Max weber 1º ano

1.876 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.876
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
58
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Max weber 1º ano

  1. 1. Max Weber 1864 – 1920 Sociologia Compreensiva
  2. 2. Max weber • Maximillian Carl Emil Weber, intelectual alemão, jurista, economista, considerado por muitos um dos fundadores da Sociologia, nasceu em 1864, em Munique, e faleceu em 1920. De importância extrema, Max Weber escreveu a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Este é um ensaio fundamental sobre as religiões e a afluência dos seus seguidores. Subjacente a Weber está a realidade econômica da Alemanha do princípio do século XX.
  3. 3. Weber viveu a um tempo e em uma região dominadas pelas teorias de Karl Marx. Todas as pessoas de nível intelectual deveriam conhecer e reagir de uma certa maneira ao pensamento marxista. Weber, em grande parte, deixou fluir seu pensamento como reação aos escritos de Marx. É certo, como assinalam os seus mais ilustres comentadores, que há um exagero de simplificação em ver o pensamento Weberiano de tal modo. Entretanto como nota Turner, é um bom auxílio para o entendimento, manter a noção de que os escritos de weber constituíam uma tentativa de refutação à ênfase de Marx com relação aos aspectos econômicos e materiais da vida social.
  4. 4. SOCIEDADE E INDIVÍDUO Enquanto para Émile Durkheim a ênfase da análise recai na sociedade, para o sociólogo alemão Max Weber as análises devem centrar-se nos atores e suas ações Para Weber a sociedade deve ser compreendida a partir do conjunto das ações individuais reciprocamente referidas. Por isso, ele define como objeto da Sociologia a Ação Social, ou seja, "qualquer ação que o indivíduo pratica orientando-se pela ação de outros.
  5. 5. AÇÃO Para Weber a sociedade não seria algo exterior e superior aos indivíduos, como em Durkheim. Para ele, a sociedade pode ser compreendida a partir do conjunto das ações individuais reciprocamente referidas. Por isso, Weber define como objeto da sociologia a ação social
  6. 6. O que é ação social? • Para Weber ação social é qualquer ação que o indivíduo faz orientando-se pela ação de outros. Por exemplo um eleitor. Ele define seu voto orientandose pela ação dos demais eleitores. Ou seja, temos a ação de um indivíduo, mas essa ação só é compreensível se percebemos que a escolha feita por ele tem como referência o conjunto dos demais eleitores. • A ação social, é a conduta humana dotada de sentido. O sentido motiva a ação individual.
  7. 7. Ação com sentido • Weber dá um interessante exemplo. Imaginemos dois ciclistas que andam na mesma rodovia em sentidos opostos. • O simples choque entre eles não é uma ação social. Mas a tentativa de se desviarem um do outro já pode ser considerada uma ação social, uma vez que o ato de desviar-se para um lado já indica para o outro a intenção de evitar o choque, esperando uma ação semelhante como resposta. • Estabelece-se, assim, uma relação significativa entre ambos.
  8. 8. Weber estabelece tipos de ação social: • Ação tradicional: aquela determinada por um costume ou um hábito arraigado. • Ação racional com relação a um valor: fiel a sua idéia, a sua honra. Inobserva tradições. • Ação afetiva: sentimentos. orientada pelas emoções e • Ação social racional : determinada pelo cálculo racional que coloca fins e organiza os meios necessários.
  9. 9. A LÓGICA DO CAPITALISMO O primeiro ponto de Weber, então, é que devemos ver o capitalismo como uma prescrição moral, condicionando largamente todos os membros da sociedade no sentido de desenvolverem seus interesses materiais. O segundo ponto da exposição e Weber era que o capitalismo devesse ser visto como uma violentação do sentido tradicional do esforço e do valor do trabalho. Weber notara que os trabalhadores não eram sempre motivados a produzir em termos de autointeresse. Em vez disso, eles freqüentemente aceitavam um certo padrão de vida como suficiente e produzissem aquilo que fosse capaz de proporcionar-lhes este padrão.
  10. 10. A LÓGICA DO CAPITALISMO • "Um homem por sua própria natureza não deseja ganhar mais e mais dinheiro, mas simplesmente viver como ele esta acostumado a viver e ganhar tanto quanto o necessário para alcançar esse propósito. • Segundo a perspectiva de Weber , o crescimento do capitalismo como sistema econômico era também o do capitalismo como um sistema social.
  11. 11. A moral Social e a Burocracia Weber estava preocupado com suas sutis conexões entre as moralidades econômicas e religiosas. Igualmente, envolvia-se ele com as conseqüências de tal tema para a organização social. Em particular, voltava-se para o estudo da natureza da organização burocrática. Weber interessou-se pela burocracia porque ela representava uma outra faceta do processo de racionalização – um processo que lhe parecia caracterizar a sociedade moderna em contraste com formas tradicionais de sociedade.
  12. 12. A moral Social e a Burocracia • Uma ordem econômica racional trazia consigo uma racionalização das relações sociais. a eficiência que caracterizava a novas relações econômicas também tornavam-se características da organização social. • O capitalismo resolvera problema de afastar os homens dos motivos econômicos tradicionais e das antigas formas de produção.
  13. 13. A moral Social e a Burocracia • A burocracia, em essência, resolvia o problema de desligar os homens da confiança absoluta nas formas tradicionais de controle de poder. • Durkheim acreditava na força da divisão social do trabalho e na Solidariedade orgânica para a consolidação da ordem social. • Weber atribui a ação social e a burocracia este papel
  14. 14. A LÓGICA DO CAPITALISMO Para Weber, devemos ver o capitalismo como uma prescrição moral , condicionando largamente todos os membros da sociedade no sentido de desenvolverem seus interesses materiais. O segundo ponto da exposição e Weber era que o capitalismo devesse ser visto como uma violentação do sentido tradicional do esforço e do valor do trabalho. Weber notara que os trabalhadores não eram sempre motivados a produzir em termos de auto-interesse.
  15. 15. A LÓGICA DO CAPITALISMO • Em vez disso, eles freqüentemente aceitavam um certo padrão de vida como suficiente e produzissem aquilo que fosse capaz de proporcionar-lhes este padrão. • Um homem por sua própria natureza não deseja ganhar mais e mais dinheiro, mas simplesmente viver como ele esta acostumado a viver e ganhar tanto quanto o necessário para alcançar esse propósito. • Segundo a perspectiva de Weber , o crescimento do capitalismo como sistema econômico era também o do capitalismo como um sistema social.
  16. 16. O método compreensivo • Consiste em entender o sentido que as ações de um indivíduo contêm e não apenas o aspecto exterior dessas mesmas ações.
  17. 17. Conhecimento Científico • Ciência – é um aspecto do processo de racionalização característico da sociedade moderna, que se caracteriza por dois traços especificos: 1) o não- acabamento 2) objetividade (Validade universal)
  18. 18. CONHECIMENTO CIENTÍFICO • O conhecimento cientifico encontra-se preso a premissas subjetivas; • Ciências históricas e sociais diferem das ciências da natureza; • Fenômenos sociais compreensivos, históricos e singulares. são
  19. 19. Tipo Ideal • O tipo ideal é uma construção do pensamento e sua característica principal é não existir na realidade, mas servir de modelo para a análise de casos concretos, realmente existentes. • As construções de tipo ideal fazem parte do método tipológico criado por Max Weber. Ao comparar fenomenos sociais complexos o pesquisador cria tipos ou modelos ideais, construídos a partir de aspectos essenciais dos fenómenos
  20. 20. Teoria da modernidade • É no conjunto de estudos históricocomparativos das religiões mundiais que Weber traça o quadro de nascimento e desenvolvimento da modernidade. • A modernidade em Weber está estreitamente vinculada à racionalidade, ao domínio do mundo através da técnica e da razão.
  21. 21. O desencantamento do mundo • O destino de nosso tempo, que se caracteriza pela racionalizção, pela intelectualização e, sobretudo, pelo "desencantamento do mundo" levou os homens a banirem da vida pública os valores supremos e mais sublimes. • O desencantamento do mundo, a morte da magia, é outro evento que deixa marcas profundas no homem moderno.
  22. 22. A ética protestante e o espírito do capitalismo • Weber vê no protestantismo ascético a sua moral com decisiva inclinação para a racionalidade capitalista e o seu modo metódico de vida. • Weber lembra as recomendações de Benjamim Franklin como elos estreitos entre protestantismo e capitalismo: 1. Lembra - te de que tempo é dinheiro 2. Lembra – te de que crédito é dinheiro 3. Lembra –te de dinheiro gera mais dinheiro 4. Lembra – te de que o bom pagador é senhor da bolsa alheia
  23. 23. A ética protestante e o espírito do capitalismo 5 - As mais insignificantes ações que afetam o crédito de um homem devem ser por ele ponderadas 6 - Guarda – te de pensar que tudo que possuis é propriedade tua e de viver como se fosse 7 – Por seis libras por ano podes fazer uso de cem libras, contanto que sejas reconhecido como um homem prudente.
  24. 24. O desencantamento do mundo • Conforme Weber, a magia estereotipa a técnica e a economia. • Como construir ferrovias se os trabalhadores com a função de desflorestar a vegetação nativa acreditam piamente que deuses ali habitam e que sendo assim não podem derrubar a floresta?
  25. 25. Conclusão • A ciência weberiana, se define como um esforço destinado a compreender e explicar os valores aos quais os homens aderiram, e as obras que construíram (Aron, 1993: 470). Ou seja, Weber define as ciências sociais como a “Ciência da Realidade” voltada para a compreensão da significação cultural atual dos fenômenos e para o entendimento de sua origem histórica. Segundo ele, cabe à sociologia oferecer ao homem de ação o entendimento claro de sua conduta, das motivações e das conseqüências de seus hábitos.

×