Vícios Digitais: o papel da escola
frente ao uso consciente das
tecnologias
Professora Ms Herik Zednik (hzednik@hotmail.co...
Desafio
2
Desligar e guardar o celular até o final da palestra
3
Sumário
Contexto
Hábitos e
Vícios Digitais
O papel da
escola X
Vícios Digitais
Contexto
4
Era pós-digital:
desafios
ampliados
pela transição
de eras
Incomunicação
entre gerações:
Imigrantes
Digitais x
...
PRINCIPAIS VÍCIOS DIGITAIS
“O que vai determinar se eles são bons
ou ruins não é o comportamento em si,
mas a intensidade ...
Cibercondria ou
Hipocondria Digital
• Tendência de o usuário
acreditar que tem todas as
doenças sobre as quais leu
na Inte...
Depressão do Facebook
• Depressão entre os jovens associada ao tempo que
passam no Facebook.
• O dependente acredita que o...
Distúrbios do sono
• Diminuição das horas de
sono em função do
aumento da quantidade
de atividades no
computador/Internet....
Economia da Atenção
• A atenção é um recurso
finito e, conforme a
quantidade de informação
aumenta, conseguimos
prestar me...
Info-obesidade
• A quantidade de informação com que as pessoas
lidam e incorporam em suas vidas cotidianas tem
crescido na...
Internet Addiction
Disorder - IAD
• Uso excessivo e irracional da
Internet, que corresponde à
dificuldade no controle dos
...
12
Isolamento social
• A companhia no meio social
perde espaço para os
sistemas tecnológicos que
isola o indivíduo do mundo
r...
Multitasking
• Realização de várias tarefas ao
mesmo tempo (multitarefa).
• Gerenciar simultaneamente
duas tarefas mentais...
Narcisismo digital - Transtorno
dismórfico corporal
• Problema relacionado à imagem
corporal, em que um indivíduo
tem exce...
Náusea Digital
(Cybersickness)
• Vertigem que algumas pessoas sentem quando interagem
com alguns ambientes digitais.
• É c...
NEWism e NOWism
• A notícia que importa saber, para a pessoa
acometida desse vício, é aquela mais nova e
que apareceu agor...
Nomophobia
• Sensação de ansiedade ao ficar sem celular.
• A palavra nomophobia é uma abreviatura de
“no-mobile phobia”, o...
O efeito Google
• Por conta da facilidade em
encontrar todo tipo de
informação na Internet, o
cérebro passa a reter uma
qu...
Presenteísmo
• As pessoas estão
presentes apenas de
maneira física no
trabalho ou na
escola, mas não se
envolvem
verdadeir...
21
Síndrome do toque fantasma
• Trata-se daquela
sensação de que o seu
celular está vibrando
no seu bolso, fazendo
com que...
Slacktivismo
• Ativismo praticado na Internet, por meio de assinatura de
petições on-line, clique, postagens e propagação ...
Vício em jogos on-line
• O cérebro sente uma necessidade aditiva pelo estímulo que
produzem determinados jogos on-line.
• ...
24
O PAPEL DA ESCOLA FRENTE AOS PRINCIPAIS
RISCOS À SAÚDE ASSOCIADOS AO USO EXCESSIVO
DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS 25
O Papel da Escola!
1. Admitir a situação de risco que
todos os sujeitos estão expostos;
2. Instituir uma equipe para
direc...
27
6. Integrar ao programa curricular conteúdos sobre o comportamento
saudável na rede e prevenção de riscos;
7. Promover ...
28
Os professores têm duas tarefas:
1. fazer com que seus alunos compreendam
que determinados comportamentos
comprometem s...
Observação
• Em muitos casos, o mau uso das TIC,
desenvolvidas pelos alunos, há uma origem
patológica não particularmente ...
Diferentes níveis de aceitação e
participação da família
1. em alguns casos não aceitam que seus filhos possam ser
viciado...
Atitude ideal da família!
1. Participar de atividades de conscientização
mobilizadas pela escola;
2. Promover bons hábitos...
Teste: Você é viciado em
internet?
A internet é um vício para você? O Teste de Dependência
da Internet do Instituto Delete...
33
1. Está ligado à Internet mais tempo do que pretendia?
2. Negligencia tarefas domésticas para passar mais tempo ligado?...
34
11. Encontra-se a desejar voltar a estar ligado à Internet
novamente?
12. Tem receio de que a vida sem Internet seja ab...
35
Depois de ter respondido a todas as questões, some
os números que selecionou para cada resposta para obter
uma pontuaçã...
Referência
ZEDNIK, H.; TAROUCO, L. M. R; LÓPEZ, C. Os
principais riscos à saúde associados ao uso das
tecnologias digitais...
37
Obrigada!
“As novas tecnologias impulsionam
irreversivelmente uma mudança
comportamental. No entanto, a
sociedade preci...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Vícios Digitais: o papel da escola frente ao uso consciente das tecnologias

1.443 visualizações

Publicada em

A sociedade chega ao mundo Pós-Digital impulsionada pela ubiquidade das tecnologias digitais, com desafios ampliados pela transição de eras. Este enorme potencial tem trazido proporcionais desafios educativos em função de compreender e atender à atual geração de nativos digitais. Suscitada por esta temática, a palestra se centra nos fatores de identificação e descrição dos principais vícios digitais que reverberam no mundo real. A análise apresenta uma considerável variedade de vícios digitais que vão desde o Transtorno de Dependência da Internet, passando por diversos transtornos emocionais como a Nomofobia até problemas de socialização como Isolamento Social, devido ao distanciamento no mundo real produzido pelo uso excessivo da Web. A partir da identificação desta recente problemática se busca conscientizar do papel fundamental da escola que, em estreita e dinâmica relação com a família como fator indispensável, se apresentam como entidades responsáveis de garantir uma orientação, prevenção e intervenção eficaz para fazer frente a estes novos flagelos dos vícios digitais.

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.443
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vícios Digitais: o papel da escola frente ao uso consciente das tecnologias

  1. 1. Vícios Digitais: o papel da escola frente ao uso consciente das tecnologias Professora Ms Herik Zednik (hzednik@hotmail.com) 1
  2. 2. Desafio 2 Desligar e guardar o celular até o final da palestra
  3. 3. 3 Sumário Contexto Hábitos e Vícios Digitais O papel da escola X Vícios Digitais
  4. 4. Contexto 4 Era pós-digital: desafios ampliados pela transição de eras Incomunicação entre gerações: Imigrantes Digitais x Nativos Digitais Exposição aos perigos da Internet
  5. 5. PRINCIPAIS VÍCIOS DIGITAIS “O que vai determinar se eles são bons ou ruins não é o comportamento em si, mas a intensidade e o quanto eles estão melhorando ou piorando nossas vidas.” (Marta Gabriel, 2013) 5
  6. 6. Cibercondria ou Hipocondria Digital • Tendência de o usuário acreditar que tem todas as doenças sobre as quais leu na Internet. • Pessoas recorrem aos “médicos virtuais” para identificar a causa de pequenos problemas, como dores de cabeça por exemplo. • A partir daí, com um pouco de informação e muita imaginação, passa a pensar que tem algo grave. 6
  7. 7. Depressão do Facebook • Depressão entre os jovens associada ao tempo que passam no Facebook. • O dependente acredita que o Facebook é um mundo ideal, onde todos são felizes, bem sucedidos, engajados e populares, isso leva o usuário a crer que todo mundo tem uma vida melhor que a dele, causando a depressão. 7
  8. 8. Distúrbios do sono • Diminuição das horas de sono em função do aumento da quantidade de atividades no computador/Internet. • O sono é importante para restauração da energia física, para atividades mentais e emocionais. • Dormir mal repercute nas atividades do aprendizado dentro e fora do ambiente escolar. 8
  9. 9. Economia da Atenção • A atenção é um recurso finito e, conforme a quantidade de informação aumenta, conseguimos prestar menos atenção em tudo. • Assim, quanto maior a riqueza da informação, maior a pobreza da atenção (Transtorno do Déficit de Atenção). 9
  10. 10. Info-obesidade • A quantidade de informação com que as pessoas lidam e incorporam em suas vidas cotidianas tem crescido nas últimas décadas, levando-os a uma sobrecarga informacional cognitiva. 10
  11. 11. Internet Addiction Disorder - IAD • Uso excessivo e irracional da Internet, que corresponde à dificuldade no controle dos impulsos e que se manifesta como um conjunto de sintomas cognitivos e de conduta. • Também conhecido como: • Transtorno de Dependência da Internet (TDI); • Uso Compulsivo de Internet (UCI); • Pathological Internet Use (PIU). 11
  12. 12. 12
  13. 13. Isolamento social • A companhia no meio social perde espaço para os sistemas tecnológicos que isola o indivíduo do mundo real. • O usuário passa a ter um novo relacionamento com o tempo trocando o dia pela noite. • A solidão seria resultado de um mundo eletrônico no qual os sentimentos de emoção permanecem no plano virtual e não no presencial. 13
  14. 14. Multitasking • Realização de várias tarefas ao mesmo tempo (multitarefa). • Gerenciar simultaneamente duas tarefas mentais reduz o poder do cérebro disponível para cada tarefa. • O alto estresse crônico do MULTITASKING está associado também a perdas de memórias de curto prazo. 14
  15. 15. Narcisismo digital - Transtorno dismórfico corporal • Problema relacionado à imagem corporal, em que um indivíduo tem excessiva preocupação com sua aparência. • O excesso de selfies diários é definido como um distúrbio obsessivo-compulsivo caracterizado por um desejo permanente de se fotografar, expondo as fotos nas redes sociais para compensar a falta de autoestima. 15
  16. 16. Náusea Digital (Cybersickness) • Vertigem que algumas pessoas sentem quando interagem com alguns ambientes digitais. • É comum pessoas sentirem-se tontas e nauseadas ao interagirem com o universo virtual. • É basicamente o nosso cérebro sendo enganado e ficando enjoado por conta da sensação de movimento quando não estamos realmente nos movimentando. 16
  17. 17. NEWism e NOWism • A notícia que importa saber, para a pessoa acometida desse vício, é aquela mais nova e que apareceu agora. • É resultado do mau hábito de consumir informações em tempo real, valorizando apenas o que é novo e atual. • Tendência de focar no presente em detrimento do passado ou futuro. • O que acontece agora (Now) tende a consumir mais tempo e atenção, fazendo que reflita menos sobre o passado ou futuro. 17
  18. 18. Nomophobia • Sensação de ansiedade ao ficar sem celular. • A palavra nomophobia é uma abreviatura de “no-mobile phobia”, ou seja, medo de ficar sem o telefone móvel. 18
  19. 19. O efeito Google • Por conta da facilidade em encontrar todo tipo de informação na Internet, o cérebro passa a reter uma quantidade menor de informações. 19 • O cérebro passa agir como se não mais necessitasse memorizar certas informações, já que as conseguiria facilmente na rede.
  20. 20. Presenteísmo • As pessoas estão presentes apenas de maneira física no trabalho ou na escola, mas não se envolvem verdadeiramente em suas tarefas, pois não conseguem desconectar-se da Internet, gerando baixa produtividade. 20
  21. 21. 21 Síndrome do toque fantasma • Trata-se daquela sensação de que o seu celular está vibrando no seu bolso, fazendo com que a pessoa acesse com muita frequência para conferir.
  22. 22. Slacktivismo • Ativismo praticado na Internet, por meio de assinatura de petições on-line, clique, postagens e propagação de mensagens de apoio a causas nas mídias sociais. • Normalmente tem uma conotação negativa porque envolve esforços de mínimo custo como substituto a ações mais substanciais além de estar associado a uma medida que as pessoas fazem mais para se sentirem bem. 22
  23. 23. Vício em jogos on-line • O cérebro sente uma necessidade aditiva pelo estímulo que produzem determinados jogos on-line. • “Quando você é dependente de algo, seu cérebro basicamente está informando que precisa de certas substâncias neurotransmissoras, particularmente a dopamina e a serotonina, para se sentir bem” (Rosen, 2012). 23
  24. 24. 24
  25. 25. O PAPEL DA ESCOLA FRENTE AOS PRINCIPAIS RISCOS À SAÚDE ASSOCIADOS AO USO EXCESSIVO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS 25
  26. 26. O Papel da Escola! 1. Admitir a situação de risco que todos os sujeitos estão expostos; 2. Instituir uma equipe para direcionar protocolos de intervenção; 3. Desenvolver campanhas de sensibilização para professores, estudantes e famílias; 26 4. Planejar estratégias, eventos e atividades para introduzir de forma dinâmica o tema; 5. Criar práticas de intervenção educacional relacionadas aos temas: TIC, informação, tecnologia digital e vícios digitais;
  27. 27. 27 6. Integrar ao programa curricular conteúdos sobre o comportamento saudável na rede e prevenção de riscos; 7. Promover a formação continuada de professores que abarquem o tema do comportamento saudável na rede e o conhecimento sobre os vícios digitais; 8. Avaliar e monitorar sistematicamente a eficiência e a qualidade de todas as estratégias de intervenção; 9. Personalizar as ações de intervenção e prevenção na escola através do conhecimento proveniente de suas próprias investigações internas; 10. Promover intercâmbio de experiências com outras escolas.
  28. 28. 28 Os professores têm duas tarefas: 1. fazer com que seus alunos compreendam que determinados comportamentos comprometem sua saúde; 2. transferir essa preocupação aos demais colegas professores de outras áreas de conhecimento, para que eles possam permanecer vigilantes naqueles alunos propensos ao desenvolvimento de vícios digitais.
  29. 29. Observação • Em muitos casos, o mau uso das TIC, desenvolvidas pelos alunos, há uma origem patológica não particularmente relacionada à tecnologia, mas que é detectada a partir dela, por duas razões: 1. A fácil acessibilidade ao evento de risco; 2. Exposição às Redes Sociais que funcionam como campos férteis para revelar comportamentos pré- existentes. 29
  30. 30. Diferentes níveis de aceitação e participação da família 1. em alguns casos não aceitam que seus filhos possam ser viciados digitais; 2. não admitem que eles tenham alguma responsabilidade na educação dos seus filhos nesta matéria; 3. tampouco mostram-se colaborativos em práticas de investigação para determinar a origem dos problemas; 4. podem considerar que suas atitudes não geram qualquer mau exemplo para seus filhos; 5. podem derivar toda a ação educativa, neste contexto, como sendo de responsabilidade da escola. 30
  31. 31. Atitude ideal da família! 1. Participar de atividades de conscientização mobilizadas pela escola; 2. Promover bons hábitos através da educação e bom exemplo em casa. 31
  32. 32. Teste: Você é viciado em internet? A internet é um vício para você? O Teste de Dependência da Internet do Instituto Delete foi a primeira forma validade e credível de medir a dependência da utilização da internet. O teste é um questionário com 20 perguntas que mede os níveis baixo, moderado e grave de dependência da internet. Faça o teste Para avaliar o seu nível de dependência, atribua à resposta a cada pergunta o valor adequado segundo a seguinte escala: 0 - Não se aplica 1 - Raramente 2 - Ocasionalmente 3 - Frequentemente 4 - Quase sempre 5 - Sempre 32
  33. 33. 33 1. Está ligado à Internet mais tempo do que pretendia? 2. Negligencia tarefas domésticas para passar mais tempo ligado? 3. Prefere a excitação da Internet à intimidade com o seu parceiro? 4. Estabelece novas relações com outros utilizadores na Internet? 5. As pessoas próximas de si se queixam sobre o tempo que passa ligado? 6. Os seus afazeres são alterados devido ao tempo que passa ligado? 7. Verifica o correio eletrônico antes de qualquer outra coisa que precise fazer? 8. O seu desempenho ou produtividade no trabalho sofre devido à Internet? 9. Tem uma atitude defensiva ou de sincretismo quando alguém lhe pergunta o que está a fazer na Internet? 10. Bloqueia os pensamentos perturbantes sobre a sua vida com pensamentos reconfortantes da Internet?
  34. 34. 34 11. Encontra-se a desejar voltar a estar ligado à Internet novamente? 12. Tem receio de que a vida sem Internet seja aborrecida, vazia e sem alegria? 13. Refila, grita ou fica irritado (a) se alguém o (a) incomoda enquanto está na Internet? 14. Perde o sono devido a estar na Internet até muito tarde? 15. Fica preocupado com a Internet quando não está ligado ou fantasia com estar na Internet? 16. Diz a si mesmo “só mais uns minutos” quando está na Internet? 17. Tenta reduzir a quantidade de tempo que passa na Internet e não consegue? 18. Tenta esconder a quantidade de tempo que passou na Internet? 19. Escolhe passar mais tempo na Internet em detrimento de sair com outras pessoas? 20. Se sente deprimido (a), instável ou nervoso (a) quando não está na Internet e isso desaparece quando volta a estar ligado?
  35. 35. 35 Depois de ter respondido a todas as questões, some os números que selecionou para cada resposta para obter uma pontuação final. Quanto mais alta for a pontuação, maior é o nível de dependência e os problemas que o uso da Internet provoca. RESULTADOS Segue a escala geral para ajudar a medir a sua pontuação: 20-49 pontos: Você é um utilizador médio. Por vezes poderá até navegar na Internet um pouco demais, no entanto, tem controle sobre a sua utilização. 50-79 pontos: Você começa a ter problemas ocasionais ou frequentes devido ao uso da Internet. Deve considerar o impacto na sua vida por ficar ligado à Internet com frequência. 80-100 pontos: A utilização da Internet está causando problemas significativos na sua vida. Deve avaliar as consequências destes impactos e aprender a lidar com a internet de modo mais saudável e produtivo.
  36. 36. Referência ZEDNIK, H.; TAROUCO, L. M. R; LÓPEZ, C. Os principais riscos à saúde associados ao uso das tecnologias digitais: o papel da escola frente a esse desafio. SHEWC - Congresso Mundial de Pesquisas Ambientais, Saúde e Segurança. Porto/PT, 2015. 36
  37. 37. 37 Obrigada! “As novas tecnologias impulsionam irreversivelmente uma mudança comportamental. No entanto, a sociedade precisa estar alerta para que esta mudança comportamental seja acompanhada de hábitos saudáveis“ (Zednik, 2015) “Nós moldamos nossas ferramentas e depois elas nos moldam” (John Culkin, 1967).

×