SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
• A Soberania de Deus e seus Atributos.
• A soberania de Deus recebe forte ênfase na Escritura.
Ele é apresentado como o Criador, e Sua vontade como
a causa de todas as coisas.
• Em virtude de Sua obra criadora, o céu, aterra e tudo o
que eles contêm Lhe pertencem.
• Ele está revestido de autoridade absoluta sobre as
hostes celestiais e sobre os moradores da terra.
• Ele sustenta todas as coisas com a Sua onipotência, e
determina os fins que elas estão destinadas a cumprir.
• Ele governa como Rei no sentido mais absoluto da
palavra, e todas as coisas dependem dele e Lhe são
subservientes.
• As provas bíblicas da soberania de Deus são
abundantes, mas aqui nos limitaremos a referir-nos a
algumas das passagens mais significativas:
• Gn 14.19; Ex 18.11; Dt 10.14, 17; Sl 50.10-12; 95.3-5;
115.3; 135.5, 6; 145.11-13; Jr 27.5; Lc 1.53; At 17.24-26;
Ap 19.6.
• Dois dos atributos requerem discussão sob este
título, a saber:
(1) a vontade soberana de Deus.
(2) o poder (querer) soberano de Deus.
1º) A Vontade Soberana de Deus.
a) A Vontade de Deus em Geral.
A vontade de Deus em geral.
• A Bíblia emprega várias palavras para indicar a vontade
de Deus, a saber, as palavras hebraicas chaphets,
tsebhu e raston, e as palavras gregas boule e thelema.
• A importância da vontade divina aparece de várias
maneiras na Escritura.
• É apresentada como a causa final de todas as coisas.
• Tudo é derivado dela: a criação e a preservação, Sl
135.6; Jr 18.6; Ap 4.11; o governo, Pv 21.1; Dn 4.35; a
eleição e a reprovação, Rm 9.15, 16; Ef 1.11; os
sofrimentos de Cristo, Lc 22.42; At 2.23; a regeneração,
Tg 1.18; a santificação, Fp 2.13; os sofrimentos dos
crentes, 1 Pe 3.17; a vida e o destino do homem.
• At 18.21; Rm 15.32; Tg 4.15, e até as menores coisas
da vida, Mt 10.29.
• Daí, a teologia cristã sempre reconheceu a vontade de
Deus como a causa última de todas as coisas, embora a
filosofia às vezes mostre uma inclinação para procurar
uma causa mais profunda no próprio Ser do Absoluto.
• Todavia, a tentativa de fundamentar tudo no próprio Ser
de Deus geralmente redunda em panteísmo.
• A palavra “vontade”, no sentido em que é aplicada a
Deus, nem sempre tem a mesma conotação na
Escritura.
Pode denotar:
• (1) toda a natureza moral de Deus, incluindo atributos
com amor, santidade, justiça, etc;
• (2) a faculdade de auto-determinação, isto é, o poder de
determinar que o Eu siga um curso de ação ou formule
um plano;
• (3) o produto desta atividade, isto é, o plano ou
propósito predeterminado;
• (4) o poder de executar este plano e de realizar este
propósito (a vontade em ação, ou seja, a onipotência); e
• (5) a regra de vida firmada para as criaturas racionais.
• É primariamente na vontade de Deus como a
faculdade de autodeterminação que estamos
interessados no momento.
• Esta pode ser definida como a perfeição do Seu Ser
pela qual Ele, num ato sumamente simples, dirige-se a
Si mesmo como o Sumo Bem (isto é, deleita-se em Si
mesmo como tal) e as Suas criaturas por amor do Seu
nome e, assim, é a base do ser e da continuada
existência delas.
• Com referência ao universo e a todas as criaturas que
ele contém, isto naturalmente inclui a idéia de causa-
ação.
b) Distinções aplicadas à Vontade de Deus.
Distinções aplicações
• Têm-se aplicado várias distinções à vontade de Deus.
• Algumas destas encontraram pouco apoio da parte da
teologia reformada, calvinista, como aconteceu com a
distinção entre uma vontade de Deus antecedente e
uma vontade conseqüente, e com a distinção entre uma
vontade absoluta e uma condicional.
• Estas distinções não somente estavam expostas a uma
compreensão errônea, mas de fato foram interpretadas
de maneiras passíveis de objeção.
• Outras, porém, foram consideradas úteis e, portanto,
foram aceitas mais geralmente.
• Estas podem ser asseveradas como segue.
• 1) A Vontade Decretatória de Deus e sua Vontade
Preceptiva.
• A primeira é a vontade de Deus pela qual ele projeta ou
decreta tudo que virá a acontecer, quer pretenda realizá-
lo efetivamente (causativamente), quer permita que
venha a ocorrer por meio da livre ação das Suas
criaturas racionais.
• A segunda é a regra de vida que Deus firmou para as
Suas criaturas morais, indicando os deveres que lhes
impõe.
• A primeira é realizada sempre, ao passo que a segunda
é desobedecida com freqüência.
• 2) A Vontade de eudokia e a Vontade de eurestia.
• Esta divisão não se relaciona tanto com o propósito de
fazer algo, mas principalmente com o prazer de fazer
algo ou com o desejo de ver alguma coisa feita.
• Contudo, corresponde à divisão anterior, no fato de que
a vontade de eudokia, como a do decreto, compreende
aquilo que será realizado com certeza, enquanto que a
vontade de eurestia, como a do preceito, abrange
simplesmente o que Deus apraz que as Suas criaturas
façam.
• A palavra eudokia só se refere ao bem, e não ao mal; cf.
Mt 11.26; É incorreto dizer que o elemento de
complacência ou deleite está sempre presente nela.
• 3) A Vontade de beneplacitum e a Vontade de
signum.
• Aquela de novo denota a vontade de Deus como
incorporada em Seu conselho oculto, enquanto não o
torna conhecido por alguma revelação ou pelo próprio
evento. Toda e qualquer vontade revelada torna-se um
signum. Esta distinção visa a corresponder à que se faz
entre a vontade decretatória de Deus e Sua vontade
preceptiva, mas dificilmente se pode dizer que o faça.
• O beneplácito de Deus também acha expressão em Sua
vontade preceptiva; e a decretatória às vezes também
chega ao nosso conhecimento por meio de um signum.
• 4) A Vontade Secreta de Deus e Sua Vontade.
• Esta distinção é a mais comum.
• A primeira é a vontade do decreto de Deus, em grande
medida oculta em Deus, enquanto que a segunda é a
vontade do preceito, revelada na Lei e no Evangelho.
• A distinção baseia-se em Dt 29.29.
• A vontade secreta de Deus é mencionada em Sl 115.3;
Dn 4.17, 25, 32, 35; Rm 9.18, 19; 11.33, 34; Ef 1.5, 9,
11; e Sua vontade revelada, em Mt 7.21; 12.50; Jo 4.34;
7.17; Rm 12.2. Esta última é acessível a todos, e não
está longe de nós, Dt 30.14; Rm 10.8.
• A vontade secreta de Deus pertence a todas as coisas
que Ele quer efetuar ou permitir, e que, portanto, São
absolutamente fixas.
• A vontade revelada prescreve os deveres do homem e
apresenta o modo pelo qual ele pode fruir as bênçãos
de Deus.
• c) A Liberdade da Vontade de Deus.
• Freqüentemente se debate a questão se Deus, no
exercício de Sua vontade, age necessária ou livremente.
• A resposta a esta questão requer cuidadosa
discriminação.
• Exatamente como há uma scientia necessaria e uma
scientia libera, há também uma voluntas necessaria
(vontade necessária) e uma voluntas libera (vontade
livre) em Deus.
• Deus mesmo é o objeto da primeira. Ele
necessariamente quer a Si próprio e quer a Sua
natureza santa, bem como as distinções pessoais da
Divindade.
• Significa que Ele necessariamente se ama a Si próprio e
tem prazer na contemplação e Suas perfeições.
• Todavia, Ele não está sob nenhuma compulsão, mas
age de acordo com a lei do Seu Ser; e esta, conquanto
necessária, é também a suprema liberdade.
• É mais que evidente que a idéia de causa-ação está
ausente neste ponto, e que a de complacência ou de
auto-aprovação está no primeiro plano.
• Ele traça as veredas de todas as Suas criaturas
racionais, determina o seu destino e as utiliza para os
Seus propósitos. E embora as dote de liberdade,
contudo Sua vontade lhes controla as ações.
• A Bíblia fala desta liberdade da vontade de Deus nos
termos mais absolutos, Jo 11.10; 33.13; Sl 115.3; Pv
21.1; Is 10.15; 29.16; 45.9; Mt 20.15; Rm 9.15 – 18, 20,
21; 1 Co 12.11; Ap 4.11.
• A igreja sempre defendeu esta liberdade, mas também
deu ênfase ao fato de que não pode ser considerada
como indiferença absoluta.
• Duns Scotus falava de uma vontade de Deus em
nenhum sentido determinada; mas esta idéia de uma
vontade cega, agindo com perfeita indiferença, foi
rejeitada pela igreja.
• A liberdade de Deus não é pura indiferença, mas
autodeterminação racional.
• Deus tem Suas razões para querer como quer, razões
que O induzem a escolher um fim e não outro, e uma
série de meios para realizar um fim, em preferência a
outros meios.
• Em cada caso há um motivo predominante, que torna o
fim escolhido e os meios selecionados sumamente
agradáveis a Ele, embora não sejamos capazes de
determinar que motivo é esse.
• Em geral se pode dizer que Deus não pode querer nada
que seja contrário à Sua natureza, à Sua sabedoria ou
amor, à Sua justiça ou santidade.
• O dr. Bavinck assinala que raramente podemos discernir
por que Deus quis uma coisa e não outra, e que não nos
é possível, e tampouco permitido, procurar alguma base
mais profunda que a vontade de Deus em que as coisas
se fundam, porque todas as tentativas desse jaez
redundam em procurar uma base para a criatura no
próprio Ser de Deus, privando-o do seu caráter
contingente e tornando-a necessária, eterna, divina.
d) A Vontade de Deus em relação ao pecado.
• A doutrina da vontade de Deus muitas vezes dá
surgimento a graves questões. Levantam-se aqui
problemas que nunca foram resolvidos e que
provavelmente são insolúveis para o homem.
• (1) Diz-se que, se a vontade decretatória de Deus
determinou também a entrada do pecado no mundo,
com isso Deus é o autor do pecado e realmente quer
uma coisa contrária às Suas perfeições morais.
• Para fugirem à dificuldade, os arminianos dizem que
a vontade de Deus, permitindo o pecado, depende
do Seu pré-conhecimento do curso que o homem
escolheria.
• Os teólogos reformados (calvinistas), embora mantendo,
com base em passagens como At 2.23; 3.8; etc., que a
vontade decretatória de Deus inclui também os atos
pecaminosos do homem, sempre têm o cuidado de
assinalar que se deve conceber isto de modo que não
se faça de Deus o autor do pecado.
• Admitem francamente que não podem resolver a
dificuldade, mas ao mesmo tempo fazem algumas
valiosas distinções de comprovada utilidade.
• A maioria deles insiste em que a vontade de Deus
quanto ao pecado é de permitir o pecado, e não de
efetuá-lo, pois Ele realiza o bem moral.
• Esta terminologia é permissível, supondo-se que seja
compreendida corretamente.
• Deve-se ter em mente que a vontade de Deus de
permitir o pecado leva consigo a certeza de que o
pecado virá a ocorrer.
• Outros chamam a tenção para o fato de que, embora os
termos “vontade” e “querer” possam incluir a idéia de
complacência ou deleite, às vezes indicam uma simples
determinação da vontade; e que, portanto, a vontade de
Deus de permitir o pecado não implica necessariamente
que Ele tem deleite ou prazer no pecado.
• (2) Diz-se, ainda, que a vontade decretatória de Deus e
Sua vontade preceptiva muitas vezes são contraditórias,
que Sua vontade decretatória inclui muitas coisas que
Ele proíbe em Sua vontade preceptiva, e exclui muitas
coisas que Ele ordena em Sua vontade preceptiva, cf.
Gn 22; Êx 4.21-23; 2 Rs 20.1-7; At 2.23.
• Todavia, é de grande importância sustentar tanto a
vontade decretatória como a preceptiva, mas com o
definido entendimento de que, embora nos pareçam
diversas, são fundamentalmente uma só em Deus.
• Conquanto uma solução perfeitamente satisfatória da
dificuldade esteja fora de questão no presente, podemos
aproximar-nos de uma solução.
• Quando falamos da vontade decretatória e da vontade
preceptiva de Deus, empregamos a palavra “vontade”
em dois sentidos diferentes.
• Pela primeira, Deus determinou o que Ele fará ou o que
virá a acontecer; na segunda Ele nos revela o que
estamos na obrigação de fazer.
• Ao mesmo tempo, devemos lembrar-nos de que a lei
moral, a regra do nosso viver, é também, em certo
sentido, a encarnação da vontade de Deus.
• É uma expressão da Sua natureza santa e daquilo que
esta naturalmente requer de todas as criaturas morais.
• Daí, outra observação pode ser acrescentada à anterior.
• A vontade decretatória e a vontade preceptiva de Deus
não estão em conflito no sentido de que na primeira Ele
tem prazer no pecado.
• Na segunda, não; nem no sentido de que, de acordo
com a primeira, Ele não quer a salvação de todos os
indivíduos como uma violação positiva, e de acordo com
a segunda, quer.
• Mesmo de acordo com a vontade decretatória Deus não
tem prazer no pecado; e mesmo de acordo com a
vontade preceptiva Ele não quer a salvação de todos os
indivíduos com uma volição positiva.
• 2º) O poder Soberano de Deus.
• A soberania de Deus acha expressão, não somente na
vontade divina, mas também na onipotência de Deus, ou
em Seu poder de executar a Sua vontade.
• Pode-se denominar o poder de Deus a eficaz energia da
Sua natureza, ou a perfeição do Seu Ser pela qual Ele é
a causalidade absoluta e suprema.
• É costume distinguir entre uma potentia Dei absoluta
(um absoluto poder de Deus) e uma potentia Dei
ordinata (poder ordenado de Deus).
• Contudo, a teologia reformada, calvinista, rejeita esta
distinção no sentido em que a entendiam os
escolásticos, que afirmavam que Deus, em virtude do
Seu poder absoluto, pode efetuar contradições, e pode
até pecar e aniquilar-se a Si próprio.
• Ao mesmo tempo, adota a distinção como expressão de
uma verdade real, embora nem sempre a apresente do
mesmo modo.
• De acordo com Hodge e Shedd, o poder absoluto é a
eficiência divina, exercida sem a intervenção de causas
secundárias; enquanto que o poder ordenado é a
eficiência de Deus, exercida pela ordenada operação de
causas secundárias.
a) Conceito de Charnock
• O conceito mais geral é exposto por Charnock como
segue:
• “Absoluto é o poder pelo qual Deus é capaz de fazer o
que Ele não fará, mas que tem possibilidade de ser feito;
ordenado é o poder pelo qual Deus faz o que decretou
fazer, isto é, o que Ele ordenou ou marcou para ser
posto em exercício; os quais não são poderes distintos,
mas um e o mesmo poder.
• O Seu poder ordenado é parte do Seu poder absoluto;
pois se Ele não tivesse poder para fazer tudo o que
pudesse desejar, não teria poder para fazer tudo que
deseja”.
b) Conceito da Potentia Ordinata
• A potentia ordinata pode ser definida como a
perfeição de Deus:
• Pela qual Ele,mediante o simples exercício da Sua
vontade, pode realizar tudo quanto está presente em
Sua vontade ou conselho.
• O poder de Deus, em seu exercício fatual, limita-se
àquilo que o Seu decreto eterno abrange.
• Mas o exercício fatual do poder de Deus não representa
os seus limites.
• Deus poderia fazer mais que isso, se fosse esta a Sua
intenção.
• Nesse sentido podemos falar em potentia absoluta, ou
poder absoluto de Deus.
• Deve-se manter esta posição contra aqueles que, como
Schleiermacher e Strauss, sustentam que o poder de
Deus se limita àquilo que Ele realiza de fato.
• Mas em nossa afirmação do poder absoluto de Deus
precisamos acautelar-nos contra noções errôneas.
• A Bíblia nos ensina, por um lado, que o poder de Deus
estende-se além daquilo que é realizado de fato, Gn
18.14; Jr 32.27; Zc 8.6; Mt 3.9; 26.53.
• Portanto, não podemos dizer que aquilo que Deus não
realiza concretamente não Lhe é possível realizar.
• Mas, por outro lado, ela indica também que há muitas
coisas que Deus não pode fazer.
• Ele não pode mentir, pecar, mudar, e não pode negar-se
a Si próprio, Nm 23.19; 1 Sm 15.29; 2 Tm 2.13; Hb 6.18;
Tg 1.13, 17.
• Não há poder absoluto nele, divorciado de Suas
perfeições, e em virtude do qual Ele pudesse fazer todo
tipo de coisas inerentemente contraditórias entre si.
• A idéia da onipotência de Deus é expressa pelo nome
‘El-Shaddai; e a Bíblia fala a seu respeito em termos que
não deixam dúvida, em passagens como Jó 9.12; Sl
115.3; Jr 32.17; Mt 19.26; Lc 1.37; Rm 1.20; Ef 1.19.
• Deus manifesta o Seu poder na criação, Rm 4.17; Is
44.24; nas obras da providencia, Hb 1.3; e na redenção
de pecadores, 1 Co 1.24; Rm 1.16.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três PessoasLição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três PessoasFrancisco Barbosa
 
5º módulo 3ª aula
5º módulo   3ª aula5º módulo   3ª aula
5º módulo 3ª aulaJoel Silva
 
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundoJovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundoFrancisco Barbosa
 
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelouLição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelouÉder Tomé
 
3º módulo 1ª aula
3º módulo   1ª aula3º módulo   1ª aula
3º módulo 1ª aulaJoel Silva
 
Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipuladoValdinar Viana
 
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015Joel Oliveira
 
Licao 2 o único deus verdadeiro e a criação
Licao 2   o único deus verdadeiro e a criaçãoLicao 2   o único deus verdadeiro e a criação
Licao 2 o único deus verdadeiro e a criaçãoFrancisco Barbosa
 
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundoLição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundoErberson Pinheiro
 
2022 1º trimestre adulto lição 01
2022 1º trimestre adulto lição 012022 1º trimestre adulto lição 01
2022 1º trimestre adulto lição 01JoelSilva477650
 
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus CristoFrancisco Barbosa
 
4º trimestre 2015 jovens lição 01
4º trimestre 2015 jovens lição 014º trimestre 2015 jovens lição 01
4º trimestre 2015 jovens lição 01editorjovens
 
Lição 2 - Deus o Criador
Lição 2 - Deus o CriadorLição 2 - Deus o Criador
Lição 2 - Deus o CriadorÉder Tomé
 
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouLição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouErberson Pinheiro
 

Mais procurados (16)

Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três PessoasLição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
 
5º módulo 3ª aula
5º módulo   3ª aula5º módulo   3ª aula
5º módulo 3ª aula
 
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundoJovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
 
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelouLição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
Lição 01 - O Deus Todo-Poderoso se revelou
 
3º módulo 1ª aula
3º módulo   1ª aula3º módulo   1ª aula
3º módulo 1ª aula
 
Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipulado
 
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
 
Licao 2 o único deus verdadeiro e a criação
Licao 2   o único deus verdadeiro e a criaçãoLicao 2   o único deus verdadeiro e a criação
Licao 2 o único deus verdadeiro e a criação
 
Doutrina da palavra
Doutrina da palavraDoutrina da palavra
Doutrina da palavra
 
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundoLição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
 
Jesus criado ou gerado
Jesus criado ou geradoJesus criado ou gerado
Jesus criado ou gerado
 
2022 1º trimestre adulto lição 01
2022 1º trimestre adulto lição 012022 1º trimestre adulto lição 01
2022 1º trimestre adulto lição 01
 
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
 
4º trimestre 2015 jovens lição 01
4º trimestre 2015 jovens lição 014º trimestre 2015 jovens lição 01
4º trimestre 2015 jovens lição 01
 
Lição 2 - Deus o Criador
Lição 2 - Deus o CriadorLição 2 - Deus o Criador
Lição 2 - Deus o Criador
 
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouLição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
 

Destaque

Promos sept
Promos septPromos sept
Promos septBiomet3i
 
Virtual Communications Corporation
Virtual Communications CorporationVirtual Communications Corporation
Virtual Communications CorporationPeter Bell
 
Masood Abbas CV PM-BD
Masood Abbas CV PM-BDMasood Abbas CV PM-BD
Masood Abbas CV PM-BDMasood Abbas
 
OTT Services and Consumers' Communication Behaviour in Germany
OTT Services and Consumers' Communication Behaviour in GermanyOTT Services and Consumers' Communication Behaviour in Germany
OTT Services and Consumers' Communication Behaviour in GermanyRené C.G. Arnold
 
Estudos josé do egito
Estudos  josé do egitoEstudos  josé do egito
Estudos josé do egitoJoel Silva
 
Pump Casting by B. B. Investment Casting Gujarat
Pump Casting by B. B. Investment Casting GujaratPump Casting by B. B. Investment Casting Gujarat
Pump Casting by B. B. Investment Casting GujaratIndiaMART InterMESH Limited
 
4º módulo 2ª aula
4º módulo   2ª aula4º módulo   2ª aula
4º módulo 2ª aulaJoel Silva
 

Destaque (8)

Promos sept
Promos septPromos sept
Promos sept
 
Virtual Communications Corporation
Virtual Communications CorporationVirtual Communications Corporation
Virtual Communications Corporation
 
Masood Abbas CV PM-BD
Masood Abbas CV PM-BDMasood Abbas CV PM-BD
Masood Abbas CV PM-BD
 
OTT Services and Consumers' Communication Behaviour in Germany
OTT Services and Consumers' Communication Behaviour in GermanyOTT Services and Consumers' Communication Behaviour in Germany
OTT Services and Consumers' Communication Behaviour in Germany
 
Estudos josé do egito
Estudos  josé do egitoEstudos  josé do egito
Estudos josé do egito
 
Pump Casting by B. B. Investment Casting Gujarat
Pump Casting by B. B. Investment Casting GujaratPump Casting by B. B. Investment Casting Gujarat
Pump Casting by B. B. Investment Casting Gujarat
 
4º módulo 2ª aula
4º módulo   2ª aula4º módulo   2ª aula
4º módulo 2ª aula
 
sarfaraz CV
sarfaraz CVsarfaraz CV
sarfaraz CV
 

Semelhante a 5º módulo 2ª aula

O que é a vontade de deus
O que é a vontade de deusO que é a vontade de deus
O que é a vontade de deusantonio ferreira
 
A vontade de Deus, por a. w. pink
A vontade de Deus, por a. w. pinkA vontade de Deus, por a. w. pink
A vontade de Deus, por a. w. pinkSilvio Dutra
 
A VONTADE DE DEUS 2.pptx.pptx
A VONTADE DE DEUS 2.pptx.pptxA VONTADE DE DEUS 2.pptx.pptx
A VONTADE DE DEUS 2.pptx.pptxMissoBetel
 
Liderança de Celular - igreja em células.pptx
Liderança de Celular - igreja em células.pptxLiderança de Celular - igreja em células.pptx
Liderança de Celular - igreja em células.pptxRafaelT15
 
OS DECRETOS DE DEUS
OS DECRETOS DE DEUSOS DECRETOS DE DEUS
OS DECRETOS DE DEUSEli Vieira
 
Lição 6 a soberania e a autoridade de deus
Lição 6   a soberania e a autoridade de deusLição 6   a soberania e a autoridade de deus
Lição 6 a soberania e a autoridade de deusprvladimir
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoGuto Ovsky
 
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdfAPOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdfDivinoHenriqueSantan
 
O conceito de_deus
O conceito de_deusO conceito de_deus
O conceito de_deusMiguel Djalo
 
Pt the concept_of_god_in_islam
Pt the concept_of_god_in_islamPt the concept_of_god_in_islam
Pt the concept_of_god_in_islamMohammad Ali
 
Pt o conceito_de_deus
Pt o conceito_de_deusPt o conceito_de_deus
Pt o conceito_de_deusIslamHouseCom
 
O conceito de Deus no Islam*
O conceito de Deus no Islam*O conceito de Deus no Islam*
O conceito de Deus no Islam*Cristiane Freitas
 
Lição 10 - Cumprindo as obrigações diante de deus
Lição 10 - Cumprindo as obrigações diante de deusLição 10 - Cumprindo as obrigações diante de deus
Lição 10 - Cumprindo as obrigações diante de deusNatalino das Neves Neves
 

Semelhante a 5º módulo 2ª aula (20)

O que é a vontade de deus
O que é a vontade de deusO que é a vontade de deus
O que é a vontade de deus
 
A vontade de deus
A vontade de deusA vontade de deus
A vontade de deus
 
A vontade de Deus, por a. w. pink
A vontade de Deus, por a. w. pinkA vontade de Deus, por a. w. pink
A vontade de Deus, por a. w. pink
 
A vontade de deus
A vontade de deusA vontade de deus
A vontade de deus
 
A VONTADE DE DEUS 2.pptx.pptx
A VONTADE DE DEUS 2.pptx.pptxA VONTADE DE DEUS 2.pptx.pptx
A VONTADE DE DEUS 2.pptx.pptx
 
Liderança de Celular - igreja em células.pptx
Liderança de Celular - igreja em células.pptxLiderança de Celular - igreja em células.pptx
Liderança de Celular - igreja em células.pptx
 
OS DECRETOS DE DEUS
OS DECRETOS DE DEUSOS DECRETOS DE DEUS
OS DECRETOS DE DEUS
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
 
Lição 6 a soberania e a autoridade de deus
Lição 6   a soberania e a autoridade de deusLição 6   a soberania e a autoridade de deus
Lição 6 a soberania e a autoridade de deus
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
 
Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02
 
A Soberania de Deus na Salvação
A Soberania de Deus na SalvaçãoA Soberania de Deus na Salvação
A Soberania de Deus na Salvação
 
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdfAPOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
 
O conceito de_deus
O conceito de_deusO conceito de_deus
O conceito de_deus
 
Pt the concept_of_god_in_islam
Pt the concept_of_god_in_islamPt the concept_of_god_in_islam
Pt the concept_of_god_in_islam
 
Pt o conceito_de_deus
Pt o conceito_de_deusPt o conceito_de_deus
Pt o conceito_de_deus
 
Sl23.3 ele me guia
Sl23.3   ele me guiaSl23.3   ele me guia
Sl23.3 ele me guia
 
O conceito de Deus no Islam*
O conceito de Deus no Islam*O conceito de Deus no Islam*
O conceito de Deus no Islam*
 
Lição 10 - Cumprindo as obrigações diante de deus
Lição 10 - Cumprindo as obrigações diante de deusLição 10 - Cumprindo as obrigações diante de deus
Lição 10 - Cumprindo as obrigações diante de deus
 
Teodicéia e teologia do AT
Teodicéia e teologia do ATTeodicéia e teologia do AT
Teodicéia e teologia do AT
 

Mais de Joel Silva

Seguir a cristo é carregar a cruz
Seguir a cristo é carregar a cruzSeguir a cristo é carregar a cruz
Seguir a cristo é carregar a cruzJoel Silva
 
Colossences 3 (parte 3)
Colossences 3 (parte 3)Colossences 3 (parte 3)
Colossences 3 (parte 3)Joel Silva
 
Colossences 3 (parte 2)
Colossences 3 (parte 2)Colossences 3 (parte 2)
Colossences 3 (parte 2)Joel Silva
 
Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)Joel Silva
 
Colossences 2 (parte 3)
Colossences 2 (parte 3)Colossences 2 (parte 3)
Colossences 2 (parte 3)Joel Silva
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)Joel Silva
 
A bíblia e a homossexualidade
A bíblia e a homossexualidadeA bíblia e a homossexualidade
A bíblia e a homossexualidadeJoel Silva
 

Mais de Joel Silva (20)

Seguir a cristo é carregar a cruz
Seguir a cristo é carregar a cruzSeguir a cristo é carregar a cruz
Seguir a cristo é carregar a cruz
 
Colossences 4
Colossences 4Colossences 4
Colossences 4
 
Colossences 3 (parte 3)
Colossences 3 (parte 3)Colossences 3 (parte 3)
Colossences 3 (parte 3)
 
Colossences 3 (parte 2)
Colossences 3 (parte 2)Colossences 3 (parte 2)
Colossences 3 (parte 2)
 
Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)
 
Colossences 2 (parte 3)
Colossences 2 (parte 3)Colossences 2 (parte 3)
Colossences 2 (parte 3)
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)
 
Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)
 
Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)
 
Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
A bíblia e a homossexualidade
A bíblia e a homossexualidadeA bíblia e a homossexualidade
A bíblia e a homossexualidade
 
Romanos 16
Romanos   16Romanos   16
Romanos 16
 
Romanos 15
Romanos   15Romanos   15
Romanos 15
 
Romanos 14
Romanos   14Romanos   14
Romanos 14
 
Romanos 13
Romanos   13Romanos   13
Romanos 13
 
Romanos 13
Romanos   13Romanos   13
Romanos 13
 
Romanos 12
Romanos   12Romanos   12
Romanos 12
 

Último

ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............Nelson Pereira
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José OperárioNilson Almeida
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxSebastioFerreira34
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfnatzarimdonorte
 
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de DeusAULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de DeusFilipeDuartedeBem
 
A CHEGADA DO EVANGELHO À EUROPA - ATOS 16 e 17.pptx
A CHEGADA DO EVANGELHO À EUROPA - ATOS 16 e 17.pptxA CHEGADA DO EVANGELHO À EUROPA - ATOS 16 e 17.pptx
A CHEGADA DO EVANGELHO À EUROPA - ATOS 16 e 17.pptxPIB Penha
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).natzarimdonorte
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequeseanamdp2004
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaDenisRocha28
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .natzarimdonorte
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 

Último (15)

ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
 
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de DeusAULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
AULA 08-06-2022.pptx - provas da existência de Deus
 
A CHEGADA DO EVANGELHO À EUROPA - ATOS 16 e 17.pptx
A CHEGADA DO EVANGELHO À EUROPA - ATOS 16 e 17.pptxA CHEGADA DO EVANGELHO À EUROPA - ATOS 16 e 17.pptx
A CHEGADA DO EVANGELHO À EUROPA - ATOS 16 e 17.pptx
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 

5º módulo 2ª aula

  • 1.
  • 2. • A Soberania de Deus e seus Atributos. • A soberania de Deus recebe forte ênfase na Escritura. Ele é apresentado como o Criador, e Sua vontade como a causa de todas as coisas. • Em virtude de Sua obra criadora, o céu, aterra e tudo o que eles contêm Lhe pertencem. • Ele está revestido de autoridade absoluta sobre as hostes celestiais e sobre os moradores da terra. • Ele sustenta todas as coisas com a Sua onipotência, e determina os fins que elas estão destinadas a cumprir.
  • 3. • Ele governa como Rei no sentido mais absoluto da palavra, e todas as coisas dependem dele e Lhe são subservientes. • As provas bíblicas da soberania de Deus são abundantes, mas aqui nos limitaremos a referir-nos a algumas das passagens mais significativas: • Gn 14.19; Ex 18.11; Dt 10.14, 17; Sl 50.10-12; 95.3-5; 115.3; 135.5, 6; 145.11-13; Jr 27.5; Lc 1.53; At 17.24-26; Ap 19.6. • Dois dos atributos requerem discussão sob este título, a saber: (1) a vontade soberana de Deus. (2) o poder (querer) soberano de Deus.
  • 4. 1º) A Vontade Soberana de Deus. a) A Vontade de Deus em Geral. A vontade de Deus em geral. • A Bíblia emprega várias palavras para indicar a vontade de Deus, a saber, as palavras hebraicas chaphets, tsebhu e raston, e as palavras gregas boule e thelema.
  • 5. • A importância da vontade divina aparece de várias maneiras na Escritura. • É apresentada como a causa final de todas as coisas. • Tudo é derivado dela: a criação e a preservação, Sl 135.6; Jr 18.6; Ap 4.11; o governo, Pv 21.1; Dn 4.35; a eleição e a reprovação, Rm 9.15, 16; Ef 1.11; os sofrimentos de Cristo, Lc 22.42; At 2.23; a regeneração, Tg 1.18; a santificação, Fp 2.13; os sofrimentos dos crentes, 1 Pe 3.17; a vida e o destino do homem. • At 18.21; Rm 15.32; Tg 4.15, e até as menores coisas da vida, Mt 10.29.
  • 6. • Daí, a teologia cristã sempre reconheceu a vontade de Deus como a causa última de todas as coisas, embora a filosofia às vezes mostre uma inclinação para procurar uma causa mais profunda no próprio Ser do Absoluto. • Todavia, a tentativa de fundamentar tudo no próprio Ser de Deus geralmente redunda em panteísmo. • A palavra “vontade”, no sentido em que é aplicada a Deus, nem sempre tem a mesma conotação na Escritura.
  • 7. Pode denotar: • (1) toda a natureza moral de Deus, incluindo atributos com amor, santidade, justiça, etc; • (2) a faculdade de auto-determinação, isto é, o poder de determinar que o Eu siga um curso de ação ou formule um plano; • (3) o produto desta atividade, isto é, o plano ou propósito predeterminado; • (4) o poder de executar este plano e de realizar este propósito (a vontade em ação, ou seja, a onipotência); e • (5) a regra de vida firmada para as criaturas racionais.
  • 8. • É primariamente na vontade de Deus como a faculdade de autodeterminação que estamos interessados no momento. • Esta pode ser definida como a perfeição do Seu Ser pela qual Ele, num ato sumamente simples, dirige-se a Si mesmo como o Sumo Bem (isto é, deleita-se em Si mesmo como tal) e as Suas criaturas por amor do Seu nome e, assim, é a base do ser e da continuada existência delas. • Com referência ao universo e a todas as criaturas que ele contém, isto naturalmente inclui a idéia de causa- ação.
  • 9. b) Distinções aplicadas à Vontade de Deus. Distinções aplicações • Têm-se aplicado várias distinções à vontade de Deus. • Algumas destas encontraram pouco apoio da parte da teologia reformada, calvinista, como aconteceu com a distinção entre uma vontade de Deus antecedente e uma vontade conseqüente, e com a distinção entre uma vontade absoluta e uma condicional.
  • 10. • Estas distinções não somente estavam expostas a uma compreensão errônea, mas de fato foram interpretadas de maneiras passíveis de objeção. • Outras, porém, foram consideradas úteis e, portanto, foram aceitas mais geralmente. • Estas podem ser asseveradas como segue.
  • 11. • 1) A Vontade Decretatória de Deus e sua Vontade Preceptiva. • A primeira é a vontade de Deus pela qual ele projeta ou decreta tudo que virá a acontecer, quer pretenda realizá- lo efetivamente (causativamente), quer permita que venha a ocorrer por meio da livre ação das Suas criaturas racionais. • A segunda é a regra de vida que Deus firmou para as Suas criaturas morais, indicando os deveres que lhes impõe. • A primeira é realizada sempre, ao passo que a segunda é desobedecida com freqüência.
  • 12. • 2) A Vontade de eudokia e a Vontade de eurestia. • Esta divisão não se relaciona tanto com o propósito de fazer algo, mas principalmente com o prazer de fazer algo ou com o desejo de ver alguma coisa feita. • Contudo, corresponde à divisão anterior, no fato de que a vontade de eudokia, como a do decreto, compreende aquilo que será realizado com certeza, enquanto que a vontade de eurestia, como a do preceito, abrange simplesmente o que Deus apraz que as Suas criaturas façam. • A palavra eudokia só se refere ao bem, e não ao mal; cf. Mt 11.26; É incorreto dizer que o elemento de complacência ou deleite está sempre presente nela.
  • 13. • 3) A Vontade de beneplacitum e a Vontade de signum. • Aquela de novo denota a vontade de Deus como incorporada em Seu conselho oculto, enquanto não o torna conhecido por alguma revelação ou pelo próprio evento. Toda e qualquer vontade revelada torna-se um signum. Esta distinção visa a corresponder à que se faz entre a vontade decretatória de Deus e Sua vontade preceptiva, mas dificilmente se pode dizer que o faça. • O beneplácito de Deus também acha expressão em Sua vontade preceptiva; e a decretatória às vezes também chega ao nosso conhecimento por meio de um signum.
  • 14. • 4) A Vontade Secreta de Deus e Sua Vontade. • Esta distinção é a mais comum. • A primeira é a vontade do decreto de Deus, em grande medida oculta em Deus, enquanto que a segunda é a vontade do preceito, revelada na Lei e no Evangelho. • A distinção baseia-se em Dt 29.29. • A vontade secreta de Deus é mencionada em Sl 115.3; Dn 4.17, 25, 32, 35; Rm 9.18, 19; 11.33, 34; Ef 1.5, 9, 11; e Sua vontade revelada, em Mt 7.21; 12.50; Jo 4.34; 7.17; Rm 12.2. Esta última é acessível a todos, e não está longe de nós, Dt 30.14; Rm 10.8.
  • 15. • A vontade secreta de Deus pertence a todas as coisas que Ele quer efetuar ou permitir, e que, portanto, São absolutamente fixas. • A vontade revelada prescreve os deveres do homem e apresenta o modo pelo qual ele pode fruir as bênçãos de Deus.
  • 16. • c) A Liberdade da Vontade de Deus. • Freqüentemente se debate a questão se Deus, no exercício de Sua vontade, age necessária ou livremente. • A resposta a esta questão requer cuidadosa discriminação. • Exatamente como há uma scientia necessaria e uma scientia libera, há também uma voluntas necessaria (vontade necessária) e uma voluntas libera (vontade livre) em Deus.
  • 17. • Deus mesmo é o objeto da primeira. Ele necessariamente quer a Si próprio e quer a Sua natureza santa, bem como as distinções pessoais da Divindade. • Significa que Ele necessariamente se ama a Si próprio e tem prazer na contemplação e Suas perfeições. • Todavia, Ele não está sob nenhuma compulsão, mas age de acordo com a lei do Seu Ser; e esta, conquanto necessária, é também a suprema liberdade. • É mais que evidente que a idéia de causa-ação está ausente neste ponto, e que a de complacência ou de auto-aprovação está no primeiro plano.
  • 18. • Ele traça as veredas de todas as Suas criaturas racionais, determina o seu destino e as utiliza para os Seus propósitos. E embora as dote de liberdade, contudo Sua vontade lhes controla as ações. • A Bíblia fala desta liberdade da vontade de Deus nos termos mais absolutos, Jo 11.10; 33.13; Sl 115.3; Pv 21.1; Is 10.15; 29.16; 45.9; Mt 20.15; Rm 9.15 – 18, 20, 21; 1 Co 12.11; Ap 4.11. • A igreja sempre defendeu esta liberdade, mas também deu ênfase ao fato de que não pode ser considerada como indiferença absoluta. • Duns Scotus falava de uma vontade de Deus em nenhum sentido determinada; mas esta idéia de uma vontade cega, agindo com perfeita indiferença, foi rejeitada pela igreja.
  • 19. • A liberdade de Deus não é pura indiferença, mas autodeterminação racional. • Deus tem Suas razões para querer como quer, razões que O induzem a escolher um fim e não outro, e uma série de meios para realizar um fim, em preferência a outros meios. • Em cada caso há um motivo predominante, que torna o fim escolhido e os meios selecionados sumamente agradáveis a Ele, embora não sejamos capazes de determinar que motivo é esse. • Em geral se pode dizer que Deus não pode querer nada que seja contrário à Sua natureza, à Sua sabedoria ou amor, à Sua justiça ou santidade.
  • 20. • O dr. Bavinck assinala que raramente podemos discernir por que Deus quis uma coisa e não outra, e que não nos é possível, e tampouco permitido, procurar alguma base mais profunda que a vontade de Deus em que as coisas se fundam, porque todas as tentativas desse jaez redundam em procurar uma base para a criatura no próprio Ser de Deus, privando-o do seu caráter contingente e tornando-a necessária, eterna, divina.
  • 21. d) A Vontade de Deus em relação ao pecado. • A doutrina da vontade de Deus muitas vezes dá surgimento a graves questões. Levantam-se aqui problemas que nunca foram resolvidos e que provavelmente são insolúveis para o homem. • (1) Diz-se que, se a vontade decretatória de Deus determinou também a entrada do pecado no mundo, com isso Deus é o autor do pecado e realmente quer uma coisa contrária às Suas perfeições morais.
  • 22. • Para fugirem à dificuldade, os arminianos dizem que a vontade de Deus, permitindo o pecado, depende do Seu pré-conhecimento do curso que o homem escolheria. • Os teólogos reformados (calvinistas), embora mantendo, com base em passagens como At 2.23; 3.8; etc., que a vontade decretatória de Deus inclui também os atos pecaminosos do homem, sempre têm o cuidado de assinalar que se deve conceber isto de modo que não se faça de Deus o autor do pecado. • Admitem francamente que não podem resolver a dificuldade, mas ao mesmo tempo fazem algumas valiosas distinções de comprovada utilidade.
  • 23. • A maioria deles insiste em que a vontade de Deus quanto ao pecado é de permitir o pecado, e não de efetuá-lo, pois Ele realiza o bem moral. • Esta terminologia é permissível, supondo-se que seja compreendida corretamente. • Deve-se ter em mente que a vontade de Deus de permitir o pecado leva consigo a certeza de que o pecado virá a ocorrer. • Outros chamam a tenção para o fato de que, embora os termos “vontade” e “querer” possam incluir a idéia de complacência ou deleite, às vezes indicam uma simples determinação da vontade; e que, portanto, a vontade de Deus de permitir o pecado não implica necessariamente que Ele tem deleite ou prazer no pecado.
  • 24. • (2) Diz-se, ainda, que a vontade decretatória de Deus e Sua vontade preceptiva muitas vezes são contraditórias, que Sua vontade decretatória inclui muitas coisas que Ele proíbe em Sua vontade preceptiva, e exclui muitas coisas que Ele ordena em Sua vontade preceptiva, cf. Gn 22; Êx 4.21-23; 2 Rs 20.1-7; At 2.23. • Todavia, é de grande importância sustentar tanto a vontade decretatória como a preceptiva, mas com o definido entendimento de que, embora nos pareçam diversas, são fundamentalmente uma só em Deus.
  • 25. • Conquanto uma solução perfeitamente satisfatória da dificuldade esteja fora de questão no presente, podemos aproximar-nos de uma solução. • Quando falamos da vontade decretatória e da vontade preceptiva de Deus, empregamos a palavra “vontade” em dois sentidos diferentes. • Pela primeira, Deus determinou o que Ele fará ou o que virá a acontecer; na segunda Ele nos revela o que estamos na obrigação de fazer.
  • 26. • Ao mesmo tempo, devemos lembrar-nos de que a lei moral, a regra do nosso viver, é também, em certo sentido, a encarnação da vontade de Deus. • É uma expressão da Sua natureza santa e daquilo que esta naturalmente requer de todas as criaturas morais. • Daí, outra observação pode ser acrescentada à anterior. • A vontade decretatória e a vontade preceptiva de Deus não estão em conflito no sentido de que na primeira Ele tem prazer no pecado.
  • 27. • Na segunda, não; nem no sentido de que, de acordo com a primeira, Ele não quer a salvação de todos os indivíduos como uma violação positiva, e de acordo com a segunda, quer. • Mesmo de acordo com a vontade decretatória Deus não tem prazer no pecado; e mesmo de acordo com a vontade preceptiva Ele não quer a salvação de todos os indivíduos com uma volição positiva.
  • 28. • 2º) O poder Soberano de Deus. • A soberania de Deus acha expressão, não somente na vontade divina, mas também na onipotência de Deus, ou em Seu poder de executar a Sua vontade. • Pode-se denominar o poder de Deus a eficaz energia da Sua natureza, ou a perfeição do Seu Ser pela qual Ele é a causalidade absoluta e suprema. • É costume distinguir entre uma potentia Dei absoluta (um absoluto poder de Deus) e uma potentia Dei ordinata (poder ordenado de Deus).
  • 29. • Contudo, a teologia reformada, calvinista, rejeita esta distinção no sentido em que a entendiam os escolásticos, que afirmavam que Deus, em virtude do Seu poder absoluto, pode efetuar contradições, e pode até pecar e aniquilar-se a Si próprio. • Ao mesmo tempo, adota a distinção como expressão de uma verdade real, embora nem sempre a apresente do mesmo modo. • De acordo com Hodge e Shedd, o poder absoluto é a eficiência divina, exercida sem a intervenção de causas secundárias; enquanto que o poder ordenado é a eficiência de Deus, exercida pela ordenada operação de causas secundárias.
  • 30. a) Conceito de Charnock • O conceito mais geral é exposto por Charnock como segue: • “Absoluto é o poder pelo qual Deus é capaz de fazer o que Ele não fará, mas que tem possibilidade de ser feito; ordenado é o poder pelo qual Deus faz o que decretou fazer, isto é, o que Ele ordenou ou marcou para ser posto em exercício; os quais não são poderes distintos, mas um e o mesmo poder. • O Seu poder ordenado é parte do Seu poder absoluto; pois se Ele não tivesse poder para fazer tudo o que pudesse desejar, não teria poder para fazer tudo que deseja”.
  • 31. b) Conceito da Potentia Ordinata • A potentia ordinata pode ser definida como a perfeição de Deus: • Pela qual Ele,mediante o simples exercício da Sua vontade, pode realizar tudo quanto está presente em Sua vontade ou conselho. • O poder de Deus, em seu exercício fatual, limita-se àquilo que o Seu decreto eterno abrange. • Mas o exercício fatual do poder de Deus não representa os seus limites.
  • 32. • Deus poderia fazer mais que isso, se fosse esta a Sua intenção. • Nesse sentido podemos falar em potentia absoluta, ou poder absoluto de Deus. • Deve-se manter esta posição contra aqueles que, como Schleiermacher e Strauss, sustentam que o poder de Deus se limita àquilo que Ele realiza de fato. • Mas em nossa afirmação do poder absoluto de Deus precisamos acautelar-nos contra noções errôneas. • A Bíblia nos ensina, por um lado, que o poder de Deus estende-se além daquilo que é realizado de fato, Gn 18.14; Jr 32.27; Zc 8.6; Mt 3.9; 26.53.
  • 33. • Portanto, não podemos dizer que aquilo que Deus não realiza concretamente não Lhe é possível realizar. • Mas, por outro lado, ela indica também que há muitas coisas que Deus não pode fazer. • Ele não pode mentir, pecar, mudar, e não pode negar-se a Si próprio, Nm 23.19; 1 Sm 15.29; 2 Tm 2.13; Hb 6.18; Tg 1.13, 17. • Não há poder absoluto nele, divorciado de Suas perfeições, e em virtude do qual Ele pudesse fazer todo tipo de coisas inerentemente contraditórias entre si.
  • 34. • A idéia da onipotência de Deus é expressa pelo nome ‘El-Shaddai; e a Bíblia fala a seu respeito em termos que não deixam dúvida, em passagens como Jó 9.12; Sl 115.3; Jr 32.17; Mt 19.26; Lc 1.37; Rm 1.20; Ef 1.19. • Deus manifesta o Seu poder na criação, Rm 4.17; Is 44.24; nas obras da providencia, Hb 1.3; e na redenção de pecadores, 1 Co 1.24; Rm 1.16.