SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
Janice Reis Ciacci Zanella
Brasília, 08/12/2016
Zoonoses emergentes
e reemergentes,
importância para
saúde e produção
animal
• Seres humanos sempre
dependeram de animais para
alimentação,
transporte,
trabalho,
e companhia.
Mamíferos
Cão (Canis lupus familiaris, 14 000-18 000 anos por arqueologia, ou 135 000 anos por exames genéticos de fósseis encontrados na
Europa), do lobo: Canis lupus pallipes, Canis lupus arabs, Canis lupus lupus. Mas o Lobo-etíope (Canis simensis) também cruza com o cão.
O Dingo (Canis lupus dingo) com seus 4000 anos na Austrália dá uma boa idéia da domesticação do cão. [2] [3] [4] [5] [6]
Ovelha (Ovis orientalis aries, 10 000 anos atrás na Ásia do Oeste) [7] [8] [9]
Cabrito (Capra aegagrus hircus, 10 000 anos atrás na Ásia do Oeste) [7] [10]
Porco (Sus scrofa domestica, 9000 anos atrás na Ásia do Sudoeste, China) [11]
Gado (Bos taurus e Gado Zebu, Bos taurus indicus ou Bos primigenius indicus; 10 500 anos atrás na Ásia do Sudoeste), a espécie original é
o Auroque (Bos primigenius).
Dromedário (Camelus dromedarius, 6000 anos atrás na Arábia do Sul).
Burro (Equus asinus asinus, 6000 anos atrás na África do Noroeste).
Cavalo (Equus ferus caballus, 5000 anos atrás na Europa do Sudoeste). Depois da Idade do Gelo existiam algumas populações isoladas de
cavalos selvagens que foram todas domesticadas.
Búfalo-asiático (Bubalus bubalis f. bubalis, 4000 anos atrás na China)
Gato (Felis silvestris f. catus, 3500 anos atrás no Egito ou 9000 anos atrás na Mesopotâmia) [19] [20] [21] [22]
Porquinho-da-Índia (Cavia porcellus, 2000 até 5000 anos atrás na América do Sul) [12] [23]
Lhama, Lama glama e Alpaca, Lama pacos ou Vicugna pacos (3000 anos atrás na América do Sul). Lhamas, Alpacas, Vicunhas (Vicugna
vicugna) e Guanacos (Lama guanicoe) se cruzam. A Alpaca é um cruzamento da Lhama com a Vicunha.
Camelo-bactriano, camelo-asiático ou simplesmente camelo (Camelus bactrianus, 3000 anos atrás na Ásia Central)
Coelho (Oryctolagus cuniculus, 1500 anos atrás na França)
Rena (Rangifer tarandus, 1000 anos atrás na Sibéria) [24]
Furão-doméstico (Mustela putorius furo, 500 anos atrás na Europa)
Aves
Ganso (Anserinae, Anser anser, 4500 anos atrás no Egito). O Ganso doméstico é um cruzamento do Ganso-bravo (Anser anser) e do
Ganso-africano (Anser cygnoides). [26]
Galinha (Gallus gallus domesticus, 3500 anos atrás na Ásia do Sudoeste) [27]
Pato (Anas platyrhynchos, 3000 anos atrás na Europa, Ásia)
Pavão-indiano (Pavo cristatus), 2500 anos atrás na Índia.
Cisne-branco (Cygnus olor), entre 1000 e 500 anos atrás na Europa.
Peru, (Meleagris gallopavo ou Meleagris ocellata , 500 anos atrás no México)
Pato-selvagem ou pato-mudo (Anatidae, Cairina moschata, na América do Sul numa época desconhecida)
Galinha-d'angola, galinha-do-mato ou pintada (Numida meleagris, na África numa época desconhecida)
Marreco Mandarim (Aix galericulata, na China numa época desconhecida).
Pombo-comum ou pombo-das-rochas (Columba livia, 3000 anos atrás Egito ou Mediterrâneo)
Rola doméstica (Streptopelia risoria), 2500 anos atrás no Norte da África. Cruza tanto com a Rola-turca (Streptopelia decaocto), como
com a Rola-rosada (Streptopelia roseogrisea).
Canário (Fringillidae, Serinus canaria), 400 anos atrás na Europa.
Outros Animais
Abelha (Apis mellifera); 6000 anos atrás em muitos lugares.
Bicho-da-seda (Bombycidae, Bombyx mori, 3000 anos atrás na China)
• Entretanto, esses animais
podem ser fonte de doenças
infecciosas causadas por vírus,
bactérias e parasitas, sendo
que algumas delas podem ser
transmitidas para a população
humana.
Essas doenças são denominadas
zoonoses
Em 2004, a Organização Mundial de Saúde (WHO), a
FAO e o OIE definiram o termo zoonose emergente
como um patógeno novo que é reconhecido ou sofreu
evolução recente ou que já tenha ocorrido
anteriormente mas demonstra um aumento na
incidencia ou expansão na área geográfica, tipo de
hospedeiro ou vetor
(www.who.int/zoonoses/emerging_zoonoses/en)
Granja no Mato Grosso tem
leitegada de 36 leitões
Biosseguridade
Sanidade
Recursos naturais
Financiamento para pesquisa
Produtividade
Disponibilidade de grãos
Modelo de Integração Sofisticado
• As doenças são as maiores ameaças à estabilidade dos
sistemas produtivos
• Impacto das doenças excede 20% das perdas na produção
de animais em todo o mundo
• Impactos socioeconômicos causados pelas enfermidades
animais geram um aumento da pobreza, já que, hoje, um
bilhão de agricultores sobrevivem da produção
• A FAO estima que as zoonoses causam perdas acima de 30
milhões de toneladas de leite anualmente, e isso contribui
para desnutrição e diminuição da resistência a doenças em
crianças e idosos
• Países perdem oportunidades comerciais devido ao status
sanitário e não recebem investimentos
A agricultura e
pecuária são
setores essenciais
para a economia do
Brasil
Sanidade animal
• A sanidade animal é estratégica para a competitividade e
sustentabilidade da agropecuária brasileira.
$
http://www.portalparagominas.com/index2.php?pg=noticia&id=516
Sanidade animal
• É o nosso passaporte, mantém a produção animal em equilíbrio,
gerando suprimento de proteína de origem animal para a
população humana, preservando também sua saúde.
• 75% das doenças infecciosas ou parasitárias
emergentes no último século são originárias de
agentes microbianos de animais e podem ser
uma ameaça como armas biológicas em
bioterrorismo.
Agência de Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos
Tripanossomiases
TB
Coqueluche
Gripe 1918
Varíola
Gripe H5N1
335 patógenos emergiram
nas últimas 6 décadas (média 5/ano)
Jones et al., 2008, 2012. Nature 451:21 Fonte: Daniel Linhares, 2014
Patógenos emergem
em todos continentes
Fonte: Daniel Linhares, 2014
Fonte: Daniel Linhares, 2014
Rudolf Virchow (1821-1902)
• Criador do termo
“zoonose” ao trabalhar
com triquinelose,
• Considerado o pai da
patologia moderna,
• “Entre animal e
medicina humana não
deve existir linha
divisória."
William Osler (1849 – 1919)
• Pai da Medicina
Moderna
• Criou o termo “One
Medicine”
• Muito conhecido por
trabalhar em ambas,
medicina humana e
medicina veterinária
Calvin Schwabe (1927 – 2006)
• Epidemiologista
• Reviveu o conceito
“One Medicine”
• Autor em 1984 do
livro:Veterinary
Medicine and Human
Health.
One world, one health
one medicine
• Quais as estratégias para combater a
transmissão desses agentes patogenicos, qual o
papel dos atores da saúde pública?
– Entender quais fatores de risco para sua emergência
Infecção de
humanos e
animais
Mudanças
climáticas
influenciando
artrópodes
Transporte de
pessoas ou
animais
doentes
Turismo e
globalização
Mudanças no
uso das áreas
(terra)
Adaptação do
patógeno a nova
espécie
hospedeiraAquisição de
novos fatores
de virulencia
Alteração de
prática de manejo
em criações
animais
Animais de
companhia
Comidas
exóticas
(carnes de
caça)
Animais de
estimação
exóticos
O aumento da população humana
é o fator mais importante
• O crescimento exponencial da população humana que em 1900 estimava-se ser de 1
bilhão de pessoas passou a 6.5 bilhões em 2006 (Chomel, 2007).
• A previsão é de sermos 10 bilhões de pessoas no planeta em 2050 (Cutler et al.,
2010). Essa estimativa vem acompanhada de um aumento chocante de urbanização
da população de 39% em 1980 para 46% em 1997 e previsto em 60% em 2030.
• Essa elevação de densidade e agrupamento da população humana em centros
urbanos é um “prato cheio” para surtos de doenças em
grande escala (Cutler et al., 2010).
• Várias consequencias ecológicas deste
aumento podem ser sentidas no planeta,
dentre elas a redução drástica do
habitat selvagem (Chomel, 2007)
Crescimento Populacional
Aumento da Demanda por Carnes
“Carnes" inclui bovina, suína, frango, ovina e caprina.
Toneladas e kilograms são a média de 3 anos e centrada no ano destacado.
LA é America Latina , SSA é África Subsaariana e WANA é Asia Ocidental e
Norte da África.
(International Food Policy Research Institute)
Infecção de
humanos e
animais
Mudanças
climáticas
influenciando
artrópodes
Transporte de
pessoas ou
animais
doentes
Turismo
Mudanças no
uso das áreas
(terra)
Adaptação do
patógeno a nova
espécie
hospedeiraAquisição de
novos fatores
de virulencia
Alteração de
prática de
manejo em
criações animais
Animais de
companhia
Comidas
exóticas
(carnes de
caça)
Animais de
estimação
exóticos
• Em 2030 existe uma perspectiva de elevação de mais
de 50% de demanda, para isso seriam necessários
um aumento de milhões de animais.
• O excesso de confinamentos e processamento de
nutrientes para alimentação do gado bovino pode ter
levado o surgimento da encefalite espongiforme
bovina (BSE) ou a doença da vaca louca no Reino
Unido.
• Biosseguridade,
• Reduzir impacto ambiental,
sanitário, trabalhista e econômico,
• Regulamentar recolhimento,
transporte e destinação.
• Unidades processadoras de
referencia:
• Óleo para biodiesel e farinhas
para fertilizantesApoio ao MAPA
Infecção de
humanos e
animais
Mudanças
climáticas
influenciando
artrópodes
Transporte de
pessoas ou
animais
doentes
Turismo
Mudanças no
uso das áreas
(terra)
Adaptação do
patógeno a nova
espécie
hospedeiraAquisição de
novos fatores
de virulencia
Alteração de
prática de manejo
em criações
animais
Animais de
companhia
Comidas
exóticas
(carnes de
caça)
Animais de
estimação
exóticos
• Mudanças climáticas, a exploração de novas fronteiras agrícolas
algumas vezes causando desmatamentos e a introdução de vetores
como roedores e mosquitos em áreas urbanas muda a dinamica da
transmissão de doenças. A invasão de áreas urbanas em locais onde
agentes infecciosos viviam em equilíbrio com uma espécie animal
emergiram em resultado à essa mudança de meio ambiente.
• A redução na abundancia de hospedeiros naturais
fazem com que os vetores procurem hospedeiros
alternativos, aumentando as oportunidades para a
transmissão de doenças, como o aumento dos
casos humanos de borreliose ou doença de Lyme, a
erliquiose e anaplasmoses.
Florestas em chama - Moscou
Urubici, SC
Jacy Paraná, RO
Mudanças Climáticas
04 de agosto de 2010
Muquém de São Francisco, BA
4.bp.blogspot.com
s2.glbimg.com
www.amazoniadagente.com.br/
Nipah
Emergiu na Malásia em 1999, quebrando a
indústria suína e causando centenas de mortes.
Apesar de pouco patogenico para suínos o vírus
de Nipah causa doença severa em humanos com
sinais respiratórios e nervosos, matando 40% das
pessoas infectadas
Chou. Nipah virus outbreak in Malaysia. J Clin Virol April 2003
• Homologia com vírus Hendra
(morbilivírus eqüino).
• Hendra causa encefalite fatal em
humanos e eqüinos.
• Morcegos frutívoros (Pteropus spp.)
são reservatórios de vírus Hendra e
Nipah.
• Vírus Hendra estabelece infecção
latente em suínos.
Fonte: Daniel Linhares, 2014
Infecção de
humanos e
animais
Mudanças
climáticas
influenciando
artrópodes
Transporte de
pessoas ou
animais
doentes
Turismo
Mudanças no
uso das áreas
(terra)
Adaptação do
patógeno a nova
espécie
hospedeira
Aquisição de
novos fatores de
virulencia
Alteração de
prática de manejo
em criações
animais
Animais de
companhia
Comidas
exóticas
(carnes de
caça)
Animais de
estimação
exóticos
37
Garten et al. Science, 2009.
• Aumento no potencial de invasão, difusão, produção de toxinas
ou resistencia a drogas antimicrobianas.
• Agentes patogênicos, dentre eles destacam-se os vírus que
podem sofrer mutações ou modificações a fim de se adaptarem
ao hospedeiro humano.
• Novos vírus são uma ameaça por emergirem (ou reemergirem)
em algumas populações e serem capazes de transmissão rapida
por não haver resposta imune ou vacinas disponíveis.
SARS
Aumento no potencial de invasão, difusão, produção de toxinas ou
resistência a drogas antimicrobianas ou RDA.
• A descoberta de antibióticos é um dos
mais importantes avanços do século 20,
• Resistência se desenvolveu logo após
novas drogas serem descobertas para
substituir as mais antigas assim que a
resistência emergiu,
• Hoje a resistência é emergente e se espalha mais rápido do que a
descoberta de novas drogas,
• RDA é uma prioridade para ambas medicinas veterinária e
humana.
Methicillin resistant
Staphylococcus aureus (MRSA)
• Colonizador nasal de suínos e humanos – na
maioria dos casos não causa sinais
• Isolados pertencentes a sequencia do tipo ST 398
• Reportado em vários países
• Isolados podem estar presentes em dermatite
exudativa dos suínos ou em lesões de casco
Infecção de
humanos e
animais
Mudanças
climáticas
influenciando
artrópodes
Transporte de
pessoas ou
animais doentes
Turismo
Mudanças no
uso das áreas
(terra)
Adaptação do
patógeno a nova
espécie
hospedeiraAquisição de
novos fatores
de virulencia
Alteração de
prática de manejo
em criações
animais
Animais de
companhia
Comidas
exóticas
(carnes de
caça)
Animais de
estimação
exóticos
• Agentes infecciosos dentro de mosquitos ou animais podem
dar meia-volta ao redor do planeta em 24 horas, causando as
vezes novos surtos de doenças. Enquanto que no século 19
levavam várias semanas ou meses para as agentes de doenças
viajarem de um continente para o outro, hoje eles podem ser
transportados para terras mais longínquas em menos tempo
que o período de incubação de muitas doenças.
• A globalização da tecnologia, informação e da economia está
criando forças de mercado para as indústrias, culturas e
organismos se conectarem.
• O aparecimento do vírus do
Nilo Ocidental (West Nile
Virus) no hemifério ocidental
causando surtos na costa
leste dos Estados Unidos. A
globalização do comércio
pode ter sido responsável
pela entrada do vetor deste
vírus, o Aedes albopictus no
estado americano do Texas
através de uma importação
de pneus usados do Japão e
atualmente está disseminado
naquele país.
• Outra forma de transporte de animais inclui o uso
destes para atividades esportivas como caça, pesca,
corridas de cavalos, dentre outros.
1534: vinda de gado para a Capitania de São
Vicente - primeiros patógenos. Aftosa: registro no
continente apenas no final do século XIX
Europa: (quase totalidade das doenças
introduzidas)
1960 a 1980: Identificação de 50 “novas” doenças
no país
INGRESSO DE DOENÇAS DOS
ANIMAIS NO BRASIL
Ingresso de doenças crônicas e agudas dos
animais no Brasil e sua relação com a velocidade
dos meios de transporte
Dr. Jorge Caetano do MAPA, 2009.
- animais e produtos agropecuários -
Coordenação-Geral de
Vigilância Agropecuária
Internacional
(VIGIAGRO/SDA)
POSTOS DE FRONTEIRA - 26
ADUANAS ESPECIAIS - 27
PORTOS ORGANIZADOS - 31
AEROPORTOS INTERNACIONAIS - 29
113 Unid. de Vigilância
Fiscalização e controle nos pontos de ingresso
C. Pizarro, MAPA, 2012
Estação
Quarentenária
de Cananéia
C. Pizarro, MAPA, 2012
Infecção de
humanos e
animais
Mudanças
climáticas
influenciando
artrópodes
Transporte de
pessoas ou
animais
doentes
Turismo e
Globalização
Mudanças no
uso das áreas
(terra)
Adaptação do
patógeno a nova
espécie
hospedeiraAquisição de
novos fatores
de virulencia
Alteração de
prática de manejo
em criações
animais
Animais de
companhia
Comidas
exóticas
(carnes de
caça)
Animais de
estimação
exóticos
• Hoje em dia 2,5 milhões de pessoas usam aeroportos por dia,
sendo ≥ 1 milhão destas viagens com destino internacional.
• O comércio mundial triplicou nos últimos 20 anos e o turismo
é o setor campeão em crescimento na economia global,
sendo que um em cada 4 cidadãos de um país desenvolvido
visita um pais estrangeiro a cada ano.
• O ecoturismo é o segmento de turismo que mais tem crescido
(média 10% por ano) e inclui safaris, esportes radicais, tours, e
exposição a habitats diferentes dos urbanos .
• Zoonoses associadas a essas práticas incluem uma variedade
de riquetisioses, brucelose, hepatite E, hantaviroses,
leptospiroses, encefalites transmitidas por carrapatos e
esquistossomose .
• Exemplo recente foi o aparecimento de surtos
de vírus influenza pandemico H1N1 na América
do Norte (México, Estados Unidos e Canadá) em
2009 e dias depois em países da Europa e
Oceania.
• Foi demonstrado que os genes do
virus novo eram uma combinação
de VIS da America do Norte e de
linhagens da Eurásia e que nunca
haviam sido identificados em
suínos ou em outra espécie
anteriormente.
• Emergência de MERS-Cov (Middle
East Respiratory Syndrome – MERS
Coronavirus) ou síndrome
respiratória do oriente médio
causada por um coronavírus na
Arábia Saudita em junho de 2012
• Até janeiro de 2015 foram
reportados 835 casos, sendo 358
mortes (43% de mortalidade)
• O MERS-Cov foi detectado em
morcegos e em camelos
• A recomendação do CDC (Centro de
Controle e Prevenção de Doenças
dos Estados Unidos) para viajantes
é evitar contato com camelos e o
consumo do leite cru e carne mal
passada desses animais
Infecção de
humanos e
animais
Mudanças
climáticas
influenciando
artrópodes
Transporte de
pessoas ou
animais
doentes
Turismo
Mudanças no
uso das áreas
(terra)
Adaptação do
patógeno a nova
espécie
hospedeiraAquisição de
novos fatores
de virulencia
Alteração de
prática de manejo
em criações
animais
Animais de
companhia
Comidas
exóticas
(carnes de
caça)
Animais de
estimação
exóticos
• Estima-se que nos Estados Unidos mais da metade
dos lares mantem gatos ou cães de estimação e 2,5%
mantem um animal exótico como mini-pig, furão,
coelho, roedor ou réptil.
• Sarna, salmonelose, larva migrans e outros parasitas,
vírus e bactérias presentes no organismos destes
animais que podem ser transmitidos para humanos,
principalmente imunocomprometidos.
• A peste bulbonica re-emergiu, sendo considerada
essa a sua terceira pandemia, tendo como palco o
Oeste dos Estados Unidos onde o maior risco da
peste vem de gatos que ao caçar roedores se
contagiaram com pulgas infectadas com a Yersinia
pestis, causadora da peste.
Infecção de
humanos e
animais
Mudanças
climáticas
influenciando
artrópodes
Transporte de
pessoas ou
animais
doentes
Turismo
Mudanças no
uso das áreas
(terra)
Adaptação do
patógeno a nova
espécie
hospedeiraAquisição de
novos fatores
de virulencia
Alteração de
prática de manejo
em criações
animais
Animais de
companhia
Comidas
exóticas
(carnes de
caça)
Animais de
estimação
exóticos
Animais exóticos de companhia (legal e ilegal).
• 40.000 primatas, 4 milhões de pássaros, 640 mil repteis e 350
milhões de peixes tropicais ornamentais são comercializados por
ano, gerando uma industria de tráfico internacional de vida silvestre
estimado em 6 bilhões de dólares . Um exemplo das zoonoses
transmitidas por essas atividades incluem a raiva, tuberculose,
brucelose, psitacose (Chlamidia psittaci) e o H5N1-HP.
• 7% das infecções humanas por Salmonella nos EUA
(principalmente em crianças) estão relacionadas com possuir um
reptil de estimação or ter tido contato com esses animais. A
maioria das iguanas são portadoras de serotipos de Salmonella e o
que torna o problema mais alarmante é o aumento do número
destes repteis comercializados, que chega a pelo menos 1 milhão
por ano ( CDC - Center for Disease Control and Prevention) .
Infecção de
humanos e
animais
Mudanças
climáticas
influenciando
artrópodes
Transporte de
pessoas ou
animais
doentes
Turismo
Mudanças no
uso das áreas
(terra)
Adaptação do
patógeno a nova
espécie
hospedeiraAquisição de
novos fatores
de virulencia
Alteração de
prática de manejo
em criações
animais
Animais de
companhia
Comidas
exóticas
(carnes de
caça)
Animais de
estimação
exóticos
• África Central e Bacia Amazonica consomem anualmente até 3
milhões de toneladas e 167 milhões de quilos, respectivamente.
A indústria da caça na África gera bilhões de dólares anualmente.
a) Retrovírus: Vírus Espumoso dos Símios é um retrovírus zoonótico
muito próximo ao vírus da imunodeficiencia humano (HIV) e já
infectou pessoas que tiveram contato direto com carne in natura
de primatas não-humanos.
b) Vírus T-linfotrópico tipo 3 e 4 humano foram encontrados em
pessoas que caçam, carneiam ou possuem macacos como
animais de estimação no Sul de Camarões.
• A triquinelose está associada com o consumo de carne de caça, como
de urso.
• Casos severos de hepatite E estão associados com o consumo de
carne de cervos e suíno selvagem (javali).
• Parasitas como protozoários (Toxoplasma), trematodios (Fasciola sp.,
Paragonimus spp.), cestodios (Taenia spp.,Diphyllobothrium sp.), e
nematodios (Trichinella spp.,Anisakis sp., Parastrongylus spp.)
Toxoplasma Virus da hepatite E Triquinela
• O H5N1-HP que iniciou no Sudeste da Ásia em 2003 é um exemplo
típico de agente transmitido por esses mercados de animais.
Em 2013 o H7N9 emergiu na China e até outubro 2014 já foram
confirmados 452 casos com 124 mortes, causando também um
prejuízo de 2 bilhões de dólares para a industria avícola chinesa.
• 335 patógenos emergiram
nas últimas 6 décadas (média 5/ano)
•Com a tecnologia da metagenomica esse número
vai aumentar.
• Identificação precoce de agentes patogênicos perigosos em animais e
resposta rápida antes que a doença torne uma ameaça para a
população humana.
• Implementar vigilância para vírus e bactérias resistentes a
medicamentos.
• Deve-se usar uma estratégia baseada em análise de riscos e investir
em defesa sanitária animal, treinamento e resposta ao foco em áreas
geográficas onde essas ameaças são prováveis de emergir.
• Especialistas em saúde humana e animal devem construir uma rede de
detecção precoce da doença em nível local, regional e nacional. Essa
rede necessita ter laboratórios de diagnóstico, resposta rápida de
contingencia de doenças e diminuição dos riscos.
• Pesquisa em epidemiologia molecular aplicada vai ter uma valor
imenso no futuro ai reconhecer as associações entre genótipos em
hospedeiro e patógeno.
Pontos chave na prevenção de
zoonoses emergentes
• Detecção de patógenos em vida selvagem (animais silvestres) que
podem causar doenças em humanos.
• Análise e caracterização de riscos potenciais e métodos de transmissão
para doenças especificas de origem animal, verificar o comércio e
transito de animais e produtos .
• Institucionalização da estratégia de One Health em vários setores que
atuam em saúde publica, dentre elas a pesquisa em desenvolvimento
de novos medicamentos para tratamento de doenças emergentes (por
exemplo: bactérias resistentes a antimicrobianos).
• Resposta a surtos que sejam adequados em nível do pais, considerar o
estoque de antivirais e como será distribuído ou ter uma estratégia para
obtê-los, da mesma forma ter uma estratégia para produção de vacinas
contra doenças pandêmicas.
• Redução dos riscos para prevenir, minimizar ou eliminar o potencial
para emergência e transmissão de novas doenças.
Deve-se focar em:
• A prevenção e o controle de agentes de doenças são prioridades da
pesquisa em sanidade animal.
• No caso especifico da Embrapa, as ações estão divididas em três
vertentes:
•segurança alimentar,
•apoio à defesa sanitária (doenças emergentes, exóticas ou aquelas que já ocorrem no
País e são riscos para a exportação) e
•doenças de produção, com as quais os rebanhos convivem, mas que causam prejuízos
econômicos.
• O conhecimento, a vigilância e a cooperação são as forças que devem
se unir para propor estratégias e evitar que o Brasil seja berço de uma
doença emergente, o que pode prejudicar nossa economia e saúde.
O Brasil e emergência ou reemergência de
zoonoses:
Obrigada
janice.zanella@embrapa.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalMarília Gomes
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃOHenriqueKanada
 
Manejo animais silvestres
Manejo animais silvestresManejo animais silvestres
Manejo animais silvestresclaudioyudi
 
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptxAPRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptxMirianFernandes15
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisRicardo Alanís
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisMario Gandra
 
vigilancia sanitaria animal
vigilancia sanitaria animalvigilancia sanitaria animal
vigilancia sanitaria animalClécio Limeira
 
História e importância da microbiologia
História e importância da microbiologiaHistória e importância da microbiologia
História e importância da microbiologiaFrancisco de Lima
 
Mapa - Bem Estar Animal
Mapa - Bem Estar AnimalMapa - Bem Estar Animal
Mapa - Bem Estar AnimalBeefPoint
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensMarília Gomes
 
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_Janyedja Carvalho de Andrade
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecniagepaunipampa
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1profsempre
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosRafael Serafim
 

Mais procurados (20)

Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Manejo animais silvestres
Manejo animais silvestresManejo animais silvestres
Manejo animais silvestres
 
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptxAPRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Introdução á Ecologia
Introdução á EcologiaIntrodução á Ecologia
Introdução á Ecologia
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
vigilancia sanitaria animal
vigilancia sanitaria animalvigilancia sanitaria animal
vigilancia sanitaria animal
 
História e importância da microbiologia
História e importância da microbiologiaHistória e importância da microbiologia
História e importância da microbiologia
 
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da EpidemiologiaConceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Mapa - Bem Estar Animal
Mapa - Bem Estar AnimalMapa - Bem Estar Animal
Mapa - Bem Estar Animal
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
 
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
 

Semelhante a Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção animal

Equídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridosEquídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridosJoão Felix
 
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdfBiologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdfGabrielRodriguesWern
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdfAULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdfMedicinaVETERINRIA11
 
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRenato Ferraz de Arruda Veiga
 
Apresentaçao Marcia Neves Guelber Sales CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao  Marcia Neves Guelber Sales   CBA-Agroecologia 2013Apresentaçao  Marcia Neves Guelber Sales   CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Marcia Neves Guelber Sales CBA-Agroecologia 2013Agroecologia
 
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose BovinaApresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose BovinaFernando Alzamora
 
ANIMAIS DE TRABALHO E ASPECTOS ÉTICOS ENVOLVIDOS: REVISÃO CRÍTICA
ANIMAIS DE TRABALHO E ASPECTOS ÉTICOS ENVOLVIDOS: REVISÃO CRÍTICAANIMAIS DE TRABALHO E ASPECTOS ÉTICOS ENVOLVIDOS: REVISÃO CRÍTICA
ANIMAIS DE TRABALHO E ASPECTOS ÉTICOS ENVOLVIDOS: REVISÃO CRÍTICALilian De Rezende Jordão
 
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]gecoufba
 
Ética da Alimentação - O mundo é o que você come
Ética da Alimentação - O mundo é o que você comeÉtica da Alimentação - O mundo é o que você come
Ética da Alimentação - O mundo é o que você comeJuliana Nólibos
 
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...Rui Sá
 
AULA 1 CAPRINO E OVINOS OVINOCAPRINOCULTURA.pptx
AULA 1 CAPRINO E OVINOS OVINOCAPRINOCULTURA.pptxAULA 1 CAPRINO E OVINOS OVINOCAPRINOCULTURA.pptx
AULA 1 CAPRINO E OVINOS OVINOCAPRINOCULTURA.pptxBRENDACARLALUQUETTI
 
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e ComercializaçãoPapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e ComercializaçãoInstituto Qualittas de Pós Graduação
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaJanaina Alves
 

Semelhante a Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção animal (20)

Equídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridosEquídeos e seus hibridos
Equídeos e seus hibridos
 
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdfBiologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdfAULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO A BOVINOCULTURA DE CORTE.pdf
 
Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01
 
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
 
Cobaias: Dados Biológicos, Comportamentais e Pesquisas
Cobaias: Dados Biológicos, Comportamentais e PesquisasCobaias: Dados Biológicos, Comportamentais e Pesquisas
Cobaias: Dados Biológicos, Comportamentais e Pesquisas
 
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptxImportância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
 
Apresentaçao Marcia Neves Guelber Sales CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao  Marcia Neves Guelber Sales   CBA-Agroecologia 2013Apresentaçao  Marcia Neves Guelber Sales   CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Marcia Neves Guelber Sales CBA-Agroecologia 2013
 
Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003
 
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose BovinaApresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
 
ANIMAIS DE TRABALHO E ASPECTOS ÉTICOS ENVOLVIDOS: REVISÃO CRÍTICA
ANIMAIS DE TRABALHO E ASPECTOS ÉTICOS ENVOLVIDOS: REVISÃO CRÍTICAANIMAIS DE TRABALHO E ASPECTOS ÉTICOS ENVOLVIDOS: REVISÃO CRÍTICA
ANIMAIS DE TRABALHO E ASPECTOS ÉTICOS ENVOLVIDOS: REVISÃO CRÍTICA
 
Animais de trabalho artigo
Animais de trabalho artigoAnimais de trabalho artigo
Animais de trabalho artigo
 
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
 
Ética da Alimentação - O mundo é o que você come
Ética da Alimentação - O mundo é o que você comeÉtica da Alimentação - O mundo é o que você come
Ética da Alimentação - O mundo é o que você come
 
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
 
AULA 1 CAPRINO E OVINOS OVINOCAPRINOCULTURA.pptx
AULA 1 CAPRINO E OVINOS OVINOCAPRINOCULTURA.pptxAULA 1 CAPRINO E OVINOS OVINOCAPRINOCULTURA.pptx
AULA 1 CAPRINO E OVINOS OVINOCAPRINOCULTURA.pptx
 
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e ComercializaçãoPapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
PapoVet - Riscos Alimentares na Produção, Distribuição e Comercialização
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
 
Bioterismo
BioterismoBioterismo
Bioterismo
 
159348473-Aula-02.pdf
159348473-Aula-02.pdf159348473-Aula-02.pdf
159348473-Aula-02.pdf
 

Mais de Cristiane Assis

Mapeamento do risco de introdução da febre aftosa na fronteira do brasil com ...
Mapeamento do risco de introdução da febre aftosa na fronteira do brasil com ...Mapeamento do risco de introdução da febre aftosa na fronteira do brasil com ...
Mapeamento do risco de introdução da febre aftosa na fronteira do brasil com ...Cristiane Assis
 
Identificação de biótipos b, q e nativo brasileiro do complexo da espécie bem...
Identificação de biótipos b, q e nativo brasileiro do complexo da espécie bem...Identificação de biótipos b, q e nativo brasileiro do complexo da espécie bem...
Identificação de biótipos b, q e nativo brasileiro do complexo da espécie bem...Cristiane Assis
 
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...Cristiane Assis
 
Desenvolvimento de helicoverpa spp. em milho bt com expressão de diferentes p...
Desenvolvimento de helicoverpa spp. em milho bt com expressão de diferentes p...Desenvolvimento de helicoverpa spp. em milho bt com expressão de diferentes p...
Desenvolvimento de helicoverpa spp. em milho bt com expressão de diferentes p...Cristiane Assis
 
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em FronteirasVigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em FronteirasCristiane Assis
 
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...Cristiane Assis
 
Enfraquecimento e perda de colônias de abelhas no brasil há casos de ccd
Enfraquecimento e perda de colônias de abelhas no brasil há casos de ccd Enfraquecimento e perda de colônias de abelhas no brasil há casos de ccd
Enfraquecimento e perda de colônias de abelhas no brasil há casos de ccd Cristiane Assis
 
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuroFerrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuroCristiane Assis
 
Priorização de pragas quarentenárias
Priorização de pragas quarentenáriasPriorização de pragas quarentenárias
Priorização de pragas quarentenáriasCristiane Assis
 
Priorização de regiões do cerrado brasileiro para o monitoramento de helicove...
Priorização de regiões do cerrado brasileiro para o monitoramento de helicove...Priorização de regiões do cerrado brasileiro para o monitoramento de helicove...
Priorização de regiões do cerrado brasileiro para o monitoramento de helicove...Cristiane Assis
 
Predição espacial do ácaro vermelho-das-palmeiras no brasil sob cenários atua...
Predição espacial do ácaro vermelho-das-palmeiras no brasil sob cenários atua...Predição espacial do ácaro vermelho-das-palmeiras no brasil sob cenários atua...
Predição espacial do ácaro vermelho-das-palmeiras no brasil sob cenários atua...Cristiane Assis
 
Dispersão e impacto econômico potenciais da invasora drosophila suzukii no br...
Dispersão e impacto econômico potenciais da invasora drosophila suzukii no br...Dispersão e impacto econômico potenciais da invasora drosophila suzukii no br...
Dispersão e impacto econômico potenciais da invasora drosophila suzukii no br...Cristiane Assis
 
Ocorrência e análise molecular de vírus quarentenário em áreas de cultivo de ...
Ocorrência e análise molecular de vírus quarentenário em áreas de cultivo de ...Ocorrência e análise molecular de vírus quarentenário em áreas de cultivo de ...
Ocorrência e análise molecular de vírus quarentenário em áreas de cultivo de ...Cristiane Assis
 
Interceptação do wheat mosaic virus (w mo v) no brasil em sementes de milho p...
Interceptação do wheat mosaic virus (w mo v) no brasil em sementes de milho p...Interceptação do wheat mosaic virus (w mo v) no brasil em sementes de milho p...
Interceptação do wheat mosaic virus (w mo v) no brasil em sementes de milho p...Cristiane Assis
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoCristiane Assis
 
Estações quarentenárias e aspectos legais do uso de agentes de controle bioló...
Estações quarentenárias e aspectos legais do uso de agentes de controle bioló...Estações quarentenárias e aspectos legais do uso de agentes de controle bioló...
Estações quarentenárias e aspectos legais do uso de agentes de controle bioló...Cristiane Assis
 
Fundamentos biológicos, ferramentas operacionais e inovação em quarentena veg...
Fundamentos biológicos, ferramentas operacionais e inovação em quarentena veg...Fundamentos biológicos, ferramentas operacionais e inovação em quarentena veg...
Fundamentos biológicos, ferramentas operacionais e inovação em quarentena veg...Cristiane Assis
 
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...Cristiane Assis
 
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivasA Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivasCristiane Assis
 

Mais de Cristiane Assis (19)

Mapeamento do risco de introdução da febre aftosa na fronteira do brasil com ...
Mapeamento do risco de introdução da febre aftosa na fronteira do brasil com ...Mapeamento do risco de introdução da febre aftosa na fronteira do brasil com ...
Mapeamento do risco de introdução da febre aftosa na fronteira do brasil com ...
 
Identificação de biótipos b, q e nativo brasileiro do complexo da espécie bem...
Identificação de biótipos b, q e nativo brasileiro do complexo da espécie bem...Identificação de biótipos b, q e nativo brasileiro do complexo da espécie bem...
Identificação de biótipos b, q e nativo brasileiro do complexo da espécie bem...
 
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
 
Desenvolvimento de helicoverpa spp. em milho bt com expressão de diferentes p...
Desenvolvimento de helicoverpa spp. em milho bt com expressão de diferentes p...Desenvolvimento de helicoverpa spp. em milho bt com expressão de diferentes p...
Desenvolvimento de helicoverpa spp. em milho bt com expressão de diferentes p...
 
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em FronteirasVigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
 
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
Identificação e avaliação em campo do feromônio sexual de uma população de sp...
 
Enfraquecimento e perda de colônias de abelhas no brasil há casos de ccd
Enfraquecimento e perda de colônias de abelhas no brasil há casos de ccd Enfraquecimento e perda de colônias de abelhas no brasil há casos de ccd
Enfraquecimento e perda de colônias de abelhas no brasil há casos de ccd
 
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuroFerrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
Ferrugem‑asiática da soja no brasil passado, presente e futuro
 
Priorização de pragas quarentenárias
Priorização de pragas quarentenáriasPriorização de pragas quarentenárias
Priorização de pragas quarentenárias
 
Priorização de regiões do cerrado brasileiro para o monitoramento de helicove...
Priorização de regiões do cerrado brasileiro para o monitoramento de helicove...Priorização de regiões do cerrado brasileiro para o monitoramento de helicove...
Priorização de regiões do cerrado brasileiro para o monitoramento de helicove...
 
Predição espacial do ácaro vermelho-das-palmeiras no brasil sob cenários atua...
Predição espacial do ácaro vermelho-das-palmeiras no brasil sob cenários atua...Predição espacial do ácaro vermelho-das-palmeiras no brasil sob cenários atua...
Predição espacial do ácaro vermelho-das-palmeiras no brasil sob cenários atua...
 
Dispersão e impacto econômico potenciais da invasora drosophila suzukii no br...
Dispersão e impacto econômico potenciais da invasora drosophila suzukii no br...Dispersão e impacto econômico potenciais da invasora drosophila suzukii no br...
Dispersão e impacto econômico potenciais da invasora drosophila suzukii no br...
 
Ocorrência e análise molecular de vírus quarentenário em áreas de cultivo de ...
Ocorrência e análise molecular de vírus quarentenário em áreas de cultivo de ...Ocorrência e análise molecular de vírus quarentenário em áreas de cultivo de ...
Ocorrência e análise molecular de vírus quarentenário em áreas de cultivo de ...
 
Interceptação do wheat mosaic virus (w mo v) no brasil em sementes de milho p...
Interceptação do wheat mosaic virus (w mo v) no brasil em sementes de milho p...Interceptação do wheat mosaic virus (w mo v) no brasil em sementes de milho p...
Interceptação do wheat mosaic virus (w mo v) no brasil em sementes de milho p...
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
 
Estações quarentenárias e aspectos legais do uso de agentes de controle bioló...
Estações quarentenárias e aspectos legais do uso de agentes de controle bioló...Estações quarentenárias e aspectos legais do uso de agentes de controle bioló...
Estações quarentenárias e aspectos legais do uso de agentes de controle bioló...
 
Fundamentos biológicos, ferramentas operacionais e inovação em quarentena veg...
Fundamentos biológicos, ferramentas operacionais e inovação em quarentena veg...Fundamentos biológicos, ferramentas operacionais e inovação em quarentena veg...
Fundamentos biológicos, ferramentas operacionais e inovação em quarentena veg...
 
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
Pesquisa, desenvolvimento e inovações em face de ameaças sanitárias para a ag...
 
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivasA Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
A Defesa Agropecuária no Brasil: desafios e perspectivas
 

Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção animal

  • 1. Janice Reis Ciacci Zanella Brasília, 08/12/2016 Zoonoses emergentes e reemergentes, importância para saúde e produção animal
  • 2. • Seres humanos sempre dependeram de animais para alimentação,
  • 6. Mamíferos Cão (Canis lupus familiaris, 14 000-18 000 anos por arqueologia, ou 135 000 anos por exames genéticos de fósseis encontrados na Europa), do lobo: Canis lupus pallipes, Canis lupus arabs, Canis lupus lupus. Mas o Lobo-etíope (Canis simensis) também cruza com o cão. O Dingo (Canis lupus dingo) com seus 4000 anos na Austrália dá uma boa idéia da domesticação do cão. [2] [3] [4] [5] [6] Ovelha (Ovis orientalis aries, 10 000 anos atrás na Ásia do Oeste) [7] [8] [9] Cabrito (Capra aegagrus hircus, 10 000 anos atrás na Ásia do Oeste) [7] [10] Porco (Sus scrofa domestica, 9000 anos atrás na Ásia do Sudoeste, China) [11] Gado (Bos taurus e Gado Zebu, Bos taurus indicus ou Bos primigenius indicus; 10 500 anos atrás na Ásia do Sudoeste), a espécie original é o Auroque (Bos primigenius). Dromedário (Camelus dromedarius, 6000 anos atrás na Arábia do Sul). Burro (Equus asinus asinus, 6000 anos atrás na África do Noroeste). Cavalo (Equus ferus caballus, 5000 anos atrás na Europa do Sudoeste). Depois da Idade do Gelo existiam algumas populações isoladas de cavalos selvagens que foram todas domesticadas. Búfalo-asiático (Bubalus bubalis f. bubalis, 4000 anos atrás na China) Gato (Felis silvestris f. catus, 3500 anos atrás no Egito ou 9000 anos atrás na Mesopotâmia) [19] [20] [21] [22] Porquinho-da-Índia (Cavia porcellus, 2000 até 5000 anos atrás na América do Sul) [12] [23] Lhama, Lama glama e Alpaca, Lama pacos ou Vicugna pacos (3000 anos atrás na América do Sul). Lhamas, Alpacas, Vicunhas (Vicugna vicugna) e Guanacos (Lama guanicoe) se cruzam. A Alpaca é um cruzamento da Lhama com a Vicunha. Camelo-bactriano, camelo-asiático ou simplesmente camelo (Camelus bactrianus, 3000 anos atrás na Ásia Central) Coelho (Oryctolagus cuniculus, 1500 anos atrás na França) Rena (Rangifer tarandus, 1000 anos atrás na Sibéria) [24] Furão-doméstico (Mustela putorius furo, 500 anos atrás na Europa) Aves Ganso (Anserinae, Anser anser, 4500 anos atrás no Egito). O Ganso doméstico é um cruzamento do Ganso-bravo (Anser anser) e do Ganso-africano (Anser cygnoides). [26] Galinha (Gallus gallus domesticus, 3500 anos atrás na Ásia do Sudoeste) [27] Pato (Anas platyrhynchos, 3000 anos atrás na Europa, Ásia) Pavão-indiano (Pavo cristatus), 2500 anos atrás na Índia. Cisne-branco (Cygnus olor), entre 1000 e 500 anos atrás na Europa. Peru, (Meleagris gallopavo ou Meleagris ocellata , 500 anos atrás no México) Pato-selvagem ou pato-mudo (Anatidae, Cairina moschata, na América do Sul numa época desconhecida) Galinha-d'angola, galinha-do-mato ou pintada (Numida meleagris, na África numa época desconhecida) Marreco Mandarim (Aix galericulata, na China numa época desconhecida). Pombo-comum ou pombo-das-rochas (Columba livia, 3000 anos atrás Egito ou Mediterrâneo) Rola doméstica (Streptopelia risoria), 2500 anos atrás no Norte da África. Cruza tanto com a Rola-turca (Streptopelia decaocto), como com a Rola-rosada (Streptopelia roseogrisea). Canário (Fringillidae, Serinus canaria), 400 anos atrás na Europa. Outros Animais Abelha (Apis mellifera); 6000 anos atrás em muitos lugares. Bicho-da-seda (Bombycidae, Bombyx mori, 3000 anos atrás na China)
  • 7. • Entretanto, esses animais podem ser fonte de doenças infecciosas causadas por vírus, bactérias e parasitas, sendo que algumas delas podem ser transmitidas para a população humana. Essas doenças são denominadas zoonoses
  • 8. Em 2004, a Organização Mundial de Saúde (WHO), a FAO e o OIE definiram o termo zoonose emergente como um patógeno novo que é reconhecido ou sofreu evolução recente ou que já tenha ocorrido anteriormente mas demonstra um aumento na incidencia ou expansão na área geográfica, tipo de hospedeiro ou vetor (www.who.int/zoonoses/emerging_zoonoses/en)
  • 9. Granja no Mato Grosso tem leitegada de 36 leitões Biosseguridade Sanidade Recursos naturais Financiamento para pesquisa Produtividade Disponibilidade de grãos Modelo de Integração Sofisticado
  • 10.
  • 11. • As doenças são as maiores ameaças à estabilidade dos sistemas produtivos • Impacto das doenças excede 20% das perdas na produção de animais em todo o mundo • Impactos socioeconômicos causados pelas enfermidades animais geram um aumento da pobreza, já que, hoje, um bilhão de agricultores sobrevivem da produção • A FAO estima que as zoonoses causam perdas acima de 30 milhões de toneladas de leite anualmente, e isso contribui para desnutrição e diminuição da resistência a doenças em crianças e idosos • Países perdem oportunidades comerciais devido ao status sanitário e não recebem investimentos A agricultura e pecuária são setores essenciais para a economia do Brasil
  • 12. Sanidade animal • A sanidade animal é estratégica para a competitividade e sustentabilidade da agropecuária brasileira. $ http://www.portalparagominas.com/index2.php?pg=noticia&id=516
  • 13. Sanidade animal • É o nosso passaporte, mantém a produção animal em equilíbrio, gerando suprimento de proteína de origem animal para a população humana, preservando também sua saúde.
  • 14. • 75% das doenças infecciosas ou parasitárias emergentes no último século são originárias de agentes microbianos de animais e podem ser uma ameaça como armas biológicas em bioterrorismo. Agência de Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos
  • 16. 335 patógenos emergiram nas últimas 6 décadas (média 5/ano) Jones et al., 2008, 2012. Nature 451:21 Fonte: Daniel Linhares, 2014
  • 17. Patógenos emergem em todos continentes Fonte: Daniel Linhares, 2014
  • 19. Rudolf Virchow (1821-1902) • Criador do termo “zoonose” ao trabalhar com triquinelose, • Considerado o pai da patologia moderna, • “Entre animal e medicina humana não deve existir linha divisória."
  • 20. William Osler (1849 – 1919) • Pai da Medicina Moderna • Criou o termo “One Medicine” • Muito conhecido por trabalhar em ambas, medicina humana e medicina veterinária
  • 21. Calvin Schwabe (1927 – 2006) • Epidemiologista • Reviveu o conceito “One Medicine” • Autor em 1984 do livro:Veterinary Medicine and Human Health.
  • 22. One world, one health one medicine • Quais as estratégias para combater a transmissão desses agentes patogenicos, qual o papel dos atores da saúde pública? – Entender quais fatores de risco para sua emergência
  • 23. Infecção de humanos e animais Mudanças climáticas influenciando artrópodes Transporte de pessoas ou animais doentes Turismo e globalização Mudanças no uso das áreas (terra) Adaptação do patógeno a nova espécie hospedeiraAquisição de novos fatores de virulencia Alteração de prática de manejo em criações animais Animais de companhia Comidas exóticas (carnes de caça) Animais de estimação exóticos
  • 24. O aumento da população humana é o fator mais importante • O crescimento exponencial da população humana que em 1900 estimava-se ser de 1 bilhão de pessoas passou a 6.5 bilhões em 2006 (Chomel, 2007). • A previsão é de sermos 10 bilhões de pessoas no planeta em 2050 (Cutler et al., 2010). Essa estimativa vem acompanhada de um aumento chocante de urbanização da população de 39% em 1980 para 46% em 1997 e previsto em 60% em 2030. • Essa elevação de densidade e agrupamento da população humana em centros urbanos é um “prato cheio” para surtos de doenças em grande escala (Cutler et al., 2010). • Várias consequencias ecológicas deste aumento podem ser sentidas no planeta, dentre elas a redução drástica do habitat selvagem (Chomel, 2007)
  • 26. Aumento da Demanda por Carnes “Carnes" inclui bovina, suína, frango, ovina e caprina. Toneladas e kilograms são a média de 3 anos e centrada no ano destacado. LA é America Latina , SSA é África Subsaariana e WANA é Asia Ocidental e Norte da África. (International Food Policy Research Institute)
  • 27. Infecção de humanos e animais Mudanças climáticas influenciando artrópodes Transporte de pessoas ou animais doentes Turismo Mudanças no uso das áreas (terra) Adaptação do patógeno a nova espécie hospedeiraAquisição de novos fatores de virulencia Alteração de prática de manejo em criações animais Animais de companhia Comidas exóticas (carnes de caça) Animais de estimação exóticos
  • 28. • Em 2030 existe uma perspectiva de elevação de mais de 50% de demanda, para isso seriam necessários um aumento de milhões de animais. • O excesso de confinamentos e processamento de nutrientes para alimentação do gado bovino pode ter levado o surgimento da encefalite espongiforme bovina (BSE) ou a doença da vaca louca no Reino Unido.
  • 29. • Biosseguridade, • Reduzir impacto ambiental, sanitário, trabalhista e econômico, • Regulamentar recolhimento, transporte e destinação. • Unidades processadoras de referencia: • Óleo para biodiesel e farinhas para fertilizantesApoio ao MAPA
  • 30. Infecção de humanos e animais Mudanças climáticas influenciando artrópodes Transporte de pessoas ou animais doentes Turismo Mudanças no uso das áreas (terra) Adaptação do patógeno a nova espécie hospedeiraAquisição de novos fatores de virulencia Alteração de prática de manejo em criações animais Animais de companhia Comidas exóticas (carnes de caça) Animais de estimação exóticos
  • 31. • Mudanças climáticas, a exploração de novas fronteiras agrícolas algumas vezes causando desmatamentos e a introdução de vetores como roedores e mosquitos em áreas urbanas muda a dinamica da transmissão de doenças. A invasão de áreas urbanas em locais onde agentes infecciosos viviam em equilíbrio com uma espécie animal emergiram em resultado à essa mudança de meio ambiente. • A redução na abundancia de hospedeiros naturais fazem com que os vetores procurem hospedeiros alternativos, aumentando as oportunidades para a transmissão de doenças, como o aumento dos casos humanos de borreliose ou doença de Lyme, a erliquiose e anaplasmoses.
  • 32. Florestas em chama - Moscou Urubici, SC Jacy Paraná, RO Mudanças Climáticas 04 de agosto de 2010 Muquém de São Francisco, BA 4.bp.blogspot.com s2.glbimg.com www.amazoniadagente.com.br/
  • 33. Nipah Emergiu na Malásia em 1999, quebrando a indústria suína e causando centenas de mortes. Apesar de pouco patogenico para suínos o vírus de Nipah causa doença severa em humanos com sinais respiratórios e nervosos, matando 40% das pessoas infectadas
  • 34. Chou. Nipah virus outbreak in Malaysia. J Clin Virol April 2003 • Homologia com vírus Hendra (morbilivírus eqüino). • Hendra causa encefalite fatal em humanos e eqüinos. • Morcegos frutívoros (Pteropus spp.) são reservatórios de vírus Hendra e Nipah. • Vírus Hendra estabelece infecção latente em suínos.
  • 36. Infecção de humanos e animais Mudanças climáticas influenciando artrópodes Transporte de pessoas ou animais doentes Turismo Mudanças no uso das áreas (terra) Adaptação do patógeno a nova espécie hospedeira Aquisição de novos fatores de virulencia Alteração de prática de manejo em criações animais Animais de companhia Comidas exóticas (carnes de caça) Animais de estimação exóticos
  • 37. 37 Garten et al. Science, 2009.
  • 38. • Aumento no potencial de invasão, difusão, produção de toxinas ou resistencia a drogas antimicrobianas. • Agentes patogênicos, dentre eles destacam-se os vírus que podem sofrer mutações ou modificações a fim de se adaptarem ao hospedeiro humano. • Novos vírus são uma ameaça por emergirem (ou reemergirem) em algumas populações e serem capazes de transmissão rapida por não haver resposta imune ou vacinas disponíveis. SARS
  • 39. Aumento no potencial de invasão, difusão, produção de toxinas ou resistência a drogas antimicrobianas ou RDA. • A descoberta de antibióticos é um dos mais importantes avanços do século 20, • Resistência se desenvolveu logo após novas drogas serem descobertas para substituir as mais antigas assim que a resistência emergiu, • Hoje a resistência é emergente e se espalha mais rápido do que a descoberta de novas drogas, • RDA é uma prioridade para ambas medicinas veterinária e humana.
  • 40. Methicillin resistant Staphylococcus aureus (MRSA) • Colonizador nasal de suínos e humanos – na maioria dos casos não causa sinais • Isolados pertencentes a sequencia do tipo ST 398 • Reportado em vários países • Isolados podem estar presentes em dermatite exudativa dos suínos ou em lesões de casco
  • 41. Infecção de humanos e animais Mudanças climáticas influenciando artrópodes Transporte de pessoas ou animais doentes Turismo Mudanças no uso das áreas (terra) Adaptação do patógeno a nova espécie hospedeiraAquisição de novos fatores de virulencia Alteração de prática de manejo em criações animais Animais de companhia Comidas exóticas (carnes de caça) Animais de estimação exóticos
  • 42. • Agentes infecciosos dentro de mosquitos ou animais podem dar meia-volta ao redor do planeta em 24 horas, causando as vezes novos surtos de doenças. Enquanto que no século 19 levavam várias semanas ou meses para as agentes de doenças viajarem de um continente para o outro, hoje eles podem ser transportados para terras mais longínquas em menos tempo que o período de incubação de muitas doenças.
  • 43. • A globalização da tecnologia, informação e da economia está criando forças de mercado para as indústrias, culturas e organismos se conectarem. • O aparecimento do vírus do Nilo Ocidental (West Nile Virus) no hemifério ocidental causando surtos na costa leste dos Estados Unidos. A globalização do comércio pode ter sido responsável pela entrada do vetor deste vírus, o Aedes albopictus no estado americano do Texas através de uma importação de pneus usados do Japão e atualmente está disseminado naquele país.
  • 44. • Outra forma de transporte de animais inclui o uso destes para atividades esportivas como caça, pesca, corridas de cavalos, dentre outros.
  • 45. 1534: vinda de gado para a Capitania de São Vicente - primeiros patógenos. Aftosa: registro no continente apenas no final do século XIX Europa: (quase totalidade das doenças introduzidas) 1960 a 1980: Identificação de 50 “novas” doenças no país INGRESSO DE DOENÇAS DOS ANIMAIS NO BRASIL Ingresso de doenças crônicas e agudas dos animais no Brasil e sua relação com a velocidade dos meios de transporte Dr. Jorge Caetano do MAPA, 2009.
  • 46. - animais e produtos agropecuários - Coordenação-Geral de Vigilância Agropecuária Internacional (VIGIAGRO/SDA) POSTOS DE FRONTEIRA - 26 ADUANAS ESPECIAIS - 27 PORTOS ORGANIZADOS - 31 AEROPORTOS INTERNACIONAIS - 29 113 Unid. de Vigilância Fiscalização e controle nos pontos de ingresso C. Pizarro, MAPA, 2012
  • 48. Infecção de humanos e animais Mudanças climáticas influenciando artrópodes Transporte de pessoas ou animais doentes Turismo e Globalização Mudanças no uso das áreas (terra) Adaptação do patógeno a nova espécie hospedeiraAquisição de novos fatores de virulencia Alteração de prática de manejo em criações animais Animais de companhia Comidas exóticas (carnes de caça) Animais de estimação exóticos
  • 49. • Hoje em dia 2,5 milhões de pessoas usam aeroportos por dia, sendo ≥ 1 milhão destas viagens com destino internacional. • O comércio mundial triplicou nos últimos 20 anos e o turismo é o setor campeão em crescimento na economia global, sendo que um em cada 4 cidadãos de um país desenvolvido visita um pais estrangeiro a cada ano.
  • 50. • O ecoturismo é o segmento de turismo que mais tem crescido (média 10% por ano) e inclui safaris, esportes radicais, tours, e exposição a habitats diferentes dos urbanos . • Zoonoses associadas a essas práticas incluem uma variedade de riquetisioses, brucelose, hepatite E, hantaviroses, leptospiroses, encefalites transmitidas por carrapatos e esquistossomose .
  • 51. • Exemplo recente foi o aparecimento de surtos de vírus influenza pandemico H1N1 na América do Norte (México, Estados Unidos e Canadá) em 2009 e dias depois em países da Europa e Oceania. • Foi demonstrado que os genes do virus novo eram uma combinação de VIS da America do Norte e de linhagens da Eurásia e que nunca haviam sido identificados em suínos ou em outra espécie anteriormente.
  • 52. • Emergência de MERS-Cov (Middle East Respiratory Syndrome – MERS Coronavirus) ou síndrome respiratória do oriente médio causada por um coronavírus na Arábia Saudita em junho de 2012 • Até janeiro de 2015 foram reportados 835 casos, sendo 358 mortes (43% de mortalidade) • O MERS-Cov foi detectado em morcegos e em camelos • A recomendação do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos) para viajantes é evitar contato com camelos e o consumo do leite cru e carne mal passada desses animais
  • 53. Infecção de humanos e animais Mudanças climáticas influenciando artrópodes Transporte de pessoas ou animais doentes Turismo Mudanças no uso das áreas (terra) Adaptação do patógeno a nova espécie hospedeiraAquisição de novos fatores de virulencia Alteração de prática de manejo em criações animais Animais de companhia Comidas exóticas (carnes de caça) Animais de estimação exóticos
  • 54. • Estima-se que nos Estados Unidos mais da metade dos lares mantem gatos ou cães de estimação e 2,5% mantem um animal exótico como mini-pig, furão, coelho, roedor ou réptil.
  • 55. • Sarna, salmonelose, larva migrans e outros parasitas, vírus e bactérias presentes no organismos destes animais que podem ser transmitidos para humanos, principalmente imunocomprometidos. • A peste bulbonica re-emergiu, sendo considerada essa a sua terceira pandemia, tendo como palco o Oeste dos Estados Unidos onde o maior risco da peste vem de gatos que ao caçar roedores se contagiaram com pulgas infectadas com a Yersinia pestis, causadora da peste.
  • 56. Infecção de humanos e animais Mudanças climáticas influenciando artrópodes Transporte de pessoas ou animais doentes Turismo Mudanças no uso das áreas (terra) Adaptação do patógeno a nova espécie hospedeiraAquisição de novos fatores de virulencia Alteração de prática de manejo em criações animais Animais de companhia Comidas exóticas (carnes de caça) Animais de estimação exóticos
  • 57. Animais exóticos de companhia (legal e ilegal). • 40.000 primatas, 4 milhões de pássaros, 640 mil repteis e 350 milhões de peixes tropicais ornamentais são comercializados por ano, gerando uma industria de tráfico internacional de vida silvestre estimado em 6 bilhões de dólares . Um exemplo das zoonoses transmitidas por essas atividades incluem a raiva, tuberculose, brucelose, psitacose (Chlamidia psittaci) e o H5N1-HP.
  • 58. • 7% das infecções humanas por Salmonella nos EUA (principalmente em crianças) estão relacionadas com possuir um reptil de estimação or ter tido contato com esses animais. A maioria das iguanas são portadoras de serotipos de Salmonella e o que torna o problema mais alarmante é o aumento do número destes repteis comercializados, que chega a pelo menos 1 milhão por ano ( CDC - Center for Disease Control and Prevention) .
  • 59. Infecção de humanos e animais Mudanças climáticas influenciando artrópodes Transporte de pessoas ou animais doentes Turismo Mudanças no uso das áreas (terra) Adaptação do patógeno a nova espécie hospedeiraAquisição de novos fatores de virulencia Alteração de prática de manejo em criações animais Animais de companhia Comidas exóticas (carnes de caça) Animais de estimação exóticos
  • 60. • África Central e Bacia Amazonica consomem anualmente até 3 milhões de toneladas e 167 milhões de quilos, respectivamente. A indústria da caça na África gera bilhões de dólares anualmente. a) Retrovírus: Vírus Espumoso dos Símios é um retrovírus zoonótico muito próximo ao vírus da imunodeficiencia humano (HIV) e já infectou pessoas que tiveram contato direto com carne in natura de primatas não-humanos. b) Vírus T-linfotrópico tipo 3 e 4 humano foram encontrados em pessoas que caçam, carneiam ou possuem macacos como animais de estimação no Sul de Camarões.
  • 61. • A triquinelose está associada com o consumo de carne de caça, como de urso. • Casos severos de hepatite E estão associados com o consumo de carne de cervos e suíno selvagem (javali). • Parasitas como protozoários (Toxoplasma), trematodios (Fasciola sp., Paragonimus spp.), cestodios (Taenia spp.,Diphyllobothrium sp.), e nematodios (Trichinella spp.,Anisakis sp., Parastrongylus spp.) Toxoplasma Virus da hepatite E Triquinela
  • 62. • O H5N1-HP que iniciou no Sudeste da Ásia em 2003 é um exemplo típico de agente transmitido por esses mercados de animais. Em 2013 o H7N9 emergiu na China e até outubro 2014 já foram confirmados 452 casos com 124 mortes, causando também um prejuízo de 2 bilhões de dólares para a industria avícola chinesa.
  • 63. • 335 patógenos emergiram nas últimas 6 décadas (média 5/ano) •Com a tecnologia da metagenomica esse número vai aumentar.
  • 64. • Identificação precoce de agentes patogênicos perigosos em animais e resposta rápida antes que a doença torne uma ameaça para a população humana. • Implementar vigilância para vírus e bactérias resistentes a medicamentos. • Deve-se usar uma estratégia baseada em análise de riscos e investir em defesa sanitária animal, treinamento e resposta ao foco em áreas geográficas onde essas ameaças são prováveis de emergir. • Especialistas em saúde humana e animal devem construir uma rede de detecção precoce da doença em nível local, regional e nacional. Essa rede necessita ter laboratórios de diagnóstico, resposta rápida de contingencia de doenças e diminuição dos riscos. • Pesquisa em epidemiologia molecular aplicada vai ter uma valor imenso no futuro ai reconhecer as associações entre genótipos em hospedeiro e patógeno. Pontos chave na prevenção de zoonoses emergentes
  • 65. • Detecção de patógenos em vida selvagem (animais silvestres) que podem causar doenças em humanos. • Análise e caracterização de riscos potenciais e métodos de transmissão para doenças especificas de origem animal, verificar o comércio e transito de animais e produtos . • Institucionalização da estratégia de One Health em vários setores que atuam em saúde publica, dentre elas a pesquisa em desenvolvimento de novos medicamentos para tratamento de doenças emergentes (por exemplo: bactérias resistentes a antimicrobianos). • Resposta a surtos que sejam adequados em nível do pais, considerar o estoque de antivirais e como será distribuído ou ter uma estratégia para obtê-los, da mesma forma ter uma estratégia para produção de vacinas contra doenças pandêmicas. • Redução dos riscos para prevenir, minimizar ou eliminar o potencial para emergência e transmissão de novas doenças. Deve-se focar em:
  • 66. • A prevenção e o controle de agentes de doenças são prioridades da pesquisa em sanidade animal. • No caso especifico da Embrapa, as ações estão divididas em três vertentes: •segurança alimentar, •apoio à defesa sanitária (doenças emergentes, exóticas ou aquelas que já ocorrem no País e são riscos para a exportação) e •doenças de produção, com as quais os rebanhos convivem, mas que causam prejuízos econômicos. • O conhecimento, a vigilância e a cooperação são as forças que devem se unir para propor estratégias e evitar que o Brasil seja berço de uma doença emergente, o que pode prejudicar nossa economia e saúde. O Brasil e emergência ou reemergência de zoonoses:

Notas do Editor

  1. Essas são as ideias e as sementes
  2. O Brasil deu certo na agricultura. Temos disponibilidade de grãos, recursos naturais abundantes e diversidade no amplo território nacional, a sanidade do rebanho e biosseguridade são destaque frente aos outros países produtores. Existem financiamentos em pesquisa agropecuária, em tecnologia e em capacitação. Temos um modelo de integração sofisticado e diversificado. Logo, a agricultura brasileira é eficiente e os competidores devem observar de perto.
  3. Emergencia e remergencia de doenças, principalmente as zoonóticas e aumento do uso indiscriminado de antimicrobianos que elevam o risco do aparecimento de patógenos resistentes