Orientadora: Vera Marlize Schroer
2 de abril de 2014.
Leitura deleite
Lúdico, do latim ludus,
originalmente associado à
brincadeira, ao jogo, ao
divertimento. Essencial ao
desenvolvimento huma...
Isso torna ainda mais importante o
papel da mediação pedagógica, uma
vez que somos responsáveis pela
organização do espaço...
• De acordo com os estudos de Piaget (1984), a
atividade lúdica é um princípio fundamental
para o desenvolvimento das ativ...
Destacamos que ao tratarmos das
brincadeiras e jogos, não nos
referimos apenas aos que ajudam na
aprendizagem do sistema a...
No Ciclo de Alfabetização, as crianças devem partir da
observação ativa: manipular objetos; construir e
desconstruir sequê...
CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS
(BRANDÃO, 2009 apud SILVA; LIMA,
2012)
JOGOS
-expressão cultural de diferentes grupos sociais, do ...
JOGOS DE REGRAS
O objetivo é atender às regras que foram compartilhadas, embora as
mesmas, muitas vezes, estejam vinculada...
JOGOS DE ENREDO
O foco são as representações de situações, narrativas e a
vivência de histórias, muitas vezes, fundamentad...
No jogo as crianças têm oportunidade de incrementar
suas capacidades de memorização, enumeração,
socialização, articulação...
BENEFÍCIOS DOS JOGOS
(BITTENCOURT e FERREIRA,
2002).
“[...] a experiência do brincar ‘não é simplesmente
reproduzida, e sim recriada a partir do que a criança traz
de novo, co...
O ensino da Matemática, assim como o dos
demais componentes curriculares, é previsto na
Lei 9.394/96, que estabelece as di...
Para ajudar as crianças na construção dos
conhecimentos matemáticos podemos explorar
a História da Matemática para que ela...
Elas podem, por exemplo, experimentar
situações em que são solicitadas a fazer
COMPARAÇÕES, CORRESPONDÊNCIAS, MEDIR, ,
QUA...
A linguagem Matemática,
assim como a linguagem
escrita, abarca um conjunto
de símbolos que atribuem
significação às operaç...
A linguagem matemática deve
acompanhar a formação do
conceito. Representar um
número por meio de
palavra ou de um desenho
...
Compreender o desenvolvimento de ações reflexivas
para a criança comparar, discutir, questionar, criar e
ampliar ideias, e...
PARA REFLETIR
1.Qualquer maneira de jogar e brincar vale a pena? O que fazer para
ajudar as crianças a aprender?
2. De ond...
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Slides Ludicidade - PNAIC
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slides Ludicidade - PNAIC

3.239 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.239
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
251
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
271
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides Ludicidade - PNAIC

  1. 1.   Orientadora: Vera Marlize Schroer 2 de abril de 2014.
  2. 2. Leitura deleite
  3. 3. Lúdico, do latim ludus, originalmente associado à brincadeira, ao jogo, ao divertimento. Essencial ao desenvolvimento humano. O LÚDICO faz parte do cotidiano dasO LÚDICO faz parte do cotidiano das crianças.crianças.
  4. 4. Isso torna ainda mais importante o papel da mediação pedagógica, uma vez que somos responsáveis pela organização do espaço, dos materiais, dos brinquedos e jogos, pela oferta da literatura infantil, pelo planejamento de atividades que potencializam a entrada do lúdico na sala de aula. Diferentes matrizes teóricas defendem a ludicidadeludicidade como base para a aprendizagem.como base para a aprendizagem. Há muitos debates sobre qual é o papel do professor nessas situações. Retomada “PAPÉIS DO BRINCAR E DO JOGAR NA ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA Cruz, I. Avião de papel. Pintura em tela
  5. 5. • De acordo com os estudos de Piaget (1984), a atividade lúdica é um princípio fundamental para o desenvolvimento das atividades intelectuais da criança sendo, por isso, indispensável à pratica educativa.
  6. 6. Destacamos que ao tratarmos das brincadeiras e jogos, não nos referimos apenas aos que ajudam na aprendizagem do sistema alfabético, mas também aos que auxiliam na aprendizagem de todos os conteúdos dos outros componentes curriculares.
  7. 7. No Ciclo de Alfabetização, as crianças devem partir da observação ativa: manipular objetos; construir e desconstruir sequências; desenhar, medir, comparar, classificar e modificar sequências estabelecidas por padrões.
  8. 8. CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS (BRANDÃO, 2009 apud SILVA; LIMA, 2012) JOGOS -expressão cultural de diferentes grupos sociais, do campo e da cidade; - evidenciam a importância da dimensão lúdica, entendida como dimensão do prazer, do entretenimento, da diversão, para as pessoas e grupos; - através dos jogos, crianças e/ou adultos se engajam num mundo imaginário, regido por regras próprias que, geralmente, são construídas a partir das próprias regras sociais de convivência.
  9. 9. JOGOS DE REGRAS O objetivo é atender às regras que foram compartilhadas, embora as mesmas, muitas vezes, estejam vinculadas a um mundo construído no imaginário dos jogadores. Contribui, consideravelmente, para desenvolver, nos jogadores (indivíduos e grupos), não só atitudes sociais, morais e éticas, mas também o princípio de colaboração e solidariedade, sobretudo, nos jogos em equipe. JOGOS DE CONSTRUÇÃO Auxiliam no desenvolvimento de múltiplas habilidades como as noções de equilíbrio, de diferenciação de espaços e formas, dentre outras.
  10. 10. JOGOS DE ENREDO O foco são as representações de situações, narrativas e a vivência de histórias, muitas vezes, fundamentadas em recortes da vida cotidiana, ou mesmo em contos, mitos e lendas. A importância desse tipo de jogo está no seu funcionamento com instrumento de desvelamento do mundo, visando ao enfrentamento da realidade, na medida em que amplia “as possibilidades de ação e compreensão do mundo”. “Os jogos de enredo, portanto, fazem com que as crianças experimentem a vida em sociedade e exerçam papéis sociais diversos, de modo que as regras sociais são o alicerce da brincadeira” (BRANDÃO, 2009 apud SILVA, LIMA 2012, p.19).
  11. 11. No jogo as crianças têm oportunidade de incrementar suas capacidades de memorização, enumeração, socialização, articulação, entre outras.
  12. 12. BENEFÍCIOS DOS JOGOS (BITTENCOURT e FERREIRA, 2002).
  13. 13. “[...] a experiência do brincar ‘não é simplesmente reproduzida, e sim recriada a partir do que a criança traz de novo, com o seu poder de imaginar, criar, reinventar e produzir cultura’ (BORBA, 2012, p.36). Além disso, “o brincar envolve, portanto, complexos processos de articulação entre o já dado e o novo, entre a experiência, a memória e a imaginação, entre a realidade e a fantasia”. (BORBA, 2012, p.38).
  14. 14. O ensino da Matemática, assim como o dos demais componentes curriculares, é previsto na Lei 9.394/96, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. No artigo 32, por exemplo, é proposto que é necessário garantir “o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo” (PNAIC, Unidade IV, Ano 1, p. 24). Direitos de Aprendizagem: Matemática
  15. 15. Para ajudar as crianças na construção dos conhecimentos matemáticos podemos explorar a História da Matemática para que elas se sintam parte dessa construção humana, nos diversos contextos socioculturais.
  16. 16. Elas podem, por exemplo, experimentar situações em que são solicitadas a fazer COMPARAÇÕES, CORRESPONDÊNCIAS, MEDIR, , QUANTIFICAR, utilizando para isso, seu SENSO NUMÉRICO.
  17. 17. A linguagem Matemática, assim como a linguagem escrita, abarca um conjunto de símbolos que atribuem significação às operações do pensamento humano e, nesse sentido, as crianças precisam ser levadas à transitar entre essas formas de representação por meio de registros orais, pictóricos e escritos.
  18. 18. A linguagem matemática deve acompanhar a formação do conceito. Representar um número por meio de palavra ou de um desenho é ação desprovida de significado se a criança não formar, progressivamente, o conceito de número, a partir de situações do seu cotidiano.
  19. 19. Compreender o desenvolvimento de ações reflexivas para a criança comparar, discutir, questionar, criar e ampliar ideias, e também perceber que a tentativa e o erro fazem parte do seu processo de construção do conhecimento. Ações que geram o desejo de responder a uma pergunta instigante, ou de ajustar-se às regras de um jogo, ou de seguir as estratégias socializadas por um colega, ou seja, resolver problemas que ajudem na apropriação do conhecimento matemático.
  20. 20. PARA REFLETIR 1.Qualquer maneira de jogar e brincar vale a pena? O que fazer para ajudar as crianças a aprender? 2. De onde devo partir para tornar significativas as atividades que desenvolvo para minha turma? 3. Em que medida o trabalho de Matemática pode favorecer a aprendizagem da leitura e da escrita? 4. O que preciso repensar nas intervenções junto à minha turma, para que eles “construam”o número e compreendam o sistema de numeração? ENFIM… Como organizar uma prática pedagógica considerando os conteúdos escolares não como um fim em si mesmo, mas como meio para que nosso aluno compreenda melhor sua realidade e se desenvolva integralmente? ( registro escrito)

×