SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
FORMAÇÃO CONTINUADA
BERNARDO SAYÃO / 2012
   A educação infantil, primeira etapa da
    educação básica, tem como finalidade o
    desenvolvimento integral da criança, em seus
    aspectos físico, psicológico, intelectual e
    social, complementando a ação da família e
    da comunidade.

                                   (LDB Art. 29)
   O papel da educação infantil é o CUIDAR da criança em espaço
    formal, contemplando a alimentação, a limpeza e o lazer (brincar). Também é seu
    papel EDUCAR, sempre respeitando o caráter lúdico das atividades, com ênfase no
    desenvolvimento integral da criança.

   Não cabe à educação infantil alfabetizar a criança. Nessa fase ela não tem
    maturidade neural para isso, salvo os casos em que a alfabetização é espontânea.

   Devem    ser   trabalhados     os    seguintes   eixos     com    as    crianças:
    Movimento, Música, Artes Visuais, Linguagem Oral e Escrita, Natureza e Sociedade
    e Matemática.

   O objetivo é o de desenvolver algumas capacidades, como: ampliar relações
    sociais na interação com outras crianças e adultos, conhecer seu próprio
    corpo, brincar e se expressar das mais variadas formas, utilizar diferentes
    linguagens para se comunicar, entre outros.

   A ênfase da educação infantil é ESTIMULAR as diferentes áreas de
    desenvolvimento da criança, aguçar sua curiosidade, sendo que, para isso, é
    imprescindível que a criança esteja feliz no espaço escolar.

                             (Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil)
 As creches e instituições de
educação infantil surgiram com o
objetivo        de         atender
exclusivamente      crianças    de
famílias de baixa renda.
 A estratégia era combater a
pobreza e a mortalidade infantil.
    entendido como troca de favores;
    poucas unidades e por isso excluía a maioria
    das crianças dessa política pública;
   não havia profissionais qualificados;
   assistencialista;
   autoritária – crianças espancadas;
   número elevado de crianças por adulto;
   não transmitia segurança e alegria.
   Pressão dos movimentos sociais pela
    expansão e qualificação do atendimento;
   Ampliação gradativa da oferta;
   Prática educativa aliada às pesquisas (LDB art. 62);
   Primeira etapa da Educação Básica (LDB art. 21);
   Direito da Criança, dever do estado (LDB art. 4º);
   Legislação específica (ECA, LDB, RCNs, PNE);
   Ensino Fundamental de 9 anos.
   Assim, podemos afirmar que com o avanço
    na Educação, torna-se merecida a valorização
    da Educação Infantil, sendo ela a base do
    desenvolvimento da sociedade.
•A criança precisa ser estimulada
para que se desenvolva de forma
saudável e inteligente.

•Cada gesto do adulto é muito
valioso para a criança, segundo
Vigotsky a criança se desenvolve de
acordo com os estímulos que recebe.
HHHHHHHHHHHHHHHHHHH
HHHHHHHHHHHHHHHHHHH
HHHHHHHHHHHHHHHHHHH
HHHHHHHHHHHHHHHHHHH
HHHHHHHHHH
   É estimulada pelos gestos;
   Fase das imitações: bater palmas, fazer
    caretas, virar de um lado para o
    outro, levantar a cabeça;
   Essas reações preparam a criança para a
    locomoção e sustentação do próprio corpo.
   Fase marcada pela curiosidade;
   Andar, falar... Tudo o que importa é
    movimentar-se (ufa haja fôlego);
   Com o controle do movimento é motivada a
    exploração do ambiente;
   Tudo é brincadeira – não tem noção do que é
    certo e errado;
   O adulto precisa estar atento para explorar
    essa fase de curiosidade e exploração para
    que a criança sinta ainda mais desejo de
    pesquisar e descobrir o novo.
   Fase do repertório dos gestos;
   Desenvolve senso de humor, imitações;
   Gosta de espelhar-se no adulto;
   Aprende a usar objetos pessoais como roupas e calçados;
   Todos os atos exigem uma coordenação motora, como
    recortar, andar em linha reta, montar quebra-cabeça, ou
    seja, encaixar pequenas peças, colar, contornar e pintar
    desenhos;
   Poder imaginativo para utilizar os objetos com outras
    funções: um lápis pode ser uma espada, uma caixa
    transforma-se em navio...
   O adulto precisa enriquecer a tendência lúdica da
    motricidade, precisa ter dinamismo para prender a atenção
    para que as crianças se concentrem um pouco mais.
   VÍDEO 1
   VÍDEO 2

   Que definições temos para o cuidar, o educar
    e o brincar?
   Como deve ser o planejamento das atividades
    na Educação Infantil para atender o
    entrelaçamento entre o cuidar, educar e
    brincar?
Educar    no    sentido      amplo   significa
proporcionar situação de cuidados, com
brincadeiras que desenvolvam a evolução da
criança e jamais a regressão. Com
isso,    estaremos      estimulando-as      ao
aprendizado    significativo   nas   relações
interpessoais e sociais, como a ética e os
valores.
Como educadores devemos ter uma nova
concepção     para  que     as   instituições
incorporem à educação infantil uma prática
integrada. Além de acolher todas as crianças
de maneira igualitária, sendo cuidadas e
educadas.
Casa casa casa casa
casa
   Há uma diferença fundamental entre ir ao
    banheiro em casa, em seu espaço familiar, e
    na Creche, em espaço socializado com
    outros. O uso do banheiro, acompanhado por
    alguém, pressupõe a “exposição genital”. Por
    que em casa isso não é um problema e na
    Creche pode se transformar. O sentimento de
    vergonha pode estar presente.
   Orientar a criança a fazer a higiene bucal,
    considerando que a primeira dentição também
    precisa de cuidados especiais. Os dentistas
    recomendam a limpeza das gengivas com uma
    gaze enrolada no dedo do adulto para limpar os
    resíduos de alimentos. E para crianças que já tem
    seus dentes, é recomendado fazer a higienização
    com escovas de cerdas macias e com pequena
    quantidade de pasta dental, pois a criança, como
    não sabe ainda, poderá engolir, mas sendo em
    pequena quantidade,não haverá problema.
   Gosta de criança;
   Visão ampla e atualiza-se sempre;
   Amoroso, carismático, dinâmico e criativo;
   Profissional multi;
   Trabalha em equipe;
   Bom senso e colaboração;
   Engajado no Projeto Político Pedagógico.
Viva com alegria!
Use a imaginação. O primeiro passo é imaginar.
Faça AS COISAS DE MODO DIFERENTE.
Arrisque-se.
Elogie-se. Reconheça o que você faz de bom.

Aja. Não espere as coisas acontecerem. Tome a
 frente e faça você mesmo a mudança.
AGRESSIVIDADE
NA EDUCAÇÃO
  INFANTIL
   “...agressão é ad gradior = mover-se para
    adiante assim como regressão indica o
    movimento para trás.

   A violência (vis, bia, hybris, dynamis) é a
    agressão        destrutiva      que        busca
    aniquilar, desintegrar. Nem toda agressividade é
    violência,       mas                         toda                   violência
    é,sim, agressividade”.

             SANTOS, M. C. C. L. (2002).Raízes da Violência na Criança e Danos Psíquicos.
                               Maria Faria Westphal (Org.) Violência e Criança. São Paulo:
                                                   Editora da Universidade de São Paulo.
   “... todo o bem e o mal encontrados no mundo
    das relações humanas serão encontrados no
    âmago do ser humano... no bebê existe amor e
    ódio com plena intensidade humana”. (Winnicott)

   “De    todas    as    tendências    humanas, a
    agressividade,         em        especial,   é
    escondida, disfarçada, desviada, atribuída a
    agentes externos, e quando se manifesta é
    sempre uma tarefa difícil identificar suas
    origens”. (Winnicott)
   “Observa-se que a atividade de um bebê sadio
    caracteriza-se por movimentos naturais e uma tendência
    para bater contra as coisas; isso é gradualmente usado
    pelo bebê, ao lado dos gritos, cuspidas, de passar fezes e
    urina, a serviço da raiva, do ódio e da vingança. A criança
    passa a amar e a odiar simultaneamente, e a aceitar a
    contradição. Um dos mais importantes exemplos da
    conjugação de amor e agressão surge com o impulso para
    morder, que passa a ter um sentido aproximadamente a
    partir dos cinco meses de idade. Por fim integra-se no
    prazer que acompanha o ato de comer qualquer espécie
    de alimento. Originalmente, porém, é o objeto bom, o
    corpo materno, que excita o morder e produz idéias de
    morder. Assim, o alimento acaba por ser aceito como um
    símbolo do corpo da mãe, do corpo do pai ou de qualquer
    outra pessoa amada”. (Winnicott, 1964:101)
   O ambiente familiar é extremamente relevante no
    desenvolvimento psicológico das crianças. Desde o
    primeiro momento em que a criança precisa ser
    cuidada por um adulto e ao longo dos seus primeiros
    anos de vida, as relações que estabelece no ambiente
    familiar devem possibilitar a construção de um
    sentimento de segurança e de amparo, somente
    desse modo a criança poderá se sentir a vontade
    porque sabe que a despeito de toda sua capacidade
    destrutiva (fantasiada) o ambiente se mantém estável.
    Entretanto quando isso não ocorre, a criança vai
    manifestar sua agressividade em outros ambientes,
    diante de outras pessoas para tentar encontrar um
    outro quadro de referências: tios, avós, escola...
   “Os pais terão que ser capazes de mostrar
    força e firmeza em suas atitudes para com os
    filhos, e também compreensão e amor”.
    (Winnicott)
   “Em     resumo,    a  agressão     tem    dois
    significados. Por um lado, constitui direta ou
    indiretamente uma reação à frustração. Por
    outro lado, é uma das muitas fontes de
    energia de um indivíduo”. (Winnicott)
   Pode ser que uma criança tenda para a
    agressividade e outra dificilmente revele
    qualquer sintoma de agressividade, desde o
    princípio, embora ambas tenham o mesmo
    problema. Acontece simplesmente que essas
    crianças estão lidando de maneiras distintas
    com suas cargas de impulsos agressivos.”
                            (Winnicott, 1964:97)
   Na teoria de Wallon a passagem de um estágio
    para outro não se dá linearmente, por
    ampliação, mas por reformulação, instalando-se
    no momento da passagem de uma etapa a
    outra, crises que afetam a conduta da criança. Os
    conflitos, propulsores do desenvolvimento, que
    se instalam nesse processo podem ser de origem
    exógena, quando resultantes dos desencontros
    entre as ações da criança e o ambiente
    exterior, estruturado pelos adultos e pela cultura;
    ou de origem endógena, quando gerados pelos
    efeitos da maturação nervosa (Galvão, 1995).
   Erikson denomina Confiança Básica versus Desconfiança.

   Nesse período, referente ao primeiro ano de vida, se a mãe (ou cuidador

    primário) oferece satisfação em relação às necessidades físicas e

    emocionais básicas, o bebê desenvolve um senso de confiança básica no

    outro e no "self".

   Esse sentimento de confiança está relacionado com a persistência,

    continuidade e uniformidade da experiência de cuidado, que proporciona

    um sentimento primitivo de identidade do ego. Sentimento esse que

    futuramente combinará o sentimento de ser “aceitável”, por ser ela mesma,

    e de se transformar naquilo que os demais acreditam que chegará a ser.
   Denominado Autonomia versus Vergonha e Dúvida.


   Corresponde ao período de dois a três anos de idade.

   Nessa fase, as trocas com o ambiente, ocorrem por meio de agarrar
    (retenção) e soltar (eliminação).

   Nessa idade a criança sente necessidade de testar os limites e explorar;
    se a dependência é estimulada, a autonomia da criança é inibida.

   O controle externo deve ser firmemente tranqüilizador.

   A criança deve sentir que não terá sua existência ameaçada.

   O ambiente deve tanto encorajá-la a se manter sobre seus próprios
    pés, como protegê-la contra as experiências arbitrárias e esporádicas de
    se envergonhar e sentir-se em dúvida precocemente.
   Corresponde ao período de três a cinco anos de idade,

   Denominado Iniciativa X Culpa.

   A partir dessa fase a criança começa a reconhecer as instituições, funções e

    papéis que permitem sua participação responsável,

   graças ao desenvolvimento gradual de um senso de responsabilidade moral.

   Encontra prazer no manejo de ferramentas, na manipulação de brinquedos e

    no cuidado de crianças menores. Portanto, ao lado da fixação opressiva de

    um senso moral que restringe o horizonte do que é permitido, essa etapa

    possibilita também a determinação da direção para o que é possível

    concretamente, permitindo relacionar os sonhos das primeiras fases da

    infância com os objetivos da vida adulta.
CARACTERÍSTICAS
 DAS CRIANÇAS
  AGRESSIVAS
   A criança é caracterizada como agressiva
    principalmente porque morde os colegas;
    algumas vezes apresenta um comportamento
    diferenciado dos demais no tocante à
    linguagem e a interação com as outras
    crianças.
   É preciso levantar hipóteses, por exemplo de
    comprometimento psicofisiológico e sugerir a
    mãe que procure um neurologista ou
    psiquiatra infantil.
   De    acordo     com    os   psicólogos   o
    comportamento agressivo é freqüente e
    intencional (criança age por motivação
    própria e para causar algum dano e não de
    modo     reativo   –   reação    a   alguma
    agressão/frustração).
   Comportamentos que se desviam daqueles
    desejados pelos adultos, nem sempre
    significam agressividade.
   Ex.: “luta” entre os meninos e outros
    colegas, significa que estão brincando de
    brigar, e não necessariamente a intenção de
    machucar o outro.
              Desobediência ou indisciplina
                            X
                       agressividade.
   http://www.youtube.com/watch?v=Tj9BEu75FyA –
    vídeo agressividade
   Até que ponto a creche propicia um ambiente
    seguro para as crianças, uma vez que, para
    ali, vão todos os dias, permanecem quase dez
    horas diárias sob a tutela de professoras e
    auxiliares?
   Ali    são     submetidas      a    modelos     de
    comportamento, a formas de lidar com a
    corporeidade, a padrões de socialização e
    convívio social, a processos de desenvolvimento
    emocional:
    amor, ódio, prazer, ansiedade, angústia e assim
    por diante... Diferentes da rotina de suas casas?
   A creche oferece um ambiente seguro para que
    as     crianças  possam    demonstrar    sua
    agressividade sem medo de serem aniquiladas
    por isso?

   Talvez um dos maiores desafios a ser
    enfrentado, quando examinamos o fenômeno da
    violência    infantil,    na    perspectiva     de
    Winnicott, seja o da aceitação dos adultos de que
    tal agressividade é fato normal, que ela é
    expressão de uma falta, e/ou ausência, e que, no
    lugar de ser reprimida, ela precisa ser canalizada
    por meio de um ato criativo.
   Que a criança seja responsabilizada pelo que fez.
   Liberdade de ação, onde a criança escolha o que
    fazer, explorando os “cantos” da sala, para
    permitir a mobilidade da criança e ao mesmo
    tempo a supervisão do adulto.
   O excesso de energia gasto para chamar a tenção
    das crianças cria um “clima” ruim na sala de aula
    e ocasiona um desgaste da professora na relação
    com      as      crianças,   fragilizando     sua
    autoridade,    fatores esses que propiciam
    interações não educativas entre as crianças e
    entre elas e as professoras.
   Que o ambiente ofereça um suporte gradual para as
    atividades das crianças de modo que estas se sintam
    satisfeitas em realizar sozinhas algumas tarefas.

   CUIDADO - O risco de sufocar a criança com uma
    superproteção que lhe impeça de fazer suas tentativas, ou o
    risco de oferecer um suporte insuficiente que gere na criança
    um sentimento de incapacidade. Essas duas posturas podem
    gerar sentimentos de dúvida e vergonha prejudiciais no
    desenvolvimento da autonomia.
A      agressividade             pode
perfeitamente     funcionar       como
uma forma de compensar essa
perda   de      autonomia     e     do
sentimento de vergonha.
   O educador infantil é ou não é o mais
    importante na formação da personalidade de
    uma criança?????
É sabido que a criança, como todo ser humano, é
o sujeito do meio histórico e social, faz parte da
junção   familiar   de   maneira   organizada,   ou
seja, está inserida na sociedade, todavia com
determinada cultura. Pode-se afirmar que a
criança tem na família biológica ou com a qual
convive, um ponto de referência, sendo esse
essencial para sua convivência.
Assim é importante que as profissionais da
 creche ou educação infantil conheçam o
 mínimo sobre a vida da criança que está
 recebendo, cuidando, educando, formando...

COMO:
 Visita às famílias com questionário;
 Socialização entre a equipe da instituição;
 Conversas com o responsável diariamente;
 Entendimento e aceitação da criança como
  um ser em formação.
   A rotina da Creche ou Ensino Infantil interfere
    no    comportamento     apresentado       pelas
    crianças?
   As atividades devem ser planejadas respeitando a
    fase em que cada criança se encontra;
   Uma ideia interessante é ter caixas na sala com
    lençóis/tecidos de diferente tamanhos e cores;
   A criança precisa experimentar para conhecer...
    Use muitas atividades com tinta, papel para
    rasgar...

   Os gestos, o olhar e a emoção do professor
    também são instrumentos que contam muito no
    ato de educar. Pois a imagem é mais forte!
   http://www.youtube.com/watch?v=QrjamaSsl2s&feature=related
                vídeo projeto afetividade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide lara relação família escola
Slide lara relação família escolaSlide lara relação família escola
Slide lara relação família escola
Rosana Leite
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
Maristela Couto
 
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ritagatti
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
ceciliaconserva
 
Escola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra normaEscola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra norma
Fabiola Sampaio
 
Concepção de infancia
Concepção de infanciaConcepção de infancia
Concepção de infancia
Fatinha Bretas
 

Mais procurados (20)

PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
 
Concepçâo de infancia
Concepçâo de infanciaConcepçâo de infancia
Concepçâo de infancia
 
A importância da Família no Processo de Educar
A importância da Família no Processo de EducarA importância da Família no Processo de Educar
A importância da Família no Processo de Educar
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
 
Slide lara relação família escola
Slide lara relação família escolaSlide lara relação família escola
Slide lara relação família escola
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
 
O uso do lúdico na educação infantil
O uso do lúdico na educação infantilO uso do lúdico na educação infantil
O uso do lúdico na educação infantil
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 
Reflexões sobre a relação família escola
Reflexões sobre a relação família escolaReflexões sobre a relação família escola
Reflexões sobre a relação família escola
 
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
 
Metodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantilMetodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantil
 
Estrutura e funcionamento do ensino
Estrutura e funcionamento do ensino Estrutura e funcionamento do ensino
Estrutura e funcionamento do ensino
 
Projeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogicoProjeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogico
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
 
Escola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra normaEscola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra norma
 
Concepção de infancia
Concepção de infanciaConcepção de infancia
Concepção de infancia
 
Família, Escola e Comunidade
Família, Escola e ComunidadeFamília, Escola e Comunidade
Família, Escola e Comunidade
 

Semelhante a Educação infantil

A importância da educação infantil na formação do cidadão crítico-reflexivo
A importância da educação infantil na formação do cidadão crítico-reflexivoA importância da educação infantil na formação do cidadão crítico-reflexivo
A importância da educação infantil na formação do cidadão crítico-reflexivo
Ilza Ibelli
 
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_criancaA importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
CatiaDuarte_1
 
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_criancaA importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
margarida_branco
 
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_criancaA importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
Ana Teresa
 
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincarA ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
margarida_branco
 
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincarA ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
Ana Teresa
 
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincarA ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
CatiaDuarte_1
 

Semelhante a Educação infantil (20)

Talita
TalitaTalita
Talita
 
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anosEstimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
 
Bruna sdmara
Bruna sdmaraBruna sdmara
Bruna sdmara
 
A importância da educação infantil na formação do cidadão crítico-reflexivo
A importância da educação infantil na formação do cidadão crítico-reflexivoA importância da educação infantil na formação do cidadão crítico-reflexivo
A importância da educação infantil na formação do cidadão crítico-reflexivo
 
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
 
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_criancaA importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
 
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_criancaA importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
 
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_criancaA importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
A importancia do_brincar_no_desenvolvimento_da_crianca
 
10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo
 
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptxSexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
 
2.3 brinquedos brincadeiras_tizuko_morchida
2.3 brinquedos brincadeiras_tizuko_morchida2.3 brinquedos brincadeiras_tizuko_morchida
2.3 brinquedos brincadeiras_tizuko_morchida
 
2.3 brinquedos brincadeiras_tizuko_morchida
2.3 brinquedos brincadeiras_tizuko_morchida2.3 brinquedos brincadeiras_tizuko_morchida
2.3 brinquedos brincadeiras_tizuko_morchida
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinar
 
Educação infantil referencias curriculares.pptx
Educação infantil referencias curriculares.pptxEducação infantil referencias curriculares.pptx
Educação infantil referencias curriculares.pptx
 
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincarA ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
 
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincarA ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
 
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincarA ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
A ludoterapia e_a_importancia_do_brincar
 

Mais de Clarice-Borges (8)

Slides palestra família
Slides palestra famíliaSlides palestra família
Slides palestra família
 
Questões para responder cantando
Questões para responder cantandoQuestões para responder cantando
Questões para responder cantando
 
Mensagem fiona
Mensagem fionaMensagem fiona
Mensagem fiona
 
O preconceito nos contos de fadas
O preconceito nos contos de fadasO preconceito nos contos de fadas
O preconceito nos contos de fadas
 
Palestra para alunos
Palestra para alunosPalestra para alunos
Palestra para alunos
 
Slides oficina
Slides oficinaSlides oficina
Slides oficina
 
Palestra para Estudantes
Palestra para EstudantesPalestra para Estudantes
Palestra para Estudantes
 
Repensand
RepensandRepensand
Repensand
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 

Educação infantil

  • 2. A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. (LDB Art. 29)
  • 3. O papel da educação infantil é o CUIDAR da criança em espaço formal, contemplando a alimentação, a limpeza e o lazer (brincar). Também é seu papel EDUCAR, sempre respeitando o caráter lúdico das atividades, com ênfase no desenvolvimento integral da criança.  Não cabe à educação infantil alfabetizar a criança. Nessa fase ela não tem maturidade neural para isso, salvo os casos em que a alfabetização é espontânea.  Devem ser trabalhados os seguintes eixos com as crianças: Movimento, Música, Artes Visuais, Linguagem Oral e Escrita, Natureza e Sociedade e Matemática.  O objetivo é o de desenvolver algumas capacidades, como: ampliar relações sociais na interação com outras crianças e adultos, conhecer seu próprio corpo, brincar e se expressar das mais variadas formas, utilizar diferentes linguagens para se comunicar, entre outros.  A ênfase da educação infantil é ESTIMULAR as diferentes áreas de desenvolvimento da criança, aguçar sua curiosidade, sendo que, para isso, é imprescindível que a criança esteja feliz no espaço escolar. (Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil)
  • 4.  As creches e instituições de educação infantil surgiram com o objetivo de atender exclusivamente crianças de famílias de baixa renda.  A estratégia era combater a pobreza e a mortalidade infantil.
  • 5. entendido como troca de favores;  poucas unidades e por isso excluía a maioria das crianças dessa política pública;  não havia profissionais qualificados;  assistencialista;  autoritária – crianças espancadas;  número elevado de crianças por adulto;  não transmitia segurança e alegria.
  • 6. Pressão dos movimentos sociais pela expansão e qualificação do atendimento;  Ampliação gradativa da oferta;  Prática educativa aliada às pesquisas (LDB art. 62);  Primeira etapa da Educação Básica (LDB art. 21);  Direito da Criança, dever do estado (LDB art. 4º);  Legislação específica (ECA, LDB, RCNs, PNE);  Ensino Fundamental de 9 anos.
  • 7. Assim, podemos afirmar que com o avanço na Educação, torna-se merecida a valorização da Educação Infantil, sendo ela a base do desenvolvimento da sociedade.
  • 8.
  • 9. •A criança precisa ser estimulada para que se desenvolva de forma saudável e inteligente. •Cada gesto do adulto é muito valioso para a criança, segundo Vigotsky a criança se desenvolve de acordo com os estímulos que recebe. HHHHHHHHHHHHHHHHHHH HHHHHHHHHHHHHHHHHHH HHHHHHHHHHHHHHHHHHH HHHHHHHHHHHHHHHHHHH HHHHHHHHHH
  • 10. É estimulada pelos gestos;  Fase das imitações: bater palmas, fazer caretas, virar de um lado para o outro, levantar a cabeça;  Essas reações preparam a criança para a locomoção e sustentação do próprio corpo.
  • 11. Fase marcada pela curiosidade;  Andar, falar... Tudo o que importa é movimentar-se (ufa haja fôlego);  Com o controle do movimento é motivada a exploração do ambiente;  Tudo é brincadeira – não tem noção do que é certo e errado;  O adulto precisa estar atento para explorar essa fase de curiosidade e exploração para que a criança sinta ainda mais desejo de pesquisar e descobrir o novo.
  • 12. Fase do repertório dos gestos;  Desenvolve senso de humor, imitações;  Gosta de espelhar-se no adulto;  Aprende a usar objetos pessoais como roupas e calçados;  Todos os atos exigem uma coordenação motora, como recortar, andar em linha reta, montar quebra-cabeça, ou seja, encaixar pequenas peças, colar, contornar e pintar desenhos;  Poder imaginativo para utilizar os objetos com outras funções: um lápis pode ser uma espada, uma caixa transforma-se em navio...  O adulto precisa enriquecer a tendência lúdica da motricidade, precisa ter dinamismo para prender a atenção para que as crianças se concentrem um pouco mais.
  • 13.
  • 14. VÍDEO 1  VÍDEO 2  Que definições temos para o cuidar, o educar e o brincar?  Como deve ser o planejamento das atividades na Educação Infantil para atender o entrelaçamento entre o cuidar, educar e brincar?
  • 15. Educar no sentido amplo significa proporcionar situação de cuidados, com brincadeiras que desenvolvam a evolução da criança e jamais a regressão. Com isso, estaremos estimulando-as ao aprendizado significativo nas relações interpessoais e sociais, como a ética e os valores.
  • 16. Como educadores devemos ter uma nova concepção para que as instituições incorporem à educação infantil uma prática integrada. Além de acolher todas as crianças de maneira igualitária, sendo cuidadas e educadas.
  • 17. Casa casa casa casa casa
  • 18. Há uma diferença fundamental entre ir ao banheiro em casa, em seu espaço familiar, e na Creche, em espaço socializado com outros. O uso do banheiro, acompanhado por alguém, pressupõe a “exposição genital”. Por que em casa isso não é um problema e na Creche pode se transformar. O sentimento de vergonha pode estar presente.
  • 19. Orientar a criança a fazer a higiene bucal, considerando que a primeira dentição também precisa de cuidados especiais. Os dentistas recomendam a limpeza das gengivas com uma gaze enrolada no dedo do adulto para limpar os resíduos de alimentos. E para crianças que já tem seus dentes, é recomendado fazer a higienização com escovas de cerdas macias e com pequena quantidade de pasta dental, pois a criança, como não sabe ainda, poderá engolir, mas sendo em pequena quantidade,não haverá problema.
  • 20. Gosta de criança;  Visão ampla e atualiza-se sempre;  Amoroso, carismático, dinâmico e criativo;  Profissional multi;  Trabalha em equipe;  Bom senso e colaboração;  Engajado no Projeto Político Pedagógico.
  • 21. Viva com alegria! Use a imaginação. O primeiro passo é imaginar. Faça AS COISAS DE MODO DIFERENTE. Arrisque-se. Elogie-se. Reconheça o que você faz de bom. Aja. Não espere as coisas acontecerem. Tome a frente e faça você mesmo a mudança.
  • 23. “...agressão é ad gradior = mover-se para adiante assim como regressão indica o movimento para trás.  A violência (vis, bia, hybris, dynamis) é a agressão destrutiva que busca aniquilar, desintegrar. Nem toda agressividade é violência, mas toda violência é,sim, agressividade”. SANTOS, M. C. C. L. (2002).Raízes da Violência na Criança e Danos Psíquicos. Maria Faria Westphal (Org.) Violência e Criança. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.
  • 24. “... todo o bem e o mal encontrados no mundo das relações humanas serão encontrados no âmago do ser humano... no bebê existe amor e ódio com plena intensidade humana”. (Winnicott)  “De todas as tendências humanas, a agressividade, em especial, é escondida, disfarçada, desviada, atribuída a agentes externos, e quando se manifesta é sempre uma tarefa difícil identificar suas origens”. (Winnicott)
  • 25. “Observa-se que a atividade de um bebê sadio caracteriza-se por movimentos naturais e uma tendência para bater contra as coisas; isso é gradualmente usado pelo bebê, ao lado dos gritos, cuspidas, de passar fezes e urina, a serviço da raiva, do ódio e da vingança. A criança passa a amar e a odiar simultaneamente, e a aceitar a contradição. Um dos mais importantes exemplos da conjugação de amor e agressão surge com o impulso para morder, que passa a ter um sentido aproximadamente a partir dos cinco meses de idade. Por fim integra-se no prazer que acompanha o ato de comer qualquer espécie de alimento. Originalmente, porém, é o objeto bom, o corpo materno, que excita o morder e produz idéias de morder. Assim, o alimento acaba por ser aceito como um símbolo do corpo da mãe, do corpo do pai ou de qualquer outra pessoa amada”. (Winnicott, 1964:101)
  • 26. O ambiente familiar é extremamente relevante no desenvolvimento psicológico das crianças. Desde o primeiro momento em que a criança precisa ser cuidada por um adulto e ao longo dos seus primeiros anos de vida, as relações que estabelece no ambiente familiar devem possibilitar a construção de um sentimento de segurança e de amparo, somente desse modo a criança poderá se sentir a vontade porque sabe que a despeito de toda sua capacidade destrutiva (fantasiada) o ambiente se mantém estável. Entretanto quando isso não ocorre, a criança vai manifestar sua agressividade em outros ambientes, diante de outras pessoas para tentar encontrar um outro quadro de referências: tios, avós, escola...
  • 27. “Os pais terão que ser capazes de mostrar força e firmeza em suas atitudes para com os filhos, e também compreensão e amor”. (Winnicott)  “Em resumo, a agressão tem dois significados. Por um lado, constitui direta ou indiretamente uma reação à frustração. Por outro lado, é uma das muitas fontes de energia de um indivíduo”. (Winnicott)
  • 28. Pode ser que uma criança tenda para a agressividade e outra dificilmente revele qualquer sintoma de agressividade, desde o princípio, embora ambas tenham o mesmo problema. Acontece simplesmente que essas crianças estão lidando de maneiras distintas com suas cargas de impulsos agressivos.” (Winnicott, 1964:97)
  • 29. Na teoria de Wallon a passagem de um estágio para outro não se dá linearmente, por ampliação, mas por reformulação, instalando-se no momento da passagem de uma etapa a outra, crises que afetam a conduta da criança. Os conflitos, propulsores do desenvolvimento, que se instalam nesse processo podem ser de origem exógena, quando resultantes dos desencontros entre as ações da criança e o ambiente exterior, estruturado pelos adultos e pela cultura; ou de origem endógena, quando gerados pelos efeitos da maturação nervosa (Galvão, 1995).
  • 30. Erikson denomina Confiança Básica versus Desconfiança.  Nesse período, referente ao primeiro ano de vida, se a mãe (ou cuidador primário) oferece satisfação em relação às necessidades físicas e emocionais básicas, o bebê desenvolve um senso de confiança básica no outro e no "self".  Esse sentimento de confiança está relacionado com a persistência, continuidade e uniformidade da experiência de cuidado, que proporciona um sentimento primitivo de identidade do ego. Sentimento esse que futuramente combinará o sentimento de ser “aceitável”, por ser ela mesma, e de se transformar naquilo que os demais acreditam que chegará a ser.
  • 31. Denominado Autonomia versus Vergonha e Dúvida.  Corresponde ao período de dois a três anos de idade.  Nessa fase, as trocas com o ambiente, ocorrem por meio de agarrar (retenção) e soltar (eliminação).  Nessa idade a criança sente necessidade de testar os limites e explorar; se a dependência é estimulada, a autonomia da criança é inibida.  O controle externo deve ser firmemente tranqüilizador.  A criança deve sentir que não terá sua existência ameaçada.  O ambiente deve tanto encorajá-la a se manter sobre seus próprios pés, como protegê-la contra as experiências arbitrárias e esporádicas de se envergonhar e sentir-se em dúvida precocemente.
  • 32. Corresponde ao período de três a cinco anos de idade,  Denominado Iniciativa X Culpa.  A partir dessa fase a criança começa a reconhecer as instituições, funções e papéis que permitem sua participação responsável,  graças ao desenvolvimento gradual de um senso de responsabilidade moral.  Encontra prazer no manejo de ferramentas, na manipulação de brinquedos e no cuidado de crianças menores. Portanto, ao lado da fixação opressiva de um senso moral que restringe o horizonte do que é permitido, essa etapa possibilita também a determinação da direção para o que é possível concretamente, permitindo relacionar os sonhos das primeiras fases da infância com os objetivos da vida adulta.
  • 34. A criança é caracterizada como agressiva principalmente porque morde os colegas; algumas vezes apresenta um comportamento diferenciado dos demais no tocante à linguagem e a interação com as outras crianças.  É preciso levantar hipóteses, por exemplo de comprometimento psicofisiológico e sugerir a mãe que procure um neurologista ou psiquiatra infantil.
  • 35. De acordo com os psicólogos o comportamento agressivo é freqüente e intencional (criança age por motivação própria e para causar algum dano e não de modo reativo – reação a alguma agressão/frustração).
  • 36. Comportamentos que se desviam daqueles desejados pelos adultos, nem sempre significam agressividade.  Ex.: “luta” entre os meninos e outros colegas, significa que estão brincando de brigar, e não necessariamente a intenção de machucar o outro. Desobediência ou indisciplina X agressividade.
  • 37. http://www.youtube.com/watch?v=Tj9BEu75FyA – vídeo agressividade
  • 38. Até que ponto a creche propicia um ambiente seguro para as crianças, uma vez que, para ali, vão todos os dias, permanecem quase dez horas diárias sob a tutela de professoras e auxiliares?  Ali são submetidas a modelos de comportamento, a formas de lidar com a corporeidade, a padrões de socialização e convívio social, a processos de desenvolvimento emocional: amor, ódio, prazer, ansiedade, angústia e assim por diante... Diferentes da rotina de suas casas?
  • 39. A creche oferece um ambiente seguro para que as crianças possam demonstrar sua agressividade sem medo de serem aniquiladas por isso?  Talvez um dos maiores desafios a ser enfrentado, quando examinamos o fenômeno da violência infantil, na perspectiva de Winnicott, seja o da aceitação dos adultos de que tal agressividade é fato normal, que ela é expressão de uma falta, e/ou ausência, e que, no lugar de ser reprimida, ela precisa ser canalizada por meio de um ato criativo.
  • 40. Que a criança seja responsabilizada pelo que fez.  Liberdade de ação, onde a criança escolha o que fazer, explorando os “cantos” da sala, para permitir a mobilidade da criança e ao mesmo tempo a supervisão do adulto.  O excesso de energia gasto para chamar a tenção das crianças cria um “clima” ruim na sala de aula e ocasiona um desgaste da professora na relação com as crianças, fragilizando sua autoridade, fatores esses que propiciam interações não educativas entre as crianças e entre elas e as professoras.
  • 41. Que o ambiente ofereça um suporte gradual para as atividades das crianças de modo que estas se sintam satisfeitas em realizar sozinhas algumas tarefas.  CUIDADO - O risco de sufocar a criança com uma superproteção que lhe impeça de fazer suas tentativas, ou o risco de oferecer um suporte insuficiente que gere na criança um sentimento de incapacidade. Essas duas posturas podem gerar sentimentos de dúvida e vergonha prejudiciais no desenvolvimento da autonomia.
  • 42. A agressividade pode perfeitamente funcionar como uma forma de compensar essa perda de autonomia e do sentimento de vergonha.
  • 43. O educador infantil é ou não é o mais importante na formação da personalidade de uma criança?????
  • 44.
  • 45. É sabido que a criança, como todo ser humano, é o sujeito do meio histórico e social, faz parte da junção familiar de maneira organizada, ou seja, está inserida na sociedade, todavia com determinada cultura. Pode-se afirmar que a criança tem na família biológica ou com a qual convive, um ponto de referência, sendo esse essencial para sua convivência.
  • 46. Assim é importante que as profissionais da creche ou educação infantil conheçam o mínimo sobre a vida da criança que está recebendo, cuidando, educando, formando... COMO:  Visita às famílias com questionário;  Socialização entre a equipe da instituição;  Conversas com o responsável diariamente;  Entendimento e aceitação da criança como um ser em formação.
  • 47. A rotina da Creche ou Ensino Infantil interfere no comportamento apresentado pelas crianças?
  • 48. As atividades devem ser planejadas respeitando a fase em que cada criança se encontra;  Uma ideia interessante é ter caixas na sala com lençóis/tecidos de diferente tamanhos e cores;  A criança precisa experimentar para conhecer... Use muitas atividades com tinta, papel para rasgar...  Os gestos, o olhar e a emoção do professor também são instrumentos que contam muito no ato de educar. Pois a imagem é mais forte!
  • 49. http://www.youtube.com/watch?v=QrjamaSsl2s&feature=related  vídeo projeto afetividade