Fracasso Escolar

4.852 visualizações

Publicada em

2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.852
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.899
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
62
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fracasso Escolar

  1. 1. A Produção doFracassoEscolar - A era das revoluções e a era do capital - Os sistemas nacionais de ensino - As teorias racistas - A psicologia diferencial - Teoria da carência cultural: o preconceito disfarçado?
  2. 2. A Era dasRevoluções e aEra do Capital- A Revolução Política Francesa (1789-1799):
  3. 3. A Sociedade  A sociedade francesa da segunda metade do século XVIII possuía dois grupos muitoFrancesa do  privilegiados: o Clero ou Primeiro Estado, composto peloSéc. XVII Alto Clero, que representava 0,5% da população francesa, era identificado com a nobreza e negava reformas, e pelo Baixo Clero, identificado com o povo, e que as reclamava;  a Nobreza, ou Segundo Estado, composta por uma camada palaciana ou cortesã, que sobrevivia à custa do Estado, por uma camada provincial, que se mantinha com as rendas dos feudos, e uma camada chamada Nobreza Togada, em que alguns juízes e altos funcionários burgueses adquiriram os seus títulos e cargos, transmissíveis aos herdeiros. Aproximava-se de 1,5% dos habitantes.  Esses dois grupos (ou Estados) oprimiam e exploravam o Terceiro Estado, constituído por burgueses, camponeses sem terra e os "sans-culottes", uma camada heterogênea composta por artesãos, aprendizes e proletários, que tinham este nome graças às calças simples que usavam, diferentes dos tecidos caros utilizados pelos nobres. Os impostos e contribuições para o Estado, o clero e a nobreza incidiam sobre o Terceiro Estado, uma vez que os dois últimos não só tinham isenção tributária como ainda usufruíam do tesouro real por meio de pensões e cargos públicos.
  4. 4. Causas  A causa mais forte de Revolução foi a econômica, já que as causas sociais, comoEconômicas de costume, não conseguem ser ouvidas por si sós. Os historiadores sugerem o ano de 1789 como o início da Revolução Francesa. Mas esta, por uma das "ironias" da história, começou dois anos antes, com uma reação dos notáveis franceses - clérigos e nobres - contra o absolutismo, tendo sido inspirada em idéias iluministas, e se pretendia reformar e para isso buscava limitar seus privilégios. Luís XVI convocou a nobreza e o clero para contribuírem no pagamento de impostos, na altamente aristocrática Assembleia dos Notáveis(1787).  No meio do caos econômico e do descontentamento geral, Luís XVI da França não conseguiu promover reformas tributárias, impedido pela nobreza e pelo clero, que não "queriam dar os anéis para salvar os dedos". Não percebendo que seus privilégios dependiam do Absolutismo, os notáveis pediram ajuda àburguesia para lutar contra o poder real - era a Revolta da Aristocracia ou dos Notáveis (1787-1789). Eles iniciaram a revolta ao exigir a convocação dos Estados Gerais para votar o projeto de reformas.
  5. 5.  As primeiras ações dos revolucionários deram-se quando, em 17 de junho, a reunião doA Revolução Terceiro Estado se proclamou "Assembléia Nacional" e, pouco depois, "Assembléia Nacional Constituinte". Em 12 de julho, começam os motins em Paris, culminando em 14 de julho com a tomada da prisão da Bastilha, símbolo do poder real e depósito de armas. Sob proposta de dois aristocratas, o visconde de Noailles e do duque de Aiguillon, a Assembleia suprime todos os privilégios das comunidades e das pessoas, as imunidades provinciais e municipais, as banalidades, e os direitos feudais. Pouco depois, aprovava-se a solene "Declaração dos direitos do Homem e do Cidadão". O lema dos revolucionários era "Liberdade, Igualdade e Fraternidade"
  6. 6. A Declaração dosDireitos do  A Declaração dos Direitos doHomem e do Homem e do Cidadão, de 1789, prevê a existência deCidadão (1789) distinções sociais, tem a propriedade privada como um direito natural e inalienável, preconiza a igualdade dos homens frente à Lei e às oportunidades de sucesso profissional, mas deixa claro que, embora seja dada a todos os competidores a possibilidade de começar no mesmo ponto de largada, os corredores não terminam juntos. (Hobsbawm)
  7. 7. OLiberalismo  Livre escolhaClássico  Livre iniciativa  Livre concorrência  Livre comércio  Livre pensamento  Livre expressão  Livre interpretação  Livre ação (Imagem: Adam Smith)
  8. 8. O capitalismo é um1848 – O sistema econômico em queCapitalismo os meios de produção e distribuição são de propriedade privada e com fins lucrativos; decisões sobre oferta, demanda, preço, distribuição e investimentos não são feitos pelo governo, os lucros são distribuídos para os proprietários que investem em empresas e os salários são pagos aos trabalhadores pelas empresas(Imagem: Adam Smith)
  9. 9. AsJustificativasCientíficasdiante dasContradiçõesSociais eEconômicas-As TeoriasRacistas-A PsicologiaDiferencial-Teoria daCarência Cultural
  10. 10. Os Sistemas  Imagem: criançasNacionais exploradas nasde Ensino fábricasOs EstadosNacionaisA Escola RedentoraA Escola comoAparelho IdeológicoA Escola TécnicaA EscolaDomesticadoraA EscolaManipuladoraA Escola eMobilizadora
  11. 11. Pierre Jean GeorgeAs Teorias  Cabanis (5 de junho deRacistas 1757 - 05 de maio de 1808)  ―A origem da espécie é múltipla (poligenismo) e por isso existem raças anatômicas, fisiologica mente e psicologicamente desiguais‖
  12. 12. Claude-Henri de Rouvroy,As Teorias  Conde de Saint-Simon,Racistas (Paris, 17 de outubro de 1760 — Paris, 19 de maio de 1825)  ―Os revolucionários aplicaram indevidamente aos negros o princípio de igualdade. Eles, em igual condição de educação não conseguem se elevar à mesma altura de inteligência dos europeus‖
  13. 13. Joseph Arthur de GobineauAs Teorias  (Ville - dAvray, 14 de julho de 1816 — Turim, 13 de outubroRacistas de 1882) foi um diplomata, escritor e filósofo francês. Foi um dos mais importantes teóricos do racismo no século XIX.  ―Mas se, em vez de se reproduzir entre si, a população brasileira estivesse em condições de subdividir ainda mais os elementos daninhos de sua atual constituição étnica, fortalecendo-se através de alianças de mais valor com as raças européias, o movimento de destruição observado em suas fileiras se encerraria, dando lugar a uma ação contrária.‖
  14. 14. Richard Hofstadter (6 de agosto de 1916,As Teorias  Buffalo, New York, EUA - 24 de outubro de 1970); foi um notável historiador e professor da Universidade de Columbia.Racistas  ―O darwinismo social tem origem na teoria da seleção natural de Charles Darwin, que explica a diversidade de espécies de seres vivos através do processo evolução. O sucesso da teoria da evolução motivou o surgimento de correntes nas ciências sociais baseadas na tese da sobrevivência do mais adaptado, da importância de um controle sobre a demografia humana.  De acordo com esse pensamento existiriam características biológicas e sociais que determinariam que uma pessoa é superior à outra e que as pessoas que se enquadrassem nesses critérios seriam as mais aptas. Geralmente, alguns padrões determinados como indícios de superioridade em um ser humano seriam o maior poder aquisitivo e a habilidade nas ciências humanas e exatas em detrimento das outras ciências, como a arte, por exemplo, e a raça da qual ela faz parte.
  15. 15. Francis Galton (Birmingham, 16 deA Psicologia  Fevereiro de 1822 — Haslemere, Surrey, 17 de Janeiro de 1911) foiDiferencial um antropólogo, meteorologista, matemático e estatístico inglês.  ―Tal qual muitos dos pensadores da época, Galton acreditava que a ―raça‖ humana poderia ser melhorada caso fossem evitados ―cruzamentos indesejáveis‖. O objetivo de Galton era incentivar o nascimento de indivíduos mais notáveis ou mais aptos na sociedade e desencorajar o nascimento dos inaptos. Propôs o desenvolvimentos de testes de inteligência para selecionar homens e mulheres brilhantes, destinados à reprodução seletiva (eugenia)‖.
  16. 16. Teoria da  Anne Anastasi.CarênciaCultural  ―Certos aspectos da vida familiar da classe baixa tendem a minar a autoconfiança e a segurança emocional da criança e desencorajar o desenvolvimento intelectual. Estas diferenças refletem-se em ajustamento emocional mais deficiente e realização escolar inferior por parte das crianças de classe baixa‖. (Anastasi, p. 597)
  17. 17. ―O mundo da classeIdeologia  média estava livremente aberto a todos. Portanto,Burguesa os que não conseguiam cruzar seus umbrais demonstravam uma falta de inteligência pessoal, de força moral ou de energia que automaticamente os condenava ou, na melhor das hipóteses, uma herança racial ou histórica que deveria invalidá-los eternamente, como se já tivessem feito uso, para sempre, de suas oportunidades‖. (Hobsbawm, p. 219-220)
  18. 18. Prof. Altair  Esta apresentaçãoGermano é parte da introdução à disciplina Pesquisa e Prática em Educação III, com ênfase na questão do Fracasso Escolar no Brasil.

×