SlideShare uma empresa Scribd logo
UrináliseUrinálise
SedimentoscopiaSedimentoscopia
Profa. Dra. Jane Maciel
Almeida Baptista
Faculdade de Farmácia
da UFMG
Urinálise
ABNT NBR 15268:2005
Laboratório Clínico –
Requisitos e
recomendações para
exame de urina
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
1. Objetivo
2. Referências Normativas
3. Definições
4. Exame de urina
5. Procedimento para a
determinação do
sedimento urinário
6. Exame de urina
automatizado
7. Coletas das amostras
- Anexo A: Tipos,
identificação e
aceitação/rejeição de
amostras
- Anexo B: Bibliografia
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Sedimentoscopia
Urina
 Aplicação:
– auxiliar no diagnóstico de uma doença;
– triagem de uma população quanto a doenças assintomáticas,
congênitas ou hereditárias;
– monitorar a evolução de doença;
– monitorar a efetividade ou as complicações de terapias.
 O estudo da urina avalia alterações do trato urinário,
da função renal, de doenças metabólicas, hemolíticas
e hepáticas, além de possibilitar a identificação de
condições e patologias raras.
Análise Microscópica
ABNT NBR 15268:2005
SEDIMENTOSCOPIA INDISPENSÁVEL
 Laboratório Clínico
– Procedimentos de qualidade documentados e
atualizados
– Uniformidade de execução do sedimento
– Avaliação do sedimento pelo mesmo procedimento
– Investigação dos mesmos elementos
– Usando mesmos critérios de avaliação
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
 Padronização da Coleta
– Primeira urina da manhã
– Após assepsia da área
genital
– Desprezar o primeiro jato
– Coletar o jato médio
– Analisar no prazo de 1 a 2
horas após coleta
– A amostra que não puder ser
analisada neste prazo deve
ser refrigerada a 4ºC
 Coletas Especiais
– aleatória
– dismorfismo eritrocitário
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
– Segunda urina da manhã
– Após assepsia da área
genital
– Desprezar o primeiro jato
– Coletar o jato médio
– Analisar no prazo de 1 a 2
horas após coleta
– A amostra que não puder
ser analisada neste prazo
deve ser rejeitada
Coleta para pesquisa de dismorfismo eritrocitário
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Material de Laboratório Padronizado
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Utilização da lâmina K-Cell
 Amostra homogeneizada em tubo de centrífuga de 12mL;
 Centrifugar por 5 minutos a 1.500 rpm;
 Eliminar 11mL do sobrenadante;
 Ressuspender e homogeneizar o precipitado;
 Encher o poço da lâmina;
 Observar no aumento de 400x;
 Multiplicar por 1.200 o número de elementos encontrados nos 9 círculos;
 Valor encontrado indica o número de elementos em 1mL de urina.
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Material de Laboratório Padronizado
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Material de laboratório padronizado
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
CenSlide 2000 – Urinalysis Sistem
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
ABNT NBR 15268:2005
Padronização do exame microscópico
 Amostra: jato médio
 Volume urinário mínimo: 10 mL
 Tempo de centrifugação: 5 minutos
 Velocidade de centrifugação: 400 FCR (1.500-2.000 rpm)
 Volume de sedimento: 0,20 mL (200 µL)
 Volume de sedimento observado: 0,02 mL (20 µL)
 Lamínula padrão: 22 × 22 mm
 Ocular: 10×
 Objetivas : 10× e 40×
 Número de campos observados: 10 campos
ABNT NBR 15268:2005
Padronização do exame do sedimento urinário
 Homogeneizar e transferir 10 mL para tubo de centrífuga;
 Centrifugar a 1.500 - 2.000 rpm por 5 minutos;
 Retirar 9,8 mL do sobrenadante, deixando 0,20 mL no tubo;
 Ressuspender com leves batidas no fundo do tubo;
 Transferir 0,020 mL (20 µL) para uma lâmina de microscopia;
 Colocar uma lamínula padrão (22x22 mm);
 Avaliar no mínimo, 10 campos microscópicos;
 Calcular a média;
 Expressar os resultados padronizados pelo LC.
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Elementos observados
 Hemácias
 Leucócitos
 Células Epiteliais
 Cilindros
 Cristais
 Muco
 Flora bacteriana
 Diversos
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hemácias: 0 a 3 hemácias por campo
– Isomórficas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Sangue Hemácias
Urina isotônica : hemácias aspecto usual
Urina diluída (hipotônica): hemácias maiores, (sombras)
Urina concentrada (hipertônica): hemácias crenadas
Hemácias Isomórficas
Urinálise
Análise Microscópica
Normal
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hemácias Isomórficas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Hemácias Isomórficas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hemácias Isomórficas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Aglomerado de Hemácias
Urinálise
Análise Microscópica
 Alterações da morfologia das hemácias
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Isomorfia Dismorfia
normal
septada fantasma
crenada
grande
monodiverticular
anular
vazia
espiculada
Mistura destas
monodiverticular
polidiverticular
Urinálise
Análise Microscópica
 Morfologia das hemácias na urina (CF)
– Classificação de Bessis (1972, 1977)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Discócitos Equinócitos Anulócito “Fantasma” Esquisócitos
Estomatócito Codócito Knisócito Acantócito
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Dismorfismo eritrocitário
 Características:
– Alterações da membrana celular
– Presença de bulbos
– Ruptura da membrana celular
– Perda do conteúdo de hemoglobina
– Perda do citoplasma
– Presença de extrusões citoplasmáticas
– Depósito de material fase-denso na
região da membrana celular
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Dismorfismo eritrocitário
 Fisiopatogênia:
 Estresse mecânico: passagem pela membrana basal do glomérulo
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Estresse mecânico
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Fisiopatogênia:
 Alteração osmótica por exposição
ao filtrado hipotônico durante
passagem ao longo dos néfrons
 Exposição à urina ácida e
concentrada
 Influência de enzimas lisossomiais
de células inflamatórias
 Tentativa de fagocitose por
células epiteliais tubulares
Dismorfismo eritrocitário
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Hemácias Dismórficas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Hemácias Dismórficas: microscopia normal
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Hemácias Dismórficas: microscopia normal
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Hemácias Dismórficas: microscopia de
contraste de fase
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hemácias Dismórficas
Codócito
Codócito
Acantócito
Acantócito
1.000 X
imersão
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hemácias Dismórficas: Steinheimer-Malbin
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Hemácias Dismórficas: Papanicolaou
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Eletron micrografia Isomórficas
Urinálise
Análise Microscópica
 Eletron micrografia
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Dismórficas
Urinálise
Análise Microscópica
- A microscopia de
contraste de fase
é indispensável.
- Ela gera um fino
halo irisado em
torno da hemácia,
o que facilita sua
identificação.
Sensibilidade = 96%
Especificidade:
98,10% (1 tipo)
98,40% (2 tipos)
99,95% (3 tipos)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hemácias isomórficas: contraste de fase
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hemácias: contraste de fase
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
isomórficas dismórficas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hemácias Dismórficas: contraste de fase
Urinálise
Análise Microscópica
Hemácias: Contraste de fase
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Nomenclatura
Internacional
Isomórficas
Células G1
Acantócitos
Dismórficas
Células G
Glomerulares
Urinálise
Análise Microscópica
Hemácias dismórficas: Tipos
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Células G1
Hematúria Glomerular
A= Acantócito
B= Perda de Hb central Codócito
C= Anel
Seta= Isomórficas
Urinálise
Análise Microscópica
 Hemácias Dismórficas: contraste de fase
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Hemácias
Dismórficas
Contraste de
Fase
x
Eletron
micrografia
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Hemácias
dismórficas
no sangue
(hiperbilirrubinemia)
Hemácias
dismórficas
na urina
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Hemácias
dismórficas
no sangue
(Anemia
falciforme)
Hemácias
dismórficas
na urina
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Hematúria:
Qual a implicação clínica de distinção de
hematúria isomórfica ou dismórfica?
Farley K & Birch DF, 1982 (Kidney Int, 21)
Hemácias dismórficas Hematúria por
doença glomerular
Hemácias isomórficas Hematúria por
doença urológica
Urinálise
Análise Microscópica
Avaliação da hematúria pela morfologia das hemácias
Autor Doenças
Glomerulares
Doenças
Urológicas
Fasset et al. 1982 115/120 100/105
De Santo et al.
1987
81/84 82/87
Rath et al. 1990 86/100 20/22
Tomita et al.
1992
73/73 40/40
TOTAL 355/377
(94%)
242/254
(95%)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hematúria Dismórfica
Fasset RG, Horgn BA, Mathew TH
(Lancet, I, 1982)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Hematúria > 80%
glomerular hemácias dismórficas
Hematúria > 80%
não glomerular hemácias isomórficas
Urinálise
Análise Microscópica
 Hematúria Dismórfica
Köhler H, Wandel E, Brunck B
(Kidney Int, 40, 1991)
Acantocitúria
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Marcador
característico
de hemorragia
glomerular
> 5% acantócitos
Urinálise
Análise Microscópica
CUIDADO
Presença de pseudo-células G1
(acantócito)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Eritrócito de origem não
glomerular, com configuração
de alvo, com aspecto de
brotamento lateral, exterior,
formado por massa de
hemoglobina localizada na
borda da célula. O mecanismo
de formação é desconhecido
(> centrifugação ?).
NGUYEN GH. Urine citology in renal glomerular
disease and value of G1 cells in the diagnosis of
glomerular bleeding. Diag. Cytop., 2003
Urinálise
Análise Microscópica
 Coleta para pesquisa de dismorfismo
eritrocitário
 Segunda urina da manhã
 Após assepsia da área genital
 Desprezar o primeiro jato
 Coletar o jato médio
 Analisar no prazo de 1 a 2 horas após coleta
 A amostra que não puder ser analisada neste prazo
deve ser rejeitada
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 SIGNIFICADO CLÍNICO DA PRESENÇA DE HEMÁCIAS
 Causas pré-renais: coagulopatias, terapia com anticoagulantes, anemia
falciforme e hemoglobinopatias.
 Causas renais glomerulares: glomerulonefrites agudas,
glomerulonefrites crônicas, nefrite devido a lúpus e hematúria familiar
benigna.
 Causas renais não glomerulares: nefroesclerose, infarto renal,
tuberculose renal, pielonefrite, rim policístico, nefrite intersticial, tumores,
mal formações vasculares, traumatismo, necroses intersticiais,
hematomas perirenais, abuso de analgésicos e nefropatias secundárias
(irradiação, hipercalcemia, hiperuricemia).
 Causas pós-renais: cálculos, tumores do trato urinário inferior, cistites,
prostatites, epididimites, estenose da uretra, uretrites, hipertrofia da
próstata, endometriose, exercícios físicos intensos e obstruções do fluxo
urinário.
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Hematúria + proteinúria +
cilindros hemáticos +
hematúria dismórfica: origem
glomerular
 Hematúria sem estes
elementos : origem urológica
 Presença de coágulos: origem
urológica
 Contaminação por fluído
menstrual
SIGNIFICADO CLÍNICO DA PRESENÇA DE HEMÁCIAS
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Leucócitos: até 4 por campo
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Leucócito esterase
Normal
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Leucócitos
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Aglomerado de Leucócitos
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Leucócitos: células de Steinheimer-Malbin
“células cintilantes”
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 SIGNIFICADO CLÍNICO DA
PRESENÇA DE LEUCÓCITOS
 A presença de mais de cinco
leucócitos por campo é considerada
anormal, é denominada piúria e
indica inflamação no trato
genitourinário. A piúria pode ser
devida a infecção bacteriana; pode
ser causada por doenças
intrínsecas renais, como a
glomerulonefrite, a nefrite lupóide e
tumores, ou ainda por doenças do
trato urinário inferior ou do trato
genital.
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Presença de Linfócitos: Steinheimer-Malbin
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Doenças associadas
• Nefrite intersticial aguda
• Glomerulonefrite rapidamente
progressiva
•Prostatite aguda
• Presença de Eosinófilos : May-Grünwald-Giemsa
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Células Epiteliais
 São encontradas em praticamente todas as amostras
urinárias, elas guarnecem o epitélio dos tratos urinário
e genital e são eliminadas na urina devido a
descamação ou esfoliação normal
 Células epiteliais escamosas
 Células do epitélio de transição
 Células do epitélio renal
 Corpos graxos ovais
 VR = algumas (4 a 10)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Células Epiteliais Escamosas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células Escamosas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Células epiteliais escamosas cobertas com
Gardnerella vaginalis
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células Epiteliais com
Gardnerella vaginalis
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células Epiteliais Escamosas e de Transição
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células Epiteliais de Transição
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Células Epiteliais de Transição:
Células caudadas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células de Transição
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Células Epiteliais Renais
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Túbulo Proximal
Células Epiteliais Renais
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células Epiteliais Renais
Túbulo Distal
Urinálise
Análise Microscópica
 Célula epitelial renal – Túbulo coletor
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células Epiteliais Renais
A = Célula epitelial renal
B = Leucócito
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Corpo Graxo Oval
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Corpo Graxo Oval
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Corpo Graxo Oval
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Macrófagos
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
- “Célula chave”: vaginite cocobacilar por
Gardnerella vaginalis
– Células renais: >15 p/c ⇒ doença renal
ativa, lesão tubular
– Corpo graxo oval: lipidúria (síndrome
nefrótica, nefropatia do diabetes
mellitus e lupóide, envenenamento por
mercúrio ou etilenoglicol)
 SIGNIFICADO CLÍNICO DA PRESENÇA DE
CÉLULAS EPITELIAIS
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Formação dos Cilindros
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Cilindros de hemácias dentro dos túbulos
renais
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Cilindro
apresentando
desvio,
mostrando
a formação em
túbulos
confluentes
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Proteína
Normal
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Luz tubular
Membrana Basolateral
Proteínas
Péptides
Lisossomos
Célula do
Túbulo
Proximal
Absorção
P
R
O
T
E
Í
N
A
S
Proteína
de Tamm-Horsfall
Luz tubular
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Tipos de Cilindros
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Hialino
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cilindro Hialino
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Hialino
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cilindro Hemático
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Hemático
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Hemático
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Hemático
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Hemático
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Hemático
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cilindro Leucocitário
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Leucocitário
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Leucocitário
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Leucocitário
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cilindro Epitelial
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Epitelial
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Evolução dos cilindros
Urinálise
Análise Microscópica
Celular
Granuloso Grosso
Granuloso Fino
Céreo
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Evolução dos cilindros
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cilindro Granuloso Grosso
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Cilindro Granuloso Fino
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Céreo
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cilindro Céreo
Urinálise
Análise Microscópica
Urinálise
Análise Microscópica
 Cilindro Céreo
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cilindro Gorduroso
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro Gorduroso
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindróide
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindro misto
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Cilindro de bactérias Cilindro de leveduras
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Síndrome Nefrótica
-Cilindros:
-Hemático
-Epiteliall
-Granuloso grosso
-Granuloso fino
-Céreo
-Hemácias
-Normocíticas
-Dismórficas
-Leucócitos
-Epitélio renal
-Corpo graxo oval
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
– Hialino: normal até 2 cilindros (100 x)
– Hemático: glomerulonefrite
– Leucócitos: pielonefrite
– Epiteliais: destruição, descamação epitélio
tubular (glomerulonefrite, pielonefrite,
infecções virais, exposição a nefrotóxicos)
– Granulosos: desintegração cilindros celulares
⇒ estase urinária
– Céreos: estase renal prolongada ⇒
insuficiência renal
– Gordurosos: síndrome nefrótica (diabetes
mellitus, degeneração renal, nefrotóxicos)
SIGNIFICADO CLÍNICO DA PRESENÇA DOS CILINDROS:
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cristais de reação ácida
– Urato amorfo
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de reação ácida
– Ácido Úrico
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de reação ácida
– Ácido Úrico
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de reação ácida
– Ácido Hipúrico
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de reação ácida
– Oxalato de cálcio
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de reação ácida
– Oxalato de cálcio (dihidratado)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de reação ácida
– Oxalato de cálcio (monohidratado)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de reação ácida
– Oxalato de cálcio (monohidratado)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Oxalato de cálcio
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais Alcalinos
– Fosfato amorfo
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais Alcalinos
– Fosfato triplo amoníaco-magnesiano
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Cristais Alcalinos
– Fosfato triplo amoníaco-magnesiano se desenvolvendo
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cristais Alcalinos
– Carbonato de Cálcio
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais Alcalinos
– Biurato de amônio
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de origem
metabólica
Leucina
Leucinose (MSUD): EIM, AR, 1/290.000
↓α-cetoácido desidrogenase
Leu, Isoleu, Val na urina/ Intoxicação
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cristais de origem metabólica
Urinálise
Análise Microscópica
Tirosina
Tirosinemia hepato-renal: EIM, AR
1/120.000, ↓Fumarilacetoacetato hidrolase
Insuficiência hepática e tubulopatia
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de origem metabólica Cistina
Cistinúria: EIM, AR, 1/10.000
Reabsorção tubular alterada: Cys, Arg, Lys, Ort
Lesão renal por cálculos de cys
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Deficiência em
adeninafosforibosil
transferase:
EIM (1974)
Formação de
cristais de
2,8-DHA na urina
Insuficiência renal
aguda (26%);
IRC (17%);
cristalúria (96%)
Urinálise
Análise Microscópica
 Cristais de origem metabólica
2,8-dihidroxiadenina (2,8-DHA)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Luz polarizadaLuz polarizada Precipitação intratubular de 2,8-DHA
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de origem metabólica Colesterol
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Bilirrubina
Normal
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Sedimento corado pela
Bilirrubina
Cilindro epitelial
Cristais de Bilirrubina
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Cristais de origem iatrogênica
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Cristais de origem iatrogênica
Urinálise
Análise Microscópica
Sulfadiazina
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cristais de origem iatrogênica
Sulfonamida
Amoxicilina
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Cristais de origem iatrogênica
Indinavir Aciclovir
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Contraste
radiográfico
Cristais de origem iatrogênica
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Cilindros de cristais de oxalato de cálcio
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Muco
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Muco
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Nitrito Flora Bacteriana
Normal
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Flora Bacteriana
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Flora Bacteriana
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Protoplasto
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Gotas de Gordura
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Gotas de Gordura
Corpo Graxo Oval Cilindro Gorduroso
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Contaminantes e Artefatos
Espermatozóides
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Espermatozóides
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células e hifas leveduriformes com aspecto
morfológico de Candida sp
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células e hifas
leveduriformes com
aspecto morfológico
de Candida sp
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
A = Hemácia crenada
B = Célula leveduriforme
C= Hemácia aspecto
normal
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Trichomonas vaginalis
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Trichomonas vaginalis
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Trichomonas vaginalis
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Ovos de parasitas Enterobius vermiculares
Schistossoma haematobium
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Larvas de parasitas
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Lecane sp
Tyrophagus putrescentiace
Fêmea, ovos e filhote
(ácaro)
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Fibras
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Esporos
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
 Grãos de amido
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
?
Urinálise
Análise Microscópica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
LIBERAÇÃO DO RESULTADO
 Leucócitos e Hemácias:
– Resultado por campo: registrar o
número médio de elementos por campo,
média de 10 campos, no aumento de
400x;
– Resultado por mililitro: observar no
mínimo 10 campos, calcular a média e
expressar o número de elementos por
mililitro, multiplicando por 5040;
– Quando o campo microscópico estiver
tomado por estes elementos, e não
sendo possível visualizar outros, relatar
como presença maciça.
ABNT NBR 15268
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Células Epiteliais e Cilindros:
identificar o tipo e registrar o número
médio por campo no aumento de
100x, expressos conforme a seguir:
– Raros: até 3 por campo
– Alguns: de 4 a 10 por campo
– Numerosos: acima de 10 por
campo
Expressão de Resultados: ABNT NBR 15268
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 CILINDROS
Urinálise
Análise Microscópica
100x : encontrar e contar 400x : identificar
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Análise Microscópica
Expressão de Resultados: ABNT NBR 15268
 Citar a presença de:
– Leveduras
– Cristais (com identificação)
– Trichomonas sp
– Muco
Urinálise
Controle de Qualidade
 Programa de garantia de qualidade:
– Monitoramento contínuo de cada aspecto de um
processo;
– Assegurando o mais elevado padrão de qualidade;
– Estabelece a coordenação e a comunicação entre
as partes envolvidas
Paciente Laboratório Médico
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Controle de Qualidade
 Programa de Controle de Qualidade
Imprescindível
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Garantir a
confiabilidade
dos resultados
Certificação
do
Laboratório
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Controle de Qualidade
 Interno
 Externo
Urinálise
Controle de Qualidade
Urinálise
Controle de Qualidade
 Controle de Qualidade Interno:
– Avaliação da PRECISÃO
– Monitoração Sistemática
 Pessoal
 Instrumentos
 Materiais
 Outros fatores que possam afetar os resultados
– Definida
– Documentada
– Estabelecer limites aceitáveis
– Ações apropriadas: aceitar ou descartar resultados
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Controle de Qualidade
 Controle de Qualidade Externo:
– Avaliação da EXATIDÃO e DESEMPENHO
– Avalia o processo analítico
desenvolvido no LAC
PROGRAMAS DE CONTROLE
EXTERNO DA QUALIDADE
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Critérios de Aceitabilidade da Amostra
– Volume insuficiente
– Amostra inadequada
– Contaminação visível
– Preservação inadequada
– Identificação incorreta
– Frasco de coleta inadequado
Urinálise
Controle de Qualidade
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Preparo e Análise : Equipamentos
Urinálise
Controle de Qualidade
Limpeza e desinfecção diárias
Verificação semestral:
Controle de tempo e temperatura
Tacógrafo
Verificação periódica:
Partes ótica e mecânica
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Preparo e Análise
– Rotinas
 POP
– Pessoal Técnico Capacitado
– Disponibilização de
Material Técnico atualizado:
Livros, Atlas, Slides, Posters,
Normas Técnicas
Urinálise
Controle de Qualidade
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 Material de Laboratório Padronizado
Urinálise
Controle de Qualidade
Urinálise
Controle de Qualidade
 SEDIMENTOSCOPIA:
– Análise da mesma amostra por mais de
um analista e comparação de resultados;
– Divisão da amostra na recepção , após
homogeneização, identificação e
comparação de resultados;
– Repetição de exames de amostras ao
acaso e comparação de resultados;
– Envio da amostra a outro laboratório e
comparação de resultados;
– Utilização de Urina Controle
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Liquichek Urinalysis Control
Bio-Rad
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 não utilizar amostra de
urina recém emitida;
 utilização de frasco de
coleta inadequado;
 falta de homogeneização
da amostra de urina;
Urinálise
Principais erros observados na execução da
sedimentoscopia:
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
 utilização de procedimentos
inadequados de
centrifugação (tempo,
rotação).
 preparo incorreto do
sedimento;
 despreparo do analista.
Urinálise
Curso de Aperfeiçoamento em Análises
Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
Urinálise
Referências Bibliográficas
1. ABNT NBR 15268:2005
2. Diagnóstica Bayer. Apostila Curso de Urinálise.
3. Dictionary. http://www.nlm.nih.gov/medlineplus
4. DION R. Le sédiment urinaire. http://www. sqbc. qc.ca/liens/index.htm
5. Disciplina de Bioquímica Clínica da Faculdade de Farmácia da UFMG. Apostila de Urinálise.
6. GRAFF SL. Analisis de Orina. Atlas Color. Editora Medica Panamericana, Buenos Aires, 1987. 222 p.
7. HABER MH, LINDNER LE. The surface ultrastructure of urinary casts. Amer. J. Clin. Pathol. v. 68, p. 547-552, 1977.
8. HAYHOE FGJ & FLEMANS RJ. Um Atlas Colorido de Citologia Hematológica. 2a
. Edição. Livraria Editôra Artes Médicas Ltda. p. 233. 1990.
9. HOERR NL & OSOL A. Dicionário Médico Ilustrado Blakiston. Organização Andrei Editôra S/A. São Paulo. 1.104 p. [196-].
10. LIMA AO e cols. Métodos de Laboratório Aplicados à Clínica. Guanabara Koogan. p. 393. 1969.
11. LINDNER LE, HABER MH. Hyaline casts in the urine: mechanism of formation and morphologic transformations. Amer. J. Clin. Pathol. v. 80, p. 347-352, 1983.
12. LINDNER LE, VACCA D e HABER MH. Identification and composition of types of granular urinary casts. Amer. J. Clin. Pathol. v. 80, p. 353-358, 1983.
13. MAZOUZ B, ALGAMOR M. False-positive microhematuria in dipsticks urinalysis caused by the presence of semen in urine. Clin. Biochem. v. 36 (3), p. 229-231,
2003.
14. Medical Encyclopedia. http://www.nlm.nih.gov/medlineplus
15. MENDES, MQ e LOPES, HJJ. Atualização em Bioquímica Clínica. Mai Editôra S.A., Belo Horizonte, 1a
Edição, 1973.
16. MORIMOTO M, YANAI H, CHIBA H e MATSUNO K. Importance of midstream clean-catch technique for urinalyse, reconfirmed by urinary flow citometry. Clin.
Chim. Acta. v. 333, p. 101-102, 2003.
17. ORPHANET - Inserm SC 11. http:www.orpha.net
18. RAYMOND JR e YAGER WE. Abnormal urine color: a differential diagnosis. Sout. Med. J. v. 81. p. 837-840, 1988.
19. SOLDIN SJ, RIFAI N, HICKS JMB. Biochemical basis of pediatric disease. AACC Press., Washington D.C., 2a
. Edição, 1995. 684 p.
20. RINGSRUD KM e LINNE JJ. Urinalyses and body fluids: a color text and atlas. Mosby –Year Book Inc., Saint Louis, 1995. 336p.
21. STAPLETON, FB. Morphology of urinary red blood cells: a simple guide in localizing the site of hematuria, Pediat. Nephol. v. 34, p. 561-569, 1987.
22. STRASINGER, SK. Uroanálise e fluídos biológicos. Editorial Premier, São Paulo, 3a
Edição, 2000, 233p.
TOMITA M, KITAMOTO Y, NAKAYAMA M e SATO T. A new morphological classification of urinary erythrocytes for differential diagnosis of glomerular
hematuria, Clin. Nephrol. v. 37, p. 84-89, 1992.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Citologia de líquidos biológicos
Citologia de líquidos biológicosCitologia de líquidos biológicos
Citologia de líquidos biológicos
Universidade de Brasília
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
Lilian Keila Alves
 
Urinocultura
UrinoculturaUrinocultura
Urinocultura
Érico Maciel
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
João Marcos
 
Urinalise 1
Urinalise 1Urinalise 1
Urinalise 1
Rosimeire Areias
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
ReginaReiniger
 
Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
Fábio Baía
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
Joziane Brunelli
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
Fábio Falcão
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
rdgomlk
 
Atlas de uroanálise
Atlas de uroanáliseAtlas de uroanálise
Atlas de uroanálise
TAMARACOUT
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Jaqueline Almeida
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab
Marcia Rodrigues
 
Eritrograma - Anclivepa 2011
Eritrograma  - Anclivepa 2011Eritrograma  - Anclivepa 2011
Eritrograma - Anclivepa 2011
Ricardo Duarte
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
Fernanda Assunção
 
Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2
Jeronimo Oliveira
 
Microbiologia revisão
Microbiologia revisãoMicrobiologia revisão
Microbiologia revisão
Hemilly Rayanne
 
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIAMeios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Hemilly Rayanne
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Hamilton Nobrega
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Marcos Alan
 

Mais procurados (20)

Citologia de líquidos biológicos
Citologia de líquidos biológicosCitologia de líquidos biológicos
Citologia de líquidos biológicos
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Urinocultura
UrinoculturaUrinocultura
Urinocultura
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 
Urinalise 1
Urinalise 1Urinalise 1
Urinalise 1
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
 
Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
 
Atlas de uroanálise
Atlas de uroanáliseAtlas de uroanálise
Atlas de uroanálise
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab
 
Eritrograma - Anclivepa 2011
Eritrograma  - Anclivepa 2011Eritrograma  - Anclivepa 2011
Eritrograma - Anclivepa 2011
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
 
Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2
 
Microbiologia revisão
Microbiologia revisãoMicrobiologia revisão
Microbiologia revisão
 
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIAMeios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1Identificação convencional de fungos filamentosos1
Identificação convencional de fungos filamentosos1
 

Destaque

Sedimento urinario
Sedimento urinarioSedimento urinario
Sedimento urinario
Indalecio Carboni Bisso
 
Bioquimica sedimento urinario
Bioquimica sedimento urinarioBioquimica sedimento urinario
Bioquimica sedimento urinario
Ronald Santiago
 
Determinacion Del Filtrado Glomerular
Determinacion Del Filtrado GlomerularDeterminacion Del Filtrado Glomerular
Determinacion Del Filtrado Glomerular
Daniel Salcedo
 
Examen físico de la orina
Examen físico de la orinaExamen físico de la orina
Examen físico de la orina
HOSPITAL SANTO TOMAS
 
Examen General de la Orina. Examen Físico Químico.
Examen General de la Orina. Examen Físico Químico.Examen General de la Orina. Examen Físico Químico.
Examen General de la Orina. Examen Físico Químico.
Aleida Villa Espinosa
 
Examen físico de la orina
Examen físico de la orinaExamen físico de la orina
Examen físico de la orina
Flor Carrera
 
Atlas Sedimento Urinario
Atlas Sedimento UrinarioAtlas Sedimento Urinario
Atlas Sedimento Urinario
graff95
 
Sedimento urinario
Sedimento urinarioSedimento urinario
Sedimento urinario
Docencia Calvià
 

Destaque (8)

Sedimento urinario
Sedimento urinarioSedimento urinario
Sedimento urinario
 
Bioquimica sedimento urinario
Bioquimica sedimento urinarioBioquimica sedimento urinario
Bioquimica sedimento urinario
 
Determinacion Del Filtrado Glomerular
Determinacion Del Filtrado GlomerularDeterminacion Del Filtrado Glomerular
Determinacion Del Filtrado Glomerular
 
Examen físico de la orina
Examen físico de la orinaExamen físico de la orina
Examen físico de la orina
 
Examen General de la Orina. Examen Físico Químico.
Examen General de la Orina. Examen Físico Químico.Examen General de la Orina. Examen Físico Químico.
Examen General de la Orina. Examen Físico Químico.
 
Examen físico de la orina
Examen físico de la orinaExamen físico de la orina
Examen físico de la orina
 
Atlas Sedimento Urinario
Atlas Sedimento UrinarioAtlas Sedimento Urinario
Atlas Sedimento Urinario
 
Sedimento urinario
Sedimento urinarioSedimento urinario
Sedimento urinario
 

Semelhante a Urinálise 2013

Aula Fametro Casos Clínicos correlacionados a Histologia
Aula Fametro Casos Clínicos correlacionados a HistologiaAula Fametro Casos Clínicos correlacionados a Histologia
Aula Fametro Casos Clínicos correlacionados a Histologia
MikaLima4
 
Espermograma - dicas, truques, importância do espermograma bem feito.
Espermograma - dicas, truques, importância do espermograma bem feito. Espermograma - dicas, truques, importância do espermograma bem feito.
Espermograma - dicas, truques, importância do espermograma bem feito.
Conrado Alvarenga
 
Exames complementares
Exames complementaresExames complementares
Exames complementares
Ramon Mendes
 
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdfAula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
AdrianoCosta696471
 
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urinaInterpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Aélida Canuto
 
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Conrado Alvarenga
 
Apostila+espermograma
Apostila+espermogramaApostila+espermograma
Apostila+espermograma
puikow
 
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
Cinthia13Lima
 
Diabetesinsipido
DiabetesinsipidoDiabetesinsipido
Diabetesinsipido
Daniel Silva
 
Especialidade
EspecialidadeEspecialidade
Câncer de bexiga
Câncer de bexigaCâncer de bexiga
Câncer de bexiga
Urovideo.org
 
pd10.ppt
pd10.pptpd10.ppt
pd10.ppt
JooOlivato1
 
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânicaAula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Proqualis
 
Meios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografiaMeios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografia
Isabel Canova
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
ctisaolucascopacabana
 
Caso Clínico Infertilidade
Caso Clínico InfertilidadeCaso Clínico Infertilidade
Caso Clínico Infertilidade
Urovideo.org
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
Publicações Weinmann
 
Aim itu apresent caso
Aim itu   apresent casoAim itu   apresent caso
Aim itu apresent caso
Renato sg
 
aula bia.ppt
aula bia.pptaula bia.ppt
aula bia.ppt
EnfermeiroEdgarJunio
 
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
REBRATSoficial
 

Semelhante a Urinálise 2013 (20)

Aula Fametro Casos Clínicos correlacionados a Histologia
Aula Fametro Casos Clínicos correlacionados a HistologiaAula Fametro Casos Clínicos correlacionados a Histologia
Aula Fametro Casos Clínicos correlacionados a Histologia
 
Espermograma - dicas, truques, importância do espermograma bem feito.
Espermograma - dicas, truques, importância do espermograma bem feito. Espermograma - dicas, truques, importância do espermograma bem feito.
Espermograma - dicas, truques, importância do espermograma bem feito.
 
Exames complementares
Exames complementaresExames complementares
Exames complementares
 
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdfAula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
Aula 1_Introdução aos Exames Complementares.pdf
 
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urinaInterpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
 
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
 
Apostila+espermograma
Apostila+espermogramaApostila+espermograma
Apostila+espermograma
 
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
 
Diabetesinsipido
DiabetesinsipidoDiabetesinsipido
Diabetesinsipido
 
Especialidade
EspecialidadeEspecialidade
Especialidade
 
Câncer de bexiga
Câncer de bexigaCâncer de bexiga
Câncer de bexiga
 
pd10.ppt
pd10.pptpd10.ppt
pd10.ppt
 
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânicaAula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
 
Meios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografiaMeios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografia
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
 
Caso Clínico Infertilidade
Caso Clínico InfertilidadeCaso Clínico Infertilidade
Caso Clínico Infertilidade
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
 
Aim itu apresent caso
Aim itu   apresent casoAim itu   apresent caso
Aim itu apresent caso
 
aula bia.ppt
aula bia.pptaula bia.ppt
aula bia.ppt
 
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
 

Mais de Euripedes Barbosa

Criptococose e Histoplasmose
Criptococose e Histoplasmose Criptococose e Histoplasmose
Criptococose e Histoplasmose
Euripedes Barbosa
 
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Euripedes Barbosa
 
Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012
Euripedes Barbosa
 
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Euripedes Barbosa
 
Hipertensão intracraniana
Hipertensão intracranianaHipertensão intracraniana
Hipertensão intracraniana
Euripedes Barbosa
 
Anemias hereditarias
Anemias hereditariasAnemias hereditarias
Anemias hereditarias
Euripedes Barbosa
 
Conceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Conceitos em Patologia - Juarez QuaresmaConceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Conceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Euripedes Barbosa
 
Microbiologia parte1
Microbiologia parte1Microbiologia parte1
Microbiologia parte1
Euripedes Barbosa
 
Calcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicasCalcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicas
Euripedes Barbosa
 
Abcesso cerebral
Abcesso cerebralAbcesso cerebral
Abcesso cerebral
Euripedes Barbosa
 
Susan Boyle enfrentou o juri
Susan Boyle enfrentou o juriSusan Boyle enfrentou o juri
Susan Boyle enfrentou o juri
Euripedes Barbosa
 
Toquinho
ToquinhoToquinho
O Mundo sem as mulheres
O Mundo sem as mulheresO Mundo sem as mulheres
O Mundo sem as mulheres
Euripedes Barbosa
 
Wonderfull Word - Louis Armnstrong
Wonderfull Word - Louis ArmnstrongWonderfull Word - Louis Armnstrong
Wonderfull Word - Louis Armnstrong
Euripedes Barbosa
 
Onassis
OnassisOnassis
Pedras e Cristais
Pedras e CristaisPedras e Cristais
Pedras e Cristais
Euripedes Barbosa
 
Eu Comigo Aqui E Agora
Eu Comigo Aqui E AgoraEu Comigo Aqui E Agora
Eu Comigo Aqui E Agora
Euripedes Barbosa
 

Mais de Euripedes Barbosa (20)

Criptococose e Histoplasmose
Criptococose e Histoplasmose Criptococose e Histoplasmose
Criptococose e Histoplasmose
 
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
 
Holanda - Hollande
Holanda - Hollande Holanda - Hollande
Holanda - Hollande
 
Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012
 
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
 
Hipertensão intracraniana
Hipertensão intracranianaHipertensão intracraniana
Hipertensão intracraniana
 
Anemias hereditarias
Anemias hereditariasAnemias hereditarias
Anemias hereditarias
 
The Beatles
The BeatlesThe Beatles
The Beatles
 
Conceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Conceitos em Patologia - Juarez QuaresmaConceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Conceitos em Patologia - Juarez Quaresma
 
Microbiologia parte1
Microbiologia parte1Microbiologia parte1
Microbiologia parte1
 
Calcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicasCalcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicas
 
Abcesso cerebral
Abcesso cerebralAbcesso cerebral
Abcesso cerebral
 
Susan Boyle enfrentou o juri
Susan Boyle enfrentou o juriSusan Boyle enfrentou o juri
Susan Boyle enfrentou o juri
 
Toquinho
ToquinhoToquinho
Toquinho
 
O Mundo sem as mulheres
O Mundo sem as mulheresO Mundo sem as mulheres
O Mundo sem as mulheres
 
Wonderfull Word - Louis Armnstrong
Wonderfull Word - Louis ArmnstrongWonderfull Word - Louis Armnstrong
Wonderfull Word - Louis Armnstrong
 
Onassis
OnassisOnassis
Onassis
 
Pedras e Cristais
Pedras e CristaisPedras e Cristais
Pedras e Cristais
 
Mulheres Encalhadas
Mulheres EncalhadasMulheres Encalhadas
Mulheres Encalhadas
 
Eu Comigo Aqui E Agora
Eu Comigo Aqui E AgoraEu Comigo Aqui E Agora
Eu Comigo Aqui E Agora
 

Urinálise 2013

  • 1. UrináliseUrinálise SedimentoscopiaSedimentoscopia Profa. Dra. Jane Maciel Almeida Baptista Faculdade de Farmácia da UFMG
  • 2. Urinálise ABNT NBR 15268:2005 Laboratório Clínico – Requisitos e recomendações para exame de urina Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista 1. Objetivo 2. Referências Normativas 3. Definições 4. Exame de urina 5. Procedimento para a determinação do sedimento urinário 6. Exame de urina automatizado 7. Coletas das amostras - Anexo A: Tipos, identificação e aceitação/rejeição de amostras - Anexo B: Bibliografia
  • 3. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Sedimentoscopia Urina  Aplicação: – auxiliar no diagnóstico de uma doença; – triagem de uma população quanto a doenças assintomáticas, congênitas ou hereditárias; – monitorar a evolução de doença; – monitorar a efetividade ou as complicações de terapias.  O estudo da urina avalia alterações do trato urinário, da função renal, de doenças metabólicas, hemolíticas e hepáticas, além de possibilitar a identificação de condições e patologias raras.
  • 4. Análise Microscópica ABNT NBR 15268:2005 SEDIMENTOSCOPIA INDISPENSÁVEL  Laboratório Clínico – Procedimentos de qualidade documentados e atualizados – Uniformidade de execução do sedimento – Avaliação do sedimento pelo mesmo procedimento – Investigação dos mesmos elementos – Usando mesmos critérios de avaliação Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 5. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise  Padronização da Coleta – Primeira urina da manhã – Após assepsia da área genital – Desprezar o primeiro jato – Coletar o jato médio – Analisar no prazo de 1 a 2 horas após coleta – A amostra que não puder ser analisada neste prazo deve ser refrigerada a 4ºC  Coletas Especiais – aleatória – dismorfismo eritrocitário
  • 6. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise – Segunda urina da manhã – Após assepsia da área genital – Desprezar o primeiro jato – Coletar o jato médio – Analisar no prazo de 1 a 2 horas após coleta – A amostra que não puder ser analisada neste prazo deve ser rejeitada Coleta para pesquisa de dismorfismo eritrocitário
  • 7. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Material de Laboratório Padronizado Urinálise Análise Microscópica
  • 8. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Utilização da lâmina K-Cell  Amostra homogeneizada em tubo de centrífuga de 12mL;  Centrifugar por 5 minutos a 1.500 rpm;  Eliminar 11mL do sobrenadante;  Ressuspender e homogeneizar o precipitado;  Encher o poço da lâmina;  Observar no aumento de 400x;  Multiplicar por 1.200 o número de elementos encontrados nos 9 círculos;  Valor encontrado indica o número de elementos em 1mL de urina. Urinálise Análise Microscópica
  • 9. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Material de Laboratório Padronizado
  • 10. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Material de laboratório padronizado
  • 11. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista CenSlide 2000 – Urinalysis Sistem
  • 12. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista ABNT NBR 15268:2005 Padronização do exame microscópico  Amostra: jato médio  Volume urinário mínimo: 10 mL  Tempo de centrifugação: 5 minutos  Velocidade de centrifugação: 400 FCR (1.500-2.000 rpm)  Volume de sedimento: 0,20 mL (200 µL)  Volume de sedimento observado: 0,02 mL (20 µL)  Lamínula padrão: 22 × 22 mm  Ocular: 10×  Objetivas : 10× e 40×  Número de campos observados: 10 campos
  • 13. ABNT NBR 15268:2005 Padronização do exame do sedimento urinário  Homogeneizar e transferir 10 mL para tubo de centrífuga;  Centrifugar a 1.500 - 2.000 rpm por 5 minutos;  Retirar 9,8 mL do sobrenadante, deixando 0,20 mL no tubo;  Ressuspender com leves batidas no fundo do tubo;  Transferir 0,020 mL (20 µL) para uma lâmina de microscopia;  Colocar uma lamínula padrão (22x22 mm);  Avaliar no mínimo, 10 campos microscópicos;  Calcular a média;  Expressar os resultados padronizados pelo LC. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 14. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Elementos observados  Hemácias  Leucócitos  Células Epiteliais  Cilindros  Cristais  Muco  Flora bacteriana  Diversos
  • 15. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise
  • 16. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Hemácias: 0 a 3 hemácias por campo – Isomórficas
  • 17. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Sangue Hemácias Urina isotônica : hemácias aspecto usual Urina diluída (hipotônica): hemácias maiores, (sombras) Urina concentrada (hipertônica): hemácias crenadas Hemácias Isomórficas Urinálise Análise Microscópica Normal
  • 18. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Hemácias Isomórficas
  • 19. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Hemácias Isomórficas
  • 20. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Hemácias Isomórficas
  • 21. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Aglomerado de Hemácias
  • 22. Urinálise Análise Microscópica  Alterações da morfologia das hemácias Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Isomorfia Dismorfia normal septada fantasma crenada grande monodiverticular anular vazia espiculada Mistura destas monodiverticular polidiverticular
  • 23. Urinálise Análise Microscópica  Morfologia das hemácias na urina (CF) – Classificação de Bessis (1972, 1977) Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Discócitos Equinócitos Anulócito “Fantasma” Esquisócitos Estomatócito Codócito Knisócito Acantócito
  • 24. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Dismorfismo eritrocitário  Características: – Alterações da membrana celular – Presença de bulbos – Ruptura da membrana celular – Perda do conteúdo de hemoglobina – Perda do citoplasma – Presença de extrusões citoplasmáticas – Depósito de material fase-denso na região da membrana celular Urinálise Análise Microscópica
  • 25. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Dismorfismo eritrocitário  Fisiopatogênia:  Estresse mecânico: passagem pela membrana basal do glomérulo
  • 26. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Estresse mecânico
  • 27. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Fisiopatogênia:  Alteração osmótica por exposição ao filtrado hipotônico durante passagem ao longo dos néfrons  Exposição à urina ácida e concentrada  Influência de enzimas lisossomiais de células inflamatórias  Tentativa de fagocitose por células epiteliais tubulares Dismorfismo eritrocitário
  • 28. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Hemácias Dismórficas
  • 29. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Hemácias Dismórficas: microscopia normal
  • 30. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Hemácias Dismórficas: microscopia normal
  • 31. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Hemácias Dismórficas: microscopia de contraste de fase Urinálise Análise Microscópica
  • 32. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Hemácias Dismórficas Codócito Codócito Acantócito Acantócito 1.000 X imersão
  • 33. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Hemácias Dismórficas: Steinheimer-Malbin
  • 34. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Hemácias Dismórficas: Papanicolaou
  • 35. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Eletron micrografia Isomórficas
  • 36. Urinálise Análise Microscópica  Eletron micrografia Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Dismórficas
  • 37. Urinálise Análise Microscópica - A microscopia de contraste de fase é indispensável. - Ela gera um fino halo irisado em torno da hemácia, o que facilita sua identificação. Sensibilidade = 96% Especificidade: 98,10% (1 tipo) 98,40% (2 tipos) 99,95% (3 tipos) Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 38. Urinálise Análise Microscópica  Hemácias isomórficas: contraste de fase Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 39. Urinálise Análise Microscópica  Hemácias: contraste de fase Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista isomórficas dismórficas
  • 40. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Hemácias Dismórficas: contraste de fase
  • 41. Urinálise Análise Microscópica Hemácias: Contraste de fase Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Nomenclatura Internacional Isomórficas Células G1 Acantócitos Dismórficas Células G Glomerulares
  • 42. Urinálise Análise Microscópica Hemácias dismórficas: Tipos Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Células G1 Hematúria Glomerular A= Acantócito B= Perda de Hb central Codócito C= Anel Seta= Isomórficas
  • 43. Urinálise Análise Microscópica  Hemácias Dismórficas: contraste de fase Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 44. Urinálise Análise Microscópica Hemácias Dismórficas Contraste de Fase x Eletron micrografia Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 45. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Hemácias dismórficas no sangue (hiperbilirrubinemia) Hemácias dismórficas na urina
  • 46. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Hemácias dismórficas no sangue (Anemia falciforme) Hemácias dismórficas na urina
  • 47. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Hematúria: Qual a implicação clínica de distinção de hematúria isomórfica ou dismórfica? Farley K & Birch DF, 1982 (Kidney Int, 21) Hemácias dismórficas Hematúria por doença glomerular Hemácias isomórficas Hematúria por doença urológica
  • 48. Urinálise Análise Microscópica Avaliação da hematúria pela morfologia das hemácias Autor Doenças Glomerulares Doenças Urológicas Fasset et al. 1982 115/120 100/105 De Santo et al. 1987 81/84 82/87 Rath et al. 1990 86/100 20/22 Tomita et al. 1992 73/73 40/40 TOTAL 355/377 (94%) 242/254 (95%) Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 49. Urinálise Análise Microscópica  Hematúria Dismórfica Fasset RG, Horgn BA, Mathew TH (Lancet, I, 1982) Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Hematúria > 80% glomerular hemácias dismórficas Hematúria > 80% não glomerular hemácias isomórficas
  • 50. Urinálise Análise Microscópica  Hematúria Dismórfica Köhler H, Wandel E, Brunck B (Kidney Int, 40, 1991) Acantocitúria Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Marcador característico de hemorragia glomerular > 5% acantócitos
  • 51. Urinálise Análise Microscópica CUIDADO Presença de pseudo-células G1 (acantócito) Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Eritrócito de origem não glomerular, com configuração de alvo, com aspecto de brotamento lateral, exterior, formado por massa de hemoglobina localizada na borda da célula. O mecanismo de formação é desconhecido (> centrifugação ?). NGUYEN GH. Urine citology in renal glomerular disease and value of G1 cells in the diagnosis of glomerular bleeding. Diag. Cytop., 2003
  • 52. Urinálise Análise Microscópica  Coleta para pesquisa de dismorfismo eritrocitário  Segunda urina da manhã  Após assepsia da área genital  Desprezar o primeiro jato  Coletar o jato médio  Analisar no prazo de 1 a 2 horas após coleta  A amostra que não puder ser analisada neste prazo deve ser rejeitada Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 53. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  SIGNIFICADO CLÍNICO DA PRESENÇA DE HEMÁCIAS  Causas pré-renais: coagulopatias, terapia com anticoagulantes, anemia falciforme e hemoglobinopatias.  Causas renais glomerulares: glomerulonefrites agudas, glomerulonefrites crônicas, nefrite devido a lúpus e hematúria familiar benigna.  Causas renais não glomerulares: nefroesclerose, infarto renal, tuberculose renal, pielonefrite, rim policístico, nefrite intersticial, tumores, mal formações vasculares, traumatismo, necroses intersticiais, hematomas perirenais, abuso de analgésicos e nefropatias secundárias (irradiação, hipercalcemia, hiperuricemia).  Causas pós-renais: cálculos, tumores do trato urinário inferior, cistites, prostatites, epididimites, estenose da uretra, uretrites, hipertrofia da próstata, endometriose, exercícios físicos intensos e obstruções do fluxo urinário.
  • 54. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Hematúria + proteinúria + cilindros hemáticos + hematúria dismórfica: origem glomerular  Hematúria sem estes elementos : origem urológica  Presença de coágulos: origem urológica  Contaminação por fluído menstrual SIGNIFICADO CLÍNICO DA PRESENÇA DE HEMÁCIAS
  • 55. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Leucócitos: até 4 por campo
  • 56. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Leucócito esterase Normal
  • 57. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Leucócitos
  • 58. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Aglomerado de Leucócitos
  • 59. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Leucócitos: células de Steinheimer-Malbin “células cintilantes”
  • 60. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  SIGNIFICADO CLÍNICO DA PRESENÇA DE LEUCÓCITOS  A presença de mais de cinco leucócitos por campo é considerada anormal, é denominada piúria e indica inflamação no trato genitourinário. A piúria pode ser devida a infecção bacteriana; pode ser causada por doenças intrínsecas renais, como a glomerulonefrite, a nefrite lupóide e tumores, ou ainda por doenças do trato urinário inferior ou do trato genital.
  • 61. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Presença de Linfócitos: Steinheimer-Malbin
  • 62. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Doenças associadas • Nefrite intersticial aguda • Glomerulonefrite rapidamente progressiva •Prostatite aguda • Presença de Eosinófilos : May-Grünwald-Giemsa
  • 63. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Células Epiteliais  São encontradas em praticamente todas as amostras urinárias, elas guarnecem o epitélio dos tratos urinário e genital e são eliminadas na urina devido a descamação ou esfoliação normal  Células epiteliais escamosas  Células do epitélio de transição  Células do epitélio renal  Corpos graxos ovais  VR = algumas (4 a 10)
  • 64. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Células Epiteliais Escamosas
  • 65. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células Escamosas
  • 66. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Células epiteliais escamosas cobertas com Gardnerella vaginalis Urinálise Análise Microscópica
  • 67. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células Epiteliais com Gardnerella vaginalis
  • 68. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células Epiteliais Escamosas e de Transição
  • 69. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células Epiteliais de Transição
  • 70. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Células Epiteliais de Transição: Células caudadas
  • 71. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células de Transição
  • 72. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Células Epiteliais Renais
  • 73. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Túbulo Proximal Células Epiteliais Renais Urinálise Análise Microscópica
  • 74. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células Epiteliais Renais Túbulo Distal
  • 75. Urinálise Análise Microscópica  Célula epitelial renal – Túbulo coletor Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 76. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células Epiteliais Renais A = Célula epitelial renal B = Leucócito
  • 77. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Corpo Graxo Oval
  • 78. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Corpo Graxo Oval
  • 79. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Corpo Graxo Oval
  • 80. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Macrófagos Urinálise Análise Microscópica
  • 81. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica - “Célula chave”: vaginite cocobacilar por Gardnerella vaginalis – Células renais: >15 p/c ⇒ doença renal ativa, lesão tubular – Corpo graxo oval: lipidúria (síndrome nefrótica, nefropatia do diabetes mellitus e lupóide, envenenamento por mercúrio ou etilenoglicol)  SIGNIFICADO CLÍNICO DA PRESENÇA DE CÉLULAS EPITELIAIS
  • 82. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Formação dos Cilindros
  • 83. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Cilindros de hemácias dentro dos túbulos renais
  • 84. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Cilindro apresentando desvio, mostrando a formação em túbulos confluentes
  • 85. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Proteína Normal
  • 86. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Luz tubular Membrana Basolateral Proteínas Péptides Lisossomos Célula do Túbulo Proximal Absorção P R O T E Í N A S Proteína de Tamm-Horsfall Luz tubular
  • 87. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Tipos de Cilindros
  • 88. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Hialino
  • 89. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cilindro Hialino Urinálise Análise Microscópica
  • 90. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Hialino
  • 91. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cilindro Hemático Urinálise Análise Microscópica
  • 92. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Hemático
  • 93. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Hemático
  • 94. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Hemático
  • 95. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Hemático
  • 96. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Hemático
  • 97. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cilindro Leucocitário Urinálise Análise Microscópica
  • 98. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Leucocitário
  • 99. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Leucocitário
  • 100. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Leucocitário
  • 101. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica
  • 102. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cilindro Epitelial Urinálise Análise Microscópica
  • 103. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Epitelial
  • 104. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Evolução dos cilindros Urinálise Análise Microscópica Celular Granuloso Grosso Granuloso Fino Céreo
  • 105. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Evolução dos cilindros
  • 106. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cilindro Granuloso Grosso Urinálise Análise Microscópica
  • 107. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Cilindro Granuloso Fino
  • 108. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Céreo
  • 109. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cilindro Céreo Urinálise Análise Microscópica
  • 110. Urinálise Análise Microscópica  Cilindro Céreo Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 111. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cilindro Gorduroso Urinálise Análise Microscópica
  • 112. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro Gorduroso
  • 113. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindróide
  • 114. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindro misto
  • 115. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Cilindro de bactérias Cilindro de leveduras
  • 116. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Síndrome Nefrótica -Cilindros: -Hemático -Epiteliall -Granuloso grosso -Granuloso fino -Céreo -Hemácias -Normocíticas -Dismórficas -Leucócitos -Epitélio renal -Corpo graxo oval
  • 117. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica – Hialino: normal até 2 cilindros (100 x) – Hemático: glomerulonefrite – Leucócitos: pielonefrite – Epiteliais: destruição, descamação epitélio tubular (glomerulonefrite, pielonefrite, infecções virais, exposição a nefrotóxicos) – Granulosos: desintegração cilindros celulares ⇒ estase urinária – Céreos: estase renal prolongada ⇒ insuficiência renal – Gordurosos: síndrome nefrótica (diabetes mellitus, degeneração renal, nefrotóxicos) SIGNIFICADO CLÍNICO DA PRESENÇA DOS CILINDROS:
  • 118. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cristais de reação ácida – Urato amorfo Urinálise Análise Microscópica
  • 119. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de reação ácida – Ácido Úrico
  • 120. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de reação ácida – Ácido Úrico
  • 121. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de reação ácida – Ácido Hipúrico
  • 122. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de reação ácida – Oxalato de cálcio
  • 123. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de reação ácida – Oxalato de cálcio (dihidratado)
  • 124. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de reação ácida – Oxalato de cálcio (monohidratado)
  • 125. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de reação ácida – Oxalato de cálcio (monohidratado)
  • 126. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Oxalato de cálcio
  • 127. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais Alcalinos – Fosfato amorfo
  • 128. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais Alcalinos – Fosfato triplo amoníaco-magnesiano
  • 129. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Cristais Alcalinos – Fosfato triplo amoníaco-magnesiano se desenvolvendo Urinálise Análise Microscópica
  • 130. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cristais Alcalinos – Carbonato de Cálcio Urinálise Análise Microscópica
  • 131. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais Alcalinos – Biurato de amônio
  • 132. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de origem metabólica Leucina Leucinose (MSUD): EIM, AR, 1/290.000 ↓α-cetoácido desidrogenase Leu, Isoleu, Val na urina/ Intoxicação
  • 133. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cristais de origem metabólica Urinálise Análise Microscópica Tirosina Tirosinemia hepato-renal: EIM, AR 1/120.000, ↓Fumarilacetoacetato hidrolase Insuficiência hepática e tubulopatia
  • 134. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de origem metabólica Cistina Cistinúria: EIM, AR, 1/10.000 Reabsorção tubular alterada: Cys, Arg, Lys, Ort Lesão renal por cálculos de cys
  • 135. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Deficiência em adeninafosforibosil transferase: EIM (1974) Formação de cristais de 2,8-DHA na urina Insuficiência renal aguda (26%); IRC (17%); cristalúria (96%)
  • 136. Urinálise Análise Microscópica  Cristais de origem metabólica 2,8-dihidroxiadenina (2,8-DHA) Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Luz polarizadaLuz polarizada Precipitação intratubular de 2,8-DHA
  • 137. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de origem metabólica Colesterol
  • 138. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Bilirrubina Normal
  • 139. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Sedimento corado pela Bilirrubina Cilindro epitelial Cristais de Bilirrubina
  • 140. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Cristais de origem iatrogênica Urinálise Análise Microscópica
  • 141. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Cristais de origem iatrogênica Urinálise Análise Microscópica Sulfadiazina
  • 142. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cristais de origem iatrogênica Sulfonamida Amoxicilina
  • 143. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Cristais de origem iatrogênica Indinavir Aciclovir
  • 144. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Contraste radiográfico Cristais de origem iatrogênica Urinálise Análise Microscópica
  • 145. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Cilindros de cristais de oxalato de cálcio
  • 146. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Muco Urinálise Análise Microscópica
  • 147. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Muco
  • 148. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Nitrito Flora Bacteriana Normal
  • 149. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Flora Bacteriana
  • 150. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Flora Bacteriana Urinálise Análise Microscópica
  • 151. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Protoplasto
  • 152. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Gotas de Gordura
  • 153. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Gotas de Gordura Corpo Graxo Oval Cilindro Gorduroso
  • 154. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Contaminantes e Artefatos Espermatozóides
  • 155. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Espermatozóides
  • 156. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células e hifas leveduriformes com aspecto morfológico de Candida sp
  • 157. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células e hifas leveduriformes com aspecto morfológico de Candida sp
  • 158. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista A = Hemácia crenada B = Célula leveduriforme C= Hemácia aspecto normal Urinálise Análise Microscópica
  • 159. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Trichomonas vaginalis
  • 160. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Trichomonas vaginalis
  • 161. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Trichomonas vaginalis
  • 162. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Ovos de parasitas Enterobius vermiculares Schistossoma haematobium
  • 163. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Larvas de parasitas
  • 164. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Lecane sp Tyrophagus putrescentiace Fêmea, ovos e filhote (ácaro)
  • 165. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Fibras
  • 166. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Esporos
  • 167. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica  Grãos de amido
  • 168. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica ?
  • 169. Urinálise Análise Microscópica Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 170. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica LIBERAÇÃO DO RESULTADO  Leucócitos e Hemácias: – Resultado por campo: registrar o número médio de elementos por campo, média de 10 campos, no aumento de 400x; – Resultado por mililitro: observar no mínimo 10 campos, calcular a média e expressar o número de elementos por mililitro, multiplicando por 5040; – Quando o campo microscópico estiver tomado por estes elementos, e não sendo possível visualizar outros, relatar como presença maciça. ABNT NBR 15268
  • 171. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Células Epiteliais e Cilindros: identificar o tipo e registrar o número médio por campo no aumento de 100x, expressos conforme a seguir: – Raros: até 3 por campo – Alguns: de 4 a 10 por campo – Numerosos: acima de 10 por campo Expressão de Resultados: ABNT NBR 15268
  • 172. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  CILINDROS Urinálise Análise Microscópica 100x : encontrar e contar 400x : identificar
  • 173. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Análise Microscópica Expressão de Resultados: ABNT NBR 15268  Citar a presença de: – Leveduras – Cristais (com identificação) – Trichomonas sp – Muco
  • 174. Urinálise Controle de Qualidade  Programa de garantia de qualidade: – Monitoramento contínuo de cada aspecto de um processo; – Assegurando o mais elevado padrão de qualidade; – Estabelece a coordenação e a comunicação entre as partes envolvidas Paciente Laboratório Médico Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 175. Urinálise Controle de Qualidade  Programa de Controle de Qualidade Imprescindível Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Garantir a confiabilidade dos resultados Certificação do Laboratório
  • 176. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Controle de Qualidade  Interno  Externo Urinálise Controle de Qualidade
  • 177. Urinálise Controle de Qualidade  Controle de Qualidade Interno: – Avaliação da PRECISÃO – Monitoração Sistemática  Pessoal  Instrumentos  Materiais  Outros fatores que possam afetar os resultados – Definida – Documentada – Estabelecer limites aceitáveis – Ações apropriadas: aceitar ou descartar resultados Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 178. Urinálise Controle de Qualidade  Controle de Qualidade Externo: – Avaliação da EXATIDÃO e DESEMPENHO – Avalia o processo analítico desenvolvido no LAC PROGRAMAS DE CONTROLE EXTERNO DA QUALIDADE Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista
  • 179. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Critérios de Aceitabilidade da Amostra – Volume insuficiente – Amostra inadequada – Contaminação visível – Preservação inadequada – Identificação incorreta – Frasco de coleta inadequado Urinálise Controle de Qualidade
  • 180. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Preparo e Análise : Equipamentos Urinálise Controle de Qualidade Limpeza e desinfecção diárias Verificação semestral: Controle de tempo e temperatura Tacógrafo Verificação periódica: Partes ótica e mecânica
  • 181. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Preparo e Análise – Rotinas  POP – Pessoal Técnico Capacitado – Disponibilização de Material Técnico atualizado: Livros, Atlas, Slides, Posters, Normas Técnicas Urinálise Controle de Qualidade
  • 182. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  Material de Laboratório Padronizado Urinálise Controle de Qualidade
  • 183. Urinálise Controle de Qualidade  SEDIMENTOSCOPIA: – Análise da mesma amostra por mais de um analista e comparação de resultados; – Divisão da amostra na recepção , após homogeneização, identificação e comparação de resultados; – Repetição de exames de amostras ao acaso e comparação de resultados; – Envio da amostra a outro laboratório e comparação de resultados; – Utilização de Urina Controle Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Liquichek Urinalysis Control Bio-Rad
  • 184. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  não utilizar amostra de urina recém emitida;  utilização de frasco de coleta inadequado;  falta de homogeneização da amostra de urina; Urinálise Principais erros observados na execução da sedimentoscopia:
  • 185. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista  utilização de procedimentos inadequados de centrifugação (tempo, rotação).  preparo incorreto do sedimento;  despreparo do analista. Urinálise
  • 186. Curso de Aperfeiçoamento em Análises Clínicas/DACT/UFMGProfa. Jane Maciel Almeida Baptista Urinálise Referências Bibliográficas 1. ABNT NBR 15268:2005 2. Diagnóstica Bayer. Apostila Curso de Urinálise. 3. Dictionary. http://www.nlm.nih.gov/medlineplus 4. DION R. Le sédiment urinaire. http://www. sqbc. qc.ca/liens/index.htm 5. Disciplina de Bioquímica Clínica da Faculdade de Farmácia da UFMG. Apostila de Urinálise. 6. GRAFF SL. Analisis de Orina. Atlas Color. Editora Medica Panamericana, Buenos Aires, 1987. 222 p. 7. HABER MH, LINDNER LE. The surface ultrastructure of urinary casts. Amer. J. Clin. Pathol. v. 68, p. 547-552, 1977. 8. HAYHOE FGJ & FLEMANS RJ. Um Atlas Colorido de Citologia Hematológica. 2a . Edição. Livraria Editôra Artes Médicas Ltda. p. 233. 1990. 9. HOERR NL & OSOL A. Dicionário Médico Ilustrado Blakiston. Organização Andrei Editôra S/A. São Paulo. 1.104 p. [196-]. 10. LIMA AO e cols. Métodos de Laboratório Aplicados à Clínica. Guanabara Koogan. p. 393. 1969. 11. LINDNER LE, HABER MH. Hyaline casts in the urine: mechanism of formation and morphologic transformations. Amer. J. Clin. Pathol. v. 80, p. 347-352, 1983. 12. LINDNER LE, VACCA D e HABER MH. Identification and composition of types of granular urinary casts. Amer. J. Clin. Pathol. v. 80, p. 353-358, 1983. 13. MAZOUZ B, ALGAMOR M. False-positive microhematuria in dipsticks urinalysis caused by the presence of semen in urine. Clin. Biochem. v. 36 (3), p. 229-231, 2003. 14. Medical Encyclopedia. http://www.nlm.nih.gov/medlineplus 15. MENDES, MQ e LOPES, HJJ. Atualização em Bioquímica Clínica. Mai Editôra S.A., Belo Horizonte, 1a Edição, 1973. 16. MORIMOTO M, YANAI H, CHIBA H e MATSUNO K. Importance of midstream clean-catch technique for urinalyse, reconfirmed by urinary flow citometry. Clin. Chim. Acta. v. 333, p. 101-102, 2003. 17. ORPHANET - Inserm SC 11. http:www.orpha.net 18. RAYMOND JR e YAGER WE. Abnormal urine color: a differential diagnosis. Sout. Med. J. v. 81. p. 837-840, 1988. 19. SOLDIN SJ, RIFAI N, HICKS JMB. Biochemical basis of pediatric disease. AACC Press., Washington D.C., 2a . Edição, 1995. 684 p. 20. RINGSRUD KM e LINNE JJ. Urinalyses and body fluids: a color text and atlas. Mosby –Year Book Inc., Saint Louis, 1995. 336p. 21. STAPLETON, FB. Morphology of urinary red blood cells: a simple guide in localizing the site of hematuria, Pediat. Nephol. v. 34, p. 561-569, 1987. 22. STRASINGER, SK. Uroanálise e fluídos biológicos. Editorial Premier, São Paulo, 3a Edição, 2000, 233p. TOMITA M, KITAMOTO Y, NAKAYAMA M e SATO T. A new morphological classification of urinary erythrocytes for differential diagnosis of glomerular hematuria, Clin. Nephrol. v. 37, p. 84-89, 1992.