SlideShare uma empresa Scribd logo
REVOLUÇÃO FRANCESA [PARTE I]
Crise do Antigo Regime
A Revolução Francesa é um dos grandes acontecimentos
históricos que marcaram a superação do feudalismo pelo
capitalismo. É tradicionalmente utilizada para assinalar o
início da Idade Contemporânea. Liderado pela burguesia, o
movimento contou com a participação de vários grupos
sociais: a população miserável das cidades, os pequenos
produtores e comerciantes, os camponeses explorados
pela servidão etc. Ao final do longo processo revolucioná-
rio, destruindo a decadente estrutura do Antigo Regime, a
burguesia chegou ao poder e acabou com o privilégio de
nascimento da nobreza. Mas, em seu lugar, colocou o privi-
légio social do dinheiro, da conquista de riquezas econômi-
cas.
Para entender o processo revolucionário francês, vamos
conhecer a situação social, econômica e política da França,
no final do século XVIII.
Sociedade: privilégios e desigualdades
Com 25 milhões de habitantes, no final do século XVIII, a
França era o país mais populoso da Europa ocidental.
No Antigo Regime, a sociedade francesa estava dividida
juridicamente em três ordens ou estamentos sociais: o
clero (primeiro estado); a nobreza (segundo estado); e o
restante da população (terceiro estado). Cada uma dessas
ordens dividia-se em diferentes grupos, por vezes rivais.
Primeiro estado - Constituído pelo clero, o primeiro estado
contava com aproximadamente 120 mil pessoas.
Segundo estado - Constituído pela nobreza, o segundo
estado contava com aproximadamente 350 mil pessoas.
Terceiro estado - Formado pela grande maioria da socieda-
de, o terceiro estado contava com mais de 24 milhões de
pessoas, representando cerca de 96% de toda a população.
Reunia diferentes grupos sociais, entre os quais podemos
distinguir: a burguesia; os sans-culotte - camada social ur-
bana de aproximadamente 200 mil pessoas, composta por
artesãos, aprendizes de ofícios, assalariados e desempre-
gados marginalizados; e os camponeses - trabalhadores
livres e semi-livres e os servos presos às obrigações feu-
dais.
Crise econômica
A economia francesa era predominantemente agrária e
ainda mantinha a estrutura feudal. Embora aproximada-
mente 80% da população trabalhasse no campo, sua pro-
dução era insuficiente para atender toda a sociedade. Se-
cas e inundações agravavam a situação da agricultura des-
de 1784. Uma sucessão de desastrosas colheitas provocava
crise de abastecimento nas cidades. O preço dos alimentos
subia assustadoramente, e o povo vivia numa situação de
miséria e fome. Os pobres mal conseguiam comprar pão. A
esse quadro de dificuldades somou-se ainda a grave crise
da indústria francesa, devido, em grande parte, ao tratado
firmado em 1786 com a Inglaterra. Por esse tratado, os
ingleses exportariam tecidos para a França, enquanto os
franceses exportariam vinhos para a Inglaterra. A indústria
têxtil francesa, entretanto, não suportou a concorrência
dos tecidos ingleses em seu mercado interno. A crise indus-
trial francesa provocou o desemprego de muitos operários,
ampliando o número de famintos e marginalizados urba-
nos.
Além de tudo isso, o governo francês atravessava séria
crise financeira, que se acumulava desde o reinado de Luís
XIV. As despesas do Estado eram muito superiores às recei-
tas do tesouro público. O déficit era crônico e a única ma-
neira de saná-lo seria promover uma reforma tributária que
eliminasse a isenção de impostos concedida ao clero e à
nobreza. Essas ordens, entretanto, não estavam dispostas
a perder seus tradicionais privilégios.
Situação política
Os diversos grupos do terceiro estado, apesar das diferen-
ças sociais, opunham-se aos privilégios concedidos à no-
breza e ao clero. Reivindicavam um regime jurídico de
igualdade de todos perante a lei, pois apenas o clero e a
nobreza possuíam uma série de benefícios políticos e tribu-
tários.
Dentre esses grupos, a burguesia, defendendo seus inte-
resses econômicos e sociais, era o que adquiria cada vez
mais consciência da necessidade de mudanças. A alta bur-
guesia, sobretudo, acreditava que o desenvolvimento do
capitalismo só ocorreria mediante uma reestruturação do
Estado.
Isso significava combater o absolutismo monárquico, a
excessiva intervenção do Estado na economia, a intolerân-
cia filosófica e religiosa e os privilégios hereditários da no-
breza e do clero. O fundamento filosófico dessas idéias era
o Iluminismo.
PROCESSO REVOLUCIONÁRIO
O longo processo revolucionário francês (1789-1799) foi
complexo e contraditório. Para melhor entendê-lo, os his-
toriadores costumam dividi-lo em diferentes fases. Não
havendo um consenso entre os historiadores sobre essa
divisão, adotaremos aqui a seguinte:
 Revolta aristocrática;
 Assembleia Nacional Constituinte;
 Monarquia constitucional;
 República e Convenção Nacional;
 Governo do Diretório.
Revolta aristocrática
Para solucionar a grave crise econômica da França, o rei
Luís XVI viu-se obrigado a criar novos tributos para o tercei-
ro estado, ou a acabar com a isenção tributária do primeiro
e segundo estados. Sentindo seus privilégios tradicionais
ameaçados, a nobreza e o clero se revoltaram, em 1787, e
pressionaram o rei para que convocasse a Assembléia dos
Estados Gerais. O objetivo era obrigar o terceiro estado a
assumir os tributos. Contavam para isso com o próprio
sistema tradicional de votação da Assembléia. A votação
era feita por grupo, ou seja, cada ordem social tinha direito
a apenas um voto, independentemente do número de
representantes. Assim, clero e nobreza, unidos, teriam
sempre dois votos contra apenas um voto do terceiro es-
tado.
No início de maio de 1789, a Assembléia dos Estados Gerais,
convocada por Luís XVI, reuniu-se no Palácio de Versalhes,
e logo surgiram os conflitos entre as ordens privilegiadas
(nobreza e clero) e o terceiro estado. A nobreza e o clero
queriam votar os projetos em separado, valendo o voto
por ordem social. O terceiro estado, que tinha mais repre-
sentantes que a nobreza e o clero juntos, não aceitou o
sistema tradicional de votação. Exigiu que a votação fosse
realizada pelo voto individual dos deputados, pois, assim,
teria condições de vencer e fazer valer suas decisões. Afi-
nal, os deputados representantes do terceiro estado eram
majoritários na Assembléia e, ainda, passaram a contar
com o apoio do baixo clero.
Apoiados pelo rei, os representantes da nobreza e do clero
não concordavam com a mudança na regra de votação
pretendida pelo terceiro estado. O conflito entre as ordens
paralisou os trabalhos.
Assembléia Nacional Constituinte
Em 17 de junho de 1789, os representantes do terceiro es-
tado se revoltaram, proclamando-se em Assembléia Nacio-
nal Constituinte, com o objetivo de elaborar uma Constitui-
ção para a França.
O rei ordenou o fechamento da sala de reuniões, tentando
dissolver a Assembléia Nacional. Mas o terceiro estado,
liderado pela burguesia, transferiu-se para um salão de
jogos do palácio, que era utilizado pela nobreza. Nesse
local improvisado, os membros do terceiro estado decidi-
ram permanecer reunidos até redigir uma Constituição
para o país. Esse episódio ficou conhecido como o Jura-
mento do Jogo da Péla. Luís XVI tentou reagir, organizando
tropas para lutar contra o terceiro estado, mas a revolta
popular já tomava as ruas. Um dos principais slogans lan-
çados pelos revolucionários era: liberdade, igualdade e
fraternidade.
Tomada da Bastilha
No dia 14 de julho de 1789, o povo, em massa, invadiu e
tomou a velha prisão da Bastilha, símbolo do poder absolu-
to do rei, onde eram aprisionados os inimigos políticos da
monarquia francesa. Além de libertar os prisioneiros, a
multidão esperava apossar-se das armas estocadas na Bas-
tilha e usá-las na defesa dos ideais do terceiro estado. De
Paris, a revolta popular espalhou-se por toda a França.
Fim do regime feudal e dos privilégios
Sem forças para dominar a agitação política e social, o rei
Luís XVI foi obrigado a reconhecer a legitimidade da As-
sembléia Nacional Constituinte. Por sua vez, a Assembléia
procurou tomar medidas de grande alcance popular para
conter a fúria revolucionária das massas camponesa e ur-
bana.
Em 4 de agosto de 1789, a Assembléia aboliu o regime feu-
dal, eliminando os direitos senhoriais sobre os campone-
ses, e acabou com os privilégios tributários do clero e da
nobreza.
Direitos do Homem
No dia 26 de agosto de 1789, a Assembléia Nacional pro-
clamou a célebre Declaração dos Direitos do Homem e do
Cidadão. Os principais pontos defendidos por esse docu-
mento foram:
 o respeito pela dignidade da pessoa humana;
 a liberdade e a igualdade dos cidadãos perante a lei;
 o direito à propriedade individual;
 o direito de resistência à opressão política;
 a liberdade de pensamento e de opinião.
A partir do século XIX, a Declaração dos Direitos do Homem
e do Cidadão alcançou grande influência na Europa, Améri-
ca e em toda parte onde começou a prevalecer o liberalis-
mo democrático. Os princípios básicos desta Declaração
foram incorporados às Constituições de muitos países do
mundo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E DRevolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E DTâmara Almeida
 
Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesamarciamcq
 
A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789JulianaGimenes
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaLianaSuzuki
 
A revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedadeA revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedade
Thiago Nunes
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução FrancesaPework
 
Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1sesi8
 
_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1Lela Leite
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesaeiprofessor
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliahistoriando
 
Resumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesaResumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesaDavid Muniz
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesaJanayna Lira
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Leide Soares Matoso
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Melissa Porto
 

Mais procurados (20)

Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E DRevolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
 
Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesa
 
A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
 
A revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedadeA revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedade
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao Francesa
Revolucao FrancesaRevolucao Francesa
Revolucao Francesa
 
Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1
 
_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Questões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesaQuestões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesa
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
Resumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesaResumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesa
 
Revolução francesa fases
Revolução francesa   fasesRevolução francesa   fases
Revolução francesa fases
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 

Destaque

A ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasilA ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasil
Edvaldo Rodrigues dos Santos
 
A agroindústria canavieira
A agroindústria canavieiraA agroindústria canavieira
A agroindústria canavieira
Edvaldo Rodrigues dos Santos
 
Crise 1929-1229128886287390-3
Crise 1929-1229128886287390-3Crise 1929-1229128886287390-3
Crise 1929-1229128886287390-3
Edvaldo Rodrigues dos Santos
 
Crisede1929 120413153943-phpapp01
Crisede1929 120413153943-phpapp01Crisede1929 120413153943-phpapp01
Crisede1929 120413153943-phpapp01
Edvaldo Rodrigues dos Santos
 
A ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasilA ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasil
Edvaldo Rodrigues dos Santos
 
A crise-de-1929-1224016523038764-9
A crise-de-1929-1224016523038764-9A crise-de-1929-1224016523038764-9
A crise-de-1929-1224016523038764-9
Edvaldo Rodrigues dos Santos
 
2º guerra mundial
2º guerra mundial2º guerra mundial
2º guerra mundial
Edvaldo Rodrigues dos Santos
 
1º reinado 2º reinado no brasil
1º reinado 2º reinado no brasil1º reinado 2º reinado no brasil
1º reinado 2º reinado no brasil
Edvaldo Rodrigues dos Santos
 

Destaque (8)

A ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasilA ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasil
 
A agroindústria canavieira
A agroindústria canavieiraA agroindústria canavieira
A agroindústria canavieira
 
Crise 1929-1229128886287390-3
Crise 1929-1229128886287390-3Crise 1929-1229128886287390-3
Crise 1929-1229128886287390-3
 
Crisede1929 120413153943-phpapp01
Crisede1929 120413153943-phpapp01Crisede1929 120413153943-phpapp01
Crisede1929 120413153943-phpapp01
 
A ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasilA ditadura militar_no_brasil
A ditadura militar_no_brasil
 
A crise-de-1929-1224016523038764-9
A crise-de-1929-1224016523038764-9A crise-de-1929-1224016523038764-9
A crise-de-1929-1224016523038764-9
 
2º guerra mundial
2º guerra mundial2º guerra mundial
2º guerra mundial
 
1º reinado 2º reinado no brasil
1º reinado 2º reinado no brasil1º reinado 2º reinado no brasil
1º reinado 2º reinado no brasil
 

Semelhante a 7 09 revolucao_francesa_1

Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxApostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
RenatoSilva922886
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXjosafaslima
 
Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Laguat
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1oLaguat
 
2013 2o. ano 1o(1)
2013   2o. ano 1o(1)2013   2o. ano 1o(1)
2013 2o. ano 1o(1)Gustavo Cuin
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
A grande revolução francesa
A grande revolução francesaA grande revolução francesa
A grande revolução francesa
Fernando Alcoforado
 
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e IndustrialRevoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e IndustrialRivea Leal
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaJulia Selistre
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
seixasmarianas
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
OAB (Brazilian Order of Advocates)
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
FelipeBicudo1
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesagueste79b40
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
MargarethFranklim
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
E.E. Prof. João Magiano Pinto
 
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
MarlenePrado7
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
Rondinelly Silva
 

Semelhante a 7 09 revolucao_francesa_1 (20)

Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxApostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
 
Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
 
2013 2o. ano 1o(1)
2013   2o. ano 1o(1)2013   2o. ano 1o(1)
2013 2o. ano 1o(1)
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
 
A grande revolução francesa
A grande revolução francesaA grande revolução francesa
A grande revolução francesa
 
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e IndustrialRevoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
 
Revolução..
Revolução..Revolução..
Revolução..
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 

7 09 revolucao_francesa_1

  • 1. REVOLUÇÃO FRANCESA [PARTE I] Crise do Antigo Regime A Revolução Francesa é um dos grandes acontecimentos históricos que marcaram a superação do feudalismo pelo capitalismo. É tradicionalmente utilizada para assinalar o início da Idade Contemporânea. Liderado pela burguesia, o movimento contou com a participação de vários grupos sociais: a população miserável das cidades, os pequenos produtores e comerciantes, os camponeses explorados pela servidão etc. Ao final do longo processo revolucioná- rio, destruindo a decadente estrutura do Antigo Regime, a burguesia chegou ao poder e acabou com o privilégio de nascimento da nobreza. Mas, em seu lugar, colocou o privi- légio social do dinheiro, da conquista de riquezas econômi- cas. Para entender o processo revolucionário francês, vamos conhecer a situação social, econômica e política da França, no final do século XVIII. Sociedade: privilégios e desigualdades Com 25 milhões de habitantes, no final do século XVIII, a França era o país mais populoso da Europa ocidental. No Antigo Regime, a sociedade francesa estava dividida juridicamente em três ordens ou estamentos sociais: o clero (primeiro estado); a nobreza (segundo estado); e o restante da população (terceiro estado). Cada uma dessas ordens dividia-se em diferentes grupos, por vezes rivais. Primeiro estado - Constituído pelo clero, o primeiro estado contava com aproximadamente 120 mil pessoas. Segundo estado - Constituído pela nobreza, o segundo estado contava com aproximadamente 350 mil pessoas. Terceiro estado - Formado pela grande maioria da socieda- de, o terceiro estado contava com mais de 24 milhões de pessoas, representando cerca de 96% de toda a população. Reunia diferentes grupos sociais, entre os quais podemos distinguir: a burguesia; os sans-culotte - camada social ur- bana de aproximadamente 200 mil pessoas, composta por artesãos, aprendizes de ofícios, assalariados e desempre- gados marginalizados; e os camponeses - trabalhadores livres e semi-livres e os servos presos às obrigações feu- dais. Crise econômica A economia francesa era predominantemente agrária e ainda mantinha a estrutura feudal. Embora aproximada- mente 80% da população trabalhasse no campo, sua pro- dução era insuficiente para atender toda a sociedade. Se- cas e inundações agravavam a situação da agricultura des- de 1784. Uma sucessão de desastrosas colheitas provocava crise de abastecimento nas cidades. O preço dos alimentos subia assustadoramente, e o povo vivia numa situação de miséria e fome. Os pobres mal conseguiam comprar pão. A esse quadro de dificuldades somou-se ainda a grave crise da indústria francesa, devido, em grande parte, ao tratado firmado em 1786 com a Inglaterra. Por esse tratado, os ingleses exportariam tecidos para a França, enquanto os franceses exportariam vinhos para a Inglaterra. A indústria têxtil francesa, entretanto, não suportou a concorrência dos tecidos ingleses em seu mercado interno. A crise indus- trial francesa provocou o desemprego de muitos operários, ampliando o número de famintos e marginalizados urba- nos. Além de tudo isso, o governo francês atravessava séria crise financeira, que se acumulava desde o reinado de Luís XIV. As despesas do Estado eram muito superiores às recei- tas do tesouro público. O déficit era crônico e a única ma- neira de saná-lo seria promover uma reforma tributária que eliminasse a isenção de impostos concedida ao clero e à nobreza. Essas ordens, entretanto, não estavam dispostas a perder seus tradicionais privilégios. Situação política Os diversos grupos do terceiro estado, apesar das diferen- ças sociais, opunham-se aos privilégios concedidos à no- breza e ao clero. Reivindicavam um regime jurídico de igualdade de todos perante a lei, pois apenas o clero e a nobreza possuíam uma série de benefícios políticos e tribu- tários. Dentre esses grupos, a burguesia, defendendo seus inte- resses econômicos e sociais, era o que adquiria cada vez mais consciência da necessidade de mudanças. A alta bur- guesia, sobretudo, acreditava que o desenvolvimento do capitalismo só ocorreria mediante uma reestruturação do Estado. Isso significava combater o absolutismo monárquico, a excessiva intervenção do Estado na economia, a intolerân- cia filosófica e religiosa e os privilégios hereditários da no- breza e do clero. O fundamento filosófico dessas idéias era o Iluminismo. PROCESSO REVOLUCIONÁRIO O longo processo revolucionário francês (1789-1799) foi complexo e contraditório. Para melhor entendê-lo, os his- toriadores costumam dividi-lo em diferentes fases. Não havendo um consenso entre os historiadores sobre essa divisão, adotaremos aqui a seguinte:  Revolta aristocrática;  Assembleia Nacional Constituinte;  Monarquia constitucional;  República e Convenção Nacional;  Governo do Diretório. Revolta aristocrática Para solucionar a grave crise econômica da França, o rei Luís XVI viu-se obrigado a criar novos tributos para o tercei- ro estado, ou a acabar com a isenção tributária do primeiro e segundo estados. Sentindo seus privilégios tradicionais ameaçados, a nobreza e o clero se revoltaram, em 1787, e pressionaram o rei para que convocasse a Assembléia dos Estados Gerais. O objetivo era obrigar o terceiro estado a assumir os tributos. Contavam para isso com o próprio sistema tradicional de votação da Assembléia. A votação era feita por grupo, ou seja, cada ordem social tinha direito a apenas um voto, independentemente do número de representantes. Assim, clero e nobreza, unidos, teriam sempre dois votos contra apenas um voto do terceiro es- tado. No início de maio de 1789, a Assembléia dos Estados Gerais, convocada por Luís XVI, reuniu-se no Palácio de Versalhes, e logo surgiram os conflitos entre as ordens privilegiadas (nobreza e clero) e o terceiro estado. A nobreza e o clero
  • 2. queriam votar os projetos em separado, valendo o voto por ordem social. O terceiro estado, que tinha mais repre- sentantes que a nobreza e o clero juntos, não aceitou o sistema tradicional de votação. Exigiu que a votação fosse realizada pelo voto individual dos deputados, pois, assim, teria condições de vencer e fazer valer suas decisões. Afi- nal, os deputados representantes do terceiro estado eram majoritários na Assembléia e, ainda, passaram a contar com o apoio do baixo clero. Apoiados pelo rei, os representantes da nobreza e do clero não concordavam com a mudança na regra de votação pretendida pelo terceiro estado. O conflito entre as ordens paralisou os trabalhos. Assembléia Nacional Constituinte Em 17 de junho de 1789, os representantes do terceiro es- tado se revoltaram, proclamando-se em Assembléia Nacio- nal Constituinte, com o objetivo de elaborar uma Constitui- ção para a França. O rei ordenou o fechamento da sala de reuniões, tentando dissolver a Assembléia Nacional. Mas o terceiro estado, liderado pela burguesia, transferiu-se para um salão de jogos do palácio, que era utilizado pela nobreza. Nesse local improvisado, os membros do terceiro estado decidi- ram permanecer reunidos até redigir uma Constituição para o país. Esse episódio ficou conhecido como o Jura- mento do Jogo da Péla. Luís XVI tentou reagir, organizando tropas para lutar contra o terceiro estado, mas a revolta popular já tomava as ruas. Um dos principais slogans lan- çados pelos revolucionários era: liberdade, igualdade e fraternidade. Tomada da Bastilha No dia 14 de julho de 1789, o povo, em massa, invadiu e tomou a velha prisão da Bastilha, símbolo do poder absolu- to do rei, onde eram aprisionados os inimigos políticos da monarquia francesa. Além de libertar os prisioneiros, a multidão esperava apossar-se das armas estocadas na Bas- tilha e usá-las na defesa dos ideais do terceiro estado. De Paris, a revolta popular espalhou-se por toda a França. Fim do regime feudal e dos privilégios Sem forças para dominar a agitação política e social, o rei Luís XVI foi obrigado a reconhecer a legitimidade da As- sembléia Nacional Constituinte. Por sua vez, a Assembléia procurou tomar medidas de grande alcance popular para conter a fúria revolucionária das massas camponesa e ur- bana. Em 4 de agosto de 1789, a Assembléia aboliu o regime feu- dal, eliminando os direitos senhoriais sobre os campone- ses, e acabou com os privilégios tributários do clero e da nobreza. Direitos do Homem No dia 26 de agosto de 1789, a Assembléia Nacional pro- clamou a célebre Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Os principais pontos defendidos por esse docu- mento foram:  o respeito pela dignidade da pessoa humana;  a liberdade e a igualdade dos cidadãos perante a lei;  o direito à propriedade individual;  o direito de resistência à opressão política;  a liberdade de pensamento e de opinião. A partir do século XIX, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão alcançou grande influência na Europa, Améri- ca e em toda parte onde começou a prevalecer o liberalis- mo democrático. Os princípios básicos desta Declaração foram incorporados às Constituições de muitos países do mundo.