A placenta forma-se por prolongamento da camada externa do
                          embrião para o interior do endométrio.
                          Este órgão é essencial para a gestação, uma vez que permite a troca
                          de substâncias entre o embrião e a mãe, através do cordão umbilical.

                                                                  Cordão
                                                                 umbilical
Prof. Sérgio Carvalho




                                                                     Placenta
 O INÍCIO DA VIDA

                          Durante a gravidez, o desenvolvimento embrionário passa por
                          diferentes estádios. De forma geral, consideram-se dois grandes
                          períodos:
Prof. Sérgio Carvalho




                                      Até à 8ª semana     Da 8ª semana até ao nascimento
                                    Período embriónico             Período fetal
 O NASCIMENTO

                         A gestação humana dura cerca de 38 semanas. No final deste
                         período, a hipófise da mãe segrega a hormona oxitocina, que induz
                         as contrações do útero. A oxcitocina também estimula a placenta a
                         produzir prostaglandinas, hormonas que aumentam as contrações.
Prof. Sérgio Carvalho




                         Ocorre então o parto (período que abrange o momento de dilatação
                         do colo do útero até à expulsão da placenta).
 AINDA SOBRE SEXUALIDADE…

                         Um jovem só deve ter a sua primeira
                         relação sexual quando se sentir
                         verdadeiramente preparado.


                         Para tal, deve estar informado,
                         protegido, em harmonia com a sua
                         orientação sexual e consciente da
                         importância do passo que irá dar.
Prof. Sérgio Carvalho




                         É importante aprender a dizer “não”
                         aos avanços persistentes de um(a)
                         namorado(a) para iniciar a vida
                         sexual.
 AINDA SOBRE SEXUALIDADE…

                         Ter uma relação sexual mal informada ou pouco consciente pode
                         conduzir à gravidez na adolescência, que traz consigo problemas:

                           - o corpo da rapariga ainda não está
                           totalmente desenvolvido e maturo.


                           - a maturidade psicológica ainda não está
                           totalmente desenvolvida e muitos jovens
Prof. Sérgio Carvalho




                           não estão preparados para lidar com uma
                           gravidez e com a paternidade.


                           - as novas responsabilidades implicam,
                           muitas vezes, o abandono dos estudos e
                           o ingresso precoce no mundo do trabalho.
 AINDA SOBRE SEXUALIDADE…

                         A orientação sexual indica o género pelo qual uma pessoa se sente
                         atraída e com a qual pretende estabelecer um relacionamento.

                         Existem diferentes orientações sexuais:

                            - Heterossexual (atração pelo género oposto)
                            - Homossexual (atração pelo mesmo género)
                            - Bissexual (atração por ambos os géneros)
Prof. Sérgio Carvalho




                            - Assexual (nenhuma atração por ambos os géneros)
 AINDA SOBRE SEXUALIDADE…

                         Não há ainda estudos conclusivos que expliquem como se determina
                         a orientação sexual.
                         Todavia, o maior consenso entre a comunidade científica é que a
                         orientação sexual não resulta de uma escolha, mas sim de uma
                         combinação de influências genéticas, hormonais e ambientais.


                         Durante a adolescência o jovem
Prof. Sérgio Carvalho




                         descobre a sua identidade e
                         orientação sexual. Pode não ser um
                         processo fácil para muitos
                         homossexuais, em especial pelas
                         pressões sociais.
Homofobia é o
                                                                      conjunto de
                                                                       atitudes e
                                                                      sentimentos
                                                                     negativos em
                                                                       relação a
                                                                     pessoas não-
                                                                    heterossexuais.
                         AINDA SOBRE SEXUALIDADE…

                         Muitos são as pessoa e os grupos que
                         se opõem à homossexualidade,
                         muitas vezes através de atitudes e
                         comportamentos homofóbicos.

                         A discriminação, a intolerância e a
                         violência causam medo nas pessoas
                         não-heterossexuais, as quais acabam
                         por não viver a sua sexualidade em
Prof. Sérgio Carvalho




                         pleno.
                         A aceitação da família é importante para
                         que o jovem aceite também a sua
                         orientação sexual numa sociedade
                         ainda dominada por preconceitos.
 CONTRACEÇÃO

                         Os métodos contracetivos são utilizados para impedir uma gravidez
                         indesejada.
                         A contraceção atua sob diferentes formas:

                             - evita a produção e libertação de
                             gâmetas;
                             - impede a fecundação;
                             - impede a nidação.
Prof. Sérgio Carvalho




                         Os métodos contracetivos podem ser
                         classificados em naturais e
                         tecnológicos.
Os métodos
                                                                                                naturais
                                                                                             são pouco
                                                                                              seguros e
                                                                                               fiáveis…


                         CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Naturais:
                         Impedem a fecundação sem recorrer a substâncias químicas ou
                         mecânicas.

                            - Método do calendário ou de Ogino-Knaus: contagem que permite
                            calcular o período fértil da mulher.
Prof. Sérgio Carvalho
 CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Naturais:

                           - Método da temperatura basal: determinação da ovulação através
                           da apreciação da temperatura medida na vagina.
Prof. Sérgio Carvalho
 CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Naturais:
                           - Método do muco: na altura da ovulação, o muco segregado pelas
                           glândulas do útero torna-se mais elástico (filância).
Prof. Sérgio Carvalho
 CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Tecnológicos
                         Impedem a fecundação ou a nidação, através de diferentes técnicas.

                         Podem ser:
                            - de barreira
                            - hormonais
                            - cirúrgicos.
Prof. Sérgio Carvalho




                          Alguns são:
                             - definitivos
                             - reversíveis
 CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Tecnológicos (Barreira)
                           - Dispositivo intra-uterino (DIU): pequeno objeto metálico que é
                           colocado pelo médico no interior do útero e que impede a nidação do
                           zigoto. Após implantado, é eficaz por 3 a 5 anos.
Prof. Sérgio Carvalho
 CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Tecnológicos (Barreira)
                           - Diafragma: membrana fina e redonda de látex ou silicone que a
                           mulher coloca no fundo da vagina e no colo do útero antes da relação
                           sexual, para impedir que os espermatozóides alcancem o útero.

                           - Espermicidas: substâncias químicas (gel, spray…) que eliminam os
                           espermatozóides.
Prof. Sérgio Carvalho
 CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Tecnológicos (Barreira)
                           - Preservativo: invólucro de látex muito fino que o homem coloca à
                           volta do pénis, impedindo que os espermatozóides sejam depositados
                           no interior da vagina. O preservativo é o único método contracetivo
                           que também protege de infeções sexualmente transmissíveis.
Prof. Sérgio Carvalho
 CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Tecnológicos (Barreira)
                           - Preservativo feminino: preservativo que se coloca no interior da
                           vagina. O pénis entra no preservativo feminino, depositando nele os
                           espermatozóides.
Prof. Sérgio Carvalho
A toma de
                                                                                                 antibióticos
                                                                                                    pode
                                                                                                  diminuir o
                                                                                                  efeito da
                                                                                                    pílula.

                         CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Tecnológicos (Hormonais)
                           - Pílula: fármaco oral composto por uma combinação de estrogénios e
                           progesterona, e que impede a ovulação. Quando bem tomada, tem
                           uma eficácia próxima dos 100%.
Prof. Sérgio Carvalho
 CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Tecnológicos (Hormonais)
                           - Adesivos, implantes, anéis vaginais: têm um efeito e forma de
                           atuação semelhantes ao da pílula, mas são aplicados de modo
                           diferente.
Prof. Sérgio Carvalho
 CONTRACEÇÃO

                         Métodos Contracetivos Tecnológicos (cirúrgicos)
                           - Vasectomia e Laqueação das trompas: são métodos contracetivos
                           definitivos que implicam intervenções cirúrgicas em que é feito um
                           corte nos canais deferentes ou nas trompas de Falópio.
Prof. Sérgio Carvalho
A pílula do dia
                                                                                                      seguinte é
                                                                                                      altamente
                                                                                                      agressiva
                                                                                                     para o corpo
                                                                                                      da mulher.

                         CONTRACEÇÃO

                         Método contracetivo de emergência (pílula do dia seguinte)
                           No caso de ter ocorrido uma relação desprotegida durante o período
                           fértil – e tratando-se de uma exceção e de uma emergência – é
                           possível tomar a pílula do dia seguinte, a qual corresponde a uma dose
                           alta de hormonas que se deve tomar até 72h depois da relação.
Prof. Sérgio Carvalho
 CONTRACEÇÃO

                           Em síntese:
                                                        •Método do calendário ou de Ogino-Knaus
                                           Naturais
                                                        •Método da temperatura basal
                                                        •Método do muco
                           Métodos                      •Abstinência
                         Contracetivos
                                         Tecnológicos        Barreira        •DIU
                                                                                                      R
                                                                             •Diafragma               e
                                                                                                      v
                                                                             •Espermicidas            e
Prof. Sérgio Carvalho




                                                                                                      r
                                                                             •Preservativos (♂ e ♀)
                                                                                                      s
                                                                                                      í
                                                                             •Pílula                  v
                                                           Hormonais                                  e
                                                                             •Anel vaginal            i
                                                                                                      s
                                                                             •Implantes e adesivos

                                                                             •Vasectomia              D
                                                           Cirúrgicos                                 e
                                                                             •Laqueação das trompas   f
 Infeções Sexualmente Transmissíveis

                         São infeções transmitidas através do contato sexual. Através da
                         prevenção é possível impedir o aparecimento de novos casos.
Prof. Sérgio Carvalho
 SIDA

                           A infecção com o VIH caracteriza-se por quatro fases diferentes.
                        1 - Ocorre primeiro o        2 - Segue-se um período      3 - A terceira fase da           4 - A quarta fase, em
                        período de infecção          que pode durar dez a 15      doença,      em     que     o     que o seropositivo
                        aguda,     até     quatro    anos (em alguns casos        organismo        já       não      passa a ter SIDA,
                        semanas       após      o    mais em outros menos),       consegue                repor       ocorre quando a
                        contágio e no qual o         no qual, embora o vírus      completamente               a    contagem de células
                        seropositivo é afectado      se continue a multiplicar,   quantidade de células             de defesa se torna
                        por diversos sintomas        o     seropositivo     não   destruídas     pelo     vírus,       muito baixa ou
                        pouco     característicos,   apresenta        quaisquer   caracteriza-se por uma            quando a pessoa é
                        semelhantes aos de           sintomas. Nesta fase, o      imunodepressão                    afectada por outra
                        uma gripe, e cuja causa,     organismo        consegue    moderada, com sintomas           doença indicadora de
                        normalmente,       passa     repor quase totalmente a     e     sinais    associados.          um estado de
Prof. Sérgio Carvalho




                        despercebida a doentes       quantidade de células        Emagrecimento,        suores       imunodeficiência
                        e médicos                    mortas pelo vírus.           nocturnos,           diarreia            grave.
                                                                                  prolongada e febre, são
                                                                                  alguns dos exemplos de
                                                                                  manifestações        clínicas
                                                                                  nesta fase de evolução da
                                                                                  infecção.
Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução humana

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdadeA adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdadeEspaço Emrc
 
Reprodução e desenvolvimento
Reprodução e desenvolvimentoReprodução e desenvolvimento
Reprodução e desenvolvimentoCésar Milani
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoFabiano Reis
 
Reprodução e desenvolvimento2
Reprodução e desenvolvimento2Reprodução e desenvolvimento2
Reprodução e desenvolvimento2César Milani
 
Reproduçao 8 ano
Reproduçao 8 anoReproduçao 8 ano
Reproduçao 8 anokelymota
 
8 ano reprodução E sistema reprodutor
8 ano reprodução E  sistema reprodutor8 ano reprodução E  sistema reprodutor
8 ano reprodução E sistema reprodutorGiselle Marques Goes
 
Reprodução sexuada
Reprodução sexuadaReprodução sexuada
Reprodução sexuadaandreepinto
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosCarlos Priante
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioIsabel Lopes
 
Classificação dos óvulos, ovolugênese e sistema reprodutor feminino
Classificação dos óvulos, ovolugênese e sistema reprodutor femininoClassificação dos óvulos, ovolugênese e sistema reprodutor feminino
Classificação dos óvulos, ovolugênese e sistema reprodutor femininoJefferson Gomes
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivosAulas Biologia
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaLeonardo Kaplan
 
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos ContraceptivosColégio Batista de Mantena
 
Reprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivosReprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivosAndreza Campos
 

Mais procurados (20)

A adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdadeA adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdade
 
Reprodução e desenvolvimento
Reprodução e desenvolvimentoReprodução e desenvolvimento
Reprodução e desenvolvimento
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculino
 
Reprodução e desenvolvimento2
Reprodução e desenvolvimento2Reprodução e desenvolvimento2
Reprodução e desenvolvimento2
 
Reproduçao 8 ano
Reproduçao 8 anoReproduçao 8 ano
Reproduçao 8 ano
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
8 ano reprodução E sistema reprodutor
8 ano reprodução E  sistema reprodutor8 ano reprodução E  sistema reprodutor
8 ano reprodução E sistema reprodutor
 
Reprodução sexuada
Reprodução sexuadaReprodução sexuada
Reprodução sexuada
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Puberdade
PuberdadePuberdade
Puberdade
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
Classificação dos óvulos, ovolugênese e sistema reprodutor feminino
Classificação dos óvulos, ovolugênese e sistema reprodutor femininoClassificação dos óvulos, ovolugênese e sistema reprodutor feminino
Classificação dos óvulos, ovolugênese e sistema reprodutor feminino
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humana
 
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
 
Aula sistema reprodutor
Aula sistema reprodutorAula sistema reprodutor
Aula sistema reprodutor
 
Reprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivosReprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivos
 

Destaque

Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãOIndicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãODAVIDbeatriz
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedadeHugo Martins
 
Promoção da saúde
Promoção da saúdePromoção da saúde
Promoção da saúdemarco :)
 
Morfofisiologia do sistema reprodutor 9º ano 2011 - 2012
Morfofisiologia do  sistema reprodutor   9º ano 2011 - 2012Morfofisiologia do  sistema reprodutor   9º ano 2011 - 2012
Morfofisiologia do sistema reprodutor 9º ano 2011 - 2012isabelalexandrapinto
 
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicasHugo Martins
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfáticoCatir
 
o sistema respiratório
o sistema respiratórioo sistema respiratório
o sistema respiratórioCatir
 
Algumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatórioAlgumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatórioCatir
 
Sistema Digestivo - 9ºAno
Sistema Digestivo - 9ºAnoSistema Digestivo - 9ºAno
Sistema Digestivo - 9ºAnomariapinto
 
Sistema Digestivo ExercíCios
Sistema Digestivo ExercíCiosSistema Digestivo ExercíCios
Sistema Digestivo ExercíCiosCriCom
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivoCatir
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matériaMargarida Cardoso
 

Destaque (20)

Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãOIndicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
Indicadores Do Estado De SaúDe De Uma PopulaçãO
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
 
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
 
Promoção da saúde
Promoção da saúdePromoção da saúde
Promoção da saúde
 
3 reprodução humana-parte_ii
3 reprodução humana-parte_ii3 reprodução humana-parte_ii
3 reprodução humana-parte_ii
 
Morfofisiologia do sistema reprodutor 9º ano 2011 - 2012
Morfofisiologia do  sistema reprodutor   9º ano 2011 - 2012Morfofisiologia do  sistema reprodutor   9º ano 2011 - 2012
Morfofisiologia do sistema reprodutor 9º ano 2011 - 2012
 
Sistema reprodutor Masculino
Sistema reprodutor MasculinoSistema reprodutor Masculino
Sistema reprodutor Masculino
 
2 reprodução humana-parte_i
2 reprodução humana-parte_i2 reprodução humana-parte_i
2 reprodução humana-parte_i
 
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
 
o sistema respiratório
o sistema respiratórioo sistema respiratório
o sistema respiratório
 
Algumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatórioAlgumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatório
 
Sistema Digestivo - 9ºAno
Sistema Digestivo - 9ºAnoSistema Digestivo - 9ºAno
Sistema Digestivo - 9ºAno
 
Sistema Digestivo ExercíCios
Sistema Digestivo ExercíCiosSistema Digestivo ExercíCios
Sistema Digestivo ExercíCios
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
 
Luz
LuzLuz
Luz
 
II - A TERRA COMO SISTEMA
II - A TERRA COMO SISTEMAII - A TERRA COMO SISTEMA
II - A TERRA COMO SISTEMA
 
I - CONDIÇÕES DA TERRA
I - CONDIÇÕES DA TERRAI - CONDIÇÕES DA TERRA
I - CONDIÇÕES DA TERRA
 
Lp 9º ano
Lp 9º anoLp 9º ano
Lp 9º ano
 

Semelhante a Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução humana

Resumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução HumanaResumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução HumanaCatir
 
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicasCiências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicasLeonardo Alves
 
Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução  Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução Gaby Veloso
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Pelo Siro
 
Resumo de ciencias
Resumo de cienciasResumo de ciencias
Resumo de cienciasMarcos Cruz
 
Aparelho reprodutor morfologia e fecundação
Aparelho reprodutor morfologia e fecundaçãoAparelho reprodutor morfologia e fecundação
Aparelho reprodutor morfologia e fecundaçãoPatrícia Santos
 
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptxUCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptxFilipe Francisco
 
trabalho sobre reprodução
trabalho sobre reprodução trabalho sobre reprodução
trabalho sobre reprodução Victor Silva
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonharsanthdalcin
 
Fisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema ReprodutivoFisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema ReprodutivoPedro Miguel
 
A estrutura aparelho reprodutor masculino aula 2.ppt
A estrutura aparelho reprodutor masculino aula 2.pptA estrutura aparelho reprodutor masculino aula 2.ppt
A estrutura aparelho reprodutor masculino aula 2.pptBruno Oliveira
 
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeaula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeHerminioMendes3
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonharsanthdalcin
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonharsanthdalcin
 

Semelhante a Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução humana (20)

Transmissao vida reprodutor
Transmissao vida reprodutorTransmissao vida reprodutor
Transmissao vida reprodutor
 
Resumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução HumanaResumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução Humana
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicasCiências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
 
Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução  Bases morfofisiológicas da reprodução
Bases morfofisiológicas da reprodução
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
 
Resumo de ciencias
Resumo de cienciasResumo de ciencias
Resumo de ciencias
 
Aparelho reprodutor morfologia e fecundação
Aparelho reprodutor morfologia e fecundaçãoAparelho reprodutor morfologia e fecundação
Aparelho reprodutor morfologia e fecundação
 
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptxUCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
UCM-FCS-Enfermagem I ano-Palestra de determinação e diferenciação. sexual.pptx
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
trabalho sobre reprodução
trabalho sobre reprodução trabalho sobre reprodução
trabalho sobre reprodução
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonhar
 
Aparelho Reprodutor
Aparelho ReprodutorAparelho Reprodutor
Aparelho Reprodutor
 
Fisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema ReprodutivoFisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema Reprodutivo
 
A estrutura aparelho reprodutor masculino aula 2.ppt
A estrutura aparelho reprodutor masculino aula 2.pptA estrutura aparelho reprodutor masculino aula 2.ppt
A estrutura aparelho reprodutor masculino aula 2.ppt
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeaula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
 
Desenen. embri
Desenen. embriDesenen. embri
Desenen. embri
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonhar
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonhar
 

Mais de Deolinda Silva (20)

Itens 7ºa..
Itens 7ºa..Itens 7ºa..
Itens 7ºa..
 
07. sistema digestivo
07. sistema digestivo07. sistema digestivo
07. sistema digestivo
 
Testes
TestesTestes
Testes
 
Recursosnaturaisfinal 100504060932-phpapp02
Recursosnaturaisfinal 100504060932-phpapp02Recursosnaturaisfinal 100504060932-phpapp02
Recursosnaturaisfinal 100504060932-phpapp02
 
6 protecoeconservaodanatureza-110915160059-phpapp02
6 protecoeconservaodanatureza-110915160059-phpapp026 protecoeconservaodanatureza-110915160059-phpapp02
6 protecoeconservaodanatureza-110915160059-phpapp02
 
Itens 9ºa..
Itens 9ºa..Itens 9ºa..
Itens 9ºa..
 
Itens 7ºano
Itens 7ºanoItens 7ºano
Itens 7ºano
 
Itens 8ºano
Itens 8ºanoItens 8ºano
Itens 8ºano
 
Itens 7ºano
Itens 7ºanoItens 7ºano
Itens 7ºano
 
Itens 9ºa..
Itens 9ºa..Itens 9ºa..
Itens 9ºa..
 
Itens 8ºano
Itens 8ºanoItens 8ºano
Itens 8ºano
 
Itens 7ºano
Itens 7ºanoItens 7ºano
Itens 7ºano
 
Teste cn
Teste cnTeste cn
Teste cn
 
Teste cn 8ºano
Teste cn 8ºanoTeste cn 8ºano
Teste cn 8ºano
 
Itens 8ºano
Itens 8ºanoItens 8ºano
Itens 8ºano
 
Itens 9ºano
Itens 9ºanoItens 9ºano
Itens 9ºano
 
Itens 7º ano
Itens 7º anoItens 7º ano
Itens 7º ano
 
Correção
CorreçãoCorreção
Correção
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 

Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução humana

  • 1. BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO Prof. Sérgio Carvalho Prof. Sérgio Carvalho
  • 2. Classifica as seguintes afirmações como verdadeiras ou falsas. 1. A reprodução é a junção de duas 5. A fecundação ocorre na vagina. células, uma masculina e uma feminina. 6. A menstruação ocorre devido a 2. Os espermatozóides são uma gravidez interrompida. produzidos nas gónadas masculinas, os epidídimos. 7. O DIU é um método contracetivo 3. A próstata e as vesículas seminais hormonal. Prof. Sérgio Carvalho são glândulas anexas do aparelho reprodutor masculino. 8. A fertilização in vitro é uma técnica de procriação medicamente assistida. 4. O útero está revestido por um tecido esponjoso, o endométrio.
  • 3.  O QUE É A REPRODUÇÃO? A reprodução é o processo que possibilita a continuidade das espécies. Prof. Sérgio Carvalho Assexuada: tipo de reprodução em Sexuada: tipo de reprodução em que que um só indivíduo origina uma ou dois indivíduos de sexos distintos mais cópias de si próprio. produzem células sexuais que se unem.
  • 4.  COMO SE ORGANIZA A HIERARQUIA BIOLÓGICA? A célula é a unidade básica da vida. Prof. Sérgio Carvalho
  • 5.  COMO SE ORGANIZA A HIERARQUIA BIOLÓGICA? A vida humana depende do equilíbrio do conjunto de sistemas de órgãos: Prof. Sérgio Carvalho
  • 6.  SEXUALIDADE A sexualidade é uma energia que nos motiva a procurar amor, ternura, contato, intimidade e que se integra no modo como nos sentimos, emocionamos, tocamos e somos tocados. Influencia a nossa saúde física e emocional. Prof. Sérgio Carvalho
  • 7.  SEXUALIDADE = TABU Apesar de ser algo tão natural nas nossas vidas, a sexualidade e muito do que com ela se relaciona ainda é encarado com alguma vergonha ou como tabu. Prof. Sérgio Carvalho
  • 8.  PUBERDADE A puberdade é o período da vida em que ocorre a maturação dos órgãos sexuais e se desenvolvem os caracteres sexuais. Durante esta fase o corpo prepara-se para a reprodução. Prof. Sérgio Carvalho
  • 9.  DESENVOLVIMENTO DOS CARACTERES PRIMÁRIOS Corresponde ao desenvolvimento dos órgãos sexuais. Prof. Sérgio Carvalho
  • 10.  DESENVOLVIMENTO DOS CARACTERES SECUNDÁRIOS Corresponde ao desenvolvimento de outras características corporais, para além dos órgãos reprodutores. Prof. Sérgio Carvalho
  • 11.  QUANDO SURGE A PUBERDADE? O início da puberdade é variável. Cada pessoa tem um ritmo biológico diferente. Mas, em geral, inicia-se entre os 11 e os 14 anos (raparigas) ou os 12 e os 13 anos (rapazes). Em ambos os casos, a puberdade é o bilhete de Prof. Sérgio Carvalho entrada na adolescência, um período conturbado onde não são apenas as alterações físicas que ocorrem.
  • 12. Prof. Sérgio Carvalho  ADOLESCÊNCIA
  • 13.  CONSTITUIÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR O sistema reprodutor humano é constituído por:  Gónadas  Vias genitais Prof. Sérgio Carvalho  Órgãos genitais externos  Glândulas anexas
  • 14.  MORFOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Vesícula seminal Canal Próstata deferente Prof. Sérgio Carvalho Uretra Glândula de Cowper Pénis Epidídimo Prepúcio Testículo Glande Escroto
  • 15.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Órgão Função •São as gónadas masculinas. Testículos •Produzem os espermatozóides. •Produzem testosterona. Escroto •Bolsa protetora que aloja os testículos. •Tubos enrolados que contribuem para a maturação Epidídimos dos espermatozóides. Canais deferentes •Tubos que ligam os epidídimos à uretra. Prof. Sérgio Carvalho •Glândulas que segregam o líquido seminal Vesículas seminais Próstata •Glândula que produz o líquido prostático •Órgão responsável pela introdução do esperma (ou Pénis sémen) no interior da vagina. •Glândulas que produzem uma secreção que limpa a Glândulas de Cowper uretra para a passagem dos espermatozóides.
  • 16.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Após a ereção, se houver estimulação do pénis, o homem ejacula. A ejaculação corresponde à emissão do esperma para o exterior do pénis. O esperma ou sémen é um fluído esbranquiçado que contém os espermatozóides e as secreções produzidas pelas vesículas Prof. Sérgio Carvalho seminais, a próstata e as glândulas de Cowper. Cada ejaculação contém cerca de 500 milhões de espermatozóides.
  • 17.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Os espermatozóides são os gâmetas (células sexuais) masculinos. A espermatogénese ocorre nos testículos, dentro dos tubos seminíferos. Levamos cerca de 70 dias a formar-nos! Prof. Sérgio Carvalho
  • 18.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Testículo Células de Epidídimo Leydig Septo Células germinativas Lóbulo testicular Células de Sertoli Prof. Sérgio Carvalho Tubo seminífero Espermatozóides em formação Corte transversal de um tubo seminífero
  • 19.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Os espermatozóides são células especializadas que perderam grande parte do citoplasma. Acrossoma Núcleo Cabeça Flagelo Prof. Sérgio Carvalho (cauda) Mitocôndrias Segmento intermédio
  • 20.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO O sistema reprodutor masculino é regulado pela hipófise. Estimulada pelo hipotálamo (que sintetiza a hormona GnRH – hormona libertadora de gónadotrofinas), a hipófise produz as hormonas FSH (fuliculoestimulina) e a LH Prof. Sérgio Carvalho (luteoestimulina). Estas hormonas controlam a espermatogénese e a produção de testosterona. O aumento da testosterona conduz à diminuição de GnRH, regulando o processo.
  • 21.  MORFOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Ovário Trompa de Falópio Útero Prof. Sérgio Carvalho Colo do Útero Vagina Clitóris Vulva Pequeno lábio Grande lábio
  • 22.  MORFOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO (externo) Vulva Clitóris Orifício Pequeno urinário lábio Prof. Sérgio Carvalho Grande lábio Orifício da vagina Ânus
  • 23.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Órgão Função •São as gónadas femininas. Ovários •Produzem os ovócitos. •Produzem estrogénios e progesterona. •Canais que conduzem o ovócito (ou ovo, se tiver Trompas de Falópio ocorrido fecundação) até ao útero. •Local onde ocorre a fecundação. •Órgão onde se implanta e desenvolve o embrião. Útero Prof. Sérgio Carvalho •Canal que liga o colo do útero ao exterior. Vagina •Local onde o pénis deposita os espermatozóides e por onde sai o bebé durante o parto. •Orgão genital externo, constituído por várias estruturas: Vulva - clitóris – órgão de grande sensibilidade - pequenos lábios - grandes lábios
  • 24. O ovócito é uma das maiores células do corpo humano.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Os ovários (gónadas femininas) são responsáveis pela produção das células reprodutoras femininas. Essas células são chamadas de ovócitos. Prof. Sérgio Carvalho
  • 25. Na puberdade, milhares de folículos degeneram.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Quando nasce, a mulher tem já nos seus ovários cerca de 2 milhões de células percursoras dos ovócitos. Estas células estão localizadas no interior dos folículos ováricos. Prof. Sérgio Carvalho O desenvolvimento dos folículos é interrompido após o nascimento e só recomeça na puberdade.
  • 26.  FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO A partir da puberdade, todos os meses, um dos folículos de um dos ovários completa o seu desenvolvimento e origina um ovócito. Folículo ovárico Ovócito maduro Prof. Sérgio Carvalho Este processo ocorre até à menopausa (altura em que os ovários deixam de realizar a sua função).
  • 27.  CICLO SEXUAL FEMININO O ciclo sexual feminino (ou ciclo menstrual) decorre a nível dos ovários e do útero e comporta diversos fenómenos. Inicia-se com a menstruação e termina com o início da menstruação seguinte. Inclui: Prof. Sérgio Carvalho Ciclo Ovárico Ciclo Uterino
  • 28.  CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Ovárico O ciclo ovárico corresponde à sequência de fenómenos que ocorrem no ovário durante o ciclo menstrual. Nele ocorre a oogénese (formação dos ovócitos). Tem a duração média de 28 dias. Prof. Sérgio Carvalho Engloba as seguintes fases: Fase folicular Ovulação Fase luteínica
  • 29.  CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Ovárico Corpo amarelo (ou lúteo) Folículos primordiais Prof. Sérgio Carvalho Folículo maduro Ovócito
  • 30. A partir do momento em que ocorre a ovulação, a mulher pode engravidar.  CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Ovárico Fase folicular Ovulação Fase luteínica Caracteriza-se pelo Ocorre ao 14º dia do Inicia-se após a desenvolvimento de ciclo e corresponde à ovulação e dura 14 alguns folículos expulsão de um dias. Caracteriza-se ováricos, dos quais ovócito para a pela formação do apenas um conclui a trompa de Falópio, corpo amarelo. maturação. após rutura do O corpo amarelo Tem a duração de 14 folículo. produz estrogénios e Prof. Sérgio Carvalho dias. progesterona. Se não ocorrer fecundação, o corpo amarelo regride e degenera.
  • 31.  CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Uterino O ciclo uterino corresponde à sequência de fenómenos que ocorrem no útero, paralelamente ao ciclo ovárico. A mucosa interna que reveste o útero é o endométrio e este tecido é muito vascularizado. Prof. Sérgio Carvalho Engloba as seguintes fases: Menstrual Proliferativa Secretora
  • 32.  CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Uterino Prof. Sérgio Carvalho
  • 33. A primeira menstruação da rapariga chama-se menarca.  CICLO SEXUAL FEMININO – Ciclo Uterino Fase Menstrual Fase Proliferativa Fase Secretora Dura cerca de 5 dias Tem a duração de Dura cerca de 14 e corresponde à cerca de 9 dias e dias. As glândulas e escamação da parte corresponde à os vasos sanguíneos superficial do reconstrução dos desenvolvem-se e o endométrio. Ocorre vasos sanguíneos do endométrio atinge a hemorragia – endométrio. sua espessura menstruação. máxima. Se ocorrer Prof. Sérgio Carvalho fecundação, o ovo implanta-se; se não ocorrer, o endométrio escama e recomeça o ciclo.
  • 34.  RELAÇÃO ENTRE O CICLO OVÁRICO E O CICO UTERINO O ciclo uterino não ocorre se não existirem ovários. Isto acontece pois os ovários atuam sobre o útero através de hormonas. Os estrogénios e a progesterona, produzidos nos ovários, comandam as transformações do endométrio. Prof. Sérgio Carvalho
  • 35.  REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Estrogénios: - Provocam espessamento do endométrio; - estimulam a multiplicação das glândulas do endométrio; - aumenta a irrigação sanguínea. Prof. Sérgio Carvalho Progesterona: - Acentua o espessamento do endométrio; - estimula as glândulas do endométrio; - Inibe as contrações uterinas, facilitando a nidação.
  • 36.  REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O hipotálamo segrega a GnRH que atua sobre a hipófise. Esta glândula produz FSH e LH. A FSH estimula o desenvolvimento dos folículos. Prof. Sérgio Carvalho A LH promove a ovulação e, posteriormente, a formação do corpo amarelo.
  • 37.  REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Os folículos produzem estrogénios. À medida que se desenvolvem, aumenta a concentração desta hormona até ao valor máximo (próximo da ovulação). Depois, diminui. O corpo amarelo produz Prof. Sérgio Carvalho estrogénios e muita progesterona, os quais vão provocar o espessamento do endométrio.
  • 38.  REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Se não ocorrer fecundação o corpo amarelo degenera e pára de produzir hormonas, o que conduz à escamação do endométrio (menstruação). Prof. Sérgio Carvalho Se ocorrer a fecundação, o corpo amarelo não degenera e continua a produzir hormonas ováricas. Não ocorre menstruação.
  • 39.  REGULAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Entre os 45 e os 55 anos, os ovários deixam de responder à FSH e à LH e termina a produção de ovócitos e de hormonas. Cessa o ciclo menstrual e o período fértil da mulher. Prof. Sérgio Carvalho Este fenómeno é conhecido como menopausa.
  • 40. Na fecundação, o ovócito termina o desenvolvi- mento e passa a ser um óvulo.  O INÍCIO DA VIDA Quando um espermatozóide se funde com um ovócito, ocorre a formação de uma nova célula – o ovo ou zigoto. A este processo, que ocorre nas trompas de Falópio, dá-se o nome de fecundação. Prof. Sérgio Carvalho Fecundação Zigoto
  • 41.  O INÍCIO DA VIDA Algumas horas depois da fecundação ter ocorrido, o zigoto divide- se em duas células. Estas dividem-se e formam quatro células, depois oito e assim sucessivamente. Quando possui 16 ou mais células, chamamos-lhe mórula. Prof. Sérgio Carvalho Zigoto Mórula
  • 42.  O INÍCIO DA VIDA A mórula migra pela trompa de Falópio, demorando cerca de 5 dias a chegar ao útero. Entre o 7º e 10º dia, o embrião implanta-se no endométrio do útero. A este fenómeno dá-se o Prof. Sérgio Carvalho nome de nidação.
  • 43. A placenta não é totalmente seletiva.  O INÍCIO DA VIDA A placenta forma-se por prolongamento da camada externa do embrião para o interior do endométrio. Este órgão é essencial para a gestação, uma vez que permite a troca de substâncias entre o embrião e a mãe, através do cordão umbilical. Cordão umbilical Prof. Sérgio Carvalho Placenta
  • 44.  O INÍCIO DA VIDA Durante a gravidez, o desenvolvimento embrionário passa por diferentes estádios. De forma geral, consideram-se dois grandes períodos: Prof. Sérgio Carvalho Até à 8ª semana Da 8ª semana até ao nascimento Período embriónico Período fetal
  • 45.  O NASCIMENTO A gestação humana dura cerca de 38 semanas. No final deste período, a hipófise da mãe segrega a hormona oxitocina, que induz as contrações do útero. A oxcitocina também estimula a placenta a produzir prostaglandinas, hormonas que aumentam as contrações. Prof. Sérgio Carvalho Ocorre então o parto (período que abrange o momento de dilatação do colo do útero até à expulsão da placenta).
  • 46.  AINDA SOBRE SEXUALIDADE… Um jovem só deve ter a sua primeira relação sexual quando se sentir verdadeiramente preparado. Para tal, deve estar informado, protegido, em harmonia com a sua orientação sexual e consciente da importância do passo que irá dar. Prof. Sérgio Carvalho É importante aprender a dizer “não” aos avanços persistentes de um(a) namorado(a) para iniciar a vida sexual.
  • 47.  AINDA SOBRE SEXUALIDADE… Ter uma relação sexual mal informada ou pouco consciente pode conduzir à gravidez na adolescência, que traz consigo problemas: - o corpo da rapariga ainda não está totalmente desenvolvido e maturo. - a maturidade psicológica ainda não está totalmente desenvolvida e muitos jovens Prof. Sérgio Carvalho não estão preparados para lidar com uma gravidez e com a paternidade. - as novas responsabilidades implicam, muitas vezes, o abandono dos estudos e o ingresso precoce no mundo do trabalho.
  • 48.  AINDA SOBRE SEXUALIDADE… A orientação sexual indica o género pelo qual uma pessoa se sente atraída e com a qual pretende estabelecer um relacionamento. Existem diferentes orientações sexuais: - Heterossexual (atração pelo género oposto) - Homossexual (atração pelo mesmo género) - Bissexual (atração por ambos os géneros) Prof. Sérgio Carvalho - Assexual (nenhuma atração por ambos os géneros)
  • 49.  AINDA SOBRE SEXUALIDADE… Não há ainda estudos conclusivos que expliquem como se determina a orientação sexual. Todavia, o maior consenso entre a comunidade científica é que a orientação sexual não resulta de uma escolha, mas sim de uma combinação de influências genéticas, hormonais e ambientais. Durante a adolescência o jovem Prof. Sérgio Carvalho descobre a sua identidade e orientação sexual. Pode não ser um processo fácil para muitos homossexuais, em especial pelas pressões sociais.
  • 50. Homofobia é o conjunto de atitudes e sentimentos negativos em relação a pessoas não- heterossexuais.  AINDA SOBRE SEXUALIDADE… Muitos são as pessoa e os grupos que se opõem à homossexualidade, muitas vezes através de atitudes e comportamentos homofóbicos. A discriminação, a intolerância e a violência causam medo nas pessoas não-heterossexuais, as quais acabam por não viver a sua sexualidade em Prof. Sérgio Carvalho pleno. A aceitação da família é importante para que o jovem aceite também a sua orientação sexual numa sociedade ainda dominada por preconceitos.
  • 51.  CONTRACEÇÃO Os métodos contracetivos são utilizados para impedir uma gravidez indesejada. A contraceção atua sob diferentes formas: - evita a produção e libertação de gâmetas; - impede a fecundação; - impede a nidação. Prof. Sérgio Carvalho Os métodos contracetivos podem ser classificados em naturais e tecnológicos.
  • 52. Os métodos naturais são pouco seguros e fiáveis…  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Naturais: Impedem a fecundação sem recorrer a substâncias químicas ou mecânicas. - Método do calendário ou de Ogino-Knaus: contagem que permite calcular o período fértil da mulher. Prof. Sérgio Carvalho
  • 53.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Naturais: - Método da temperatura basal: determinação da ovulação através da apreciação da temperatura medida na vagina. Prof. Sérgio Carvalho
  • 54.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Naturais: - Método do muco: na altura da ovulação, o muco segregado pelas glândulas do útero torna-se mais elástico (filância). Prof. Sérgio Carvalho
  • 55.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Tecnológicos Impedem a fecundação ou a nidação, através de diferentes técnicas. Podem ser: - de barreira - hormonais - cirúrgicos. Prof. Sérgio Carvalho Alguns são: - definitivos - reversíveis
  • 56.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Tecnológicos (Barreira) - Dispositivo intra-uterino (DIU): pequeno objeto metálico que é colocado pelo médico no interior do útero e que impede a nidação do zigoto. Após implantado, é eficaz por 3 a 5 anos. Prof. Sérgio Carvalho
  • 57.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Tecnológicos (Barreira) - Diafragma: membrana fina e redonda de látex ou silicone que a mulher coloca no fundo da vagina e no colo do útero antes da relação sexual, para impedir que os espermatozóides alcancem o útero. - Espermicidas: substâncias químicas (gel, spray…) que eliminam os espermatozóides. Prof. Sérgio Carvalho
  • 58.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Tecnológicos (Barreira) - Preservativo: invólucro de látex muito fino que o homem coloca à volta do pénis, impedindo que os espermatozóides sejam depositados no interior da vagina. O preservativo é o único método contracetivo que também protege de infeções sexualmente transmissíveis. Prof. Sérgio Carvalho
  • 59.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Tecnológicos (Barreira) - Preservativo feminino: preservativo que se coloca no interior da vagina. O pénis entra no preservativo feminino, depositando nele os espermatozóides. Prof. Sérgio Carvalho
  • 60. A toma de antibióticos pode diminuir o efeito da pílula.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Tecnológicos (Hormonais) - Pílula: fármaco oral composto por uma combinação de estrogénios e progesterona, e que impede a ovulação. Quando bem tomada, tem uma eficácia próxima dos 100%. Prof. Sérgio Carvalho
  • 61.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Tecnológicos (Hormonais) - Adesivos, implantes, anéis vaginais: têm um efeito e forma de atuação semelhantes ao da pílula, mas são aplicados de modo diferente. Prof. Sérgio Carvalho
  • 62.  CONTRACEÇÃO Métodos Contracetivos Tecnológicos (cirúrgicos) - Vasectomia e Laqueação das trompas: são métodos contracetivos definitivos que implicam intervenções cirúrgicas em que é feito um corte nos canais deferentes ou nas trompas de Falópio. Prof. Sérgio Carvalho
  • 63. A pílula do dia seguinte é altamente agressiva para o corpo da mulher.  CONTRACEÇÃO Método contracetivo de emergência (pílula do dia seguinte) No caso de ter ocorrido uma relação desprotegida durante o período fértil – e tratando-se de uma exceção e de uma emergência – é possível tomar a pílula do dia seguinte, a qual corresponde a uma dose alta de hormonas que se deve tomar até 72h depois da relação. Prof. Sérgio Carvalho
  • 64.  CONTRACEÇÃO Em síntese: •Método do calendário ou de Ogino-Knaus Naturais •Método da temperatura basal •Método do muco Métodos •Abstinência Contracetivos Tecnológicos Barreira •DIU R •Diafragma e v •Espermicidas e Prof. Sérgio Carvalho r •Preservativos (♂ e ♀) s í •Pílula v Hormonais e •Anel vaginal i s •Implantes e adesivos •Vasectomia D Cirúrgicos e •Laqueação das trompas f
  • 65.  Infeções Sexualmente Transmissíveis São infeções transmitidas através do contato sexual. Através da prevenção é possível impedir o aparecimento de novos casos. Prof. Sérgio Carvalho
  • 66.  SIDA A infecção com o VIH caracteriza-se por quatro fases diferentes. 1 - Ocorre primeiro o 2 - Segue-se um período 3 - A terceira fase da 4 - A quarta fase, em período de infecção que pode durar dez a 15 doença, em que o que o seropositivo aguda, até quatro anos (em alguns casos organismo já não passa a ter SIDA, semanas após o mais em outros menos), consegue repor ocorre quando a contágio e no qual o no qual, embora o vírus completamente a contagem de células seropositivo é afectado se continue a multiplicar, quantidade de células de defesa se torna por diversos sintomas o seropositivo não destruídas pelo vírus, muito baixa ou pouco característicos, apresenta quaisquer caracteriza-se por uma quando a pessoa é semelhantes aos de sintomas. Nesta fase, o imunodepressão afectada por outra uma gripe, e cuja causa, organismo consegue moderada, com sintomas doença indicadora de normalmente, passa repor quase totalmente a e sinais associados. um estado de Prof. Sérgio Carvalho despercebida a doentes quantidade de células Emagrecimento, suores imunodeficiência e médicos mortas pelo vírus. nocturnos, diarreia grave. prolongada e febre, são alguns dos exemplos de manifestações clínicas nesta fase de evolução da infecção.